Arquivo da tag: Teatro do Concreto

Tempo de vida

Aquilo que meu olhar guardou para você, do grupo Magiluth, no Trema! Foto: Cecília Gallindo

“Teatro significa um tempo de vida em comum que atores e espectadores passam juntos no ar que respiram juntos daquele espaço em que a peça teatral e os espectadores se encontram frente a frente”. Essa definição de Hans-Thies Lehmann no prólogo do seu necessário Teatro pós-dramático ficou martelando depois da sessão de Aquilo que meu olhar guardou para você, no festival Trema, ontem à noite. Tempo de vida em comum. Vida que se entrelaça. Vida que pode ser real ou ficção, mas que é verdade, como diz o ator-personagem Pedro Vilela. Vida que emerge não só do palco, mas da plateia.

Geralmente digo isso quando escrevo sobre o Magiluth: como é bom vê-los em cena. Porque eles fazem por completo. São inteiros, se jogam sem rede de proteção. São fieis ao que defendem, não abrem concessões. E assumem as consequências disso.

Nessa montagem, que surgiu a partir de uma troca de fotografias com o grupo Teatro do Concreto, de Brasília, o ponto de partida até poderia ser a memória do lugares pelos quais eles passaram; seja a boate Metrópole ou a Estação Central do metrô do Recife. Essas referências estão lá. Mas são meros detalhes para uma colcha de retalhos; várias cenas curtas que vão compondo um dramaturgia fragmentada, não-linear, que se apoia no episódico e na ação daquele momento.

A dramaturgia é formada por várias cenas curtas

Pode ser um encontro, um desencontro, as partidas, o afeto imediato, a perda, a ilusão de completude, a memória da infância, a música que me traz tanta coisa à mente. Não é novela. Não precisa ter início-meio-fim.

No jogo teatral que se instala no palco e na plateia há cumplicidade. Tudo ali pode ser teatro (ou não, esse é o jogo) – mas é como se ainda houvesse, por parte do público, uma necessária busca pela ficção, por um história a ser contada. E aí nem sempre esses nós se amarram em Aquilo que meu olhar guardou para você. Talvez não fosse necessária a obrigatoriedade de usar o nome dos atores em cena. Pra quê eu preciso saber que aquele personagem é Giordano, Pedro, Erivaldo? Sim, em determinados momentos, quando o jogo se coloca mais declaradamente e eles até trocam de lugar, sim. Mas logo no começo da montagem, já que não é pra ter personagem tradicional, também não preciso de um nome. Seja um nome ficcional ou real.

Também não é sempre que as cenas conseguem convencer. Que o público consegue esquecer do jogo e, numa linha muito tênue, se entregar. Senti isso ontem no abraço entre Pedro Vilela e Giordano Castro; e, mais uma vez, na briga fake no meio do espetáculo. É como se descolasse da dramaturgia. E nesse espetáculo especificamente (senti isso bem menos no mais recente, Viúva, porém honesta, por exemplo) o elenco está em níveis diferentes. Pedro Wagner e Giordano Castro dão um salto na montagem quando estão em primeiro plano. Há ainda no elenco Pedro Vilela, Lucas Torres e Erivaldo Oliveira. A direção é de Luiz Fernando Marques, do grupo XIX.

Talvez o maior mérito da montagem é o que ela consegue fazer com o público. As surpresas que pode causar. A ida ao palco nos faz ver as coisas sob outro ângulo – mesmo que talvez isso pudesse ser melhor resolvido. (É preciso ser convidado a ir ao palco? Ou já estou no palco? Tenho que me predispor a levantar e a aceitar um convite? Ou poderia já estar lá de qualquer maneira? Não tenho nenhuma certeza sobre isso!). Mas ouvir a música predileta, ler uma carta endereçada a alguém da plateia, ter a oportunidade de estar no meio da dramaturgia – tudo isso encanta muito. E ver todo aquele público no Teatro Apolo numa terça-feira para um festival de teatro de grupo é muito, muito bom.

Pedro Vilela

Notes – Já vi Aquilo que meu olhar guardou pra você três vezes. No Hermilo Borba Filho, no Joaquim Cardozo e agora no Apolo. O melhor lugar é definitivamente o Hermilo. O público ganha muito com a proximidade maior com o espetáculo. Ontem a iluminação – que é linda; não funcionou como geralmente funciona. Talvez por problemas técnicos e do teatro mesmo.

Ficha técnica – Aquilo que meu olhar guardou para você

Direção: Grupo Magiluth e Luiz Fernando Marques
Dramaturgia: Giordano Castro
Atuação: Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres, Pedro Wagner e Pedro Vilela
Direção de arte: Guilherme Luigi e Thaysa Zooby
Iluminação: Pedro Vilela
Sonoplastia: Grupo Magiluth e Luiz Fernando Marques

Serviço:
Aquilo que meu olhar guardou para você
Trema! Festival de Teatro de Grupo do Recife
Quando: quinta-feira (11), às 21h
Onde: Teatro Apolo (Rua do Apolo, 121, Bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , ,

Fragmentos particulares

Aquilo que meu olhar guardou para você, do grupo Magiluth, hoje, às 19h. Foto: Thaysa Zooby

Displicência poética, liberdade de amarras, frescor. É assim que o diretor Luís Fernando Marques, do grupo paulista XIX, enxergou o trabalho do grupo Magiluth depois que eles começaram a conviver por conta do Rumos Itaú Cultural. Lubi tinha sido uma proposta do Teatro do Concreto, que estava fazendo um intercâmbio com o Magiluth. “O país é tão grande e a dificuldade de circular que a pergunta é: como eu não conhecia esse grupo antes?”, diz Luís Fernando. “A proximidade entre o Magiluth e o XIX não é só estética, mas no modo de produção. As relações não-hierarquizadas, o teatro como ação. Esse é o dia a dia de varios grupos no país inteiro e poder juntar isso é muito bom”, complementa.

O resultado dessa salada geográfica – Recife, Brasília, São Paulo – estará no palcos em Aquilo que meu olhar guardou para você, que faz única sessão hoje, ás 19h, no Teatro Hermilo Borba Filho. Todos os Magiluthianos estarão no palco. “Até eu!”, brinca Pedro Vilela. E eles explicam que o espetáculo funciona como se você passasse uma tarde inteira na pracinha do Diario e pudesse ouvir trechinhos da história de cada um ali. No total, são 46 fragmentos de história compondo o espetáculo.

Pergunto se não é mais fácil trabalhar com a construção ds personagens dessa forma; se o desafio como ator não é menor. “Essa realidade fragmentada é da nossa geração. E cada microparte olhamos como uma peça tradicional, lançamos mão de técnicas que são tradicionais”, explica Vilela.

A peça propõe um espectador disposto a atar e desatar nós; a compor o espetáculo de acordo com as suas próprias referências. Sim, eles respondem, há interação. “Mas não é aquela coisa forçada. Quando você vê, já está jogando conosco. Isso acontece de maneira muito orgânica”, avalia Giordano Castro.

Ah….a peça ainda não tem temporada prevista no Recife, mas já tem apresentações marcadas em São Paulo, um convite do XIX, e no Festival de Curitiba, numa mostra organizada pela Companhia Brasileira.

Aquilo que meu olhar guardou para você
Quando: hoje, às 19h, no Teatro Hermilo Borba Filho
Quanto: R$ 10 (preço único)
Informações: (81) 3355-3321

Ficha técnica:
Texto: Giordano Castro
Direção: Luís Fernando Marques e grupo Magiluth
Direção de arte: Guilherme Luigi e Thaysa Zooby
Iluminação: Pedro Vilela
Sonoplastia: Grupo Magiluth
Elenco: Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres, Pedro Wagner e Pedro Vilela

O melhor da foto é a mulher olhando os dois!

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

Rumos teatro apresenta resultados

O Rumos Teatro, projeto do Itaú Cultural, propôs o teatro de grupo como eixo para o seu edital. 12 projetos de pesquisa foram selecionados, sendo que cada um deles era formado por grupos de diferentes regiões que iriam realizar intercâmbios, trocar experiências com relação aos seus processos criativos e compartilhar tudo com o público interessado através de blogs.

Agora, todos os grupos estarão reunidos em São Paulo entre 26 de agosto e 3 de setembro para mostrar o resultado dos meses de trabalho conjunto. A semana terá também palestras (a abertura será feita pelo ensaísta e professor de arte, tecnologia e cultura Laymert Garcia dos Santos com o tema Teatro, mito, história e tecnologia, considerações sobre a atualidade da articulação entre os quatro termos) e o lançamento do livro Próximo ato: Teatro de grupo, resultado de um mapeamento de cinco anos organizado por Antônio Araújo, José Fernando Azevedo e Maria Tendlau e coordenado pelo Núcleo de Artes Cênicas do Itaú Cultural. Cerca de 200 artistas devem participar da programação, aberta ao público.

Magiluth (PE) e Teatro do Concreto (DF) trabalharam a partir de fotos tiradas pelos grupos

O Grupo Magiluth, que trabalhou com o Teatro do Concreto, de Brasília, antes de seguir para São Paulo, apresenta um experimento cênico fruto desse intercâmbio neste sábado, às 23h, no Espaço Muda, no bairro de Santo Amaro. No Itaú Cultural, eles mostram a pesquisa Do concreto ao mangue, aquilo que meu olhar guardou pra você… no dia 31, às 18h. No dia seguinte, às 20h, é a vez de outro grupo pernambucano: o Coletivo Angu de Teatro, que vai apresentar, junto com o Bagaceira de Teatro, do Ceará, o projeto intitulado Abuso.

Confira a programação completa:
Semana Rumos Teatro
(Os ingressos são distribuídos com meia hora de antecedência)

Sexta (26):
20h: palestra Teatro, Mito, História e Tecnologia – Considerações sobre a Atualidade da Articulação entre os Quatro Termos com Laymert Garcia dos Santos

Sábado (27):
16h: pesquisa O Ator Animador e o Processo Criativo no Teatro de Animação, com Caixa do Elefante (RS) e PeQuod (RJ) / indicado para maiores de 14 anos
18h: pesquisa Cia.teatroautônomo+irmãosguimarães, com Cia. Teatro Autônomo (RJ) / indicado para maiores de 16 anos
20h: pesquisa Cia.teatroautônomo+irmãosguimarães, com Os Irmãos Guimarães (DF) / indicado para todas as idades

Domingo (28):
18h: pesquisa Florestas e Antas, Experiências Teatrais – Em Busca de um Teatro Possível, com Grupo de Teatro Celeiro das Antas (DF) e Teatro Experimental de Alta Floresta (MT) / indicado para todas as idades
20h: pesquisa Salsichão no Boquerão/Tainha na Prainha
[distribuição única de ingressos às 19h30]
Erro Grupo (SC) apresenta Seminar Pornosuspense
21h: Cia. Silenciosa (PR) apresenta El Gran Cabaret Porno / indicado para maiores de 18 anos

Segunda (29):a partir das 16h: pesquisa Narrativas Urbanas na Terra sem Lei, com intervenção cênica de Cia. Senhas de Teatro (PR) – Av. Paulista – faixa de pedestres – altura do número 60
18h: com Núcleo Argonautas (SP) – Casa das Rosas (não haverá distribuição de ingressos) / indicado para maiores de 14 anos
20h:pesquisa (Re)Soluções para Ontem: Inventar o Passado, com Cia. dos Atores (RJ) e Os Fofos Encenam (SP) / indicado para maiores de 12 anos

Terça (30):
18h: pesquisa A Oralidade e a Cameloturgia − Uma Pesquisa Cênica do Porto ao Rio
Será o Benedito? (RJ) apresenta Olha o Dado, na rampa do metrô do Centro Cultural São Paulo e O Imaginário (RO) apresenta Varadouro
20h – 1ª sessão
20h45 – 2ª sessão / indicado para maiores de 16 anos]

Quarta (31):
18h: pesquisa Do Concreto ao Mangue, Aquil que Meu Olhar Guardou pra Você…, com Teatro do Concreto (DF) e Magiluth (PE) / indicado para maiores de 14 anos
20h:pesquisa Um Outro Si Mesmo – Troca de Pacotes, com Espanca! (MG) e Companhia Brasileira de Teatro (PR) / indicado para maiores de 12 anos

Quinta (1):
18h: pesquisa Conexão Música da Cena, com Clowns de Shakespeare (RN) e Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqu Traveiz (RS)
20h: pesquisa Conexões Coletivas: Angu e Bagaceira, com Grupo Bagaceira de Teatro (CE) e Coletivo Angu de Teatro (PE), que apresentam Projeto Abuso / indicado para maiores de 16 anos

