Arquivo do Autor: Ivana Moura

Uma razão de viver
Crítica do espetáculo Estádio
+ abertura da MITsp

Torcida do Lens Racing Club, conhecida como a mais fanática entre os franceses. 

Provocação do público do futebol ao teatro e seus artistas

Mascote e torcida

Sempre me perguntei por que não, ou porque não mais, o teatro não mobiliza multidões, as paixões idólatras. As possibilidades de respostas são milhares e inconclusivas e não vou mergulhar em nenhuma delas. Cito apenas a frase do filósofo Gilles Deleuze, já convocada pelo dramaturgo, encenador, ator e escritor franco-marroquino Mohamed El Khatib, para pensar sobre o espetáculo Estádio (Stadium). “Basicamente, o que diferencia um público de teatro de um público de futebol?”, pergunta Deleuze para emendar jocoso, “Quero dizer, além de roupas?”

Mohamed El Khatib é amante do futebol e jogou como meio-campista por alguns anos. A opinião do pai, também grande fã das partidas futebolísticas, inspirou o filho a construir essa pesquisa. A torcida do Lens Racing Club é conhecida como a mais fanática claque francesa, apesar de o time só ter conseguido a façanha de conquistar um único título na história, em 1997/8. O dramaturgo passou mais de um ano em Lens, situada na região norte da França, entrevistando moradores da pacata cidade de 35 mil habitantes.

Khatib ousa entrar em territórios difíceis, como ocorreu com Finir en beauté, que esteve na MITsp de 2019. Uma narrativa íntima pautada pela tristeza da ausência com a morte e o luto de sua mãe. Ou C’est la vie (2017) que parte dos depoimentos de dois atores sobre a experiência dolorosa da perda dos filhos, em circunstâncias diversas.

Estádio (Stadium), que abriu a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo de 2022, leva a assinatura dos diretores Khatib e Fred Hocké. Eles colocam em cena torcedores do clube para friccionar os campos do futebol e do teatro e pôr na roda aquela pergunta do Deleuze, o que diferencia essas audiências para além dos códigos de vestimenta.

São muito interessantes as dobras dessa peça de teatro documental. O caráter intimista dos depoimentos dos apoiadores do LRC, levados à cena em vídeos ou testemunhos ao vivo com a projeção coletiva.  A dedicação ao time faz as conexões pessoais com o senso de comunidade da classe trabalhadora. As camadas mais políticas são puxadas com as declarações sobre rivalidades, desemprego, pertencimento, solidariedade, espírito de equipe e amor incondicional ao clube.

O autor e diretor, de costas, e o turma do Corinthians . Foto Silvia Machado

Em Estádio, Mohamed está no palco para apresentar seus convidados, as garotas pompom, os mascotes e a banda marcial. O autor-realizador faz muitas perguntas aos torcedores.  Mas, em algum momento, o líder da galera pergunta a Mohamed – e ao teatro, e aos artistas – se existe mais liberdade de expressão no teatro do que no futebol. Fica a pergunta.

Da perspectiva dos apoiadores do LRC – trabalhadores das minas e operários, alguns empregados na limpeza e na segurança no Louvre – há um viés de violência de classe no acossamento da polícia. Avisam numa das faixas: “Somos violentos, nem mais e nem menos que a polícia”.  

Os torcedores devotos de um clube de futebol de segunda divisão estão no palco.  O match com a plateia do teatro parece que chega parcial para Estádio na temporada paulistana. Li que na França, o projeto de El Khatib foi um sucesso. 

As apresentações no Brasil contaram com adeptos do Corinthians, um time grande (mas acho que não tinha muito corinthiano na plateia). A zombaria irônica da peça proposta em perguntas por El Khatib ficou dispersa entre os torcedores do Corinthians.

Parece-me que o país do futebol gosta de falar do seu futebol. As conexões testadas pela encenação não visualizaram gerar grande empolgação por aqui. Pelo menos foram as falas que mais escutei depois da apresentação. As provocações da torcedora lembrando da derrota do Brasil por 7 x 1 para a Alemanha ou a Copa do Mundo 2018 para os Les Bleus (Os Azuis) não foram encaradas como uma piada agradável.

