Banquete para objetos animados

Sala de Jantar inaugura nova fase da produtora teatral de Edvane Bactista e Ruy Aguiar. Foto: Divulgação

Sala de Jantar inaugura nova fase da produtora teatral de Edivane Bactista e Ruy Aguiar. Foto: Divulgação

A Métron Produções, no mercado teatral recifense há 19 anos, sabe explorar as propriedades da palavra resiliência. A crise é cíclica, a cultura nunca foi a prioridade das políticas governamentais, existe carência de palcos e parcos incentivos, a cena teatral precisa enfrentar adversidades. A produtora inventa e reinventa o seu jeito de sobreviver. Dessa vez abriu o escritório da companhia – localizada no bairro da Boa Vista – e transformou a sede em espaço para apresentações cênicas de diversos formatos, cursos, oficinas e o que mais vier.

E esse novo ciclo abriga a curta temporada do espetáculo de formas animadas Sala de Jantar, mais uma experimentação da empresa cultural. Na peça que tem texto e direção de Ruy Aguiar, Taças, Talheres, Pratos, Castiçais e Guardanapos são personagens de uma trama que se passa num castelo europeu no século 19. Essas figuras/objetos articulam a preparação de um banquete requintado e a interação com os humanos, sob a liderança do Lacaio.

Nesse espaço intimista, os artefatos ganham personalidades específicas, vinculadas às funções de cada um. O elenco – formado pelo próprio Ruy Aguiar, Adilson Carvalho, Edivane Bactista, Fabiana Coelho e Ryan Rodrigues – utiliza várias técnicas de manipulação em linguagens diferentes, como ilusionismo, mágica, teatro de sombras.

O texto foi fecundado no curso de dramaturgia “Na fronteira das linguagens”, proposto em 2008 pelo dramaturgo pernambucano Luiz Felipe Botelho, que também foi a semente de outras peças pernambucanas.

A montagem é produzida com incentivo do Funcultura.

FICHA TÉCNICA
Texto e Direção: Ruy Aguiar
Pesquisa Musical / Trilha Sonora: Lailson Cavalcante
Consultoria para Efeitos Especiais: Ryan Rodrigues  
Figurinos / Ambientação cenográfica: Marcondes Lima
Concepção do cenário: Ruy Aguiar
Desenho de Luz: Saulo Uchoa
Execução de luz: João Guilherme / Natalie Revorêdo (Farol Ateliê da Luz)
Execução de Sonoplastia: Ailton Brisa
Oficineira: Maria Oliveira 
Cenotécnico: Mario Almeida 
Aderecistas:  Ryan Rodrigues / Manuel Carlos / Elida Tavares   
Confecção de figurino e cenário (Costuras): Edilene Silva / Maria Lima
Gravação e mixagem: Marcílio Moura (Fábrica Estúdios)
Design Gráfico: Hilton Azevedo
Impressão: Contorno ideias e soluções

Produção Geral: Edivane Bactista / Ruy Aguiar
Produtor Cultural/ Proponente: Ruy Aguiar
Apoio de Produção: Camila Azevedo / Élida Tavares
Assessoria de Imprensa: Edivane Bactista (DRT/PE: 2151)
Incentivo Cultural: Funcultura / Fundarpe / Secretária de Cultura / Governo de Pernambuco
Realização: Métron Produções

Elenco:
Adilson Di Carvalho (Lacaio)
Edivane Bactista (Visitante)
Fabiana Coelho (Ajudante da cozinha / Guarda)
Ruy Aguiar (Visitante)
Ryan Rodrigues (Ajudante / Guarda)
Fabiana Coelho (Cadeira / Taça)
Mônica Maria (Toalha)
Isabela Cavalcanti (Faca / Taça)
Ruy Aguiar (Guardanapo)
Ryan Rodrigues (Garfo / Prato)
Simone Santos (Cadeira / Jarra)

Serviço
Espetáculo ‘Sala de Jantar’
Quando: Sábado e domingo, às 19h, até 9 de abril
Onde: Sede da Métron Produções (Rua Tabira, 109, Boa Vista – Recife)
Capacidade: 20 espectadores
Ingressos: R$ 20 e R$ 10
Reserva de ingressos: (81) 3423 1568 ou pelo Whatsapp, 8199418 0025.

