Arquivo da tag: Gerald Thomas

Gerald Thomas encena aborto às avessas

F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada) é inspirado em Doroteia, de Nelson Rodrigues. Foto: Matheus José Maria / Divulgação

Peça envereda pelo universo fantástico para propor uma operação em que a figura regressa morta ao útero materno para em seguida renascer viva. Foto: Matheus José Maria / Divulgação

Na cena uma referência ao readymade Roda de Bicicleta, obra de Marcel Duchamp.  Foto: Matheus José Maria 

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos em derrubar o direito ao aborto legal naquele país, em 24 de junho, repercutiu na vida política norte-americana e em outros campos e lugares. A revogação de direit os históricos por um tribunal de maioria conservadora se mostra um reflexo da cavalgada regressista deflagrada pelo mundo. Essa sentença, de alguma forma, atravessa o espetáculo F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada), novo trabalho de Gerald Thomas que estreia no Teatro Anchieta (Sesc Consolação), nesta quarta-feira, 27 de julho.

 F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada) é livremente inspirado na farsa irresponsável Doroteia, escrita por Nelson Rodrigues em 1949. Na peça rodrigueana, as mulheres dessa família estão condenadas à negação do corpo, da sexualidade e dos sentimentos. Linda, amorosa, acesa, Doroteia recusa esse destino e vivencia os prazeres sensuais e por esse “crime” pagará com a vida do filho. Em busca de remissão, Doroteia reaproxima-se das primas celibatárias e desfiguradas e acaba por acolher o fado dessas mulheres para ter uma vida virtuosa: enfeiar-se e apodrecer.

O surrealismo de Doroteia é o ponto de partida para tratar de questões urgentes que dizem respeito ao feminino. A encenação envereda pelo universo fantástico para propor um aborto às avessas, operação em que a figura regressa morta ao útero materno para em seguida renascer viva.

Thomas pega as provocações da dramaturgia de Nelson para produzir um estudo que cruza com a pintura Nu Descendo uma Escada (Nu descendant un escalier) – peça que foi rejeitada pelos cubistas por ser considerada demasiadamente futurista – e Roda de Bicicleta, obra que inaugurou a proposta de readymade, ambas de de Marcel Duchamp e No Vento e na Terra I, do artista gaúcho Iberê Camargo, quadro em que aparece um homem nu deitado quase fundido à terra, solo matéria da pintura e com uma bicicleta ao fundo.

O espetáculo reconhece que as mulheres estão à frente de seu tempo, mesmo com as ocupações desiguais de poder e apesar de todo o tipo de violência cometido contra nós.

Muitas liberdades individuais são atacadas quando homens estão no comando das decisões sobre o corpo feminino. O espetáculo F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada) investe em muitas camadas dessa temática e suas redes de articulação.

No elenco da encenação criada e dirigida por Gerald Thomas estão Fabiana Gugli, Rodrigo Pandolfo, Raul Barreto, Lisa Giobbi, Beatrice Sayd e Ana Gabi.

Ficha técnica

Criação e Direção: Gerald Thomas
CoDireção, Coreografia e Performance Aérea: Lisa Giobbi
Elenco: Fabiana Gugli, Rodrigo Pandolfo, Lisa Giobbi, Beatrice Sayd, Ana Gabi e Raul Barretto.
Dramaturgismo: David George
Desenho de Luz: Wagner Pinto
Cenografia e Direção Técnica: Fernando Passetti
Adereços: Clau Carmo, Raíssa Milanelli
Figurinos: João Pimenta
Poeta: Luciene Carvalho
Sonoplastia e Trilha Sonora: Ale Martins
Músicas:
Portugal é um Nerologismo: Fatima Vale & Charles Sangnoir
SKÆLV B: Kasper Toeplitz & Jørgen Teller
A Guerra, A Guerra II, Marcha Fúnebre: Eduardo Agni
Lamento: Eduardo Agni (com participação especial de Mônica Salmaso – voz)
Direção de Produção: Dora Leão
Assistente de Direção: André Bortolanza
Assistente de Produção: Ingrid Lais Monreal
Assistentes de Iluminação: Gabriel Greghi, Gabriela Cezario
Assistente de Cenografia: Vinicius Cardoso
Assistente Técnico: Samuel Kobayashi
Contrarregras: Calú Batista, Raíssa Milanelli
Maquinistas: ClaudioBoi, Mazinho, Rafael Dias, Zé DaHora
Cenotécnicos: Carol Nogueira, Casa Malagueta, Neide Cecilia, Rafa Dias, Su Martins, Usina da Alegria Planetária, Zé DaHora
Auxiliar de Montagem: Eron Dias, Iuri Dias, Leandro Wildenes, Rodrigo do Nascimento, Willians dos Reis
Direção e técnica do vídeo (de Ana Gabi): Carol Thusek
Visagismo: Louise Helène
Aulas de Corpo: Fabricio Licursi
Camareiras: Andrea Lima (Temporada), Maria Rosa Nepomuceno (Ensaios)
Segurança: Juliana Ferreira
Assessoria de Imprensa: Ney Motta
Desenho e Pintura: Gerald Thomas
Fotos de Divulgação: Carol Thusek, Claudia Santos de Oliveira
Produção e Administração: PLATÔproduções
Realização: Sesc SP

Serviço

F.E.T.O. (Estudos De Doroteia Nua Descendo a Escada)
Quando 27/7 a 28/8 (quinta, sexta, e sábado, às 21h, e domingo, às 18h)
Onde: Sesc Consolação, Rua dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, São Paulo
Quanto: Entre R$ 15 e R$ 50
Classificação16 anos

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

Sérgio Britto, um artista brasileiro

Em Jung e Eu, Britto interpretava o ator Leonardo Svoba, que desejava encenar um espetáculo sobre Jung. Monólogo com dramaturgia e direção de Domingos Oliveira ficou em cartaz no Sesc Belenzinho, em São Paulo, em 2006.

O sábado foi dia de perdas de pessoas caras para a cultura. O Brasil perdeu o ator e diretor Sérgio Britto e Joãozinho Trinta, a música ficou de luto por Cesária Évora. O ator pernambucano Ronaldo Brian, da Tropa do Balaco Baco foi assassinado em Arcoverde. Fiquei triste, de luto. O corpo de Sérgio Britto foi enterrado nesta manhã, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária do Rio de Janeiro.

Fico aqui pensado nele. Como vai fazer falta. Não tive a mesma sorte que a querida Deolinda Vilhena que gozou da companhia e assistiu a praticamente todas as peças de Britto (depois que ela se entendeu por gente). Assisti a alguns espetáculos, poucos de sua profícua carreira, o suficiente para virar fã de carteirinha. Admirava aquele ator que se dedicou ao teatro como poucos, aquele homem apaixonado por essa arte e dono de uma vasta cultura, mas sem o pedantismo de alguns. Fiquei especialmente tocada ao ver pela televisão e nas fotos a minha musa Nathália Thimberg quase desabando e confessando que morria um pouco com ele.

No velório hoje pela manhã na Assembleia Legislativa do Rio, Nathália com aquela sua generosidade comentou: “Que de seu legado brote algo bom para as novas gerações. Tive muito prazer de estar com ele. Ele tinha sede de conhecimento. Acompanhou sua geração e se adiantou a ela”.

Ontem a atriz Fernanda Montenegro disse que havia perdido um irmão. “Ele é uma peça que não tem reposição. Do seu legado fica um acervo maravilhoso. Vai fazer uma eterna falta”.

Sabíamos que Britto estava doente, internado desde novembro no Hospital Copa D’or, no Rio. Mas sempre existe a esperança de que o quadro se reverta. E ele tinha tantos planos, tanta garra e tanto amor pelo teatro. Afinal, era um vulcão criativo. Nos últimos anos, trabalhou com linguagens e dramaturgias diferentes. De 2002 até 2009, fez Longa jornada dia e noite adentro (do norte-americano Eugene O’Neill), As pequenas raposas (da norte-americana Lilian Helman), Sérgio 80 (monólogo do carioca Domingos de Oliveira), Outono e inverno (do sueco Lars Norén) e Jung e eu (também de Domingos Oliveira). Este ano, dividiu os palcos com Suely Franco em Recordar é viver, dirigida por Eduardo Tolentino, texto de Hélio Sussekind. Planejava um Tchekhov. Mas saiu de cena, sábado, aos 88 anos.

O sobrinho do artista, Paulo Brito disse que “agora é cuidar de sua memória e de seu acervo”. O Teatro dos Quatro, localizado no Shopping da Gávea, no Rio de Janeiro, um dos teatros que o ator e diretor criou em vida passará a se chamar Teatro Sérgio Britto, segundo informou a gestora do espaço, Lúcia Freitas. “O Teatro dos Quatro sempre será a casa de Sérgio Britto”, afirmou ela.

Longa jornada do dia noite adentro, do norte-americano Eugene O'Neill, com Cleyde Yáconis no centro e Britto à direita

ATO EM PALAVRAS – SÉRGIO BRITTO from Célia Freitas on Vimeo.

Imagens da preparação e do espetáculo Ato sem Palavras I e A Última Gravação de Krapp, de Samuel Beckett, dirigido por Isabel Cavalcanti.
Edição e imagens de Isabel Cavalcanti, Célia Freitas e João Araújo.

Sérgio Brito convidou o diretor Gerald Thomas para dirigir Quatro Vezes Beckett, em 1985, no Teatro dos Quatro. Foi a primeira montagem de Thomas no Rio de Janeiro, que acrescentou o texto Nada à Trilogia Beckett,.No elenco estavam Rubens Corrêa, o próprio Britto e Ítalo Rossi.

Entrevista de Gerald Thomas com Sérgio Britto. Aula de teatro. Aula de cultura. Aula de história. Feita para o UOL

Postado com as tags: , , , ,

Gerald Thomas está de volta

Gerald Thomas voltou à cena. Estreou Throats (Gargantas) sexta-feira passada no Pleasance Theatre, em Londres. Segundo o jornal O Globo, “um teatro independente localizado num beco de Islington, bairro do norte da capital britânica, e que há 14 anos já nasceu na corda-bamba financeira por não fazer parte da lista de estabelecimentos que recebem subsídios do governo”.

Throats é sobre o mundo pós-11 de Setembro. Um atentado terrorista se confunde com um acidente de trânsito. Ou um “atropelamento de sentidos”. Segundo a Folha de São Paulo, “os mortos se encontram numa espécie de banquete, onde o vinho servido é o sangue de outros atentados e de outras datas de conflitos históricos”.

A estreia foi numa noite gelada do inverno londrino e Throats foi apresentado num espaço para 280 pessoas, praticamente lotado. O espetáculo fica em cartaz até 27 de março como parte de uma série de espetáculos batizados de “Uma noite menos ordinária”.

Essa é a primeira montagem da companhia Ópera Seca, London Dry Opera, composta por sete atores selecionados depois da audição de mais de 600 candidatos.

A trilha sonora é assinada por John Paul Jones, baixista do Led Zeppelin, que compareceu à estreia ao lado da mulher, Maureen. Jones pretende desenvolver em parceria com Thomas o projeto de uma ópera, prevista para 2013.

Há um ano e meio (setembro de 2009), Gerald Thomas anunciou sua aposentadoria com manifesto de independência (http://geraldthomasblog.wordpress.com/manifesto/) . Dizia-se desiludido, petrificado, perdido. E que as artes haviam se transformado numa “mera repetição medíocre e menor de algo que já teve um gosto bom e novo”.

Se muita coisa não mudou no mundo desde então, Gerald reconhece que não aguentou ficar muito tempo longe dos palcos, por não saber fazer outra coisa. “Se existisse um ‘rehab’ para alguém se curar do vício do teatro, eu me internaria nele”.

Que bom que o Gerald Thomas voltou. O turbilhão de ideias do artista fazia falta. E que o espetáculo chegue ao Brasil.

As matérias do Globo e da Folha estão disponíveis no blog do Gerald.

Postado com as tags: , , ,