Garotas do pompom. Foto Silvia Machado

Bandeira foi confeccionada pela avó do torcedor

As garotas de pompom reforçaram a distância de realidades. A fala supostamente feminista da jovem que se diz acima de peso, mas que conseguiu se firmar na torcida e encontrar uma libertação soou um pouco estranha na argumentação. As entrevistas em vídeo, sem filtros nem grandes intervenções de edição, com o tempo estendido para falar do cotidiano, chegavam como um “tudo isso poderia ser resumido”.

Um dos momentos mais impactantes, e belos, é quando um torcedor agita a grande bandeira do clube, que foi confeccionada por sua avó. O coração da torcida cola naquele gesto, enquanto o estandarte traça desenhos no ar.

Público vai ao palco para pegar cerveja, água e batata frita no intervalo

Como se fosse um jogo de futebol, depois dos 45 minutos do primeiro tempo há um intervalo de 25 minutos. Parece que espetáculo parou, mas podemos dizer que continua com a distribuição de copos de cerveja, batatas fritas e água no food-truck instalado no palco. Em alguns lugares, os produtos eram vendidos; na temporada brasileira, foram distribuídos gratuitamente. Muitos seguiram o chamado, mas não podemos comparar a animação com a dos torcedores em um estádio de futebol.

É uma outra experiência, subir ao tablado reservado para o elenco e atentar para o teatro em outra perspectiva. E observar da plateia os espectadores criarem coreografias corais não programadas.  

A performance documental vem carregada das pulsões dessas pessoas, que dedicam parte da vida à torcida. Há algo de tocante e cáustico nas escolhas, (na falta de) horizontes do capitalismo, desenvolvido nessa partitura coral repleta das energias do coletivo.

Não aparece o esporte espetacular, que o brasileiro tanto gosta. Mas o projeto utópico dos franceses, de gerar transformações segue o efeito de produzir pensamento. Afastar noções óbvias. Mohamed El Khatib atua no limite no teatro. Seu trabalho é desestabilizador.

 

Abertura da MITsp

Zahy Guajajara e Dodi Leal, mestras de cerimônia da abertura da MITsp. Foto Silvia Machado

Guilherme Marques,  Rafael Steinhauser e Antonio Araujo, diretores geral, institucional e artístico

Público no Teatro Paulo Autran, do Sesc Pinheiros

As corpas falam muito de si e do mundo. Algumas mais. Gritam coisas que não podem mais ser caladas. Na abertura da 8ª edição da MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo no Teatro Paulo Autran, do Sesc Pinheiros, na noite de quinta-feira (2/6), as mestras de Cerimônia Dodi Leal e Zahy Guajajara deram um recado que muitos de nós queremos dar.  “As placas tectônicas não param de se mexer… Nunca urgimos tanto pela vida pública como agora…”, pontuaram.

Dodi, curadora do Eixo Ações pedagógica da MITsp deste ano, professora e performer trans; e Zahy, atriz e ativista indígena, prosseguiram provocando, acedendo as moléculas e talvez revelando o estado de espírito de quem trabalha com cultura, depois de tanta redução de direitos. “Quais as vidas que importam para o Estado Brasileiro?”, perguntam para afirmarem em seguida: “Não há democracia étnico-racial no Brasil atual. Não há diversidade no Brasil atual. Não há igualdade de gênero no Brasil atual. Não há inclusão no Brasil atual”.

Para traduzir os impactos que esses tempos árduos trouxeram, ela soltaram que essa é uma mostra de teatro pó-colonial, “pois é a partir do pó da colonização, no resto da modernidade, que elaboramos a nossa cena”.

Foram chamados ao palco o Diretor Regional do Sesc SP, Danilo Santos de Miranda, que reforçou a importância da cultura em nosso país e saudou a volta presencial da MITsp. Depois Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural também salientou a relevância da mostra.

O secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, aproveitou para falar que entre os editais da sua pasta foi lançado um de apoio para intercâmbio de grupos teatrais paulistas ao festival de Edimburgo.

Secretária municipal de cultura da cidade de São Paulo, Aline Torres

Durante o discurso da secretária municipal de Cultura da cidade de São Paulo, Aline Torres, alguém da plateia gritou “Fora, Bolsonaro”. Ela não perdeu a deixa e comentou “É isso que a gente quer gritar para o mundo”. E emendou que tem pouco tempo para isso acontecer.

