Arquivo da tag: Quiercles Santana

Carta para Alice, que anseia abraçar Pessoa

A peça, que segue em março para Portugal, faz uma reflexão sobre as perdas que temos ao longo da vida e sobre o ímpeto de viver.

Três sessões da peça Espera o outono, Alice, da AMARÉ Grupo de Teatro faz parte da campanha “Alice em Portugal”

                                                                                                                         Por Natali Assunção *

Alice, de um ano para cá a vida tem sido um turbilhão, né? Estreamos em janeiro de 2018 depois de um longo processo mergulhados nas necessidades, angústias e sonhos des envolvides. Lembra que, no início, queríamos adaptar Esperando Godot de Beckett? Desse referencial inicial levantamos diversos pontos que nos ligam. O cinema nos impregnou e quase virou título do espetáculo e textos nossos e de autores como Pedro Bomba, Marla de Queiroz, Hilda Hilst, Carl Sagan e Felipe André, por exemplo, também nos atravessaram. Estudamos view points e nos lançamos em um mergulho vertiginoso.

No início você ainda não estava materializada, mas no decorrer dessa teia você nos chegou com essa energia imensa, com esse sorriso largo de envolver o mundo! Você sabia que o ambiente se ilumina quando você chega e que nós morremos de saudade quando você não está por perto? Na verdade é meio assustador quando você diz que vai ali e volta já e demora muito para retornar. Faz falta.

Hoje eu gostaria de um abraço seu. Quem sabe sair para dançar? Tanto de você carrego em mim e quanto de mim você leva contigo, né!? Tanta coisa vem se passando que, às vezes, eu fico até tonta com o tudo que se segue. Os dias têm sido difíceis e pensar em você traz um pouco de paz, acalanta o coração. Engraçado, volta e meia me pego perdida admirando a lua e me pergunto se você está fazendo o mesmo.

Hoje, na verdade, não consegui ver a lua, mas tenho pensado nisso porque de vez em quando esqueço das cores e tudo parece cinza. No entanto ali, no palco, quando estamos juntas, tudo se alinha e, por um momento, penso que nos encontramos. Que verdadeiramente nos encontramos porque aquele espaço ainda nos reserva o encontro, essa magia de estarmos juntes. Olhos nos olhos. Então a perspectiva de te ver na sexta (15) e no sábado (16), às 20h, com mais um encontro no domingo (17), às 18h, lá no Teatro Arraial (R. da Aurora, 457 – Boa Vista) é de uma alegria imensa!

Estou ansiosa com essa perspectiva de estarmos em Portugal. É muito bonito ver que nossos passos se expandem. Veja bem, depois de tantos percalços e de forma totalmente independente, assim como fizemos no nosso primeiro espetáculo, Amar é crime, baseado no livro homônimo de Marcelino Freire, estreamos e, nesse nascimento, fomos vistos pelos Gambuzinos com um pé de fora, grupo português que, na época, realizava um intercâmbio com outro grupo pernambucano, o Resta 1 Coletivo de Teatro, nosso grupo irmão. Quem diria, né? Recebemos o convite e agora temos quatro apresentações em vista para além-mar hahahaha Mar… Tô rindo porque eu sei do seu apreço pelo mar.

Seria ótimo um mergulho numa noite de lua cheia. Vamos? Podemos terminar a noite dançando para secar a água salgada do nosso corpo. Mas voltando, temos então duas apresentações no Festival Ao teatro!, em Benedita, e ainda uma em Idanha-a-Nova e uma em Lisboa. É bom levar nosso trabalho para novas trocas porque, às vezes, poxa Alice, vou te confessar, às vezes, parece que tudo é muito difícil. Eu sei, eu sei, “tudo é muita coisa”;)

Acho que já falei demais, olha como os ponteiros seguem soltos… Mal posso esperar para te ver…

• O AMARÉ Grupo de Teatro iniciou uma campanha para levar Espera o outono, Alice para Portugal. Além de conferir as apresentações no Teatro Arraial, nas quais haverá ainda a venda de alguns produtos relacionados ao espetáculo, você também pode contribuir com qualquer valor por meio da conta:

CONTA POUPANÇA
BANCO DO BRASIL
AGÊNCIA: 3243-3
CONTA: 42.073-5
VARIAÇÃO: 51

Aproveita se segue o grupo nas redes sociais: @amaregrupodeteatro

                                           * Natali Assunção é atriz do espetáculo Espera o Outono, Alice

Espera o outono, Alice, do AMARÉ Grupo de Teatro, foi o terceira montagem a sair do festival. Foto Arnaldo Sete

Espetáculo traça reflexão sobre as perdas ao longo da vida e sobre o ímpeto de viver. Foto Arnaldo Sete

Serviço

Espera o outono, Alice
Quando: 15 e 16 de fevereiro (sexta-feira e sábado), às 20h, e 17 de fevereiro (domingo), às 18h
Onde: Teatro Arraial Ariano Suassuna – Rua da Aurora, 457, Boa Vista
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), à venda na bilheteria 1h antes do início de cada sessão e antecipado no Site Sympla – Espera o outono Alice
Classificação indicativa: 14 anos Informações: 3184-3057 / 97914-4306

Direção: Quiercles Santana e Analice Croccia.
Elenco: Bruna Justino, Paulo César Freire, Isabelle Barros e Natali Assunção

Postado com as tags: , , , , , , , ,

Precisamos de cúmplices na vida

Espetáculo Alguém pra fugir comigo. Foto: Mariá Vilar / Divulgação

Espetáculo Alguém pra fugir comigo entra em temporada no Hermilo Borba Filho. Foto: Mariá Vilar / Divulgação

Parece que o mundo deu uma marcha ré no quesito direitos humanos. Ou será que que foi a regência do Sol, no ano passado, que lançou luz sobre toda a sujeira que não enxergávamos com muita facilidade? A humanidade embruteceu? O poder do dinheiro tomou o lugar das relações afetivas? Não dá para confiar em absolutamente ninguém? Perguntas são combustível do espetáculo Alguém Pra Fugir Comigo, que expõe vários tipos de opressão (racista, sexista, homofóbica). O Resta Um Coletivo de Teatro parte de situações atuais ou remotas da micropolítica do Brasil ou do mundo e embaralha os tempos-espaços da montagem. 

Com uma estrutura fragmentada, inspirada em imagens, trechos de canções, relatos, pedaços da realidade reinventada na cena e ficção declarada, a peça anseia provocar, sacolejar certezas, questionar esse nosso estar no mundo. Mas também há traços de otimismo, traduzidos no próprio título da peça: um cúmplice, um companheiro, um comparsa, um aliado, um parceiro, um amor. Mas sem traições. Uma esperança.

Alguém pra Fugir Comigo inicia temporada nesta sexta-feira (24), às 19h, no Teatro Hermilo Borba Filho, onde segue em cartaz até 2 de abril. Dirigido por Analice Croccia e Quiercles Santana a montagem estreou no 23° Janeiro de Grandes Espetáculos e foi contemplada com o prêmio Apacepe de Melhor Espetáculo de Teatro Adulto.  

São inúmeras as dificuldades de fazer teatro de pesquisa no Recife, cidade que sufoca seus artistas com a debilidade de políticas públicas, com equipamentos sucateados, com a não valorização das artes da cena. Na entrevista, o encenador Quiercles Santana fala um pouco sobre isso e o processo de criação do do Coletivo Resta 1 de Teatro e das urgências cênicas do grupo. 

