Arquivo da tag: Paula de Renor

Para pensar a política cultural do Recife

É necessário muito trabalho nos bastidores para que a cultura  do Recife volte a respirar. Na imagem de Andrea Rego Barros, o urdimento do Teatro do Parque.

Teatro do Parque com vista a partir dos camarotes. Foto: Andrea Rego Barros / Divulgação

* Atualizada em 29/01/2021 às 11h51

A política cultural é feita de escolhas. De prioridades e investimentos. Como na regra máxima da economia: recursos escassos para atender a desejos infinitos. Nessa difícil equação, os gestores decidem o que fazer com o orçamento. Alguns apostam na oitiva da população, especialmente daquela porção diretamente envolvida, para tomar decisões. Uns acreditam no seu poder clarividente de entender o que o setor cultural e os cidadãos querem sem escutá-los.

Mas nenhuma escolha é ingênua. Ou aleatória. Ela está atrelada às ideologias. Verbas materializam aspirações, sonhos, projetos. Do que se pensa que é melhor para o universo individual ou coletivo. E quem detém nas mãos a construção desse mundo; ou seja, quem está no poder, tem a chance de escolher onde e como e porque aplicar os investimentos; fornecer as condições básicas, médias e suficientes para que os habitantes sobrevivam, vivam, existam. Então, alguns atores sociais podem ser inviabilizados, não priorizados por investimentos públicos, lançados tão ao fim da fila que nunca chegam sua vez.

David Harvey chama de mercadificação a transformação em mercadoria de formas culturais, históricas e da criatividade intelectual.

A política cultural neoliberal do governo de Pernambuco e do Recife equaliza a dimensão de entrega das decisões para o mercado. Isso ficou notabilizado nos últimos oito anos de gestão do PSB na Prefeitura do Recife e no estado mais do que isso. Foi uma trilha de perdas das conquistas da classe artística, que precisou se juntar em movimentos vários para frear estragos ou garantir pontos fundamentais.

O Teatro do Parque, equipamento administrado pela prefeitura, fechado durante 10 anos e reaberto no fim do ano passado, é um exemplo – que nem sempre aparece nas notas oficiais – da articulação de muitos artistas. Foram diversas Viradas Culturais, protestos, mobilizações, comissões para o teatro ser devolvido lindinho à população.

Com João Campos, do PSB, ocupando a cadeira de prefeito depois de oito anos de Geraldo Júlio (PSB), entraram em cena no início do mês o professor, escritor, documentarista e produtor cultural Ricardo Mello, no cargo de secretário de cultura da cidade do Recife, e o diretor de teatro, professor, José Manoel Sobrinho, como presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife. Ambos foram recebidos de braços abertos pela maior parte da classe teatral. José Manoel, de forma efusiva.

Ricardo Mello, secretário de Cultura do Recife na gestão do prefeito João Campos. Foto: Reprodução do Facebook

José Manoel Sobrinho, presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, na gestão de João Campos. Foto: Thiago Faria / Divulgação

Registramos aqui as inquietações a partir das perguntas que fizemos a algumas pessoas das artes cênicas sobre os gestores atuais. Foram dois questionamentos: 1) a opinião sobre a escolha dos nomes 2) as prioridades para a gestão. As respostas foram dadas entre 5 e 15 de janeiro. 

Basicamente são três marcos de recepção. Os que acreditam plenamente em mudanças com a participação desses gestores; os que sabem do valor dos nomes, mas desconfiam do método PSB de administrar; e os que, apesar de torcer para que a cultura recifense dê certo, não confiam na política desse partido, tendo por base os danos ocorridos nos últimos oito anos. 

Mônica Lira, coreógrafa e bailarina do Grupo Experimental pensa que foi imprescindível chamar pessoas realmente da área de cultura. “Tivemos durante essas duas gestões de Geraldo Júlio, infelizmente, pessoas técnicas, homens machistas, principalmente o ex-presidente da FCCR. Eu tive a experiência, inclusive, lá dentro, interna, que foi muito ruim. Então, acredito que vai ser muito importante se eles (Ricardo Mello e José Manoel) tiverem realmente recursos e abertura para construir uma política que já deixou de existir há muitos e muitos anos”.

Diálogo, esse ato básico de comunicação, é um dos quesitos mais reclamados pelos artistas durante as duas últimas gestões do PSB. “É uma expectativa de que seja um novo momento, um fio de esperança, uma luz no fim do túnel. Porque não está fácil ser artista, permanecer artista morando num país como o Brasil e com esse desgoverno. E principalmente numa cidade em que a cultura não tinha nenhuma prioridade. A cultura nunca foi prioridade para essa gestão de Geraldo Júlio, em nenhum momento”, reforça Mônica Lira.

Atriz, produtora e curadora Paula de Renor assume a administração do Parque Dona Lindu / Teatro Luiz Mendonça. Foto: Reprodução do Facebook

Paula de Renor, atriz, produtora e conselheira do Conselho Estadual de Cultura foi convidada e aceitou a administração do Parque Dona Lindu / Teatro Luiz Mendonça, os dois equipamentos juntos. Essa informação foi divulgada neste 25 de janeiro. Além de produtora, com longa temporada no festival Janeiro de Grandes Espetáculos, do qual se desvinculou há cerca de três anos, ela administrou um dos espaços mais queridos do Recife das últimas décadas: o Teatro Armazém. Atualmente ela produz o Reside – Festival Internacional de Teatro FIT-PE.

“Eu aceitei porque eu quero apoiar Zé Manoel e Ricardo, pois eu acredito neles, nos dois. Eu acho que que a gente tem que ocupar os espaços – a gente quer dizer a classe artística – tem que ocupar os espaços que pertencem à classe. Os teatros pertencem à cidade, à classe e eu acho que ninguém melhor do que os artistas, e artistas que são gestores também e produtores, para cuidarem desses espaços. Os artistas, como ninguém, sabem cuidar, porque eles precisam e vivem desses espaços. Então foi por isso que eu aceitei esse desafio”, contou ao blog Satisfeita, Yolanda? 

Ator, diretor e dramaturgo Giordano Castro. Foto: Reprodução do Instagram

Mesmo reconhecendo a importância dos dois gestores, o ator, diretor e dramaturgo, integrante do Grupo de Teatro Magiluth, Giordano Castro, confessa que “não acredito muito em grandes mudanças”, lembrando que é mais uma gestão do PSB no Recife. E que, em linhas gerais, levando em conta o histórico dos últimos oito anos de administração desse partido na capital pernambucana, o resultado foi o desmantelamento de algumas conquistas.

Entre elas,  o enfraquecimento de festivais importantes como o de teatro, o de dança e o de literatura. “São festivais muito fortes na cidade que, de alguma forma faziam com que a vida cultural da cidade do Recife acontecesse de forma fervorosa. E esses festivais, eles acabaram”. E, por isso mesmo, Giordano ressalta a importante da alternância de poder. “Mas sendo João (Campos) o novo prefeito, nós vamos democraticamente viver com ele nesses quatro anos e torcer para que eu esteja de alguma forma errado em relação a isso”.

Artistas e produtores Mísia Coutinho, Paulo de Pontes e Gheuza Sena. Fotos: Reprodução do Facebook

A torcida pelos novos gestores é grande. Muitos atores, diretores, produtores, botam muita fé, principalmente no nome de José Manoel Sobrinho. “Conheço de perto a dedicação dele, o empenho e a competência”, frisa a produtora e atriz Mísia Coutinho. O ator e produtor Paulo de Pontes corrobora que as escolhas não poderiam ser melhores. “Já nos dá certa esperança”. A atriz Gheuza Sena também aposta suas fichas em José Manoel “que é uma pessoa que eu conheço a fundo, acompanho bastante o trabalho dele, já muitos anos foi meu professor na Fundaj”.

“Para mim, Recife nunca esteve tão bem representado na parte da cultura”, aposta a atriz, modelo e palhaça Fabiana Pirro. “Ricardo Mello é super engajado em várias áreas da cultura, e não é só um administrativo. Ele é uma pessoa realmente das artes, sensível, muito acessível. Acho que ele vai fazer um grande trabalho à frente dessa pasta”. “E Zé Manoel, minha Nossa Senhora, já participamos de vários projetos, foi ele foi quem fez a gente circular o Brasil todo no Palco Giratório com Caetana e Divinas; sempre nos defendeu. Colocou o Sesc Pernambuco no patamar que você sabe bem. Viva as deusas das artes porque a gente precisava de uma pessoa como o Zé, muito trabalhador, muito disposto a realmente mudar o panorama para os artistas e valorizar os artistas”, diz.

