Viva la Vida encerra Festival Estudantil

Viva la Vida tem direção de Fred Nascimento. Foto: Fernando Figueiroa.

Viva la Vida tem direção de Fred Nascimento. Foto: Fernando Figueiroa.

O 14º Festival Estudantil de Teatro e Dança apresenta as derradeiras atrações desta edição neste fim de semana, no Teatro Apolo, no Recife. Viva La Vida, interpretado por alunos do Curso Básico de Teatro da Escola Municipal de Arte João Pernambuco, do Recife; O Labirinto, da Academia Santa Gertrudes, de Olinda; Central Park West da Hipérion Escola de Artes, do Recife e Era Uma Vez no Fundo do Mar, do Espaço Criança Esperança de Jaboatão, de Jaboatão dos Guararapes são as atrações. A programação reuniu 37 grupos, sendo cinco de teatro infanto-juvenil, sete de teatro adulto e 25 grupos de dança e coreografia.

As encenações de O Labirinto e Viva La Vida contam com a presença de intérpretes de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), como participação da Semana Estadual da Pessoa com Deficiência.

Viva La Vida é um espetáculo/ritual guiado por textos de Eduardo Galeano, Pablo Neruda, Vladimir Maiakovski, Victoria Santa Cruz, Antonin Artaud, com direção de Fred Nascimento. Esses fragmentos tensionam as noções de vida e morte. A obra investe na projeção da luta pela liberdade e pela democracia, as guerras travadas pelos povos indígenas, contra o preconceito. Alguns desses artistas latino-americanos afrontaram os ditadores desses países na busca por libertação.

A obra de Frida Kahlo e a festa de Los Muertos são inspirações da montagem, que lança mão do surrealismo e ressalta um ditado popular mexicano que diz: “Não deixem nossos mortos morrerem”. E busca com essa ideia reverenciar a vida.

O Festival tem como meta a difusão das artes cênicas entre alunos das escolas públicas e privadas de todo o Brasil, possibilitando o intercâmbio e o incentivo da produção cultural no âmbito escolar, bem como a formação de plateias e de artistas para os palcos profissionais.
Como incentivo aos grupos participantes do festival, será selecionado uma peça para compor a programação do Janeiro de Grandes Espetáculos, 2017, no Recife. O grupo que vai fazer essa escolha é formado pelo produtor Pedro Portugal; pelo ator, diretor e dramaturgo Albemar Araújo; e pelo ator e diretor Célio Pontes.

Central Park West, da Hipérion Escola de Artes. Foto: Divulgação

Central Park West, da Hipérion Escola de Artes. Foto: Divulgação

SERVIÇO
14º Festival Estudantil de Teatro e Dança
Onde: Teatro Apolo, Rua do Apolo, 121 – Recife.
Ingresso: R$10 (preço promocional).

Dia 27 de agosto de 2016 (sábado), 16h
O Labirinto – Academia Santa Gertrudes – Olinda
Texto e direção: Gabi Cabral

Dia 27 de agosto de 2016 (sábado), 20h
Central Park West – Hipérion Escola de Artes – Recife.
Texto: Wood Alen
Direção: Edson Aranha

Dia 28 de agosto de 2016 (domingo), 16h
Era Uma Vez no Fundo do Mar – Espaço Criança Esperança de Jaboatão- Jaboatão dos Guararapes.
Texto: Elis Costa
Direção: Altino Francisco

Dia 28 de agosto de 2016 (domingo), 20h
Viva La Vida – Escola Municipal de Arte João Pernambuco – EMAJPE – Recife.
Preparação corporal: Juliana Nardin
Direção de elenco: Lau Veríssimo
Iluminação: Ronaldo Pereira
Maquiagem e Figurino: Samuel Siebra
Fotografia: Fernando Figueirôa
Dramaturgia e direção: Fred Nascimento
Elenco: Damyeres Barbosa, Lucas De Valois, Caio Rique, Robson Thiago,Leonardo Mello, Sueli Do Arte, Bruna Luiza Barros, Marcelo M. Barros,Elaine Cristina e El Maria.

Postado com as tags: , , , , , , ,

Alegrias de conhecer o mar

O mar de fiote / divulgação

O Mar de Fiote tem direção de Luis Reis. Foto: Divulgação

“Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar”, acalenta nossos ouvidos cansados a cantora Maria Bethânia. Esperança de retorno. O mundo é o mar, com suas marés de lembranças. Mas para um garoto que enxerga essa imensidão azul / verde e suas combinações de cores pela primeira vez é um universo que se revela. Essa aventura de menino é o gancho de O Mar de Fiote, criação dos alunos do quarto período do curso de Licenciatura em Teatro, da UFPE, do ano de 2014, com direção de Luís Reis. O espetáculo tem apresentação agendada para este domingo, 28/08, às 15h, no Teatro Marco Camarotti.

A obra cênica expõe os sentimentos e sensações de um jovem de interior que ao ingressar, inesperadamente, no quintal do vizinho, descobre a vastidão do oceano. Naquele terreiro junto da casa habita um assustador cachorrossauro.

O protagonista, de poucas falas, se rende à incumbência da fabulação, para narrar os detalhes dessa aventura.

A montagem foi construída a partir de um breve exercício cênico, resultado da disciplina Metodologia de Ensino do Teatro 2, ministrada pelo professor Luis Reis, em 2014.

O mar de Fiote é inspirada no livro homônimo da mineira Mariângela Haddad, que ganhou o primeiro Concurso Cepe de Literatura Infantil, em 2011.

A peça tem duração média de 45 minutos e no elenco estão Alef Shelldon, Aline Rodrigues, Ana Gabriela, Analice Croccia, Andréa Guimarães, Bruna Florie, Caio Andrade, Caio Richard, Durval Cristovão, Edcarlos Rodrigues, Gabriela Fernandes, João Guilherme, João Neto, Josué Rodrigues, Ju Torres, Lili Guedes, Maria Bianca, Marina Correia, Pedro Rodrigues, Thays Fernanda Santos.

Em dois anos e meio de trajetória, O mar de Fiote cumpriu temporadas no Teatro Joaquim Cardozo, participou de festivais e recebeu convites para se apresentar em congressos, seminários e outros eventos, como na comemoração dos 165 anos do Teatro de Santa Isabel, no Recife. Em julho de 2015 venceu o Prêmio Especial do Júri no 28º Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau FITUB, em Santa Catarina.

Peça é inspirada no livro de Hadad. Foto: Felipe Ferreira

Peça é inspirada no livro de Mariângela Haddad. Foto: Felipe Ferreira

SERVIÇO
O mar de Fiote
Quando: Domingo, 28/08, 15h
Onde: Marco Camarotti.
Quanto: R$ 20 e R$ 10

FICHA TÉCNICA
Direção: Luís Reis
Cenografia, figurino e maquiagem: Gabriela Holanda
Concepção sonora: Ju Torres
Iluminação: João Guilherme
Operação de luz e som: Dara Duarte
Montagem: O grupo
Produção: Lili Guedes, Pedro Rodrigues, Ju Torres, João Guilherme e Amanda Duarte
Elenco: Alef Shelldon, Aline Rodrigues, Ana Gabriela, Analice Croccia, Andréa Guimarães, Bruna Florie, Caio Andrade, Caio Richard, Durval Cristovão, Edcarlos Rodrigues, Gabriela Fernandes, João Guilherme, João Neto, Josué Rodrigues, Ju Torres, Lili Guedes, Maria Bianca, Marina Correia, Pedro Rodrigues, Thays Fernanda Santos

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Dança espalha beleza da maternidade

As bailarinas Ana Luiza Bione (ao centro), Janaína Gomes (à esq.) e Íris Campos. Foto: Camila Sérgio/ Divulgação

As bailarinas Ana Luiza Bione (ao centro), Janaína Gomes (à esq.) e Íris Campos. Foto: Camila Sérgio/ Divulgação

Desejos e fantasias pulsam com a palavra maternidade. Gestação, esse estado interessante, seguida de um compromisso para sempre. Doação amorosa, mesmo permeada de sacrifícios. Essas posições subjetivas de não-toda são exploradas com delicadeza e harmonia no espetáculo de dança contemporânea Cara da Mãe. Inspirado nas jornadas do feminino, nas forças criadora e mantenedora, a encenação explora o universo da maternidade, com suas inquietudes e impasses nas escolhas do mundo atual.

Com elenco formado pelas bailarinas Ana Luiza Bione, Íris Campos e Janaína Gomes a montagem faz temporada de 12 apresentações em agosto, setembro e outubro, no Espaço Experimental, no Recife Antigo e espaços alternativos.

As primeiras ocorrem nestes 26 e 27 de agosto às 19h no Espaço Experimental (Rua Tomazina, 199) e prosseguem nos dias 10, 11, 17 e 18 de setembro e 1º e 2 de outubro. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) e começarão a ser vendidos 1h antes.

A segunda etapa, em espaços alternativos, terá ingressos gratuitos e é destinada às comunidades do entorno dos locais de apresentação. Nos dias 8 e 9 de outubro no Centro de Capoeira São Salomão, na Várzea, e nos dias 12 e 14 de outubro no Daruê Malungo, em Chão de Estrelas, integrando a Semana Afro da instituição.

Cara da Mãe. Foto: Diogo Condé

Cara da Mãe tem direção de Luciana Lyra. Foto: Diogo Condé / Divulgação

As bailarinas do Coletivo Cênico Tenda Vermelha transbordaram das indagações de mães e convidaram a diretora Luciana Lyra para articular essas inquietações numa experiência poética em dança.

