Arquivo da categoria: Notícias

Sete peças, dentre muitas, para ver em São Paulo

 

Manifesto Transpofágico, com Renata Carvalho. Foto Danilo Galvão / Divulgação

Maria de Escócia, com  Kátia Naiane e Bete Dorgam

Kleber Lourenço em Pedreira!

Para quem gosta de teatro, como as Yolandas, São Paulo é um verdadeiro banquete. Muitas opções em vários gêneros, dos espaços mais tradicionais aos alternativos. Escolhemos sete da oferta generosa deste mês de junho. São peças que queremos ver e trazem questões que nos interessam.

Maria de Escócia recua até o século 16 para fazer um debate sobre domínios, duas rainhas, muitos súditos e conspirações para pensar sobre o poder e seus tentáculos.

Da obra homônima de João do Rio, situada no Rio de Janeiro do início do século 20, a Coletiva Rainha Kong busca investe nas questões de gênero para salientar a perseguição da polícia e do estado a determinadas corpas em O Bebê de Tarlatana Rosa.

O solo A Idade da peste, com atuação e direção de Cácia Goulart a partir de texto de Reni Adriano, aborda o racismo e disseca o mal-estar da branquitude 

Um filme de terror de baixo orçamento, de apelo cômico está no centro do espetáculo O Mistério Cinematográfico de Sendras Berloni. Com a peça, Extemporânea explora o potencial artístico do conceito de pós-verdade, falso e dublê.  

A Brava Companhia faz uma crítica contundente ao sistema capitalista em ruínas, com o espetáculo Terra de Matadouros. A montagem é livremente inspirada no texto Santa Joana dos Matadouros, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956).

Com direção de Fábio Resende, o elenco – formado por Ademir de Almeida, Elis Martins, José Adeir, Márcio Rodrigues, Max Raimundo e Paula da Paz –  se reveza na interpretação de dezenas de personagens, na operação técnica e na execução de músicas originais, que são tocadas e cantadas ao vivo.

O espetáculo Manifesto Transpofágico, da atriz Renata Carvalho é dividido em dois momentos: O primeiro é a apresentação do corpo travesti, suas historicidades, “transcestralidade” e as construções que rodeiam corpos trans/travestis. No segundo momento, Carvalho está na plateia e propõe uma conversa com o público expondo questionamentos pessoais e temas como cisgeneridade, passabilidade e perguntas de qualquer ordem.

O movimento que aciona a memória do corpo em Pedreira!, espetáculo de dança de Kleber Lourenço, é ao mesmo tempo pessoal e coletivo. O trabalho dançado sobre existências e ancestralidade tem a mitopóetica de Xangô como ponto de partida para uma releitura que tematiza a relação do homem negro com os territórios em que habita: a cidade, a natureza e suas ações de luta por justiça. 

 

Maria da Escócia – Teatro Cacilda Becker

Maria de Escócia, com Bete Dorgam e Kátia Naiane. Foto: Divulgação

O encontro fictício entre as rainhas Elizabeth I e Mary Stuart ocorre de 17 a 26 de junho (às sextas e aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h). no Teatro Cacilda Becker. O espetáculo Maria da Escócia discute as relações de poder e os mecanismos de sustentação. Com texto de Fernando Bonassi e direção de Alexandre Brazil, a peça é interpretada por por Bete Dorgam e Kátia Naiane. Maria da Escócia é inspirada no texto Mary Stuart (1800), do alemão Friedrich Schiller.

Elizabeth I precisa lidar com muitas questões para se manter no poder, inclusive mandar cortar a cabeça da prima, Maria, acusada de conspiração. As duas rainhas estão cercadas por homens manipuladores e a mais poderosa das duas não consegue refletir sobre o contexto e exercer a sororidade com a parenta.

 Ficha Técnica
De Fernando Bonassi
Inspirado e baseado na obra Mary Stuart de Friedrich Schiller
Idealização e Direção: Alexandre Brazil
Co-Direção: Cacau Merz
Elenco: Bete Dorgam e Kátia Naiane
Cenário/Cenografia e Adereços: Mateus Fiorentino Nanci e Megamini
Música Original: Dan Maia
Iluminação: Felipe Tchaça
Figurino: Alexandre Brazil
Gola Rufo: Marichilene Artisevskis 
Visagismo: Sergio Gordin e Carmen Silva 
Assistente de Visagismo: Leninha Uckerman
Costura de Figurinos: Judite de Lima, Glória Amaral, Lili Santa Rosa e Maria Lúcia  
Fotografia: Philipp Lavra
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Produção Gráfica e Mídias Socias: Felipe Apolo 
Produção Executiva: Escritório das Artes 
Coordenação de Produção: Maurício Inafre
Direção de Produção: Alexandre Brazil
Gestão de Produção: Escritório das Artes
Realização: Alexandre Brazil da Silva – “Este projeto foi contemplado pelo EDITAL DE APOIO A PROJETOS CULTURAIS DESCENTRALIZADOS DE MÚLTIPLAS LINGUAGENS — Secretaria Municipal de Cultura”

Serviço
Maria da Escócia, de Fernando Bonassi
Temporada: 17 a 26 de junho
Às sextas e aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h.
A estreia é gratuita. 
Teatro Cacilda Becker – Rua Tito, 295, Lapa
Ingressos: R$10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada)
Vendas online: através do site Sympla e 1 horas antes do início do espetáculo diretamente na bilheteria.
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Capacidade: 198 lugares
 
Encontros:
Dia 19 de junho, às 20h15 – bate-papo com as atrizes;
Dia 25 de junho, às 17h  –  bate-papo sobre a direção artística e o processo do espetáculo com Alexandre Brazil e Cacau Merz;
Dia 25 de junho, às 18h – bate-papo sobre produção e o processo de montagem com Alexandre Brazil e Mauricio Inafre.
 

O Bebê de Tarlatana Rosa – Sesc Pinheiros – Espaço Expositivo (2º andar)

Aleph antialeph, Helena Agalenéa, Jaoa de Mello e Vitinho Rodrigues em O Bebê de Tarlatana Rosa. Foto: Karen Mezza

Livremente inspirado no conto homônimo de João do Rio (1881-1921), O Bebê de Tarlatana Rosa leva dados da vida dos artistas LGBTs em cena para ampliar o debate sobre questões de gênero.

Situada no Rio de Janeiro do início do século 20, a peça fala de um Brasil em fase de transição. Do processo de higienização no centro do Rio de Janeiro, e o enaltecimento de tudo que era europeu, branco e cisgênero.

Coletiva Rainha Kong traça um paralelo com dois Brasis, o do passado e o do presente, para levantar a pergunta dos corpos eleitos e de corpos mirados pela necropolítica.

Ficha Técnica
Direção: Rainha Kong
Dramaturgia: criação coletiva livremente inspirada em texto de João do Rio
Elenco: Aleph antialeph, Helena Agalenéa, Jaoa de Mello, Vitinho Rodrigues
Desenho e operação de luz: Felipe Tchaça
Sonoplastia: Rainha Kong e Nãovenhasemrosto
Operação de som: Nãovenhasemrosto
Arte: Aleph antialeph
Material fotográfico e videográfico: Karen Mezza, Natt Fejfar, Normélia Rodrigues, Thomas BF” e VM Filmes
Produção: RK Produção
Coordenação de produção: Iza Marie Miceli
Assessoria de imprensa: Canal Aberto

SERVIÇO
O Bebê de Tarlatana Rosa
De 16 a 25 de junho de 2022
No dia 16, às 19h, e nos dias 17, 18, 23, 24 e 25, às 20h30
Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Local: Sesc Pinheiros – Espaço Expositivo (2º andar) – R. Pais Leme, 195 – Pinheiros
Ingressos: R$30 (inteira), R$15 (meia-entrada) e R$9 (credencial plena), compre aqui ou direto nas bilheterias do Sesc

O Mistério Cinematográfico de Sendras Berloni – Espaço Cultural A Próxima Companhia

O Mistério Cinematográfico de Sendras Berloni, com Alexandre Marchesini e Giovana Telles. Foto: Sue Adur

Em O Mistério Cinematográfico de Sendras Berloni, quatro personagens tentam desvendar o desaparecimento misterioso do dublê Sendras Berloni durante as filmagens do longa-metragem Uma Noite Para Não Esquecer, em 1999. Cada um vai tentar trazer o dublê de volta “aos pedaços”, através da evocação de diferentes partes do seu corpo (rosto, voz, alma e joelhos).

A Cia. Extemporânea Investiga o conceito da pós-verdade com o crescimento das fakes news e da realidade virtual a partir do espetáculo.

Com direção de Ines Bushatsky e dramaturgia conjunta de Bruno Conrado, Clara Martins Hermeto e João Mostazo, a encenação junta as linguagens teatral e cinematográfica.

Ficha técnica
Direção: Ines Bushatsky.
Assistência de direção: João Mostazo.
Dramaturgismo: Bruno Conrado, Clara Martins Hermeto, João Mostazo.
Elenco: Alexandre Marchesini, Débora Gomes Silvério, Giovana Telles, Henrique Natálio.
Participação: Beatriz Silveira e Letícia Calvosa.
Audiovisual: Clara Martins Hermeto, Sue Adur.
Video mapping: Sue Adur. Luz: Francisco Turbiani.
Cenografia e Arte Gráfica: Cenogram.
Produção de vídeo: Cabograma, Extemporânea.
Realização: Extemporânea.

Serviço:
O Mistério Cinematográfico de Sendras Berloni
Temporada de 18 de junho a 3 de julho – Sábados às 21h e domingos 20h.
Duração: 80 min
Ingressos: Inteira: R$40,00; Meia: R$20,00; Ingresso Solidário R$5,00; Ingresso Apoie o Espetáculo R$ 80,00
Classificação etária: 14 anos
Onde: Espaço Cultural A Próxima Companhia: Rua Barão de Campinas, 529 – Campos Elíseos. Capacidade 40 lugares.
Vendas online: https://www.sympla.com.br/ciaextemporanea

Terra de Matadouros – Centro Cultural de Santo Amaro

Terra de Matadouros, com A Brava Companhia. Foto: Jardiel Carvalho / Divulgação

Dirigida e adaptada por Fábio Resende, a peça Terra de Matadouros é livremente inspirada no texto Santa Joana dos Matadouros, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956).

