Arquivo da tag: Santiago Serrano

Encontros possíveis

Jogo cênico fascinante de três bons atores . Foto: Ivana Moura

Jogo cênico fascinante de três bons atores . Foto: Ivana Moura

image Noctiluzes é um potente texto do dramaturgo argentino Santiago Serrano, escrito especialmente para a brasiliense Cia. Plágio de Teatro. A dramaturgia é inteligente, repleta de humor e reflexões sobre as mazelas humanas no mundo contemporâneo. Na peça, três desconhecidos se esbarram numa madrugada em um píer que já teve honrosas serventias. Cada um foi parar ali por motivos próprios e a presença dos outros é um incômodo, que eles tentam negociar para chegar ao seu propósito secreto. E a vida para esses três homens não será a mesma depois daquela noite.

Noctiluzes participa da programação do Janeiro de Grandes Espetáculos, com duas sessões no Teatro Apolo, ontem e hoje, às 20h.

O autor é o mesmo de Dinossauros e mostra como encontros fortuitos podem trazer revelações sobre estados miseráveis e possíveis redenções. Tudo isso com um olhar generoso e otimista para as possibilidades do humano, apesar de todas as evidências que depõem contra esses seres.

A direção de Sérgio Sartório e Rachel Mendes extrai as ondulações de um encontro inusitado, em que as criaturas deixam escapar mágoas e desejos, afetos e frustrações. A perseguição do sonho de paternidade de um, a situação-limite de outro, a sabedoria de um terceiro. A montagem opera na chave do minimalismo e cada detalhe se veste de grande valor.

Essa noitada com vaga-lume iluminando discretamente o cais subverte posições do centramento de cada personagem à permissividade do surgimento da amizade ou o exercício da solidariedade.

Instala esse lirismo de forma simples, com diálogos tocantes, bons atores que se jogam numa jogo interpretativo fascinante. Chico Sant’Anna no papel do cego Tirésias dá um show. Sérgio Sartório e Vinicius Ferreira também estão ótimos.

A força da montagem está na simplicidade e na harmonia dos elementos. A iluminação, a trilha sonora, o cenário entram em sintonia na competência de sua execução. O texto é precioso, a direção segura. O time de atores lidam com muita habilidade com os grandes silêncios, que repercutem em ecos progressivo na alma da plateia.

O ser humano pode ser melhor, indica a peça

O ser humano pode ser melhor, indica a peça

Ficha técnica

Texto e supervisão: Santiago Serrano
Direção e tradução: Sérgio Sartório
Codireção: Rachel Mendes
Elenco: Chico Sant’Anna, Sérgio Sartório e Vinícius Ferreira
Iluminação: Sérgio Sartório e Vinícius Ferreira
Cenário e figurino: Roustang Carillho
Trilha sonora: Tomás Seferin
Direção técnica: Chico Sassi
Direção de produção: Cia. Plágio de Teatro
Produção: Guinada Produções (Daniela Vasconcelos)
Assistente de produção: Guylherme Almeida

Postado com as tags: , , , , ,

Cena Contemporânea resiste com dignidade

Tomorrow, do Vanishing Point, é a primeira coprodução do Cena Contemporânea. Foto: Victor Franowski

Tomorrow, do Vanishing Point, é a primeira coprodução do Cena Contemporânea. Foto: Victor-Franowski-3

Realizado entre a bilionária Copa do Mundo de Futebol no Brasil e as eleições presidenciais vindouras, o Cena contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília faz da 15ª edição um ato de resistência e dignidade. Com menos recursos, o programa reduziu a quantidade de atrações (com a interrupção neste ano do braço musical), mas verticaliza o ato de refletir sobre o é que fazer cultura num país em que este setor não é prioridade nem na capital do poder.

“Enquanto isso”, destaca o curador Guilherme Reis no livreto do Cena Contemporânea, “a humanidade segue em sua complicada caminhada em direção a um futuro incerto, convivendo com a violência, os conflitos, o preconceito e a perversidade de uma sociedade globalizada que se baseia no consumo e em uma falsa riqueza. E o teatro segue nos auxiliando a compreender toda essa complexidade, apontando para a poesia que persiste entre os homens”.

O festival começou no último dia 19 de agosto e segue até domingo, 31/08, com 23 encenações da Espanha, Escócia, França, Argentina e Brasil. E tem o patrocínio da Petrobras, copatrocínio do Banco do Brasil e Funarte. Guilherme Reis assina a curadoria e direção do evento, que é uma realização da Cena Promoções Culturais e da Fundação Athos Bulcão.

A falta e o excesso que movem a humanidade nestes tempos de fúria e incertezas palpitam nos espetáculos do programa, com questões sobre identidade cultural, utopia, velhice e a prosaica poesia cotidiana. Esses alumbramentos podem ocorrer de mãos dadas com Plínio Marcos, Shakespeare, Pirandello ou dramaturgias mais autorais.