Entrevista: Quiercles Santana – Encenador

Foto: Reprodução do Facebook

Foto: Reprodução do Facebook

Enquanto fábula, o que você pode dizer sobre a peça? E enquanto procedimento cênico? 
Quiercles Santana – Não há exatamente uma fábula, no sentido mais comum da palavra. Criamos uma confluência de situações que se assemelham, que têm como leitmotiv o embate do Poder Soberano (e seus representantes opressivos, a força da lei) versus a possibilidade de sublevação, de rebeldia, como dizia Camus em o Homem Revoltado. É que chega uma hora em que tem de se dizer “basta!”, “chega!”
E é isso o que o espetáculo tenta trazer: o desafogo.
Era preciso fugir da obrigação de “originalidade”, que às vezes acomete alguns artistas, para falar sobre os trabalhos e os dias, comuns a todos nós (do Coletivo Resta 1 de Teatro, pelo menos), das mais diversas áreas e vivências.
Então fomos desenvolvendo uma série de quadros, de circunstâncias, cenas que podiam, a princípio, estar em qualquer parte da narrativa. Os diálogos eram improvisados, testados, para virar depois palavra escrita, reelaborada, ensaiada. Muitas cenas acabaram saindo do espetáculo, sendo substituídas por outras. Algumas delas retornaram já na reta final da montagem.
Assim, o fato de termos várias histórias e nenhum personagem central para seguir também possibilitaria ao público não ter a que se apegar, ficando à deriva junto conosco, sem chão; e que isso poderia ser um elemento de surpresa e expectativa.
Isso concomitantemente às leituras, aos filmes, às imagens. Por que se as palavras têm esse poder evocador de imagens, algumas imagens foram essenciais para desabonar a necessidade de fala. Daí foi preciso se conscientizar do poder imagético e subversivo dos corpos, das respirações. O que em outras palavras significa trabalho duro.

Como é o seu método no trabalho com os atores?
Quiercles Santana – Não tenho um método. Gostaria de ter, até. Mas não tenho. Vou no caos, tentando identificar pistas que possam desenhar um caminho. O que sinto é que o ator não deve ser preguiçoso, que deve despender suor, que deve ter um imaginário rico, que se deixe desconstruir em prol de coisas que estão além dele, o que não é nada fácil mesmo. O ator tem de gostar de instaurar outros mundos, atmosferas; deveria se empenhar em estar inteiro no que faz; ouvir o silêncio e deixar que outras vozes possam ser ouvidas.

A peça “traz relatos de fatos verídicos e ficcionais – ocorridos recentemente ou há décadas, no Brasil de hoje e na Europa do século 19”. Quais foram esses materiais primários?
Quiercles Santana – Diários Íntimos de Louis Vauthier, publicado por Gilberto Freyre, por volta de 1940, por exemplo, foi um deles. Um Inimigo do Povo, do Ibsen, outro. Olhar em retrospectiva histórica para fatos que continuam acontecendo hoje, como a escravidão, como as formas de violência perpetradas pelos agentes do estado, coisas que aconteciam há 150 anos e são ainda muito atuais.

Quais os recortes adotados para salientar os temas eleitos pela montagem corrupção, trabalho escravo, vidas nas grandes cidades, solidão e discriminação.
E a escolha por uma forma fragmentada de contar uma história … Qual a principal aposta?

Quiercles Santana – Pensamos que não cabia no nosso espetáculo uma fábula específica, uma historinha com começo meio e fim. Havia muitas coisas entaladas: a perda paulatina dos direitos sociais, a ascensão canhestra da Direita, a sensação de desamparo, a cretinice cínica dos três poderes, da mídia, a burrice de tantos discursos fechados, a desorientação geral, etc.
Então, a primeira coisa que pensamos em termos de procedimento era de que o espetáculo deveria ter um caráter ensaístico, não acabado, aberto, de experimentação com a diegese (fragmentária, alusiva, cheia de cascas de bananas, de pistas falsas, de metáforas).
Uma forma de balizar todo esse material era o tempo gasto em cada cena. E como cada uma delas iria dialogar com as precedentes e as subsequentes, dentro da ordem geral. Queríamos criar música, digamos assim, casando momentos mais intensos e pesados, com outros mais leves e engraçados. Não era só as situações, mas aonde elas poderiam surtir um efeito mais inesperado na ordem geral das cenas, compreende?

Montagem da Resta 1. Foto: Mariá Vilar

Montagem do Coletivo Resta 1 de Teatro. Foto: Mariá Vilar

A peça trata de realidade social injusta e do colonialismo em várias frentes. Você conseguiu identificar o alcance disso?
Quiercles Santana – Não, não consegui. Até porque nunca parto do princípio de que faço espetáculos para o outro ver, no sentido de que devo estar submetido ao que o outro vai ou não compreender. Parto da premissa de que devemos fazer antes de tudo para nós mesmos, de que deve ser um ato de expressão autêntico de nossas dores, de nossas solidões, de nossas alegrias e desencontros e esperanças. Se pudermos ser verdadeiros conosco, certamente seremos com o outro, o público. Mas nunca temos certezas sobre o alcance de uma obra. Isso vai depender de muitos fatores. Mas se podemos afetar as pessoas, isso já me parece bom e digno de nota.

A questão da identidade é para você um ponto crucial?
Quiercles Santana – Em que sentido de identidade você está se referindo? Se for em termos de estilo, não. O meu sonho era não ter um estilo. Era criar espetáculos distintos. Poder ir na aventura de descobrir coisas novas em cada novo trabalho. Claro que tem trabalhos que talvez por conta da temática e de ser o mesmo elenco, como o caso de trilogias que versam sobre temas afins, o resultado pode ser semelhante. Mas não queria ser um cara que as pessoas vão lá e dizem “é a tua cara!”. Queria não ter uma cara, mas muitas.

O que significou para o grupo ser eleito o melhor espetáculo do Janeiro?
Quiercles Santana – Foi importante na justa medida em que a premiação significou um reconhecimento de nossos esforços. Mas nada mais que isso. Não há nenhuma ilusão de que a tarefa sempre será desafiadora. Um prêmio é bom, mas outros desafios pela frente. Se manter juntos e criando, por exemplo, e poder pagar algumas contas…

Os prêmios no Janeiro também criaram uma tensão pelo fato de dois dos três integrantes da comissão serem de unidades do Sesc muito próximos ao grupo. O elenco foi formado pelo Curso de Teatro do Sesc Santa Amaro, de onde surgiu o exercício cênico que foi a semente do espetáculo. O que dizer sobre essa configuração?
Quiercles Santana – Veja, a comissão do Janeiro de Grandes Espetáculos deste ano de fato teve esta configuração peculiar. Mas as pessoas que estavam lá não são do tipo “vou passar a mão” pelo fato de que o grupo é egresso do SESC. Muito pelo contrário. Rita Marize é uma das pessoas mais criteriosas que conheço, carne de pescoço mesmo. Breno Fittipaldi não é menos. Jorge de Paula, uma pessoa a quem respeito muito, jamais seria conivente com qualquer tipo de facilidade, com quem quer que seja. E isso foi muito mais gratificante, acredite, estarmos sob o olhar de pessoas que não estão para brincadeiras.

Que caminho o teatro no Recife está sendo construído? O que você percebe?
Quiercles Santana – Não sei. Há muitos caminhos. E todos talvez sejam legítimos. Mas gosto de Teatro que faça as nossas certezas estremecerem, que nos tiram o chão. Há certos encenadores que gostam de tudo amarradinho, um pacote que faz sentido. Mas não é assim na existência. Há muitos nós que carregamos sem saber aonde encaixá-los. E gosto particularmente quando uma obra não oferece saídas, soluções, mensagenzinhas. O Teatro que questiona, que instaura outro diálogo, outro critério, outro jogo com o espaço e o tempo, que nos desafia, esse é o que prefiro.

Quais são os desafios e as limitações de fazer teatro no Recife nos dias de hoje?
Quiercles Santana – Falta de espaços adequados, de teatros bem equipados, de formação ampliada. A gente tem de desdobrar em cem mil para conseguir sobreviver.

O teatro pode ser um modo de resistência?
Quiercles Santana  -Teatro é resistência. É preciso resistir a muitas coisas, tentações, chamados. É preciso muita abnegação, coragem, loucura. Só doidos para dedicar a vida a isso. Eu mesmo vivo com vontades súbitas de desistir. Arte é pros fortes.

Você acha que os artistas têm uma responsabilidade social? Qual seria?
Quiercles Santana – Os artistas têm uma enorme carga de responsabilidade social. Quer dizer, todo mundo tem ou deveria ter, qualquer profissão. Mas o artista tem essa que é dar a conhecer que a vida passa, está passando neste momento e o que é que estamos fazendo enquanto ele, o tempo, não acaba? A vida não pode ser só trabalho e dinheiro. É que as coisas mais importantes da existência, como dizia alguém, não são coisas. O artista está ali para fazer com que reflitamos sobre coisas assim. É preciso repensar a nossa trajetória até aqui e o que queremos daqui por diante.

Analice Croccia divide a encenação com Quiercles Santana. Foto: Mariá Vilar / Divulgação

Analice Croccia divide a encenação com Quiercles Santana. Foto: Mariá Vilar / Divulgação

Serviço
Alguém Pra Fugir Comigo

Onde: Teatro Hermilo Borba Filho
Quando: 24, 25, 26, 31 de março e 01 e 02 de abril; Sextas e Sábados às 19h; Domingos às 18h
Ingressos: R$ 30 (inteira) R$ 15 (meia)

Ficha Técnica
ELENCO:
Analice Croccia, Ane Lima, Caíque Ferraz, Luís Bringel, Nataly Oliveira, Pollyanna Cabral, Wilamys Rosendo
ENCENAÇÃO : Analice Croccia e Quiercles Santana
ASSISTÊNCIA DRAMATÚRGICA: Ana Paula Sá
DESENHO DE LUZ: Elias Mouret
DIREÇÃO MUSICAL: Katarina Menezes e Kleber Santana
DESENHO DE SOM: Kleber Santana
PREPARAÇÃO DE CORPO E MOVIMENTO: Patrícia Costa
FOTOGRAFIAS: Mariá Vilar
DIREÇÃO ARTÍSTICA: Resta 1 Coletivo de Teatro
PRODUÇÃO: Resta 1 Coletivo de Teatro
CENOTECNIA: Flávio Freitas
VOZ OFF: Zoraide Coleto

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Bordados de Agri

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Agrinez Melo mergulha na sua própria história. Fotos: Ivana Moura

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Afeto

Agrinez Melo é a personagem central de Histórias Bordadas em Mim, mas se desdobra em vozes de pessoas queridas, como figuras da família e amores passados. E nesses episódios tão à flor da pele ela aconselha calma na vida, paciência de esperar que algo de bom acontece. Sempre acontece. O espetáculo é atração desta segunda-feira da 9ª Mostra Capiba de Teatro de Casa Amarela.

Na encenação, música e poesia ajudam a atriz narrar episódios reais em tom aconchegante. Ela faz um convite para um chá acompanhado de tareco e passa a alinhavar histórias vividas no passado e no presente. São memórias da infância mescladas com momentos atuais.

Agri tira do baú suas vivências, inspirada na pesquisa do griot, povo ancestral que transmitia conhecimento através da oralidade. Uma trajetória de em que cabem alegrias, amor, dor, morte, vida e saudade… Ela é acompanhada por Cacau Nóbrega, que assina a trilha e efeitos sonoros.

Esse é a primeiro solo da intérprete, integrante do grupo O Poste Soluções Luminosas. A produção da peça não conta com nenhum patrocínio público ou privado e a atriz levantou o monólogo as suas própria expensas, Ela assume a produção, direção, dramaturgia, figurino e cenografia.

