Espetáculo Noite escava os escombros da memória

 

Zuleika Ferreira, Márica Luz e arinë Ordonio, elenco da montagem Noite. Foto: Morgana Narjara / Divulgação

O espetáculo Noite, dirigido por Claudio Lira e baseado no texto de Ronaldo Correia de Brito, faz sua estreia nesta sexta-feira (12/07), às 20h, no Teatro Hermilo Borba Filho, dentro da programação da Semana Hermilo. A peça aborda os escombros da memória de duas irmãs idosas, Mariana (interpretada por Zuleika Ferreira) e Otília (interpretada por Márcia Luz), que vivem confinadas em um casarão decadente transformado em museu pela própria família. Enquanto as duas se confundem com as antiguidades expostas, sua sobrinha, interpretada por Karinë Ordonio, é o único elo que as liga ao presente. Próximo à casa, um casal de namorados se jogou na represa, e caminhões e escavadeiras varam a noite à procura dos corpos. Essa situação evoca as memórias das irmãs, enquanto resíduos de afetos do passado voltam à tona e elas refletem sobre seus valores, família e amores, desenhando nas ruínas dessas lembranças possíveis de um outro futuro.

Ronaldo Correia de Brito, autor do texto, compartilha em seu Facebook: “Duas irmãs se movem numa casa em ruínas. Sentem-se acuadas pelas lembranças do passado. Em torno delas, tratores cavam a terra para a construção de uma adutora. As máquinas remexem fantasmas da família numerosa, com seus vivos e mortos. Mariana e Otília, velhas sobreviventes, confundem-se com as tralhas da casa transformada em museu. A tarde entra pela noite. ‘Noite’ é o primeiro conto do meu livro O amor das sombras. Foi o último da coletânea a ser escrito. Eu tinha um enredo que me parecia bom, mas faltava um desfecho para a trama. Não posso revelar qual era, vocês descobrirão assistindo à encenação dessa peça, cuja dramaturgia escrevi a pedido do diretor Claudio Lira e da atriz Márcia Luz.”

O autor continua: “Às vezes acompanho a encenação dos meus textos, mas dessa vez deixei-o entregue aos artistas da equipe, conhecidos e consagrados. Fui apenas à primeira leitura, o suficiente para convencer-me de que Zuleika Ferreira, Márcia Luz e Karine Ordonio me surpreenderiam dando vida às mulheres que criei, todas elas carregadas de paixão e sofrimento. Esperei anos que a encenação se viabilizasse, sou testemunha da luta para se conseguir patrocínio e fazer arte em nossa cidade. Mas aí está Noite, um espetáculo assombroso, cheio de nuances e sombras, uma montagem tchekhoviana comovente, um respiro de teatro em meio a tantos musicais.”

Depois da estreia, a peça contará com uma breve temporada ainda neste mês de julho, aos sábados e domingos, de 20 a 28. Os ingressos para hoje são gratuitos, com retirada antecipada. A montagem é uma produção da Luz Criativa.

Márcia Cruz e Zuleika Ferreira. Foto: Divulgação

Produção: Luz Criativa
Elenco: Zuleika Ferreira, Márcia Luz, Karinë Ordonio
Direção: Claudio Lira
Texto: Ronaldo Correia de Brito

SERVIÇO

Estreia na programação da 21ª Semana Hermilo Borba Filho
Sexta, 12/julho, 20h 
Teatro Hermilo Borba Filho
Ingressos GRATUITOS – retirada na bilheteria 1h antes da sessão
Temporada no Teatro Hermilo Borba Filho
R$ 40 (inteira)/ R$ 20 (meia) – compra na bilheteria do teatro
Sábado, 20/07, 20h
Domingo, 21/07, 18h
Sexta, 26/07, 20h
Sábado, 27/07, 20h
Domingo, 28/07, 18h

Postado com as tags: , , , , , , , ,

20º Festival de Teatro para Crianças
de Pernambuco ocupa o mês de julho

Hélio o balão que não consegue voar. Foto Ricardo Maciel / Divulgação

Pluft e a menina Maribel Foto Wilson Lima / Divulgação

O 20º Festival de Teatro para Crianças de Pernambuco (FTCPE) começa neste final de semana. No sábado, 6 de julho, às 16h30, o Teatro de Santa Isabel recebe Brincando no Escuro, da Maktub Teatro e Outras Invencionices, de Caruaru. O espetáculo, com texto de Carlos Antonholi e direção da premiada atriz caruaruense Maria Alves, homenageada do Festival, promete encantar o público com uma narrativa envolvente, que o título já dá pistas. 

No domingo, 7 de julho, também às 16h30, o Teatro de Santa Isabel será a vez de Hélio, o Balão que não Consegue Voar, uma produção do Coletivo de Artistas, do Recife. Escrita por Cleyton Cabral, a peça estreou este ano no Palco Giratório e traz uma história sobre amizade e superação.

Hélio é um balão diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA) que vive em uma loja de festas. Hélio pertence a uma rara categoria de balões que não voam. A obra busca utilizar de leveza e sensibilidade para explorar os desafios que Hélio enfrenta no convívio social, destacando suas potencialidades e habilidades que vão além da capacidade de voar. A montagem busca proporcionar uma experiência visual e emocionalmente rica para o público, utilizando técnicas do teatro de formas animadas.

Paralelamente, o clássico Pluft, o Fantasminha, de Maria Clara Machado, será apresentado pela Cênicas Cia. de Repertório, do Recife, no Teatro Luiz Mendonça, localizado no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem. As apresentações ocorrem no sábado (6) e domingo (7), às 16h30. É uma oportunidade para as novas gerações conhecerem uma das obras mais queridas do teatro infantil brasileiro.

O Festival de Teatro para Crianças de Pernambuco, que se estende até o dia 28 de julho, é uma realização da Métron Produções, de Edivane Bactista e Ruy Aguiar, com a parceria dos grupos teatrais e artistas de Pernambuco. O evento conta com o apoio cultural da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Secretaria de Cultura e Prefeitura do Recife.

Este ano, o tema escolhido pelos curadores Marcondes Lima, Ruy Aguiar e Williams Sant’Anna é “Magia e Encantamento”, na perspectiva de transportar o público para um mundo de sonhos e fantasia.

A programação do festival inclui 15 montagens teatrais criadas exclusivamente para a infância, entre obras clássicas e textos de novos autores, interpretadas por companhias de Olinda, Recife, Paulista, Moreno e Caruaru. Serão ao todo 18 sessões, às 16h ou 16h30, com ingressos que variam entre R$ 30 e R$ 80, à venda no site do Festival https://www.teatroparacrianca.com.br. No site, também estão acessíveis todas as informações sobre os espetáculos, incluindo sinopses, horários e a programação completa.

Maria Alves é a homenageada do 20º FTCPE

Nesta edição, o FTCPE presta uma homenagem especial à atriz Maria Alves, que desenvolve um trabalho em defesa da infância e juventude há 40 anos por meio do teatro e da educação. Atuando há 30 anos como professora de teatro no Colégio Diocesano de Caruaru, Maria Alves produziu 23 espetáculos para as infâncias com o Grupo Estudantil de Teatro Ená Iomerê. Sua pesquisa de mestrado virou livro em 2019: Arte e seu Ensino: Sentidos Atribuídos pelas Vozes das Crianças dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, editado e lançado pelo SESC de Pernambuco. Maria Alves é encenadora, arte-educadora, professora de teatro, produtora cultural, pedagoga e mestra em Educação Contemporânea pela Universidade Federal de Pernambuco, Campus Acadêmico do Agreste. Em 2016, fundou a Maktub Teatro e Outras Invencionices.

Serviço: 
20º Festival de Teatro para Crianças de Pernambuco
Quando: De 6 a 28 de julho (sábados e domingos) 
Onde: Teatro de Santa Isabel, Teatro Luiz Mendonça, Teatro do Parque (16h30) e Teatro Barreto Júnior (16h) 
Quanto: R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia); R$ 80,00 (inteira) e R$ 40,00 (meia) 
Meia entrada: Para crianças a partir de 2 anos, autistas e acompanhantes, estudantes, professores, doadores regulares de sangue ou de medula óssea e idosos com apresentação da carteira. 
Venda de ingressos: Antecipados pelo site https://www.teatroparacrianca.com.br e nos dias das apresentações nas bilheterias dos teatros a partir das 15h (sujeito à lotação).

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

Semana Hermilo apresenta sete espetáculos

Espetáculo O Estopim Dourado, Foto: Ivana Moura.

O espetáculo O Estopim Dourado, encenado pelas atrizes pernambucanas Anny Rafaella Ferli, Gardênia Fontes e Taína Veríssimo, propõe uma releitura crítica e feminina do texto João Sem Terra de Hermilo Borba Filho. Baseando-se no conceito de Corpo-território, inspirado nos estudos de Sandra Benites (Guarani Nhandeva), a peça transpõe a narrativa masculina da obra original para uma perspectiva feminina, explorando a relação íntima entre as mulheres e a terra. O

A peça combina diferentes linguagens teatrais, como o uso de máscaras, mamulengo, corporeidade e música ao vivo, dialogando com a cultura indígena e a cosmologia Guarani, associada à Terra e à natureza. Esta produção faz parte da programação da Semana Hermilo, um evento que celebra a vida e obra de um dos maiores expoentes da dramaturgia nordestina.

A Semana Hermilo, que acontece de 6 a 14 de julho no Teatro Hermilo Borba Filho, no Recife Antigo, é uma homenagem ao legado de Hermilo Borba Filho. Dramaturgo, encenador, professor, crítico e ensaísta, Hermilo foi fundamental para a cultura nordestina. Sua obra, marcada pelo realismo fantástico, bebe na fonte das tradições populares e do imaginário coletivo do Nordeste brasileiro.

Através de suas peças, Hermilo buscava retratar a vida e os dilemas do homem nordestino, utilizando elementos como o cordel, o bumba-meu-boi e o mamulengo para criar uma linguagem teatral singular.

História de um Pano de Roda, com Bóris Trindade Júnior (Borica) e André Ramos. Foto: Divulgação

A programação da Semana Hermilo inclui outros espetáculos. No domingo, 7 de julho, a Cia. Brincantes de Circo apresenta História de um Pano de Roda, um espetáculo documental que narra a relação entre um velho palhaço e seu jovem aprendiz em um circo de lona furada nos rincões de Pernambuco. A peça destaca a transmissão de conhecimentos e a paixão pela arte circense, enquanto denuncia as condições precárias e a marginalização enfrentadas pelos artistas de circo. A peça é costurada com depoimentos de artistas circenses, expondo os bastidores de sua luta contra o preconceito, o descaso e a exploração. No elenco estão André Ramos e Bóris Trindade Júnior (Borica). E a direção é assinada por Ceronha Pontes.

Na segunda-feira, Marcondes Lima, do Mão Molenga Teatro de Bonecos, traz Babau, Pancadaria e Morte ou Com Quantos Paus se Faz uma Canoa para o Além. Na quarta-feira, João Lira apresenta Terreiro Trajetória, enquanto na sexta-feira, Claudio Lira e a Luz Criativa encenam Noite. No sábado, a Subitus Company da UFPE apresenta Matilda, dirigida por Neves da Senna.

Encerrando a semana, no domingo, 14 de julho, a Cênicas Cia de Repertório apresenta Baba Yaga, primeiro solo da atriz Sônia Carvalho. Com texto de Álcio Lins e direção de Antônio Rodrigues, o trabalho traz à cena a trajetória da terrível bruxa eslava homônima. Ambientado em sua cabana, o monólogo coloca o público como confidente da bruxa enquanto ela busca por seu filho, Olaf, explorando a dualidade entre amor e ódio, culpa e desejo de posse.

