Amar é pathos de ampla dimensão

Amar é Crime Foto:- Geraldo Monteiro / Divulgação

Adaptação de quatro contos de Marcelino Freire marca estreia do AMARÉ. Fotos:- Geraldo Monteiro

Os personagens do espetáculo Amar é Crime não “andam sobre cadáveres sem nada sentir”, como os criminosos de Kurt Schneider, psiquiatra alemão. As figuras saídas das narrativas de Marcelino Freire e levadas ao palco por Isabelle Barros ardem e reagem às flechas envenenadas enviadas pelo mundo cruel ou por um objeto de amor (mesmo que imaginário). Desprezados ou feridos, eles chegam a um limite humano tolerável para dar o troco. São gritos desesperados de afirmação.

A encenação de Isabelle é despojada. Três atores, bancos, lanternas, e a doação desses intérpretes que materializam as palavras de Freire em expressividade e movimentos, em quatro cenas da peça. São personagens oprimidos. O amor (esse do desejo contemporâneo que é sinônimo de felicidade) aparece como objeto de luxo para os que vivem num universo que lhes nega direitos básicos de alimentação, saúde, transporte, educação. É uma bomba prestes a explodir.

Quatro contos do livro homônimo de Marcelino Freire, lançado pelo autor em 2011, são adaptados para o palco pelo coletivo AMARÉ Grupo de Teatro, criado em 2014 por ex-alunos do Curso de Interpretação para Teatro do Sesc Santo Amaro. Além de Isabelle Barros, a trupe é formada por Natali Assunção e Marcos Medeiros. A atriz Micheli Arantes participa como convidada neste trabalho.

O elenco atua como atores-narradores das cenas escolhidas pelo grupo: Acompanhante, Crime, Mariângela e Vestido longo.

São vultos invisíveis que sob o domínio de pathos ganham um protagonismo temporário. As situações dessa notoriedade são cercadas por elementos cruéis.

Uma saudade, uma fantasia que ficaram na memória afetiva do velho caquético escorrem como opressão em direção à cuidadora, que recebe as ordens humilhantes de uma parente do idoso no quadro Acompanhante. A dignidade cingida da funcionária já feriu o ancião na sua incapacidade de cuidar de si mesmo e precisar de uma estranha para resolver questões íntimas de limpeza e alimentação. Ele tem espasmos em que seca de vontade e a desconhecida escuta as determinações, da outra da família, que beiram o assédio.

“Hoje minha namorada vai me dar valor”, anuncia o protagonista do episódio Crime. Os atores se revezam no papel para criar nunces do desespero do personagem na voz e no corpo, na projeção de revolta contra o mundo. Ao ser golpeado na sua autoestima, um jovem (negro, pobre, periférico) planeja sequestrar e punir a namorada por uma suposta traição. E detalha os passos do ato transitando entre sua dor particular e as contingências da indiferença social para quem vive na base, com a negação do básico. Ele quer ferir o objeto do seu amor e se transformar numa celebridade instantânea sem importância; daquelas que alimentam os programas policialescos, as chamadas sensacionalistas na televisão, a curiosidade mórbida da sociedade. As consequências são imprevisíveis.

“Quem disse que uma gorda não pode voar?”, pergunta a garota obesa em Mariângela. Ela sofre humilhações impostas pela própria mãe, criatura convencionada pelo senso comum como fonte de amor irrestrito. A menina é sugada por um buraco e fica presa no meio da rua, entalada no solo. Os atores narram sua história antes do ocorrido ressaltando o comportamento desmedido como necessidade de sobreviver e se vingar de alguém que negou e interditou o amor.

Uma vida inteira de privação parece traçar o destino da mulher de Vestido Longo, que cresceu sem ter o que comer, muito menos o que vestir. Nos grotões da fome foi apartada da mãe pela morte e encurralada pelo desejo masculino em troca de um tostão ou de um cascudo. Encontra no consumo da peça de roupa cara a compensação para um passado de abusos e carências. É ela quem reflete: “A miséria no Brasil, puta que pariu, é pornográfica”.

Primeiro trabalho profissional da e estrea de Isabelle Barros como diretora

Espetáculo de estreia profissional de Isabelle Barros como diretora

Isabelle equaliza para baixo a escala da fúria desses seres. As palavras já são sangrentas, cortantes. As frases queimam, mas a encenadora não apela para o transe. As situações-limite expõem gestos desenfreados; explosões no próprio texto. E a encenadora não tenta se sobrepor ao verbo. Ao não exacerbar o gesto, Barros chama esses dramas profundos para a vizinhança, para a proximidade.

Esses quadros arranham a vida em sua perspectiva mais profunda, ou seja, pathetica. No limite, vulneráveis, sem segurança alguma, essas criaturas parecem dominados pelo pathos grego submetido à discursividade. Mas também afasta-se desse conceito originário de pathos ao se enredar na ideia de passividade, afecção, sofrimento. Mas é também louvável que a encenação não tenha se quedado totalmente ao sentido principal de pathos na atualidade como doença, mal-estar ou anormalidade.

A paixão amorosa em seu sentido mais corriqueiro, sensual se manifesta mais no conto Crime, ao mostrar como a exacerbação pode conduzir a uma fatalidade.

Mas o pathos de Amar é Crime se apresenta em sentido mais amplo, como essência das leis que movem o humano. A intensidade da paixão nos quadros do espetáculo carrega potências que regem a vida do espírito, com suas diferentes durações.

Os atores são jovens e expressam suas possibilidades de criar a partir da bagagem vivenciada. Eles têm um frescor dos que ainda não conhecem o fundo do poço. Mas têm brilho que tende a aumentar. Há uma sutileza na direção, que remete para outro lugar da violência.

Saúdo com alegria a chegada de Isabelle Barros, essa jovem diretora de teatro e o AMARÉ Grupo de Teatro, com seus novatos que transbordam de afeto pelo palco. Isabelle vem com um olhar sensível sobre as dores do mundo, que não se perde em estranhamentos e exageros de só aproximar o pathos da doença.  De alguém que trilha a complexidade a partir das frases e intenções roubadas do cotidiano de Marcelino Freire.

SERVIÇO
Amar é Crime
Adaptação teatral do livro homônimo de Marcelino Freire.
Quando: 23, 24, 30 e 31 de julho, às 19h (Ingressos a partir das 18h)
Onde: Espaço Cênicas – Rua Marquês de Olinda, 199. Bairro do Recife (Entrada pela Rua Vigário Tenório).
Quanto: R$ 20 (inteira)/ R$ 10 (meia)
Informações: 81 9 7914 4306
Classificação indicativa: 14 anos
Capacidade do espaço
: 60 lugares
Informações: 97914-4306
Promoçãohttps://www.eventick.com.br/amarecrime

FICHA TÉCNICA
Encenação: Isabelle Barros
Texto: Marcelino Freire com adaptação de Natali Assunção
Elenco: Marcos Medeiros, Micheli Arantes e Natali Assunção
Iluminação: Marcos Medeiros
Figurino e cenografia: Micheli Arantes
Direção musical: Kleber Santana e Isabelle Barros
Produção: AMARÉ Grupo de Teatro

Postado com as tags: , , , , , ,

Os Três Porquinhos vão ao Barreto

Os Três Porquinhos. Foto: Pedro Portugal

Os Três Porquinhos. Foto: Pedro Portugal

A produção de Os Três Porquinhos, de Pedro Portugal e Paulo de Castro, é uma das mais longevas e resistentes do Recife. Ficou anos em cartaz no Teatro do Horto de Dois Irmãos. A estreia oficial da peça ocorreu há 24 anos, em 16 de maio de 1992, no antigo Teatro José Carlos Cavalcanti Borges, da Fundaj (agora só cinema da Fundação). A encenação já viajou para outros estados como Sergipe, Alagoas, Bahia, Paraíba, Rio Grande do Norte, Maranhão, Piauí e Pará; além de quatro cidades portuguesas: Fafe, Valongo, Póvoa do Lanhoso e Ilha dos Açores. E agora faz mais uma curta temporada no Teatro Barreto Junior.