Postado com as tags: , , , , ,

Comédia investe em terapia por telefone

 

Solange Couto interpreta terapeuta e sexóloga

Solange Couto interpreta terapeuta e sexóloga

A atriz Solange Couto ainda escuta o bordão “né brinquedo não!”, de sua personagem Dona Jura, da novela O Clone, que fez há mais de 15 anos. Segue em busca de outras alegrias no monólogo Tem alguém na linha?, em que interpreta várias personagens. A apresentação da peça ocorre neste sábado, às 20h, no Teatro Experimental Roberto Costa (Paulista North Way Shopping), no município de Paulista, Região Metropolitana do Recife. A terapeuta e sexóloga busca resolver problemas sentimentais, sexuais e profissionais, somente por telefone. É o que ela chama de fonoterapia 30 horas.

A protagonista é uma mulher estressada, mal-humorada, reclamona e compulsiva mas que assume a postura de mulher resolvida, prática, calma, competente, alegre e completamente sem problemas quando atende suas pacientes.

As pacientes são estereótipos engraçados. De uma rica e esnobe madama, passando por uma serelepe empregada, uma funcionária pública e a cobradora de ônibus Sheilão, que tem uma namorada chamada Leninha. Maria Carmem liga para a doutora todos os dias para falar de suas paradas com algum homem casado, separado, complicado ou tarado. E pode aparecer ou desaparecer alguma dessas personagens.

A peça foi escrita por Regiana Antonini e dirigida por Augusto Brilhante e Lauro Santanna.

TEM ALGUÉM NA LINHA?
Monólogo com Solange Couto
Quando: 11 de março (sábado), às 20h.
Onde: Teatro Experimental Roberto Costa (North Way Shopping, s/n, Paulista).
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia).
Informações: 98463-8388.

Postado com as tags: ,

Marcas do passado escravocrata

Espetáculo A Última Cólera no Corpo de Meu Negro

Espetáculo A Última Cólera no Corpo de Meu Negro

Raphael Gustavo, autor e intérprete de A Última Cólera no Corpo de Meu Negro, expõe o racismo da sociedade brasileira e enfoca as tensões entre casa grande e senzala com os elementos de sexualidade e religiosidade. Nessa história situada no século 19, o protagonista Bastião trava uma luta, um jogo de humilhações com outro ser humano. Amor, ódio e perversidade fazem uma trama de segredos e prisões que o tempo irá cobrar.

O espetáculo faz apresentações neste sábado e domingo, na sede do Poste. A Cia Experimental de Teatro, de Vitória de Santo Antão, interior de Pernambuco, desenvolve há quase uma década trabalhos com a questão da herança afrodescendente. Em A Última Cólera no Corpo de Meu Negro a montagem contou com a colaboração dos artistas d’O Poste Soluções Luminosas, Samuel Santos e Naná Sodré, que também investigam o universo da cultura negra para combater o preconceito. 

Ficha técnica
Texto: Raphael Gustavo
Direção: César Leão
Preparação Corporal: Cleiton Santiago
Preparação De Ator: O Poste- Soluções Luminosas (Samuel Santos, Naná Sodré)
Sonoplastia: Fabiano Falcão
Cartazes: Ian de Andrade
Fotos: Lucivânio Moura

SERVIÇO
A Última Cólera no Corpo de Meu Negro, com a Cia Experimental de Teatro
Onde: Espaço O Poste- Rua da Aurora- 529- Boa Vista
Quando: Sábado, 11/03, às 20h e domingo, 12/03, às 19h
Quanto: R$ 20

Postado com as tags: , , , , , ,

O menino da gaiola é lançado em livro

Primeiro texto de Cleyton Cabral é lançado na Torre Malakoff. Foto: Alex Ribeiro / Divulgação

Primeiro texto de Cleyton Cabral é lançado na Torre Malakoff. Foto: Alex Ribeiro / Divulgação

O teatro para infância também abraça temas espinhosos. É o caso da peça O Menino da gaiola, que trata do abuso sexual de crianças, da violência urbana e da poluição. É a primeira peça do publicitário, ator, escritor e blogueiro Cleyton Cabral, lançada em livro neste sábado (11), na Torre Malakoff, bairro do Recife Antigo.

O protagonista dessa história é Vito, garoto orfão que pede à avó e ao tio uma gaiola como presente de aniversário de 10 anos. Ele passa a anotar o sonho das pessoas e guardar os papeizinhos dentro do engradado para em casa soltar esses desejos para “voarem como pássaros”.