Em cena, aparecem duas tramas se desenrolam na peça. De um lado está um grande industrial da carne enlatada, que inventa artimanhas para prosseguir lucrando diante da crise financeira em Chicago, nos Estados Unidos, dos anos de 1930. Do outro, a ingênua Joana Dark batalha para abrandar o sofrimento dos desempregados e desalentados. 

A montagem cria uma aproximação com o contexto atual do Brasil, considerado um dos maiores produtores de carne do mundo. 

Terra de Matadouros
Ficha Técnica:
Criação: Brava Companhia. 
Texto original: Bertolt Brecht. 
Adaptação:  Fábio Resende, com colaboração de Ademir de Almeida. 
Elenco: Ademir de Almeida, Elis Martins, José Adeir, Márcio Rodrigues, Max Raimundo e Paula da Paz. 
Direção: Fábio Resende. 
Direção de arte, criação e confecção de cenários, adereços e figurinos: Márcio Rodrigues
Assessoria de arte e pintura do cenário: Peu Pereira Direção musical: Max Raimundo. 
Assessoria musical: Lucas Vansconcelos. 
Assessoria vocal: Gleiziane Pinheiro. 
Músicas originais e arranjos: Max Raimundo, Lucas Vasconcelos e Brava Companhia. 
Trilha sonora: Max Raimundo e Lucas Vansconcelos. 
Iluminação: Fábio Resende e Márcio Rodrigues. 
Arte gráfica: Ademir de Almeida e Bora Lá! Agência Popular de Comunicação e Marketing. 
Fotos: Fábio Resende e Jardiel Carvalho. 
Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli. 
Produção: Kátia Alves.

Serviço:
TERRA DE MATADOUROS, COM A BRAVA COMPANHIA
Classificação: 12 anos
Duração: 105 minutos
Ingressos: grátis, são distribuídos uma hora antes de cada apresentação nos teatros. Nas apresentações na rua, basta chegar ao local no horário marcado.
Centro Cultural de Santo Amaro – Avenida João Dias, 822, Santo Amaro
Dia 16 de junho de 2022, quinta-feira (feriado) às 16h e às 19h.
Dia 18 de junho de 2022, sábado, às 20h.
Dia 19 de junho de 2022, domingo, às 18h.

Dias 1º e 3 de julho de 2022 – Sexta às 10h30 e 20h. Domingo às 18h.
Dia 2 de julho de 2022, sábado às 16h30 e às 20h.
Dia 3 de julho de 2022, domingo às 18h.
Apresentações para escolas e grupos: Dias 15, 22, 29 e 30 de junho, às 10h30.

Manifesto Transpofágico – Centro Cultural São Paulo – Sala Jardel Filho

Manifesto Transpofágico, com Renata Carvalho. Foto Danilo Galvão / Divulgação

A atriz, diretora, dramaturga e ativista Renata Carvalho convida, em cena, o público a olhar o seu corpo travesti. A artista fala baixo, pausada e ao microfone para “acalmar os olhos e os ouvidos cisgêneros” ao verem ou ouvirem a palavra travesti, repetida e iluminada diversas vezes, e pergunta: “Alguém quer me tocar?”.

 

No espetáculo Manifesto Transpofágico Renata Carvalho “se veste” com seu próprio corpo para narrar a historicidade da sua corporeidade. Se alimenta da sua “transcestralidade”. Come-a, digere-a. Uma transpofagia. O Corpo Travesti como um experimento, uma cobaia. Um manifesto de um Corpo Travesti. O letreiro pisca TRAVESTI. TRAVESTI. TRAVESTI.

 

FICHA TÉCNICA
Dramaturgia e atuação: Renata Carvalho
Direção: Luiz Fernando Marques (Lubi)
Luz: Wagner Antônio
Video Art: Cecília Lucchesi
Operação e adaptação de luz: Juliana Augusta
Produção: Rodrigo Fidelis / Corpo Rastreado
Co-produção: Risco Festival, MITsp e Corpo Rastreado.
Difusão: Corpo a Fora e FarOFFa

SERVIÇO
Manifesto Transpofágico
Temporada: De 15 a 19 de junho de 2022
Quarta a sábado, 21h; e domingo, 20h
Ingressos: Grátis
Local: Centro Cultural São Paulo – Sala Jardel Filho
Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, São Paulo – SP
Capacidade: 321 lugares
Classificação indicativa: 16 anos
Informações: (11) 3397-4002

A idade da peste – Sesc Pinheiros

A Idade da Peste, com Cácia Goulart. Foto de Cacá Bernardes / Divulgação

A Senhora C. assiste ao assassinato do filho da empregada, pela polícia, dentro da sua casa de classe média alta, no espetáculo A idade da peste. Esse fato desencadeia na protagonista um exame de consciência de sua posição e os desejos inconfessados da branquitude. 

O conceito de justiça é convocado, mas a partir de que leis e de que parâmetros? 

A figura branca não se autoelogia “antirracista” nem performa mea culpa ou comiseração. Ela não ostenta o “complexo de Princesa Isabel”. Ela sabe da infâmia do lugar racial que ocupa.

Com texto de Reni Adriano, um dramaturgo negro, e atuação de Cácia Goulart, uma atriz branca, o solo A idade da peste mobiliza e tensiona os marcadores identitários raciais para apontar a perversão da branquitude. Em cartaz até 2 de julho, no Auditório do Sesc Pinheiros.

FICHA TÉCNICA
Texto: RENI ADRIANO
Direção e Atuação: CÁCIA GOULART
Voz OFF: SAMUEL DE ASSIS
Assistente de Direção: INÊS ARANHA
Desenho de Luz: WAGNER PINTO
Música original e Sound Design: MARCELO PELLEGRINI
Cenário e Figurino: CÁCIA GOULART
Colaboradores: JOSÉ GERALDO JR./EDMILSON CORDEIRO
Captação Imagens Vídeo: NELSON KAO
Edição e Videomapping: ANDRÉ GRYNWASK/PRI ARGOUD (Um Cafofo)
Fotos: CACÁ BERNARDES
Operador de Luz: FELIPE MIRANDA
Operador de Som e Vídeo: PEDRO RICCO NOCE
Assessoria de Imprensa: MÁRCIA MARQUES (Canal Aberto)
Produção executiva: JOSÉ GERALDO JR.
Direção de Produção: CÁCIA GOULART
Produção: NÚCLEO CAIXA PRETA da Cooperativa Paulista de Teatro
Realização: SESC

SERVIÇO
A IDADE DA PESTE
Com CÁCIA GOULART
De 9 de Junho a 2 de Julho de 2022.

Quinta, sexta e sábado, às 20h.
Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia-entrada) e R$ 9,00 (credencial plena)
Local: Auditório (3º andar) SESC PINHEIROS (Rua Paes Leme, 195, Pinheiros, São Paulo, SP)
Duração: 70 minutos.
Classificação: 16 anos. 
*Informações sobre venda de ingressos no site www.sescsp.org.br
Tel.: 11 3095-9400.

Pedreira – Sesc Belenzinho

Pedreira!, com Kleber Lourenço. Foto: Felipe Sales / Divulgação

 O ator e dançarino Kleber Lourenço explora a dureza e a leveza da pedra como metáfora para investigar os caminhos abertos (e fechados) da justiça. O projeto Pedreira! surgiu em 2019 como pesquisa de criação. Prossegue com as investigações com dança, performance e manifestações culturais afro-diaspóricas.

Pedreira! carrega uma expressão verbal de força. No espetáculo, o artista convoca corpos que que se deslocam em diáspora do terreiro para a cidade, em ações de luta e sobrevivência.

Pedreira! maneja uma confluência de forças: presenças e ausências que se organizam na ação. Xangôs deste tempo cortando o espaço de agora. Dança de evocação.    

Pedreira!, espetáculo de dança, com Kleber Lourenço
Quando: De 17 a 26 de junho; Sextas – sábados às 20h e Domingos às 17h
Onde: Sesc Belenzinho Sala de espetáculos II
Duração: 60 minutos
Ingressos de R$ 12 a R$ 40
classificação etária 16 anos.

Ficha Técnica
Criação, Dramaturgia e Atuação: Kleber Lourenço
Orientação Corporal e Dramatúrgica: Wellington Duarte
Criação de Trilha e Direção Musical: Missionário José
Criação e Operação de luz: Dedê Ferreira
Operação de som: Clevinho Ferreira
Direção de arte (cenografia e figurino): Su Martins
Designer (peças gráficas): Anapê Maich
Fotografias (divulgação): Felipe Sales
Produção executiva: Bia Machado
Redes sociais: Ayla Ketlen
 

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Lula vai ao teatro

Artistas intepretram as cartas escritas ao ex-presidente quando ele estava preso em Curitiba. Capa do livro da Boitempo

Zélia Duncan, Denise Fraga, Camila Pitanga, Preta Ferreira, Cleo Pires, Maria Ribeiro, Monica Iozzi, Celso Frateschi, Grace Passô, Erika Hilton, Deborah Duboc, Leandro Santos, Cida Moreira, Tulipa Ruiz e Cassia Damasceno são alguns artistas que dão voz às correspondências enviadas ao ex-presidente no ano e meio em que esteve detido. O espetáculo Querido Lula: cartas do povo brasileiro marca o lançamento do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão (Boitempo), que também vai contar com a participação de missivistas vindos de todo o país para ler suas próprias cartas. O livro é uma seleção de 46 das mais de 25 mil cartas que foram mandadas ao político no período de sua detenção em Curitiba.

A peça é apresenta no dia do lançamento do livro, no palco do Tuca, em São Paulo, nesta terça-feira, 31/05. O trabalho cênico é dirigido pelo brasileiro Márcio Abreu e pelo francês Thomas Quillardet, realizado pela Boitempo em parceria com a PUC-SP e com apoio da Universidade Gustave Eiffel, Fundação Friedrich Ebert e Instituto Lula.

A presença de Lula está confirmada e isso faz subir a temperatura do evento. São esperados alguns políticos ligados a Lula, como o pré-candidato ao governo de São Paulo Fernando Haddad. Os ingressos para o espetáculo estão esgotados.

Durante os 580 dias que ficou preso arbitrariamente na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PF) – de 7 de abril de 2018 a 8 de novembro de 2019, o ex-presidente Lula recebeu muitas manifestações de apoio, de carinho e solidariedade.

A vigília Lula Livre – um acampamento em frente à prisão – deu uma sustentação psicológica. As cartas enviadas do Brasil e exterior – na maioria por gente pobre agradecida por todas as mudanças que os governo petistas proporcionaram – renovaram de esperança o espírito do presidente.

 O material publicado foi selecionado pela historiadora Maud Chirio e procura representar a diversidade contida nas cartas, contemplando autores de diferentes origens sociais e regiões do país, em suas histórias de vida, tons e abordagens. A edição tem prefácio do rapper Emicida e orelha da escritora Conceição Evaristo. A obra também apresenta um caderno de imagens com fotos de diferentes objetos enviados ao ex-presidente.

“A partir de 2003, comecei a ver seu poder de transformação. Paulatinamente, vi a miséria no meu Estado regredir, vi diminuir o número de pedintes nas ruas, vi o pobre ter acesso a curso superior, vi gente comemorando a chegada de energia elétrica em sua casa, vi o pobre descortinar seus horizontes, pegando um avião e descobrindo que o mundo a ele também pertencia. Vi direitos assegurados a nossas domésticas, que de nossas casas tiveram a feliz oportunidade de sair com seus diplomas em mãos. E vi que pra isso tudo, minha vida não tinha piorado. Pelo contrário, só melhorou. Daí que ainda não consigo compreender a raiva que a maioria das pessoas pertencentes a minha classe sente por conta de tais conquistas”. 
– Ana Carolina, Teresina, 13 de abril de 2018.

“Não há, até onde sabemos, nenhum movimento equivalente na história, ao menos na mesma escala”, avalia a organizadora do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão, a historiadora e brasilianista francesa Maud Chirio, que é professora e pesquisadora na Universidade Gustave Eiffel, França, onde Querido Lula foi publicado este ano.

Para a pesquisadora, as cartas têm valor histórico “excepcional” por expressarem vozes que não costumam ser ouvidas. Por isso, em 2018, da França, Maud Chirio voluntariou-se para ajudar a catalogar e digitalizar as cartas. Montou uma equipe de sete profissionais, seis deles historiadores e historiadoras.

O livro é o quarto projeto liderado por Maud para fazer ecoar essas vozes. A professora e a equipe organizaram uma exposição virtual multilíngue, disponível em www.linhasdeluta.org. Em 2019, promoveram uma apresentação teatral, Abril / Abril, dirigida por Thomas Quillardet, que reuniu mais de 500 pessoas em um teatro de Paris, com presenças de artistas como Chico Buarque e a atriz portuguesa Maria de Medeiros. E criaram uma série de podcasts veiculada pela emissora de rádio Universidade Nacional General Sarmiento (Argentina).

Serviço
Lançamento-espetáculo

Espetáculo Querido Lula: cartas do povo brasileiro
Livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão
Dia 31 de maio, das 19h às 21h
Teatro Tuca (Rua Monte Alegre, 1024, São Paulo SP)
Os ingressos estão esgotados

Apoiam este evento:
Universidade Gustave Eiffel
PUC-SP
Fundação Friedrich Ebert
Instituto Lula

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Suingue, ginga e síncope com Jacksons do Pandeiro

Jacksons do Pandeiro. Foti: Renato Mangolin

Jacksons do Pandeiro Foto: Renato Mangolin

“Eu só boto bebop no meu samba quando Tio Sam tocar um tamborim. Quando ele pegar
no pandeiro e no zabumba. Quando ele aprender que o samba não é rumba. Aí eu vou misturar, Miami com Copacabana. Chiclete eu misturo com banana, E o meu samba vai ficar assim”… E bota suingue, ginga e síncope nesse caldeirão rítmico criado pelo genial Jackson do Pandeiro.

A Barca dos Corações Partidos que montou em sua trajetória de 10 anos as peças Gonzagão – A Lenda (2012), Ópera do Malandro (2014), Suassuna – O Auto do Reino do Sol e Macunaíma – Uma Rapsódia Musical, apresenta Jacksons do Pandeiro, direção de Duda Maia, texto de Braulio Tavares e Eduardo Rios e direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos.

 A temporada paulista ocorre no Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, de19 a 29 de maio, com sessões às quintas, sextas e sábados às 20h, e aos domingos, às 18h.

O cantor, compositor e multi-instrumentista paraibano Jackson do Pandeiro (1919-1982), ficou conhecido como ‘Rei do Ritmo’ por suas manobras sonoras em mais de 400 canções de vários gêneros como samba, forró, coco, baião e frevo.

A montagem não faz uma biografia cênica do homenageado, mas traça linhas de episódios da vida e das músicas de Jackson com a experiência dos atores. O elenco leva para a cena fragmentos de suas histórias pessoais, que coincidem em muitos pontos com a história de Jackson.

O autor paraibano Braulio Tavares ressalta que falar de Jackson é também falar de nordestinos anônimos. “Às vezes, o texto do espetáculo aparece em forma de música, às vezes como uma poesia ou um poema musicado. Cada vez que ele aparece, ele propõe uma nova brincadeira rítmica – mesmo não tendo uma métrica de poesia – por meio de um jogo de palavras ou outro mecanismo. A nossa ideia é fazer isso para dialogar com as músicas do Jackson, que tinham poesia, brincadeira e alegria”.

A diretora Duda Maia investiu na pesquisa sobre a ideia de ‘corpo-rítmico’ dos atores.Os integrantes da Barca (Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Renato Luciano e Ricca Barros) dividem a cena com três artistas convidados: Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza.

O musical reúne sucessos como Sebastiana, O Canto da Ema, Chiclete com Banana, Cantiga do Sapo e outras composições. Além dessas canções, o musical traz músicas novas. “É um ‘pedir licença’ à obra dele, mas sem deixar de homenageá-lo com todo respeito, carinho e admiração”, conta Eduardo Rios. 

Todos os instrumentos em Jacksons do Pandeiro são tocados pelos atores em cena, como nas montagens anteriores da Barca. “Trazemos a forma sincopada do canto para o jogo de cena o tempo todo. Em nosso título, Jacksons aparece no plural porque são várias histórias que se cruzam e se confundem com a de Jackson”, destaca Duda Maia.

Ficha Técnica
Direção: Duda Maia
Dramaturgia: Braulio Tavares e Eduardo Rios
Direção Musical: Alfredo Del-Penho e Beto Lemos
Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves
Com a Cia. Barca dos Corações Partidos: Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Renato Luciano e Ricca Barros
Artistas convidados – Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza
Figurinos: Kika Lopes e Rocio Moure  
Cenário: André Cortez
Iluminação: Renato Machado
Design de som: Gabriel D’Angelo
Visagista: Uirandê de Holanda
Assistente de Direção: Júlia Tizumba, Eduardo Rios e Adrén Alves
Assistente de figurino: Masta Ariane
Assistente de cenografia e produção de arte: Tuca Benvenutti  
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Coordenação de Produção: Rafael Lydio
Produção Local e Executiva: Flávia Primo 
Assistente de Produção: Matheus Castro 
Este projeto conta com o incentivo fiscal da Lei de Incentivo à Cultura
Realização: Sesc SP, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal
Produção: Sarau Cultura Brasileira

Serviço
Jacksons do Pandeiro, de Barca dos Corações Partidos
Temporada: de 19 a 29 de maio, às quintas, sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 18h.
Teatro Paulo Autran – Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195, Pinheiros
Ingressos: R$ 40,00 (Inteira) R$ 20,00 (Meia) R$ 12,00 (comerciários)
Vendas online a partir do dia 10 de maio (ao meio-dia) no site sescsp.org.br. Nas bilheterias do Sesc a partir do dia 11 de maio (às 17h) 
Classificação: 10 anos
Duração: 120 minutos

Postado com as tags: , , , , , , , ,

Por que não vivemos?
Eis a questão!!!

 

 

Cena de Por que não vivemos?, com Camila Pitanga e rodrigo de odé. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Rodrigo Bolzan ao centro. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Montagem da companhia brasileira de teatro tem no elenco Camila Pitanga, Cris Larin, Edson Rocha, Josy.Anne, Kauê Persona, Rodrigo Bolzan, Rodrigo Ferrarini e Rodrigo de Odé. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Josy.Anne e rodrigo de odé em Por que não vivemos? Foto: Nana Moraes / Divulgação

Em qualquer tempo, cada um de nós pode cair na armadilha da inação, da paralisação do desejo de ousar um caminho novo, uma aventura ou uma possibilidade radical. O espetáculo Por que não vivemos?, dirigido de Marcio Abreu, com a companhia brasileira de teatro, investiga cenicamente esse condição. “Por que não vivemos como poderíamos ter vivido?” é uma pergunta-chave pulsando no texto do dramaturgo russo Anton Tchekhov (1860-1904), nessa peça escrita quando ele tinha por volta de 20 anos.

“Essa questão, que se abre para tantas outras, é um pouco a alma dessa peça”, situa Marcio Abreu. “São pessoas que gostariam de estar em outro lugar, mas não fizeram nada para isso. Mostra como a trama da vida vai se desenrolando e as pessoas vão caindo na armadilha de ficar onde estão”, aponta Giovana Soar, que assina com Abreu e Nadja Naira a adaptação da obra, a partir de uma tradução original do russo por Pedro Alves Pinto e de uma publicação francesa.

Por que não vivemos? estreou em julho de 2019 no CCBB do Rio de Janeiro, e passou no mesmo ano pelos CCBBs Belo Horizonte e Brasília. Em 2020, o espetáculo estreou em São Paulo no Teatro Municipal Cacilda Becker, mas com o início da pandemia suspendeu sua temporada. Depois disso, a montagem circulou por Recife e outras capitais. Agora, faz uma curta temporada no Sesc Santo Amaro (R. Amador Bueno, 505 – Santo Amaro, SP) de dia 20 de maio a 12 de junho de 2022, de sexta a domingo.