Cara da mãe estreou em 2015, no Janeiro de Grandes Espetáculos. Recebeu para a montagem o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna e conta com incentivo do FUNCULTURA – Fundo de Incentivo à Cultura do Estado de Pernambuco.

Das 12 apresentações, quatro serão direcionadas ao público com deficiência visual, onde haverá audiodescrição e os espectadores poderão conversar com as bailarinas, além de fazer um tour tátil pelo cenário e figurino. As apresentações com audiodescrição serão nos dias 10 e 11 de setembro e 1º e 2 de outubro.

SERVIÇO
CARA DA MÃE
Onde: Espaço Experimental (Rua Tomazina ,199 – Recife Antigo)
Quando: 26 e 27 de agosto, 10 e 11, 17 e 18 de setembro, 1º e 2 de outubro
às 19h
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Mais informações: (81)3224.1482

Postado com as tags: , , , , ,

Arte, corpos diferenciados e potentes nas Olimpíadas

Se Fosse Fácil, Não Teria Graça. Foto: Nando Bolognesi / divulgação

Se Fosse Fácil, Não Teria Graça. Foto: Nando Bolognesi / Divulgação

A arte é algo grande. Maior que a intolerância, o preconceito, as tentativas de exclusão. Muitos grupos de teatro, dança e circo ressignificam os corpos deficientes numa cena potente e libertadora – para artistas e para o público. Essas companhias exercem o direito à criação no campo das artes não como resposta salvadora ou redentora, mas como exercício de autonomia e beleza. A Mostra Acessível Rio das Olimpíadas aposta no corpo diferenciado como protagonista da criação e em novos parâmetros que permitem a capacitação de cidadãos críticos e conscientes. E investe na democratização da elaboração e acesso aos bens culturais e como desdobramento na formação de novas plateias.

Essa Mostra Acessível – articulada pelo Janeiro de Grandes Espetáculos – FIAC/PE – dialoga com a Paraolimpíada Rio 2016. E de 23 a 28 de agosto (terça a domingo), ocupa o Teatro Cacilda Becker, com espetáculos de dança, teatro e circo, além de workshop, visita tátil, tradução em libras, audiodescrição, mesa-redonda e conversa com o público.

O cotidiano vivido por artistas com deficiências físicas e cerebrais (cadeirantes, com nanismo, cegos, usuário de muletas, com lesão cerebral, membros atrofiados) é matéria-prima para as criações cênicas dos trabalhos da programação.

O evento integra a Mostra Funarte de Festivais 2016, com uma programação que soma companhias de quatro estados brasileiros: Ceará, Rio Grande do Norte, São Paulo e Rio de Janeiro.

A potiguar Cia Gira Dança exibe os espetáculos Sem conservantes, de Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira; e Proibido elefantes, de Clébio Oliveira. A Gira Dança é referência nacional e internacional na sua proposta de buscar uma linguagem própria com atores e bailarinos portadores de deficiência na dança contemporânea. Utilizando o conceito do corpo diferenciado como ferramenta de experiências, o grupo busca quebrar o paradigma de corpos perfeitos. O diretor Anderson Leão bate na tecla da necessidade de mudar o olhar sobre a pessoa com deficiência. Ele costuma dizer que não são os bailarinos que precisam de reabilitação, e sim a plateia que precisa ser reabilitada.

Espetáculos como Proibido Elefantes são provocadores para abrir a mente das pessoas. Foto: Brunno Martins

O ator-palhaço paulista Nando Bolognesi comparece com a peça Se fosse fácil, não teria graça. Ele usa sua experiência como clown para contar, de maneira divertida, como superou as dificuldades impostas pela esclerose múltipla e de que forma enfrenta as situações cotidianas. Ele descobriu a doença aos 21 anos de idade. Na peça, ele é engraçado e comovente, ironiza fatos, ri de si mesmo, expõe seu aprendizado de conviver com as limitações impostas pela doença.

O cearense Grupo Ninho de Teatro marca presença com Avental todo sujo de ovo. O espetáculo terá audiodescrição e uma visita tátil (antes da apresentação acessível, o público formado por pessoas cegas ou de baixa visão, poderá visitar o cenário, e ter uma vivência espacial a ser incorporada).

Criada em 2000, a carioca Pulsar Cia de Dança tem se dedicado à construção de obras coreográficas que reflitam a multiplicidade do indivíduo e dos corpos ímpares. peça Indefinidamente indivisível acende para uma entrada poética e plástica no pensamento bergsoniano. O espetáculo da Pulsar conta com voz em off de Angel Vianna.

