Arquivo da tag: Mike Bartlett

Medea contemporânea da Cia. do Sopro

 Fani Feldman (Medea) e Daniel Infantini (Jasão). Foto: Murilo Alvesso / Divulgação

Montagem se localiza na periferia de uma grande cidade. Foto: Murilo Alvesso @mualvesso

A Cia do Sopro quer discutir a situação da mulher atualmente Foto: Murilo Alvesso / Divulgação

A versão contemporânea de Medea (2012), de Mike Bartlett para o clássico de Eurípides, ganha montagem da Cia. do Sopro, com três apresentações presenciais de 26 a 29 de novembro no Teatro do Sesc Pompeia, e segue para temporada online de 29 de novembro a 7 de dezembro. Com tradução de Diego Teza, a peça tem no elenco Fani Feldman (Medea), Daniel Infantini (Jasão), Juliana Sanches (Pam), Maristela Chelala (Sarah), Plínio Meirelles (Andrew) e Bruno Feldman (Nick Carter) e Zé Henrique de Paula como diretor convidado.

O dramaturgo desloca o território e a realidade originais da Grécia antiga para um conjunto habitacional de subúrbio, que pode existir em qualquer parte do mundo. Medea foi largada pelo marido e está atordoada em seu lar conjugal, sem conseguir lidar com a situação, sem ânimo para trabalhar nem sossego para dormir. Seu filho perdeu a fala e ela planeja vingança.

Bartlett explora as engrenagens do universo masculino, mostra como os homens são incapazes de negar sua luxúria sexual. O autor busca tratar esse homem contemporâneo sem condescendência, por seus atos mordazes, ambivalentes, nem sempre justificáveis. Ao expor suas chagas diante de Jasão, Medea diz: “Eu divido os homens em três grupos: idiotas, tios e estupradores. Os idiotas precisam de uma mãe, os tios nos tratam como crianças e os estupradores querem nos foder, gostemos ou não”.

Nesta versão da tragédia clássica de Eurípedes, o autor Bartlett explora a “fúria privada que borbulha sob o comportamento público” e como, no mundo de hoje, uma mãe, alimentada pela raiva pela infidelidade, pode ser conduzida a cometer o crime contra o próprio filho.

A Cia do Sopro quer com a peça discutir a situação da mulher atualmente, e as condições e forças contrárias que sabotam a emancipação efetiva de direitos e lugar de fala. Formada por Fani Feldman, Rui Ricardo Diaz, Plínio Meirelles, Osvaldo Gazotti e Antonio Januzelli a Cia. do Sopro, que tem em sua trajetória os espetáculos A Hora e Vez e Como Todos os Atos Humanos.

“Medeia é um dos grandes clássicos do teatro grego”, discorre o diretor Zé Henrique de Paula. “A protagonista acuada, traída, vilipendiada, eviscerada por uma sociedade alicerçada pelo machismo estrutural fala integralmente aos dias de hoje. E infelizmente, fala demais ao Brasil de 2021, um país aterrorizado permanentemente por notícias diárias de abuso e feminicídio”.

Para Zé Henrique de Paula, “dirigir essa peça sendo um homem é exercitar a humildade e servir meramente de canal para que a voz – no nosso caso, o grito – das mulheres seja ouvido. Ouvido de verdade, o que significa permitir que esse grito, esse lamento, esse coro, sejam ferramentas de modificação de uma tremendamente injusta situação social”.

Mike Bartlett é um dramaturgo aclamado da Grã-Bretanha. No Brasil já foram montadas as peças Love, Love, Love (2018), com direção de Eric Lenate, e elenco formado por Débora Falabella, Yara de Novaes, Augusto Madeira, Mateus Monteiro e Alexandre Cioletti, que traça um retrato político e provocador das idiossincrasias geracionais de uma mesma família, de 1967 a 2014; Contrações (2013) também com as atrizes mineiras do Grupo 3 de Teatro – Débora Falabella e Yara de Novaes – sob direção de Grace Passô, investiga os conflitos da vida pessoal em meio ao cenário corporativo e critica a degradação nas relações de trabalho. Bull, uma tentativa não tão bem-sucedida de Bartlett de abordar o bullying no ambiente corporativo,  foi encenada em 2014, com direção de Eduardo Muniz e Flavio Tolezani, com elenco composto por Bruno Guida, Cynthia Falabella, Muniz e Tolezani.

