Arquivo da tag: Grace Passô

Festival de Curitiba online celebra Antunes Filho

Jê Oliveira, Grace Passô, Christian Malheiros, Elisa Ohtake e Matheus Nachtergaele estão em $odoma \G/omorra

A peça Sodoma & Gomorra estava planejada para ser exibida no Festival de Curitiba, em março ou abril, como {tubos de ensaio I & II}, para inaugurar os processos criativos do espetáculo inédito. A pandemia parou (quase) tudo. Subverteu conceitos da arte e o teatro foi atingido em sua essência de presença. Voilà que teatro é (sempre foi) arte de resistência e subversão e reinvenção e desafios infinitos. O Festival de Curitiba pulsa em sua versão digital e realiza a transmissão ao vivo de Antunes Filho: $odoma \G/omorra, “que transcende as molduras convencionais do teatro”, pelas redes sociais do Festival de Curitiba e do Sesc-SP (parceira do projeto) neste domingo, dia 20 de setembro, as 21h30, gratuitamente.

Concebida e dirigida por Luiz Päetow, a peça pretende que o espectador tenha uma “fruição inesperada das artérias cênicas pesquisadas pelo visionário diretor Antunes Filho (1929-2019)” a partir de sua peça inédita Sodoma & Gomorra.

O ator, diretor e dramaturgo Luiz Päetow é autor de uma série de solos que investigam a essência no corpo, na voz e na memória. Implantou o Círculo de Dramaturgia no CPT-Sesc, e com Antunes Filho, idealizou o projeto Prêt-à-Porter, em 1998.

O projeto secreto Antunes Filho: $odoma \G/omorra (de 1998) foi imaginado e alimentado por Antunes em parceria com Päetow, mas nunca chegou a ser ensaiado.

Um texto “inacabado” foi entregue por Antunes a Luiz, no último encontro que tiveram, com a dedicatória: “Päetow, só você consegue encenar esta peça. Eu te amo! Antunes Filho”.

A obra foi reinventada e ganhou mais potência ao “investigar o nosso tempo neste espanto apocalíptico: pandemia e confinamento, dignos de Sodoma & Gomorra”. A dramaturgia de Päetow perfura passagens bíblicas escritas por Moisés (Gênesis) e João de Patmos (Apocalipse) para encontrar sinais contemporâneos

Uma sessão especial do projeto Teatro Vivo em Casa, com a peça Maternagem e a oficina Compor a Cena, com Paulo Moraes da Cia Armazém também estão na programação do Festival online, que segue até dia 24.

O Festival de Curitiba é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Continental, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel – Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP.

Ficha Técnica
Artistas participantes : Matheus Nachtergaele, Grace Passô, Christian Malheiros, Jé Oliveira, Elisa Ohtake.
Direção de fotografia : Julia Zakia
Edição e mapeamento de vídeos : Ivan Soares
criação, roteiro, produção e direção geral : Luiz Päetow
Duração: 30 minutos.
Classificação:

Programação:
19/09, às 20h – Teatro Vivo em Casa – Sessão Especial: “Maternagem”
20/09, às 21h30 – Antunes Filho : $odoma \G/omorra { TRANSMISSÃO } de Luiz Päetow”
21/09 a 24/09 das 20h às 22 – Curso “Compor a Cena”, com Paulo Moraes da Cia Armazém
*Todas as ações feitas de forma online e serão gratuitas.

Canais digitais do Festival de Curitiba
Todas as ações e atrações gratuitas
Facebook: @fest.curitiba
Instagram: @festivaldecuritiba
Youtube: youtube.com/festcuritiba
Informações: falecom@festivaldecuritiba.com.br
www.festivaldecuritiba.com.br

Postado com as tags: , , , , , , ,

Teatro para os ouvidos e outros sentidos
Crítica da peça sonora “Maré”

A atriz Cássia Damasceno, da companhia brasileira de teatro.

A companhia brasileira de teatro propõe um encontro diferente. Em vez de reforçar o apelo feito à exaustão para os olhos, o grupo privilegia outro sentido: a audição. É a partir do ato de ouvir – se quiser, de olhos fechados, e imaginar e compor e criar as paisagens sussurradas nessas Escutas Coletivas – que se instala o ato teatral

A primeira edição apresenta a peça sonora Maré, com dramaturgia e direção de Marcio Abreu; desenho sonoro do músico e compositor Felipe Storino; e conduzido pelas vozes de Cássia Damasceno, Fabio Osório Monteiro, Felipe Storino, Giovana Soar, Grace Passô, Key Sawao e Nadja Naira.

É uma criação cênica fincada na dimensão sonora. As falas, nas quatro perspectivas do acontecimento, foram gravadas pelos atores individualmente, com seus celulares e enviadas a Abreu e Storino.

Com os espectadores, cada qual no seu canto, com seus fones de ouvidos ou caixas de sons de olhos fechados, ou abertos (naveguei melhor com os olhos cerrados), acomodados em sofás, camas, chão ou onde preferisse, sentados, de pé, deitados, de lado, do jeito que quisesse, durante 40 minutos, ouvimos uma história.

O episódio está dividido em três movimentos. Um prólogo em que o diretor expõe e contextualiza a ação, a escuta sonora compartilhada ao mesmo tempo pelas pessoas presentes na sala virtual e a conversa entre a equipe artística e o público.

Maré foi escrita em 2015 por Marcio Abreu a pedido do mineiro Grupo Espanca. É situada como uma reação artística ao real: uma chacina ocorrida na Maré em 2013. O Complexo da Maré é um dos maiores conglomerados de favelas do Rio de Janeiro, na zona norte da cidade. Naquele ano, o Brasil foi sacudido por uma série de protestos e manifestações de reivindicações várias, que ficaram conhecidas como Jornadas de Junho.

Infelizmente esse não é um caso isolado. Extermínios e carnificinas são comuns nas áreas mais periféricas e empobrecidas, não só do Rio de Janeiro, como nas diversas cidades do país. São crimes cometidos normalmente pela polícia ou pela milícia. Atrocidades frequentemente acobertadas ou não combatidas com eficácia pelo Estado.

As figuras desta peça sonora moram num espaço exíguo – “uma lata de sardinha”, o que não facilita a intimidade do casal: “Esse homem é gostoso me pega quietinho” – expõe a alta voltagem de amorosidade dos seus integrantes. Os adultos trabalham longe de casa e perdem muito tempo no trajeto. A avó assume a ancestralidade, a viga mestra; as crianças, os tesouros; a mãe e o pai.

Cada um desses quatro focos narra, do seu ângulo, a violência policial em um dia de brincadeiras, televisão apaziguadora, “o melhor feijão do mundo”, o chamego no canto.

O fenômeno teatral se confere pela escuta. A dimensão acústica se faz corpo, que quase podemos tocar. Os materiais sonoros sobrepondo em camadas sucessivas, entrecruzadas pela entendimento individualizado num presente compartilhado. Imersos nessas sonâncias, cargas mnésicas pessoais, imaginação, marcas na carne, pele e osso se cruzam para cortar resquícios de indiferença. É pela escuta que poderemos transformar o espaço público.

A Avó, de Grace Passô, traça uma musicalidade tão própria, tão acolhedora, quase uma cantilena que brinca com fluxos vocais de espacialidade, temperatura, texturas. Todas as quatro perspectivas de Maré incitam a raras percepções e sensações de pertencimento a uma presença coletiva costurada pelo tempo de comunhão pelas vozes, pelo som.

As escolhas sonoras do músico Felipe Storino para materializar a chegada da polícia, levam a lugares mais poéticos, menos óbvios do que uma representação hiperrealista que inunda os noticiários, das imagens sonoras exatas. É uma fábula contada com paleta de tons acústicos mais sutis.

Maré nos chega como insights performativos de uma experiência relacional. De um tempo que ativa o entrecruzamento de universos individuais sensíveis, compartilhados um pouco na conversa depois da audição. No primeiro dia, uma das participantes levantou uma questão interessante dessa partilha do sensível carregada por memórias ditas ou silenciadas, que permitem a criação de sentidos tão particulares, íntimos até. No segundo dia, um homem cego comentou como foi afetado pela obra. Sua fala destaca o quanto precisamos ampliar nossa percepção do mundo, para além de nós mesmos.

Ouvir como exercício revolucionário, que tanto precisamos, nesses tempos de lacração. Possibilidade de expandir o fio do diálogo humano. Na oitiva grupal a arte assume papel político, convocando para o presente essa necessidade de sentir o outro. Ou tentar, ao menos.

A dramaturgia textual do Marcio Abreu, sem pontuação intermediando as intenções, faz jorrar sentidos diversos. A primeira edição da série Escutas Coletivas enfrenta o paradigma da supremacia do olhar, desde sua etimologia de ser o teatro o lugar onde (e de onde) se vê, para deslocar a possibilidade de “ver” com os ouvidos, sentir com o som, ser tocado pelo invisível, ser afetado pelo audição, por uma dramaturgia sensorial.

Mergulhar nessa Maré com seus timbres e texturas, ritmos sonoros, camadas, dinâmicas e insubordinações do encontro e do toque energético, tensiona a linguagem por ser ainda e mais música e poesia.  

Escutas Coletivas
peça sonora MARÉ
Quando: dias 29, 30 e 31 de agosto, às 20h30
Contribuição: R$ 25, à venda no Sympla

Ficha técnica:

Dramaturgia e direção: Marcio Abreu
Desenho sonoro:  Felipe Storino
Vozes: Cássia Damasceno, Fabio Osório Monteiro, Felipe Storino, Giovana Soar, Grace Passô, Key Sawao, Nadja Naira.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , ,

Abuso de poder no ambiente corporativo

Débora Falabella e Yara de Novaes em Contrações. Foto: Vitor Zorzal

* Atualizada no dia 28 de julho, às 13h

Até onde você iria para garantir seu emprego? Puxaria o tapete de seu colega? Aceitaria se prostituir ideológica, estética e eticamente? Seria capaz de trair o seu melhor amigo? E você Outro que ocupa um cargo de confiança, mataria a própria mãe para se manter no poder? Eita terreno escorregadio!

O mundo do trabalho é feroz. O sistema capitalista predador. E ele pode devorar sua autoestima, sua dignidade, seus ideais. As relações no mundo corporativo são nutridas por sentimentos estranhos,  covardes, egoístas. Tomamos conhecimento ou vivenciamos coisas escabrosas para exercer a profissão.

As atrizes Débora Falabella e Yara de Novaes mostram os bastidores desse microcosmo de pequenos poderes exercidos numa empresa no espetáculo Contrações. A peça cumpre temporada de 28 a 30 de julho e de 4 a 6 de agosto, na CAIXA Cultural Recife. Os ingressos para a primeira semana já estão esgotados.

O Satisfeita, Yolanda? escreveu sobre o espetáculo Contrações em 2014, durante o Festival de Curitiba. Confira aqui o texto.

O texto Contrações, do dramaturgo inglês Mike Bartlett, expõe o horror da roda empresarial, com suas regras esdrúxulas, funcionários subalternos subjugados a pressões absurdas, com receio de perderem seus empregos.

É uma peça de teatro com situações plausíveis. A direção de Grace Passô reforça o conteúdo cruel, absurdo e usa a metáfora do esfriamento da temperatura do ambiente com o acirramento do conflito.

Frio traduz relação entre funcionária e chefe . Foto: Divulgação

Na peça, a gerente linha-dura inominável de um escritório de uma grande corporação (Yara de Novaes) convoca Emma (Débora Falabella), sua jovem e eficiente funcionária, para ler em voz alta uma cláusula do contrato que proíbe aos empregados estabelecerem qualquer relação sentimental ou sexual com outro contratado da firma.

E sempre é possível encontrar argumentos para defender regras estapafúrdias: segurança dos assalariados, produtividade da empresa, linhas de planejamento para melhorar bem-estar das equipes. Mas o que pesa mesmo é a sangria emocional e um jogo baixo para deixar claro quem está no comando.

Isso é o começo do calvário kafkiano para Emma.

Débora Falabella e Yara de Novaes em Contrações. Foto: Guto Muniz / Divulgação

Processo de “fritura” atinge corpo de Emma. Foto: Guto Muniz / Divulgação

O autoritarismo da chefe, com facetas de manipulação e vilania veladas, é revelado nos sucessivos encontros. Perseguida e humilhada Emma, para manter seu emprego, conta a respeito de seu envolvimento amoroso com um dos companheiros de vendas. Dizer não a esse tipo de opressão é possível, mas na prática é bem difícil.

Contrações critica o modelo de trabalho que massacra o humano em prol dos interesses empresariais. A experiência angustiante vai diminuindo a autoestima da personagem de Débora, que definha e sucumbe diante da maldade de sua chefe. É o pior dos mundos. Assédio mascarado que adoece o assediado diante do seu algoz.

O espetáculo estreou em outubro de 2013 e naquele ano rendeu às interpretes o prêmio APCA São Paulo de melhor atriz, dividido entre as duas.

O Grupo3 de Teatro foi criado em 2005 por Yara de Novaes, Débora Falabella e Gabriel Fontes Paiva. No repertório do coletivo estão A Serpente,(2005, texto de Nelson Rodrigues, direção Yara de Novaes, com Débora Falabella, Cynthia Falabella, Alexandre Cioletti,  Augusto Madeira como Décio, Cyda Morenyx, Mario Hermeto, Sarito Rodrigues) ;O Continente Negro (de 2007, com texto do chileno Marco Antonio de La Parra, dirigido por Aderbal Freire Filho, com Débora Falabella, Yara de Novaes e Ângelo Antônio no elenco) e Amor e Outros Estranhos Rumores, (2010,texto de Murilo Rubião, direção de Yara de Novaes, com Débora Falabella, Maurício de Barros, Priscila Jorge e Rodolfo Vaz).

Contrações
Quando: De 28 a 30 de julho e de 4 a 6 de agosto; quintas e sextas, às 20h, e aos sábados, às 18h e 20h.
Onde: Teatro da CAIXA Cultural Recife (Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Informações: (81) 3425-1900/1906

Ficha técnica
Texto: Mike Bartlett
Direção: Grace Passô
Atuação: Débora Falabella e Yara de Novaes
Duração: 80 minutos
Recomendação: 14 anos

Postado com as tags: , , , ,

Grace Passô é invadida por Uma Voz

Grace Passô no colo Grão da Imagem: Vaga Carne. Foto: Kelly Knevels

Grace Passô no solo Grão da Imagem: Vaga Carne. Foto: Kelly Knevels

As peças da dramaturga, atriz e diretora mineira Grace Passô têm um toque surreal, porque a realidade – sob determinada perspectiva – é mesmo um absurdo. Na ciranda de medos e afetos, abacates desabam sem pudor na montagem Por Elise, do grupo Espanca!. “Cuidado com o que planta no mundo!”, avisa a mulher que cultivou a árvore e tem medo das frutas que caem. O homem dorme, mesmo quando acordado em Amores Surdos, também do Espanca!, porque os personagens não se ouvem, não se enxergam, não se percebem. Um estranho acordo de amor. Na peça Grão da Imagem: Vaga Carne, com texto, direção e atuação de Grace Passô, os elementos kafkianos se aproximam da realidade ilógica (ou perversa) subvertendo seu status a partir de temas identitários.

Grãos da Imagem: Vaga Carne é a atração desta sexta-feira (6), no Teatro Hermilo Borba Filho, às 20h, da programação do Trema Festival.

A personagem é Uma Voz errante, que invade matérias sólidas, líquidas ou gasosas, e decide, pela primeira vez, apossar-se de um corpo humano. “A peça parte da noção de construção da identidade, do contraste do ser social e subjetivo, dos conflitos e comunhão entre público e privado, do que há entre o julgamento social e as existências”, conta Grace no relato íntimo sobre o espetáculo, publicado na revista Trema!.

É uma jornada de auto reconhecimento, onde Uma Voz ocupa o cenário, “um corpo de mulher”, narrando o que sente ou finge sentir; o que é insondável em si, como sua imagem chega aos outros que veem. A proposta é de uma experiência complexa. São investigações e urgências estéticas de Passô contaminadas pelas inquietações do real.

Em Grãos da Imagem: Vaga Carne a atriz verticaliza sua identidade de mulher e negra. Uma instigação contra prescrições de nossa sociedade falocêntrica e racista. E nessa plataforma de gênero e étnica que o discurso é desenvolvido, os fragmentos de vida dessa Uma Voz vão aquém e além do corpo.

Jeito de moleca da atriz camaleônica. Foto: Lucas Ávila

Jeito de moleca da atriz camaleônica. Foto: Lucas Ávila

O espetáculo estreou no Festival de Curitiba em março, mesmo evento que a projetou junto com seu ex-grupo Espanca! em 2005. A atriz de 35 anos tinha 24 quando apresentou Por Elise no Fringe. Seu domínio técnico e carisma ficam mais apurados no decorrer dos anos.

Grace Passô é uma intérprete admirável. Que cria e encara provocações, que surpreende, que modula com expressões corporais e vocais, que sabe carregar bem as emoções, que faz seus gestos transbordarem de sentidos. E que usa tão bem a ironia com poderosa arma crítica. É incrível como ela pode se transformar nos seus personagens. Com uma propriedade que desperta a cumplicidade do público. É uma alegria acompanhar desde Por Elise da trajetória dessa artista brasileira.

Ficha Técnica
Direção, texto e atuação: Grace Passô.
Fotografia: Lucas Ávila.
Identidade Visual: 45 Jujubas.
Interlocutores: Ricardo Alves Jr. e Kenia Dias.
Luz: Nadja Naira.
Produção: Nina Bittencourt.
Gênero: Drama
Classificação indicativa: Livre
Duração: 60 minutos

Serviço
Grãos da Imagem: Vaga Carne
Quando: Sexta-feira, 6 de maio, às 20h
Local: Teatro Hermilo Borba Filho (rua do Apolo, 121, Bairro do Recife)
Ingressos: R$ 20 e R$ 10
Informações: (81) 3355-3320

Postado com as tags: , ,

Por Elise bate docemente e encanta Garanhuns

Primeiro espetáculo do grupo Espanca! Fotos: Ivana Moura

Primeiro espetáculo do grupo Espanca! Fotos: Ivana Moura

Yolandas no FIG. Arte: Bosco

Por Elise, do Grupo Espanca!, de Belo Horizonte, provocou um susto, uma alegria, no Festival de Teatro de Curitiba de 2005. Apresentado no Fringe, a mostra paralela da programação, a montagem foi a grande revelação daquele ano. Ainda em 2005, a encenação participou da programação do Festival Recife do Teatro Nacional.

Mais amadurecido e com substituições no elenco, o espetáculo Por Elise foi exibido no 23º Festival de Inverno de Garanhuns, com o Teatro Luiz Souto Dourado lotado.

A montagem ganhou experiência, mas não perdeu o frescor. As imagens poéticas surgem de situações cotidianas prosaicas. Com sua estrutura extremamente fragmentada, a partir do texto de Grace Passô, Por Elise prossegue a nos intrigar, entre cachorro que aposta que os humanos têm sentimentos e abacates que podem atingir qualquer passante. E que insiste em lembrar que viver é arriscar-se e os envolvimentos são inevitáveis.

Cachorro lembra que humanos têm sentimentos

Cachorro lembra que humanos têm sentimentos

***

Abaixo dois textos sobre o espetáculo, escritos em 2005 e publicados originalmente no Diario de Pernambuco

Edição de Segunda-Feira, 28 de Março de 2005

Fringe oxigena Festival de Curitiba

Mostra paralela continua com a função de revelar os talentos
Ivana Moura

Participar da mostra paralela do Festival de Teatro de Curitiba, o Fringe, é uma aventura. O prêmio para quem consegue ultrapassar as barreiras pode ser o reconhecimento, digamos nacional. Em meio a 187 espetáculos, alguns se destacam pela qualidade. Desta vez, o grupo Espanca!, de Belo Horizonte, conseguiu emocionar plateias e crítica com uma história delicada, tocante e simples. Por Elise, com texto e direção de Grace Passô, vai desfiando e entrecruzado os conflitos e anseios de cinco personagens. A diretora é a contadora de história, uma negra de olhos grandes e muito carisma, que plantou um pé de abacates no quintal e vive sob ameaça de que um desses frutos caia na cabeça. Ela lembra ao espectador que “é preciso ter cuidado com o que se planta”. Do humor inicial, o tom vai ganhando verticalidade, nos pequenos dramas das personagens. Uma moça está triste, pois terá que sacrificar seu cachorro que está doente. Ela se apaixona pelo lixeiro, que chega à vizinhança à procura do pai, que um dia saiu para comprar cigarros e nunca mais voltou. O homem, que tem por função levar o cão, sonha com o Japão.

As histórias das dores repentinas que invadem o cotidiano daqueles vizinhos emocionam. As personagens se encontram, mas não se salvam. A vida tem que seguir seu rumo, nem sempre com sonhos realizados. O percurso de cada um deixa marcas profundas. Como na cena em que o domador/caçador de cachorros participa de uma dança de sedução com o cão que sabe que vai morrer.

Personagens correm atrás de sonhos

Personagens correm atrás de sonhos

*******

Edição de Segunda-Feira, 21 de Novembro de 2005

Espetáculo mineiro explora fragilidade humana

FESTIVAL – Na montagem Por Elise, companhia Espanca! ensina a transpor muros da relação com o mundo para sobreviver

Ivana Moura
Da equipe do DIARIO

Uma cena nonsense e um recado existencial. Uma mulher com medo que abacates caiam sobre sua cabeça e o aviso imediato “Cuidado com o que você planta”, num misto de advertência e constatação que pode ser entendido como “cuidado com os desejos, porque eles podem vingar”. O espetáculo Por Elise, da companhia mineira Espanca! – cartaz de sábado e domingo da 8ª versão do Festival Recife do Teatro Nacional-, traz esse misto de ingenuidade e profundidade no seu discurso. O palco nu dialoga com os lugares (tanto objetivos quanto subjetivos) que temos possibilidade de ocupar na vida contemporânea. No diário virtual da montagem, o grupo cita Tarkovski: “O teatro joga com os possíveis deslocamentos das posições dos desejos”, atestando que a beleza delicada da encenação é resultado de uma trabalho árduo de equipe.

Construída com delicadeza e pitadas generosas de humor, a montagem, com texto e direção de Grace Passô submete os nossos individualismos cotidianos, quando cruza a vida de várias pessoas, vizinho e prestadores de serviço, de uma cidade de médio porte, a uma necessidade de relacionamento, de amizades, de sentimentos. Na economia de recursos cênicos, de aparatos visuais ou tecnológicos, Por Elise investe na palavra poética para dizer muitas coisas ao público.

A dona-de-casa que plantou os abacates conhece os dramas dos outros vizinhos da rua, marcados pela solidão, pela perda, pelo abandono e pela esperança. Ela é a contadora de histórias baixinha e de olhos grandes, interpretada pela própria Grace. A moça de vermelho (Samira Ávila) está triste e desorientada, porque seu cão está condenado e, em breve, chegará o rapaz da carrocinha para sacrificar o animal. Ela é pura emoção, cuja síntese é mimetizada pelo ato de cair. A garota se apaixona pelo lixeiro (Gustavo Bonés), que está à procura do pai, que saiu de casa para comprar cigarros e nunca mais voltou. Os dois correm pelo palco, encontram-se, perdem-se, deixam frases soltas pelo meio do caminho.

O funcionário (Paulo Azevedo) que chega para sacrificar o cão da moça desorientada é um inadequado para a profissão. Ele sonha deixar aquela vida e ir para o Japão. É um personagem difícil, contraditório (e por isso mesmo, cheio de humanidade), defendido com muita elegância pelo ator, que equilibra seu porte com o medo e a insociabilidade do tal funcionário. A figura do cão é interpretada por Marcelo Castro, que aos poucos vai conquistando a plateia com sua composição poética e contagiante, ao fugir de uma possível caricatura dos que preferem o caminho fácil quando fazem papel de animal.

Por Elise é uma fábula de efeito moral, numa narrativa elipsada, marcada por vazios, saltos e silêncios profundos. O título da peça remete à peça de Beethoven, Pour Elise, que em algumas cidades é utilizada em anúncio de caminhão de gás. Por Elise foi eleito informalmente por críticos, jornalistas e público como um dos melhores espetáculos do Fringe (programação paralela do Festival de Teatro de Curitiba) deste ano, em meio a mais de 150 montagens.

“Cuidado com o que toca; com a capacidade que gente tem de se envolver com as coisas”, adverte a verborrágica dona-de-casa da peça, incentivando a plateia a se arriscar nos envolvimentos, mesmo que isso gere “uma pancada doce”, aquela dor repentina, mas que faz com que cada um acredite que vale a pena transpor os muros para o encontro, a conversa de amigos, que no fundo é sempre muito bom.

*******

Grace Passô no papel da dona de casa de Por Elise

Grace Passô no papel da dona de casa de Por Elise

Confira entrevista com Grace Passô, concedida após a apresentação do espetáculo Por Elise, no Teatro Luiz Souto Dourado, de Garanhuns, durante o 23º Festival de Inverno. Ela fala sobre o Grupo Espanca!, o seu amadurecimento profissional e os novos projetos, agora que deixou o grupo (mas continua envolvida com as montagens do repertório).

Postado com as tags: , , ,