O Grupo Sutil Ato [DF] retrabalha trechos de peças do Plínio Marcos em Autópsia I e Autópsia II). Luigi Pirandello (1867-1936) comparece com a trilogia do ator Cacá Carvalho, dirigido pelo italiano Roberto Bacci – O homem com a flor na boca, A poltrona escura e umnenhumcemmil. Além da adaptação do clássico Seis personagens à procura de autor pela companhia espanhola Kamikaze, em La función por hacer.

A moda chama para uma contradança na montagem A Feia Lulu, de Fause Haten (SP) inspirada em La Vilaine Lulu, personagem de quadrinhos criada pelo estilista francês Yves Saint Laurent.

Tomorrow (foto no alto), do grupo Vanishing Point, da Escócia, dirigido por Matthew Lenton é a principal aposta do festival. A dura realidade de quem envelhece e carece de cuidados especiais está no centro de uma reflexão que se propaga na medida que atitudes podem de (des)respeito podem ser repetidas por outros jovens. A montagem é uma coprodução entre Vanishing Point (Escócia), Cena Contemporânea, Brighton Festival (Inglaterra), Tramway (Escócia) em associação com Platform (Escócia) e National Theatre Studio, Londres (Inglaterra).

Peça Noctiluzes, da Cia Plágio de Teatro. Foto: Alexandre Magno/Divulgação.

Peça Noctiluzes, da Cia Plágio de Teatro. Foto: Alexandre Magno/Divulgação.

Othelo, a tragédia de William Shakespeare com suas intrigas de engano, traição e vingança, ganha ares de clown na versão do argentino Gabriel Chame Buendía. Sob encomenda, outro argentino, o dramaturgo Santiago Serrano (mesmo autor de Dinossauros), escreveu Noctiluzes, para a Cia. Plágio de Teatro para tratar de uma combinação explosiva entre covardia e solidão e sobrevivência da amizade.

O Cena Contemporânea deste ano já tem uma fortuna crítica dos espetáculos apresentados nos primeiros dias. Indicamos o nosso parceiro, o site Teatro Jornal, onde o leitor pode conferir mais informações sobre o festival e algumas críticas.

http://teatrojornal.com.br/2014/08/brasilia-abraca-pirandellianos-e-coproduz/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/ o-circulo-de-giz-da-resignacao/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/outras-portas-de-entrada-para-a-danca/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/transfusao-rodriguiana/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/um-intimo-mal-estar-de-seculo/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/nos-dobras-de-plinio-marcos/

http://teatrojornal.com.br/2014/08/as-fontes-vivas-em-cenas-e-narrativas-ageis/

Outras notícias sobre o festival, programação completa e as atividades formativas no próprio site do Cena Contemporânea: www.cenacontemporanea.com.br/#”

* A jornalista Ivana Moura viajou a convite da organização do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília. Texto escrito no âmbito da DocumentaCena – Plataforma de Crítica, iniciativa que envolve os espaços digitais Horizonte da Cena, Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Teatrojornal.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ex-combatentes em Brasília

Grupo Cena

O grupo Cena apresenta sua nova montagem nesta terça-feira, no próprio Espaço Cena, em Brasília. São três atores no palco: Chico Sant´Anna, João Antônio e William Ferreira, sob a direção de Guilherme Reis. Heróis, o caminho do vento (Le Vent dans Le peuplier, no original), traz três ex-combatentes, que agora estão numa casa geriátrica e desfiam lembranças, divagações e ironias. O texto é de Gerald Sibleyras.

Durante o Janeiro de Grandes Espetáculos, o Grupo Cena esteve no Recife para apresentar, pela segunda vez, um dos espetáculos do seu repertório: Dinossauros. Por essa experiência, fiquei muito curiosa para conferir esta nova empreitada. Em Dinossauros, os atores Carmem Moretzsohn e Murilo Grossi se encontram numa madrugada no banco de uma estação. Aos pouquinhos, a gente vai se apaixonando pelo texto (que é do dramaturgo, diretor e psicólogo Santiago Serrano), pela encenação delicada, cheia de nuances – desde o medo inicial da personagem Silvina, até a aproximação dos dois personagens.

Um espetáculo curto – acho que tem menos de uma hora-, mas que deixa a sensação de que não é mesmo preciso muito para que uma experiência teatral seja plena, tanto para os atores como para o público. A direção também era de Guilherme Reis, um dos criadores do Festival Cena Contemporânea.

Heróis, o caminho do vento fica em cartaz até 26 de março. Na semana de estreia, as sessões serão de terça a domingo; depois, de quinta a domingo. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 61 3349-3937 ou pelo facebook do Cena Contemporânea de Brasília.

Espero que a peça venha logo por aqui! Atenção, produtores!!! Missão para vocês!

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , ,