Arquivo da tag: teatro

Peça reconstrói assassinato de João Pessoa

05022016-Antonio_David_104O dramaturgo e diretor do espetáculo De João Para João não compactua com a ideia de que a professora e poeta Anayde Beiriz tenha sido o pivô do estopim da Revolução de 1930, tese defendida por alguns historiadores. A montagem paraibana que faz única apresentação no Teatro de Santa Isabel, no próximo sábado dia 6 de maio, aponta como a mídia incendiou os ânimos já acirrados entre os adversários paraibanos. A peça é construída levando em conta o ponto de vista do assassino. A ação ocorre na tarde do dia 26 de Julho, na confeitaria Glória, no centro do Recife.

Na versão oficial mais oficial do episódio, João Pessoa, da Aliança Liberal, governante da Paraíba e candidato à vice-presidência da República na chapa de Getúlio Vargas, foi assassinado por questões políticas pelo advogado João Dantas, afilhado do principal dirigente do Partido Republicano da Paraíba, o coronel Zé Pereira. A historiografia transformou João Pessoa em herói, Dantas em vilão e Anayde foi apagada do mapa (ou demonizada) por muito tempo.

Eram muitos interesses nesse jogo de poder dos dois partidos. O grupo de João Dantas é apontado como arcaico na defesa dos  negócios tradicionais de latifundiários e comerciantes do Sertão da Paraíba e de Recife. Grupos que recebiam os benefícios da  política do café-com-leite, do governo federal. Os defensores da Aliança Liberal são tidos como os que anunciavam mudanças.

Mas os conflitos se dão no campo oligárquico, com autoritarismo de lado a lado e esferas pública e privada entrelaçadas. Entre as ações truculentas estão invasões a territórios particulares. Um ataque à fazenda da família de João Dantas, com ameaças de morte. A casa do advoga também é violada pela polícia, que confisca os diários íntimos e poesias do casal, além das fotos de nudez de Anayde  para expor publicamente na delegacia.

Por sua vez, João Dantas publicou no Jornal do Comércio, do Recife, um texto com o título Às Voltas com um Doido, com acusações ao governante João Pessoa. A carta é uma dos principais documentos de inspiração da peça de Tarcísio Pereira, que atua ao lado de Flávio Melo.

No cinema a atitude de Anayde ganhou protagonismo no filme Parayba, mulher macho (1983), da cineasta brasileira Tizuka Yamazaki, que é baseado em documentos históricos e no livro no livro Anayde Beiriz, paixão e morte na revolução de 30, de autoria de José Joffily. Anayde é apresentada como uma jovem de ideias libertárias, inconformada com os costumes da sociedade brasileira na década de 1920. Essa obra deixa a  o confronto político entre a Aliança Liberal e o Partido Republicano, como pano de fundo. Tizuka defende em sua obra que a motivação do assassinato foi essencialmente de ordem passional.

Na entrevista abaixo, Tarcísio Pereira fala sobre a pesquisa realizada para a montagem do espetáculo De João Para João, as opções dramatúrgicas para construir cenicamente esse episódio que teve o Recife como cenário, mudou a história do Brasil e desencadeou a chamada Revolução de 1930.

Entrevista: Tarcísio Pereira, dramaturgo e diretor

Tarcísio Pereira, dramaturgo e diretor

Tarcísio Pereira é autor, diretor e ator da peça De João para João. Foto: Reprodução do Facebook

De João para João. O que propõe o espetáculo?
Recontar uma história que abalou a estrutura política deste país há 87 anos, buscando lançar um novo ângulo de visão em torno de um episódio que divide opiniões até hoje. Colocamos o teatro como plataforma de reflexão em torno de fatos ocasionados pela influência da mídia. Recontamos os últimos instantes de um crime sob o ponto de vista do assassino – colocando em cena, pela primeira vez, o vilão e a vítima que entraram para a história do nosso país, num fato ocorrido na cidade do Recife. Além disso, procuramos desenvolver uma experiência cênica sob o foco de uma tragédia nacional que tem levado a diversas interpretações, utilizando o testemunho pessoal de um homem que mudou a história de um estado brasileiro e que redundou numa tomada de poder no âmbito nacional.

A partir da sua pesquisa, o que o senhor conclui sobre a participação da poeta Anayde Beiriz nesse episódio?
Anayde foi inocente em toda essa história, embora tenha se tornado uma grande mártir como consequência desse assassinato. Essa história teve muitos mártires, começando pelo próprio João Pessoa. Depois, o assassino foi também um mártir, pela forma brutal como foi assassinado na prisão, na época a Casa de Detenção no Recife, quando as forças “revolucionárias” de Getúlio (Vargas) tomaram a Presidência da República. Outro mártir, na sequência, foi João Suassuna, pai do escritor Ariano Suassuna, que era deputado federal e levou um tiro nas costas, numa rua do Rio de Janeiro. Ele tinha governado a Paraíba antes de João Pessoa, eram aliados e acabou virando adversário. Além de outras famílias e lideranças políticas na Paraíba que eram adversários de João Pessoa.
Mas voltando a Anayde, para mim foi a maior vítima – uma mulher que, ao que parece, não tinha muito envolvimento político e que pagou pelo fato de ser a namorada do assassino de João Pessoa. Ela não suportou a pressão na capital paraibana, sendo chamada de “amante” ou “putinha” de João Dantas e teve que se exilar no Recife num instituto de freiras, onde acabou tomando veneno. Hoje, Anayde é uma mulher reverenciada na Paraíba, tem até escola e conjunto residencial com o nome dela. Mas durante uns trintas anos ela foi um tanto amaldiçoada na própria terra, mesmo depois de morta. Para se ter uma ideia, nenhuma criança que nascesse do sexo feminino podia ser batizada com o nome de Anayde.

Em linhas gerais, o que foi publicado no jornal A União, sobre a correspondência íntima entre João Dantas e Anayde?
Há uma confusão sobre esse fato. Na verdade, a correspondência íntima nunca foi publicada no jornal A União. O jornal oficial apenas noticiou que foram encontradas cartas “comprometedoras” de João Dantas, quando invadiram a casa e o escritório dele. E todo esse material ficou exposto numa das dependências do jornal para quem quisesse ver. O jornal apenas divulgou que o mural estava disponível à visitação, mas não chegou a publicar as cartas propriamente.

O que o senhor diria sobre o filme Parahyba Mulher Macho.
Gosto imensamente desse filme da Tizuka Yamasaki. Muito, muito mesmo. Mas falo enquanto realização fílmica, enquanto obra da nossa cinematografia. Do ponto de vista histórico, particularmente de alguns aspectos abordados na película, eu tenho alguns questionamentos, principalmente em relação à figura de Anayde Beiriz, que o filme apresenta de uma maneira como eu não tenho encontrado em toda a pesquisa que fiz. Mas isso é um detalhe e apenas um ponto de vista meu, não falo como um defeito. Além do mais, talvez o filme não tenha tido o propósito de ser tão fiel assim à história, o que é uma opção e não um problema. Mas, no geral, é um filme bonito e emocionante, muito bem feito e que também integrou a minha fonte de pesquisa para realizar o espetáculo De João para João.

                                          “A encenação é mais simples e direta porque                                                                                    teve esse propósito de focar na palavra                                                                                            e na força da interpretação”

Quais os motivos que o senhor atribui à posição histórica de herói que ostenta a figura de João Pessoa?
O assassinato, por si só (pela formal como aconteceu), já foi algo que causou comoção e contribuiu para a construção desse mito. Mas, além disso, a forma como João Pessoa governou a Paraíba, num momento em que os coronéis davam as cartas, acabou colocando-o como aquele administrador que teve coragem de quebrar os velhos vícios da política de caudilhos. Quando João Pessoa veio do Rio para governar a Paraíba, disse que ia dar uma “vassourada”, e realmente fez. Não sei com que intenção, mas realmente foi um administrador de coragem, organizou as finanças do estado em pouco tempo, colocou a folha dos funcionários em dia (que estava com meses de atraso), e passou a cobrar imposto dos coronéis do Sertão, os quais costumavam exportar o algodão pelas fronteiras com Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte. João Pessoa criou uma guerra tributária com a presença intensa do Fisco nas fronteiras, cobrando pedágios até de carroça de burro. Com isso, ele ganhou muita popularidade. Depois, ele teve também a coragem de negar apoio ao presidente da República na campanha presidencial, a ponto de figurar como candidato a vice na chapa de Getúlio Vargas. O tal “Nego”, que ganhou tanta repercussão, também contribuiu para essa popularidade. Depois veio o seu assassinato e, no rastro de tudo isso, a figura de herói. Mas era um homem muito difícil também, de temperamento forte e intransigente.

Qual o teor da carta Às Voltas com um Doido, publicada pelo advogado João Duarte Dantas, no Jornal do Comercio, do Recife?
É uma carta muito, muito violenta. Escrita com muito ódio por quem se sentia perseguido pelo governo. João Dantas traz muitas denúncias nessa carta, questionando a fortuna de João Pessoa e acusando-o, inclusive, de ter tentado matar o pai por duas vezes. Como bem diz o título do artigo publicado (que na verdade era uma carta ao governante paraibano), ele trata João Pessoa como “Doido”. Imagino que João Pessoa deve ter sofrido horrores quando leu esse texto no jornal do Comércio. Por coincidência, dias depois veio a invasão da casa de João Dantas, num momento que este se encontrava em Olinda e se aproveitaram da ausência dele. E depois dessa invasão, veio o crime. Ou seja: uma retaliação atrás da outra, que culminou numa grande tragédia.

Afinal, o assassinato de João Pessoa foi um crime político? Por quê?
Creio que a motivação foi pessoal, por conta da invasão da casa dele. Mas tudo isso tendo a política como pano de fundo. João Pessoa estava no meio de uma guerra com o coronel Zé Pereira, do município de Princesa Isabel, e João Dantas vinha atuando em favor de Zé Pereira, de quem era aliado. Ou seja: João Dantas, pelos jornais, atacava o governo o tempo inteiro devido às medidas duras de João Pessoa, e os artigos dele sempre faz referências à “Guerra de Princesa”. Isso levou a uma situação que extrapolou a seara política e entrou no campo pessoal. Então esse crime foi político e pessoal ao mesmo tempo, uma mistura das duas coisas.

                                       “Outro mártir, na sequência, foi João Suassuna,                                                                              pai do escritor Ariano Suassuna, que era deputado                                                                        federal e levou um tiro nas costas, numa rua do Rio de Janeiro”

Como o senhor situa a encenação? Utiliza os procedimentos convencionais?
Temos uma linguagem que vai da estética convencional ao experimentalismo cênico. Utilizamos elementos que dialogam com a simbologia e aquela forma tradicional do gabinete. Aliás, diria que este último fator tem mais predominância, isso em virtude da própria narrativa e do nosso cuidado com o público alvo. O texto é como um roteiro cinematográfico, que joga com a ação presente e a fantasia numa fusão de tempos alternados. Mas a encenação é mais simples e direta porque teve esse propósito de focar na palavra e na força da interpretação, pois estamos tratando de uma história real que geralmente atrai um público curioso por aquela história e não para ver uma experiência cênica. De toda forma, é um espetáculo que tem agradado aos dois tipos de público.

Quais os principais trunfos da montagem?
Talvez eu seja suspeito para apontar dois trunfos que passam diretamente pelo meu trabalho, mas é como posso avaliar. O primeiro deles está na dramaturgia, por ser um texto de cunho histórico, detalhadamente pesquisado, como uma força dramática que se sustenta do início ao fim, segurando o fôlego dos espectadores. O outro trunfo está na interpretação, são apenas dois atores em cena que não deixam a peteca cair em nenhum momento. E não sou eu que digo, é o público e a crítica que têm nos visto. Atores e texto são os dois grandes trunfos desse espetáculo.