Os três porquinhos é um musical infantil que mostra as aventuras dos irmãos Prático, Cícero e Heitor que devem enfrentar um terrível e faminto Lobo Mau, mestre em disfarces. Versão de Joseph Jacobs da clássica fábula dos irmãos Grimm é adaptada por Reginaldo Silva e tem direção de Cleusson Vieira. Estão no elenco Com Cleusson Vieira, Mário Miranda e Sóstenes Vidal.

Com a presença desse predador, a floresta se torna um local perigoso. Os suínos buscam se proteger. Prático, o mais sensato do trio, constrói sua casa com tijolos e cimento. Já Cícero e Heitor, abraçados à preguiça, erguem suas casas de palha e madeira, respectivamente.

A encenação tem aquela moral da história, condenando a preguiça inimiga da segurança e defendendo a ideia de se pensar no futuro. Não deixa de ser uma simplificação. Mas mesmo assim, a montagem já sofreu, em 2013, com a anulação da temporada no Teatro Eva Herz, palco da Livraria Cultura na unidade do Shopping RioMar, no Pina. O quiproquó deveu-se às supostas reclamações do público quanto o conteúdo do espetáculo.

Em uma das cenas da peça, o Lobo, com trajes de professor, pede para a criança apagar a lousa com a mão. Um Porquinho questiona: “Cadê o apagador? ” O Lobo retruca: “É escola da prefeitura. Vai melhorar”. Outro momento é sobre a derrubada da casa, quando um deles diz que vai virar mais “um sem teto”. O outro responde: “vai para o movimento MPST, o Movimento dos Porquinhos Sem Teto, o governo vai gostar muito”. E outras piadas de improviso, que se referem à atual realidade. Que são as melhores tiradas.

SERVIÇO
Os Três Porquinhos
Quando: Sábado e domingo, às 16h30
Onde: Teatro Barreto Junior (Pina)

Postado com as tags: , , , , ,

Humor camaleônico de um Asdrúbal  

Luiz Fernando Guimarães se multiplica em 8 personagens em O impecável. Foto: Guga Melgar/ Divulgação

Luiz Fernando se multiplica em 8 personagens em O impecável. Foto: Guga Melgar/ Divulgação

Luiz Fernando Guimarães caiu no teatro por acaso; se é que isso existe. Em O Inspetor Geral, clássico de Nikolai Gogol, na montagem de 1974 do grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone, foi substituir um amigo na peça e se encontrou. O Asdrúbal apostava suas fichas no humor irreverente, debochado, com um sotaque fascinante e irritantemente carioca. Parecia uma banda de rock e entrava para o cenário brasileiro para contagiar de alegria, de vitalidade as plateias brasileiras. Nos decantados anos 1970, o teatro ideológico era regra. Essa tropa fazia parte da exceção. O bando queria se divertir e fazer um teatro mais leve e com outro vigor.

A força do grupo estava na criatividade de seus integrantes. Regina Casé, Luiz Fernando Guimarães, Evandro Mesquita, Patrícia Travassos e Perfeito Fortuna, dirigidos por Hamilton Vaz Pereira esbanjavam talento. As criações do grupo eram coletivas, baseadas em improvisações e na experiência de seus integrantes.

Asdrúbal trouxe o trombone, era um código secreto que Regina Casé e seu pai usavam para avisar da chegada de um chato, ou quando a festa estava derrubada. Deu nome ao grupo que montou O inspetor geral (1974), Ubu Rei 1(975), Trate-me leão (1977), Aquela coisa toda (1980) e A farra da Terra (1983).

Depois dessa turma, o humor no teatro e na televisão brasileira nunca mais foi o mesmo. Eles subverteram as formas de fazer comédia com programas como TV Pirata, Os Normais,  e Casseta & Planeta, por exemplo.

Personagens se encontram no cabeleireiro.

Personagens se encontram no cabeleireiro

O Impecável é o espetáculo que Luiz Fernando Guimarães traz ao Recife neste 23 de julho, com sessão no Teatro Guararapes, às 21h. O texto é inspirado nos pecados capitais. Num salão de beleza, o intérprete é tomado por figuras com muitos vícios, poucas virtudes e histórias engraçadas para contar. O faxineiro Seu Francisco é um homem trabalhador e evangélico fervoroso. O atendente Ednardo é um preguiçoso e vive dando o truque para burlar o horário do serviço.

A fauna é da pesada. Chanderley, a que cuida das unhas dos clientes, garante a sobrevivência nos “serviços extras” que realiza nas madrugadas em Copacabana. Guido, o cabeleireiro, alardeia sua masculinidade e a conquista dos inúmeros diplomas. Serginho se gaba de ser um hairstylist de mão cheia.

É essa turma quem recebe clientes como Rodolfo, o solteirão que acompanha a mãe ao salão ou o Dr. Ivan, um psicólogo simpático que quer recuperar a beleza perdida ao nascer. A dona do local, Eleonora, é ex-miss, que não valoriza o empreendimento erguido com a grana herdada do ex-marido.

Luiz Fernando Guimarães estava com desejo de viajar pelo Brasil com um espetáculo e os autores Charles Möeller e Claudio Botelho resgataram personagens criados para peças diferentes e juntaram em um texto único. Os autores, que tem uma carreira consagrada nos musicais como Cristal Bacharach, Um Dia de Sol Em Shangrilá e Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos, compuseram esse monólogo ‘multipersonagem’ sem música.

A ação de O Impecável, se passa numa tarde de sábado na Zona Sul do Rio de Janeiro, no Impecável Beauty. No palco, uma bancada e uma cadeira com secador de cabelo e a conhecida versatilidade do ator. A direção é de Marcus Alvisi, que já trabalhou com Guimarães no espetáculo Cinco Vezes Comédia (1988) e no programa Vida ao Vivo Show (1999).

Com poucos objetos de cena, a potência da intepretação de Luiz Fernando é acentuada, fazendo brilhar seu estilo de humor cínico, ácido e irônico. Até mesmo as trocas de roupas são dispensadas.

SERVIÇO
Espetáculo O Impecável, com Luiz Fernando Guimarães
Quando: 23 de Julho às 21h
Onde: Teatro Guararapes
Quanto: R$80, inteira e R$40, meia
Ponto de venda: Loja Vagamundo do Shopping RioMar, bilheteria do teatro e no site www.compreingressos.com
Duração: 60min
Classificação: 14 anos

Ficha Técnica:
Texto – Charles Möeller e Claudio Botelho
Direção – Marcus Alvisi
Cenário – Natália Lana
Figurino – Maria Diaz
Iluminação – Carlos Lafert
Trilha – Biltre
Designer Gráfico – Milton Menezes
Direção de Movimento – Sueli Guerra / Alessandro Brandão
Preparação Vocal – Rose Gonçalves
Assistente de Direção – Júlio Miranda
Assistente Luiz Fernando – Katia Jorgensen
Assistente de Figurino – Viviane Castelleoni
Chefe de Palco – André Salles
Operador de Som – Léo Magalhães
Operador de Luz – Carlos Lafert
Camareira – Maninha
Produtora Assistente –  Paula Valente Fraga
Produção Executiva e Administração – Cristina Leite
Direção de Produção – Alessandra Reis
Realização –  Brainstorming Entretenimento, Alessandra Reis 27 Produções Artísticas e Derbis Empreendimentos

Postado com as tags: , , , ,

A dança sacode o Recife

Balé Teatro Guaíra abre a programação da 13ª Mostra Brasileira de Dança. foto-Kraw-Penas-SEEC

Balé Teatro Guaíra inicia a 13ª Mostra Brasileira de Dança com Orikis e Trânsito. Foto: Kraw Penas/SEEC

Música percussiva, movimentos ritualísticos, dimensões antagônicas e complementares do Céu e da Terra são urdidas na coreografia Orikis, do Balé Teatro Guaíra.  ORI é a cabeça, onde estão concentradas todas as características dos Orixás e sua mitologia.  Desse universo, a coreógrafa baiana, radicada no Rio de Janeiro, Ana Vitória explora uma gestualidade carregada de signos e sentidos. Já Trânsito investe no cruzamento entre culturas, a partir da investigação de ritmos tribais de etnias distintas. Ana Vitória embaralha cartografias afetivas para compor um rico caleidoscópio gestual, que tem trilha sonora do músico Cláudio Dauelsberg. Os dois trabalhos do BTG abrem a 13° Mostra Brasileira de Dança, programa que ocorre  entre os dias 29 de julho e 7 de agosto, em 10 espaços cênicos do Recife. A apresentação do Balé Teatro Guaíra (PR) será no Teatro Santa Isabel, às 20h, na sexta-feira (29).

