Arquivo da tag: Pedro Vilela

Outros desafios para Pedro Vilela

Pedro Vilela planeja desenvolver seus processos criativos fora do Magiluth. Foto: Arquivo pessoal

É tempo de mudança para o encenador, ator e iluminador Pedro Vilela. Nos últimos oito anos, ele abraçou o Grupo Magiluth, quando adotou um modelo de gestão que possibilita aos seus integrantes viver exclusivamente do teatro. Esse diferencial teve implicações no palco, nas articulações com outros grupos brasileiros e estrangeiros e nas estratégias de reconhecimento da trupe pelo país afora.

O Magiluth é uma junção dos atores Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres, Mário Sergio Cabral, Pedro Vilela, Pedro Wagner e Thiago Liberdade. O grupo conta 11 anos de trajetória e tem em seu currículo os espetáculos Luiz Lua Gonzaga (2012), Viúva, porém honesta (2012), Aquilo que meu olhar guardou para você (2012), O Canto de Gregório (2011), Um Torto (2010), Ato (2008)e Corra (2007). O mais recente é O ano em que sonhamos perigosamente (2015) – com dramaturgia de Pedro Wagner e Giordano Castro e encenação de Pedro Wagner – que fez uma curta temporada no Teatro Apolo. Pedro Vilela assina a iluminação.

O bando amadureceu nos enfrentamentos da criação artística e da luta por sobrevivência. Mas Pedro Vilela anunciou sua saída do Magiluth. A partir de agora, ele investe suas energias na TREMA! Plataforma, voltada para vários tipos de ação. Uma delas é o TREMA! Festival, cuja terceira edição ocorreu no mês de abril. A segunda atuação é a TREMA! Revista, coordenada por ele e Mariana Rusu, em parceria com Thiago Liberdade, e que vai ser lançada nesta segunda-feira (29), no espaço da Cênicas Cia de Repertório, no Bairro do Recife.

Para 2016, o diretor planeja ativar o núcleo TREMA! Teatro para desenvolver seus processos criativos. Leia a seguir a entrevista com Vilela, sobre sua saída do Magiluth, sua visão da política cultural no estado e no Recife, e sobre o lançamento do periódico.

ENTREVISTA: Pedro Vilela

ENTREVISTA: Pedro Vilela

ENTREVISTA // PEDRO VILELA

Segunda-feira será lançada Trema! Revista de Teatro de Grupo. Como e por quê surgiu esse projeto?
A construção de ferramentas que auxiliem o “pensar” o mundo e seu diálogo com a arte sempre me interessou enquanto gestor. Às vezes, acabamos por focarmos demasiadamente no nosso desejo pelo “fazer” e pecamos um pouco por abandonar o “refletir”. Durante muito tempo esse refletir esteve focado apenas nos críticos e acredito que atualmente existem diferentes vozes e agentes construindo reflexões bastante pertinentes. Sentia também a necessidade de construir ferramentas de diálogo com a nossa sociedade que não fosse apenas o produto artístico, daí pensamos numa publicação.

Qual o conteúdo contemplado para este primeiro número?
A TREMA! Revista é uma publicação bimestral que visa articular arte e política. A cada edição encontramos um tema norteador de pensamento, sendo este um agente propulsor para desdobramentos. Nesta primeira edição tomamos como base a ideia de #facção, refletindo os coletivos teatrais como facções políticas, estéticas, poéticas e que visam operar contrariamente a uma “ordem” dominante.

Quais os critérios de articulação para convidar as pessoas para escrever?
Não queríamos pensar uma revista engessada por regras de sua composição. A revista se configura como agente fomentador de pensamento principalmente para nosso Estado, entretanto não nos interessa a obrigatoriedade de termos colaboradores apenas locais. Buscamos encontrar, em diferentes regiões, pensadores que possam articular nossos desejos. Outro ponto importante é que não só profissionais ligados ao teatro contribuirão com à TREMA! Nos interessa o ponto de vista de diferentes atores sociais, construindo assim uma publicação dinâmica e que não segmente o público leitor.

Você acha que a revista pode preencher a lacuna de pensamento sobre a criação artística teatral na cidade, no estado? Ela sozinha é suficiente? O que falta mais?
Acredito que esta lacuna ainda é grande, não só em nível estadual. Como leitor assíduo da minha área, encontro grande dificuldade de acessar diversos pontos de interesse por falta de publicações. Ao passo que, cada vez mais também percebo a busca por diminuir estas lacunas, seja por novas editoras que estão abraçando o teatro, seja pelos os próprios artistas que estão construindo alternativas para compartilhar o pensamento.  Estamos dando um primeiro passo neste formato de revista e esperamos que ele possa ter vida longa, assim como que outras publicações se unam a nossa no sentido de verticalizarmos o “pensar” a arte em nossa região.

A revista foi contemplada com o Funcultura. Gostaria de saber sua opinião sobre a política cultural no estado de Pernambuco e a distribuição dos recursos do Fundo.
Encontramos no Funcultura atualmente um importante aliado no desenvolvimento da economia da cultura de nosso estado. Acredito imensamente neste modelo, na manutenção de um Fundo onde o estado seja o agente regulador. Ou seja, nós produtores culturais não estamos à mercê da boa vontade de empresas privadas, mas dialogando diretamente com o estado, pois se trata da administração de recursos públicos. Entretanto, uma política cultural madura não pode ser construída exclusivamente com o Fundo e com alguns eventos culturais. Pernambuco é um estado bastante plural e de larga extensão. Louvamos a ampliação do número de produtores interessados pelo Fundo, entretanto não encontramos proporcionalidade na ampliação dos recursos do mesmo. Precisamos também compreender que uma Lei como a do Funcultura precisa constantemente ser revisada, pois cada vez mais vivemos num mercado dinâmico, onde os agentes culturais se deparam constantemente com novos desafios e o fundo precisa acompanhar o seu tempo.

Você, Pedro Vilela, fez críticas severas à política cultural (ou falta dela) da Prefeitura do Recife, um pouco antes da realização do Trema – Festival de Teatro de Grupo. Qual a sua análise dos órgãos e mecanismos municipais de cultura? Você teria sugestões para melhorar o desempenho?
Não me arrependo das críticas realizadas. Elas apontavam um descaso gerencial com a cultura da nossa cidade e esse descaso em nada mudou. Nos deparamos com uma gestão fragmentada, onde os profissionais que a compõem parecem não conseguir se articular em torno do desenvolvimento da área. Vemos interesse e disponibilidade de alguns, mas isto é muito pouco. Vemos uma secretária que possui grande caráter simbólico para nós artistas, mas que não consegue compreender os desafios que é gerir os encaminhamentos culturais de uma cidade como Recife. Parece-me que o problema vem de cima, da falta de interesse e de compreensão que somos um dos principais agentes modificadores deste “Novo Recife” que tanto se fala. E este paradigma só poderá mudar quando nós artistas tivermos força política suficiente para dizermos o “como” queremos.

Produtora Mariana Holanda Rasu e Vilela: cumplicidade

Produtora Mariana Holanda RUsu e Vilela: cumplicidade

Mudando um pouco de assunto. Como é a cumplicidade de pensamento com sua mulher, a produtora Mariana Rusu?
Gosto imensamente desta palavra que você usa: cumplicidade. Somos cúmplices do mesmo delito: a dedicação ao teatro. Mariana é uma profissional extremamente sagaz, com um elaborado grau de exigência nas atividades que se propõe a realizar, isso faz com que nossa parceria renda tantos frutos. Não por ser minha esposa, mas vejo nela uma dedicação a este ofício difícil de encontrar em outras pessoas e ainda uma disponibilidade por defender os projetos que loucamente visualizo. Decidimos dedicar toda esta força a nossa TREMA! Plataforma e desejamos dialogar ainda mais com o teatro de nossa cidade.

Sabemos que a convivência desgasta os relacionamentos e é muito difícil a permanência de grupos estáveis no país e mais ainda em Pernambuco. O Magiluth se tornou uma referência nos últimos anos na cena brasileira pela dedicação e ousadia. O anúncio de sua saída do grupo causou estranhamento e preocupação. O que aconteceu? Disputa por poder? Por liderança?
Não temos como neste momento definir fatores que levaram a esta decisão. Tenho certeza que haverá uma série de suposições sobre a saída (risos). A convivência em um grupo de teatro é algo bastante intensa, como uma família, e sempre haverá concordâncias e discordâncias nos diferentes desafios que o grupo encara. Mas, acima de tudo, é importante preservamos o desejo e amor pelo projeto coletivo que defendemos e isto já não era possível.

Você já afirmou que refletiu muito antes de tomar uma decisão. Mas também disse que a montagem do último trabalho O Ano em que Sonhamos Perigosamente foi o estopim. Então conta como foi o processo.
Cada vez mais percebo o quanto é delicado para os grupos estarem envolvidos em procedimentos de criação, pois eles escancaram questões que sempre permaneceram guardadas. É o momento de debatermos sobre ideias, vontades e principalmente a hora onde a força dos indivíduos, todos os seus conteúdos e disponibilidade para o teatro precisam ser colocados na mesa. O projeto do Ano em que sonhamos perigosamente foi escrito, elaborado e captado por mim. Há muito tempo nutria o desejo de ver o Magiluth experimentando uma “outra forma” de fazer teatro e solicitava esta ruptura. Fatores externos impossibilitaram a execução completa do trabalho, mas fico feliz pela execução do mesmo.

Vilela abraça Giordano, com Erivaldo ao fundo, em Aquilo que meu olhar guardou para você

Vilela abraça Giordano, com Erivaldo ao fundo, em Aquilo que meu olhar guardou para você

E como vai ser o cumprimento dos projetos já em andamento, como a própria revista, as novas edições do Trema e as viagens do Magiluth?
Estarei disponível para executar os projetos acordados anteriormente, sou um profissional e tenho compromissos éticos com a empresa Magiluth. Quanto aos projetos como a revista e festival, é preciso esclarecer que eles não são do grupo. Foram projetos idealizados, geridos e executados por outros profissionais e que em dado momento tiveram o Magiluth como fomentador/financiador (duas primeiras edições do Festival). Estas ações acabaram se confundindo com o Grupo devido a posição que ocupava, mas percebo que a compreensão de projetos individuais dentro da coletividade sempre será bastante complexa. Tanto o Festival, como a revista são ações desenvolvidas pela TREMA! Plataforma de Teatro, empresa que cuido atualmente com Mariana.

O que você tem a dizer sobre a experiência desses anos no grupo, a direção dos espetáculos, o aprendizado?
Sem dúvida foram os anos de maior aprendizado no teatro. Me formei enquanto gestor e criador no grupo. Nos últimos oito anos tive a oportunidade de gerir o grupo, onde idealizei, captei e administrei todos os projetos. Consegui chegar a um modelo de gestão onde os integrantes puderam viver exclusivamente do teatro, com salário, todos os benefícios (13º e férias) incluindo plano de saúde, odontológico… o que me trouxe uma compreensão de gerenciamento de um coletivo sem precedentes. No campo da criação me descobri enquanto encenador e aprofundei meu trabalho com iluminação. Terei um eterno agradecimento aos integrantes pela cumplicidade, parceria e confiança no trabalho.

E daqui para frente quais são os planos? Mestrado aqui, em SP, no exterior?
Meu trabalho continua a ser desenvolvido em duas frentes. A primeira está ligada a retomada dos meus estudos acadêmicos, focando no mestrado. A segundo está ligada ao desenvolvimento da TREMA! Plataforma de Teatro.

E como é concebida a TREMA! Plataforma?
A Plataforma é um núcleo gerencial e criativo em torno do teatro de grupo que trabalha em diferentes linhas de ações. Atualmente desenvolvemos o TREMA! Festival e a TREMA! Revista. Ela é coordenada por mim e Mariana em parceria com Thiago Liberdade. Não a defino como grupo, mas sim como uma plataforma que trabalha com diferentes colaboradores de acordo com as especificidades dos projetos que nos interessa desenvolver. Em janeiro de 2016 pretendo ativar o TREMA! Teatro que será o núcleo onde desenvolverei meus processos criativos. O primeiro trabalho será sobre a fé e as igrejas neopentecostais brasileiras, que me atravessa profundamente e que desde o ano passado estou desenvolvendo a pesquisa.

11653460_958989744123162_124594820_n
SERVIÇO:
Lançamento da TREMA! Revista de Teatro de Grupo, da TREMA! Plataforma de Teatro de grupo (distribuição gratuita da revista), no projeto Segunda com Teatro de Primeira
Quando: Nesta segunda-feira (29), às 20h
Onde: Cênicas Cia de Repertório (Rua Vigário Tenório, 199 – 2º andar – Bairro do Recife),
Atração: Leitura do texto Maumau miau, do dramaturgo Luís Felipe Botelho, pela Cia Incantare de Teatro

Postado com as tags: , , , ,

Arte em tempos sombrios

O ano em que sonhamos perigosamente é o o oitavo trabalho do Magiluth. Foto: Renata Pires

O ano em que sonhamos perigosamente é o oitavo trabalho do Magiluth. Fotos: Renata Pires

Vivemos em tempos sombrios. Contribuímos para a escravidão de seres humanos e nem ligamos. Em todo mundo milhares de pessoas trabalham em condições abomináveis (longas jornadas, baixos salários, alta pressão) para fabricar produtos, como roupas que você e eu vestimos. Numa cena curta, direta, agressiva de O ano em que sonhamos perigosamente, que estreou na última quinta-feira (11), no Teatro Apolo, no Bairro do Recife, um integrante do Magiluth acusa outro a colaborar com essa situação, pois o segundo está com uma camiseta de uma marca que tem esse histórico.