Que aproximações que o senhor faz entre o clima da década de 1930 e os dias atuais?
Tudo a ver. Guardadas, claro, as diferenças entre os acontecimentos, mas o código dramático é o mesmo, o que mostra que a história sempre se repete com capítulos novos. Hoje temos uma situação política instável no Brasil, de muito descrédito e em que se questiona lisuras e procedimentos administrativos. Tínhamos uma presidente que foi banida do poder e um atual administrador que é tido por muitos como golpista ou usurpador, essas coisas… A política de 1930 passava por questionamentos como esses. Houve um presidente que foi banido do poder (Washington Luís), e um que havia sido eleito e não chegou a assumir (Júlio Prestes), quando Getúlio assumiu no lugar dele, embora tenha sido o segundo colocado nas urnas… E essas mudanças aconteceram por causa da morte de João Pessoa. Como João Pessoa tinha sido o vice na chapa de Getúlio, usaram o cadáver dele para comover o Brasil e Getúlio tomou a faixa presidencial. Além disso, todo um clima de instabilidade econômica e mudanças nas leis ocorreram naquele momento. Então o sentimento coletivo é o mesmo dos dias de hoje.

Peça trata de

Qual o papel da imprensa nisso tudo?
Tudo aconteceu por causa da imprensa, é como eu interpreto. Havia uma guerra de mídias entre órgãos de comunicação que pertenciam a facções diferentes. O jornal A União, na capital paraibana, atacava a honra pessoal de João Dantas e este, para não deixar por menos, respondia num jornal pernambucano que era ligado aos Pessoa de Queiroz (por sinal primos de João Pessoa, que mesmo sendo primos eram inimigos dele). Então essa guerra extrapolava os limites da ética, o que era bem comum naquela ocasião. A peça reproduz muitos trechos das notas e artigos publicados na época, um contra o outro, o que ajuda o espectador a tirar uma conclusão sobre as razões dessa tragédia.

O que o senhor diria para atrair um possível espectador para sair de casa e ir até o Teatro de Santa Isabel no dia 6 de maio?
Antes de falar para esse espectador, eu digo o que nós, do grupo, temos conversado sobre o tipo de reação do público recifense. A gente quer ter esse termômetro aqui por uma razão simples: toda a história se passa no Recife; Recife foi o cenário da tragédia política. O núcleo central da ação está na Confeitaria Glória, local em que o crime aconteceu e que ficava na Rua Nova, centro da capital pernambucana. Eu diria isso para o espectador da cidade: nosso espetáculo traz um fato histórico do Recife e não apenas da Paraíba. Os personagens são dois paraibanos, mas o episódio foi no Recife e a cidade está devidamente retratada no espetáculo, concebido e desenvolvido com uma pesquisa rica de detalhes sobre aquele período, o que certamente vai revelar muita coisa que o pernambucano ainda não sabe, principalmente as novas gerações.

SERVIÇO

De João Para João
Quando: 06/05/17, Sábado, às 20h
Onde: Teatro de Santa Isabel
Ingressos: Inteira R$ 40,00 e meia-entrada R$ 20,00.

Postado com as tags: , , , , , , , ,

Morrer de amor: sobre família e ignorâncias

Morrer de amor. Foto: Lígia Jardim

Morrer de amor. Foto: Lígia Jardim

“(…) extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás, lá pra trás não há nada,
e nada mais”
Paulo Leminski

As paredes da casa estão impregnadas de história. Sabe aqueles segredos não revelados por anos? Os assuntos escondidos? As conversas que não chegaram nem a acontecer? Em Morrer de amor, segundo ato inevitável: morrer, da Fundación La Maldita Vanidad Teatro, da Colômbia, despontam as dores advindas de relações que se deixaram empalidecer pelo tempo, pela falta de liberdade de nos mostrarmos como somos.

A encenação proposta pelo colombiano Jorge Hugo Marín nos leva a observar de perto os sentimentos e conflitos que se instauram durante o velório de Luís (Miguel González). Estamos ali, sentados na sala da casa onde familiares choram o morto. Somos/estamos cúmplices da encenação. A carga semântica implícita ao local torna-se um dos elementos da teatralidade nessa escritura cênica. Não adiantaria estar dentro de uma casa, do ponto de vista estético, se não houvesse uma apropriação do potencial simbólico do lugar, o que possibilita ao espectador uma mudança de perspectiva da cena. O jovem grupo colombiano, formado há cinco anos e que já tem pelo menos sete montagens no repertório, realmente se empodera da materialidade espacial da encenação. O caixão no meio da sala, como nos velórios de antigamente ou nas casas pelo interior do país, permite que estejamos diante de conflitos familiares que não conseguem permanecer incólumes, mesmo diante da morte.

Espetáculo é realizado dentro de uma casa

Espetáculo é realizado dentro de uma casa

A dramaturgia assinada pelo diretor Jorge Hugo Marín trata de questões arraigadas na cultura não só da Colômbia, mas de toda a América Latina, principalmente posições de intolerância e ignorância diante das diferenças. Muitos jovens homossexuais ainda sofrem sim todo tipo de preconceitos e violência, dentro e fora de casa. Não podemos esquecer o contexto em que estamos inseridos. No Brasil, em 2015, ainda precisamos de uma comissão especial na Câmara dos Deputados para discutir se o conceito de família pode estar restrito à união entre um homem e uma mulher, como prega o Estatuto da Família, projeto de lei proposto pelo deputado pernambucano Anderson Ferreira. Uma lei que desconsidera as relações homoafetivas e ainda veta a adoção de crianças por casais gays.

Como montagem que opta pelo caminho do realismo, Morrer de amor traz atuações que transitam por um limite tênue. Por muito pouco, as interpretações poderiam soar over, exageradas e aí perder a relação com a realidade proposta pela encenação. O que não permite que isso aconteça é o talento dos atores e da direção, aliado à clareza de possibilidades e de compreensão da cena, inclusive a partir da dramaturgia. O texto serve ao propósito de revelar o cotidiano de uma família classe média baixa que não sabe lidar com os seus conflitos. Se todos os atores conseguem trabalhar no mesmo diapasão, um dos destaques é a atriz Juanita Cetina, intérprete da jovem Olga, que foi namorada de Luís (Miguel González) na infância. As oscilações na voz, o medo no olhar, os trejeitos assumidos pela personagem levam muitas vezes a plateia ao riso ou à impaciência diante da ingenuidade.

Morrer de amor nos leva à certeza de que, se não podemos extinguir todo remorso, como propõe o poema Bem no fundo, de Paulo Leminski, é melhor encarar as fissuras causadas pelas ações, ausências e omissões. Como plateia, sentimos não só o morto da família. Choramos não só a ficção. O que lamentamos mesmo é a realidade de Morrer de amor.

Montagem colombiana trata de temas como preconceito

Montagem colombiana trata de temas como preconceito

 

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

O aquário absurdo e a profusão de imagens no Woyzeck de Andriy Zholdak

Woyzeck. Foto: Lígia Jardim

Woyzeck. Foto: Lígia Jardim

Enquanto a Ucrânia amarga uma situação de guerra, com 5,2 milhões de pessoas morando em áreas de conflito, o diretor ucraniano Andriy Zholdak, radicado na Alemanha, apresenta um Woyzeck em estado de tensão permanente. Uma sociedade presa dentro de um aquário transparente, que se movimenta em espaços circunscritos e delimitados. Podem ser todos ratos de laboratório ou coelhos, ou simplesmente homens animalizados, acorrentados a situações de dominação e fatalidade.

Assim como o próprio texto do alemão Georg Büchner, a performance midiática proposta pelo diretor ucraniano tem caráter político. A questão no primeiro plano continua sendo o desamparo e as relações de poder num mundo absurdo; no caso da encenação, especificamente, em diversas instâncias: desde as referências mais diretas e facilmente assimiláveis, com imagens que ressaltam a desigualdade social e a citação de que “somos 15 milhões de pobres”, o imperialismo, o militarismo, a globalização, até disputas internas que se dão noutras instâncias, como no campo da própria teatralidade.

Patrice Pavis já dizia no livro A encenação contemporânea que, na concorrência entre a imagem fílmica e o corpo real do ator, não é necessariamente esse último que ganha. No caso do Woyzeck proposto por Zholdak podemos dizer que o que se instaura é uma desorientação (propositada, obviamente) espacial do espectador. Desde o inicio, quando passamos por uma antessala e nos deparamos com a visceralidade da atuação dos performers em deliberada anarquia, até estabelecermos uma relação de frontalidade com o espetáculo, percebemos que o que se revela é uma instalação visual e sonora. O diretor bebe nos campos de várias linguagens, música, cinema, artes visuais, para compor um espetáculo que não se deixa enquadrar por um elemento sobrepujante de condução. Pode ser facilmente estudo de caso da teoria do teatro pós-dramático do alemão Hans-Thies Lehmann.

Cenas acontecem também dentro de aquários

Cenas acontecem também dentro de aquários

Direção é do ucraniano Andriy Zholdak

Direção é do ucraniano Andriy Zholdak

A fricção entre os vários componentes dessa ópera caótica nos deixa inicialmente aturdidos. As camadas vão se sobrepondo a cada instante com signos que não serão compreendidos em sua totalidade. Nem essa é, de maneira alguma, a intenção do diretor, que assina ainda roteiro dramático e coreografia. Assim como os atores, estamos nadando em aquários, perdidos na profusão das imagens que nos remetem a um mundo de seres absurdos no ano de 2108, seja em alguma grande metrópole ou numa nave espacial com destino a Saturno. De qualquer maneira, assim como acontece no palco, somos levados a recorrer a uma edição de imagens, de texto, de expressões e sonoridades, mesmo que, no espectador, os significados possam ser depurados muito tempo depois.

O texto de Büchner, com sua fragmentação de dramaturgia, um “drama de farrapos”, como pontua Anatol Rosenfeld, é um aliado na construção da engenhosa teatralidade de Zholdak. Sobre o texto, Anatol Rosenfeld complementa: “É um fragmento; mas é uma obra que só como fragmento poderia completar-se. Ela cumpre a sua lei específica de composição pela sucessão descontínua de cenas sem encadeamento causal. (…) Tal fato desfaz a perspectiva temporal; boa parte das cenas pode ser deslocada, a primeira cena não é mais distante do fim do que a sétima ou a décima-quarta”.

A escritura cênica no campo visual encontra reverberação no corpo do ator, submetido a uma experiência rigorosa. O caos é orquestrado e coreografo em minuciosos detalhes pelo diretor. Se a escritura cênica é marcada pelo excesso e pela profusão e multiplicidade de imagens, o efeito que isso tudo produz na plateia, no entanto, é de muito distanciamento ao final das duas horas de sessão. Como se toda frieza das relações em cena também fosse transposta para o espectador. A tentativa de humanizar aqueles seres se mostra vã. Os limites do aquário, mesmo que invisíveis, não são rompidos ainda que a cena aconteça no telhado, numa possibilidade frustrada de expansão. Quando, ao final de contas, tenta-se falar de amor, não há laços construídos que se encaixem em padrões a que estejamos minimamente familiarizados. O único ponto de conexão com alguma delicadeza possível é a criança; a esperança remota de que, em 2108, o mundo de Zholdak não esteja definitivamente instaurado em sua totalidade.

Criança participa de encenação

Criança participa de encenação

Postado com as tags: , , , , , ,

Janeiro em tempos de crise

La Tristura, da Espanha, apresenta dois espetáculos no Janeiro, inclusive Materia Prima. Foto: Mario Zamora

La Tristura, da Espanha, apresenta dois espetáculos no Janeiro, inclusive Materia Prima. Foto: Mario Zamora

O Janeiro de Grandes Espetáculos 2015 é uma prova da resistência da classe artística pernambucana. Sem dinheiro suficiente para compor a sua programação, o festival – que está na sua 21ª edição e ano passado teve um público de cerca de 40 mil pessoas (30% a mais do que em 2013) – contou com o apoio massivo dos artistas para que seja realizado no período de 15 de janeiro a 1 de fevereiro. São poucos os grupos pernambucanos que estão recebendo cachê para se apresentar, apenas aqueles que participaram de uma seleção prévia (13 montagens no total); os outros decidiram entrar no Janeiro recebendo apenas um percentual da bilheteria.

O orçamento ideal seria de R$1,4 milhão; mas, se essa meta nunca foi alcançada, este ano ela ficou ainda mais difícil. De cara, o festival não obteve os R$ 200 mil da Caixa Cultural (pois não foi aprovado no edital) e os R$ 200 mil da Funarte. A verba no ano anterior proveniente do Governo do Estado foi de R$ 280 mil, este ano, através do Funcultura, será de R$ 200 mil. O apoio do Sesc é dimensionado em R$ 200 mil (que inclui despesas como passagens de grupos do interior e hospedagem)). Somente na Prefeitura do Recife – que ano passado não realizou o Festival Recife do Teatro Nacional alegando falta de verba – o aporte aumentou em R$ 50 mil: passou de R$ 250 para R$ 300 mil. “Ainda estamos fazendo algumas tentativas, negociando com algumas instituições e com o Governo do Estado, por exemplo”, revela Paula de Renor, produtora do Janeiro ao lado de Paulo de Castro e Carla Valença.

Os números do festival são sempre de encher os olhos. Este ano, no entanto, 147 apresentações e 90 atrações diferentes não necessariamente revelam a realidade do Janeiro. Mesmo que a mostra sempre tenha servido ao propósito de fazer uma retrospectiva da produção pernambucana, as montagens nacionais geralmente são uma parcela significativa do festival, além dos espetáculos internacionais, cuja qualidade da programação vem aumentando com a repercussão do Janeiro no cenário nacional e internacional e a consequente possibilidade de circulação dos curadores, que assistem aos espetáculos nos diversos festivais pelo mundo todo.

Maldito coração, me alegra que tu sofras é uma das cinco produções nacionais.  Foto:  Luciana Corso Galiotto

Maldito coração, me alegra que tu sofras é uma das cinco produções nacionais. Foto: Luciana Corso Galiotto

Em 2015, dessas 90 atrações diferentes do Janeiro, apenas cinco são montagens nacionais: Maldito coração, me alegra que tu sofras (Artworks Produções/ Porto Alegre), Noctiluzes (Cia. Plágio de Teatro e Guinada Produções/ Brasília), A caixa não é de Pandora (Andrea Elia/ Salvador), Retina (Camaleão Grupo de Dança/ Belo Horizonte) e No Pirex (Grupo de Teatro Armatrux/ Belo Horizonte). “Por falta de verba, a nossa opção foi cortar a programação nacional. Trouxemos os nacionais que conseguimos parcerias e que valiam a pena. Não prejudicaríamos a qualidade do festival”, explica Paula. “Priorizamos também a continuidade da parceria de intercâmbio com Porto Alegre e Brasília. Continuidade, em todos os sentidos, é muito importante para o Janeiro”, complementa.

A programação internacional não sofreu mais porque compromissos já haviam sido estabelecidos previamente. Graças à antecedência exigida pelas produções de fora, o festival manteve a sua principal atração: o grupo La Tristura, da Espanha, que apresenta dois espetáculos Materia Prima, encenado por quatro intérpretes nascidos depois dos anos 2000 e que trata de questões como consciência histórica e política (a montagem já passou pelos principais festivais do país), e El Sur de Europa – Dias de amor dificiles. “Há dois anos queremos trazer o La Tristura. Apesar de ser um grupo jovem, representa bastante para o teatro espanhol contemporâneo e conseguiu muita visibilidade de público e crítica pela qualidade dos espetáculos”, comenta Paula.

Entre as ações que foram cortadas está o diálogo crítico sobre os espetáculos, que discutia os espetáculos pernambucanos – de teatro adulto, para infância e juventude e dança – a partir do olhar de dois convidados. O júri do Prêmio Apacepe de Teatro e Dança, que contava geralmente com cinco participantes em cada categoria, caiu para três integrantes.

Augusta Ferraz é a homenageada deste ano do festival.  Foto Alcides Ferraz

Augusta Ferraz é a homenageada deste ano do festival. Foto Alcides Ferraz

Na programação pernambucana, há alguns destaques, como a mostra especial no Teatro Arraial Augusta Ferraz: 40 anos de resistência, com espetáculos e leituras do repertório da atriz e encenadora Augusta Ferraz, homenageada do festival; a mostra de Teatro em Casa, que traz vários espetáculos ou exercícios cênicos encenados ao longo do ano em várias residências e espaços artísticos da cidade; algumas estreias, como Breguétu, do Grupo Experimental, e Obscena, com a atriz Fabiana Pirro e direção e dramaturgia de Luciana Lyra, inspirada na obra de Hilda Hilst; além de montagens significativas do ano anterior, como Rei Lear, As travessuras de Mané Gostoso e Trueque, essas duas últimas, para infância e juventude.

Graças à parceria com o Sesc, o Janeiro acontece também em Goiana, Caruaru e Arcoverde. “Mais uma vez é a classe artística quem sustenta esse festival, que chega junto. Isso não quer dizer que queremos atuar nessas condições. Os artistas precisam de respeito, com políticas públicas para o setor. O festival conseguiu o público que tem ao longo de 20 anos e está honrando a responsabilidade que tem”, afirmou.

Serviço:
Os ingressos para os espetáculos no Recife podem ser adquiridos antecipadamente na Central de Vendas, que funciona na bilheteria do Teatro de Santa Isabel (3355-3322), das 9h às 16h, diariamente (sem intervalo para almoço) ou pelo site www.compreingressos.com. Nas cidades do interior, a compra pode ser feita 2 horas antes de cada sessão, nas bilheterias dos teatros.

21º JANEIRO DE GRANDES ESPETÁCULOS

PROGRAMAÇÃO NO RECIFE:

Foto: Luciana Corso Galiotto

Maldito coração, me alegra que tu sofras. Foto: Luciana Corso Galiotto

Maldito Coração, Me Alegra Que Tu Sofras / Artworks Produções (Porto Alegre/RS)

15 e 16 de janeiro (quinta e sexta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
A atriz Ida Celina interpreta uma mulher de meia idade que conta o cotidiano de sua vida amorosa às pessoas que supostamente estão circulando no mesmo espaço onde se encontra.

Foto: Renata Pires

Gaiola de Moscas. Foto: Renata Pires

Gaiola de Moscas / Grupo Peleja (Recife/PE)
15 de janeiro (quinta), 21h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
Adaptado do conto homônimo do escritor moçambicano Mia Couto, o espetáculo é inspirado na brincadeira popular pernambucana do Cavalo-Marinho.

As Bodas de Fígaro / Companhia de Ópera de Recife – CORE (Recife/PE)
15 de janeiro (quinta), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro de Santa Isabel
Versão compactada da ópera cômica em quatro atos de Mozart, composta em 1786 a partir do libreto de Lorenzo da Ponte. A obra satiriza hábitos da nobreza no século XVIII e conta a divertida história de confusão durante os preparativos do casamento entre Susanna e Fígaro, servos do Conde e da Condessa Almaviva.

Foto: Nilton Leal /Divulgação

Karynna Spinelli. Foto: Nilton Leal /Divulgação

Negona / Karynna Spinelli (Recife/PE)
15 de janeiro (quinta), 20h30, R$ 30 e R$ 15
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
A cantora e compositora Karynna Spinelli imerge em melodias e batuques da cultura popular afro-indígena neste show que traz o samba com a cara de Pernambuco e passeia também entre macumbas, toadas e a gafieira, num balanço doce e forte, assim como sua voz.

Luzes / Pedro Souda (Recife/PE)
16 de janeiro (sexta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Capiba (Sesc Casa Amarela)
Um show de música instrumental e experimentalista integrado à linguagem audiovisual. Com uma proposta sensitiva e intimista, o espetáculo conduz a uma experiência extra musical única, provocando sensações e emoções através de sons, timbres, luzes e imagens, incorporando ainda outras linguagens artísticas que complementam e dão significados às composições.

Vivência / Alisson Lima (PE/SP)
16 e 17 de janeiro (sexta e sábado), 20h, R$ 20 e R$ 10
Espaço Experimental (Rua Tomazina, s/n, 1º andar, Bairro do Recife. Tel. 3224 1482)
Uma aula-espetáculo em formato de contação de história que relata particularmente como começou sua trajetória artística na música e na dança e para onde tudo está caminhando.

Foto: Renata Pires

Peba. Foto: Renata Pires

PEBA /Iara Sales e Tonlin Cheng (Olinda/PE)
16 de janeiro (sexta), 21h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
Proposta cênica entre dança, performance e arquitetura sonora. A pesquisa investe numa corporalidade “peba”, que, sorrateiramente, transita entre brincadores, folguedos, ruas e festas dos estados de Pernambuco e Bahia.

Foto: Mariana Cepeda

Elza Soares. Foto: Mariana Cepeda

Elza Soares & Banda / Kaeru Produções e Eventos (Recife/PE)
16 e 17 de janeiro (sexta e sábado), 21h, R$ 60 e R$ 30
Teatro de Santa Isabel
Neste show, acompanhada de piano, bateria, guitarra e contrabaixo, a carioca Elza Soares, dona da Voz do Milênio (título dado pela BBC de Londres), “brinca” com arranjos musicais de Chico Buarque, Cazuza, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, entre outros grandes compositores.

A Energia de Um Polegar / Cia. do Sol (Recife/PE)
Dia 17 e 18 (sábado e domingo), 16h30, R$ 40 e R$ 20
Teatro Valdemar de Oliveira
Nessa mistura de teatro, TV, cinema e show, Polegar é um garoto órfão que parte em busca de reencontrar sua família e descobrir seu nome verdadeiro.

Pangéia / Limiar Teatro e Grupo Acaso (Espanha/Portugal e Recife/PE)
17 e 18 de janeiro (sábado e domingo), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
A montagem busca se aprofundar nos caminhos que unem a Galícia, o Brasil e Portugal, tendo o caminho como ponto de encontro do humor e do poético.

Foto; Vládia Lima

Frevo em prelúdio Foto: Vládia Lima

Frevo Em Prelúdio / Cássio Sette (Recife/PE)
17 de janeiro (sábado), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Neste show, o cantor Cássio Sette apresenta o frevo como um estilo de música atemporal e universal, longe dos limites do ritmo carnavalesco.

Foto: Diego Bresani

Noctiluzes. Foto: Diego Bresani

Noctiluzes / Cia. Plágio de Teatro e Guinada Produções (Brasília/DF)
17 e 18 de janeiro (sábado e domingo), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Apolo
Em uma madrugada qualquer, três desconhecidos se encontram em um píer que será palco de transformações únicas nas vidas destes homens, três enigmáticas personagens que não imaginam o rumo que suas trajetórias irão tomar depois deste encontro inesperado e cheio de revelações.

Noite Mística
17 de janeiro (sábado), 22h. Ingresso: Contribuição espontânea
Espaço Vila (Rua Radialista Amarílio Nicéas, 76, Santo Amaro. Tel. 3048 6066)
Encontro artístico em que o misticismo conduz os movimentos de dança, circo e teatro. Na programação que insinua mistérios e rituais, destaque para as performances Dos Ritos, com Patrícia Pina Cruz e Januária Finizola; “Caleidoscópio”, com direção de Carlla do Amaral; e o La Gitana, na entrada do espaço, com comes, bebes e vestes.

Foto: Ju Brainer

As travessuras de Mané Gostoso. Foto: Ju Brainer

As Travessuras de Mané Gostoso / Cia. Meias Palavras (Recife/PE)
18 de janeiro (domingo), 10h30 e 16h30 (duas sessões), R$ 20 e R$ 10 (cada sessão)
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Uma brincadeira inspirada na oralidade e nos contos populares que mistura música ao vivo, bonecos e atores para contar as estripulias de um dos brinquedos da nossa herança cultural: Mané Gostoso.

Maria dapaz exalta a arte de Amalia Rodrigues. Foto: Sergio Massa

Maria dapaz. Foto: Sergio Massa

A Arte de Amália Rodrigues Por Maria Dapaz e Mahatma Costa / Produção: Jocelyne Aymon (Recife/PE)
18 de janeiro (domingo), 19h, R$ 40 e R$ 20
Teatro de Santa Isabel
A violonista e cantora Maria Dapaz, junto ao acordeonista olindense Mahatma Costa, homenageia Amália Rodrigues, que completaria 95 anos em 2015, grande artista portuguesa. Maria Dapaz tem quinze discos gravados, sendo três na Europa.

Foto: Hans von Manteuffel

A Deus, Todomundo. Foto: Hans von Manteuffel

A Deus, Todomundo – Uma Imoralidade do Nosso Tempo / Curso de Interpretação Para Teatro do SESC Piedade (Jaboatão dos Guararapes/PE)
18 de janeiro (domingo), 19h, R$ 10 e R$ 5
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu), com número limitado de espectadores: 150 pessoas.
Alicerçada em conceitos oriundos do Barroco, a encenação recria e reescreve uma Moralidade do século XV. Na peça, Deus convoca Todomundo a prestar contas de todos os atos de sua existência.

Sangue, Som e Frevo / Romero Ferro (Recife/PE)
18 de janeiro (domingo), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
O cantor Romero Ferro interpreta, além de frevos, uma diversidade de ritmos e compositores pernambucanos com uma roupagem diferente, utilizando uma pegada moderna e pop.

Projeto Segunda Com Teatro de Primeira
Alcatéia (Leitura Dramatizada)
Casa Outrora (Recife/PE)
19 de janeiro (segunda), 18h. Ingresso: contribuição espontânea
Espaço Cênicas (Rua Vigário Tenório, 2º andar, 199, Bairro do Recife. Tel. 9609 3838)
Uma tragédia urbana acontece enquanto cães uivam. O cenário: um parque da cidade, onde dois homens envolvidos em um crime buscam uma saída para seus destinos na companhia de um cadáver e à luz do luar.

Antes de Esquecer (Leitura Dramatizada)
Companhia de Teatro & Dança Pós-Contemporânea d´Improvizzo Gang – DIG (Jaboatão dos Guararapes/PE)
19 de janeiro (segunda), 20h. Ingresso: contribuição espontânea
Espaço Cênicas (Rua Vigário Tenório, 2º andar, 199, Bairro do Recife. Tel. 9609 3838)
No enredo, durante um ensaio de teatro, um homem mergulha em suas memórias, misturando vida real e representação. Sua infância se mescla com filmes, experiências traumáticas e encontros amorosos com beijos furtivos.

Stupro (Leitura Dramatizada) / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
19 e 20 de janeiro (segunda e terça), 19h, R$ 5 (preço único promocional)
Teatro Arraial Ariano Suassuna
A atriz Augusta Ferraz descreve o abuso sexual real que viveu a dramaturga Franca Rame por militares italianos na época do fascismo. A obra é, ao mesmo tempo, um desabafo e uma luta da autora para criminalizar a violação que inúmeras mulheres, além dela, sofreram ao longo da história da sociedade.

Foto: Ricardo Maciel

Acontece enquanto você não quer ver. Foto: Ricardo Maciel

Acontece Enquanto Você Não Quer Ver (Mostra de Teatro Em Casa) / Cena OFF e Três de Copas (Recife/PE)
19 de janeiro (segunda), 20h e 21h (duas sessões), R$ 20 e R$ 10 (cada sessão)
No Espaço Caramiolas (Av. Dantas Barreto, 324, Edif. Pernambuco, 7º andar, Bairro de Santo Antônio). Capacidade: 50 espectadores por sessão.
Temas como vexame pessoal, morte violenta, matricídio, moral e inocência são desnudados por dois atores neste espetáculo que mistura as linguagens cênicas com o vídeo e a internet.

A Dona da História / Duas Companhias – Teatro de Celebração, de Encantamento e Diversão (Recife/PE)
20 de janeiro (terça), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Apolo
Uma deliciosa comédia que fala do universo feminino em meio ao realismo fantástico, já que mostra uma mulher de meia idade conversando com seu passado, ela própria 20 anos mais jovem e reinventando sua trajetória.

Cenas Belas! (Mostra de Teatro Em Casa) / Casa Outrora (Recife/PE)
20 de janeiro (terça), 20h, R$ 20 e R$ 10
Casa Outrora (Rua da Glória, 300, Boa Vista)
As atrizes Hilda Torres e Luciana Pontual interpretam duas mulheres no limite do absurdo com o mundo que lhes cerca, enfrentando posições machistas ou a extrema violência pela perda de um filho.

(In)Cômodos (Mostra de Teatro Em Casa) / Casa Outrora (Recife/PE)
20 de janeiro (terça), 22h, R$ 20 e R$ 10
Casa Outrora (Rua da Glória, 300, Boa Vista)
Um retrato de três personagens, aparentemente sem unidade, mas que se vinculam nas histórias de frustrações e solidão.

Combo: SoloDiva + Complexo de Cumbuca (Mostra de Teatro Em Casa) / Teatro de Fronteira (Recife/PE)
21 de janeiro (quarta), 20h, R$ 20 e R$ 10
No Espaço Maré (Av. Manoel Borba, 786-A, 1º andar, Boa Vista). Capacidade: 35 espectadores.
Dois biodramas, duas autobiografias (des)viadas. Apaixonado pelas divas do teatro e do cinema, Nelson Lafayette interpreta, em SoloDiva, a “estrela que não foi”. Rodrigo Cavalcanti apresenta Complexo de Cumbuca, as vivências de um jovem gay: encontros fortuitos, decepções amorosas, aplicativos de “pegação”, aventuras sexuais bizarras.

Rio de Contas / Cia. de Dança do SESC Petrolina (Petrolina/PE)
21 de janeiro (quarta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro de Santa Isabel
O trabalho coreográfico lança um olhar poético sobre o rio, suas contenções, transbordamentos e mistérios. Inspirado no conto Nas Águas do Tempo, do escritor moçambicano Mia Couto, o espetáculo traz na sua concepção a metáfora “a água e o tempo são irmãos gêmeos nascidos do mesmo ventre”.

Foto: Andreea Magnoni

A caixa não é de Pandora. Foto: Andreea Magnoni

A Caixa Não é de Pandora / Andrea Elia (Salvador/BA)
21 e 22 de janeiro (quarta e quinta), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Hermilo Borba Filho
Primeiro monólogo da atriz baiana com 30 anos de carreira, Andrea Elia, o espetáculo apresenta a personagem Pandora Lobo, escritora de sucesso internacional que, ao ser convidada para proferir uma palestra para acadêmicos, liberta todas as mulheres que existem dentro dela.

A Mandrágora / Galharufas Produções (Olinda/PE)
21 e 22 de janeiro (quarta e quinta), 20h30, R$ 20 e R$ 10
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
A trama é ambientada no sertão nordestino e trata das artimanhas em torno de uma conquista amorosa quase impossível. A comicidade do texto, um verdadeiro tratado sobre a arte de enganar, aborda ainda a degradação civil e religiosa, corrupção e perda de valores morais.

Cara da Mãe / Coletivo Cênico Tenda Vermelha (Recife/PE)
22 e 23 de janeiro (quinta e sexta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Numa experiência poética em dança, o espetáculo é inspirado em jornadas do feminino, especificamente na compreensão do universo da maternidade, com suas inquietudes e conquistas no mundo contemporâneo.

Pernambucanto – A Cappella / Pernambucanto (Camaragibe/PE)
22 de janeiro (quinta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
O grupo vocal Pernambucanto, com formação em seis vozes, desenvolve um trabalho musical diferenciado e voltado aos amantes da boa música, com repertório de grandes sucessos da música popular brasileira no gênero a cappella, sua especialidade.

Bon @pp! / Companhia Maravilhas e Projeto Teatro de Quinta da CASA.17 (Recife/PE)
22 de janeiro (quinta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Numa residência no Centro Histórico de Olinda (No intuito de preservar a privacidade do morador, o endereço só será repassado pelo e-mail: ciamaravilhas@gmail.com)
Com humor sagaz feminino, o espetáculo propõe uma degustação da cidade, sua gente, seus comportamentos. Oito textos são servidos. O público é convidado a entrar na intimidade de uma residência e experimentar os sabores e dissabores que permeiam as relações humanas.

Divulgação

Henrique Annes. Foto: Divulgação

Henrique Annes Em Concerto / Produção: Pedro Castro (Recife/PE)
23 de janeiro (sexta), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Capiba (Sesc Casa Amarela)
O virtuoso instrumentista e compositor Henrique Annes, um dos maiores nomes do violão no país, resgatando canções dos vários CDs já lançados por ele, apresentará sua série Caribianas, além de choros e valsas no melhor do seu repertório popular, incluindo canções de compositores como Heitor Villa-Lobos e Mario Parodi.

Acontece Enquanto Você Não Quer Ver (Mostra de Teatro Em Casa) / Cena OFF e Três de Copas (Recife/PE)
23 de janeiro (sexta), 20h e 21h (duas sessões), R$ 20 e R$ 10 (cada sessão)
No Espaço Caramiolas (Av. Dantas Barreto, 324, Edif. Pernambuco, 7º andar, Bairro de Santo Antônio). Capacidade: 50 espectadores por sessão.

Afar / Sete&Oito Companhia de Dança (Recife/PE)
23, 24 e 25 de janeiro (sexta, sábado e domingo), 20h, R$ 20 e R$ 10
Espaço Vila (Rua Radialista Amarílio Nicéas, 76, Santo Amaro. Tel. 3048 6066)
O espetáculo se apoia na eterna busca do ser humano pelo sentido de sua trajetória, tendo o barro como esse canal ideal para expressar as dúvidas, anseios e conflitos causados pela fome de criação do homem.

Elégùn, Um Corpo Em Trânsito / Jorge Kildery e Giorrdani de Souza, Kiran (Recife/PE)
23 e 24 de janeiro (sexta e sábado), 20h, R$ 20 e R$ 10
Espaço Experimental (Rua Tomazina, s/n, 1º andar, Bairro do Recife. Tel. 3224 1482)
A trajetória de um ser que se deixa atravessar e contaminar pelo seu próprio fazer-dizer, e narra tais atravessamentos colocando-se em estados corporais distintos, é a metáfora desta dramaturgia, resultado de um projeto de pesquisa em dança que transita pelos conceitos de corporeidade e performatividade.

Frei Molambo / Naldo Venâncio Produções (Caruaru/PE)
23 de janeiro (sexta), 21h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
O ator Naldo Venâncio interpreta Frei Molambo, um cavaleiro bíblico e mítico que decide sair mundo afora pregando e ensinando aos povos as profecias bíblicas.

Foto: Sílvia Machado

Cordões Umbilicais. Foto: Sílvia Machado

Cordões Umbilicais / Flaira Ferro (São Paulo/SP)
23 de janeiro (sexta), 21h, R$ 30 e R$ 15
Teatro de Santa Isabel
Primeiro projeto de música autoral de Flaira Ferro. No repertório, frevo, batuque paulista, caboclinho perré, cavalo-marinho e maracatu rural.

Mané Gostoso / Centro de Criação Galpão das Artes (Limoeiro/PE)
24 de janeiro (sábado), 16h30, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
A história gira em torno de um dono de circo chamado seu Neco, que ao lado de sua esposa, dona Lucrécia, promovia a alegria da criançada. Até que um homem de aparência bizarra rouba a maior atração do circo: o Mané Gostoso.

COMBO: SoloDiva + Complexo de Cumbuca (Mostra de Teatro Em Casa) / Teatro de Fronteira (Recife/PE)
24 de janeiro (sábado), 20h, R$ 20 e R$ 10
No Espaço Maré (Av. Manoel Borba, 786-A, 1º andar, Boa Vista). Capacidade: 35 espectadores.

Um Sábado Em 30 / Teatro de Amadores de Pernambuco – TAP (Recife/PE)
Dia 24 e 25 (sábado e domingo), 20h, R$ 40 e R$ 20
Teatro Valdemar de Oliveira
O texto clássico de Luiz Marinho, com linguagem apreendida do povo, mostra a trajetória de uma família de tipos curiosos no lugarejo Timbaúba dos Mocós, durante a Revolução de 1930. O cenário é a copa de uma casa de engenho em que os empregados participam de encontros e desencontros, tramas de amores e conquistas, inclusive, referentes às jornadas de pastoril que movimentam a cidade.

Cartas Brasileiras / Produção: Sérgio Gusmmão (Recife/PE)
24 de janeiro (sábado), 20h, R$ 30 e R$ 15
25 de janeiro (domingo), 19h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Um sarau lítero-musical que propõe uma viagem para entender o Brasil através da leitura de cartas históricas e de clássicos da Mpb que estejam associados ao período em que as cartas foram escritas.

Frevo Para Ouvir Deitado / Mônica Feijó e Terno de Areia (Recife/PE)
24 de janeiro (sábado), 21h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Hermilo Borba Filho
O frevo executado apenas com cordas e voz é a proposta deste show, que visita clássicos de Carlos Fernando, Capiba, Aldemar Paiva, Getúlio Cavalcanti, J. Michillis e Caetano Veloso, mas também obras de novos compositores do frevo, como China, Juliano Holanda e Zé Manoel, entre outros.

Foto: Lesley Willis

Let me stay de Julie McNamara. Foto: Lesley Willis

Let Me Stay de Julie McNamara (Deixe-me Ficar de Julie McNamara) / Vital Xposure Production/Julie McNamara (Inglaterra/Reino Unido)
24 e 25 de janeiro (sábado e domingo), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Apolo
*Em inglês, com tradução para o português em legendas
*Audiodescrição e libras
Let Me Stay é uma celebração à vida e ao amor vistos pelos olhos de Shirley McNamara. É uma abordagem delicada e sensível do impacto causado pelo Alzheimer no relacionamento entre mãe e filha.

Retina / Camaleão Grupo de Dança (Belo Horizonte/MG)
24 de janeiro (sábado), 21h, R$ 20 e R$ 10
25 de janeiro (domingo), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
Com movimentos da dança de rua e contemporânea, cinco bailarinos abordam o excesso de informações retido pelo olhar humano.

No Grau / Silvério Pessoa (Recife/PE)
24 de janeiro (sábado), 20h30, R$ 40 e R$ 20
Teatro de Santa Isabel
Este show é uma síntese dos CDs de Silvério Pessoa com ênfase nas canções que promovem um diálogo entre os ritmos da zona da mata, sua terra de origem, e a música urbana, como o pop e o rock.

Frevo de Casa / Flaira Ferro, Valéria Vicente, Spok e Lucas dos Prazeres (Recife/PE)
25 de janeiro (domingo), 16h, R$ 6 e R$ 3 (entrada no local. Professores da rede pública não pagam)
Paço do Frevo (Praça do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do Recife. Tel. 3355 9500)
Trabalho de dança e música que investiga, através da improvisação, a relação entre o indivíduo e a tradição em seu viés dinâmico, vivo e criativo.

Trueque / Cia. Animée/As Levianas (Recife/PE)
25 de janeiro (domingo), 16h30, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
No divertido enredo, quando as palhaças Tan Tan (Tâmara Floriano) e Mary En (Enne Marx) chegam para o “Trueque” (palavra em espanhol que significa “troca”), muita coisa acontece.

Vozes & Cordas Brasileiras / Produção: Pedro Castro (Recife/PE)
25 de janeiro (domingo), 20h, R$ 60 e R$ 30
Teatro de Santa Isabel
Um show que propõe um intenso passeio pela música popular brasileira através de diversas vozes e cordas pernambucanas de inegável qualidade.

Deixa Ser Eu (Mostra de Teatro Em Casa) / Hazzô (Recife/PE)
25, 26 e 27 de janeiro (domingo, segunda e terça), 20h, R$ 20 e R$ 10
Casa Outrora (Rua da Glória, 300, Boa Vista)
Três histórias em cena. Um homem que mora só e vive a matar formigas, mas sua casa não é doce. Uma travesti que sonha em virar atriz de Hollywood porque sabe interpretar orgasmos. E uma mulher que ensina aos noivos da Igreja da Soledade a cuidar de flores, porque flores murcham.

Projeto Segunda Com Teatro de Primeira

Severinos, Virgulinos e Vitalinos (Leitura Dramatizada) / Dispersos Cia. de Teatro (Recife/PE)
26 de janeiro (segunda), 18h. Ingresso: contribuição espontânea
Espaço Cênicas (Rua Vigário Tenório, 2º andar, 199, Bairro do Recife. Tel. 9609 3838)
A saga de dois filhos de artistas. Um, é filho de palhaço, e o outro, de uma atriz mambembe.

Talvez Sim, Talvez Não (Leitura Dramatizada)
Coletivo Grão Comum e Gota Serena Produções (Recife/PE)
26 de janeiro (segunda), 20h. Ingresso: contribuição espontânea
Espaço Cênicas (Rua Vigário Tenório, 2º andar, 199, Bairro do Recife. Tel. 9609 3838)
O texto aborda o universo homoerótico na “solidão do falo”, dos desencontros do amor estrangeiro.

—–

Recriando as Raízes do Brasil / Grupo de Dança Fulôres de Palco e Escola de Referência do Ensino Médio de Beberibe (Recife/PE)
27 de janeiro (terça), 19h, gratuito
Teatro Apolo
O espetáculo descortina para o público, de forma poética, cênica e corporal, como nossa identidade foi constituída, com as três etnias misturando-se no povo brasileiro. Traz como referência o Projeto Dissertando as Raízes do Brasil.

Foto: FAcebook

Obscena. Foto: Facebook

Obscena / Duas Companhias, Unaluna e Coletivo Lugar Comum (Recife/PE)
27 e 28 de janeiro (terça e quarta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Com a atriz Fabiana Pirro em solo poético livremente inspirado no encontro com a obra de Hilda Hilst.

Dorival Obá / Cia. Vias da Dança (Recife/PE)
27 de janeiro (terça), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
Um ritual de oferenda e celebração da cultura negra, de suas origens, do povo baiano e suas baianas.

Na Beira (Mostra de Teatro Em Casa) / Teatro de Fronteira (Recife/PE)
28 de janeiro (quarta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Em uma residência no Bairro da Boa Vista (No intuito de preservar a privacidade do morador, o endereço só será repassado pelo e-mail: teatrodefronteirape@gmail.com). Capacidade: 20 espectadores.
Divertido solo autobiográfico construído pelo ator, aderecista, artesão e bonequeiro Plínio Maciel. Um mergulho na memória do menino que nasceu em Surubim, veio para o Recife fazer teatro e se enamorou da contação de “causos”.

Revivendo No Meio do Mundo – Som da Terra / J&R Produções (Recife/PE)
28 de janeiro (quarta), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro de Santa Isabel
O show reverencia o tempo em que os integrantes da banda Som da Terra passaram juntos numa casa de shows do Recife, e celebra os 40 anos de carreira da equipe.

Tapioca / Cia. Brincantes de Circo (Recife/PE)
28 de janeiro (quarta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Apolo
É no espaço lúdico do circo que o espetáculo narra a trajetória do palhaço interpretado por Bóris Trindade Jr. (Borica), que, já ao nascer, descobre o prazer e as desventuras mambembes.

Materia Prima / La Tristura (Madrid/Espanha)
28 e 29 de janeiro (quarta e quinta), 20h30, R$ 30 e R$ 15
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
*Em espanhol, com tradução para o português em legendas
O espetáculo encerra a Trilogia da Educação Sentimental, iniciada em 2004 como um longo estudo da herança, da educação e do futuro. Na obra, as cenas, textos e ações se entrecruzam e são contaminados e transformados por quatro pequenos intérpretes que nasceram depois do ano 2000.

Foto: Chico Ludermir

Anticorpo. Foto: Chico Ludermir

Anticorpo / Saulo Uchôa (Recife/PE)
29 de janeiro (quinta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Neste solo, o bailarino Saulo Uchôa manifesta sua relação com o real, que, sempre travestido com subjetividade, jamais se mostra o mesmo para todos. Uma realidade que se veste de veias, sangue, dor e, principalmente, de uma memória emocional que só o corpo é capaz de revelar.

Bon @pp! / Companhia Maravilhas e Projeto Teatro de Quinta da CASA.17 (Recife/PE)
29 de janeiro (quinta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Numa residência no Centro Histórico de Olinda (No intuito de preservar a privacidade do morador, o endereço só será repassado pelo e-mail: ciamaravilhas@gmail.com)

Foto: Rogerio Alves

Três mulheres e um bordado de sol. Foto: Rogerio Alves

Três Mulheres e Um Bordado de Sol / Compassos Cia. de Danças (Recife/PE)
29 e 30 de janeiro (quinta e sexta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
Espetáculo de dança-teatro concebido durante três anos de pesquisas literárias, visuais e corporais a partir das obras e biografias de Clarice Lispector, Edith Piaf e Frida Kahlo.

Arruados (Projeto Social) / Anexo Bando de Teatro, Movimento Cultural Fazendo Arte e Projeto Fábrica (Recife/PE)
29 de janeiro (quinta), 20h, gratuito
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Uma série de acontecimentos ocorridos em um dia, numa rua ou praça qualquer, com personagens que são meninos de rua, loucos, prostitutas, usuários de drogas e pedintes que convivem num espaço comum, dividem o abandono, a fome, a solidão, as alegrias e as tristezas.

O Circo de Lampezão e Maria Botina / Caravana Tapioca (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 17h, gratuito
Shopping RioMar (Av. República do Líbano, 251, Pina. Tel. 3878 0000)
Os palhaços Cavaco e Nina contam a história de um casal anônimo do sertão: Maria Botina, que sonhava em ser levada por um cangaceiro; e Lampezão, que fingia ser valente para impressioná-la.

Kalabazi / Companhia Tita8lou (Genebra/Suíça)
30 de janeiro (sexta), 19h, gratuito
Shopping RioMar (Av. República do Líbano, 251, Pina. Tel. 3878 0000)
Através da poesia do humor, eis a história de uma jovem mulher quer se casar, mas não com qualquer João ninguém! Ela, então, organiza um concurso de amor para encontrar, no público, a pessoa perfeita.

Foto: Thais Lima

Ombela. Foto: Thais Lima

Ombela / O Poste Soluções Luminosas (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 19h, R$ 20 e R$ 10
Espaço O Poste (Rua da Aurora, 529, Boa Vista. Tel. 8768 5804 / 9505 4201)
Neste texto/poema épico do escritor africano Manuel Rui, Ombela, a chuva, após cair, resolve deixar duas gotas que se transformam em entidades que tomam formas variadas absorvidas pelo processo de humanização.

MEDEAponto / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Arraial Ariano Suassuna
A tragédia atemporal de Eurípides é reconstruída através de uma ótica lusitana que se faz presente através da relação com o mar e do canto ao vivo de fados: elementos que acentuam o drama e a loucura desta supracitada mulher traída e filicida, na construção da atriz Augusta Ferraz.

Gracinha do Samba Aprendiz / Produção: Gracinha do Samba (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 20h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Esbanjando simpatia e poderosa voz, Gracinha do Samba, filha de Budé do Cavaco, nasceu no bairro de Casa Amarela e desde os 14 anos seu pai a inseria nas serestas que realizava em sua própria residência.

Acontece Enquanto Você Não Quer Ver (Mostra de Teatro Em Casa) / Cena OFF e Três de Copas (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 20h e 21h (duas sessões), R$ 20 e R$ 10 (cada sessão)
No Espaço Caramiolas (Av. Dantas Barreto, 324, Edif. Pernambuco, 7º andar, Bairro de Santo Antônio). Capacidade: 50 espectadores por sessão.

Breguétu / Grupo Experimental (Recife/PE)
30 e 31 de janeiro (sexta e sábado), 20h, R$ 20 e R$ 10
Espaço Experimental (Rua Tomazina, s/n, 1º andar, Bairro do Recife. Tel. 3224 1482)
Espetáculo de dança que mergulha no universo brega, pois ele é ritmo, um dançar, estilo de se vestir, aquilo que faz sorrir, o feio que bonito lhe parece, e até o amor é brega!

Foto: Laryssa Moura

Doroteia. Foto: Laryssa Moura

Dorotéia / Antonio Cadengue e Companhia Teatro de Seraphim (Recife/PE)
30 de janeiro (sexta), 21h, R$ 20 e R$ 10
Teatro de Santa Isabel
Numa casa sem quartos (para que não se possa dormir, sequer sonhar), chega Doroteia, bela e ex-prostituta, parente distante da família, que é levada por um impulso de redenção a transformar-se numa mulher aceita por suas familiares, três primas viúvas que cultivam a feiura: D. Flávia, Carmelita e Maura.

El Sur de Europa – Días de Amor Difíciles / La Tristura (Madrid/Espanha)
30 e 31 de janeiro (sexta e sábado), 21h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
*Excepcionalmente com capacidade da plateia: 335 pessoas utilizando fones de ouvido
*Em espanhol, com tradução para o português em legendas
Três histórias de amor e raiva que acontecem, talvez ao mesmo tempo, em alguma bela e dolorosa cidade do sul da Europa. Com este espetáculo, o grupo sai de um período em que os integrantes haviam desaparecido da cena, ficando do lado de fora como dramaturgos ou diretores. Nesta peça, que coincide com o momento de crise social e econômica mais radical que já viveram em seu país, quiseram mostrar suas caras outra vez como a geração mais preparada na breve história democrática da Espanha, revelando que nada do que se prometeu está sendo cumprido; e que já não é possível desconectar a vida íntima de cada um com o que acontece no mundo.

 Foto: Laryssa Moura

Como a Lua. Foto: Laryssa Moura

Como a Lua / Mambembe Produções Artísticas (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 16h30, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Oito atores em cena interpretam, cantam e tocam ao vivo nesta obra que, em meio a brincadeiras de crianças, trata de temas delicados como o amor não correspondido entre o índio Payá, que não é bravo guerreiro nem bom caçador, e a índia Colón (já que o Deus do Amor, Rudá, quis brincar com o coração do indiozinho), abordando ainda a descoberta da sexualidade, a perda e a morte, mas também a capacidade de mudar.

As Levianinhas em Pocket Show Para Crianças / Cia. Animée (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 17h, gratuito
Shopping RioMar (Av. República do Líbano, 251, Pina. Tel. 3878 0000)
A banda de palhaças As Levianas canta e toca ao vivo um repertório especialmente para as crianças. Com canções como La Vaca Lola, O Sapo Não Lava o Pé e o repertório de Alvin e os Esquilos, as quatro palhaças constroem o show a partir do humor leve e irreverente.

Foto: Ju Brainer

Frevo de casa. Foto: Ju Brainer

Frevo de Casa / Flaira Ferro, Valéria Vicente, Spok e Lucas dos Prazeres (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 19h, gratuito
Shopping RioMar (Av. República do Líbano, 251, Pina. Tel. 3878 0000)

Sexo, a Arte de Ser Censurado / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Arraial Ariano Suassuna
A partir da investigação da obra da italiana Franca Rame, o espetáculo traz como tema central a liberdade de expressão, destrinchada por textos que abordam, com humor, temas tabus como aborto, orgasmo feminino e as relações sociais com o sexo oposto.

foto: Bruno Magalhaes

No Pirex. Foto: Bruno Magalhaes

No Pirex / Grupo de Teatro Armatrux (Belo Horizonte/MG)
31 de janeiro e 01 de fevereiro (sábado e domingo), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Hermilo Borba Filho
Um espetáculo com ingredientes surrealistas, que dispensa a palavra para narrar o encontro de cinco personagens grotescos em torno da mesa de um restaurante.

Gonzaga Leal Canta Alceu Valença No Show Eu Já Escuto os Teus Sinais / Paó Produção & Comunicação (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 20h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
O intérprete Gonzaga Leal reconhece e homenageia neste show o valor plural de Alceu Valença, um dos mais febris, dionisíacos, imprevisíveis, titânicos e vulcânicos artistas brasileiros.

Noite Mágica / Produção: Christianne Galdino e Rapha Santacruz (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 20h. Ingresso: contribuição espontânea
Espaço Vila (Rua Radialista Amarílio Nicéas, 76, Santo Amaro. Tel. 3048 6066)
No Dia Internacional do Mágico, veteranos e jovens mágicos de Pernambuco em apresentação especial que propõe a todos pôr os seus sentidos a postos para o encantamento.

Foto: Guga Melgar

Rei Lear. Foto: Guga Melgar

Rei Lear / Remo Produções Artísticas e Centro de Diversidade Cultural Teatro Armazém (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 21h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Apolo
O texto de Shakespeare é encenado apenas com três atrizes vivendo dezenas de personagens em diálogo com trilha sonora ao vivo. A trama discorre sobre o monarca da Bretanha que, ao chegar à velhice, se vê obrigado a dividir o reino entre as três filhas para garantir a sua sucessão.

Nações Africanas – Bacnaré 30 Anos / Balé de Cultura Negra do Recife – Bacnaré (Recife/PE)
31 de janeiro (sábado), 21h, R$ 40 e R$ 20
Teatro de Santa Isabel
Com danças e trilha sonora ao vivo, o espetáculo mostra a grande variedade cultural que há no continente africano, com cada uma das seis nações numa história de identidade e herança.

Kalabazi / Companhia Tita8lou (Genebra/Suíça)
01 de fevereiro (domingo), 16h, gratuito
Pátio do Parque Dona Lindu

Haru – A Primavera do Aprendiz / Rapha Santacruz Produções Artísticas (Recife/PE)
1º de fevereiro (domingo), 16h30, R$ 20 e R$ 10
Teatro Marco Camarotti (SESC Santo Amaro)
Em uma barraca de feira livre, um jovem mágico busca orientação de um mestre. Descortinando um universo de mistérios e sem que ele perceba, cada ação que se desenrola é uma lição e um teste de magia ao mesmo tempo.

Os Três Porquinhos / Pedro Portugal e Paulo de Castro Produções Artísticas (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 17h, R$ 40 e R$ 20
Teatro de Santa Isabel
Em cartaz desde 1992 ininterruptamente, este divertido musical infantil mostra as aventuras de três porquinhos, Prático, Cícera (sim, há uma porquinha!) e Heitor, às voltas com um terrível e faminto Lobo Mau, mestre em disfarces.

A Receita / O Poste Soluções Luminosas (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 19h, R$ 20 e R$ 10
Espaço O Poste (Rua da Aurora, 529, Boa Vista. Tel. 8768 5804 / 9505 4201)
Nesta obra tragicômica que descreve um universo feminino e particular, a atriz Naná Sodré vive uma mulher anônima e invisível de aproximadamente 48 anos, em situação de total dependência emocional, casada e com filhos, que passa a maior parte do tempo na cozinha tentando temperar suas ilusões com sal, alho e coentro com cebolinha, até mesmo em momentos desatinados.

Foto: Divulgação

Guiomar, a Filha da Mãe. Foto: Divulgação

Guiomar, a Filha da Mãe / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 19h, R$ 20 e R$ 10
Teatro Arraial Ariano Suassuna
Augusta Ferraz interpreta Guiomar, louca professora de História, personagem-espelho da realidade de um povo que ainda vive em busca de si, explorado. Ela carrega consigo uma carroça que se transmuta em nau, trono e carruagem.

Não Me Abuse (Projeto Social) / Bando de Teatro A Gente Já Disse Tudo e Projeto Fábrica de Criação (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 19h, gratuito
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
Colagem das mais diversas situações de abuso e exploração sexual relatadas por um grupo de jovens que se reúne para pensar numa vivência melhor em comunidade, mas se depara com a situação de quatro deles que revelam toda a dor de serem vítimas destas violências na família e na escola, entre outros espaços.

Foto: Divulgação

Cláudia Beija. Foto: Divulgação

A.M.A.R.T.E / Cláudia Beija (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 19h, R$ 30 e R$ 15
Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
De Noel Rosa a China, de Henry Mancini a Lula Queiroga, Cláudia Beija revela toda sua maturidade musical neste show de lançamento do seu primeiro CD solo, de refinado bom gosto e repleto de graça e sutileza.

Atividades Extras

Oficina: Cavalo-Marinho e o Corpo na Cena
16, 17 e 18 de janeiro (sexta, sábado e domingo), das 15 às 18h, gratuita
Paço do Frevo (Praça do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do Recife. Tel. 3355 9500)
Com Tainá Barreto
Público alvo: Atores, dançarinos, diretores e coreógrafos maiores de 14 anos.
Nº de vagas: 25. Inscrições: contato@grupopeleja.com.br
A oficina aborda aspectos da pesquisa corporal que utiliza elementos do cavalo-marinho na construção de uma prática cotidiana para o ator-dançarino, com o objetivo de abrir caminhos para uma relação subjetiva e pessoal com os princípios técnico-expressivos das brincadeiras populares. A partir da corporeidade e dos passos da dança do cavalo marinho, serão trabalhados jogo, presença cênica, pulso, intenção, manipulação de energia e dinâmica corporal.

Sarau das Artes – Um Encontro da Guerrilha Cultural
17, 24 e 31 de janeiro (sábados), 20h, gratuito
Bar Kibe Lanches (Av. Herculano Bandeira, 241, Pina, bem próximo ao Teatro Barreto Júnior). Informações: 4141 5125 ou 8897 1513.
O evento faz parte do Projeto Guerrilha Cultural do Grupo de Teatro João Teimoso e já acontece desde outubro de 2009, sempre a cada 15 dias.

Roda de Diálogo: O Teatro & a Cidade
24 de janeiro (sábado), 15h, gratuito
Mamam – Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Rua da Aurora, 265, Boa Vista. Tel. 3355 6870)
A ideia lançada pela Mostra de Teatro Em Casa é promover um espaço de reflexão sobre o trabalho de investigação estética de alguns grupos do Recife (Teatro de Fronteira, Hazzô, Cia. Maravilhas, Cena OFF e Casa Outrora) que, ao logo de 2014, desenvolveram projetos de teatro em ambiente domiciliar. Partindo de uma apresentação da experiência de cada grupo, pretende-se lançar olhares externos sobre as reverberações desta prática nas relações entre teatro e a cidade.
Debatedores: Elton Bruno Siqueira (UFPE) e Luiz Felipe Botelho (Fundaj). Mediação: Leidson Ferraz.

Workshop: Danças Urbanas Com o Grupo Camaleão (Jam Session)
24 de janeiro (sábado), das 16 às 18h, gratuito
Parque Dona Lindu (Av. Boa Viagem, s/n, Boa Viagem. Tel. 3355 9821 / 9822)
Público alvo: Estudantes de dança e pessoas da comunidade interessados na modalidade.
Nº de vagas: 30. Mais informações pelo site: www.janeirodegrandesespetaculos.com

Workshop: Direto da Fonte – Narrativa Teatral Através das Histórias de Nossos Mais Velhos
25 de janeiro (domingo), das 10 às 14h
Centro Apolo-Hermilo
Com Julie McNamara
Público alvo: atores, diretores de teatro ou audiovisual, dramaturgos ou interessados a partir de 16 anos.
Nº de vagas: 20. Mais informações pelo site: www.janeirodegrandesespetaculos.com
*Este workshop é uma ação do Unlimited: Arte Sem Limites, programa do British Council.

Festa: Cola Que Eu Sou Tendência
31 de janeiro (sábado), 22h, R$ 15 (preço único promocional)
Espaço Experimental (Rua Tomazina, 199, 1º andar, Recife Antigo. Inf. 3224 1482 / 8812 1036 / contato@grupoexperimental.com.br)

____________________

Programação Caruaru
Teatro Rui Limeira Rosal – SESC Caruaru
(Av. Rui Limeira Rosal, s/n, Petrópolis. Tel. 3721 3967)

Sexo, a Arte de Ser Censurado / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
16 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A partir da investigação da obra da italiana Franca Rame, o espetáculo traz como tema central a liberdade de expressão, destrinchada por textos que abordam, com humor, temas tabus como aborto, orgasmo feminino e as relações sociais com o sexo oposto.

Tu Sois de Onde? / Grupo Peleja (Recife/PE)
17 e 18 de janeiro (sábado e domingo), 20h, R$ 10 e R$ 5
Partindo de memórias pessoais do intérprete-criador Lineu Gabriel, paulistano radicado em Pernambuco, o espetáculo traz para a cena ferramentas corporais diversas, tendo como fio condutor o mergulho na pesquisa sobre a dança do maracatu rural, manifestação da Zona da Mata Norte de Pernambuco, buscando seu potencial técnico e expressivo.

Pangéia / Limiar Teatro e Grupo Acaso (Espanha/Portugal e Recife/PE)
21 de janeiro (quarta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A montagem busca se aprofundar nos caminhos que unem a Galícia, o Brasil e Portugal, tendo o caminho como ponto de encontro do humor e do poético.

Noctiluzes / Cia. Plágio de Teatro e Guinada Produções (Brasília/DF)
23 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
Em uma madrugada qualquer, três desconhecidos se encontram em um píer que será palco de transformações únicas nas vidas destes homens, três enigmáticas personagens que não imaginam o rumo que suas trajetórias irão tomar depois deste encontro inesperado e cheio de revelações. 1h25. Indicação: a partir de 16 anos.

Kalabazi / Companhia Tita8lou (Genebra/Suíça)
24 de janeiro (sábado), 20h, gratuito
*Excepcionalmente na Praça da Conceição, Marco Zero da cidade.
Através da poesia do humor, eis a história de uma jovem mulher quer se casar, mas não com qualquer João Ninguém!

Como a Lua / Mambembe Produções Artísticas (Recife/PE)
25 de janeiro (domingo), 16h30, R$ 10 e R$ 5
Oito atores em cena interpretam, cantam e tocam ao vivo nesta obra que, em meio a brincadeiras de crianças, trata de temas delicados como o amor não correspondido entre o índio Payá, que não é bravo guerreiro nem bom caçador, e a índia Colón (já que o Deus do Amor, Rudá, quis brincar com o coração do indiozinho), abordando ainda a descoberta da sexualidade, a perda e a morte, mas também a capacidade de mudar.

Foto: Ed Felix

Retina. Foto: Ed Felix

Retina / Camaleão Grupo de Dança (Belo Horizonte/MG)
28 de janeiro (quarta), 20h, R$ 10 e R$ 5
Com movimentos da dança de rua e contemporânea, cinco bailarinos abordam o excesso de informações retido pelo olhar humano.

Let Me Stay de Julie McNamara (Deixe-me Ficar de Julie McNamara)
/ Vital Xposure Production/Julie McNamara (Inglaterra/Reino Unido)
30 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
*Em inglês, com tradução para o português em legendas
*Audiodescrição e libras
Let Me Stay é uma celebração à vida e ao amor vistos pelos olhos de Shirley McNamara. É uma abordagem delicada e sensível do impacto causado pelo Alzheimer no relacionamento entre mãe e filha.

Aquelas Coisas / Teatro de Retalhos (Arcoverde/PE)
31 de janeiro (sábado), 20h, R$ 10 e R$ 5
Três palhaços jogam com situações cotidianas de descobertas, trabalho, morte e renascimento neste espetáculo que, sem estar fundamentado em um texto dramático, aborda de maneira lúdica as experiências humanas.

As Bodas de Fígaro / Companhia de Ópera de Recife – CORE (Recife/PE)
01 de fevereiro (domingo), 20h, gratuito
Versão compactada da ópera cômica em quatro atos de Mozart, composta em 1786 a partir do libreto de Lorenzo da Ponte. A obra satiriza hábitos da nobreza no século XVIII e conta a divertida história de confusão durante os preparativos do casamento entre Susanna e Fígaro, servos do Conde e da Condessa Almaviva.

***

Programação Arcoverde
Teatro Geraldo Barros – SESC Arcoverde
(Rua Capitão Arlindo Pacheco, 364, Centro. Tel. 87 3821 0864)

A Dama da Noite / Cia. de Teatro Popular de Garanhuns (Garanhuns/PE)
16 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A montagem é uma livre adaptação de conto homônimo do livro Os Dragões Não Conhecem o Paraíso, de Caio Fernando Abreu.

Sexo, a Arte de Ser Censurado / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
17 de janeiro (sábado), 20h, R$ 10 e R$ 5
A partir da investigação da obra da italiana Franca Rame, o espetáculo traz como tema central a liberdade de expressão, destrinchada por textos que abordam, com humor, temas tabus como aborto, orgasmo feminino e as relações sociais com o sexo oposto.

O Espelho da Lua / Tropa do Balaco Baco (Arcoverde/PE)
18 de janeiro (domingo), 20h, R$ 10 e R$ 5
A história da Vitória Régia, tradicional lenda amazônica, é narrada por atores e bonecos através da trajetória de Naiá, uma índia que, desde criança, nutre um forte amor por Araúna, a Lua.

Pangéia /Limiar Teatro e Grupo Acaso (Espanha/Portugal e Recife/PE)
23 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A montagem busca se aprofundar nos caminhos que unem a Galícia, o Brasil e Portugal, tendo o caminho como ponto de encontro do humor e do poético.

Kalabazi / Companhia Tita8lou (Genebra/Suíça)
25 de janeiro (domingo), 20h, gratuito
*Excepcionalmente na Praça Winston Siqueira, Centro da cidade.
Através da poesia do humor, eis a história de uma jovem mulher quer se casar, mas não com qualquer João Ninguém! Ela, então, organiza um concurso de amor para encontrar, no público, a pessoa perfeita.

Foto: Jan Ribeiro /Divulgação

As bodas de Fígaro. Foto: Jan Ribeiro /Divulgação

As Bodas de Fígaro / Companhia de Ópera de Recife – CORE (Recife/PE)
29 de janeiro (quinta), 20h, gratuito
Versão compactada da ópera cômica em quatro atos de Mozart, composta em 1786 a partir do libreto de Lorenzo da Ponte. A obra satiriza hábitos da nobreza no século XVIII e conta a divertida história de confusão durante os preparativos do casamento entre Susanna e Fígaro, servos do Conde e da Condessa Almaviva.

Atrás da Porta / Núcleo de Pesquisa Em Dança Contemporânea do SESC Arcoverde (Arcoverde/PE)
31 de janeiro (sábado), 20h, R$ 10 e R$ 5
Sem maniqueísmos, numa construção coreográfica de símbolos, a obra propõe um olhar questionador e lírico sobre as relações que culminam em violência e opressão de gênero, quase sempre escondidas debaixo do tapete, atrás das portas.

Foto: Adriano Galvão

Aquelas coisas. Foto: Adriano Galvão

Aquelas Coisas / Teatro de Retalhos (Arcoverde/PE)
01 de fevereiro (domingo), 20h, R$ 10 e R$ 5
Três palhaços jogam com situações cotidianas de descobertas, trabalho, morte e renascimento neste espetáculo que, sem estar fundamentado em um texto dramático, aborda de maneira lúdica as experiências humanas.

___________________________

Programação Goiana
Teatro do Centro Cultural Historiador Antônio Corrêa de Oliveira – SESC Goiana
(Rua do Arame, s/n, Centro. Tel. 3626 5961)

Pangéia
Limiar Teatro e Grupo Acaso (Espanha/Portugal e Recife/PE)
16 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A montagem busca se aprofundar nos caminhos que unem a Galícia, o Brasil e Portugal, tendo o caminho como ponto de encontro do humor e do poético.

Noctiluzes / Cia. Plágio de Teatro e Guinada Produções (Brasília/DF)
21 de janeiro (quarta), 20h, R$ 10 e R$ 5
Em uma madrugada qualquer, três desconhecidos se encontram em um píer que será palco de transformações únicas nas vidas destes homens, três enigmáticas personagens que não imaginam o rumo que suas trajetórias irão tomar depois deste encontro inesperado e cheio de revelações.

Sexo, a Arte de Ser Censurado / Grupo Pharkas Serthanejaz (Recife/PE)
22 de janeiro (quinta), 20h, R$ 10 e R$ 5
A partir da investigação da obra da italiana Franca Rame, o espetáculo traz como tema central a liberdade de expressão, destrinchada por textos que abordam, com humor, temas tabus como aborto, orgasmo feminino e as relações sociais com o sexo oposto.

As Bodas de Fígaro / Companhia de Ópera de Recife – CORE (Recife/PE)
23 de janeiro (sexta), 20h, gratuito
Versão compactada da ópera cômica em quatro atos de Mozart, composta em 1786 a partir do libreto de Lorenzo da Ponte. A obra satiriza hábitos da nobreza no século XVIII e conta a divertida história de confusão durante os preparativos do casamento entre Susanna e Fígaro, servos do Conde e da Condessa Almaviva.

A Caixa Não é de Pandora / Andrea Elia (Salvador/BA)
24 de janeiro (sábado), 20h, R$ 10 e R$ 5
Primeiro monólogo da atriz baiana com 30 anos de carreira, Andrea Elia, o espetáculo apresenta a personagem Pandora Lobo, escritora de sucesso internacional que, ao ser convidada para proferir uma palestra para acadêmicos, liberta todas as mulheres que existem dentro dela.

Let Me Stay de Julie McNamara (Deixe-me Ficar de Julie McNamara) / Vital Xposure Production/Julie McNamara (Inglaterra/Reino Unido)
28 de janeiro (quarta), 20h, R$ 10 e R$ 5
*Em inglês, com tradução para o português em legendas
*Audiodescrição e libras
Let Me Stay é uma celebração à vida e ao amor vistos pelos olhos de Shirley McNamara. É uma abordagem delicada e sensível do impacto causado pelo Alzheimer no relacionamento entre mãe e filha.

Retina / Camaleão Grupo de Dança (Belo Horizonte/MG)
30 de janeiro (sexta), 20h, R$ 10 e R$ 5
Com movimentos da dança de rua e contemporânea, cinco bailarinos abordam o excesso de informações retido pelo olhar humano.