A peça, que foca na história do professor Platonov, foi descoberta nos arquivos do irmão de Anton Tchekhov após a sua morte, e publicada em 1923. Sem um título oficial, a peça foi editada em diversos países como Platonov. Somente no final da década de 1990 a obra ganhou traduções e montagens em teatros da Europa. Em 2017, os atores Cate Blanchett e Richard Roxburgh estrearam uma versão do texto na Broadway, em Nova York, chamada de The Present.

A escolha do título Por que não vivemos?, pela companhia brasileira de teatro estabelece, segundo o diretor, um exercício político pois aponta simultaneamente para o passado que não foi vivido e para uma convocação a um futuro que pode ser construído. Para Marcio Abreu, a encenação busca propor reflexões sobre as singularidades dos sujeitos, a conexão coletiva e uma consciência sobre as diferenças. “Os corpos dos atores se reconhecem na estrutura de um texto escrito no final do século XIX e as dinâmicas estabelecidas nos ensaios fizeram com que ele se atualizasse, conferindo ainda mais força à dimensão política da peça”, constata.

O espetáculo lida com temas recorrentes na obra de Tchekhov, a exemplo do conflito entre gerações, as transformações sociais através das mudanças internas do indivíduo, as questões do ser humano comum e do pequeno que existem em cada um de nós, o legado para as gerações futuras – tudo isso na fronteira entre o drama e a comédia, com múltiplas linhas narrativas.

“A montagem tem um foco muito específico nas personagens femininas. São elas que causam transformação, que caminham, que querem mudanças, contravenções e que enfrentam conceitos”, salienta Giovana. Soar atenta que esses traços estavam no texto de Tchekhov, mas foram acentuados na adaptação.

A encenação propõe uma perspectiva de convivência e proximidade com o público através de deslocamentos dos atores pelo espaço e pela quebra da frontalidade. Com isso, o público se tornar coparticipante das ações que ocorrem em cena. 

Por que não vivemos? Foto: Nana Moraes / Divulgação

FICHA TÉCNICA
Por que não vivemos?
Da obra Platonov, de Anton Tchekhov
Direção: Marcio Abreu
Assistência de Direção: Giovana Soar e Nadja Naira
Elenco: Camila Pitanga, Cris Larin, Edson Rocha, Josy.Anne, Kauê Persona, Rodrigo Bolzan, Rodrigo Ferrarini e rodrigo de Odé
Adaptação: Marcio Abreu, Nadja Naira e Giovana Soar
Tradução: Pedro Augusto Pinto e Giovana Soar
Direção de Produção: José Maria
Produção Executiva: Cássia Damasceno
Iluminação: Nadja Naira
Trilha e efeitos sonoros: Felipe Storino
Direção de movimento: Marcia Rubin
Cenografia: Marcelo Alvarenga | Play Arquitetura
Figurinos: Paulo André e Gilma Oliveira
Direção de arte das projeções: Batman Zavareze
Edição das imagens das projeções: João Oliveira
Câmera: Marcio Zavareze
Técnico de som | projeções: Pedro Farias
Assistente de câmera: Ana Maria
Assistente de produção: Luiz Renato Ferreira
Operador de Luz: Henrique Linhares e Ricardo Barbosa
Operador de vídeo: Michelle Bezerra e Sibila
Operador de som: Bruno Carneiro e Felipe Storino
Cenotécnico e contrarregra: Alexander Peixoto
Máscaras: José Rosa e Júnia Mello
Fotos: Nana Moraes
Programação Visual: Pablito Kucarz
Assessoria de Imprensa São Paulo: Canal Aberto
Difusão Internacional: Carmen Mehnert | Plan B
Administração: Cássia Damasceno
Criação e Produção: companhia brasileira de teatro
 
SERVIÇO
Por que não vivemos?
De 20 de maio a 12 de junho de 2022
Sextas, às 20h, sábados, às 19h e domingos, às 18h
Local: Sesc Santo Amaro (R. Amador Bueno, 505 – Santo Amaro, SP)
Ingressos: R$ 40/ R$ 20/ R$ 12
Capacidade: 279 lugares
Duração: 150 min.
Gênero: Comédia Dramática.
Classificação indicativa: 16 anos.
 
 

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,

“Eu me fiz.
De certa forma,
eu fiquei grávida
de mim mesma, eu me pari”.
ENTREVISTA: Renata Carvalho

Atriz, escritora e transpóloga Renata Carvalho, no lançamento do livro Manifesto Transpofágico, em São Paulo. Foto: Ivana Moura

“O olhar dela melhora o meu. Depois que a conheci, meu mundo se transformou completamente”, revelou a produtora Gabi Gonçalves, da Corpo Rastreado, sobre as micro revoluções provocadas pela trajetória da atriz, diretora, escritora e transpóloga Renata Carvalho. A emoção de Gabi ao falar da potência dos caminhos trilhados pela autora do livro Manifesto Transpofágico foi um momento lindo numa noite repleta de amorosidades. O lançamento ocorreu no dia 6 de abril, na Biblioteca Mário de Andrade, no centro de São Paulo.

Manifesto Transpofágico é a transpofagia da transpologia de uma transpóloga. Em outras palavras, Renata se veste de sua própria pele, seu corpo travesti. Alimentando-se de sua “transcestralidade”, ela narra a historicidade que carrega no corpo. A artista devora, deglute e subverte posições do pesadelo conservador de forma combativa contra a herança colonial, numa experiência pessoal renovada. Renata cria o seu festim transpofágico.