Este ano, a MBD presta homenagem à bailarina, coreógrafa e diretora pernambucana Mônica Lira.  Três obras do repertório do Grupo Experimental, dirigidas por Mônica, integram a mostra: Breguetu, Pontilhados e Zambo. Impregnada pelas ideias do movimento Mangue em sua estética, Zambo, de 1997, foi remontada especialmente para a Mostra, com a participação dos bailarinos que já passaram pelo elenco do espetáculo, incluindo Gilson Santana, o Mestre Meia-Noite.

O Núcleo Viladança (BA) vem com uma montagem voltada para o público juvenil: Da Ponta da Língua à Ponta do Pé – uma viagem desde a Pré-História até os palcos contemporâneos da dança e o impacto do trabalho de Isadora Ducan. Também estão na programação o Coletivo Incomum e a Qualquer um dos 2 Companhia de Dança, ambos de Petrolina; o Stúdio de Danças (PE) e o Coletivo Lugar Comum (PE).

As Mostras Coreográficas de Grupos em Formação e de Grupos Profissionais reservam pauta para criações de curta duração de artistas independentes e grupos pernambucanos.

Entre os dias 1° e 5 de agosto a MBD prossegue com seu projeto de formação. Este ano estão agendadas as Oficinas de Aperfeiçoamento Profissional Corpo dinâmico/Corpo Fluante, com o dinamarquês Peter Dietz (Portugal); Danças do Oriente (de diferentes regiões) para alunos em iniciação, com a dançarina Zuzu Leiva (SP) e  As danças do Maracatu Rural e Cavalo-Marinho na construção de um corpo, com Fábio Soares, integrante do Cavalo Marinho Estrela de Ouro e do Maracatu de Baque Solto Leão de Ouro, de Condado (PE).

O Seminário Dança e Sustentabilidade reúne representantes do Balé Guaíra (PR), Teatro Villa (BA), Focus Cia de Dança (RJ), Balé Popular do Recife (PE), Academia Fátima Freitas (PE) e artistas independentes da cidade para um debate no dia 1° de agosto.

Visita Guiada, com o Balé Teatro Guaíra. Foto: Octávio Nassur

Visita Guiada, com o Balé Teatro Guaíra. Foto: Octávio Nassur

Nesta edição o COMPAZ do Alto Santa Terezinha é agregado como espaço pedagógico (sede da oficina As danças do Maracatu Rural e Cavalo Marinho na construção de um corpo) e de apresentações. No dia 30, o Centro recebe a intervenção Visita Guiada, do Balé Teatro Guaíra, e abriga no domingo (7) o encerramento da Mostra, com o fechamento da campanha Adote Um Bailarino, exibições de grupos e entrega de artigos de dança arrecadados durante o período da MBD.

Os ingressos variam entre R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5. O projeto Vá de Bike! promove 50% de desconto no valor dos ingressos mediante uso da bicicleta como meio de transporte para chegar aos teatros.

A Mostra conta com incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura -PE), com o apoio da Prefeitura do Recife e Cepe.

Serviço
13° Mostra Brasileira de Dança do Recife
De 29 de julho e 07 de agosto
Ingressos:  R$ 30,00 (inteira) | R$ 15,00 (meia-entrada) | R$ 10,00 (artistas e técnicos com a carteira do SATED/PE) | R$ 5,00 (artistas participantes do evento)

Formas de pagamento:  Dinheiro, cartão de crédito e débito (visa, master e cielo).
Onde comprar:  Call Center (81) 2626 2605 |  Pelo site www.compreingressos.com | Na bilheteria dos teatros, conforme disponibilidade, 2 horas antes de cada sessão (excetuando o Teatro de Santa Isabel, cuja bilheteria abre das 9 às 12h e das 14 às 17h).

Programação completa e mais informações: www.mostrabrasileiradedanca.com.br
*Doação de artigos de dança para a campanha Adote uma Bailarina ou um Bailarino podem ser feitas em todos as casas de espetáculos que fazem parte da MBD.

PROGRAMAÇÃO PEDAGÓGICA

Seminário Dança e Sustentabilidade
1° de agosto, 18h às 21h30
Onde: Espaço Compassos (Rua da Moeda, 93 – Bairro do Recife Antigo – térreo)
Vagas: 80

A Roda de Conversa Dança e Sustentabilidade tem como proposta discutir iniciativas de sustentabilidade de companhias, escolas e instituições de dança diante do atual cenário econômico e político brasileiro. Representantes do Balé Guaíra (PR), Teatro Villa (BA), Focus Cia de Dança (RJ), Balé Popular do Recife (PE), Academia Fátima Freitas (PE) e artistas independentes da cidade estratégias e alternativas para manter as ações de dança e os trabalhos artísticos.


OFICINAS DE INICIAÇÃO*

Zuzu Leiva, atriz, cantora e bailarina. Foto: Reprodução do Facebook

Zuzu Leiva, atriz, cantora e bailarina. Foto: Reprodução do Facebook

Danças do Oriente
Com Zuzu Leiva (SP)
1° à 5 de agosto, das 10h às 12h
Onde: Paço do Frevo (Praça do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do Recife)
Carga horária: 15 horas
Vagas: 30 – Idade mínima de 10 anos. Não é necessária experiência anterior e os participantes podem ser de ambos os sexos.
Recomendações: dançar descalço e trajar roupas confortáveis que permitam liberdade de movimentos.
A oficina aborda danças antigas de diferentes regiões do Oriente terrestre: Índia (Dança Clássica Odissi); Israel (Dança Tradicional Hebraica); Países Árabes (Dança Folclórica); Macedônia (Dança Tradicional Cigana) e Japão (Dança Tradicional Odori).
Zuzu Leiva é Atriz, dançarina e cantora do grupo MAWACA. Bacharel em Comunicação Social (FAAP), tem formação em Teatro (Macunaima), Astronomia (CASP), Danças Indianas (Odissi, Kathak), Dança do Ventre, Flamenco e Danças Étnicas.

Fábio Soares. Foto: Wellington Dantas/ Divulgação

Fábio Soares é brincante de cavalo-marinho e maracatu. Foto: Wellington Dantas/ Divulgação

As danças do Maracatu Rural e Cavalo-Marinho na construção de um corpo
Com Fábio Soares (PE)
2 à 5 de agosto, das 10h às 12h
Onde: COMPAZ (Av. Aníbal Benévolo, S/N – Alto Santa Terezinha)
Carga horária: 10 horas
Vagas: 20 – Público em geral, artistas, bailarinos, estudantes das artes cênicas.
A oficina de dança parte da essência e dos princípios físicos e energéticos que fundamentam os brinquedos tradicionais do Cavalo-Marinho e do Maracatu Rural. A qualidade de energia, os passos, o jogo e o ritmo são abordados a partir da experiência adquirida ao longo dos anos por Fábio Soares como brincador tradicional destas danças.
Fábio Soares é integrante do Cavalo-Marinho Estrela de Ouro e do Maracatu de Baque Solto Leão de Ouro, ambos os grupos são de Condado e são liderados pelo seu avô Mestre Biu Alexandre. No Cavalo-Marinho Estrela de Ouro desempenha a função de Figureiro (pessoa que bota as figuras – personagens), também confecciona máscaras e adereços. No Maracatu de Baque Solto Leão de Ouro, desempenha a função de Vice-Presidente e Puxador de Cordão (um dos “cobocos”- caboclos da linha de frente do maracatu). Em 2005 recebeu convite para integrar o elenco de bailarinos do Grupo Grial de Dança onde permaneceu até o ano de 2012.

OFICINA DE APERFEIÇOAMENTO*

Peter Michael Dietz. Foto: Play Beu

Peter Michael Dietz. Foto: Play Beu

Corpo dinâmico/Corpo flutuante
Com Peter Dietz (Portugal)
1° à 05 de agosto, das 10h às 13h
Onde: Espaço Compassos (Rua da Moeda, 93 – Bairro do Recife Antigo – 1° andar)
Carga horária: 10 horas
Vagas: 20 – voltada para dançarinos, performers, e artistas do corpo com experiência.
Corpo dinâmico/Corpo flutuante busca trazer a compreensão incorporada do movimento em seus elementos estruturais, desenvolvendo as habilidades de execução, articulação e deslocamento no espaço em uma abordagem prática, baseando-se em diferentes técnicas de movimento como o Release Technique e o Contact Improvisation.
Peter Michael Dietz nasceu na Dinamarca. É performer, bailarino, criador, designer, orientador, coreógrafo, professor. Estudou na European Dance Development Center (EDDC) onde vivenciou as mais variadas técnicas e formas de dança como release technique e contacto improvisação. Tem trabalhado em várias instituições em Portugal, no Brasil e em diferentes zonas da Europa desde 1989. Trabalha e pesquisa no ‘c.e.m – Centro em Movimento’ orientado por Sofia Neuparth.

*No dia 5 de agosto haverá o encerramento das oficinas no Paço do Frevo, das 10h às 13h, reunindo todos os alunos.

PROGRAMAÇÃO ESPETÁCULOS

Coreografia Trânsito, com o Balé Teatro Guaíra (PR). Foto: Cayo Vieira

Coreografia Trânsito, com o Balé Teatro Guaíra (PR). Foto: Cayo Vieira

Dia 29 e 30 de julho de 2016; Sexta-feira, às 20h; Sábado, às 20h30
Okiris e Trânsito, com o Balé Teatro Guaíra (PR)
Onde: Teatro Santa Isabel
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$10 e R$ 5*
Duração: 40 min.
Intervalo: 10min.
Classificação: livre

Orikis Concebido originalmente para quatro homens, a peça foi reorganizada para o Balé Teatro Guaíra, com oito bailarinos/solistas. A coreógrafa Ana Vitória partiu do princípio de que ORI é a cabeça e nela estão concentradas todas as características dos Orixás e sua mitologia. Explorando uma gestualidade carregada de signos e sentidos, Orikis se desenvolve ao som da música percussiva, do espaço ritualístico e do universo masculino que carrega um tônus próprio, singular e potente. Neste trabalho, céu e terra, como duas dimensões antagônicas e complementares são exaustivamente explorados, privilegiando hora a unidade inferior e hora a unidade superior do corpo, detalhe que é priorizado nesta criação, sobretudo quando apresenta-se o dorso nu, natural e primitivo em contraste com a cintura pélvica, vestida em calças jeans, numa alusão explícita do homem contemporâneo.
Ana Vitória retorna em 2016 à Cia para reatualizar sua obra, injetando novos caminhos de escuta e presença e recuperando os afetos tão singulares que mobilizaram sua construção, para que outras e novas gerações de artistas-intérpretes possam continuar dando voz aos seus corpos e à nossa história.
Coreografia: Ana Vitória
Música: Manuel Vandji
Figurino: Ney Madeira
Iluminação: Milton Giglio
Ensaiadora: Soraya Felicio
Elenco: André Neri, Cesar Nunes/Fabio Valladão, Daniel Siqueira, Rene Sato/Leandro Vieira, Reinaldo Pereira/Natanael Nogueira, Nelson Mello, Raphael Ribeiro, Rodrigo Castelo Branco/Patrich Lorenzetti
*Obra composta em 1998 com a Companhia de Dança Carlota Portella
*2001 remontada para o BTG

Trânsito trata da diversidade rítmica e formal dos cruzamentos entre culturas, a partir da investigação de ritmos tribais de etnias distintas. Ana Vitória discorre pela poética dos territórios e geografias, utilizando-se das cartografias afetivas para compor um rico caleidoscópio gestual, organizados também na trilha sonora composta especialmente pelo músico Cláudio Dauelsberg. A coreógrafa acredita que o trânsito é movimento inexorável e que é impossível não se submeter a ele. O deslocamento dos corpos promove, assim e sempre, uma nova composição dos corpos no espaço. Reconfigura-se o Ser e sua Experiência no mundo, aproxima-se e repulsa, afeta e distancia-se, imprime e apaga-se nossas pegadas. Criada especialmente para o Balé Guaíra em 2001, Trânsito inaugura uma nova experiência nos corpos dos seus intérpretes ao interrogar sobre suas heranças culturais, portanto, formais e expressivas. Os fluxos e refluxos, arquivos e repertórios de outras etnias são aqui experenciados, investindo na aproximação entre corporeidades e diálogos afetivos.
Coreografia: Ana Vitória
Música: direção musical, criação, arranjo, piano e teclados: Cláudio Dauelsberg
Participações: Mamur Ba e Nusrat Fateh Ali Kahn (vozes), Peter Dauelsberg (solo violoncelo)
Gravação e mixagem: Joá Estúdios
Figurino: Ney Madeira
Iluminação: Milton Giglio
Ensaiadoras: Regina Kotaka e Soraya Felício
Elenco: André Neri, Fábio Valladão/Cesar Nunes, Daniel Siqueira, Leandro Vieira, Natanael Nogueira/Reinaldo Pereira, Nelson Mello, Patrich Lorenzetti, Raphael Ribeiro/Rene Sato, Rodrigo Castelo Branco, Ane Adade, Patrícia Machado, Deborah Chibiaque, Juliana Rodrigues, Karin Chaves, Luciana Voloxki, Malki Pinsag, Marcela Pinho, Nayara Santos, Karin Chaves/Deborah Chibiaque (Solo).

30 de julho de 2016, Sábado, às 11h
Visita Guiada, com Balé Teatro Guaíra (PR)
Onde: COMPAZ,
Gratuito
Classificação livre
A intervenção propõe uma reflexão acerca da espetacularização das obras de arte, em especial do corpo do artista. No trabalho, os bailarinos estarão expostos para visitação em territórios não convencionais. Os visitantes interessados terão o auxílio de áudio guides para explorar as obras. Através desse sistema de locução, o público entra na cena e tem autonomia para escolher, interagir e assim saber mais sobre a obra/bailarino de seu interesse.
Ao serem transportadas do teatro para outros ambientes, as intervenções borram as fronteiras entre espectador e obra, redesenhando uma nova relação espaço-social.
Direção e Concepção: Patrícia Machado
Criação:
Elenco
Elenco:
Ane Adade, Patrícia Machado, Soraya Felício, Cesar Nunes, Raphael Ribeiro, Reinaldo Pereira
O Balé Teatro Guaíra, criado pelo Governo do Estado do Paraná em 1969, é uma das mais importantes companhias oficiais do país graças a sua representatividade histórica, com obras consagradas. Durante seu percurso, o BTG realizou mais de 140 coreografias e atualmente a Cia. apresenta um repertório focado na diversidade da dança contemporânea. Com a atual direção de Cintia Napoli (2012), o Balé Teatro Guaíra traz propostas ousadas e autênticas, porém sem perder de vista a tradição.

Que corpo é esse?, espetáculo de Petrolina. Foto: Rubens Henrique

Que corpo é esse?, espetáculo do Coletivo Incomum, de Petrolina. Foto: Rubens Henrique

Dia 30 de julho de 2016, Sábado, 19h
Que Corpo é Esse?
Coletivo Incomum (Petrolina/PE)
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho,
Ingressos: R$30, R$15, R$10 e R$5*
Duração:
40 min
Indicado para maiores de 16 anos

Segundo espetáculo do Coletivo Incomum, Que Corpo é Esse? carrega consigo o desejo e as inquietudes amordaçadas pela ditadura dos padrões, questionando a busca por vezes inconsequente das formas imperfeitas estampadas nas mais diversas e variadas telas. O solo de Carol de Andrade reflete sobre o uso do instrumento corpo, suas formas, seus prazeres, suas limitações e sobretudo, seu valor em uma época onde a moda dita que o belo é ter uma “barriga negativa” e os empreendimentos Fitness tomam conta do mercado.  A criação desse trabalho é uma resposta para um questionamento que há muito se repetia para a bailarina: “existe um corpo ideal para a dança?”.
Interprete Criadora e Direção: Carol Andrade
Criação e Execução de Iluminação: Carlos Tiago
Figurino: Diego Ravelly
Criação e Execução de Trilha sonora: Ítalo Miranda
Preparação Corporal: Gracy Marcus
Cenário e Arte Gráfica: André Vitor Brandão
Produção: Antônio Manoel

VILADANÇA_ Foto: Lígia Rizério

VILADANÇA_ Foto: Lígia Rizério

Dia 31 de julho de 2016, Domingo, 16h30
Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, com o Núcleo Viladança (BA)
Onde: Teatro Santa Isabel,
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
Duração: 50 min.
Classificação livre
Da Ponta da Língua à Ponta do Pé é um musical que conta a história de Zé, um garoto que faz de tudo para conquistar o amor da bailarina Isadora numa aventura que o leva a desvendar e se apaixonar pelo mundo da Dança. Com a ajuda de uma professora ele viaja desde a Pré-História até os palcos contemporâneos, passando pelas mudanças provocadas pelo trabalho de Isadora Duncan e pelo estabelecimento da Dança como profissão, com várias áreas de atuação. A montagem se desenvolve a partir de uma narrativa de comédia romântica.
O Viladança foi criado em abril de 1998 pela coreógrafa Cristina Castro e é um núcleo de atividades em dança residente no Teatro Vila Velha, uma casa de espetáculos de Salvador com 50 anos de história. Além da diversidade técnica e estética, o trabalho do Viladança também envolve ações de cunho social e educacional como projetos de interação com comunidades, escolas públicas e particulares, que promovem a formação de plateia. O grupo possui 11 espetáculos no repertório.
Direção Geral: Cristina Castro
Coreografia: Cristina Castro em colaboração com elenco original
Texto: Cristina Castro e João Sanches
Pesquisa histórica: Lúcia Matos
Elenco: Barbara Barbará, Jorge Oliveira, Ridson Reis, Mariana Gottschalk, Janahiana Cavalcante e Sérgio Diaz
Ensaiador: Marcelo Galvão
Músicas: Jarbas Bittencourt
Vozes dos bonecos: Camilo Fróes e Jarbas Bittencourt
Operação de Luz: Marcos Dedé
Operação de Som: Bergson Nunes
Figurino e Adereços: Luiz Santana
Cenografia: Rodrigo Frota
Produção: Núcleo Viladança

Breguetu, com o Grupo Experimental. Foto: Rogéerio Alves

Breguetu, com o Grupo Experimental. Foto: Rogéerio Alves

Dia 31 de julho de 2016, Domingo, 18h e 20h
Breguetu
Grupo Experimental (PE)
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho,
Ingressos: R$30, R$15, R$10 e R$5*
Duração: 60 min.
Indicado para maiores de 14 anos

Brega! Ritmo, dança, estilo de se vestir. Essa palavra e seu conteúdo carregam significados, história, classe social e rótulos distintivos. Brega, geralmente, se diz de tudo aquilo que se rejeita ou que se acha feio, no caso das roupas. E na música e dança há certa aproximação, já que muitos intitulam o que não gostam de brega, cafona. Independentemente do que se pense e de onde parta este pensamento, brega é brega e se sustenta como tal. Amor, o maior sentimento, é brega! É o romântico popular, um chinelo de dedo no final de uma festa de salto. Alguns recusam-se a receber este título sem ao menos levar em conta que todos somos bregas em alguma coisa na vida, porque brega, no final das contas, é aquilo que faz sorrir, seja lá de qual forma for. O brega é meu, seu, de quem quiser. Brega sou eu, breguetu. Brega é brega!
Concepção e Direção: Mônica Lira (Grupo Experimental)
Intérpretes Criadores: Lilli Rocha, Jorge Kildery, Rebeca Gondim, Rafaella Trindade, Gardênia Coleto e Márcio Filho
Projeto de Iluminação: Beto Trindade
Produção musical: Marcelo Ferreira e João Paulo Oliveira
Design Gráfico: Carlos Moura
Produção: Emeline Soledade
Assessoria de Comunicação: Paula Caal
Figurino: Carol Monteiro
Concepção e produção de cabelo e maquiagem: Jennyfer Caldas
Cenotécnico: Eduardo Autran
Ator convidado: Adriano Cabral
Sonoplasta: Adelmo do Vale
Colaboração cenográfica: Henrique Celibi

Pontilhados Foto: Rogério Alves

Pontilhados Foto: Rogério Alves

|| Dia 1° e 2 de agosto de 2016, Segunda e terça-feira, 16h
Pontilhados, com Grupo Experimental (PE)
Onde: Espaço Experimental
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
*Espetáculo na rua com disponibilidade de 50 fones de ouvido
Duração: 60 min.
Classificação livre
Sussurros de memórias habitam cada gota de silêncio, alterando um lugar que nos altera. Traçar o próprio caminho, pontilhando cada esquina, transformando cada pedaço de chão em história, memória. Neste Recife de amores antigos, passaram muitas Das Neves, Doras e até Madonas, todas representadas e representantes de mãos que batem e que argolam dedos que apontam nortes, neste porto de tantos recifes. Por aqui elas ainda passam, ficam, fincam seus sentimentos mais extremos em cada ponte, em cada casa de ponta que um dia vestiram seus corpos de sonhos. Nessa ilha solitária de tantos braços, os abraços parecem refúgios. Ali, onde teu olhar alcança, meu corpo descansa. Aqui, onde nos vestimos de memórias, nos despimos em dança.
Concepção e direção: Mônica Lira
Núcleo de criação: Mônica Lira, Lilli Rocha e Jorge Kildery
Intérpretes-Criadores: Lilli Rocha, Gardênia Coleto, Jorge Kildery, Márcio Filho, Rafaella Trindade e Rebeca Gondim.
Participação especial: Jennyfer Caldas
Bailarinos convidados: Adelmo do Vale, Priscila Araújo, Marcela Rabelo, Henrique Braz, Deyvson Vicente, Joelma Tavares, Jares Santos
Montagem trilha sonora: Guille Ceballos
Montagem de texto áudio-guia: Silvia Góes
Narração: Lilli Rocha e Zoraide Coleto
Produção: Emeline Soledade
Assistente de produção: Rafael FX, Natali Revorêdo e Caio Trindade
Figurino: Carol Monteiro
Projeto Gráfico: Carlos Moura
Assessoria de comunicação: Paula Caal

Onde ele anda é outro céu, Foto: Rubens Henrique

Onde ele anda é outro céu, Foto: Rubens Henrique

Dia 2 de agosto de 2016, Terça-feira, às 19h
Onde ele anda é outro céu?, com Qualquer um dos 2 companhia de Dança (Petrolina/PE)
Onde: Teatro Arraial,
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
Duração: 40 min.
Classificação livre
Inspirado no conto O Homem Cadente, do escritor africano Mia Couto e nas pinturas do pintor surrealista belga René Magritte. Obra coreográfica que transita pela literatura, artes visuais e dança entendendo que o corpo do intérprete na contemporaneidade transita por diversos territórios. O trabalho, levanta ainda a discussão sobre a possibilidade de ver o cotidiano de outras maneiras, de que é possível construir outras lógicas, outros ares e, assim, ver o mundo com olhos de sonho. O solo é uma fabulação contemporânea sobre um homem que decide buscar outros céus, outras realidades para si, um convite à reinvenção do tempo, das leis gravitacionais; um chamado à lúdica e indispensável capacidade humana de travessia, perplexidade, encanto e solidariedade.
Concepção, Coreografia e bailarino: André Vitor Brandão
Direção Artística: Jailson Lima
Dramaturgia: Renata Pimentel
Direção de movimento: Renata Camargo
Trilha Sonora Original: Eugênio Cruz
Designer de Luz: Fernando Pereira
Figurino: Orlando Dantas
Cenotécnica: Carlos Tiago e Deborah Harummy
Sonoplastia: Lucylene Lima
Assessoria em Rapel: Eugênio Junior

Epílogo, com o Grupo de Ballet Stúdio de Danças. Foto: Rogério Alves

Epílogo, com o Grupo de Ballet Stúdio de Danças. Foto: Rogério Alves

Dia 3 de agosto de 2016, Quarta-feira, 19h
Epílogo, com o Grupo de Ballet Stúdio de Danças (PE)
Onde: Teatro Apolo,
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
Duração: 40 min.
Classificação livre

O termo epílogo significa conclusão. Indica a parte final de um discurso ou onde é apresentado e desfecho da história. Nele estarão presentes todos os fatos que dão por encerrada a intriga. É a parte do texto em que se descreve o destino das personagens que constituem a trama. No epílogo também podem ser revelados fatos que complementam o sentido da ação. Numa peça de teatro, o epílogo é a última cena, a última fala ou o último ato que dá por encerrada a ação.
Direção do Grupo de Ballet Stúdio de Danças: Ruth Rozenbaum e Lúcia Helena Gondra
Direção de EPÍLOGO: Luiz Roberto
Coreografia: Luiz Roberto
Figurinos e Cenário: Xuruca Pacheco
Iluminação: Martiniano Almeida
Músicas: Hughes De Courson, Pierre Akendengué, Osvaldo Cala, Tomas Gubitsch, Sami Ateba e Nana Vasconcelos.
Bailarinos: Ariana Lima, Beatriz Gondra, Brenda Schettini, Carolina Paiva, Cecília Wanderley,      Isabela Loepert, Isabela Severi, Julia Franca, Juliana Siqueira, Marcio Filho, Maria Cecília Vilela.

Segunda pele. Foto: Ju Brainer

Segunda pele. Foto: Ju Brainer

Dia 3 de agosto de 2016, Quarta-feira, 19h
Segunda Pele, com o Coletivo Lugar Comum (PE)
Onde: Espaço Coletivo Lugar Comum,
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
Duração: 70 min.
Indicado para maiores de 16 anos

Quantas vestes precisamos deixar pelo caminho para completar cada um dos nossos ciclos singulares de desnudamentos gerúndios? O que significa desnudar-se? Aquilo que usamos sobre o corpo, o que nos adorna ou o que vestimos, também traz em si as informações culturais, sociais, políticas, os gritos, silêncios, prisões e liberdades, a identidade de um povo, de uma época ou de um homem, de uma criança, de uma mulher. O que veste o espaço além do corpo? Que desenhos a vestimenta imprime no ambiente compartilhado entre a presença e o ar? Plástico, elástico, arame, vidro, velcro, poliestireno celular rígido, como a nossa pele, o nosso corpo e o outro reagem ao contato? A memória também é uma roupa que usamos? Tecido, costura, cor, vento, textura, raízes, asas, o que tudo isso provoca da superfície ao avesso? É essa reflexão que o Coletivo Lugar Comum leva para cena em Segunda Pele.
Concepção: Liana Gesteira, Maria Agrelli, Maria Clara Camarotti , Renata Muniz e Silvia Góes
Interpretes-criadoras: Liana Gesteira, Maria Agrelli, Maria Clara Camarotti e Renata Muniz
Concepção e criação de figurino: Juliana Beltrão, Maria Agrelli e Maria Ribeiro
Execução de figurino: Xuxu e Fatima Magalhães
Colaboração na execução de figurino: Ilka Muniz e Maria Lima
Trilha sonora original: Rua (Caio Lima e Hugo Medeiros) + convidados (Cyro Morais e Paulo Arruda) + letra de Silvia Góes
Criação e execução de iluminação: Luciana Raposo
Operação de Luz: Luciana Raposo
Assistente de iluminação/ cenotécnico: Sueides Leal (Pipia)
Execução de cenário/estrutura: Gustavo Araújo e Marcos Antônio
Preparação corporal: Silvia Góes
Produção geral: Vi Laraia
Design gráfico: Thiago Liberdade
Fotos: Ju Brainer
Realização: Coletivo Lugar Comum

Mostra de Coreografias de Grupos em Formação (PE)

Dia 4 de agosto de 2016Quinta-feira, 20h
Onde: Teatro Luiz Mendonça,
Ingressos: R$30, R$15, R$10 e R$5*
Classificação livre para todos os trabalhos

Frevariando, com Cia de Frevo do Recife
Duração: 15 min.
Tem como principal objetivo agregar outras linguagens da dança à prática do frevo, inovando as movimentações sem perder a origem dos passos. Sua composição coreográfica tem como principal influência o frevo e secundariamente outros gêneros da dança, como o contemporâneo, dança de salão e jazz, entre outros. Desafiar o óbvio, quebrar a formalidade, assim como causar inquietação faz parte do objetivo da montagem.
Direção: Bruna Renata e Rennê Cabral
Elenco: Bruna Renata, Taina Karolaine, Rayara Suyene, Victoria Morais, Rennê Cabral, Wanderley Aires, João Vieira, Daniel Albuquerque e Junior Lopes

SUÍTE LA FILLE MAL GARDÉE, com Maysa Club
Duração: 10 min.
La fille mal gardée é um balé cômico que se passa numa aldeia de camponeses, na França. Foi representado pela primeira vez em Bordéus, em 1786, e produzido e coreografado por Jean Dauberval, um importante coreógrafo do século 18. La Fille Mal Gardée ou A filha mal criada é o ballet mais antigo no repertório atual dançado.
Direção e remontagem: Simone Monteiro
Elenco: Flávio Henrique (Colas), Julia Hertz (Lise), Mauricio Zazar (Alan), Gustavo Albuquerque (Simone), Louise Candiotto, Helena Avelar, Gabriela Lopes, Leticia Oliveira, Thalia Souza e Camila Lins (Amigas de Lise).

Eu vim de lá, com Coletivo Recbeats
Duração: 7 a 8 min.

A coreografia retrata a chegada dos africanos na América e suas fusões culturais. Dança, canto e interpretação mostram a riqueza que existe na simplicidade da cultura negra ao longo do tempo.
Direção: Rany Hilston
Intérprete: Rany Hilston
Ajudante de palco: Duda

Entre Sombrinhas, , com Studio Viégas de Dança
Duração: 10 min.

Frevo. Trabalhando dois elementos referenciais da dança, o passo e a sombrinha, a coreografia tem o intuito de levar à cena passistas que têm por objetivo desafiar seus próprios corpos através de passos mais elaborados, com foco na sombrinha. Os passistas/bailarinos tem por objetivo tirar o público da cadeira, vibrando e vivendo a cultura do nosso estado que se tornou Patrimônio da Humanidade.
Diretor e Produtor: Jorge Viégas
Coreógrafo: Bhrunno Henryque
Elenco: Arylson Matheus, Stephany Santiago, Moisés Jefferson, Kézia Giles, Jonathan Carneiro, Luana Conceição, João Pedro Araujo, Ruanny de Cássia, Junior Souza e Maria Lucrécia.

Le Jardin Animé, com Academia Fátima Freitas
Duração: 8 min.
Le Corsaire, conhecido em português como O Corsário, é um Ballet de Repertório, baseado no poema de Lord Byron, com música de Adolphe Adam (com peças adicionais) e coreografias de Marius Petipa. O trecho a ser apresentado, Le Jardin Animé, se refere à Cena II do Ato III, quando Medora, Gulnare e as mulheres do harém vão juntas a um jardim repleto de flores e fontes mágicas, celebrar a beleza, graça e harmonia.
Direção Geral: Fátima Freitas
Coreografia: Márius Petipá
Adaptação: Dayvison de Albuquerque
Música: Adolphe Adam
Elenco: Anna Júlia Xavier, Anna Luisa Aquino, Gabriela Baltar, Laila Farias, Mariana Santoro, Marta Guedes, Maria Eduarda Moreira, Monique Vilella, Nayanne Ramalho, Paula Torres.
Solista: Luanna Gondim

PAVÃO, com Babi Johari
Duração: 4:58 min.
A coreografia Pavão une movimentos de dança do ventre e étnico fusionados. A montagem é uma representação da atual problemática política em que se encontra o país em forma de poesia em dança.
Figurino e coreografia: Babi Johari

Suíte Clássica Marius Petipa, com Ballet Cláudia São Bento
Duração: 9 min.
Suíte Clássica é composta por trechos de três balés de repertório originalmente coreografados por Marius Petipa: Harlequinade (1900) – variação feminina, Arábia (1892) – Pas de Deux do Ballet O Quebra Nozes e Paquita (1846) – variação VI.
Direção: Cláudia São Bento
Variação Harlequinade – Bailarina: Bruna Fernanda | Música: Ricardo Drigo
Pas de Deux Arabia do ballet Quebra Nozes: Bailarinos:  Everton Câmara e Nayanne Ramalho | Música: Piotr Ilitch Tchaikovsky
Variação 6 de Paquita – Bailarina: Maria Marina São Bento | Música: Edouard Delvedez

Zuzuê<, com Gesttus Grupo de Dança
Duração: 5 min.
Zuzuê retrata a beleza e simplicidade da mulher nordestina, que ao mesmo tempo encanta por sua delicadeza, comove e inspira por sua força.
Direção geral e concepção:  Larissa Porto e Vannina Porto
Coreografia: Larissa Porto
Elenco: Aline Costa Pinheiro, Amanda Oliveira, Diana Lóris, Mayara Mesquita, Priscilla Andrade, Sabrina Arruda, Thais Wanderley.

Brâman, com Gesttus Grupo de Dança
Duração: 3 min.
Brâman é o termo que designa o princípio divino para o hinduísmo, celebra as oito divindades indianas: Brahama, Vishinu, Shiva, Ganesha, Durga, Rama, Lakshmi e Saraswati, as suas particularidades e como juntos eles equilibram as forças do mundo.
Direção geral e concepção:  Larissa Porto e Vannina Porto
Coreografia: Vannina Porto
Elenco: Aline Costa Pinheiro, Amanda Oliveira, Priscilla Andrade, Sabrina Arruda, Thais Wanderley, Marina Petribú, Debora Tavares e Victor Félix

Chicago, com Ballet Fernanda D’angelo
Duração: 3 min.
Coreografia apresentada no espetáculo Musicais Inesquecíveis…Canções Eternas! em homenagem a um dos musicais mais clássicos da Broadway. É uma história sobre o pecado, a corrupção, os escândalos e a fama em Chicago na década de 20 do século passado.
Coreografia: Marcelo Pereira e Fernanda D’angelo
Elenco: Amanda Lopes, Alane Rebêlo, Arthur Victor, Beatriz Raposo, Claudio Rodrigues, Déborah Evelyn, Giovanna Araújo, Kayo Alcantara, Luiza Aymar, Maria Antônia Massau,  Marcela Costa, Mariana Martins, Sarah Mesquita, Mikely Santos.
Diretora/Ensaiadora: Fernanda D’angelo
Maquiadora/Apoio: Erica Fernandes
Responsável técnico projeção: Joselito Fernandes

Manguesoul, com Gesttus Grupo de Dança
Duração: 4 min.
A coreografia é uma homenagem ao Manguebeat, movimento que injetou energia na lama e estimulou a fertilidade nas veias do Recife, propôs misturas de ritmos e soma de culturas.
Direção: Larissa Porto e Vannina Porto
Coreografias e concepção: Larissa Porto
Elenco: Diana Loris e Victor Félix

Variações clássicas, com o Grupo Aria clássico
Duração: 10 min.
O grupo Aria clássico apresenta 4 variações do seu repertório clássico. A primeira é Gulnara do balé o Corsário, que combina aventura e romantismo. A segunda é Flor de lis, do balé Esmeralda, uma história de amor cheia de empecilhos e triângulos amorosos. Já a terceira mostra a sensualidade do tango, e a quarta é a variação Esmeralda, do balé de mesmo nome.
Variação Gulnara – Balé O Corsário
Bailarina: Alícia Cohim
Variação Flôr de Lis – Balé Esmeralda
Bailarina: Tereza Augusta
Variação Tango – Coreografia da escola Vaganova
Bailarina: Fernanda Viegas
Variação Esmeralda – Balé Esmeralda
Bailarina: Nataly Araújo

Frida<, com Renata Botelho
Duração: 5 min.
Criado a partir de elementos da dança e teatro, o solo desenvolvido por Renata Botelho é inspirado na artista mexicana Frida Kahlo e enfatiza a expressão e representação dramática.
Intérprete criadora: Renata Botelho
Música: Trilha sonora do filme Frida Kahlo

Do Gélido Silêncio Sem Cor, Thiago Barbosa
Duração: 5 min.
Converge dança e performance para criar um cenário de metáforas e subjetivações sobre o que é estar no mundo e sentir-se arrastado pelo curso das multidões, consumido pelo sistema sócio-político-econômico-cultural vigente, e imerso em uma virtualidade de onde faz-se necessário escapar.
Bailarino-performer e coreógrafo e concepção: Thiago Barbosa.

MOSTRA DE COREOGRAFIAS PROFISSIONAIS (PE)

Dia 5 de agosto de 2016, Sexta-feira, às 19h
Onde: Teatro Apolo
Ingressos: R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*

Suíte La Bayadère, com Ballet da Cidade do Recife
Duração: 16 min.
Classificação Livre
La Bayadère é um ballet de Khudenov, com música de Ludwig Minkus e coreografia de Marius Petipa. Teve estréia mundial em 1877 no Theatro Mariinsky de São Petesburgo. O ballet narra a história de Nikiya, uma dançarina do templo de Solor (um jovem guerreiro). Esta Suíte retrata cenas do Ato II, onde ocorre a celebração do noivado de Solor e Ganzatti.
Direção Geral: Fátima Freitas
Coreografia: Márius Petipá
Adaptação: Dayvison de Albuquerque, Isabel Ferreira
Música: Ludwig Minkus
Cenário e Figurino: Marcondes Lima
Adereços: Henrique Celibi e Fábio Andrade
Elenco: Dayvison de Albuquerque, Isabel Ferreira, Thereza Rachel Freitas, Roberta Cunha, Márcio Filho, Jefferson Figueiredo, Flávio Henrique, Fernanda Lobo, Jeanne Freitas, Monique Vilella.

Dor de Pierrot. Foto: Ju Brainer

Dor de Pierrot. Foto: Ju Brainer

Dor de Pierrot – 80 aos pedaços, com Gardênia Coleto (artista independente/PE)
Duração: 15 a 20 min.
Classificação livre
A partir de registros do movimento artístico-político ocorrido nos anos 1980, na cidade do Recife, a reperformance constrói um novo olhar sobre a obra Dor de Pierrot, criada em 1984 pelo bailarino Bernot Sanches. A composição se dá através de fragmentos coreográficos e discursivos de obras e textos feitos na década de 80. A obra traz, ainda, uma reflexão sobre as repetições e transformações concernentes ao tratamento do artista da dança na capital pernambucana.
“as coisas vão indo de mal a pior, e nós, bailarinos, homens e mulheres que acreditamos realmente no trabalho, precisamos nos unir por uma organização em busca dos nossos direitos…” (Bernot Sanches).
Dançarina-Criadora:  Gardênia Coleto
Orientação: Roberta Ramos
Colaboradores Artísticos: Luiz Roberto Silva, Marcela Aragão e Adelmo do Vale
Figurino cedido pelo Acervo Recordança.
Inspirado na obra Dor de Pierrot de Bernot Sanches

A Pele da Luz, com Luciana Freire D’Anunciação (PE)
Duração: 15 min.
Classificação livre

E se nosso olhar tocasse o mundo? Tudo o que rebatesse luz e nos fizesse visível aos olhos também tocaria nossa pele numa reciprocidade mútua de toques e sensações. É justamente pensando na qualidade tátil da luz que Luciana Freire D’ Anunciação cria o espetáculo A Pele da Luz, um solo de dança que interage e é unicamente iluminado por uma vídeo-projeção.
Performance, conceito: Luciana D’Anunciação
Montagem do video mapping/projeção: Parjad Sharifi
Música: Alex Mah
Cinematografia: Sepehr Samimi
Assistente de câmera: Marc-Olivier Harvey
Performers do vídeo-projeção: Valerie Christian, Rachael Helten, Emilio Rojas, Nicola Awang, Nicholas Masato, Karley Kyle-Moffat
Edição: Luciana D’Anunciação

Dia 6 de agosto de 2016, Sábado, 20h

Zambo, com o Grupo Experimental (PE)
Onde: Teatro Luiz Mendonça (Av. Boa Viagem, s/n, Boa Viagem),
Ingressos:
R$ 30, R$ 15, R$ 10 e R$ 5*
Duração:
45 min.
Classificação:
Livre
O Grupo Experimental
celebra a dança como ato de resistência a partir da reconstrução do espetáculo Zambo (1997), uma das obras inaugurais do Grupo, convidando todos àqueles que construíram a história de luta por uma arte feita no coletivo, em meio à exaltação às individualidades correntes na contemporaneidade.
O espetáculo traduz esteticamente as ideias do movimento Mangue, tanto nos figurinos e na coreografia, quanto nos cenários e, em especial, na trilha sonora, também executada ao vivo.
Ficha técnica:
Zambo/Gerações
Concepção e Coreografia:
Mônica Lira e Sonaly Macedo
Figurino:
Período Fértil
Iluminação:
Beto Trindade
Concepção Maquiagem e Penteados:
Ivan Dantas
Cenário:
Evêncio Vasconcelos
Músicas:
Nusrat Fateh Ali Khan, DJ Spooky, Geoffrey Oryema, Antúlio Madureira, Jorge Du Peixe, Gilson Santana e Gustavo Oliveira
Elenco Primeira Montagem (1997):
Ana Emília Freire, Eduardo Góes, Ivan Dantas, Fernanda Lisboa, Gilson Santana (mestre meia noite), Gustavo Oliveira, Mônica Lira e Renata Lisboa, Mônica Lira, Renata Lisboa, Sonaly Macedo, Jorge Du Peixe (músico convidado).
Elenco Segunda Montagem (2007):
Anne Costa, Calixto Neto, Lilli Rocha, Kleber Candido, Gilson Santana (mestre meia noite), Maria Agrelli, Renata Muniz, Silvio Barreto, Valéria Vicente, Tarcísio Resende (musico convidado).
Elenco Terceira Montagem (2012):
Daniel Silva, Everton Gomes, Januária Finizola, Jennyfer Caldas, Lilli Rocha, Patrícia Pina, Rafaella Trindade, Ramon Milanez.
Elenco Quarta Montagem (2016- Mostra Brasileira de Dança):
Gardênia Coleto, Jorge Kildery, Lilli Rocha, Márcio Filho, Rafaella Trindade, Rebeca Gondim
Artistas convidados:
Ana Emília Freire, Eduardo Góes, Fernanda Lisboa, Mônica Lira, Renata Lisboa, Anne Costa, Maria Agrelli, Renata Muniz, Silvio Barreto, Everton Gomes, Januária Finizola, Jennyfer Caldas, Ramon Milanez.
Musico Convidado:
Tarcísio Resende (Grupo de Percussão Quebra-Baque)
Participação especial:
Gilson Santana (mestre meia-noite) e Orun Santana
Texto:
Gardênia Coleto
Design gráfico:
Carlos Moura
Produção:
Emeline Soledade
Consultoria
Técnica: Danilo Carias
Figurino:
Período Fértil
Iluminação:
Beto Trindade
Assistente de coreografia:
Lilli Rocha e Rafaella Trindade
Ensaiador/fotógrafo (registro ensaios):
Ivan Dantas
Vídeo (produção e edição):
Diego Cruz

Dia 7 de agosto de 2016, Domingo, das 10h às 12h

ENCERRAMENTO

Dança Solidária
Apresentação com grupos locais e encerramento da campanha ‘Adote uma bailarina ou um bailarino’, com entrega dos artigos de dança doados durante a MBD.

Onde: Compaz (Av. Aníbal Benévolo, S/N – Alto Santa Terezinha)
Gratuito
Classificação: Livre

13ª Mostra Brasileira de Dança
29 de julho a 07 de agosto de 2016.

FICHA TÉCNICA

DIREÇÃO: Iris Macedo e Paulo de Castro
REALIZAÇÃO:: IM – Desenvolvimento de Ideias e Projetos e Paulo de Castro Produções
ASSESSORIA DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO: Hayla Cavalcanti
CURADORIA NACIONAL E INTERNACIONAL: Iris Macedo e Paulo de Castro
CURADORIA – ESPETÁCULOS E COREOGRAFIAS DE PERNAMBUCO: Airton Tenório, Ivana Moura e Maria Paula Costa Rêgo
CURADORIA – AÇÕES FORMATIVAS: Liana Gesteira
PRODUÇÃO EXECUTIVA : Andréa Silva e Hudson Wlamir
COORDENAÇÃO DE TEATROS: Carla Navarro, Danilo Carias e Rogério Alves
COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: Liana Gesteira
COORDENAÇÃO TÉCNICA: Luciana Raposo
APOIO DE PRODUÇÃO: Júlio Antonio
MOTOQUEIRO: Evandro Alves

Postado com as tags: , ,

Movimentos contraditórios da cidade

Foto: Rogério Alves

Tijolos do Esquecimento, do Acupe Grupo de Dança. Foto: Rogério Alves

As Cidades invisíveis, de Ítalo Calvino, é o detonador para reflexões do fenômeno urbano no espetáculo Tijolos de Esquecimento, do Acupe Grupo de Dança. A montagem está em cartaz no Teatro Hermilo Borba Filho.

A urbe feita de pedra é também formada de outras substâncias imateriais exuberantes e subversivas. Nos faz crer o escritor italiano (nascido em Santiago de las Vegas, Cuba), que cada cidade é única em sua composição e idiossincrasias, no embate e sonhos de seus habitantes. O lugar do indivíduo é indagado pelo diretor e coreógrafo Paulo Henrique Ferreira, do Acupe, nos passos e gestos dos bailarinos.

A poeta Flávia Gomes desenvolveu a dramaturgia de Tijolos de Esquecimento e propôs uma imersão no imaginário urbano.

O “encantamento” com um passado melhor é erguido como uma “armadilha” da memória. As coreografias exploram essas e outras contradições, em movimento de atração e repulsão do espaço físico, retorcendo-se contra a opressão. E alegre-se com a motivação inconsciente do desejo nos caminhos infinitos produzidos por nossas escalações.

As Cidades Invisíveis, de Calvino expõe as urbes imaginárias que Marco Polo descreveu ao imperador Kublai Khan. Os lugares carregam nomes de mulheres como: Esmeraldina, Leônia, Cecília. A história ocorre durante o século 13. O escritor inventa um diálogo fantástico entre o imperador dos tártaros (Kublai Khan) e Marco Polo, apontado como o maior viajante de todos os tempos.

As teias de palavras e elucubrações fantásticas do escritor ganham os corpos dos bailarinos Anne Costa, Henrique Braz, Jadson Mendes, Silas Samarky e Valeria Barros.

O território da peça coreográfica não é explicitado. Seus personagens vagueiam ansiosos, entre angustias e desejos, memória afetiva e dinâmicas reais ou dissimuladas. Mobilidade e mutabilidade urbanas na esteira do ser mutante da cidade e do cidadão. Esses atores exploram as camadas desse espaço urbano, a tessitura da plaga, num embate constante entre rotina e mutação.

Foto: Rogério Alves

Espetáculo tem direção de Paulo Henrique Ferreira. Foto: Rogério Alves

Tijolos de Esquecimento
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Rua do Apolo, 121, Bairro do Recife)
Quando: 15, 16 e 17/7, às 20h.
Informações: 3355-3320.

Direção: Paulo Henrique Ferreira
Coreografias: O grupo (processo colaborativo )
Dramaturgia: Flávia Gomes
Intérpretes criadores: Anne Costa, Henrique Braz, Jadson Mendes, Silas Samarky e Valeria Barros.
VJ e criação de vídeos: Alberto Saulo
Sonoplastia: Rodrigo Porto Cavalcanti
Iluminação: Luciana Raposo
Classificação: 16 anos

Postado com as tags: , , , , ,