Mais do que apoio da classe, eles vão precisar de recursos e de apoio político. “Para que possam atuar concretamente, se fará necessário recursos que possam apoiar e fomentar as ações culturais necessárias para um efetivo fortalecimento das cadeias produtivas dos segmentos culturais, bem como instrumentalizar todos os equipamentos culturais do município, no que tange à manutenção e programação num formato democrático e valorizando as produções locais sem esquecer as produções visitantes” aponta o jornalista, ator e diretor Manuel Constantino.

Ator, diretor e gestor Quiercles Santana. Foto Reprodução do Facebook

O diretor teatral, produtor e gestor Quiercles Santana lembra que José Manoel assumiu, anos atrás, um cargo similar na cidade de Camaragibe e as coisas mudaram muito de feição por lá durante a sua gestão. “Mudaram para melhor, quero dizer. Incrível o que ele sabe do ofício e como a cabeça dele funciona a mil por hora”. Quiercles comemorou a entrada dos dois no que ele chama de campo de batalha. “Porque se trata de fato de um campo de batalha. E é provável que mesmo sendo almirantes de brigada, muito bem habilitados, nem sempre consigam escolher os soldados certos para lutar ao lado deles nas trincheiras. Espero estar errado, do fundo do coração. Mas é que a prefeitura (e não somente ela) está cheia de mortos-vivos, defuntos que esqueceram de deitar faz tempo, mas que continuam ocupando cargos lá, esses fósseis, empurrando com a barriga, cristalizados em formas de gerir e pensar a cultura datadas de meados do século XIX. E nós precisamos de mais Ricardos e José Manoéis que tragam escutas, sensibilidade e traquejo nas realizações que precisam ser concretizadas na área”.

A capacidade de José Manoel de enxergar a periferia é lembrada pelo diretor e professor Rodrigo Dourado. “Eu acho que é uma marca, quer dizer, ele é um homem que olha para as regiões periféricas. Que esse movimento de interiorização que ele realizou no Sesc possa ocorrer nas periferias culturais do Recife. Que saia um pouquinho desse modelo neoliberal dos centros e dos centros culturais regidos por instituições financeiras”.

Diretor do Grupo João Teimoso e da Guerrilha Cultural, Oséas Borba espera que a prefeitura deixe de lado a política de eventos, priorize cada segmento, dê uma atenção especial aos equipamentos culturais e aos editais. “Então quem sabe a gente não volta ao Conselho Municipal de Política Cultural funcionando como ocorreu no início?”.

Os integrantes d’O Poste – Agrinez Melo, Naná Sodré e Samuel Santos – assinalam que durante toda gestão passada, as artes cênicas tiveram perdas que dificultaram a fruição, a criação e a produção em geral. “Perdemos o departamento de artes cênicas, o prêmio de fomento ao teatro , o SIC ( depois de 06/ 07 anos voltou ). Então José Manoel como presidente da Fundação e que tem uma ligação íntima, direta com a classe artística, é ciente dessas perdas e ele tem um histórico de luta cultural e social junto à Feteape (Federação de Teatro de Pernambuco), ao Sesc e outros e que vai pensar e agir para que retornemos a fruir, produzir o teatro e a dança como expressões de respeito e respeitadas no Recife”.

Diretor do Trema! Festival, o ator Pedro Vilela engrossa o coro dos que vibraram com os nomes dos escolhidos, mas levanta outras questões sobre a conjuntura e se realmente a nova gestão está interessada na constituição de uma nova política cultural para a cidade. “Anteriormente assistimos a tática de utilizar nomes referendados pelos próprios artistas para servirem de escudos a uma gestão que pouco procurou investir no setor”. Então, no seu entender, é necessário, para além de nomes, um terreno favorável para que as mudanças sejam postas em prática. 

Ator e produtor Diógenes D Lima

Há também desconfianças e constatações de que a Prefeitura  do Recife é um sistema e que o PSB está ocupando o cargo há oito anos – e que gerou a situação atual. 

“Primeiramente, não acredito nesse grupo que está na gestão. Eles já mostraram em outros mandatos que não estão interessados em fortalecer a cultura e os artistas da cidade. Equipamentos, incentivos… Tudo abandonado, sucateado… Enfim. Não dá para acreditar que ‘esse rapazinho’ tem autonomia de mudar a prática desgraçada de anos do partido que ele faz parte”, comenta o ator e produtor Diógenes D LIma.

Diógenes pensa que, diante disso, os nomes escolhidos pouco ou nada farão, embora sejam pessoas capacitadas. “Noutros mandatos desse mesmo grupo político, já vimos essa jogada: botam gente nossa na gestão e logo depois substituem por pessoas estranhas que nunca foram e nada sabem de gestão em cultura. Mesmo assim desejo toda sorte do mundo aos colegas. Conto com o caráter e a honestidade deles”.

A conjuntura sociopolítica econômica da cidade do Recife forçou a jornalista, poeta e atriz Daniela Câmara a encontrar uma fonte alternativa para garantir a sobrevivência. Desde que começou a pandemia ela produz e vende bolos. Essa mudança provisória de função trouxe ainda mais autonomia para criticar o que ela acha errado. “Sem querer desqualificar os gestores e secretários, mas a decepção é muito grande. Sabe, eu acho que quem levanta certas bandeiras de esquerda não deveria estar levantando as bandeiras do PSB. É minha linha de pensamento”.

 

Mônica Lira, coreógrafa e bailarina

As políticas públicas culturais atingem diretamente a vida dos artistas.  E tanto podem alavancar carreiras, grupos, projetar talentos, como atravancar, atrasar, prejudicar em muitas camadas.

O desabafo de Mônica Lira é emblemático. Ela que sempre expressou o Recife nas suas obras sentiu o sentimento de orfandade bater forte. “Me senti abandonada pela minha cidade, porque eu sempre quis permanecer no Recife, amo esse lugar, mas parece que ele não ama a gente. Mas isso é consequência da política”, relata a coreógrafa e bailarina do Grupo Experimental de Dança. “Tenho total consciência de que a cidade foi completamente abandonada em todos os aspectos ligados a nossa área. E vai ser difícil essa reconstrução porque a gente vive um momento de várias crises. Essa crise que a gente está exposta por conta do Coronavírus ela desencadeia outras crises anteriores.  A gente passa por momentos com muita dificuldade financeira há muitos anos. Então agora só ampliou, né? Aumentaram as dificuldades e o desespero é ver artistas passando fome e ver gente morrendo dessa doença horrível”. 

Há três anos a gente perdeu o Espaço (Experimental, na Rua Tomazina, 199, Recife Antigo ) por conta que a Igreja pediu para fazer uma reforma e até hoje não devolveu. A gente está sem teto. A gente está sem trabalho. A gente tá assim sem nada. Então eu penso que os artistas daqui são quase indigentes. Se os artistas do Recife não tiverem suas famílias, não tiverem os seus apoios eles realmente vão para a rua, ficam à míngua. É como todas as pessoas de bem dessa cidade que vivem hoje num estado de calamidade, de muita vulnerabilidade, nas ruas, sem teto, sem comida, sem nada.

Num festival de dança que assisti online, Ailton Krenak (líder indígena, ambientalista, filósofo, poeta e escritor brasileiro) falou “como é que a gente vai continuar dançando com fome?”. E é bem isso! Acha que é uma extrema responsabilidade assumir, nesse momento que o país atravessa, uma cidade como o Recife para administrar a sua cultura e para tentar fazê-la de novo viver. Porque a gente está atolado nesse mangue, nessa lama, que parece agora pesar de fato uma tonelada em cima de nós.

 

 

Atriz, bailarina e professora trans Sophia William / Foto: Reprodução do Facebook

“Falta representatividade na Secretaria de Cultura do Recife”, entende a atriz e dançarina e professora trans Sophia William . “Mais uma vez se vê um homem branco hetero cis normativo, sendo escolhido para ocupar tal cargo. Não representando piamente a diversidade cultural em que vivemos, não acolhendo essa representatividade em sua figura. O que não me surpreende, enquanto artista negra e trans da cidade do Recife, perceber que essa escolha vem de um prefeito que também detêm tais privilégios”.

