Arquivo da tag: teatro recife

O riso e a crítica corrosiva são armas do Marsenal

O projeto Marsenal retoma suas atividades no Recife com a estreia internacional do espetáculo Cabaré do Bonzo, com Claudio Ferrario e Olga Ferrario. Foto: Reprodução do Facebook

A cultura é perseguida sem trégua, os direitos humanos são saqueados, a democracia está na mira de um sujeito “nojento, irresponsável, inescrupuloso, elitista, segregador, corrupto e nefasto”. É assim que o Cabaré do Bozo pinta seu personagem principal, que juntamente com seus comparsas são responsáveis pelas desumanas reformas trabalhista e da previdência. Os números traduzem o estrago desse (des) governo: a fome atinge mais 12 milhões de pessoas, sem perspectiva de reversão, se depender “desses daí”. Desde o golpe de 2016 que a situação só piora.

As ridículas figuras que ocupam o Palácio do Planalto Central do Brasil e suas extensões, e a atmosfera tosca que envolvem essas trepeças servem de material para a criatividade, humor corrosivo e crítica implacável do espetáculo Cabaré do Bozo, que integra o Movimento Marsenal, que retoma suas atividades nesta quinta-feira, no Bar do Mamulengo, no Bairro do Recife.

       O Movimento Marsenal chega, rechega, volta, revolta…

“Para somar com quem não aceita o assassinato do povo das periferias e das florestas. Para somar com quem jamais achará natural que a fome e a miséria corroam tantos e tantas, enquanto alguns poucos se empanturram de tudo. Para somar com quem acredita que a saúde e a educação são direitos inalienáveis, que não podem, simplesmente, nos serem roubados. Somar com quem acredita na cultura como sinônimo de vida e, portanto, não se permitirá, em hipótese alguma, conviver com qualquer tipo de censura”.

Claudio Ferrario no Teatro Mamulengo

O Movimento Marsenal é um foco artístico e político de re-existência que funciona desde julho no Teatro Mamulengo, no Bairro do Recife. Surgiu de forma independente e sem patrocínio, com o objetivo de agregar os que são contra a censura e lutam pela democracia, segundo seus articuladores – Claudio Ferrario e as Violetas da Aurora, (coletivo formado por Ana Nogueira, Sílvia Góes, Fabiana Pirro e Mayara Waquim).

O projeto carrega as marcas do temperamento pernambucano, com um jeito irônico e demolidor de encarar a realidade e rir até de si mesmo. Mas sempre com doses cavalares de autoestima. Então, na estreia internacional do Cabaré do Bozo é possível que o público se depare com Damares da Goiabeira, Moro Marreco, Queiroz Rachadinha, Abraão Guarda-chuva, Erneqsto Planificador. Além do troglodita-mor.

A programação começa com o microfone aberto. Qualquer um pode falar o que quiser. É momento para combater as fakes News e as baboseiras. Depois do cabaré a pista fica pronta para a dança. 

“O Cabaré do Bozo nasce a partir de diálogos que escrevo há um tempo e que nós atualizamos um pouco e amarramos numa pequena brincadeira. Eu e Olga fazemos 9 personagens, entre eles, o próprio Bozo, Damares, Moro, Queiroz… e com Hugo Coutinho pensamos uma trilha – com músicas e sonoplastias – que amarrasse os quadros e que servisse para as trocas de roupas, que fazemos ao vivo…”, adiantou Claudio Ferrario mais cedo pelo mensager.

“Sabe-se que a fauna é vasta, composta por bichos os mais variados”, já alardeou Ferrario no Facebook. “Há os matreiros, os agressivos, os territoriais. Há os que só saem das suas tocas à noite, os que emboscam, os que se utilizam do mimetismo, para se aproximarem das suas presas, sem que sejam notados. Abrimos o vasto e deplorável leque de opções, composto por ministros, secretários, milicianos e familiares do Bozo e só faltamos arrancar os cabelos, para escolher quais estariam presentes nesse nosso cabaré”, confessou Claudio para seus milhares de fãs nas redes sociais.