Durante a programação também ocorrerá: o workshop Dança contemporânea e consciência através do movimento, com Teresa Taquechel (Pulsar Cia de Dança), no dia 26 das 10h às 13h e no dia 28 das 12h às 15h; a mesa redonda Curadoria Inclusiva: como identificar, programar e produzir o trabalho do artista com deficiência, com tradução em libras e audiodescrição, no dia 28, às 16h; e uma conversa com o público depois do espetáculo Avental todo Sujo de Ovo, no dia 27.

“Queremos com a Mostra Acessível Rio das Olimpíadas promover artistas com deficiência, que realizam trabalhos dentro dos parâmetros profissionais de máxima qualidade artística, e promover também a reflexão: sobre a criação estética que envolve os recursos de acessibilidade; a acessibilidade dos espaços culturais; e sobre como aproximar artistas com e sem deficiência para que trabalhem juntos e explorem novos formatos e novas visões de mundo, partindo de suas diferenças”, ressalta Paula de Renor, coordenadora de produção da Mostra.

O Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco, idealizador e promotor da Mostra é realizado ininterruptamente há 23 anos, no Recife e mais recentemente em outras 3 cidades do interior do estado, com programação local, nacional e internacional.

PROGRAMAÇÃO

23 de agosto, terça-feira, às 20h
Espetáculo: SE FOSSE FÁCIL, NÃO TERIA GRAÇA
Nando Bolognesi / SP

tragicomédia pode ser considerada a primeira sitdowntragedy no Brasil, pois faz rir e chorar e convida o público a repensar o modo de estar no mundo e a enxergar a vida

Tragicomédia convida a repensar o modo de estar no mundo e de enxergar a vida. Foto: João Caldas Filho

O autor e ator Nando Bolognesi descobriu ter esclerose múltipla aos 21 anos de idade. Ao se deparar com essa doença degenerativa, progressiva, incurável e com potencial incapacitante ele resolveu dar uma virada na própria vida. Formado em Economia na USP e em História na PUC, ingressou na Escola de Arte Dramática EAD-ECA-USP. Trabalhou no cinema, televisão e teatro. Casou-se e adotou um filho. Criou, integrou ou dirigiu diversos projetos, entre ele o Doutores da Alegria, o Cidadão Clown, o Fantásticos Frenéticos e o espetáculo Jogando no Quintal. Publicou o livro Um palhaço na boca do vulcão (ed. Grua) e, desde agosto de 2013, apresenta o espetáculo Se fosse fácil, não teria graça em teatros, empresas e universidades. Na peça, ele conta como tem transformado dificuldades, limites e crises em alegrias, desafios e realizações.
Autor, diretor e intérprete: Nando Bolognesi
Assistente de direção: Élida Marques
Produção: Joca Paciello e Élida Marques Prod. Art. Ltda
Duração: 80 minutos
Censura: 14 anos
*Recurso de tradução em libras

24 de agosto, quarta-feira, às 20h
Espetáculo: SEM CONSERVANTES
Cia Gira Dança / RN

Sem Conservantes, da Cia Potiguar Gira Dança Foto: Divulgação

Sem Conservantes, da Cia Potiguar Gira Dança Foto: Divulgação

Há mais de 10 anos que a companhia Gira Dança, de Natal (RN), trabalha com o conceito de corpos diferenciados. Anderson Leão, diretor do espetáculo Sem Conservantes, foge de um padrão conservador na dança e junta nos espetáculos bailarinos altos, baixos, gordinhos, evitando essa ideia piegas e de coitadinho. A companhia trabalha com artistas com deficiência, encarando-as como pessoas completas e capazes. Atuam no grupo bailarinos com nanismo, cadeirantes, com Síndrome de Down, cegas, com paralisia cerebral, além de pessoas sem deficiência.
Sem Conservantes foi coreografado pela dupla Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira. Eles desenvolveram movimentos a partir da ideia do desapego e do abandono. Os coreógrafos negociaram fragmentos da memória presente em imagens tiradas dos vídeos de processos anteriores de Ângelo e Ana Catarina: Somtir (2003), Outras Formas (2004) e Clandestino (2006). Esse material foi processado junto com os meninos do grupo para gerar uma coreografia e uma dramaturgia em cima de fotos.