Sexta (2):
18h: pesquisa Composição de Matrizes ou Matrizes em Composição?, com OPOVOEMPÉ (SP) e Lume (SP)/ indicado para maiores de 14 anos
20h: palestra Processos de Criação em Rede. Interações como Espaços de Possibilidades, com Cecília Salles
20h

Sábado (3):
15h30 – encerramento do Encontro com Cristiane Paoli Quito, Eleonora Fabião e Cecília Salles
19h – lançamento do livro Próximo Ato: Teatro de Grupo

Postado com as tags: , , , , , , ,

Do concreto ao mangue

Foto: Juliana Leitão

Escrever um texto teatral a partir de fotografias de uma cidade – que não é a sua. Para realizar essa tarefa, os integrantes do grupo Magiluth – que tem no repertório os espetáculos Corra, Ato e 1 Torto – criaram um jogo de improvisação. Deu tão certo que eles contam que voltaram à adolescência. Dividem as tardes entre o jogo, os ensaios para o novo espetáculo do grupo, que tem nome provisório de O canto de Gregório, e os trabalhos de produção.

Hoje, às 19h30, os garotos recebem o público no Teatro Joaquim Cardozo, no Centro Cultural Benfica, para apresentar a primeira cena resultante desse jogo; depois, debatem sobre o processo de criação. O jogo não é à toa – o Magiluth foi um dos contemplados pelo edital do Rumos Itaú Cultural – Teatro para realizar um intercâmbio com outra companhia brasileira, no caso, o Teatro do Concreto, de Brasília.

Durante seis meses, os dois grupos vão trocar experiências artísticas, estéticas e de criação, e também relativas à gestãodas companhias. A cada mês, cada uma das companhias tem a responsabilidade de enviar três fotos da sua cidade a outra; a partir daí, são criadas cenas curtas de, no máximo, 15 minutos. “A nossa maior dificuldade foi inventar essa metodologia de trabalho, depois de receber as imagens. Porque o Teatro do Concreto já tinha essa experiência de criar a partir de fotografias”, explica o ator Pedro Vilela.

Em junho, os pernambucanos recebem a visita dos brasilienses, sob a coordenação do diretor Luis Fernando Marques, do grupo XIX, de São Paulo, que tem experiência com investigações urbanas; depois, é o Magiluth quem vai a Brasília. Tanto aqui quanto lá, há a previsão de apresentações ao público, embora o projeto, intitulado Do concreto ao mangue – Aquilo que meu olhar guardou para você, não tenha necessariamente a intenção de montar um espetáculo único.

Pedro Vilela e Giordano Castro. Foto: Pollyanna Diniz

Teatro de pesquisa – Os integrantes do Magiluth se reuniram na Universidade Federal de Pernambuco em 2004. Talvez por isso, a pesquisa, o experimentalismo e a necessidade de se arriscar – às vezes com resultados positivos, outras nem tanto -, ao fazer teatro sejam tão presentes nos espetáculos do grupo. Os artistas do Magiluth e do Teatro do Concreto se conheceram em 2009, durante a reunião de um movimento de teatro de grupos, que visava compartilhar experiências e pesquisas. Ainda assim, ao vivo, eles nunca viram apresentações um do outro. “E mesmo assim percebemos que discutimos coisas semelhantes nos espetáculo. O grupo deles também é formado basicamente por estudantes, recém-formados, é ligado à questão da pesquisa, trabalha com dramaturgia própria”, diz o ator Giordano Castro. “Eles tem como referência o teatro da Vertigem”, complementa Pedro Wagner, também ator. No país, este edital do Itaú Cultural premiou 11 projetos, sendo 22 grupos participantes. No caso do Magiluth e Do concreto, cada grupo recebeu R$ 44 mil para viabilizar o projeto.

Serviço:

Do concreto ao mangue – Aquilo que meu olhar guardou para você
Onde: Teatro Joaquim Cardozo
Quando: hoje, às 19h30
Quanto: entrada gratuita

Pedro Vilela. Foto: Pollyanna Diniz

As experiências do intercâmbio estão registradas no blog http://doconcretoaomangue.blogspot.com/ .

Postado com as tags: , , , , ,