Sophia reconhece que o secretário está apto a ocupar tal cargo por ser formado em publicidade, por ter ocupado já algumas gestões culturais, mesmo assim fica temerosa diante das questões sócio-políticas e artísticas da cidade. Ela lembra que os grupos carnavalescos têm visibilidade apenas no carnaval, assim como as quadrilhas têm  apoio apenas durante os festejos juninos. “Parece que há uma compreensão de que os artistas, eles não ocupam outros espaços e não vivenciam outras épocas do ano. Nós estamos fazendo arte o tempo todo porque nós vivemos dessa arte”, reforça.

“O que seria a sanidade de muitas pessoas durante essa pandemia se não fossem os artistas?”, pergunta Sophia William. “Porque, sem nós, os artistas, eu acredito que muita gente não conseguiria estar passando por essa pandemia. Porque nós artistas por muitas vezes seguramos a sanidade de muitas pessoas, com os nossos trabalhos artísticos na internet, travando diálogo, tentando com nossa arte … então, que a partir de agora a arte seja vista por outra perspectiva, entendendo que, sim, nós precisamos de arte entendendo que sim, nós precisamos da cultura”.

PRIORIDADES

Uma questão fundamental, do pagamento dos artistas, que muitas vezes esperam seis meses para receber o cachê, também é lembrado por Sophia Williams como um problema a ser resolvido. Rodrigo Dourado reforça que é preciso ter muito cuidado com essa questão financeira. “A gente sabe que tem muito descaso em relação à gestão dos pagamentos dos artistas”. Eles lembram que quem vive de arte é profissional da arte e necessita receber o recurso com brevidade após a realização do serviço. É urgente acabar com essa lógica perversa, que virou uma marca da máquina pública.

Atriz, modelo e palhaça Fabiana Pirro. Foto: Reprodução do Instagram

A atriz, produtora e palhaça Fabiana Pirro chama a atenção para os trabalhadores, os artistas carnavalescos, que precisam de um cuidado especial do setor público, mais ainda, nestes meses. “Eu acho que essa pandemia nos mostrou bem isso: a gente tem que viver realmente um dia de cada vez, colocando a saúde em primeiro lugar. E eu acho que os gestores têm que realmente organizar o Carnaval para aquelas pessoas todas que vivem do Carnaval não só como uma data específica e sim a vida delas. Há oito anos participo do palco do Marco Zero, por exemplo, mas eu graças a Deus, hoje tenho os meus outros projetos”.

Com a suspensão do carnaval,  milhares de artistas populares que garantem o sustento na festa enfrentam uma situação delicada. Para ajudar alguns desses artistas, e principalmente chamar atenção do poder público de que os mestres e artistas estão passando necessidade, a vereadora Liana Cirne (PT) fez a doação da verba do Auxílio-Paletó para quatro grupos de cultura popular do Recife. Foram compradas 200 cestas básicas e distribuídas entre as agremiações Cruzeiro do Forte, do Cordeiro; Caboclinho Sete Flechas, de Água Fria; Daruê Malungo, da Campina do Barreto, e Maracatu Nação Estrela Brilhante do Recife, do Alto José do Pinho.

O que o poder público vai fazer para garantir recursos aos grupos, artistas, mestres, mestras e profissionais da cultura envolvidos com Carnaval, isso também faz parte da política cultural.

Ator, diretor e jornalista Manoel Constantino. Foto: Reprodução do Facebook

“Diante de um quadro degenerativo e de desmonte que à cultura vem sofrendo no Recife é de extrema importância a escuta, saber, de fato, as nossas demandas, desencadeando um processo de abertura vital, no que tange a ocupação do centro e da periferia, com a produção cultural realizada por seus agentes”, aponta o jornalista, poeta e ator Manoel Constantino.

Diógenes D Lima insiste no assunto. “Dialogar é o início da solução do problema, mas dialogar não é uma prática dos políticos. Sabemos muito bem disso. Eles pensam que Recife e Pernambuco dormem o ano inteiro, só acordando no Carnaval, São João e Natal e isso é uma tremenda ignorância”, critica. E aponta a responsabilidade: “Penso que a prioridade atual é assistir a todos os fazedores de cultura da região (falo região e não apenas o município, porque a cultura do Recife é feita por gente de outras cidades também e essas pessoas viviam no Recife e do Recife antes da pandemia) bem como os que mantém espaços culturais.. A prefeitura tem que viabilizar meios de manter a cultura viva, mesmo com tudo fechado para eventos”.

A atriz Gheuza Sena enxerga como preocupante a manutenção da cultura, dos equipamentos de cultura durante todo o ano. “É preciso criar realmente um movimento que ajude os artistas ao longo do ano. Independente de ciclos já estabelecidos, focar nessa questão de como desenvolver atividades que ao longo do ano fomentem essa vivência dessas pessoas”.

“Tem tanta coisa para Ricardo Mello e José Manoel tentarem consertar que chega ser difícil apontar por onde começar!”, comentou Paula de Renor, no início do mês. “Sabe casa totalmente desorganizada? Bem, acho que não existe gestor bom sem dinheiro, e essa gestão tem que conseguir aumentar o orçamento municipal anual para a cultura, que é vergonhoso. A luta de todos deve ser esta! Além disso, é preciso reestruturar o Conselho Municipal de Cultura, O Sistema de Incentivo a Cultura, o Plano Municipal de Cultura. Fazer uma ponte entre a cultura e o turismo, buscar soluções para a manutenção dos equipamentos culturais do município. E, o mais importante, promover uma gestão compartilhada entre a Secretaria e a Fundação de Cultura, na elaboração e execução de uma política cultural com ações permanentes e continuadas, democráticas, transparentes e acessíveis”. 

Além do diálogo com a classe artística para ouvir as demandas e necessidades reprimidas, o coreógrafo e bailarino Raimundo Branco aponta que é preciso repensar o edital do SIC. “A forma como ele está não atende às artes cênicas. Ele precisa ser revisto para atender a produção como um todo: pesquisa, montagem, formação, fruição, documentação, manutenção”, acredita Branco. O coreógrafo também cobra um posicionamento sobre o papel da representação de dança dentro da FCCR e da Secretaria de Cultura, a valorização do artista e da cultura pernambucana nos grandes eventos e o fim da política de balcão.

Agrinez Melo, Naná Sodré e Samuel Santos, integrantes d’O Poste.

O Grupo O Poste também reivindica a mudança do edital do SIC, “pois ele é excludente e direcionado. E precisa incentivar a linha de fruição, montagem, pesquisa, circulação, formação para os artistas pretos e pretas e artistas em geral. O atual edital é falho”, pensam os integrantes de O Poste.

Agrinez Melo, Samuel Santos e Naná Sodré, do grupo O Poste clamam por ações de visibilidade para negritude. “Faz 16 anos que o grupo existe e tudo que conseguimos foi mérito nosso, com muito sacrifício. Desde o Espaço O Poste ao Festival Luz Negra. Nunca fomos aprovados em editais da prefeitura”. Entre seus pleitos estão “representantes da negritude dentro do quadro de profissionais culturais da prefeitura; incentivo a espetáculos, formação, festivais negros; atividades formativas e de pesquisa na poética negra em todas as esferas artísticas e fomento aos nossos espaços culturais, nossos quilombos artísticos que servem não só de local para apresentar os nossos trabalhos, mas também de acolhimento e escuta para tantos artistas”.

O jornalista Manoel Constantino argumenta que que “se faz urgente que esta nova gestão entenda que a nossa produção cultural possui uma cadeia extremamente competente, geradora de emprego, renda e de entretenimento, tão fundamental quanto os ciclos tradicionais. A gestão deve priorizar o fomento do dia a dia da cultura. E não apenas sazonalmente”. 

E dá como exemplo os imóveis da PCR no Centro e na periferia, que poderiam ser ativados como centros culturais de vivências. “O Pátio de São Pedro, está lá, com casas pertencentes à PCR que poderiam ser espaços vivos da cultura”. Constantino também sugere a reativação do concurso literário do Recife, que é Lei e a reabertura da Livraria da FCCR, voltada para as obras de autores de Pernambuco. “Há tantas possibilidades. E aí depende da vontade política. Vontade política que entenda que a produção cultural é também mola propulsora do PIB”.

Já Quiercles Santana sugere que documentos sejam revisitados, como a última Conferência Municipal de Cultura, para examinar esses arquivos com urgência, porque quase nada foi implementado. O diretor considera que o campo teatral passa por “uma enorme a indigência”. “Os edifícios teatrais estão ferrados, caindo aos pedaços, pedindo socorro. É problema com falta de equipamentos de som e luz (ou com instrumentos obsoletos), com central de refrigeração deficiente, com equipes técnicas e administrativas defasadas. Os diversos festivais que a cidade abriga devem ser ressignificados”. 

Inspirado, Quiercles Santana aponta muitas propostas, entre elas a retomada de projetos como o PAC (Programa de Animação Cultural) e o FALE (Fórum de Acesso Livre ao Estudante), que tinham Fátima Pontes e o padre Reginaldo Veloso à frente, alguns anos atrás. “Na época, escolas recebiam nos finais de semana pessoas ligadas ao teatro, à dança, ao circo, à grafitagem, ao canto-coral, à capoeira, à percussão, às artes visuais, à música e faziam produções muito potentes. Discutia-se sobre sexo, família, futuro, trabalho, drogas, tudo. Era emocionante ver o espírito crítico florescendo nas comunidades de base. Super importante para sairmos da Idade Média em que estamos metidos. Foi deixando as comunidades ao deus dará, que os filhos de Deus estão fazendo o papel que é do poder público. E a arte e a cultura podem ser armas potentes de educação estética e política. Temos artistas importantes que podem circular com oficinas e cursos mais duradouros”.

Oséas Borba toca em outro ponto que é a burocracia de licença de solo para quem trabalha com eventos de rua, como ele, que coordena o Sarau das Artes. “É muito desgastante para qualquer produtor ter que ir em vários lugares, vários órgãos diferentes, para conseguir uma licença para fazer um evento na rua. Então é preciso democratizar isso para os artistas que trabalham com eventos na rua. Além de dar uma atenção especial ao Recife Antigo, ao bairro Boa Vista, a todos esses casarões. Tem muito casarão abandonado que pode virar, como tem pé direito os altos, podem virar excelentes espaços culturais”, sinaliza.

Essas apostas ou mesmo declarações de desconfianças dos artistas da cena traduzem a vontade de que o cenário artístico-cultural do Recife volte a ser vigoroso e vibrante. Nós torcemos para que a capital pernambucana reverta essa condição de apatia e exerça um papel preponderante na cultura do país, que seus artistas tenham toda as condições necessárias para alçar altos voos, realizar seus projetos e exercer o talento. Com reconhecimento, respeito e incentivo do estado. Vamos desejar, que o desejo movimenta o mundo. 

 

Postado com as tags: , , , , , ,

Guaramiranga valoriza a cena nordestina há 27 edições

A Casatória C’a Defunta, da Cia Pão Doce (RN), integra a programação da Mostra Nordeste. Foto: George Vale

O 27º Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga – FNT começa com a programação da Mostra Nordeste, de 26 a 30 de setembro, em formato adaptado a esses tempos de pandemia da Covid-19, com transmissões online. Essa ação do FNT deste ano inclui apresentações de 10 companhias, sendo duas de Pernambuco (Grupo Magiluth e Teatro de Fronteira), duas da Bahia (Pico Preto e Teatro dos Novos), duas do Rio Grande do Norte (Clowns de Shakespeare e Cia Pão Doce) , três do Ceará (Inquieta Cia., Flecha Lançada Arte e Paula Yemanja / Zéis) e uma de Sergipe (Grupo Caixa Cênica). Além de cinco espetáculos suplentes: Memórias de Cão, do Alfenim (PB); Velòsidades, do Território Sirius Teatro (BA); Bixa Viado Frango, d’As Travestidas (CE); Marlene dos Espíritos online com o No Barraco da Constância Tem (CE) e Pas de Temps, da Companhia de Teatro Epidemia de Bonecos (CE).

A produção teatral do Nordeste recebe destaque e valorização desde a primeira edição do FNG, que impulsionou a trajetória de grupos e faz da cidade cearense um ancoradouro potente da arte e da renovação dos sonhos. Nilde Ferreira, coordenadora geral do FNT, anunciou em uma live os selecionados da Mostra Nordeste e as outras estações do festival. Em outubro está previsto um webnário com o tema Desafios Sustentáveis para o Século 21 no Âmbito de Festivais e Mostras, além do Encontro com Artistas pesquisadores e Música no FNT, uma panorâmica.

A Mostra de Dramaturgias está agendada para novembro bem como o programa de formação. Em dezembro, a organização planeja, e torce que possa ser presencial, a Mostra FNT para Crianças e o Palco Ceará.

Realizado pela Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA), com apoio cultural do Governo do Estado do Ceará e apoio institucional da Prefeitura de Guaramiranga, o FNT priorizou, segundo Nilde, o compromisso de manter o festival no calendário, entendendo o papel da grande rede de festivais.

A seleção da Mostra Nordeste foi feita sob a coordenação de Paulo Feitosa, do Ceará, e contou com as curadoras e os curadores Celso Curi, de São Paulo, Thereza Rocha, do Ceará e Paula de Renor, de Pernambuco.

 

Bruno Parmera em ação no experimento sonoro Tudo que coube numa VHS, do Grupo Magiluth

Mário Sergio Cabral, integrante do Grupo Magiluth

Entrelinhas, com Jaqueline Elesbão. Foto: Ives Padilha

O Grupo Magiluth, do Recife (PE) integra a mostra com o experimento sonoro Tudo o que coube numa VHS. Os atores utilizam várias plataformas virtuais de comunicação e entretenimento, numa relação individual com o espectador. O público se torna cúmplice das memórias de um personagem, que fala sobre amor e relacionamento, no percurso dessas recordações.

A violência psicológica, emocional e sexual sofrida pela mulher, especialmente a negra, numa sociedade patriarcal, racista, machista e misógina há mais de 500 anos faz mover o espetáculo Entrelinhas, com Jaqueline Elesbão, do grupo Pico Preto, de Salvador (BA). A coreógrafa, diretora e performer usa máscara de flandres, que calava a escravizada Anastácia nas sessões de tortura. Outra elemento emblemático do trabalho é o sutiã, como símbolo da luta pela liberdade feminina na década de 1960.

 

Paula Queiroz, atriz da viagem cênico-cibernética Clã_Destino, do Clowns de Shakespeare. Reprodução do Face

Metrópole, com Silvero Pereira e Gyl Giffony

O grupo teatral sergipano Caixa Cênica discute a violência urbana no espetáculo Respire 

A proposta do Grupo Clowns de Shakespeare é fazer um passeio lúdico conduzido por seis agentes, por trilhas tão desconhecidas quanto divertidas rumo ao redescobrimento da alegria. O passageiro Clã_Destino dessa viagem cênico-cibernética responde a perguntas, participa de algumas situações e faz escolhas que determinam o caminho de cada um.

Silvero Pereira e Gyl Giffony são dois irmãos na peça Metrópole. O mais velho dos dois, Caetano, está às voltas com as encomendas de bolo e com prazos estourados. Ele busca garantir o sustento e esquecer os sonhos. O jovem ator Charles aparece de surpresa e nesse encontro afloram antigos conflitos em torno do mercado artístico, terreno onde “não há garantias”. Também do Ceará, a Flecha Lançada Arte apresenta Influxo.

Respire – Manifesta, do Grupo Caixa Cênica (SE), é uma instalação-vivência cênica com uma dramaturgia expandida composta por palavras, sons, cheiros, movimentos e corpos políticos dançantes que escavam a violência predominante na sociedade. A montagem tem direção de Sidney Cruz e texto de Marcelino Freire.

Dante Olivier, Joe Andrade, Jailton Júnior e Rodrigo Cavalcanti participam d’O Evangelho Segundo Vera Cruz

Peça Um São Sebastião Flechado é inspirada em conto de Nelson Rodrigues

Religião, política, arte, moral e hipocrisia compõe um cenário explosivo. Foi em 2018 que o espetáculo O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu – com a atriz trans Renata Carvalho – foi alvo de boicotes e de censura no Festival de Inverno de Garanhuns, no interior de Pernambuco. A peça tem uma lista de perseguições em outros locais, mas a atriz chegou a dizer que esses ataques foram os mais traumáticos. O Evangelho Segundo Vera Cruz é uma ficcionalização do episódio pelo grupo Teatro de Fronteira, com dramaturgia e direção de Rodrigo Dourado. Entre outras coisas, a peça reflete sobre as potências das artes para enfrentar o reacionarismo.

Durval é um sujeito que se divide em dois para agradar a esposa e a amante. Um São Sebastião Flechado é inspirado no conto Mártir em Casa e na Rua de Nelson Rodrigues. Os atores Paula Yemanjá & Zéis misturam música, teatro e literatura, num jogo provocador para apresentar a história.

 

A Casatória c’a Defunta. Foto: George Vale

Fragmento de um teatro decomposto, com texto do romeno Matéi Visniec, encenada por Marcio Meirelles

O medroso Afrânio vai se casar com a romântica Maria Flor, mas acidentalmente se junta com a temível Moça de Branco, que o conduz para o submundo. Mas ele não desiste do amor e os atores da Cia Pão Doce contam essas peripécias no espetáculo A Casatória C’a Defunta.

Fragmentos de um teatro decomposto é uma série de monólogos do dramaturgo romeno Matéi Visniec traduzidos por Alexandre David e encenada por Marcio Meirelles, com a Companhia Teatro dos Novos (CTN) , do Teatro Vila Velha, de Salvador. A peça exibe um mundo distópico, mas que soa familiar depois da pandemia. De gente que se enclausura para se proteger e isolar do mundo, de alguém que conserta uma máquina de enterrar cadáveres, ou de outro que acorda numa cidade onde todos os habitantes sumiram.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Funcultura ignora pandemia soterrado em burocracias*

Inscrição para edital foi feita presencialmente na capital ou por Sedex. Foto: PH Reinaux Secult PE

Artista fez protesto com cartazes. Nas redes sociais, muitos se manifestaram

Visualize o cenário: Pernambuco, 2020, pandemia da Covid-19, crise em muitos âmbitos, inclusive na cultura. A continuidade de um edital público para o setor – mesmo que o resultado seja prometido apenas para o mês de dezembro -, além de obrigação do poder público, é bem-vinda. Mas, para concorrer ao Funcultura Geral 2019-2020, Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura, produtores culturais precisaram imprimir uma via de seus projetos, encaderná-la, rubricar todas as páginas, salvar duas vias em pen drive ou DVD e enviar por Sedex para a Fundarpe (ou, no caso de produtores da Região Metropolitana do Recife, se deslocar até a Rua da Aurora, no bairro da Boa Vista).

“Percebemos a dificuldade dos produtores no estado inteiro, mas no interior isso se agrava pelas distâncias. Por aqui, fizemos a conta: um produtor gasta, em média, R$ 100 para conseguir enviar um só projeto. Para algumas pessoas, isso é muito dispendioso. O que ouvimos na reunião da Ripa (Rede Interiorana de Produtores, Técnicos e Artistas de Pernambuco) é que falta empatia por parte da Fundarpe, principalmente neste momento de pandemia”, entende Caroline Arcoverde, atriz e produtora do grupo Teatro de Retalhos, de Arcoverde, cidade do Sertão pernambucano.

“Falta empatia por parte da Fundarpe, principalmente neste momento de pandemia”
Caroline Arcoverde, atriz e produtora do Teatro de Retalhos e integrante da Ripa (Rede Interiorana de Produtores, Técnicos e Artistas de Pernambuco)

“Este ano, em especial, o Funcultura foi extremamente burocrático. Gastamos algo em torno de R$ 100, R$ 120 para cada projeto, sendo que estamos numa pandemia. Os artistas não têm esse dinheiro para investir. Já vi isso aqui na realidade da cidade – muitos dos produtores não enviaram projeto este ano porque não tiveram condições, não tinham dinheiro para fazer um projeto”, reforça André Vitor Brandão, produtor e bailarino de Petrolina, também no Sertão.

No estado que se orgulha de ter um dos maiores parques tecnológicos do país, os artistas e produtores de cultura precisam lidar com um formulário burocrático e as implicações financeiras da inscrição no edital, quando tudo poderia ser feito pela internet, como um cadastro. “Este é um momento em que todo mundo está sem perspectivas e a gente está precisando do que é direito nosso; esse edital é uma conquista, dinheiro público que precisa ser empregado na cultura, especialmente agora, com tanta gente desempregada, tantos espaços em vias de fechar”, pontua Daniela Travassos, atriz e produtora da Companhia Fiandeiros de Teatro, do Recife.

“Esse edital é uma conquista, dinheiro público que precisa ser empregado na cultura, especialmente agora, com tanta gente desempregada, tantos espaços em vias de fechar”
Daniela Travassos, atriz e produtora da Companhia Fiandeiros de Teatro

O edital publicado no fim de 2019, antes da pandemia, não foi alterado. Mas, diante da situação de crise e de isolamento social, as imposições burocráticas se tornaram insustentáveis e geraram muitos posts de protestos nas redes sociais, de artistas de várias linguagens.

“Há uns dois anos, tínhamos decidido dar um tempo na concorrência ao Funcultura, porque tem sido muito sofrido lidar com tamanhas exigências e limitar as ideias a tantas questões que não tem nada a ver com mérito artístico. E isso se agrava agora. Então, por exemplo, tentaram diminuir o papel, mas aumentaram outras exigências, como o pen drive ou DVD e o tamanho do arquivo. Mesmo que eu entregue um pen drive com um tamanho enorme, meu projeto cada currículo do meu projeto é limitado a ter 2MB e, se ultrapassar isso, simplesmente o projeto é eliminado”, explica a produtora da Fiandeiros.

Para quem nunca precisou preencher um formulário do Funcultura, as reclamações dos artistas podem parecer até prosaicas. Mas a burocracia do edital é uma questão real, que se arrasta há anos, sem avanços, ignorando a realidade para além dos muros da Fundarpe (Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco). “A gente perde um tempo absurdo formatando formulário, tipo de letra, parágrafo, alinhamento, inserção de linhas, tamanho de arquivo. Mas, para mim, o mais grave neste quesito é querer que a gente faça uma planilha de orçamento em Word. Deveria ser, no mínimo, em Excel. Isso facilitaria os cálculos, a incidência dos impostos. Se a gente modifica o valor de uma pequena rubrica, isso interfere no valor total. Então, você tem que ficar o tempo inteiro monitorando esses valores, porque o Word não é uma ferramenta de cálculo”, explica André Filho, diretor e produtor da Fiandeiros.

Leidson Ferraz, jornalista, ator e pesquisador de teatro, fez um protesto presencial, no momento da entrega do formulário na Fundarpe, com cartazes que carregavam dizeres como “Evolua, Funcultura! Cadê a prometida informatização?” ou “BuRRocracia excessiva! Exclusão de muitos”. “Um edital cultural tem que ser o mais simples, o mais fácil possível, para abarcar democraticamente todo mundo. Como imaginar artistas populares, do circo, de tantas manifestações, sendo obrigados a lidar com essa burocracia toda? Isso impõe que as pessoas tenham que contratar produtores que vão ganhar uma parcela do valor, já tão defasado. São imposições injustificáveis, que só fazem excluir uma grande maioria. O que deveria estar sendo julgado era o valor artístico de cada proposta”, avalia Ferraz.

“Um edital cultural tem que ser o mais simples, o mais fácil possível, para abarcar democraticamente todo mundo”
Leidson Ferraz, jornalista, ator e pesquisador de teatro

Os valores do Funcultura também são questionados pelo artista. “O primeiro projeto que eu aprovei, em 2004, na área de publicações em teatro, tinha uma rubrica de R$ 50 mil. Hoje, o valor disponibilizado é R$ 40 mil. Desisti de colocar um projeto em livro, porque com esse valor é impossível fazer uma publicação com a qualidade que eu sempre fiz. O orçamento mais barato que encontrei, com uma gráfica boa, foi R$ 31 mil. Como vou pagar os outros profissionais envolvidos na produção de um livro?”, questiona.

Novo mundo caótico, velho formulário de papel

Como ignorar a realidade de pandemia que se instalou no país a partir de março? Em meio a tudo que tem acontecido no Brasil, os produtores que propuseram projetos de criação, circulação, festivais, mostras, precisaram pedir carta de anuência aos teatros e espaços culturais – ainda que eles estivessem (estejam) fechados. Como pensar a circulação internacional de um espetáculo quando muitos teatros no mundo não estão funcionando e fronteiras de vários países estão fechadas para os brasileiros?

As inscrições para o Funcultura Geral estavam previstas para acontecer de 14 a 30 de abril. Por conta da Covid-19, o prazo foi prorrogado – ficou valendo o período de 20 de julho a 3 de agosto. O edital, no entanto, não abarcou mudanças, mesmo que artistas de linguagens diversas, através das suas comissões setoriais (que formam o Conselho Estadual de Política Cultural) tenham proposto sugestões.

Paula de Renor diz que era preciso vontade política para mudar edital

No dia 8 de junho, a Comissão Setorial de Teatro reuniu cerca de 70 artistas para uma reunião virtual que durou quase quatro horas. A proposta é que o edital focasse em projetos menores. As verbas destinadas à itinerância nacional e internacional de espetáculos seriam remanejadas para outras ações. A rubrica de manutenção de espetáculos, por exemplo, subiria de R$ 60 para R$ 100 mil e a de programação de espaços de R$ 90 para R$ 180 mil, sendo que, nessa última, seriam contemplados até quatro projetos no valor máximo de R$ 45 mil.

O edital não teria exigências como carta de intenção ou anuência para atividades em equipamentos públicos e atividades formativas poderiam ser propostas em formato virtual. “A pandemia aconteceu, não podemos ter um olhar de normalidade para as coisas. Não dá para prever ações como se nada tivesse acontecido”, opina Paula de Renor, atriz, produtora e representante de Teatro e Ópera na Conselho Estadual de Política Cultural.

“A pandemia aconteceu, não podemos ter um olhar de normalidade para as coisas. Não dá para prever ações como se nada tivesse acontecido”,
Paula de Renor, atriz, produtora e representante de Teatro e Ópera na Conselho Estadual de Cultura

A burocracia, no entanto, impediu que o edital fosse alterado. “Para que isso acontecesse, era preciso vontade política, agilidade jurídica, para que encontrássemos uma adequação. Porque o problema é que o governador precisaria cancelar esse editar e fazer um decreto normatizando o outro. E não tínhamos certeza dessa agilidade, não houve empenho para encontrar uma solução jurídica”, explica Paula de Renor.

Na prática, o que pode acontecer é que as execuções dos projetos tenham que ser postergadas, como uma itinerância de espetáculo, por exemplo. O edital já prevê esse adiamento. “O que a gente queria era que esse dinheiro entrasse logo na cadeia da economia criativa, que ajudasse o maior número de artistas e impulsionasse a produção no estado”, finaliza a conselheira.

Promessa de informatização

De acordo com Aline Oliveira, superintendente do Funcultura, o próximo edital, que deve ser lançado em dezembro, deve contar com inscrições pela internet. “Conforme já foi anunciado no Conselho Estadual de Política Cultural, a gestão assumiu um compromisso de implementar as inscrições virtuais até o exercício de 2021 e fará todo o esforço possível para antecipar as inscrições virtuais já para os novos editais do Funcultura”, explica.

A superintendente admite que “estamos atrasados nesse processo”. “Mesmo com um sistema pronto, seria necessária uma estrutura de equipe e de tecnologias que infelizmente o Funcultura não teria condições de manter no momento. Desde 2019, a atual gestão da Fundarpe e do Funcultura têm estudado as ferramentas disponíveis no mercado para resolução do problema. Antes de decretar-se o estado de emergência em Pernambuco, em função da Pandemia da Covid-19, estavam sendo realizadas tratativas para contratação de serviços com o objetivo de modernizar o Funcultura. Entretanto, os decretos de contingenciamento e a próprio isolamento social dificultaram o avanço dos debates”, complementa.

ERRATA*
Matéria atualizada no dia 31 de agosto, às 11h24. Na fala de Daniela Travassos, onde constava “Mesmo que eu entregue um pen drive com um tamanho enorme, meu projeto é limitado a ter 2MB (…)”, a sentença correta é “Mesmo que eu entregue um pen drive com um tamanho enorme, cada currículo do meu projeto é limitado a ter 2MB (…)”. Pelo erro, o Satisfeita, Yolanda? pede desculpas aos leitores.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Reside, pulsão de resistência em Pernambuco

Espetáculo As Flores do Mal, do uruguaio Sérgio Blanco, abre festival da produtora e atriz  Paula de Renor no Recife. Foto: Elisa Mendes

Garra, persistência, determinação, ética, força agregadora. A leoa Paula de Renor reúne essas qualidades e insiste em engendrar em Pernambuco um festival que inquieta, que sintoniza com as pulsações da cena contemporânea. Deus sabe onde ela vai buscar energia para prosseguir mantendo o viço juvenil da descoberta, da surpresa, do assombro dessa arte. Depois de anos compartilhando a direção do Janeiro de Grandes Espetáculo, em 2018 ela lançou o festival Cambio, “uma alavanca de mudança, transformação, troca”. De lá pra cá, a realidade cultural no país ficou ainda mais dura, mas não dá pra desistir. Não para uma mulher feito Paula de Renor. Extraindo dos próprios nervos, e mais uma vez sem patrocínios, ela transfigura o Cambio em RESIDE.FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de Pernambuco .

Mesmo ainda no segundo ano, o festival chega grande em pensamentos, em conceitos. E segundo a produtora/artista – que orgulha quem é gauche do teatro -, já conectado: o RESIDE.FIT/PE avança no seu propósito de colaboração e formação, compartilhando experiências e saberes, debatendo ideias e processos criativos. Uma ação potente nos eixos de formação, exibições e residências artísticas.

A violência é explorada por diversos olhares na edição 2019, que começa neste domingo, dia 08/09, com o espetáculo As Flores do Mal ou A Celebração da Violência, no Teatro Marco Camarotti, às 19h. O monólogo é interpretado pelo próprio autor, Sergio Blanco, um dos dramaturgos que abala as bases do teatro contemporâneo.

Já o laboratório do argentino Lisandro Rodriguez busca investigar e vincular a violência que nos cerca no cotidiano, com a violência expressivo-cênica que lemos sobre o nosso entorno e como o traduzimos em uma imagem cênico- poética. Lisandro pretende trabalhar o espírito desconstrutivo, analítico e prático na especificidade da cena para extrair o poético e político.

A palestra Festivais e a Economia Criativa será comandada pela curadora e produtora Márcia Dias, do Rio de Janeiro. O mexicano Damián Cervantes soma com a oficina Grupo e Internacionalização Teatral, uma ação a ser efetivada em outubro, em parceria com o FETEAG.

A grande aposta do RESIDE.FIT/PE é o projeto Especial: Nova Dramaturgia Francesa e Brasileira, ação de residência artística e intercâmbio, com o autor francês Fabrice Melquiot, o tradutor e diretor, Alexandre Dal Farra(SP) e o Coletivo Angu de Teatro (PE), que finaliza com a leitura dramatizada e lançamento do livro Eu carreguei meu pai sobre meus ombros/J’ai pris mon père sur mes épaules.

Sergio Blanco, dramaturgo uruguaio

Sergio Blanco escreveu, dirige e atua em As flores do mal ou a celebração da violência, de 2018. Nessa pisada de autoficção que ele vem investindo nos últimos anos, Blanco embaralha estatutos de verdades. Sozinho no palco, investiga a relação entre violência e literatura, numa verticalização desconcertante. 

O monólogo explora de forma íntima as violências conhecidas do escritor no âmbito literário, arriscando paradoxalmente dores e deleites. Blanco defende que a literatura é um dos poucos espaços onde a humanidade pode treinar a violência com total liberdade, escapando do julgamento moral e enveredando em direção à poesia. 

O franco-uruguaio mora em Paris e tem seus textos montados em vários idiomas. Entre eles,
A Ira de Narciso , Tebas Landb (esses dois montados no Brasil) e El Bramido de Düsseldorf. Em As flores do mal, inclusive, ele cita algumas dessas. É uma peça-conferência, com uma encenação muito simples e crua, mas efetiva. Blanco sentado na mesa, algumas anotações, o texto, uma projeção, Tina Turner tocando em momentos específicos.

Fabrice Melquiot, o autor francês e o dramaturgo brasileiro Alexandre Dal Farra, que traduziu a peça

Com o intuito de lançar os novos autores franceses no Brasil e os novos autores Brasileiros na França, o Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil, La Comédie de Saint-Étienne, Instituto Francês e a Embaixada da França no Brasil se juntaram no projeto A Nova Dramaturgia Francesa e Brasileira.

Esse projeto bilateral se concretiza em duas estações: a primeira fase em 2019, oito textos de autores franceses contemporâneos são traduzidos por diretores-autores brasileiros, publicados pela Editora Cobogó e encenados nos festivais que compõem o Núcleo (Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília, FIAC – Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia, em Salvador, FILO – Festival Internacional de Londrina, FIT Rio Preto – Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto, MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, Porto Alegre em Cena – Festival Internacional de Artes Cênicas, RESIDE.FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de Pernambuco e TEMPO_FESTIVAL – Festival Internacional de Artes Cênicas do Rio de Janeiro).

Em 2020, num movimento de reciprocidade e cooperação, os autores(as) brasileiros terão seus trabalhos traduzidos e publicados na França pela Editora D’ores et déjà e encenados no Théâtre National de La Colline (Paris), no Festival Actoral(Marseille) e finalizarão na Comédie de Saint-Étienne para um grande final de semana festivo.

Os textos franceses foram traduzidos por Alexandre Dal Farra, Gabriel F., Grace Passô, Jezebel de Carli, Márcio Abreu, Pedro Kosovski, Quitéria Kelly e Henrique Fontes (Grupo Carmim) e Renato Forin, que também apresentarão leituras dramatizadas das obras com grupos e artistas locais com a presença do autor francês.

Fabrice Melquiot é apontado como autor mais produtivo de sua geração. Tem mais de cinquenta peças escritas, publicadas pela editora Arche. Traduzido em várias línguas, suas peças são encenadas na França e no exterior (Alemanha, Grécia, México, Estados Unidos, Chile, Espanha, Itália, Japão, Québec, Rússia). Desde o verão de 2012, é diretor do Théâtre Am Stram Gram de Geneva, Centre International de Création et de Ressources pour l’Enfance et la Jeunesse.

Eu carreguei meu pai sobre meus ombros é inspirado em alguns cantos da Eneida, de Virgílio. A peça explora o percurso de Roch, um homem pobre que descobre que só tem um mês de vida, devido a um câncer. A trama está situada na madrugada dos atentados ao Bataclan, em um bairro da periferia de Saint-Étienne, em Paris, em novembro de 2015. Mas o protagonista avisa aos seus que não quer fazer quimioterapia e deseja viajar para uma região distante e desconhecida.

PROGRAMAÇÃO

Espetáculo As Flores do Mal ou A Celebração da Violência
Texto, direção e atuação: Sergio Blanco / Uruguai
Tradução: Celso Curi
Vídeo Arte: Miguel Grompone
Direção de Produção: Celso Curi e Wesley Kawaai
Legendagem: Casarini Produções
Foto: Miguel Grompone
Produção: OFF Produções Culturais
Apoio: Périplo Produções Culturais
Indicação: 16 ANOS
Duração: 55 min
*Legendado em português
Ingressos no local/ 1h antes do início/Lugares limitados
Quando: 08/09, às 19h
Onde: Teatro Marco Camarotti (Rua Treze de Maio, 455, Santo Amaro)
Quanto: Gratuito. Ingressos no local, 1h antes do início / Lugares limitados
Informações: (81) 3216-1728

PROJETO ESPECIAL/INTERCÂMBIO/RESIDÊNCIA
Nova Dramaturgia Francesa e Brasileira
Residência artística do dramaturgo francês Faquice Melquiot, com o tradutor e diretor Alexandre Dal Farra/SP e Coletivo Angu de Teatro/PE, com leitura dramatizada do texto Eu carreguei meu pai sobre meus ombros/J’ai pris mon père sur mes épaules.
Quando: Encontros de 09 a 12/9, Das 09h30 às 13h30
Onde: Teatro Arraial

Leitura dramatizada do texto Eu carreguei meu pai sobre meus ombros/J’ai pris mon
père sur mes épaules, de Faquice Melquiot, dirigida pelo tradutor e diretor Alexandre Dal Farra/SP com Coletivo Angu de Teatro/PE
Quando: 13/09, às 19h
Onde: Teatro de Santa Isabel – Praça da República, s/n, Santo Antônio
Quanto: Gratuito. Ingressos no local, 1h antes do início / Lugares limitados
LANÇAMENTO DO LIVRO
Eu carreguei meu pai sobre meus ombros/J’ai pris mon père sur mes épaules, do dramaturgo Francês, Fabrice Melquiot, traduzida pelo artista Alexandre Dal Farra, de São Paulo.

Laboratório
Práticas Cênicas: A Violência, Com Lisandro Rodriguez /Argentina
Quando: de 14 a 18/09, das 16h às 20h
Onde: Armazém do Campo – Rua do Imperador Pedro II, 387, Santo Antônio
Quanto: Gratuito / Inscrição com seleção (15 vagas) de 3 a 10/9 pelo site:
www.residefestival.com.br
Público: Pessoas em formação ou formadas com experiência cênico-artística mínima, músicos, cineastas, poetas, artistas plásticos,atores, bailarinos, etc.

Palestra: Festivais e a Economia Criativa
Com Márcia Dias/Brasil
Quando: 14/09, às 15h
Onde: Cineclube Coliseu /SESC Casa Amarela (Avenida Norte, 1190 – Mangabeira).
Informações: (81) 3267-4400

Oficina: Grupo e Internacionalização Teatral
Com Damián Cervantes /México
Quando: de 04 a 08/10
Esta oficina será realizada junto com o Festival de Teatro do Agreste e o projeto Transborda, compondo uma atividade do Cena Expandida.
As inscrições serão abertas na segunda quinzena de setembro.

FICHA TÉCNICA RESIDE.FIT/PE
Realização: Remo Produções Artísticas
Direção Geral: Paula de Renor
Curadoria: Celso Curi e Paula de Renor
Produção Executiva: {Fervo}Projetos Culturais
Coordenação Técnica: Luciana Raposo
Assistência de Produção: Sandra Possani, Elias Vilar, Andréa Silva, Pedro de
Renor, Raquel Alves

Projeto Gráfico e edição do programa: Clara Negreiros
Web Designer: Sandro Araújo
Comunicação e Articulação Institucional: Danilo Carias

Postado com as tags: , , , ,

Cambio convida PE a dialogar com o mundo

paula de renor3

Paula de Renor é a diretora do Cambio festival, que visa a internacionalização da produção cênica pernambucana 

“Lo único que necesita una gran actriz, es una gran obra y las ganas de triunfar. Foto: Divulgação

Espetáculo Lo único que necesita una gran actriz, es una gran obra y las ganas de triunfar. Foto: Divulgação

O mundo é grande, mas às vezes esquecemos. Existem muitas possibilidades. É verdade que a situação é desafiadora. A realidade cultural no Brasil é asfixiante, com cortes de incentivos e o governo do golpe tentando demonizar os artistas. Nessas épocas é preciso expandir horizontes. A arte tem que ter ambição. E pode mover-se impulsionada por utopias realizáveis. O CAMBIO .FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de PE nasce nesse cenário árido, mas como anúncio de chuvas para irrigar terrenos e futuros.

Idealizado e dirigido pela produtora e atriz Paula de Renor, o CAMBIO. FIT/PE traz instrumentos de mudança, com a perspectiva de internacionalizar a produção pernambucana. A primeira edição começa neste 4 de setembro e inclui palestras, seminários, oficinas, um espetáculo mexicano e uma leitura dramatizada.

Alô, Cambio. Quem é do métier conhece a produtora e atriz Paula de Renor, uma trabalhadora incansável da cultura. Ela não instiga essa bobagem de ser diva ou deusa da província dos Altos Coqueiros. É uma operária das artes da mais alta competência. Uma ativista que não foge à luta e se envolve com a democratização e mais justiça para o setor.

Por mais de 15 anos integrou a equipe de direção do Janeiro de Grandes Espetáculos. Saiu no ano passado e criou o CAMBIO .FIT/PE para movimentar estruturas e edificar outros focos para as artes cênicas pernambucanas, com reflexão, formação e difusão. Para levar essa produção para outros patamares. É uma lógica de quem está interessada no coletivo e na busca do bem-comum. Ação que guia os passos de Paula de Renor há anos, que bem poderia investir apenas no seu desenvolvimento como atriz. Mas ela quer somar, agregar, multiplicar forças e valores; incluir, compartilhar, quebrar barreira, humanizar. E isso não é apenas discurso frouxo, mas uma prática que está colada com sua trajetória.

Então, gente do teatro, da dança, da performance de Pernambuco, receba esse festival como um oásis no meio de um deserto. Foi preparado como todo o esmero e as parcerias possíveis nesse momento de desmonte da cultura no país.

Na 1ª edição estão na pauta de CAMBIO residências artísticas, oficinas e encontros para compartilhar experiências e saberes. A vivência de Paula como integrante do Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil, participação e parcerias em muitos festivais internacionais faz dela uma boa conhecedora desse segmento. Sua intenção é estimular a produção pernambucana a se inserir no mercado internacional, mostrar o quadro de dificuldades e encontrar os caminhos de superar esses problemas.

A croata Iva Horvat, radicada na Espanha faz uma palestra nesta terça e ministra uma oficina. Na programação tem debates com a produtora iraniana Maryam Karroubi, residência artística com a polonesa Anna Karasinska. E a apresentação do espetáculo mexicano, Lo único que necesita una gran actriz, es una gran obra y las ganas de triunfar, no Casarão das Artes, espaço alternativo na Comunidade do Pilar.

“Estamos preparados com armaduras (força de trabalho), com armas em punho (nossas convicções) e alma de artista (esperança) para lutarmos juntos em 2019, para além da realização do festival, por políticas públicas para cultura e contra a intolerância , a homofobia e o fascismo que engolem este nosso país!”, assim os curadores Celso Curi e Paula de Renor no programa do festival.

Vivemos um momento em que é imprescindível refletir sobre a função da cultura na sociedade. E estar mais preparado para encarar os obstáculos que chegam com as alterações nos modos de gestão de investimentos na área, o trabalho articulado em redes, a obsolescência da mentalidade e mecanismos da gestão cultural pública no país. Muita coisa em movimento.

Se liga Pernambuco! Para falar com o mundo é preciso estar bem articulado.

Vida longa ao CAMBIO. FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de PE!

PROGRAMAÇÃO

04/09, às 19h
Caixa Cultural Recife (Av. Alfredo Lisboa 505, Praça Marco Zero,Bairro do Recife. Fone: 3425-1906)
Palestra: Internacionalização das artes cênicas, com Iva Horvat/Espanha
(Abertura/lançamento CAMBIO. FIT/PE)

A professora, bailarina, coreógrafa e diretora de espetáculos de dança e teatro Iva Horvat é Croata e vive em Barcelona, na Espanha. Ela é especialista em distribuição e desenvolvimento de estratégias nas artes cênicas. Iva Horvat vai elencar os aspectos mais importantes efetivar um plano de internacionalização de projetos de artes cênicas, avaliação dos possíveis mercados e a participação em festivais e feiras internacionais.

Iva

Iva Horvat mostra os “”caminhos das pedras da produção internacional. Foto: Reprodução do Facebook

De 05 a 09/09, Das 14h às 18h
Centro Cultural Benfica (Rua Benfica, 157 – Madalena – Fone: 2126-7387
Oficina: Como internacionalizar seu projeto – Mercados e estratégias de artes cênicas, Com Iva Horvat/Espanha

A oficina é é direcionada a artistas, produtores, gestores e curadores de artes cênicas. Tem por objetivo desenvolver um plano personalizado e estratégico para um projeto em relação à internacionalização e projeção em determinado mercado.
* Inscrição com seleção (Ficha de inscrição) ( 20 vagas)
* Valor da oficina: R$ 130,00

 

Mônica Lira participa da mesa. Foto: Reprodução do Facebook

Mônica Lira participa da mesa … a voz dos artistas e produtores. Foto: Reprodução do Facebook

Carlos Gil Zamora participa da mesa, Foto: Divulgação

Carlos Gil Zamora participa da mesa Políticas Púbicas para a internacionalição das artes cênicas, Foto: Divulgação

Dias 05 e 06/09, das 19h às 21h30
CAIXA CULTURAL RECIFE (Av. Alfredo Lisboa 505, Praça Marco Zero, Bairro do Recife. Fone: 3425-1906)
SEMINÁRIO: Internacionalização – Cooperação criativa nas artes cênicas
Dia 05/09 – Quarta-feira
MESA: Políticas públicas para a internacionalização das artes cênicas – a voz dos artistas e produtores
Carlos Gil Zamora-Diretor, dramaturgo e jornalista/Espanha
Márcia Dias – Produtora cultural, curadora e diretora do TEMPO_FESTIVAL – Festival Internacional de Artes Cênicas do Rio de Janeiro;
Damián Cervantes- Diretor da Cia Vaca 35/ México
Mônica Lira – Bailarina, coreógrafa e diretora do Grupo Experimental de Dança/PE;
Alaor Rosa –Ator,curador, produtor e diretor do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília ;
Mediação: Celso Curi- Jornalista,curador, administrador Cultural, produtor e diretor /SP
Dia 06/09 – Quinta-feira
MESA : Rompendo fronteiras – Coorperação criativa
Maryam Karroubi – Produtora independente e consultora artística –Colaboradora do Dramatic Arts Center/Irã
Marcelo Allasino – Gestor cultural,diretor do Instituto Nacional de Teatro da Argentina e presidente do Programa Iberescena.
Celso Curi- Jornalista,curador, administrador Cultural, produtor e diretor /SP
Guilherme Marques- Ator, produtor e diretor da Mostra internacional de Teatro de São Paulo- MITsp
Mediação: Quiercles Santana- Ator, encenador, dramaturgo e professor de teatro, formado em Educação Artística com Habilitação em Artes Cênicas pela UFPE

 

Espetáculo Lo Único Que Necesita Una Gran Actriz, Es Una Gran Obra Y Las Ganas De Triunfar. Foto: Divulgação

Espetáculo Lo Único Que Necesita Una Gran Actriz, Es Una Gran Obra Y Las Ganas De Triunfar. Foto: Divulgação

Dias 07, 08 e 09/09, 19h
Casarão das Artes – Travessa Tiradentes 121 – Comunidade do Pilar, Bairro do Recife (Rua em frente ao Museu Cais do Sertão e ao lado da Receita federal) Informações: 3097-5268
APRESENTAÇÃO ARTÍSTICA
Espetáculo : LO ÚNICO QUE NECESITA UNA GRAN ACTRIZ, ES UNA GRAN OBRA Y LAS GANAS DE TRIUNFAR (MÉXICO)
Grupo: VACA 35 TEATRO EN GRUPO/México
Preço do Ingresso: pague quanto puder e achar que vale!
Indicação: 18 ANOS
Duração: 50 min
*Legendado em português
Ingressos no local/Vendidos 1h antes/Lotação limitada
Ficha Técnica:
Direção: Damián Cervantes
Elenco: Diana Magallón García e Mari Carmen Ruiz Benjumeda
Produção: José Rafael Flores
Direção técnica: Alejandro Paz
Adaptação, cenografia, iluminação e figurino: Vaca 35 Teatro
Livre adaptação da peça As Criadas, de Jean Genet, o espetáculo vai encontrar Claire e Solange na minúscula e degradante casa onde vivem e penetrar em sua intimidade, que mistura humor, violência e ternura. A encenação é inspirada nas palavras do próprio Genet: “A humildade só pode nascer de humilhação, senão, é falsa vaidade”. A peça propõe o diálogo entre o espaço e as atrizes, aprofundando temas universais e investigando as questões Genetianas, com base na performance, no teatro como única saída aparente. Uma espécie de conto de fadas, que questiona os estereótipos sociais, a marginalização e nenhuma possibilidade de expiação.

 

Anna Karasinska. Foto: Divulgação

Anna Karasinska. Foto: Divulgação

De 10 a 21/09/2018, das 14h às 18h
CENTRO Cultural Benfica/Teatro Joaquim Cardozo (Rua Benfica, 157 – Madalena. Fone: 2126-7387)
RESIDÊNCIA ARTÍSTICA (Gratuita)
Com: Anna Karasinska /Polônia
Dia 21/09 teremos uma demonstração pública no Teatro Joaquim Cardozo às 19h.
*Direcionada a atores, bailarinos e dançarinos profissionais
Anna Karasinska é formada em filosofia e cinema, Anna é diretora, cineasta e roteirista. Seus longas e curta-metragens foram exibidos em dezenas de festivais ao redor do mundo, recebendo vários prêmios.

 

O poste

Agri Melo, Naná Sodré e Samuel Santos, do Grupo O poste. Foto: Divulgação

Dia 08/09, 17h
Espaço O Poste (Rua da Aurora 529, Boa Vista.Fone: 98649-6713/98484-8421
LEITURA DRAMATIZADA
TEXTO: MEU FILHO APENAS CAMINHA UM POUCO MAIS LENTO
De Ivor Martinic/Croácia
Tradução: Nikolina Zidek e Celso Curi
Leitura com o Grupo de Teatro O Poste Soluções Luminosas e seus alunos

Dia 10/09, Das 19h às 21h30
SESC SANTO AMARO (Rua Treze de Maio 455, Santo Amaro. Fone: 3216-1728
CONVERSATÓRIO (CAMBIO de Vivências)
*Aberto ao público
Alunos do Curso de Interpretação para Teatro (CIT) de Santo Amaro e Piedade trocam idéias e compartilham conhecimentos e reflexões com VACA 35 Teatro en Grupo/México

Postado com as tags: , , , , , ,