Direção artística, coreografia e pesquisa de linguagem: Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira
Direção geral e artística: Anderson Leão
Elenco: Álvaro Dantas, Jânia Santos, Marconi Araújo, Rozeane Oliveira e Wilson Macário
Classificação: LIVRE
Duração: 60 minutos

25 de agosto, quinta-feira, às 20h
Espetáculo: PROIBIDO ELEFANTES
Cia Gira Dança / RN

Proibido Elefantes, da Cia Gira Dança. Foto: Brunno Martins

Proibido Elefantes propõe uma reflexão sobre limites e preconceitos. O espetáculo fala do olhar como via de acesso, porta de entrada e saída de significados. O modo como percebemos a “realidade” é resultante do diálogo que estabelecemos com ela.
O olhar enquanto apreensão subjetiva do mundo é, neste trabalho, apontado como elemento potencializador do sujeito diante do mesmo. Proibir elefantes é restringir o acesso, impedir o livre trânsito do animal que serve como meio de transporte na Índia, mas que causaria enormes transtornos em outras localidades.
O espetáculo aposta no olhar do sujeito sobre si e sobre o mundo em que vive como elemento ressignificador e instaurador de realidade.
Concepção, coreografia e direção: Clébio Oliveira
Bailarinos: Álvaro Dantas, Jania Santos, Joselma Soares, Marconi Araújo, Rodrigo Minotti e Rozeane Oliveira
Classificação: 12 anos
Duração: 55 minutos

26 de agosto, sexta-feira, às 20h
Espetáculo: INDEFINIDAMENTE INDIVISÍVEL
Pulsar Cia de Dança / RJ

Espetáculo da coreógrafa Teresa Taquechel trata das possibilidades do movimento. Foto: -Jaime Acioli / Divulgação

Espetáculo da coreógrafa Teresa Taquechel trata das possibilidades do movimento. Foto: Jaime Acioli / Divulgação

Indefinidamente Indivisível se propõe a contribuir com novas perspectivas, ampliar o diálogo e o questionamento em torno da arte para pessoas com ou sem deficiência, além de estimular no espectador um novo olhar em relação à arte e à diferença. O espetáculo traça um roteiro de possibilidades e variantes. O risco permanece, pois o erro é a parte viva do acerto: abre para o que pode vir a ser. O uso das bolas infláveis neste processo investigativo permite que os corpos vivenciem de forma intensa a transformação e a imprevisibilidade do movimento. Abre caminhos para uma entrada poética e plástica no pensamento do filósofo Henri Bergson. A mudança é indivisível, o tempo – duração – é indefinidamente indivisível.
Criação e direção: Teresa Taquechel
Intérpretes: Andrea Chiesorin, Beth Caetano, Bruno Alsiv, Laura Canabrava, Marianne Panazio, Moira Braga, Raphael Arah e Rogério Andreolli
Voz em Off: Angel Vianna
Classificação etária: LIVRE
Duração: 55 minutos

27 de agosto, sábado, às 20h
Espetáculo: AVENTAL TODO SUJO DE OVO
Grupo Ninho de Teatro / CE

Foto: Jarbas-Oliveira Grupo Ninho de Teatro Ceará-

Grupo Ninho de Teatro, do Ceará. Foto: Jarbas Oliveira

A montagem estreou no início de 2009. A peça foca a relação familiar, com suas emoções exacerbadas, suas limitações e suas (in)verdades. Propondo uma intimidade com o público, o elenco convida os espectadores a adentrarem na casa de Alzira e Antero, o casal que há 19 anos, junto à comadre Noélia, suporta a angustiante espera do filho Moacir. Esse cenário só se modifica a partir da inesperada visita de Indienne Du Bois. Na trama um jovem interpreta sem risco de estereótipos alguém muito mais velho que o ator, uma mulher uma transsexual e um deficiente físico um papel que não dá ênfase para esta deficiência.
Texto: Marcos Barbosa
Direção: Jânio Tavares
Elenco: Edceu Barboza, Joaquina Carlos, Rita Cidade e Zizi Telécio
Classificação: 14 anos
Duração: 70 minutos
*Recurso de Audiodescrição

MESA REDONDA
Dia 28/8 (Domingo) – Das 16 às 18h30
Curadoria Inclusiva como identificar, programar e produzir o trabalho do artista com deficiência
Como o produtor pode se preparar melhor para trabalhar com artistas com deficiência?
Com: Beth Caetano – CVI-Rio/Bailarina da Pulsar Cia de Dança
Camila Alves – Sapoti e CCBB
Liliane Rebelo – British Council
Sidnei Pereira – CCBB
Curadoria e Organização: Paula Lopez
*Recurso de tradução em libras.
Audiodescrição: Os participantes da mesa descreverão as imagens

Paula de Renor. Foto no espetáculo Duas mulheres em preto e branco. Reprodução do Facebook

Paula de Renor. Foto no espetáculo Duas mulheres em preto e branco. Reprodução do Facebook

Ficha Técnica da Mostra
Realização: Janeiro de Grandes Espetáculos – FIAC/PE
Produção e coordenação geral: Remo Produções Artísticas
Coordenação de produção: Paula de Renor
Produção executiva: Mônica Biel
Curadoria e mediação da mesa redonda: Paula Lopez
Audiodescrição: Nara Medeiros
Tradução em Libras: Milonga Digital Web Mídia
Workshop: Teresa Taquechel (Pulsar Cia de Dança)
Educativo e sensibilização de plateia: Carla Strachmann
Coordenação técnica: Marcos Siqueira
Assessoria de imprensa: Ney Motta / contemporânea comunicação
Assistência de assessoria de imprensa: Ana Andréa