Nesse percurso de relatos ele se depara com algumas situações dramáticas. A de um velho que foi violentado por dois homens e teve o rosto queimado; a de uma menina que sofre abuso sexual e dois pescadores de só retiram lixo do rio.

O personagem Vito, o protagonista de O menino da gaiola nasceu em em 2010, quando Cleyton participou do Grupo de Estudos de Dramaturgia da Fundação Joaquim Nabuco, coordenado por Luiz Felipe Botelho.

O texto ganhou uma encenação em 2013, com direção de Samuel Santos. Em 20016, a peça recebeu o incentivo do Funcultura para ser publicada e também terá um versão em braile, produzida pela Biblioteca Pública Estadual, que deverá ser lançada em maio.

A edição tem design assinado pelo artista plástico Java Araújo. Inclusive as ilustrações originais do livro estarão disponíveis para venda nessa tarde de autógrafos. A produção executiva do projeto é de Alexandre Melo, diretor da produtora Nós pós.

capaSERVIÇO
Lançamento de O menino da gaiola
Quando: Sábado (11), às 16h
Onde: Torre Malakoff

Autor: Cleyton Cabral
Ilustrações: Java Araújo
Editora: Cepe
Páginas: 47
Preço: R$ 10

Postado com as tags: ,

Teatro de reflexão e resistência. Vem aí a MITsp!

Espetáculo belga abre a 4ª MITsp. Foto: Phile Deprez

Espetáculo belga abre a 4ª MITsp. Foto: Phile Deprez

Que estamos vivendo uma crise econômica, política, social, não há nisso novidade. Um golpe arquitetado por homens brancos, ricos, corruptos e vestindo ternos tirou do poder a presidenta Dilma Rouseff. Depois disso, diariamente, nos deparamos com notícias e declarações que nos fazem quase perder a fé de que ainda há alguma possibilidade neste país. Mas qual o papel dos artistas diante disso? E de um festival de teatro? A quarta edição da MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que começa na próxima terça-feira (14) e dura uma semana (21), decidiu ao menos (um grande intento) tentar refletir sobre o momento que estamos atravessando. O texto curatorial, praticamente um manifesto, assinado por Antônio Araújo, diretor artístico da MITsp, e Guilherme Marques, diretor geral de produção, fala sobre resistência. “Não apenas resistência de sobrevida para um festival ainda novo, mas de fortalecimento da imaginação, de recusa ao cinismo, de superação da apatia e, principalmente, de continuar acreditando na nossa capacidade de ação e de transformação. Recusamos, em igual medida, tanto o estado de coisas a que chegou este país, quanto o estado de ‘coisa’ que insistem em nos imputar”.

Desde a primeira edição da MITsp, não só a curadoria dos espetáculos faz com que a mostra tenha se tornado a mais significativa do país para o teatro de pesquisa, mas a ideia fundamental de que teatro e reflexão andam juntos. Se os espetáculos conseguem, em sua grande maioria, nos tirar do eixo pela experimentação artística, pelas temáticas, pelas abordagens, pelo hibridismo de linguagem, a discussão criada em torno desses espetáculos e do próprio teatro sempre foi um dos pilares da mostra. Este ano, a curadoria do eixo denominado Olhares Críticos, responsável por pensar todas essas conexões em torno da reflexão que a mostra pode gerar, foi assinada pelos jornalistas e críticos Kil Abreu e Luciana Romagnolli. As ações pedagógicas continuam sob a responsabilidade da jornalista Maria Fernanda Vomero. Há ainda o seminário internacional Discursos sobre o Não Dito: racismo e a descolonização do pensamento, cuja curadoria é de Eugênio Lima e Majoí Gongora.

A mostra começa oficialmente (algumas atividades pedagógicas já iniciaram) no Theatro Municipal de São Paulo, dia 14, com o espetáculo belga Avante, Marche!, direção de Alain Platel, Frank Van Laecke e Steven Prengels. Uma banda de música, que pode servir como retrato da nossa sociedade, e a situação de saúde de um músico nos colocam diante da resistência e da finitude. O espetáculo vai contar com músicos brasileiros, sob a regência do maestro Carlos Eduardo Moreno. Para quem for na segunda sessão, no dia 15, um presente: Tom Zé vai comentar o espetáculo ao final da apresentação, na ação intitulada Diálogos Transversais.