O diretor geral de produção Guilherme Marques, da MITsp, falou em seu nome e do parceiro Antonio Araujo, diretor artístico, ambos idealizadores da Mostra. Com uma edição mais concisa, feita nas condições do possível, ele se declarou agradecido em retornar aos palcos presenciais, após uma edição totalmente on-line devido à pandemia. Passou um vídeo em que homenageia a equipe que trabalha na MITsp e que realizou tarefas hercúleas para levantar essa edição. Lembrou dos esforços da mostra na internacionalização das artes cênicas. Emocionado, citou o verso da canção do Belchior, que diz “ano passado eu morri, mas este ano eu não morro!”.

Nessa abertura havia um desassossego no ar. Um contentamento descontente. Seguimos pulsando e atuantes, mas não podemos esquecer dos nossos mortos. São mais de 600 mil brasileiros mortos pela pandemia. Um quadro econômico absolutamente inaceitável e um cenário social difícil para dizer o mínimo. Todos nós sabemos. Mas são a arte e cultura nossos instrumentos de luta e de mudança.

 

Postado com as tags: , , , ,

Cartas do livro “Querido Lula”
apostam que o futuro é agora

Zelia Ducan cantou os versos “O sol há de brilhar mais uma vez / A luz há de chegar aos corações / O mal será queimada a semente / O amor será eterno novamente)”. Fotos Ivana Moura

Zélia Ducan lendo uma das mensagens do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão,

À certa altura da noite ontem, 31 de maio de 2022, no palco do Tuca (Teatro da Universidade Católica de São Paulo), em Perdizes, São Paulo, Zélia Duncan confirmou: “vamos falar só de amor hoje”. Era a resposta a um “eu te amo” de alguém da plateia, que estava lotada para acompanhar o lançamento do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão, da editora Boitempo.

O evento contou com a leitura de algumas das cartas remetidas ao presidente Lula no período em que esteve preso em Curitiba, espetáculo que foi chamado de Querido Lula: cartas do povo brasileiro. Zélia Duncan leu a mensagem da professora de língua portuguesa, Ana Beatriz Arena, do Rio de Janeiro, que começava com “Querido presidente (nada de ex !) Lula”, ressaltando que os programas dos dois governos lulistas mantidos pela presidenta Dilma, “devolveram (ou desenvolveram) aos ‘meus meninos’ da periferia a vontade de estudar e se tornar ‘doutor'”.

Sabemos que o que pulsa e impulsiona o humano começa pelo desejo – essa motivação de ir além – que quando encontra oportunidades pode fazer a revolução ou alguma insurreição.

Depois de interpretar a canção Juízo Final, de Nelson Cavaquinho (O sol há de brilhar mais uma vez / A luz há de chegar aos corações / O mal será queimada a semente / O amor será eterno novamente), Ducan passou o bastão para outro convidado. Querido Lula: cartas do povo brasileiro estava carregado desse teor:  muitos elos para formar uma grande corrente que se expande para além do palco do Tuca.

A apresentação, dirigida pelo brasileiro Márcio Abreu e pelo francês Thomas Quillardet, teve participação de artistas da música e do teatro, como Ducan, Denise Fraga, Camila Pitanga, Cleo, Celso Fratesch, Grace Passô, Debora Duboc, Leandro Santos, Cida Moreira, Tulipa Ruiz, Cássia Damasceno, a ativista Preta Ferreira, a vereadora Erica Hilton e alguns autores das correspondências na presença do destinatário.

Ivana Jinkings, da editora Boitempo

Historiadora francesa Maud Chirio, organizadora do livro 

A editora-chefe da Boitempo, Ivana Jinkings, abriu os trabalhos lembrando que sua firma lançou em 2018 A verdade vencerá: O povo sabe por que me condenam, obra que ela chamou de premonitória. A publicação traz uma longa entrevista de Luiz Inácio Lula da Silva concedida aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, ao professor de relações internacionais Gilberto Maringoni e à própria Jinkings.

Querido Lula: cartas a um presidente na prisão traz uma seleção de 46 das 25 mil cartas recebidas pelo Instituto Lula ao longo dos 580 dias da prisão de Luiz Inácio Lula da Silva na sede da Polícia Federal, em Curitiba.

A pesquisadora francesa Maud Chirio, – professora na Universidade Gustave Eiffel, França, onde Querido Lula foi publicado este ano -, organizadora do livro no Brasil ressaltou o feito como uma história extraordinária. Chirio avaliou que não existe  nenhum movimento equivalente na história, ao menos na mesma escala. O movimento de correspondência e o volume de mensagens enviadas ao politico impressionaram a historiadora, que trabalhou com uma equipe para catalogar e digitalizar o material, para garantir sua preservação.

Denise Fraga 

Coube a Denise Fraga fazer as honras de mestra de cerimônia e chamar os convidados mais ilustres ao palco, já ocupado por artistas e missivistas: convocou Fernando e Ana Haddad, Dilma Rousseff, Lula e Janja. O clima era de emoção e, em muitos momentos, cada um de nós lacrimejou.

Fraga apresentou a primeira carta, do pedreiro Francisco Aparecido Malheiros, “que trabalha os dias que tem serviço”, mas mesmo com pouco gostaria de contribuir para contratar mais advogados para defender Lula, pois escreve, “queremos nosso artilheiro em campo”.

Douglas leu sua própria carta endereçada ao presidente

Depois, Douglas William Dias leu a própria carta, em que conta como foram determinantes as ações dos governos petistas para ele cursar pós-graduação em Saúde da Família. Mais adiante, Fatima Lima, de Natal (RN), lembrou na sua escrita que a dor de Lula preso doía em nós. “E uma dor diferente por que não é uma dor pessoal só. E uma dor coletiva por uma ferida coletiva”.

Para aquelas pessoas que escreveram cartas, Lula é um estadista, no mais alto grau do termo, mas também uma pessoa muito próxima, quase da família. Suas mensagens expõem desejos de que ele, Lula, se mantenha firme, pois é um dos nossos. Passa por aí um tratamento carinhoso, quase íntimo, de uma mãe que incentiva, mas pode dar bronca no filho; do irmão que se orgulha do mais velho, de algum parente ou amigo que tem certeza que Lula é o cara.

E são expostas as confidências de mudanças de vida proporcionadas, motivadas por políticas públicas dos governos petistas, dos espaços conquistados contra a discriminação de quem é negro ou mulher, com vontade de que acabe esse inferno que se tornou o Brasil nos últimos anos do atual governo, com desemprego, perdas de direitos trabalhistas, perseguição à arte e a cultura.

Na carta lida por Grace Passô e Debora Duboc há mais um dado interessante que demonstra uma lucidez, uma sabedoria em avaliar a situação que vai além de um apoio idólatra (como apontam alguns) ao melhor presidente que esse país já teve. Na mensagem de Jorge Luiz Zaluski, ele relembra das políticas públicas que criaram oportunidades de superação da pobreza. Historiador e sociólogo atualmente com doutorado, ele traça paralelos entre seu percurso familiar e trajetória de Lula. Mas adverte “Nossos tempos sombrios não garantem nada, principalmente quando a democracia está em jogo”.

São muitos exercícios de esperançar. De apostar e trabalhar para que a vida seja diferente da que vivemos hoje, porque já provamos e isso é possível.

Leandro Santos, Grace Passô, Camila Pitanga, Cássia Damasceno e a vereadora Erica Hilton

Fernando Haddad

emoção de lula

A emoção de Lula

Dilma lendo uma carta

Fernando Haddad leu a carta de Jean Willys, ex-deputado que precisou deixar o Brasil para garantir sua própria vida, que estava sob ameaça, depois que esse grupo político que governa ascendeu ao poder. A presidenta Dilma leu o depoimento da garota Juliana Freitas, que disse que virou petista aos 12 anos, em 1989 ao ver – por indicação do pai – a propaganda eleitoral pela televisão e ficou hipnotizada com as falas de Lula. Janja leu duas cartas que ela mesma escreveu ainda no começo do namoro.

Ficou por último a fala do presidente que salientou que vive o melhor momento de sua vida, apaixonado e casado com a socióloga Janja, renovado e agradecido por todo apoio que recebeu durante os 580 dias que passou injustamente preso na carceragem da Polícia Federal de Curitiba.

Seu discurso foi contundente para falar da atual situação do Brasil, que voltou a níveis de pobreza extrema. A inflação que esmaga o salário e a postura fascista do Bozo também pontos do seu discurso. Lula estava no seu campo e se deu ao direito de fazer embaixadinha, dar chapéu, fazer gol de bicicleta. Com sua habilidade de oratória, eletrizou e emocionou a plateia ao falar das mortes, desde as que foram ocasionadas pela pandemia, passando pelas tragédias em decorrência da intervenção irresponsável do ser humano na natureza até as que são ocasionadas pelo braço do Estado. Lula ressaltou a educação como caminho para tirar o Brasil da situação em que se encontra e afirmou que a “ignorância gera Bolsonaro”.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Lula vai ao teatro

Artistas intepretram as cartas escritas ao ex-presidente quando ele estava preso em Curitiba. Capa do livro da Boitempo

Zélia Duncan, Denise Fraga, Camila Pitanga, Preta Ferreira, Cleo Pires, Maria Ribeiro, Monica Iozzi, Celso Frateschi, Grace Passô, Erika Hilton, Deborah Duboc, Leandro Santos, Cida Moreira, Tulipa Ruiz e Cassia Damasceno são alguns artistas que dão voz às correspondências enviadas ao ex-presidente no ano e meio em que esteve detido. O espetáculo Querido Lula: cartas do povo brasileiro marca o lançamento do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão (Boitempo), que também vai contar com a participação de missivistas vindos de todo o país para ler suas próprias cartas. O livro é uma seleção de 46 das mais de 25 mil cartas que foram mandadas ao político no período de sua detenção em Curitiba.

A peça é apresenta no dia do lançamento do livro, no palco do Tuca, em São Paulo, nesta terça-feira, 31/05. O trabalho cênico é dirigido pelo brasileiro Márcio Abreu e pelo francês Thomas Quillardet, realizado pela Boitempo em parceria com a PUC-SP e com apoio da Universidade Gustave Eiffel, Fundação Friedrich Ebert e Instituto Lula.

A presença de Lula está confirmada e isso faz subir a temperatura do evento. São esperados alguns políticos ligados a Lula, como o pré-candidato ao governo de São Paulo Fernando Haddad. Os ingressos para o espetáculo estão esgotados.

Durante os 580 dias que ficou preso arbitrariamente na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PF) – de 7 de abril de 2018 a 8 de novembro de 2019, o ex-presidente Lula recebeu muitas manifestações de apoio, de carinho e solidariedade.

A vigília Lula Livre – um acampamento em frente à prisão – deu uma sustentação psicológica. As cartas enviadas do Brasil e exterior – na maioria por gente pobre agradecida por todas as mudanças que os governo petistas proporcionaram – renovaram de esperança o espírito do presidente.

 O material publicado foi selecionado pela historiadora Maud Chirio e procura representar a diversidade contida nas cartas, contemplando autores de diferentes origens sociais e regiões do país, em suas histórias de vida, tons e abordagens. A edição tem prefácio do rapper Emicida e orelha da escritora Conceição Evaristo. A obra também apresenta um caderno de imagens com fotos de diferentes objetos enviados ao ex-presidente.

“A partir de 2003, comecei a ver seu poder de transformação. Paulatinamente, vi a miséria no meu Estado regredir, vi diminuir o número de pedintes nas ruas, vi o pobre ter acesso a curso superior, vi gente comemorando a chegada de energia elétrica em sua casa, vi o pobre descortinar seus horizontes, pegando um avião e descobrindo que o mundo a ele também pertencia. Vi direitos assegurados a nossas domésticas, que de nossas casas tiveram a feliz oportunidade de sair com seus diplomas em mãos. E vi que pra isso tudo, minha vida não tinha piorado. Pelo contrário, só melhorou. Daí que ainda não consigo compreender a raiva que a maioria das pessoas pertencentes a minha classe sente por conta de tais conquistas”. 
– Ana Carolina, Teresina, 13 de abril de 2018.

“Não há, até onde sabemos, nenhum movimento equivalente na história, ao menos na mesma escala”, avalia a organizadora do livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão, a historiadora e brasilianista francesa Maud Chirio, que é professora e pesquisadora na Universidade Gustave Eiffel, França, onde Querido Lula foi publicado este ano.

Para a pesquisadora, as cartas têm valor histórico “excepcional” por expressarem vozes que não costumam ser ouvidas. Por isso, em 2018, da França, Maud Chirio voluntariou-se para ajudar a catalogar e digitalizar as cartas. Montou uma equipe de sete profissionais, seis deles historiadores e historiadoras.

O livro é o quarto projeto liderado por Maud para fazer ecoar essas vozes. A professora e a equipe organizaram uma exposição virtual multilíngue, disponível em www.linhasdeluta.org. Em 2019, promoveram uma apresentação teatral, Abril / Abril, dirigida por Thomas Quillardet, que reuniu mais de 500 pessoas em um teatro de Paris, com presenças de artistas como Chico Buarque e a atriz portuguesa Maria de Medeiros. E criaram uma série de podcasts veiculada pela emissora de rádio Universidade Nacional General Sarmiento (Argentina).

Serviço
Lançamento-espetáculo

Espetáculo Querido Lula: cartas do povo brasileiro
Livro Querido Lula: cartas a um presidente na prisão
Dia 31 de maio, das 19h às 21h
Teatro Tuca (Rua Monte Alegre, 1024, São Paulo SP)
Os ingressos estão esgotados

Apoiam este evento:
Universidade Gustave Eiffel
PUC-SP
Fundação Friedrich Ebert
Instituto Lula

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Suingue, ginga e síncope com Jacksons do Pandeiro

Jacksons do Pandeiro. Foti: Renato Mangolin

Jacksons do Pandeiro Foto: Renato Mangolin

“Eu só boto bebop no meu samba quando Tio Sam tocar um tamborim. Quando ele pegar
no pandeiro e no zabumba. Quando ele aprender que o samba não é rumba. Aí eu vou misturar, Miami com Copacabana. Chiclete eu misturo com banana, E o meu samba vai ficar assim”… E bota suingue, ginga e síncope nesse caldeirão rítmico criado pelo genial Jackson do Pandeiro.

A Barca dos Corações Partidos que montou em sua trajetória de 10 anos as peças Gonzagão – A Lenda (2012), Ópera do Malandro (2014), Suassuna – O Auto do Reino do Sol e Macunaíma – Uma Rapsódia Musical, apresenta Jacksons do Pandeiro, direção de Duda Maia, texto de Braulio Tavares e Eduardo Rios e direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos.

 A temporada paulista ocorre no Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, de19 a 29 de maio, com sessões às quintas, sextas e sábados às 20h, e aos domingos, às 18h.

O cantor, compositor e multi-instrumentista paraibano Jackson do Pandeiro (1919-1982), ficou conhecido como ‘Rei do Ritmo’ por suas manobras sonoras em mais de 400 canções de vários gêneros como samba, forró, coco, baião e frevo.

A montagem não faz uma biografia cênica do homenageado, mas traça linhas de episódios da vida e das músicas de Jackson com a experiência dos atores. O elenco leva para a cena fragmentos de suas histórias pessoais, que coincidem em muitos pontos com a história de Jackson.

O autor paraibano Braulio Tavares ressalta que falar de Jackson é também falar de nordestinos anônimos. “Às vezes, o texto do espetáculo aparece em forma de música, às vezes como uma poesia ou um poema musicado. Cada vez que ele aparece, ele propõe uma nova brincadeira rítmica – mesmo não tendo uma métrica de poesia – por meio de um jogo de palavras ou outro mecanismo. A nossa ideia é fazer isso para dialogar com as músicas do Jackson, que tinham poesia, brincadeira e alegria”.

A diretora Duda Maia investiu na pesquisa sobre a ideia de ‘corpo-rítmico’ dos atores.Os integrantes da Barca (Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Renato Luciano e Ricca Barros) dividem a cena com três artistas convidados: Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza.

O musical reúne sucessos como Sebastiana, O Canto da Ema, Chiclete com Banana, Cantiga do Sapo e outras composições. Além dessas canções, o musical traz músicas novas. “É um ‘pedir licença’ à obra dele, mas sem deixar de homenageá-lo com todo respeito, carinho e admiração”, conta Eduardo Rios. 

Todos os instrumentos em Jacksons do Pandeiro são tocados pelos atores em cena, como nas montagens anteriores da Barca. “Trazemos a forma sincopada do canto para o jogo de cena o tempo todo. Em nosso título, Jacksons aparece no plural porque são várias histórias que se cruzam e se confundem com a de Jackson”, destaca Duda Maia.

Ficha Técnica
Direção: Duda Maia
Dramaturgia: Braulio Tavares e Eduardo Rios
Direção Musical: Alfredo Del-Penho e Beto Lemos
Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves
Com a Cia. Barca dos Corações Partidos: Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Renato Luciano e Ricca Barros
Artistas convidados – Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza
Figurinos: Kika Lopes e Rocio Moure  
Cenário: André Cortez
Iluminação: Renato Machado
Design de som: Gabriel D’Angelo
Visagista: Uirandê de Holanda
Assistente de Direção: Júlia Tizumba, Eduardo Rios e Adrén Alves
Assistente de figurino: Masta Ariane
Assistente de cenografia e produção de arte: Tuca Benvenutti  
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Coordenação de Produção: Rafael Lydio
Produção Local e Executiva: Flávia Primo 
Assistente de Produção: Matheus Castro 
Este projeto conta com o incentivo fiscal da Lei de Incentivo à Cultura
Realização: Sesc SP, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal
Produção: Sarau Cultura Brasileira

Serviço
Jacksons do Pandeiro, de Barca dos Corações Partidos
Temporada: de 19 a 29 de maio, às quintas, sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 18h.
Teatro Paulo Autran – Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195, Pinheiros
Ingressos: R$ 40,00 (Inteira) R$ 20,00 (Meia) R$ 12,00 (comerciários)
Vendas online a partir do dia 10 de maio (ao meio-dia) no site sescsp.org.br. Nas bilheterias do Sesc a partir do dia 11 de maio (às 17h) 
Classificação: 10 anos
Duração: 120 minutos

Postado com as tags: , , , , , , , ,

Por que não vivemos?
Eis a questão!!!

 

 

Cena de Por que não vivemos?, com Camila Pitanga e rodrigo de odé. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Rodrigo Bolzan ao centro. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Montagem da companhia brasileira de teatro tem no elenco Camila Pitanga, Cris Larin, Edson Rocha, Josy.Anne, Kauê Persona, Rodrigo Bolzan, Rodrigo Ferrarini e Rodrigo de Odé. Foto: Nana Moraes / Divulgação

Josy.Anne e rodrigo de odé em Por que não vivemos? Foto: Nana Moraes / Divulgação

Em qualquer tempo, cada um de nós pode cair na armadilha da inação, da paralisação do desejo de ousar um caminho novo, uma aventura ou uma possibilidade radical. O espetáculo Por que não vivemos?, dirigido de Marcio Abreu, com a companhia brasileira de teatro, investiga cenicamente esse condição. “Por que não vivemos como poderíamos ter vivido?” é uma pergunta-chave pulsando no texto do dramaturgo russo Anton Tchekhov (1860-1904), nessa peça escrita quando ele tinha por volta de 20 anos.

“Essa questão, que se abre para tantas outras, é um pouco a alma dessa peça”, situa Marcio Abreu. “São pessoas que gostariam de estar em outro lugar, mas não fizeram nada para isso. Mostra como a trama da vida vai se desenrolando e as pessoas vão caindo na armadilha de ficar onde estão”, aponta Giovana Soar, que assina com Abreu e Nadja Naira a adaptação da obra, a partir de uma tradução original do russo por Pedro Alves Pinto e de uma publicação francesa.

Por que não vivemos? estreou em julho de 2019 no CCBB do Rio de Janeiro, e passou no mesmo ano pelos CCBBs Belo Horizonte e Brasília. Em 2020, o espetáculo estreou em São Paulo no Teatro Municipal Cacilda Becker, mas com o início da pandemia suspendeu sua temporada. Depois disso, a montagem circulou por Recife e outras capitais. Agora, faz uma curta temporada no Sesc Santo Amaro (R. Amador Bueno, 505 – Santo Amaro, SP) de dia 20 de maio a 12 de junho de 2022, de sexta a domingo.

A peça, que foca na história do professor Platonov, foi descoberta nos arquivos do irmão de Anton Tchekhov após a sua morte, e publicada em 1923. Sem um título oficial, a peça foi editada em diversos países como Platonov. Somente no final da década de 1990 a obra ganhou traduções e montagens em teatros da Europa. Em 2017, os atores Cate Blanchett e Richard Roxburgh estrearam uma versão do texto na Broadway, em Nova York, chamada de The Present.

A escolha do título Por que não vivemos?, pela companhia brasileira de teatro estabelece, segundo o diretor, um exercício político pois aponta simultaneamente para o passado que não foi vivido e para uma convocação a um futuro que pode ser construído. Para Marcio Abreu, a encenação busca propor reflexões sobre as singularidades dos sujeitos, a conexão coletiva e uma consciência sobre as diferenças. “Os corpos dos atores se reconhecem na estrutura de um texto escrito no final do século XIX e as dinâmicas estabelecidas nos ensaios fizeram com que ele se atualizasse, conferindo ainda mais força à dimensão política da peça”, constata.

O espetáculo lida com temas recorrentes na obra de Tchekhov, a exemplo do conflito entre gerações, as transformações sociais através das mudanças internas do indivíduo, as questões do ser humano comum e do pequeno que existem em cada um de nós, o legado para as gerações futuras – tudo isso na fronteira entre o drama e a comédia, com múltiplas linhas narrativas.

“A montagem tem um foco muito específico nas personagens femininas. São elas que causam transformação, que caminham, que querem mudanças, contravenções e que enfrentam conceitos”, salienta Giovana. Soar atenta que esses traços estavam no texto de Tchekhov, mas foram acentuados na adaptação.

A encenação propõe uma perspectiva de convivência e proximidade com o público através de deslocamentos dos atores pelo espaço e pela quebra da frontalidade. Com isso, o público se tornar coparticipante das ações que ocorrem em cena. 

Por que não vivemos? Foto: Nana Moraes / Divulgação

FICHA TÉCNICA
Por que não vivemos?
Da obra Platonov, de Anton Tchekhov
Direção: Marcio Abreu
Assistência de Direção: Giovana Soar e Nadja Naira
Elenco: Camila Pitanga, Cris Larin, Edson Rocha, Josy.Anne, Kauê Persona, Rodrigo Bolzan, Rodrigo Ferrarini e rodrigo de Odé
Adaptação: Marcio Abreu, Nadja Naira e Giovana Soar
Tradução: Pedro Augusto Pinto e Giovana Soar
Direção de Produção: José Maria
Produção Executiva: Cássia Damasceno
Iluminação: Nadja Naira
Trilha e efeitos sonoros: Felipe Storino
Direção de movimento: Marcia Rubin
Cenografia: Marcelo Alvarenga | Play Arquitetura
Figurinos: Paulo André e Gilma Oliveira
Direção de arte das projeções: Batman Zavareze
Edição das imagens das projeções: João Oliveira
Câmera: Marcio Zavareze
Técnico de som | projeções: Pedro Farias
Assistente de câmera: Ana Maria
Assistente de produção: Luiz Renato Ferreira
Operador de Luz: Henrique Linhares e Ricardo Barbosa
Operador de vídeo: Michelle Bezerra e Sibila
Operador de som: Bruno Carneiro e Felipe Storino
Cenotécnico e contrarregra: Alexander Peixoto
Máscaras: José Rosa e Júnia Mello
Fotos: Nana Moraes
Programação Visual: Pablito Kucarz
Assessoria de Imprensa São Paulo: Canal Aberto
Difusão Internacional: Carmen Mehnert | Plan B
Administração: Cássia Damasceno
Criação e Produção: companhia brasileira de teatro
 
SERVIÇO
Por que não vivemos?
De 20 de maio a 12 de junho de 2022
Sextas, às 20h, sábados, às 19h e domingos, às 18h
Local: Sesc Santo Amaro (R. Amador Bueno, 505 – Santo Amaro, SP)
Ingressos: R$ 40/ R$ 20/ R$ 12
Capacidade: 279 lugares
Duração: 150 min.
Gênero: Comédia Dramática.
Classificação indicativa: 16 anos.
 
 

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,