Serviço

Mostra Acessível Rio das Olimpíadas
Onde: Teatro Cacilda Becker. Rua do Catete, 338, Catete, Rio de Janeiro. Fone: 21 2265-9933 (próximo a Estação Largo do Machado do Metrô)
Quando: De 23 a 28 de agosto, terça a sábado às 20h e domingo às 16h
Capacidade de público: 186 pessoas, com acesso facilitado para deficientes físicos
Classificação indicativa: vide programação
Ingressos: GRÁTIS
Distribuição dos ingressos: 1h antes de cada espetáculo

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

Agenda de AGOSTO – Quarta semana

DANÇA

CARA DA MÃE

As bailarinas Ana Luiza Bione (ao centro), Janaína Gomes (à esq.) e Íris Campos. Foto: Camila Sérgio/ Divulgação

As bailarinas Ana Luiza Bione (ao centro), Janaína Gomes (à esq.) e Íris Campos. Foto: Camila Sérgio/ Divulgação

Cara da Mãe é uma experiência poética em dança inspirada em jornadas do feminino, especificamente, na compreensão do universo da maternidade, com suas inquietudes e conquistas no mundo contemporâneo. Nasceu de uma ânsia pessoal e artística das bailarinas-criadoras Ana Luiza Bione, Íris Campos e Janaina Gomes que tiveram a ideia de condensar as vivências e indagações de mães numa proposta em dança. E para isso contaram com a orientação de Luciana Lyra, que dirigiu o espetáculo. O projeto de manutenção de temporada conta com incentivo do FUNCULTURA – Fundo de Incentivo à Cultura do Estado de Pernambuco.
Onde: Espaço Experimental (Rua Tomazina ,199 – Recife Antigo)
Quando: 26 e 27 de agosto, 10* e 11*, 17 e 18 de setembro, 01* e 02* de outubro, às 19h (* As apresentações com audiodescrição acontecerão nos dias 10 e 11 de setembro e nos dias 01 e 02 de outubro)
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Mais informações: (81)3224.1482

EM CARTAZ

A RECEITA

Solo com Naná Sodré. Foto: Thais Lima

Solo com Naná Sodré. Foto: Thais Lima

O solo A Receita, com a atriz Naná Sodré faz curta temporada no Teatro Luiz Mendonça, nos dias 18 e 25 de agosto (quintas-feiras), às 20h, dentro do projeto Hoje tem Espetáculo. Com texto e direção de Samuel Santos, mostra a história tragicômica de uma mulher anônima, que entra em abstração, depois de maus-tratos e abandono do marido. Morte, violência, loucura e a intolerância são narradas nesse monólogo explorando diversos pontos de vista.
A Receita começou a ser construída em Brasília, no VI Masters-in-Residence com Eugenio Barba e Julia Varley, do grupo dinamarquês Odin Teatret – Edição Comemorativa – O Diálogo das Técnicas 2013. O solo foi exercitado a partir das observações do diretor Eugênio Barba e da atriz Julia Varley. O processo teve sua continuidade no Recife com direção de Samuel Santos que também assina o texto. Tudo que é construído na cena vem do ator, não há subterfúgios na cenografia, no figurino e na luz, garante o diretor.
Quando: Dias 11, 18 e 25 de agosto (Quintas), às 20h
Onde: Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu – Av. Boa Viagem, S/N – Boa Viagem, Recife)
Classificação: 14 anos
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-9821

HISTÓRIAS BORDADAS EM MIM

Agrinez Melo. Foto: Reprodução da internet

Agrinez Melo. Foto: Reprodução da internet

Primeiro solo da atriz Agrinez Melo, Histórias Bordadas Em Mim, abarca histórias reais e vivências com a costura e com a vida. São depoimentos pessoais que traçam a dramaturgia, que resgata momentos de infância e da tempos recentes.
Quando: De 19 de agosto a 26 de setembro, sextas, às 20h 
Onde: Espaço O Poste (Rua da Aurora, 529, Boa Vista)
Ingresso: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)
Informações: (81) 98768-5804 / (81) 99505-4201