Kalabazi / Companhia Tita8lou (Genebra/Suíça)
31 de janeiro (sábado), 20h, gratuito
*Excepcionalmente no Pátio de Eventos do SESC Ler Goiana.
Através da poesia do humor, eis a história de uma jovem mulher quer se casar, mas não com qualquer João Ninguém! Ela, então, organiza um concurso de amor para encontrar, no público, a pessoa perfeita.

Frei Molambo / Naldo Venâncio Produções (Caruaru/PE)
01 de fevereiro (domingo), 20h, R$ 10 e R$ 5
O ator Naldo Venâncio interpreta Frei Molambo, um cavaleiro bíblico e mítico que decide sair mundo afora pregando e ensinando aos povos as profecias bíblicas.

Postado com as tags: , , , ,

Festival Recife do Teatro Nacional – uma avaliação

“O tempo decidirá o sentido e o valor de nossas ações. O tempo, na verdade, são os outros que virão depois de nós. Isso é um paradoxo; o teatro é a arte do presente” (Eugenio Barba em A Canoa de Papel)

Os gigantes da montanha, do grupo Galpão. Foto: Pollyanna Diniz

Os gigantes da montanha, do grupo Galpão. Foto: Pollyanna Diniz

Nos últimos dias, a pergunta ecoa: qual a importância de se ter um festival nacional de teatro para uma cidade como o Recife? Qual a sua validade? De que forma ele pode fazer sentido para os habitantes dessa metrópole? São tantas perguntas que nos embaralham a mente e o coração, aguerridos que somos dessa arte restrita a tão poucas pessoas.

Chegamos – ou já estamos atrasados – ao momento de repensar o Festival Recife do Teatro Nacional. Em 16 anos, quantos espetáculos e companhias que passaram por esse festival não modificaram o nosso jeito de ver, de sentir, de refletir sobre algo? A primeira edição, lá em 1997, já trazia a Cia do Latão, o Teatro Oficina, o Grupo Tapa, o Galpão, o Imbuaça. E foi assim ao longo dos anos – vimos chegar ao Recife espetáculos que dificilmente seriam apreciados aqui de outra forma, que não através de um festival nacional, financiado pelo poder público, sendo assim, com possibilidades financeiras para tal.

Essa função continua tendo a sua importância. Atualizar o repertório estético e artístico de uma cidade não perdeu a sua validade. Embora tenhamos hoje vários outros festivais e eles tenham ganhado força, os seus perfis são completamente diferentes. O Janeiro de Grandes Espetáculos e o Palco Giratório, só para citar os dois maiores, não substituem o Festival Recife do Teatro Nacional.

Esse foi só o primeiro ano de uma nova gestão na Prefeitura do Recife, com a secretaria de Cultura sob o comando de Leda Alves e o festival, de Carlos Carvalho. Por isso mesmo, é tão urgente que as coisas sejam ditas, discutidas, maturadas realmente. Teremos, a priori, ao menos mais três anos para que essas mesmas pessoas, todas tão amantes do teatro quanto nós, possam realizar o festival.

O que se viu este ano foi a ausência de espetáculos que estivessem de acordo com essa premissa básica do festival: montagens que pudessem ofertar ao público um recorte (sim, será sempre um recorte, obviamente), do que de melhor é produzido no país. O que os grupos e companhias mais importantes têm desenvolvido, em que eles têm se debruçado, quais as pesquisas de linguagem que estão sendo realizadas, o que estão experimentando?

Não é que não nos interesse o teatro feito na tribo indígena, para citar Carlos Carvalho durante a coletiva de imprensa do festival. Mas tudo no seu tempo e lugar adequados. Um trabalho como As bufa, do Rio Grande do Sul, deveria estar na programação desse festival? Ou, para citar uma diretora próxima, o trabalho Homens e caranguejos, de Luciana Lyra, que já esteve no Recife noutras oportunidades, têm o perfil do festival? Em nada isso denigre os espetáculos, que fique bastante claro. Não é uma crítica aos seus criadores. Mas o que vimos este ano que realmente deixou marcas na cidade? Que contribuiu para acrescentar ao olhar dos espectadores e dos nossos artistas? Só para fazer uma comparação – este ano o Trema!, um festival particular, organizado por um grupo (o Magiluth), sem nenhum apoio da Secretaria de Cultura do Recife, realizado durante poucos dias, teve mais importância artística e estética para a cidade do que o Festival Recife do Teatro Nacional.

As bufa. Foto: Pollyanna Diniz

As bufa. Foto: Pollyanna Diniz

É uma incongruência com o próprio pensamento de Leda Alves, que nos disse durante a primeira entrevista realmente de peso que concedeu para um veículo de comunicação. “A pauta do Hermilo está aberta para ocupação do teatro, diferente do Santa Isabel. O espaço do Santa Isabel não pode ser para um teatro experimental. Não pode ser um teatro de comunidade que vem testar. Não se estreia espetáculo no Santa Isabel. Ele é um teatro municipal, que tem características, que tem peso, um custo altíssimo, cada vez que aquela cortininha se abre”.

Trata-se de falta de coerência que um espetáculo como Coisas do mar – e aqui não estamos discutindo os méritos estéticos da montagem – esteja na grade de um festival nacional. É uma peça que acabou de ganhar um festival estudantil. Que não fez nenhuma temporada na cidade, não participou, por exemplo, do Janeiro de Grandes Espetáculos, não foi maturada.

Ao optar por trazer apenas dois espetáculos de grupos já consagrados – Galpão e Armazém – a organização do festival fez o caminho mais fácil. Aliás, é bom que se diga: houve realmente um critério de escolha? Ou esses dois espetáculos já viriam ao Recife de qualquer forma e foram só incorporados à grade? É…ao menos garantiu a pauta nos teatros, uma dificuldade na cidade do Recife. Uma pena que a mesma coisa não tenha sido feita com o Ói Nóis Aqui Traveiz, que tinha passagens, hospedagem, enfim, toda a grana necessária para vir ao Recife apresentar Medeia vozes. Faltava somente o lugar de apresentação. O grupo acabou indo para Arcoverde.

Bem, a questão não é exatamente como os espetáculos são escolhidos – se através de edital ou de curadoria. De uma forma ou de outra, há o crivo de um grupo de pessoas. São as escolhas feitas; o edital é usado apenas para justificá-las. Afinal, é muito mais difícil manter um grupo de trabalho o ano inteiro discutindo a produção nacional. Pensando o teatro que é feito no país.

Não é mais fácil lançar um edital dois meses antes do festival e ver o que sai dali? É sim a escolha pelo mais fácil. Não pela democratização. Quer democratização? Vá aos festivais espalhados pelo país, conheça a produção, seja capaz de elencar o que tem movido o teatro brasileiro hoje. E, a partir daí, faça escolhas que estejam de acordo com o perfil do festival, com o recorte que interessa à cidade. Mas isso dá muito trabalho. É mais fácil convocar uma reunião às pressas e usar a classe para validar uma programação que não atrai o público, que não nos move. Sim – porque quando Gustavo Catalano, gerente Geral de Ações Culturais da Fundação de Cultura da Cidade do Recife, diz que a classe participou efetivamente da discussão desse festival, através de uma comissão, que fique bem claro e registrado, isso é mentira. Todos ouvimos isso. E todos sabemos que é mentira. O que faremos com isso, ah… é outra coisa.

——

Luiz Lua Gonzaga, do Magiluth, no Sítio da Trindade. Foto: Pollyanna Diniz

Luiz Lua Gonzaga, do Magiluth, no Sítio da Trindade. Foto: Pollyanna Diniz

Garantir 50% da programação de peças pernambucanas é valorizar o nosso artista? Ou simplesmente, mais uma vez, optar pelo mais fácil? Sim – porque os nossos cachês são mais baixos, os custos são muito menores – não há passagens, hospedagens, deslocamento de cenários.

E, além disso, de que adianta aos nossos artistas participar de um festival que não é relevante para a cidade? Sofrendo com a falta de público e de divulgação? De Íris ao arco-íris teve uma sessão com pouco mais de vinte pessoas. As Levianinhas em pocket show para crianças, que lota teatros, amargou públicos pequenos. As Confrarias e Vestígios tiveram o mesmo problema. Por favor, somente desta vez, não vão pelo caminho mais fácil. Não culpem os espetáculos ou o próprio público. Não vão para a rádio dizer que as pessoas do Recife não têm a cultura de ir ao teatro. Se esse é um dos papeis do governo – tornar esta arte mais acessível.

E aí, outras questões se colocam. Acessível a que público? Faz algum sentido colocar uma apresentação de um espetáculo infantil – no caso O menino da gaiola numa quarta e quinta-feira, no meio da tarde? Essas apresentações serviram à cidade? Ou cumpriram tabela? Porque festival nacional de teatro não é teatro para escola. Para isso deveria haver um projeto específico.

Democratizar o acesso? Levando o espetáculo de um grupo como o Magiluth, que lota sessões pelo país afora, para dentro de uma escola sem aula? Ou às 16h, com o sol a pino, no descampado da Joana Bezerra, Coque? Quem de nós gostaria de assistir a um espetáculo com sol no rosto? Quem de nós gostaria de estar no palco? Mas é difícil verificar o horário mais adequado, o local, levar água para o elenco, fazer um contato com os grupos culturais da área, traçar elos e parcerias. Sem falar na adequação do espetáculo ao festival, ver o elenco da peça Cafuringa, no meio do sol, circundados por cadeiras vazias, esperando que o sol baixasse, não é respeitar o artista pernambucano. Quanto mais valorizá-lo!

É inadmissível para o Festival Recife do Teatro Nacional um fato como o que aconteceu com o grupo Magiluth na Bomba do Hemetério. Um espetáculo cancelado por falta de público. Não – não por falta de público. Por falta de política, de produção, de planejamento, de visão. Não, não culpem o público, por favor. Ele não tem o que ver com isso.

Cafuringa, na Joana Bezerra/Coque. Foto: Pollyanna Diniz

Cafuringa, na Joana Bezerra/Coque. Foto: Pollyanna Diniz

E os equívocos seguem, por exemplo, pelas oficinas escolhidas. Alguém poderia desmerecer um homem de teatro como Antonio Cadengue? Um apaixonado não só pelo fazer, mas também pelo ensino? É uma enciclopédia. Sabe com propriedade os assuntos a que se dedica. Mas é no Festival Recife do Teatro Nacional o momento mais oportuno para termos uma oficina com ele? Foram seis alunos. Uma oficina com Candegue, sabedor que ele é da importância que tem para a cidade, poderia ser realizada durante o ano. Porque escolher justamente o festival? É nesse momento que deveríamos receber aqui os diretores que não podem chegar de outra forma. É como a Mimo promover uma master class com um professor do Conservatório Pernambucano de Música – usando um exemplo que me foi dado nas inúmeras conversas que tive sobre esse festival. É desmerecendo o professor? De forma alguma.

O momento, repetimos, é crucial. E não só para o Festival Recife do Teatro Nacional – mas é sim, muito importante discuti-lo. Precisamos de posicionamentos claros sobre o SIC, sobre o fomento, sobre os equipamentos culturais, sobre o Teatro do Parque, sobre formação. Isso sim é democratizar a cultura. É valorizar os artistas pernambucanos. É privilegiar o povo. E que a possibilidade de fazer novas reuniões com a classe não vire lenda, não se esvazie. Assim como virou fumaça a promessa de Gustavo Catalano, na reunião do Fórum de Artes Cênicas, no Mamam, em agosto, de que marcaria uma conversa entre a classe e Leda Alves para discutir o SIC.

Terminar com Chico Buarque parece apropriado: “precisamos nos ver por aí! Pra semana, prometo, talvez nos vejamos… Quem sabe?”.

Coisas do mar, do grupo Teatral Ariano Suassuna. Foto: Pollyanna Diniz

Coisas do mar, do grupo Teatral Ariano Suassuna. Foto: Pollyanna Diniz

Postado com as tags: , , , , , , ,