Algumas dos depoimentos sinistros que serviram de inspiração do Cabaré do Bozo:

        • “Querem transformar as nossas crianças em quilombolas indígenas homossexuais, mas, eu vou mudar isso daí, tá ok?”
          Aquele energúmeno
      •  
        • “Rosanja, minha conje, também detesta o metalurjo Lula. Mas como já dizia Aristotles, bom mesmo é brocles com figo de galinha.”
          O Ministro da Justiça, que come as
          sílabas das palavras proparoxítonas
      •  
        •  “A mulher nasceu pra ser mãe e a gravidez é um problema que dura apenas nove meses.”
          Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, uma máquina incansável de dizer asneiras e idiotices
        • “Depositei um dinheirinho na conta da Primeira Dama, porque passei um ano, vendendo e comprando carros usados e acumulei 1 milhão e 200 mil, aí, quis lhe fazer esse agrado.”
          Queiroz, o “gênio” da Economia
      •  
        • “Se a Terra fosse redonda e girasse em torno do próprio eixo, no mínimo deveríamos sentir tonturas.”,
          Ministro das Relações Exteriores

 

Claudio Ferrario e Olga Ferrario interpretam figuras do Planalto. Foto: Reprodução do Facebook

Serviço

Cabaré do Bozo, com Claudio Ferrario e Olga Ferrario
Onde: Bar Teatro Mamulengo (Rua da Guia, 211, de frente para a Praça do Arsenal)
Quando: 9 de janeiro, às 19h
Ingressos: Contribuição espontânea /chapéu solidário / pague quanto quiser-puder

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

De Olho no Teatro do Parque, do Recife

Palco e plateia do Tetro do Parque, em registro de 2015. Foto: Ivana Moura

Palco e plateia do Teatro do Parque, em registro de 2015. Foto: Ivana Moura

É tempo de vigiar todos os atos do poder público e dos políticos. “É preciso estar atento e forte”, como diz a canção. Exigir transparência nos processos é (ou deveria ser) um compromisso de todos os cidadãos. Por isso tudo, pela cidade do Recife, pela cultura, os artistas pernambucanos promovem neste sábado (25/11) o segundo ato político cultural do ano pela reabertura do Teatro do Parque, equipamento cultural gerenciado pela Prefeitura do Recife e que está fechado para reforma desde 2010.

O ato coordenado por Diógenes D.Lima, Simone Figueiredo e Claudio Ferrario, inicia às 10h com microfone aberto na Rua do Hospício, em frente ao Teatro Parque. Às 12h começa a roda de samba com Lucinha Guerra, Luisa Pérola, Xico de Assis, Sonnia Aguiar, Paulo Perdigão, Neguinho da Samarina, Selma do Samba, George Rocha, Hilson Btk, Caio Fernando e Bruno Cavalcanti.

A Roda de Debate ‘Políticas Culturais e Gestão Pública’ esquenta a tarde, a partir das 15h, com a participação de João Roberto Peixe, Karina de Paula, Simone Figueiredo, Júnior Afro, Fernando Coelho, Ednéia Alcântara e Eva Duarte.

O Teatro do Parque, de 102 anos completados em 24 de agosto, é um dos poucos teatros-jardim existentes no Brasil, está desativado há sete anos, como uma reforma com obras paradas.

Em agosto, os artistas realizaram a Virada Cultural, que reuniu um público de cerca de 5 mil pessoas, numa maratona de mais de doze horas de atividades, entre leitura do manifesto pela reabertura do teatro, e apresentações artísticas de várias linguagens. Também em agosto, a Prefeitura anunciou a abertura de licitação para a reforma do equipamento. Em outubro, a Prefeitura do Recife publicou no Diário Oficial a suspensão do processo licitatório.

Há poucos dias a PCR noticiou que a assinatura do convênio para início das obras do cine-teatro do Parque está marcada para o dia 7 de dezembro, com a presença de prefeito, ministro de Educação e representante do Ministério da Cultura.

Então temos que ficar de olho, como chama esse segundo ato. Os moradores e comerciantes da rua do Hospício e entorno dão o maior apoio à mobilização, porque enxergam a reabertura do teatro centenário como a saída para revitalização da área central do Recife.

Simone Figueiredo, Diógenes D. Lima, Claudio Ferrário e ... mobilização deste sábado. Foto: Reprodução do Facebook

Simone Figueiredo, Diógenes D. Lima, Claudio Ferrário e … mobilizar é preciso. Foto: Reprodução do Facebook

Serviço:
De Olho no Parque – ato pela reabertura do Teatro do Parque
10h – Microfone aberto
12h – Roda de Samba
15h – Roda de Debate ‘Políticas Culturais e Gestão Pública’

Postado com as tags: , , ,