PURO LIXO, O ESPETÁCULO MAIS VIBRANTE DA CIDADE

Marinho e Eduardo em Puro lixo. Foto: Rodrigo Monteiro

Marinho Falcão e Eduardo Filho em Puro lixo. Foto: Rodrigo Monteiro

Puro lixo – O espetáculo mais vibrante da cidade celebra a atuação do Grupo Vivencial, trupe de Olinda que, com coragem e purpurina, protagonizou uma experiência  radicalmente transformadora de arte e liberdade no Brasil sob a repressão da ditadura militar.
A montagem destaca o clima de alegria e festa das montagens e das vivecas.
Última parte da trilogia Transgressão em três atos – projeto de Stella Maris Saldanha, Alexandre Figueirôa e Cláudio Bezerra desde 2008, que exalta o  legado do Teatro Hermilo Borba Filho (THBF), do Teatro Popular do Nordeste (TPN) e do grupo Vivencial. Tem texto de Luís Augusto Reis, com consultoria de João Silvério Trevisan e direção de Antonio Cadengue. No elenco Eduardo Filho, Gil Paz, Marinho Falcão, Paulo Castelo Branco, Samuel Lira e Stella Maris Saldanha.
Quando: Sábado e domingos, às 18h. Temporada de  de 13 de agosto a 4 de setembro. (Nos dia 3 e 4 de setembro, serão duas sessões: às 18h e às 20h)
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Rua do Apolo, 121, bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

A GLORIOSA VIDA E O TRISTE FIM DE ZUMBA SEM DENTE

A Gloriosa Vida e o Triste Fim de Zumba sem Dente" fica em cartaz nas terças-feiras de agosto. Foto: Eduarda Portella/ Divulgação

Zumba sem Dente em cartaz nas terças-feiras de agosto. Foto: Eduarda Portella/ Divulgação

Baseado no conto O Traidor, de Hermilo Borba Filho. Narra a história de Zumba, sapateiro de Palmares que foi sequestrado e morto após se candidatar a prefeito da cidade. A montagem tem adaptação e direção de Carlos Carvalho, e direção musical de Juliano Holanda. No elenco Mario Miranda, Andrezza Alves, Flávio Renovatto e Daniel Barros.
Quando: 23 e 30 de agosto, terças, às 19h30
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Ingresso: Entrada gratuita
Informações: (81) 3355-3318

O MASCATE, A PÉ-RAPADA E OS FORASTEIROS

O Mascate, a Pé rapada e os Forasteiros com o ator Diógenes D. Lima. Foto: Toni Rodrigues

Recife e Olinda têm histórias divertidas que o ator Diógenes D. Lima leva à cena com linguagem do teatro de objetos. Segundo a produção, o espetáculo urde uma trama real baseada em fatos fictícios sobre as duas cidades de forma inusitada, picante e criativa.
Quando: 24, 25 e 31 de agosto. Quartas e quintas, às 20h
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Ingresso: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-3320

NA BEIRA

Espetáculo é apresentado na residência do ator Plínio Maciel. Foto: Divulgação

Espetáculo é apresentado na residência do ator Plínio Maciel. Foto: Divulgação

Na Beira é um solo autobiográfico com Plínio Maciel e direção de Rodrigo Dourado, do Teatro de Fronteira. Faz curta temporada aos sábados 13, 20 e 27 de agosto e 3 de setembro, às 20h, numa residência no bairro da Boa Vista. O ator, aderecista, artesão e bonequeiro Plínio resgata suas memórias de menino de Surubim, agreste pernambucano, que se transferiu para o Recife e se encantou com a contação de “causos”. É apontado como um Forrest Gump pernambucano (Forrest Gump é um filme norte-americano de 1994, dirigido por Robert Zemeckis com Tom Hanks no papel-título, baseado no romance homônimo Winston Groom. O protagonista é um homem simples do Alabama que encontra figuras históricas ao viajar pelo mundo e é testemunha de momentos marcantes). Plínio Maciel resgata histórias e lembranças pessoais, personagens e pessoas que marcaram sua vida.
Quando: 27 de Agosto e 3 de setembro (sábados), às 19h
Onde: Boa Vista/Recife/PE. Endereço completo enviado por email na confirmação da reserva
Ingressos: R$ 20 (meia-entrada para todos)
Lotação: Apenas 20 lugares
Reservas: exclusivamente pelo email teatrodefronteirape@gmail.com
Duração: 1h30min
Classificação: 14 anos

 SISTEMA 25

Sistema 25 Foto: Camila Sérgio

A situação carcerária do Brasil é o tema central da peça, construída em conjunto pelos atores-narradores e pelo diretor José Manoel Sobrinho. O ponto de partida é uma visita a um presídio no dia de uma rebelião. Apenas 25 espectadores por sessão.
Quando: De 4 a 27 de agosto; quintas e sextas, às 19h; sábados, às 15h e às 19h
Onde: Caixa Cultural Recife – Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife
Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada)
Informações: (81) 3425-1915

O DIÁRIO QUASE RIDÍCULO DE AURORA

atores Rose Quirino e Leonardo Bouças. Foto: Divulgação

Atores Rose Quirino e Leonardo Bouças. Foto: Divulgação

O espetáculo da Cia. de Teatro Omoiós traz a história de Aurora, uma mulher em eterna busca por amores, com esperança e desejo de liberdade. Ela narra encontros e desencontros nas páginas de um diário. Faz de uma mesa de bar seu próprio divã e dos goles de uísque a chave para abrir seu coração. Aurora é o alter ego feminino do jornalista, diretor teatral e escritor Manoel Constantino. No elenco, os atores Rose Quirino e Leonardo Bouças.
Quando: 25 de agosto, quintas, às 19h
Onde: Bar Conchitas (Rua Manoel Borba, 709, Boa Vista)
Ingresso: R$ 5

 FEBRE QUE ME SEGUE

Montagem dirigida por Wellington Jr a partir do conto de Breno Fittipaldi. Foto: Divulgação

A Máquina de Sonhos Cia. de Teatro apresenta Febre que me segue, baseado em conto de Breno Fittipaldi. Conta a história dos encontros amorosos entre Pedro e Lui, um homem de quarenta e um e um garoto de dezoito anos, seus conflitos e desejos. O grupo investiga as relações entre teatro e literatura. Direção Geral de Wellington Júnior. Elenco: Binha Lemos , Diogo Gomes , Diogo Sant´ana, Elisa Nascimento, Ito Soares, Janaina Almeida, Javila Lima , Karol Soares , Júlia Marques , Lígia Buarque, Luiz Carlos Filho, Maria Eduarda Carvalho , Melissa Franzen, Natália Cozzan, Nayara Lane , Landau, Rafael Ummem , Rodrigo Hermínio, Sabrina França, Shica Farias, Thiago Aznavour e Vicente Simas.
Quando: 27 de agosto, sábado, às 20h
Onde:Espaço O Poste (Rua da Aurora, 529, Boa Vista)
Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Escrevemos sobre uma leitura dramatizada do texto em 2011. Quando o assunto é homoerotismo, a faca é afiada

OSSOS

Daniel Barros e Robério Lucado interpretam garotos de programa em Ossos. Foto: Ivana Moura

Daniel Barros e Robério Lucado interpretam garotos de programa em Ossos. Foto: Ivana Moura

O amor moveu Heleno de Gusmão para o exílio e lá ele encontrou o prazer fortuito, o sucesso e a morte. O espetáculo Ossos explora essa viagem do protagonista as suas lembranças e origens, a pretexto de entregar os restos mortais do seu amante aos familiares, em Sertânia, no interior de Pernambuco. A montagem do Coletivo Angu de Teatro faz uma curta temporada no Teatro Barreto Júnior. Um coro de Urubus pontua os fatos embaralhados entre passado e presente. A peça tem dramaturgia de Marcelino e direção de Marcondes Lima. A montagem é patrocinada pelo prêmio Myriam Muniz da FUNARTE – Ministério da Cultura – Governo Federal. Com Arilson Lopes, Ivo Barreto, André Brasileiro, Marcondes Lima, Daniel Barros e Robério Lucado. A trilha sonora é assinada por Juliano Holanda.
Quando: de 19/08 a 25/09, sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h30
Onde: Teatro Barreto Júnior
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)
Vendas online pelo site: http://vendas.ne10ingressos.com.br

INFANTIL

VENTO FORTE PARA ÁGUA E SABÃO

Segunda montagem da Fiandeiro para o público mirim. Foto: Divulgação

Segunda montagem da Fiandeiro para o público mirim. Foto: Divulgação

Musical mostra a incrível amizade entre uma bolha de sabão chamada Bolonhesa e Arlindo, uma rajada de vento. Os riscos são grandes, mas as recompensas também. É a segunda montagem da Companhia Fiandeiros dedicada ao público infanto-juvenil. O texto é de Giordano Castro, do grupo Magiluth e de Amanda Torres.
Onde:: Teatro Barreto Júnior (Rua Estudante Jeremias Bastos, s/n, Pina).
Quando: De 20 de agosto a 25 de setembro, Sábados e domingos, às 16h30.
Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia).
Informações: 3355-6398.

AS PERIPÉCIAS DA TRUP DA ALEGRIA

Peça está em temporada em Paulista, região metropolitana do Recife. Foto: Divulgação

Peça está em temporada em Paulista, região metropolitana do Recife. Foto: Divulgação

Os palhaços Bituca, Bu, Leca e a boneca Loli são amigos e nas suas brincadeiras descobrem o valor por trás das palavras amor, perdão, alegria e coragem. Bituca, interpretado por Dodi Fontes, também autor do texto e diretor do espetáculo, se apresenta como valentão e prega uma peça de terror, para que a turma fique apavorada.
Onde: Teatro Experimental Roberto Costa – Paulista North Way Shopping, Região Metropolitana do Recife
Quando: 28 de agosto, às 16h30.
Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia).

Este post foi publicado em por .