A Semana Hermilo é promovida pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife. Todos os eventos acontecem no Teatro Hermilo Borba Filho, no Recife Antigo, com entrada gratuita.

Sônia Carvalho em Baba Yaga. Foto Divulgação

Programação da Semana Hermilo:

  • Dia 6 (sábado): 19h15: Abertura da exposição Luiz Marinho, um resgate do autor que veio da mata. 20h: Espetáculo O Estopim Dourado
  • Dia 7 (domingo): 19h: História de um Pano de Roda
  • Dia 8 (segunda-feira): 19h: Babau, Pancadaria e Morte ou Com Quantos Paus se Faz uma Canoa para o Além
  • Dia 10 (quarta-feira): 16h e 19h: Terreiro Trajetória
  • Dia 12 (sexta-feira): 20h: Noite
  • Dia 13 (sábado): 19h: Matilda
  • Dia 14 (domingo): 19h: Baba Yaga

 

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A cidade é um corpo marginal , repleto de poesia
Crítica de Miró: Estudo nº 2

Estudo N°2 – Miró. Erivaldo Oliveira e Bruno Parmera. Foto: Ivana Moura

O Grupo Magiluth, um dos mais atuantes do Brasil, está celebrando 20 anos de trajetória e, por isso, tem apresentado nos últimos meses algumas das peças de seu repertório no Recife. A trupe tem se notabilizado pelas experimentações e busca de uma linguagem que pulse as inquietações destes tempos. Em seus dois últimos trabalhos, Estudo N°1 – Morte e Vida e Estudo N°2 – Miró, enfatiza a importância de “concretizar” na cena o estudo da prática teatral, expandindo sua linguagem singular que combina jogo cênico e crítica social, ironia e humor, pesquisa e performance. Na peça-palestra Miró – Estudo N°2, a trupe investiga a tênue e complexa fronteira entre inteprerte e personagem.

Uma cena exemplifica a transformação de um coadjuvante em protagonista: durante uma abordagem policial violenta, três jovens da periferia são interpelados, e um deles é agredido com um tapa no rosto por um dos policiais. Esse ato de violência faz com que o jovem se torne o protagonista da cena. E o que dizer disso tudo? O Magiluth dá um curto-circuito para de uma apatia social e apontar para o público, que assiste passivamente, sem esboçar reação.

Miró: Estudo N°2 é o 12º trabalho desse grupo e estreou em abril de 2023, no Itaú Cultural, em São Paulo. Mais do que uma biografia cênica, o espetáculo é uma experiência sensorial e poética que nos convida a perceber a cidade como um corpo vivo, feito de carne e concreto, sonhos e escombros. 

Miró da Muribeca, nome artístico de João Flávio Cordeiro da Silva (1960-2022), foi um poeta marginal do Recife, que fez das ruas da cidade seu palco, vendendo seus livros nas pontes e praças, declamando versos que falavam da realidade dura da periferia. Sua poesia, inicialmente lírica, ganhou contornos políticos ao denunciar a violência, o preconceito e a desigualdade que marcam a vida dos pobres e negros nas grandes cidades brasileiras.

No palco, os atores Giordano Castro, Erivaldo Oliveira e Bruno Parmera investigam o processo de criação de um personagem teatral, se revezam nos papéis de protagonista, antagonista, coadjuvante e figurante, numa estrutura que questiona as possíveis hierarquias do teatro e a relação entre arte, cidade e resistência, desestabilizando esses papéis com o protagonismo de um poeta que deu voz aos invisibilizados.

A encenação explora a linguagem híbrida que tem sido uma das marcas do Magiluth, conectando teatro, performance, música, vídeo e poesia. Essa pesquisa de linguagem do grupo é muito importante, e quem acompanha a trajetória dessa trupe percebe as tentativas de ampliar e aprofundar a linguagem própria do grupo. As cenas se sucedem num fluxo fragmentado, como lampejos de memória, evocando a trajetória de Miró e a história do Recife, com a cidade como personagem, revelando suas contradições e encruzilhadas.

Erivaldo Oliveira assume o papel de Miró, buscando uma comunhão com a essência inquieta e a criatividade febril do poeta, sem apagar o Erivaldo. Em cena, Miró ganha potência para denunciar a especulação imobiliária que destruiu o conjunto habitacional da Muribeca, onde viveu, para celebrar a palavra e para rir e chorar diante das grandezas e mazelas da vida na periferia.

O espetáculo nos provoca a repensar as relações entre centro e periferia, entre a cidade oficial dos cartões-postais e a cidade real dos becos e favelas. Miró é a encarnação poética dessa cidade à margem, ou dessa porção da urbe, feita de carne e sonho, que resiste e se reinventa a cada dia. Sua poesia é indissociável de que ele foi – poeta, negro, periférico, das ruas onde viveu e amou, das pontes onde declamou seus versos.

Giordano Castro. Foto: João Maria Silva Jr/ Divulgação

Com Miró, o Magiluth celebra a força da poesia como arma de combate num mundo cada vez mais prosaico e desencantado. 

A encenação fragmentada articula realidade e ficção, biografia e poesia. As rupturas e repetições na linguagem cênica podem ser lidas como metáforas dos ciclos de violência e resistência que marcam a experiência de quem vive à margem. Grita a dimensão política do espaço urbano e a necessidade de reinventá-lo a partir do periférico. 

Nesse sentido, a destruição do conjunto habitacional da Muribeca, onde Miró viveu, surge como símbolo dos processos de exclusão e apagamento que caracterizam o desenvolvimento urbano no Brasil. A especulação imobiliária aparece como força antagonista, que expulsa os pobres para os abismos da cidade e da cidadania, conectando-se com lutas históricas pelo direito à moradia e à cidade.

Conhecido por incorporar referências e citações de seus trabalhos anteriores em suas novas montagens, esse procedimento do Magiluth sugere uma compreensão do fazer teatral como um processo contínuo e interconectado, onde cada obra não é apenas uma resposta às questões e inquietações do mundo atual, mas também estabelece um diálogo com a própria trajetória artística do grupo. Ao revisitar e ressignificar elementos de suas obras passadas, o Magiluth cria uma narrativa metateatral,.

Na apresentação no Teatro do Parque, ontem, 20 de maio, durante o Festival Palco Giratório, no Recife, algumas falas dos atores foram perdidas, – seja por terem sido pronunciadas em volume baixo, sem projeção, ou por terem sido sobrepostas por músicas ou sons, ou por existir um problema de acústica no teatro -, o que dificultou o entendimento de algumas passagens. Como a poesia de Miró é um elemento central do espetáculo e deve ser ouvida pelo público, é importante que o grupo fique atento a essas questões pontuais para garantir a melhor experiência possível para a plateia.

Ficha Técnica:
Miró: Estudo nº2, do grupo Magiluth
Direção: Grupo Magiluth
Dramaturgia: Grupo Magiluth
Atores: Bruno Parmera, Erivaldo Oliveira e Giordano Castro
Stand in: Mário Sergio Cabral e Lucas Torres
Fotografia: Ashlley Melo
Design gráfico: Bruno Parmera
Colaboração: Grace Passô, Kenia Dias, Anna Carolina Nogueira e Luiz Fernando Marques
Realização: Grupo Magiluth

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,

Uma joia que dilata nossos corações para celebrar a vida
Crítica de Circo de los pies

Foto: Ivana Moura

O que podem pés deficientes? Eles podem mostrar que enquanto a vida pulsa, tudo é possível. Eles podem fazer cambalhotas no ar.  E quando eles encontraram a palhaçaria, eles esbanjam humor, compõem poesia. Foi isso que aconteceu ontem, dia 18 de maio, no Teatro Marco Camarotti, no Recife, dentro da programação do Palco Giratório, com o espetáculo Circo de los pies.

Fruto do projeto O que meus pés me contam?, da La Luna Cia de Teatro, o espetáculo busca investigar o universo circense a partir das potencialidades e limitações de corpos plurais, visando tornar esse universo mais inclusivo para pessoas com deficiência. O projeto teve o incentivo do programa Entre Arte e Acesso do Itaú Cultural (2022) e do Prêmio Elisabete Anderle de estímulo à Cultura (2022).

A La Luna Cia. de Teatro, fundada em 2016 e sediada na cidade de Canelinha (SC), é uma companhia que enfrenta com determinação os desafios concretos da produção artística,  enquanto permite que sua criatividade e imaginação voem livres, explorando novos horizontes e possibilidades. Eles se dedicam à difusão e fruição artística por meio de pesquisa, montagem e circulação de espetáculos, encontrando um delicado equilíbrio entre a realidade prática e a liberdade criativa.

O grupo é formado por quatro artistas: Emeli Barossi, Amália Leal, Pedro Torres e Thiago Leite, que pesquisam diferentes linguagens como música, cultura popular, palhaçaria e pedagogia teatral.

Foto: Ivana Moura

Emeli Barossi, a intérprete da palhaça Asmeline, nasceu com Hemimelia Fibular, uma má formação congênita na perna direita. Pequenininha em estatura, mas gigante em talento e carisma, ela cria uma cumplicidade imediata com a plateia, contando brevemente sua história pessoal e, em outras camadas, falando sobre a arte da palhaçaria. Suas pernas, que sempre chamaram a atenção das pessoas, são as protagonistas de uma dramaturgia criada a partir da assimetria e da criatividade do seu corpo.

Em Circo de los pies, Emeli transforma sua patologia em arte, dialogando com a deformidade que existe em todo ser humano, independentemente de ser uma pessoa com deficiência ou não.

O espetáculo se propõe a ser acessível, colocando o corpo com deficiência como protagonista e autor do seu próprio discurso. A interpretação em Libras, realizada por Suzi Daiane, e a audiodescrição, feita por Pedro Torres, são intrínsecas à cena e ao jogo da palhaça, fazendo-se presentes como fios dramatúrgicos. Com uma acessibilidade poética, estética e inclusiva, que vai além de uma tradução e descrição técnica da cena, a obra gera sensações e constrói um jogo cativante com o público, seja ele vidente, não vidente, surdo ou ouvinte.

Emeli se entrega de forma intensa, fazendo uma interpretação de tirar o fôlego. Seus pés, Pezinho e Pezão, são os protagonistas desse show sensacional. É inevitável usar adjetivos para descrever a experiência: um banho de alegria e lirismo, uma enxurrada de ludismo, mas com os pés firmes na realidade. Circo de los pies é um conforto para o coração, mas também traz espetadas nos nervos, lembrando-nos que sempre podemos mais, sem cair nos clichês da superação. A técnica apurada e a entrega total da atriz capturam e amplificam nossa imaginação, levando-nos a uma jornada inesquecível.

É um convite para dilatarmos nossos corações ao infinito, como propôs a poeta Hilda Hilst e nos entregarmos à magia transformadora da arte.

“Circo de los pies” é uma pequena joia que nos contamina de alegria, mas com um fio-terra existencial de que a vida é uma luta constante, abordada com uma leveza perturbadora. Emeli Barossi e a La Luna Cia de Teatro nos presenteiam com uma obra necessária, que ultrapassa limites e nos faz acreditar na essência transformadora da arte.

Ficha Técnica

Atuação e concepção: Emeli Barossi
Trilha Sonora e Sonoplastia: Pedro Torres
Iluminação: Thiago de Castro Leite
Roteiro de Audiodescrição: Fernanda Rosa, Matheus Costa e Emeli Barossi
Figurino: Adriana Barreto
Produção: La Luna Cia de Teatro
LIBRAS: Suzi Daiane
Audiodescrição: Pedro Torres

Postado com as tags: , , , ,