Artista libanês Rabih Mroué apresenta três trabalhos. Foto: Houssam Mchiemech

Artista libanês Rabih Mroué apresenta três trabalhos. Foto: Houssam Mchiemech

Ainda no dia 14, começam as sessões da Mostra Rabih Mroué. O artista visual, dramaturgo, diretor e performer libanês apresenta três espetáculos: Tão Pouco Tempo, Revolução em Pixels e Cavalgando Nuvens. Na coletiva de imprensa da mostra, Antônio Araújo revelou que tenta trazer o artista à MITsp há alguns anos. O trabalho de Rabih Mroué condiz com um dos principais eixos da mostra este ano: o teatro documentário, produções que utilizam fatos reais, documentos, história. No caso do libanês, o contexto de guerra do seu país é levado ao palco, como em Revolução em Pixels, quando ele discute como os sírios estavam documentando a guerra e a própria morte; ou em Cavalgando Nuvens, que tem como performer seu irmão, vítima de um tiro durante a guerra civil libanesa. A ação Pensamento-em-processo, uma conversa com Rabih Mroué, sua esposa (que também é performer em Tão Pouco Tempo) Lina Majdalanie, e seu irmão Yasser, será mediada no dia 16, às 10h, no Itaú Cultural, por Pollyanna Diniz, uma das editoras do Satisfeita, Yolanda?.

Por que o Sr. R, Enlouqueceu? Foto: Ju Ostkreuz

Por que o Sr. R, Enlouqueceu? Foto: Ju Ostkreuz

Outros três espetáculos internacionais compõem a MITsp: o alemão Por que o Sr. R. Enlouqueceu?, com direção de Susanne Kennedy para a Münchner Kammerspiele, uma montagem que faz a adaptação do filme homônimo de Rainer Werner Fassbinder; Mateluna, continuação de Escola, vista na primeira MITsp, do chileno Guillermo Calderón; e Black Off, de Ntando Cele, diretora e performer da África do Sul. Esse último trabalho compõe outro eixo significativo na MITsp: a discussão sobre racismo, empoderamento negro, branquitude e opressão. Tanto que dois dos três espetáculos brasileiros que integram a mostra, A Missão em Fragmentos: 12 cenas de descolonização em legítima defesa, com direção de Eugênio Lima, e Branco: o cheiro do lírio e do formol, de Alexandre Dal Farra e Janaina Leite, enveredam por esse caminho, mas por diferentes vias. O terceiro espetáculo brasileiro da mostra é Para que o céu não caia, da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Os ingressos já estão esgotados, mas quem teve a sorte de comprar para a sessão do dia 18 de Para que o céu não caia, no Sesc Belenzinho, vai ter a chance de ouvir o xamã yanomami Davi Kopenawa, cujo livro inspirou o espetáculo, ao fim da apresentação, nos Diálogos Transversais.

Branco: o cheiro do lírio e do formol. Foto: André Cherri

Branco: o cheiro do lírio e do formol. Foto: André Cherri

Dentro dos Olhares Críticos, alguns destaques: o seminário Dimensões públicas da crise e formas de resistência, que contará com quatro mesas e convidados como Heloisa Buarque de Hollanda, Marcio Abreu, Vladimir Safatle, Suely Rolnik e Marcelo Freixo; uma discussão sobre teatro na Palestina, com o diretor Ihab Zahdeh, a atriz Andrea Giadach e Maria Fernanda Vomero; uma entrevista pública com Guillermo Calderón; o lançamento da nona edição da Trema! Revista de Teatro, do Recife; e a mesa Crítica e engajamento, uma proposta da DocumentaCena – Plataforma de Crítica (que reúne Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Horizonte da Cena), que será mediada por Ivana Moura, editora do Satisfeita, Yolanda?.

O Satisfeita, Yolanda?, aliás, acompanha a MITsp desde a sua primeira edição. Este ano, participamos novamente da mostra escrevendo críticas que serão distribuídas nos teatros e publicadas aqui no blog e no site da MITsp.

Confira a programação completa da MITsp no site da mostra.

Mateluna. Foto: Felipe Fredes

Mateluna. Foto: Felipe Fredes

Para Que o Céu Não Caia. Foto: Sammi Landweer

Para Que o Céu Não Caia. Foto: Sammi Landweer

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,