Cacá Carvalho brinca com máscaras da aparência

cacá carvalho em trilogia Pirandello

Cacá Carvalho levou Trilogia Pirandello ao Cena contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília

O monólogo umnenhumcemmil, com o ator Cacá Carvalho, é a terceira peça de uma trilogia que o artista desenvolve a partir da escritura de Luigi Pirandello. Os três espetáculos (O homem com a flor na boca, A poltrona escura e umnenhumcemmil) foram apresentados na 15ª edição do Cena contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília, e tem assinatura do diretor italiano Roberto Bacci. Um nenhum cem mil é o último romance de Pirandello e trata de assuntos caros e recorrentes na obra do escritor italiano, o “ser” e o “parecer”, a sobrevivência de identidades e no fundo o próprio teatro e seu leque de simulacros.

O romance Um, nenhum e cem mil, de 1926, é desconcertantemente atual nos questionamentos das identidades a partir do olhar do outro, que nessas épocas são cada vez mais manipuláveis. A encenação explora as sutilezas desses motes num monólogo de 80 minutos, verborrágico e cativante.

Um dos principais teóricos da modernidade líquida, o polonês Zygmunt Bauman atesta que a identidade é um “beco sem saída”. E defende que é um “conceito altamente contestado”. E que a palavra remete à batalha. Já o sociólogo francês Michel Maffesoli fala de sistemas de significação e representação cultural que são multiplicados.

Para trabalhar esses pontos complexos, a montagem conta com um magnifico ator, com domínio de diferentes estéticas e formas cênicas plurais, por onde Cacá Carvalho desliza com sobriedade.

umnenhumcemmil é um drama existencial de Vitangelo Moscarda (o Genge), 28 anos, casado com Dida, sem filhos, dono de um banco e de Bibi, uma cadela. Ele mora na cidade de Richieri e tem dois amigos fieis, Quantorzo e Stefano Firbo, que cuidam de seus negócios. Uma figura ordinária, comum.

Um belo dia, um comentário da esposa sobre seu nariz, que se inclina para a direita, desencadeia uma crise sem precedente. Genge não é, nem para Dida, aquilo que imaginava ser. Isso provoca a investigação de outros defeitos físicos: descobre que tem sobrancelhas semelhantes a dois acentos circunflexos “^^”; que as orelhas são mal grudadas; que em uma das mãos o dedo mindinho exibe desproporcionalidade; além de outras pequenas “anormalidades”.

Espectadores viram testemunhas privilegiadas da intimidade. Foto: Humberto Araújo.

Espectadores viram testemunhas privilegiadas da intimidade. Foto: Humberto Araújo.

O protagonista conclui, então, que cada pessoa que o enxerga vê̂ um Moscarda diferente. E esse indivíduo não suporta o peso da opinião pública. Ele quer uma unidade, mas ao mesmo tempo não aguenta ser mais um.

O sujeito mergulha num abismo de reflexões. E diante da situação bizarra, abandona sua vida vulgar, funda um asilo, onde vai trabalhar. Se livra da identidade pública e abraça o anonimato.

As máscaras vão caindo. Com poucos recursos cenográficos de Marcio Medina (uma poltrona, algumas cadeiras, balde), o ator assume essa figura que limpa o chão, que treme em nervos expostos numa interpretação visceral de Cacá Carvalho. Ele constrói um personagem patético, ridículo, poético. Seus gestos e vozes se transformam em lâminas de corte para essas pulsações contemporâneas. Tão vibrantes em suas identidades descartadas. Metateatro erguido com competência diante dos olhos do público.

Ao convidar alguns espectadores a se sentarem no palco, acompanhando de perto a encenação, a montagem explora mais um link da superexposição da vida íntima. Uma pertinente metáfora. A luz de Fábio Retti e a música de Ares Tavolazzi compartilham desse processo.

A inteligência cênica da parceria entre ator e diretor joga no palco um intérprete de vários personagens, fragmentado em diversas vozes, multifacetado. Num atuação luminosa de Cacá Carvalho.

caca carvalho em umnenhumcemmil

Atuação luminosa em umnenhumcemmil

FICHA TÉCNICA
umnenhumcemmil
Com: Cacá Carvalho
Direção: Roberto Bacci
Dramaturgia: Stefano Geraci
Cenário e Figurino: Márcio Medina
Iluminação: Fábio Retti
Fotos: Lenise Pinheiro e Jorge Etecheber
Operação de Luz/Som/Montagem: Yuri Cumer
Assistente de Figurino: Maristela Tetzlaf
Tradução: Cacá Carvalho
Produção: FondazionePontedera de Teatro
Realização: Casa Laboratório para as Artes do Teatro e Fondazione Pontedera Teatro/Itália
Produção: Iza Marie Miceli

Outras notícias sobre o festival, programação completa e as atividades formativas no próprio site do Cena Contemporânea: www.cenacontemporanea.com.br/#”

* A jornalista Ivana Moura viajou a convite da organização do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília. Texto escrito no âmbito da DocumentaCena – Plataforma de Crítica, iniciativa que envolve os espaços digitais Horizonte da Cena, Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Teatrojornal.

Cena Contemporânea resiste com dignidade

Tomorrow, do Vanishing Point, é a primeira coprodução do Cena Contemporânea. Foto: Victor Franowski

Tomorrow, do Vanishing Point, é a primeira coprodução do Cena Contemporânea. Foto: Victor-Franowski-3

Realizado entre a bilionária Copa do Mundo de Futebol no Brasil e as eleições presidenciais vindouras, o Cena contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília faz da 15ª edição um ato de resistência e dignidade. Com menos recursos, o programa reduziu a quantidade de atrações (com a interrupção neste ano do braço musical), mas verticaliza o ato de refletir sobre o é que fazer cultura num país em que este setor não é prioridade nem na capital do poder.

“Enquanto isso”, destaca o curador Guilherme Reis no livreto do Cena Contemporânea, “a humanidade segue em sua complicada caminhada em direção a um futuro incerto, convivendo com a violência, os conflitos, o preconceito e a perversidade de uma sociedade globalizada que se baseia no consumo e em uma falsa riqueza. E o teatro segue nos auxiliando a compreender toda essa complexidade, apontando para a poesia que persiste entre os homens”.

O festival começou no último dia 19 de agosto e segue até domingo, 31/08, com 23 encenações da Espanha, Escócia, França, Argentina e Brasil. E tem o patrocínio da Petrobras, copatrocínio do Banco do Brasil e Funarte. Guilherme Reis assina a curadoria e direção do evento, que é uma realização da Cena Promoções Culturais e da Fundação Athos Bulcão.

A falta e o excesso que movem a humanidade nestes tempos de fúria e incertezas palpitam nos espetáculos do programa, com questões sobre identidade cultural, utopia, velhice e a prosaica poesia cotidiana. Esses alumbramentos podem ocorrer de mãos dadas com Plínio Marcos, Shakespeare, Pirandello ou dramaturgias mais autorais.

O Grupo Sutil Ato [DF] retrabalha trechos de peças do Plínio Marcos em Autópsia I e Autópsia II). Luigi Pirandello (1867-1936) comparece com a trilogia do ator Cacá Carvalho, dirigido pelo italiano Roberto Bacci – O homem com a flor na boca, A poltrona escura e umnenhumcemmil. Além da adaptação do clássico Seis personagens à procura de autor pela companhia espanhola Kamikaze, em La función por hacer.

A moda chama para uma contradança na montagem A Feia Lulu, de Fause Haten (SP) inspirada em La Vilaine Lulu, personagem de quadrinhos criada pelo estilista francês Yves Saint Laurent.

Tomorrow (foto no alto), do grupo Vanishing Point, da Escócia, dirigido por Matthew Lenton é a principal aposta do festival. A dura realidade de quem envelhece e carece de cuidados especiais está no centro de uma reflexão que se propaga na medida que atitudes podem de (des)respeito podem ser repetidas por outros jovens. A montagem é uma coprodução entre Vanishing Point (Escócia), Cena Contemporânea, Brighton Festival (Inglaterra), Tramway (Escócia) em associação com Platform (Escócia) e National Theatre Studio, Londres (Inglaterra).

Peça Noctiluzes, da Cia Plágio de Teatro. Foto: Alexandre Magno/Divulgação.

Peça Noctiluzes, da Cia Plágio de Teatro. Foto: Alexandre Magno/Divulgação.

Othelo, a tragédia de William Shakespeare com suas intrigas de engano, traição e vingança, ganha ares de clown na versão do argentino Gabriel Chame Buendía. Sob encomenda, outro argentino, o dramaturgo Santiago Serrano (mesmo autor de Dinossauros), escreveu Noctiluzes, para a Cia. Plágio de Teatro para tratar de uma combinação explosiva entre covardia e solidão e sobrevivência da amizade.

O Cena Contemporânea deste ano já tem uma fortuna crítica dos espetáculos apresentados nos primeiros dias. Indicamos o nosso parceiro, o site Teatro Jornal, onde o leitor pode conferir mais informações sobre o festival e algumas críticas.

http://teatrojornal.com.br/2014/08/brasilia-abraca-pirandellianos-e-coproduz/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/ o-circulo-de-giz-da-resignacao/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/outras-portas-de-entrada-para-a-danca/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/transfusao-rodriguiana/

title="http://teatrojornal.com.br/2014/08/um-intimo-mal-estar-de-seculo/" target="_blank">http://teatrojornal.com.br/2014/08/um-intimo-mal-estar-de-seculo/

title="http://teatrojornal.com.br/2014/08/nos-dobras-de-plinio-marcos/" target="_blank">http://teatrojornal.com.br/2014/08/nos-dobras-de-plinio-marcos/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/as-fontes-vivas-em-cenas-e-narrativas-ageis/

Outras notícias sobre o festival, programação completa e as atividades formativas no próprio site do Cena Contemporânea: www.cenacontemporanea.com.br/#”

* A jornalista Ivana Moura viajou a convite da organização do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília. Texto escrito no âmbito da DocumentaCena – Plataforma de Crítica, iniciativa que envolve os espaços digitais Horizonte da Cena, Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Teatrojornal.

Marcelo Lyra leva imagens poéticas para outra dimensão

Fotos de Marcelo Lyra

Uma tragédia provoca comoção e por algum tempo, sob o impacto, reflexões sobre os poderes dos humanos perante à vida. Imponderável foi uma das palavras mais utilizadas nas horas seguintes ao acidente que vitimou o ex-governador Eduardo Campos, quatro assessores e dois tripulantes nesta quarta-feira, em Santos, São Paulo.
Marcelo Lyra, fotógrafo pernambucano muito querido no meio cultural estava entre eles.
Com competência e sensibilidade, ele deixou registrado muitos espetáculos de teatro, dança e música.
Desde 2000 ele atuava como fotógrafo profissional. Foi um dos fundadores da agência Olhonu e participou no coletivo fotográfico Santo Lima, ambos no Recife.
As fotos são dos espetáculos Cinema #, (texto e direção Anderson Aníbal, uma parceria do Espaço Muda e Cia. Clara de Teatro) na foto Jorge Féo e Paulina Albuquerque (companheira de Marcelo Lyra), Isso te interressa? Da Companhia Brasileira de Teatro; Círculos que não se fecham, da Escola Pernambucana de circo e Castanha Sua Cor, espetáculo do Grupo Grial.
As outras vítimas do acidente foram o também fotógrafo pernambucano Alexandre Severo; o jornalista Carlos Percol; o assessor Pedro Almeida Valadares Neto e os pilotos Geraldo Magela Barbosa da Cunha e Marcos Martins.
Marcelo Lyra deixa mulher, uma filha de 18 anos e um filho de pouco mais de 1 ano.

Genet no Recife

O diário de Genet. Foto: Fábio Adôrno

O diário de Genet. Foto: Fábio Adôrno

O mundo marginal, inconstante, perigoso, vagabundo e sedutor do escritor francês Jean Genet é apresentado em O diário de Genet., espetáculo da ATeliê voadOR COMPANHIA DE TEATRO de Salvador, Bahia. Única exibição nesta segunda-feira, no Teatro Capiba do SESC de Casa Amarela, às 20h. Ingresso grátis deve ser retirado uma hora antes da sessão. O diário de Genet faz parte da Trilogia do cárcere, que inclui O melhor do homem (2010-2013) e Salmo 91 (2011-2013).

Serviço:
O diário de Genet
Quando: hoje, às 20h
Onde: Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Quanto: grátis

Ficha Técnica
Texto e Direção: Djalma Thürler​
Atores: Duda Woyda e Rafael Medrado​
Direção de Arte: José Dias
Iluminação: Pedro Dultra Benevides
Direção Musical e Trilha Sonora: Roberta Dantas
Operação / Montagem de Luz/Som: Marcus Lobo
Design Visual: Clarissa Ribeiro
Contato : Grupo João Teimoso/Oséas Borba Neto 8897-1513

Vem brincar com o Mané Gostoso

Arilson Lopes e Luciano Pontes, e o músico Samuel Lira no centro, na peça As Travessuras de Mané Gostoso. Foto: Divulgação

Arilson Lopes, Samuel Lira e Luciano Pontes em As Travessuras de Mané Gostoso.

Luciano Pontes e Arilson Lopes são dois atores criativos e luminosos. Ambos participam dos Doutores da Alegria (Recife). E agora estão juntos também no espetáculo As Travessuras de Mané Gostoso, da Cia Meias Palavras. A peça estreia hoje e fica em cartaz aos sábados e domingos de agosto, às 16h30, no Teatro Marco Camarotti, no Sesc de Santo Amaro.

A encenação é de Fernando Escrich e leva ao palco o famoso brinquedo popular e mistura com outras histórias como a mocinha Anarina, o forasteiro e vilão Bibiu, a fofoqueira Comadre Zuzinha e o cabo Zé Firmino. O texto é de Luciano Pontes. Samuel Lira executa a trilha sonora ao vivo.

Os bonecos utilizados na peça foram idealizados por Rai Bento, integrante do grupo mineiro Giramundo, e confeccionados pelo mestre Tonho de Pombos, Bila e Genilda Felix, e o próprio Rai Bento. Os figurinos de Joana Gatis remetem à xilogravura.

A brincadeira inicia antes do espetáculo começar, quando a plateia pode escolher quem vai interpretar Mané Gostoso, Luciano Pontes ou Arilson Lopes.

Serviço
Peça As Travessuras de Mané Gostoso
Quando: Sábados e domingos de agosto, às 16h30
Onde: Teatro Marco Camarotti – Sesc Santo Amaro, Recife
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)