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Memória

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Leveza

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Alegria

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Esperança

Histórias Bordadas em mim. Foto: Ivana Moura

Saudade

Confira nossa breve crítica ao espetáculo 
Bordados de vida

Ficha técnica
Atuação, Produção, Dramaturgia, Figurino, Cenografia e Direção: Agrinez Melo
Assessoria em Dramaturgia: Ana Paula Sá
Assessoria em Direção: Naná Sodré, Quiercles Santana e Samuel Santos
Concepção Musical e Sonoplastia: Cacau Nóbrega
Assessoria em toadas: Maria Helena Sampaio (YaKêkêrê do Terreiro Ilê Oba Aganju Okoloyá)
Maquiagem: Vinicius Vieira
Execução Figurino: Agrinez Melo e Vilma Uchôa
Aderecista: Álcio Lins
Cenotécnico: Felipe Lopes
Foto, Áudio e Filmagem de teaser campanha do catarse: Lucas Hero
Direção e edição de vídeo teaser campanha catarse: Taciana Oliveira (Zest Artes e Comunicação)
Assistente de produção: Nayara Oliveira
Designer: Curinga Comuniquê

SERVIÇO
Histórias Bordadas em Mim – (Agrinez Melo – Doceagri) – Recife – PE
Quando: Nesta segunda-feira, às 20h
Onde: Teatro Capiba. SESC Casa Amarela (Av. Professor José dos Anjos, 1190. Bairro: Mangabeira)
Ingressos: R$ 20 e R$ 10
teatrocapiba@gmail.com
81 – 3267-4410
Duração: 60’
Classificação etária: Livre

Mais sobre a Mostra Capiba

O gozo do discurso amoroso – Crítica
A face abominável de cada um
Vida de gado
Capiba começa com Caio Fernando Abreu
DocumentaCena ministra oficina na Mostra Capiba
Mostra Capiba chega à 9ª edição

Postado com as tags: , , , , ,

Bordados de vida

 

 

Agri Melo confessa suas memória em espetáculo, acompanhada por Cacau. Foto Ivana Moura

Agri Melo confessa suas memórias em espetáculo, acompanhada por Cacau Nóbrega. Foto Ivana Moura

Histórias Bordadas em Mim flutua com as marcas da leveza e do carisma da atriz Agrinez Melo. Ela repassa com delicadeza suas memórias pessoais de mulher, negra, mãe, guerreira e trabalhadora no espetáculo que faz uma sessão hoje, às 20h30, Espaço O Poste, dentro da programação do Outubro ou Nada.

Em tom confessional Agri vai desfiando suas experiências da casa dos pais, dos amores antigos, dos atuais. Carrega a ancestralidade e a oralidade nos gestos e na voz, que se desdobram em  outros personagens.

Neste primeiro solo, a intérprete, que também assinada produção, direção, dramaturgia, figurino e cenografia, contou com o apoio dos consultores Ana Paula Sá – na assessora em dramaturgia, Samuel Santos, Quiercles Santana e Naná Sodré.

Acompanhada por Cacau Nóbrega, ao violão, e atuando nos efeitos sonoros, a atriz ganha o espectador com a simplicidade de quem já correu de pés descalços em chão batido, arranhou os joelhos e levantou muitas vezes com dignidade e alegria de viver.

É um encontro prazeroso com aquela figura magra e longilínea que oferece junto com a brejeirice e seus tarecos uma narrativa que traduz uma forma mais tranquila de encarar os desafios da vida,

O trabalho prossegue ainda na costura pela dramaturgia mais amarrada, por experimentações de episódios e supressão de outros, na busca pela construção do léxico mais preciso do discurso. Mas é um espetáculo tocante, singelo, de quem quer e merece um abraço. E os aplausos.

l2910663-2

Histórias bordadas em mim, com Agri Melo. foto Ivana Moura

FICHA TÉCNICA
Atuação, Produção, Dramaturgia, Figurino, Cenografia e Direção: Agrinez Melo
Assessoria em Dramaturgia: Ana Paula Sá
Assessoria em Direção: Naná Sodré, Quiercles Santana e Samuel Santos
Concepção Musical e Sonoplastia: Cacau Nóbrega
Assessoria em toadas: Maria Helena Sampaio (YaKêkêrê do Terreiro Ilê Oba Aganju Okoloyá)
Maquiagem: Vinicius Vieira
Aderecista: Álcio Lins
Cenotécnico: Felipe Lopes
Foto, Áudio e Filmagem: Lucas Hero
Direção e edição de vídeo: Taciana Oliveira (Zest Artes e Comunicação)
Assistente de produção: Nayara Oliveira
Designer: Curinga Comuniquê
Execução de figurino: Agrinez Melo e Vilma Uchoa
Assessoria de imprensa: Alessandro Moura

Serviço
Histórias bordadas em mim – dentro da programação Outubro ou Nada
Quando: Nesta sexta, às 20h30
Onde: Espaço O Poste Soluções Luminosas – Rua da Aurora, 529, Boa Vista
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (estudantes, professores e idosos)

Postado com as tags: , , , ,

Bordados da memória

Primeiro solo da atriz Agrinez Melo.  Foto: Divulgação

Primeiro solo da atriz Agrinez Melo. Foto: Divulgação

Agulhas, linhas e costura. Cortar, coser, cerzir com música e poesia é a proposta do espetáculo Histórias bordadas em mim, que estreia neste 19 de agosto e fica em cartaz até 26 de setembro, todas as sextas, às 20h, no Espaço O Poste Soluções Luminosas. O solo com a atriz Agrinez Melo aposta na delicadeza das memórias pessoais dessa mulher, negra, mãe, guerreira e trabalhadora.

O tom é confessional e aconchegante para expor dores, amores, alegrias e conquistas. A intérprete compartilha os fatos da própria vida com a plateia. Das memórias de infância às vivências atuais. Ela investe no resgate da fé no amor com a possibilidade de, no palco, ressignificar as próprias experiências.

“As histórias narradas, tão minhas, também serão do outro, pois se assemelham a diversas pessoas”, pensa Agrinez, que trabalha com a ancestralidade e a oralidade.

Neste primeiro monólogo a atriz, que também assinada produção, direção, dramaturgia, figurino e cenografia, contou com o apoio de consultores como Ana Paula Sá que assume a função de assessora em dramaturgia, além de Samuel Santos, Quiercles Santana e Naná Sodré.

Agrinez Melo criou uma campanha no site Catarse para arrecadar recursos para a produção do espetáculo. Quem puder e quiser colaborar pode fazer sua contribuição até hoje. O teatro pernambucano agradece.

Espetáculo fica em cartaz nas sextas na Espaço O Poste. Foto: Divulgação

Espetáculo fica em cartaz nas sextas na Espaço O Poste. Foto: Divulgação


FICHA TÉCNICA
Atuação, Produção, Dramaturgia, Figurino, Cenografia e Direção: Agrinez Melo
Assessoria em Dramaturgia: Ana Paula Sá
Assessoria em Direção: Naná Sodré, Quiercles Santana e Samuel Santos
Concepção Musical e Sonoplastia: Cacau Nóbrega
Assessoria em toadas: Maria Helena Sampaio (YaKêkêrê do Terreiro Ilê Oba Aganju Okoloyá)
Maquiagem: Vinicius Vieira
Aderecista: Álcio Lins
Cenotécnico: Felipe Lopes
Foto, Áudio e Filmagem: Lucas Hero
Direção e edição de vídeo: Taciana Oliveira (Zest Artes e Comunicação)
Assistente de produção: Nayara Oliveira
Designer: Curinga Comuniquê
Execução de figurino: Agrinez Melo e Vilma Uchoa
Assessoria de imprensa: Alessandro Moura

Serviço
Histórias bordadas em mim – Temporada Recife
Quando: De 19 de agosto a 26 de setembro, Todas as sextas, às 20h
Onde: Espaço O Poste Soluções Luminosas – Rua da Aurora, 529, Boa Vista
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (estudantes, professores e idosos)

Postado com as tags: , , ,