Medea. Foto: Murilo Alvesso / Divulgação

Ficha Técnica
Texto: Mike Bartlett
Tradução: Diego Teza
Idealização: Fani Feldman e Cia. do Sopro
Direção: Zé Henrique de Paula
Elenco: Fani Feldman (Medea), Daniel Infantini (Jasão), Juliana Sanches (Pam), Maristela Chelala (Sarah), Plínio Meirelles (Andrew) Bruno Feldman (Nick Carter) e David Uander (TOM)
Preparação: Inês Aranha
Trilha Original: Fernanda Maia
Assistência de direção: Marcella Piccin
Iluminação: Fran Barros
Cenário: Bruno Anselmo
Figurino e visagismo: Daniel Infantini
Direção de vídeo, montagem e fotografia: Murilo Alvesso
Direção audiovisual – Murilo Alvesso | Câmeras – Murilo Alvesso, Jorge Yuri e Ju Lima | Som Direto – Tomás Franco | Assistênica de câmera e Grafismos – João Marcello Costa | Produção Audiovisual – Assum Filmes
Concepção do projeto: Fani Feldman e Bruno Feldman
Produção: Quincas e Cia. do Sopro
Direção de Produção: Fani Feldman e Rui Ricardo Diaz
Assistente de Produção: Laura Sciulli
Realização: ProAc | Quincas I Cia. do Sopro
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Agradecimentos e apoios: Teatro do Núcleo Experimental, Teatro Santa Cruz/ Raul Teixeira, teatro FAAP/ Cláudia Hamra, Cláudia Miranda, Tati Marinho/ Casa dos Achados – Brechó, Refúgios Urbanos/ Bárbara Tegone, Una Muniz Viegas/ Cristiane Viegas, Jairo Leme, Marina Feldman, e Ariel Moshe.
Cia. do Sopro: Fani Feldman, Rui Ricardo Diaz, Plínio Meirelles, Osvaldo Gazotti e Antonio Januzelli.

Serviço
Presencial:
Estreia 26 de novembro
SESC Pompeia
26, 27 e 28 de novembro. (Sexta e Sábado 21h e domingo 18h)
Rua Clélia, 93 – Pompéia, São Paulo – SP.
Temporada online:
29 de novembro a 07 de dezembro, com sessões diárias, sempre às 21h00. (ingressos pelo Sympla)
Haverá bate-papo após as transmissões, nos dias 29/11 e 07/12. O link do Zoom estará disponível para acesso no Canal da Cia. do Sopro no YouTube.

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

Abuso de poder no ambiente corporativo

Débora Falabella e Yara de Novaes em Contrações. Foto: Vitor Zorzal

* Atualizada no dia 28 de julho, às 13h

Até onde você iria para garantir seu emprego? Puxaria o tapete de seu colega? Aceitaria se prostituir ideológica, estética e eticamente? Seria capaz de trair o seu melhor amigo? E você Outro que ocupa um cargo de confiança, mataria a própria mãe para se manter no poder? Eita terreno escorregadio!

O mundo do trabalho é feroz. O sistema capitalista predador. E ele pode devorar sua autoestima, sua dignidade, seus ideais. As relações no mundo corporativo são nutridas por sentimentos estranhos,  covardes, egoístas. Tomamos conhecimento ou vivenciamos coisas escabrosas para exercer a profissão.

As atrizes Débora Falabella e Yara de Novaes mostram os bastidores desse microcosmo de pequenos poderes exercidos numa empresa no espetáculo Contrações. A peça cumpre temporada de 28 a 30 de julho e de 4 a 6 de agosto, na CAIXA Cultural Recife. Os ingressos para a primeira semana já estão esgotados.

O Satisfeita, Yolanda? escreveu sobre o espetáculo Contrações em 2014, durante o Festival de Curitiba. Confira aqui o texto.

O texto Contrações, do dramaturgo inglês Mike Bartlett, expõe o horror da roda empresarial, com suas regras esdrúxulas, funcionários subalternos subjugados a pressões absurdas, com receio de perderem seus empregos.

É uma peça de teatro com situações plausíveis. A direção de Grace Passô reforça o conteúdo cruel, absurdo e usa a metáfora do esfriamento da temperatura do ambiente com o acirramento do conflito.

Frio traduz relação entre funcionária e chefe . Foto: Divulgação

Na peça, a gerente linha-dura inominável de um escritório de uma grande corporação (Yara de Novaes) convoca Emma (Débora Falabella), sua jovem e eficiente funcionária, para ler em voz alta uma cláusula do contrato que proíbe aos empregados estabelecerem qualquer relação sentimental ou sexual com outro contratado da firma.

E sempre é possível encontrar argumentos para defender regras estapafúrdias: segurança dos assalariados, produtividade da empresa, linhas de planejamento para melhorar bem-estar das equipes. Mas o que pesa mesmo é a sangria emocional e um jogo baixo para deixar claro quem está no comando.

Isso é o começo do calvário kafkiano para Emma.

Débora Falabella e Yara de Novaes em Contrações. Foto: Guto Muniz / Divulgação

Processo de “fritura” atinge corpo de Emma. Foto: Guto Muniz / Divulgação

O autoritarismo da chefe, com facetas de manipulação e vilania veladas, é revelado nos sucessivos encontros. Perseguida e humilhada Emma, para manter seu emprego, conta a respeito de seu envolvimento amoroso com um dos companheiros de vendas. Dizer não a esse tipo de opressão é possível, mas na prática é bem difícil.

Contrações critica o modelo de trabalho que massacra o humano em prol dos interesses empresariais. A experiência angustiante vai diminuindo a autoestima da personagem de Débora, que definha e sucumbe diante da maldade de sua chefe. É o pior dos mundos. Assédio mascarado que adoece o assediado diante do seu algoz.

O espetáculo estreou em outubro de 2013 e naquele ano rendeu às interpretes o prêmio APCA São Paulo de melhor atriz, dividido entre as duas.

O Grupo3 de Teatro foi criado em 2005 por Yara de Novaes, Débora Falabella e Gabriel Fontes Paiva. No repertório do coletivo estão A Serpente,(2005, texto de Nelson Rodrigues, direção Yara de Novaes, com Débora Falabella, Cynthia Falabella, Alexandre Cioletti,  Augusto Madeira como Décio, Cyda Morenyx, Mario Hermeto, Sarito Rodrigues) ;O Continente Negro (de 2007, com texto do chileno Marco Antonio de La Parra, dirigido por Aderbal Freire Filho, com Débora Falabella, Yara de Novaes e Ângelo Antônio no elenco) e Amor e Outros Estranhos Rumores, (2010,texto de Murilo Rubião, direção de Yara de Novaes, com Débora Falabella, Maurício de Barros, Priscila Jorge e Rodolfo Vaz).

Contrações
Quando: De 28 a 30 de julho e de 4 a 6 de agosto; quintas e sextas, às 20h, e aos sábados, às 18h e 20h.
Onde: Teatro da CAIXA Cultural Recife (Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Informações: (81) 3425-1900/1906

Ficha técnica
Texto: Mike Bartlett
Direção: Grace Passô
Atuação: Débora Falabella e Yara de Novaes
Duração: 80 minutos
Recomendação: 14 anos

Postado com as tags: , , , ,

Is love all we need?

Love, love, love está em cartaz no Royal Court. Fotos: Johan Persson/divulgação

No mês passado, Denise Fraga esteve no Recife com a peça Sem pensar. E o que me chamou mais atenção é que o texto era de uma garota inglesa bastante jovem, acho que 19 anos, que fez um curso no Royal Court Theatre. Em Londres, a peça fez bastante sucesso. Achei o texto de Anya Reiss – Spur of the moment, no original – mais interessante por ela não ter experiência na escrita dramatúrgica do que pela obra em si. É simplesmente porque aquela carpintaria teatral, toda aquela discussão familiar, embora bem feita, me soava antiquada. Talvez seja a ideia, também antiga, de que os jovens deveriam estar desconstruindo, quebrando regras, e não se enquadrando tão bem a elas.

Estive ontem no Royal Court Theatre (na realidade, no Jerwood Theatre Downstairs) para ver Love, Love, Love, texto do também jovem autor Mike Bartlett. A peça estreou em 2010 e voltou em cartaz. As críticas são, em sua maioria, bem boas. Mike Spencer, do The Telegraph, escreveu: “it strikes me as Bartlett’s best work to date, with deeper characterisation, more personal themes, and scenes of extraordinary intensity and emotional truth shot through with dark humour”. O teatro estava lotado – alguns jovens na plateia, mas principalmente, muitas pessoas de meia-idade.

Para um autor que diz “We’ve got to get away from the idea that it’s good to go to the theatre. It isn’t church. There’s nothing innately good about it. Most theatre is still really bad” acho que, na prática, ele ainda encara o teatro de forma muito tradicional. Em alguns momentos, pensei que estava vendo uma novela e não uma peça de teatro. A direção é de James Grieve.

São três atos. A montagem começa nos anos 1960. Henry (Sam Troughton), um cara certinho que gosta de música clássica, marcou um encontro com Sandra (Victoria Hamilton). Mas Kenneth (Ben Miles), o irmão “vadio” dele está no sofá e deixou a casa toda uma bagunça. Resultado, quando Sandra chega, é por Ken que ela se interessa. Ela está totalmente integrada àquela geração onde tudo era permitido, fumar maconha, dormir na grama e dançar ao som de qualquer coisa, até dos Beatles.

Ben Miles interpreta Kenneth

No segundo ato, os anos passam. Estamos na década de 1990 e agora Sandra e Ken estão casados (embora o primeiro ato termine com: “are your ready for adventure?”; bom, não deixa de ser uma) – Sandra usa roupas de secretária executiva e têm dois filhos: Jamie (George Rainsford) e Rosie (Claire Foy). É um dos atos mais pesados. Porque é aqui que eles percebem que não estão vivendo a vida que queriam, há uma traição e eles se separam. E os adolescentes estão perdidos no meio disso tudo. Ácho que o jornalista do The Telegraphy fala principalmente desse ato.

Segundo ato: George Rainsford (Jamie), Victoria Hamilton (Sandra) e Claire Foy (Rosie)

Depois de outro intervalo, se a mudança cenográfica já tinha sido gigante do primeiro para o segundo ato, aqui é mais ainda. Antes os dois cenários eram salas (bem diferentes uma da outra), e agora é um terraço. Rosie tem 37 anos e volta de Londres para conversar com os pais – ela percebeu que seguiu os conselhos que eles deram a ela e que isso não a levou a lugar nenhum. Não tem uma carreira, uma casa, uma relação, filhos. Enfim. E o casal que estava separado tem um reencontro.

A atuação de Victoria Hamilton é muito boa, principalmente pela forma como ela passa da comédia ao drama. Assim como Claire Foy, uma linda atriz, também de muito talento. A iluminação é assinada por James Farncomble e o cenário – que no primeiro ato quase não tem profundidade -, é de Lucy Osborne. A mudança dos anos também é interessante – mudam as músicas, as roupas; embora no terceiro ato a caracterização seja bem mais difícil – porque os atores não parecem ter a idade que deveriam.

Terceiro ato

O humor de Love, Love, love assim como em Spur of the moment, é muito bom – tem ironia. Mas o texto em si – são pais que não deram atenção aos filhos, que acharam que podiam fazer tudo o que quisessem, mas que ao final só fizeram se aliar ao sistema – o que há de novo? Até a opção por fazer a montagem de forma cronológica não nos surpreende. Sim, All we need is love. Mas um pouquinho de transgressão não seria nada mal também.

O trailler de Love, love, love

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , ,