Arquivo do Autor: Ivana Moura

Viagem ao coração da vida
Sobre o espetáculo Do outro lado do Mar

Premiada peça da dramaturga Jorgelina Cerritos, de El Salvador, ganha montagem brasileira dirigida por Marcio Meirelles, com Edu Coutinho e Andrea Elia no elenco. Foto: Ramon Gonçalves / Divulgação

O acaso ostenta seus caprichos. Mas você pode chamar do que quiser. Sorte, destino, imprevisto. Ou tanto mais. Penso que foi uma encruzilhada. A fome de Edu Coutinho, a generosidade de Marcio Meirelles, a poesia de Jorgelina Cerritos. Essas coisas não estão em relação. É feito o cão o rio. E o fluxo de muita água. E tem muito mais dedicação e entusiasmo nessa travessia: Andrea Elia, Caio Terra, Ramon Gonçalves, Erick Saboya, Moisés Victório, Rafael Grilo, Clara Trocoli, Adriana Balsanelli.

A encenação Do Outro Lado do Mar, explora as potencialidades do virtual e dilata as fronteiras do teatro. Feito o pacto de plausibilidade, os personagens podem estar nas nuvens (e não somente com a cabeça), se misturar as águas e seguir por lugares que a arte pode levar.

Um balcão de atendimento para serviços burocráticos é montado em uma praia deserta. Encontramos nesse cenário paradisíaco a solitária Dorotea, com sua carga de projetos interrompidos ou adiados e uma dedicação ferrenha ao cargo público. O jovem Pescador chega para quebrar a monotonia, questionar regras, e reconduzir por um estranho caminho onde a vida não se contenta com vistos, carimbos e certidões.

Dorotea é responsável pela emissão de documentos Ela alimenta a ideia de sucesso ligada à produtividade

Pescador acredita que é livre, pois vive no mar sem preocupação com uma vida “oficial”

A primeira versão brasileira da peça da autora de El Salvador Jorgelina Cerritos envereda pelos (des)sentidos da burocracia, que em espiral remete a um pesadelo kafkiano. As palavras deslizam poeticamente buscando frestas, contornando, enfrentando, furando pedras num jogo delicioso e comovente entre os dois atuantes, Andrea Elia e Edu Coutinho.

A encenação de Marcio Meirelles trafega em polifonia por palavras e sentidos, imagem, som, fúria e silêncio. A impermanência do existir ganha o primeiro plano, mas divide o protagonismo com tantos outros assuntos que mareiam em terra firme.

Sabemos que o capitalismo se fortalece de regras excludentes. As dramaturgias exploram essas restrições, os isolamentos impostos pela sociedade e as contradições desses tempos. A peça nos faz refletir sobre as tentativas de enquadramentos, as identificações rápidas por idade, nome e gênero, que descartam os mais velhos, os insubordinados. E descortina as marcas de isolamento social para garantir o melhor controle.

O público pode mergulhar nessa viagem sensível – com atuações vibrantes, um percurso povoado por poesia e beleza de imagens e palavras –, neste domingo, 20 de junho, às 19h. A última sessão desta temporada de Do Outro Lado do Mar ocorre ao vivo, no Novo Vila Virtual, palco virtual do Teatro Vila Velha, de Salvador, Bahia. O projeto é realizado pela Companhia Teatro dos Novos em parceria com o Toró Teatro.

Ficha Técnica:
Texto: Jorgelina Cerritos.
Tradução: Edu Coutinho com a colaboração de Marcio Meirelles.
Direção: Marcio Meirelles.
Elenco: Andrea Elia e Edu Coutinho.
Direção musical: Caio Terra e Ramon Gonçalves.
Cenografia: Erick Saboya.
Desenho de luz e direção de transmissão ao vivo: Moisés Victório.
Vídeos: Rafael Grilo.
Assistência de direção: Clara Trocoli.
Arte gráfica: Ramon Gonçalves.
Assessoria de imprensa local: Núcleo de Comunicação do Teatro Vila Velha.
Assessoria de imprensa nacional: Adriana Balsanelli.
Produção: Edu Coutinho.
Realização: Toró Teatro, Companhia Teatro dos Novos e Teatro Vila Velha.

Serviço:
Espetáculo Do Outro Lado do Mar
Temporada: Até 20 de junho – Domingo, às 19h.
Ingressos: a partir de R$10
Vendas em www.sympla.com.br/vilavelha
Transmissão: Novo Vila Virtual – palco virtual do Teatro Vila Velha.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,

Nordeste múltiplo é esquadrinhado na ação Cena Agora do Itaú Cultural

Cia de Artes Fiasco, de Rondônia, apresenta Ave de Arribação. Foto: Michele Saraiva

Cia Biruta, de Petrolina, (PE) Foto: Tássio Tavares

Retalhos Mouriscos, com Maicyra Leão, de Sergipe. Foto: Daniela Carvajal

Silvero Pereira mostra seu trabalho Ser tão Nordeste. Foto: Divulgação

Ultrapassar é uma ideia boa para pensar o programa Encruzilhada Nordeste(s): (contra)narrativas poéticas do Cena Agora, que o Palco Virtual de Teatro do Itaú Cultural realiza desde abril. Muitas visões ultrapassam os limites geográficos e as construções estereotipadas ou colonizadas sobre a região, com atuação de grupos e artistas do Nordeste, do Sudeste e do Norte. Assuntos como lugar de fala e de falta, machismo, memórias ancestrais e linguagem alimentam esses olhares sobre o Nordeste, nesta última semana, com apresentações de 27 a 30 de maio (quinta-feira a domingo).

Nesta quinta-feira (27/05), a atriz, produtora, diretora e roteirista cearense Jéssica Teixeira mostra Lugar de Falta, cena que questiona a insuficiência, a escassez, a zona de sentir vazio e sentir muito.

A Coletiva Teatral Es Tetetas, composta pelas artistas Kika Sena, Sarah Bicha e Brenn Souza, do Acre, expõe na sequência uma releitura do livro A Invenção do Nordeste. A cena Sem título trabalha a perspectiva de rompimento das noções de dor e sofrimento vinculadas à imagem da região e dos nordestinos, retomando memórias ancestrais soterradas. A gestora cultural acreana Karla Martins conduz o bate-papo após as apresentações.

Enio Cavalcante (foto divulgação) e Verônica Bonfim (foto: Juliana Varajão) da Pandêmica Coletivo

A carioca Pandêmica Coletivo Temporário de Criação reflete sobre o que nos constitui como nordestinos na sexta-feira na cena Interurbana. Dirigida por Juracy de Oliveira, o trabalho indaga: quanto de você é Nordeste? Quanto de Nordeste sai de você sem precisar nem abrir a boca.

O ator cearense Silvero Pereira também comparece na sexta-feira com Ser tão Nordeste, um mini-doc povoado pelo afeto na liga de três gerações de sua família, em realidade, perspectivas e sonhos. Depois das sessões a conversa é mediada pelo diretor amazonense Francys Madson.

A poesia e a nordestinidade do rap-repente conduzem as buscas cênicas e sonoras da obra Constança, que a Cia. Pão Doce, de Mossoró, no Rio Grande do Norte, mostra no sábado, 29. Já a artista sergipana Maicyra Leão leva para a roda a peça Retalhos Mouriscos, um percurso de migração, concepções de nordestinidade com resíduos de transpassamento culturais que incluem as influências árabes. Karla Martins conversa com os convidados ao final das cenas.

A programação do domingo 30, – derradeiro dia desses cruzos que prometem reverberar-, valoriza o Nordeste além das capitais e expande seus limites para outros estados fora da região. A Cia de Artes Fiasco, de Rondônia, convida o espectador a seguir a poética da revoada, de levantar o próprio corpo e a terra ao redor com Ave de Arribação.

Notícias do Dilúvio — Um Canto a Canudos, da Cia Biruta, da cidade pernambucana de Petrolina, explora um registro histórico da participação de mulheres na Guerra de Canudos, entrelaçando referências às práticas culturais populares do Sertão. O encontro mediado novamente por Francis Madson.

Karla Martins e Francys Madson são os mediadores da semana. Fotos divulgação

O recorte Encruzilhada Nordeste(s): (contra)narrativas poéticas da programação Cena Agora vem propondo “círculos dialógicos” para quebrar com ideias colonialistas e estereotipadas do Nordeste único, da história única, para se conectar com múltiplos teatros humanizados, sustentados na alteridade, no conversação e na valorização  da coautoria do outro (público). Um total de 28 grupos ou artistas teatrais do Nordeste, do Norte e do Sudeste entraram nessa roda.

Cena Agora tem se configurado numa arena pulsante que congrega poéticas e debates com muitas vozes, forjando encontros, diálogos e nos mostrando outras possibilidades de interação em meio a situação de isolamento que persiste, afetando tão fortemente nosso desejo de convivência”, considera Galiana Brasil, gerente de Artes Cênicas do Itaú Cultural. “Para além do extrato estético apurado e instigante, as encruzilhadas têm sido espaços de calor e afeto, subvertendo a ideia comum de distanciamento causada pela mediação digital, possibilitando momentos de fruição conjunta e muita prosa entre artistas e público de geografias tantas”, sustenta.

Muita interseção e partilha vêm ocorrendo no Encruzilhada Nordeste(s), desde abril, fomentando outras cumplicidades e abertura de horizonte éticos, estéticos políticos. Passaram e ficou um pouco de cada umx, do historiador Durval Muniz de Albuquerque Jr., autor do livro A invenção do Nordeste e outras artes em conversa com Galiana Brasil. E muitas cenas inquietantes, provocadoras, propulsoras de muitos pontos de vista.

Em abril vimos Onan Yá – A caminhada da sacerdotisa, da diretora teatral e dramaturga paulista/baiana Onisajé; O Desaparecimento do Jangadeiro Jacaré em Alcácer-Quibir, do cearense No barraco da Constância tem!; Rhizophora – Estudo nº 01, do Coletivo de Dança-teatro Agridoce, de Pernambuco; Boca, dos maranhenses Erivelto Viana e Urias de Oliveira, Web-Strips: Volume Encruzilhadas, do grupo baiano Dimenti, e o Sem título, do Clowns de Shakespeare, do Rio Grande do Norte.

Elaborando olhares sobre a migração e subjetividades , no início de maio participaram o alagoano Clowns de Quinta, com Prisioneiro do Reggae, o paraibano Alfenim, com Pequeno Inventário das Afinidades Nordestinas; o sergipano Boca de Cena em Remundados, o potiguar Casa de Zoé em Encontros, NÉ? e a dupla maranhense Brenna Maria e Ywira Ka’i em Você já Sangrou Hoje? Grupos paulistanos com DNA nordestino contribuíram para os cruzos do encontro: Estopô Balaio, com o seu EX-NE – O Sumiço, e a Cia. do Tijolo, com O Outro Nome da Amizade.

Semana passada teve a mesa Mídia e a (des)construção do imaginário NORDESTE, mediada por Aninha de Fátima Sousa, gerente do Núcleo de Comunicação do Itaú Cultural. A conversa sobre atitudes xenofóbicos machistas, e racistas foi com a jornalista e atriz pernambucana Ademara Barros, que ganhou espaço na internet com seus vídeos de humor irônico e a baiana Val Benvindo, jornalista, produtora, apresentadora e consultora em diversidade racial.

Os piauienses do grupo Canteiro Teresina apresentaram Amora, o grupo pernambucano Magiluth mostrou o trabalho O Mundo Quase Acabou. O também grupo pernambucano O Poste Soluções Luminosas exibiu o experimento cênico híbrido LONGUSU XENUNPRE DUDU NORDESTINAPE, sobre falas inviabilizadas. Fractais, do Grupo Ninho de Teatro, do Ceará levou para a cena recortes de sua pesquisa sobre gênero a partir dos feminismos e das masculinidades.

Eztetyka do Sonho, do Teatro dos Novos, da Bahia, mostrou uma encenação virtual do manifesto lançado por Glauber Rocha em 1971, para revisitar questões do que seria uma linguagem para uma arte verdadeiramente revolucionária. Cabra Macho, do ator paraibano Zé Wendell, investiga com humor as repercussões do machismo no Nordeste, na construção da identidade LGBT.

As conversas foram mediadas pelo diretor Jorge Alencar e o ator Neto Machado, da Bahia; pela  diretora teatral e dramaturga paulista/baiana Onisajé; e pelo ator e diretor mineiro Rodrigo Mercadante. 

SERVIÇO:
Cena Agora – Encruzilhada Nordeste(s): (contra)narrativas poéticas
Semana 4:
De 27 a 29 de maio (quinta-feira a sábado), às 20h
Dia 30 de maio (domingo), às 19h
Todos as apresentações são seguidas de bate-papo com o elenco.
Pela plataforma Zoom. Ingressos via Sympla.
Mais informações em: www.itaucultural.org.br

PROGRAMÇÃO E SINOPSES
Semana 4

27 de maio, quinta-feira, 20h

Jéssica Teixeira, do Ceará. Foto: Igor Melo

Lugar de Falta
Com Jéssica Teixeira (CE)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com a atriz. Mediação de Karla Martins
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
Lugar de falta. Não é de fala. Não é de escuta. É de falta. Aqui, a falta é pura contradição. Um
lugar escasso e cheio. Sentir vazio e sentir muito. É do nada e é demais!
Ficha Técnica:
Direção, Roteiro e Atuação: Jéssica Teixeira.
Produção Executiva: Jéssica Teixeira
Direção de Fotografia e Operação de Câmera: Camila de Almeida
Edição, Cor e Legenda: Victor di Marco
Consultoria em Acessibilidade Cultural: Gislana Vale
Trilha Sonora Original e Mixagem: Marcus Au Coêlho

Sem título
Com Coletiva Teatral Es Tetetas (AC)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Karla Martins
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
Uma releitura de A Invenção do Nordeste, um retorno às memórias ancestrais que foram
soterradas, numa camada bem espessa da dor. Como num resgate dessas memórias, propõe-
se um rompimento das noções de dor e sofrimento, que são intensamente vinculadas à
imagem que se faz do Nordeste e de pessoas nordestinas.
Ficha Técnica:
Performance: Kika Sena
Edição de vídeo: Sarah Bicha e Brenn Souza
Roteiro: Kika Sena, Sarah Bicha e Brenn Souza
Direção: Brenn Souza e Kika Sena
Fotografia: Sarah Bicha e Brenn Souza
Indumentária e caracterização: Sarah Bicha e Brenn Souza.

28 de maio, sexta-feira, 20h

Interurbana
Com Pandêmica Coletivo Temporário de Criação (RJ)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Francys Madson
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:

Ligações interurbanas. Corpo, caju, facetas, fúria e voz. Quanto de você é Nordeste? Quanto
de Nordeste sai de você sem precisar, nem mesmo, dizê-lo?
Ficha Técnica:
Direção: Juracy de Oliveira
Performance: Alda Pessoa, Diane Veloso, Enio Cavalcante, Josyara e Verônica Bonfim.
Realização: Pandêmica Coletivo Temporário de Criação

Ser tão Nordeste
Com Silvero Pereira (CE)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o ator. Mediação de Francys Madson
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos (melhor fruição)
Sinopse:
É um registro carinhoso, um olhar cheio de afeto sobre três gerações da família do ator Silvero
Pereira: pais, ele e seu sobrinho. Um mini-doc sobre origem, sobre passado, presente e futuro,
sobre realidade, perspectivas e sonhos.
Ficha Técnica:
Argumento, Texto, Direção e edição: Silvero Pereira
Atuação: Silvero Pereira, Rita Invenção e José Alves
Colaboração: Dougllas Robson

29 de maio, sábado, 20h

Cia Pão Doce de Teatro. Foto Thyago Dantas

Constança
Com Cia. Pão Doce de Teatro (RN)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Karla Martins
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
Em constância na caminhada, a Cia. Pão Doce apresenta as suas buscas cênicas e sonoras,
bebendo na poesia e no rap-repente de uma nordestinidade que povoa e foge do senso
comum.
Ficha Técnica:
Direção: Cia Pão Doce
Elenco: Paulo Lima, Lígia Kiss, Romero Oliveira, Raull Davyson, Edson Saraiva e Mônica Danuta
Dramaturgia: Cia. Pão Doce
Música: Romero Oliveira
Iluminação: Paulo Lima
Imagem, edição, som direto: Ribeiro Produções
Cenografia e figurino: Cia Pão Doce
Preparação vocal: Cláudia Azevedo
Produção: Cia Pão Doce

Maicyra Leão. Foto: Marcelo Dischinger

Retalhos Mouriscos
Com Maicyra Leão (SE)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Karla Martins
Duração:
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
A cena é uma epopeia subterfúgica repartida entre a história de migração no Nordeste, a
trajetória particular de sujeitos em devir retirante e, em meio a isso, a criação de uma criança
declarada nordestina. O mote é múltiplo, difuso, entrecortado e costurado como qualquer
processo de construção de uma identidade mutante. A cena foi elaborada especificamente
para o Cena Agora: Encruzilhada Nordeste, na perspectiva de povoar a noção de
nordestinidade com resíduos de atravessamentos culturais para além da tríade africano – índio
– europeu, mais precisamente com borraduras árabes.
Ficha Técnica:
Performance e concepção: Maicyra Leão
Dramaturgia visual: Rodrigo Garcia
Direção Musical: Nouras Hanana
Violino: Kayan Leão

30 de maio, domingo, 19h

Cia de Artes Fiasco. Foto Michele Saraiva

Ave de Arribação
Com Cia de Artes Fiasco (RO)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Francys Madson
Duração: 15 minutos
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
É sobre pássaros/pessoas que estão soterradas em lugares de solidão, mas, também de desejo
recalcado que emerge da espera de um regresso incerto dos seus entes queridos. Para nós,
ovos-filhos, para o Estado, números e super soldados. Revoar, neste caso, é levantar o próprio
corpo e a terra ao redor. Qual revoada é possível?
Ficha Técnica:
Dramaturgia e Direção: Fabiano Barros:
Elenco : Rafaela Oliveira e Artur Nestor
Músico Compositor: Rinaldo Santos:
Produção Aline T
Administração: Emilly Lamarão 

Notícias do Dilúvio – Um Canto a Canudos
Com Cia Biruta (PE)
Após a apresentação, acontece um bate-papo com o elenco. Mediação de Francys Madson
Duração:
Capacidade: 270 lugares
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse:
Entrelaço de referências às práticas culturais populares do Sertão com registros históricos da
participação de mulheres na Guerra de Canudos. A proposta é atualizar, contar e cantar o lugar
em que se forma o silêncio que luta e afronta o esquecimento. Nele estão as personagens Das
Dores e Dos Anjos, em oração, rememoração e alucinação no espaço/tempo navegante de
uma das mais importantes experiências de resistência popular do país.
Ficha Técnica:
Encenação: Antonio Veronaldo
Texto: Luis Osete Carvalho e Antonio Veronaldo
Elenco: Cristiane Crispim e Camila Rodrigues

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Peça “Quanto mais eu vou, eu fico” rejeita a caricatura do Nordeste único, atrasado e miserável

Quanto mais eu vou, eu fico faz uma live especial neste 29 de abril, às 20h, no canal do grupo no Youtube.

Preconceitos velados e explícitos serviram de disparadores para o trabalho

Elenco compõe um mosaico de personagens

Busca por trabalho, melhores condições de vida, reconhecimento são motivações para migrações do nordestino para a região Sudeste. A concentração dos conglomerados de televisão, produtoras de cinema e de publicidade, além de uma oferta substanciosa de cursos de formação tem sido um chamariz quase irresistível para muitos jovens. Às vezes dá certo. Quanto mais eu vou, eu fico, aborda esse desejo de duas atrizes pernambucanas, Endi Vasconcelos e Maria Laura Catão, (na temporada presencial eram três), que seguiram para o Rio de Janeiro para investir na carreira artística. Neste 29 de abril a peça é exibida no canal do grupo no youtube .

Relatos reais são misturados à ficção na peça que expõe os investimentos emocionais, obstáculos, expectativas das artistas numa jornada de ida e volta, com música, dança e humor. O trabalho busca acentuar a existência de um Nordeste contemporâneo, descolado da caricatura de terra rachada, seca, pobreza, fome, tons pastéis.

O Nordeste não é só isso, elas defendem no espetáculo, repercutindo os versos irônicos do cantor cearense Belchior (1946 – 2017): Nordeste é uma ficção! / Nordeste nunca houve! … Não sou do sertão dos ofendidos!”

As intérpretes foram em busca de sonho no Sudeste, mas não em paus de arara, como ocorreu com migrantes nordestinos pobres em décadas passadas, mas se deslocaram em aviões, nutrindo as redes sociais com suas experiências registradas em imagens de seus smartphones .

A direção geral do espetáculo é de Samuel Santos, a direção musical de Juliano Holanda, com músicas de Thiago Martins e Zé Barreto, canção inédita Cinemascópio, de Marcello Rangel, do disco Quanto mais eu vou, eu fico (que dá nome à peça), dramaturgia de Gleison Nascimento e direção de movimento de Hélder Vasconcelos.

Quando mais eu vou, eu fico é uma idealização do Grupo Bubuia, tem apoio da Lei Aldir Blanc, com gravação no Teatro Luiz Mendonça, em Boa Viagem, no Recife.

SERVIÇO
Espetáculo Quanto mais eu vou, eu fico
Quando: 29 de abril (quinta-feira), 20h
Onde: https://cutt.ly/kvpXgD8
Instagram: @bubuiacia

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , ,

Vamos cuidar dos jardins!
Resultado da residência artística do Reside-LAB

Cena de Raimundo Branco. Foto: Captação de tela

Memórias da família de Alberto Braynner. Foto: Captação de tela

Conceição Santos e Fátima Aguiar. Foto: Captação de tela

Sônia como a funcionária da Madame Bierbard. Foto: Captação de tela

Andrezza Alves lembra que é preciso voar. Foto: Captação de tela

* A ação Satisfeita, Yolanda? no Reside Lab – Plataforma PE tem apoio do Sesc Pernambuco

Formação e colaboração, compartilhamento de experiências e saberes, intercâmbio e permuta são algumas guias mestras do RESIDE.FIT/PE, festival internacional de teatro, criado em 2018 no Recife como CAMBIO. Neste 2021 a edição ocorreu de forma totalmente virtual, Reside-Lab patrocinado pela Lei Aldir Blanc, com seminários, oficina e uma residência artística. Dez espetáculos da produção pernambucana (experimentos online, gravações ou aberturas de processos) participaram do programa e nós escrevemos sobre todos eles: Transbordando Marias, com Clara e Conceição Camarotti; Brabeza Nata, com Alexandre Sampaio, texto de Luiz Felipe Botelho e direção de Cláudio Lira; Inflamável, com Paulo de Pontes, a partir de poemas de Alexsandro Souto Maior, sob a direção de Quiercles Santana; Vulvas de quem?, com texto de Ezter Liu, direção de Cira Ramos e atuação de Márcia Cruz; Da laje-palco: respeitável público, o Alto e DENTRA com direção e atuação de Bruna Florie; 72 dias, com dramaturgia de Paulo de Pontes e Quiercles Santana, direção de Quiercles Santana e atuação Paulo de Pontes; Sala de Espera, com roteiro adaptado e atuação de Cira Ramos, direção de Fernando Lobo; No meu terreiro tem arte, com Odília Nunes, Violeta Nunes e Helena Nunes; Yorick e os Coveiros do Campo Santo de Elsinor, com criação cênica e dramaturgia de Andrezza Alves, Enne Marx, Daniel Machado, Geraldo Monteiro, Marcondes Lima e Quiercles Santana; e Práticas Desejantes, com idealização e performance de Andrezza Alves e Daniele Avila Small.

Paula de Renor, idealizadora do festival. Foto Captação de tela

O festival idealizado por Paula de Renor, com curadoria dela e relações internacionais e Coordenação dos Encontros de Celso Curi, traz sopros de esperanças. Seu investimento nas possibilidades de intercâmbio busca alargar horizontes. Para um mundo que pode ser grande, acolhedor, com empatia real. Isso não quer dizer que as negociações, os conflitos, as crises, os embates sejam eliminados, mas tudo pode ser mais respeitoso, humano, com possibilidade de revezamento de protagonismos.

Uma das alavancas de fomento da cena no Reside-Lab foi a residência artística com Paul Davies, diretor do Volcano Theatre, do País de Gales, Reino Unido, que durou duas semanas. Muitos aprendizados na peleja com o digital. “Vivendo e aprendendo a jogar, Nem sempre ganhando, Nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar”, como já cantava Elis Regina.

Qual o Caminho para a Cachoeira: Aventuras em Criatividade Digital é o título do trabalho, fruto dos encontros que ocorreram entre 15 e 27 de março de 2021, por vídeo conferência, com  Davies.

No início eram 20 participantes. 14 deles produziram materiais e toparam os desafios e as dinâmicas propostas pelo artista inglês. Ele trabalhou a ideia de jardins imaginários e reais, pintados e perdidos. Paul Davies lançou cápsulas criativas de temáticas políticas, do enfrentamento da pandemia, afetos, alguma coisa pós-moderna com o objetivo de estimular a criatividade.

Dos mais de 100 vídeos produzidos e enviados a Davies, muitos foram agrupados numa busca de compor uma narrativa, ou não. São eles: prólogo Antes da Água; No início: Juventude Colossal / Água Colossal; É neste momento que uma mulher velha diz; No final: secando novamente.

São cenas, flashes, extratos e recriação de peças de Nelson Rodrigues, exercícios de teatro psicofísico, entregas desses artistas que acendem seus corpos de urgências ditas em frases e silêncios. Percorremos com eles algumas veredas, fizemos travessias, torcemos, pensamos na realidade e até nos divertimos.

João Augusto Lira em conversa com Madame Clessi. Foto: Captação de tela

Cira Ramos investe em Nelson Rodrigues Foto: Captação de tela

Ser ou não ser youtube, pergunta Raimundo Branco. Foto: Captação de tela

Augusta Ferraz e suas máscaras faciais. Foto captação de tela

Qual o Caminho para a Cachoeira: Aventuras em Criatividade Digital  junta imagens bonitas, fortes, engraçadas, frágeis, precárias, imagens que estimulam outras imagens. Somos voyeurs do banho de costas de Andrezza Alves; observamos um dia bom de Cira Ramos ser estragado aos poucos pelo som da companhia da bicicleta, latido do cachorro, buzina do carro, a chuva inesperada. Seguimos com Charles Firmino em sua busca por ângulos diferentes. Encontramos Sônia Bierbard na rede da sua casa a pensar poeticamente sobre encontros e o mar como um grande espetáculo.

Cira Ramos assume humor no papel de “achadora” oficial da casa; noutra cena enfrenta uma guerra imaginária e nos convoca a usar as armas que temos, mesmo que sejam só unhas e dentes; passeia por um trecho de Sonhos de uma noite de Verão; dá um tempo embaixo da cama; revisita Nelson Rodrigues.

Alguns tensionam o lugar da negação da pandemia, do desprezo pela máscara e do descuido pela aglomeração em quadros curtos e críticos, como o de Alberto Braynner, que dá um baile no vizinho; o de José Lírio Costa, que toma banho de roupa e o de Anna Batista que diz achar um absurdo não ter tido carnaval.

Conceição Santos observa a rua da varanda de casa, com muita força nesse olhar Fátima Aguiar também espreita o mundo pela janela. A combinação da cena de Conceição e Fátima, cada uma de sua casa, no processo de maquiagem ao espelho, instiga várias interpretações.

De forma mais irônica, Raimundo Branco questiona “ser ou não ser youtube?”; em outra ação psicofísica ele dobra roupas. Andrezza repete um movimento de empilhar frutas.

Anna Batista usa tecidos como extensões da pele. Augusta Ferraz produz máscaras com ações faciais e em outro momento – com o foco na tela de proteção do apartamento – comenta que o que a oprime nesta pandemia é a espera por um milagre no que diz respeito ao amor.

O gelo derrete na mão de José Neto Barbosa, que depois sugere relações afetivas usando imagens de duas toalhas, duas sandálias, duas escovas e a ideia convergente entre amor e morte. Andrezza quer asas para voar, pois voar não dói.

Aproximações com os felinos, calor e ventilador com Tiago Leal. A descoberta do prazer nas intenções de João Augusto Lira, memórias de Braynner. Sônia faz um tipo de funcionária que critica a Madame Bierbard por obrigá-la a usar máscara, numa chave de humor.

E há uma série de encontro com personagens de Nelson Rodrigues, dos textos do dramaturgo pernambucano ou a partir deles, construções inspiradas em peças como Vestido de Noiva, A Mulher sem Pecado, A Falecida, Álbum de Família, Senhora dos Afogados e outros. Diálogos com Madame Cleci, Olegário, Moema. Quase uma conversa atrás da porta

O Reside aposta na perspectiva da audácia teatral incentivando o público a ser participante ativo. Sigamos nos reinventado. Que o teatro seja um vibrante ataque aos sentidos. Que seja lírico, apocalíptico, extremo, perigoso, desestabilizador, ambicioso, inventivo. As sementes estão sendo lançadas na virtualidade. Aqui e ali.

Ficha Técnica

Qual o Caminho para a Cachoeira: Aventuras em Criatividade Digital / Wich Way to the Waterfall: Adventures in Digital Creativity.
Resultado do processo da residência com o britânico Paul Davies, da Cia Volcano de Teatro, do Reino Unido, que ocorreuu entre 15 e 27 de março de 2021.
Participantes da residência / Autores dos vídeos
Alberto Braynner
Andrezza Alves
Anna Batista
Augusta Ferraz
Charles Firmino
Cira Ramos
Conceição Santos
Fátima Aguiar
João Augusto Lira
José Lírio Costa
José Neto Barbosa
Raimundo Branco
Sônia Bierbard
Thiago Leal

Reside Lab – Plataforma PE – Festival Internacional de Teatro
Patrocinadores: Lei Aldir Blanc PE, FUNDARPE, Secretaria de Cultura, Governo de Pernambuco, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.
*Programa Pontes, parceria entre Oi Futuro e British Council.
*Apoio: Sesc Pernambuco
*Parceria: Satisfeita, Yolanda?

Direção e Curadoria: Paula de Renor
Realização: Remo Produções.
Produção Executiva: Fervo Projetos Culturais
Designer/Programação Visual: Clara Negreiros
Assessoria de Imprensa: Manoela Siqueira
Programador Site: Sandro Araújo
Redes Sociais e vídeos Youtube: Alexandre Barbosa
Monitoramento: Renata Teles
Acessibilidade Comunicacional: VouSer Acessibilidade – Andreza Nóbrega
Relações Internacionais e Coordenação dos Encontros: Celso Curi
Coordenação Pedagógica Residência e Assistência: Maria Clara Camarotti
Tradução Residência: Cyro Morais

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

TAPA abre processo de A Brasiliense, a mulher “do lar” que transita nas esferas do poder

A Brasiliense, adaptação do texto do francês Henry Becque para o Planalto Central. Foto: Divulgação

O dramaturgo francês Henry Becque (1837-1899) teria um vasto material para experimentar seu humor mirando os bastidores do poder no Brasil atual. O Grupo TAPA faz esse deslocamento com a peça A Parisiense, escrita em 1885, que passa a se chamar A Brasiliense, na abertura de processo nesta segunda, 19/04, às 19h, com acesso gratuito, através da Sympla, e bate-papo ao final, com diretor Eduardo Tolentino de Araujo e elenco formado por com Andre Garolli, Brian Penido Ross, Bruno Barchesi e Camila Czerkes.

La Parisienne escandalizou o público da época com a história de uma mulher casada e seus dois amantes. O texto chegou ao Brasil pelas mãos do diretor francês Antoine no fim do novecentos. Teve uma montagem de sucesso em 1966, intitulada A mulher do todos nós, na versão de Millôr Fernandes, com Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Ítalo Rossi.

Na investida do Grupo TAPA, essa sátira contundente põe no centro da cena uma nova mulher, que ostenta um discurso conservador e reacionário, mas por trás revela um comportamento amoral, principalmente na uso da máquina pública à serviço dos seus interesses.

Essa habitante do planalto central do século 21, sob a capa de “Do lar”, transita com desenvoltura nas esferas do poder e nas alcovas vantajosas. Pátria, religião e Família acima de tudo são o lema dessa “Brasiliense”.

Os ingressos podem ser resgatados até o horário da transmissão e o público pode contribuir com o SOS Tapa.

Ficha Técnica
A Brasiliense – Work in Progress
Texto: Henry Becque
Tradução: Eduardo Tolentino de Araujo e Fernando Navarro
Direção: Eduardo Tolentino de Araujo
Elenco: André Garolli, Brian Penido Ross, Bruno Barchesi e Camila Czerkes
Voz Off: Guilherme Sant’Anna
Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli
Design Gráfico: Mau Machado
Assistência de Produção: Nando Barbosa, Nando Medeiros
Produção Geral: Ariel Cannal

Serviço
A Brasiliense – Work in Progress
Quando: Nesta segunda, 19/04, 19h
Onde: https://www.sympla.com.br/a-brasiliense—work-in-progress__1143837

Postado com as tags: , , , , ,