A publicação da Editora Monstra, iniciativa editorial da ONG Casa 1, tem edição bilíngue (inglês e português) e duas brochuras extras, em espanhol e francês. Além de introdução assinada pela professora Jaqueline Gomes de Jesus (IFRJ). “O texto é uma forma de registrar como memória que em 2022 tinha uma travesti fazendo um espetáculo, que esse espetáculo tinha uma pesquisa aprofundada, uma transpofagia”, avalia Renata.

Meu corpo (TRAVESTI) veio antes de mim,
(pausa)
sem eu pedir.
Ele é mais velho do que eu.
(TRAVESTI)

A pesquisa, chamada de Transpologia, foi iniciada em 2007, quando Renata Carvalho atuou como agente de prevenção voluntária de ISTs, hepatites e tuberculose.  Em Santos (SP), ela cuidou de travestis e mulheres trans na prostituição, por 11 anos. Essa vivência motivou a criação do solo Dentro de Mim Mora Outra, que levou aos palcos em 2012, narrando sua travestilidade.

O livro é versão editada do solo que protagoniza e que assina a “travaturgia”, encenado desde 2019. Com direção de Luiz Fernando Marques, o Lubi, a peça Manifesto Transpofágico expõe acontecimentos ligados à travestilidade, compartilhamento íntimo da existência de Renata e sua subjetividade e resgate histórico de dados de sua “transcestralidade”.

Ao expor os fluxos do próprio caminho de forma corajosa, ela questiona a visão cisnormativa sobre o corpo travesti, tratamento social, violências intensas ou sutis, a patologização, a criminalização, a sexualização, enfim a construção social, imagética, midiática do corpo transgênero. E ressalta que o que está em jogo é a sobrevivência, é a própria vida.

A entrevista em vídeo foi realizada no dia do lançamento do livro Manifesto Antropofágico, no dia 6 de abril de 2022, no auditório da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo.

A conversa está dividida em cinco partes curtas.

Na primeira, Renata Carvalho discorre sobre sua percepção do tempo, diz que se sente mais calma, mesmo que o clima de ameaça de morte dos corpos trans ainda seja uma realidade no Brasil.

Transfake e da representatividades trans é tema do segundo bloco.

No terceiro bloco, a artista defende que é preciso celebrar as conquistas – como a deliberação do STJ (Supremo Tribunal de Justiça), do dia 5 de abril. A Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006), é aplicável a mulheres transexuais no país. A decisão inédita passa a proteger com essa Lei todas as mulheres vítimas de violência doméstica. E destaca a importância da atuação de figuras trans nos espaços de entretenimento, como ocorreu com Linn da Quebrada, no BBB.

A encenação O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu estreou em agosto de 2016, no Festival Internacional de Londrina (FILO). Teve grande repercussão e muitas polêmicas foram geradas em função de censuras. O monólogo prega a tolerância, a harmonia, o perdão, o acolhimento, o respeito e o amor e Jesus é interpretado por Renata Carvalho. O espetáculo foi censurado em Jundiaí, Salvador e Garanhuns por ordens judiciais. No Rio de Janeiro e no Recife por pressões religiosas. E muitas tentativas de censura por ódio injustificável, resistência de bandos fundamentalistas religiosos, juízes de direito e grupos conservadores. Renata conta sobre essas memórias doloridas na quarta parte.

No quinto bloco, ela vislumbra futuros possíveis e festeja sua atuação no audiovisual.

Obrigada Renata pela entrevista, pela gentileza e vivacidade de sempre. Parabéns Corpo Rastreado, Editora Monstra, ONG Casa 1,e todos os envolvidos nesta ação do lançamento do livro, “que foi pensado há muito tempo e há muitas mãos”, e que “vai ganhar lugares que a gente nem consegue ter noção”, como salientou a Gabi Gonçalves

RENATA CARVALHO, nasceu em 1981, em Santos (São Paulo).
É atriz, diretora, dramaturga, escritora e transpóloga (antropóloga transgênero).
Fundadora do MONART – Movimento Nacional de Artistas Trans, onde criou o Manifesto Representatividade Trans, que visa que artistas transgêneros interpretem personagens transgêneros.
Lançou o Coletivo T, o primeiro coletivo artístico formado integralmente por artistas transgêneros em São Paulo.

 

 

 

 

 

SERIVÇO

     

Livro Manifesto Transpofágico
Edição bilíngue: de R$ 20,00 a R$ 40,00
Brochuras em espanhol e/ou francês: de R$ 10,00 a R$ 20,00

Para solicitar um exemplar:
contato@corporastreado.com
(11) 3031-7138
corporastreado
corporastreado.com
@casa1 / @editoramonstra 

#corporastreado
#renatacarvalho
#traviarcado #leiapessoastrans #bibliotecamariodeandrade #literaturatrans #literaturalgbt #livro #literaturabrasileira #literaturanacional

@renatacarvalhooficial  @bibliotecamariodeandrade 

Postado com as tags: , , , , , ,