Há dois dias, o Papa Francisco recebeu o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no Vaticano, e fez um apelo para que Putin se comprometa com um esforço grande e sincero para alcançar a paz na Ucrânia, através do diálogo e do cumprimento do acordo de Minsk. Esse foi o segundo encontro entre os dois.

Putin é visto como novo vilão da cena internacional desde o ano passado, quando a tensão entre a Rússia e o Ocidente chegou ao nível mais elevado nos 15 anos da “era Vladimir Putin”, reforçado pela crise ucraniana e a anexação da Crimeia. As chancelarias ocidentais subiram o tom acusatório contra Moscou e chefe do Kremlin respondeu que a Rússia deve ser tratada como uma grande potência. “Os russos não vão pedir permissão a ninguém”, já esbravejou Putin.

Os atores do Magiluth gritam em vários momentos do espetáculo O ano em que sonhamos perigosamente: “Nós somos russos”, ou “Vocês são russos”. O espectador entenda como quiser, ou como puder, já que sabemos que a interpretação está articulada com a bagagem cultural, a imaginação, a memória de cada um. E que a virtualidade de sentido de uma obra fica à espreita de ser concretizada pela recepção, para não esquecer de Wolfgang Iser, e todo espectador pode ser afetado à sua maneira.

Mas temos outro russo muito importante na montagem: Anton Pavlovitch Tchekhov (1860-1904). A partir de sua obra, o grupo articula procedimentos ousados de recortes do clássico, iluminando as questões contemporâneas, como as políticas para os espaços públicos nas cidades.

Tchekhov foi um transgressor da tradição literária clássica e criador de um novo paradigma estético do drama contemporâneo, como nos aponta a pesquisadora e professora russa Elena Nikolaevna Vássina, da Universidade de São Paulo (USP), que esteve na capital pernambucana em uma das edições do Festival Recife do Teatro Nacional.

Os rapazes do Magiluth extraem o típico humor tchekhoviano (aquele misto de engraçado e triste ao mesmo tempo), de cenas de A Gaivota, O Jardim das Cerejeiras e As três irmãs. Lembra um drible de craque numa jogada de futebol. É desconcertante.

ESpetáculo está em cartaz às quintas e sextas no Teatro Apolo

Espetáculo está em cartaz às quintas e sextas no Teatro Apolo

O metateatro de A Gaivota assume dimensões ambiciosas se refletirmos que a nova montagem do Magiluth investe em todos os sentidos no processo de criação, nos procedimentos do teatro, na crise da representação (e que extrapolam a questão do palco e se projetam nos atos revolucionários). O poeta Tréplev investe na composição de um novo jeito de fazer teatro. Arkádina, sua mãe é uma veterana atriz ligada aos velhos moldes. Nina é uma atriz em formação e Trigórin é um escritor famoso. Entre ambição, decadência, amores não correspondidos, o autor russo trabalha com um fiapo de conflito, com várias linhas vagas. Nesse sentido, parece um modelo para a trupe pernambucana.

Ao construir essas teias emaranhadas, a rapaziada berra que na sua criação é o teatro que está no centro, como o mais radical dos dispositivos. Isso com todas as citações e cruzamentos. A cena de O ano em que sonhamos perigosamente expõe os aparatos do teatro, com o palco praticamente nu e iluminado. Tchekhov ironiza o dramaturgo protagonista, como parece-me que o Magiluth troça com a criação e suas circunstâncias. E, com a ajuda do escritor russo, eles fazem um acerto de contas com o teatro burguês.

Não é por acaso a escolha desse dramaturgo que supera a trama dramática espetacular, com seus finais abertos. Tchekhov convoca o espectador a ser um participante ativo no ato da criação. Neste novo trabalho, o Magiluth também faz isso. Só que com uma estrutura da peça totalmente fragmentada.

Nesse teatro dentro do teatro, em As três irmãs Prósorov – Irina, Olga e Macha – no plano material estão em situação pior no final da peça. Seus sonhos e esperanças de um futuro promissor escaparam entre as mãos.

Já o trecho escolhido pelos dramaturgos Giordano Castro e Pedro Wagner de O jardim das cerejeiras faz o público pensar que o personagem está falando sobre o Ocupe Estelita e todo o processo de especulação imobiliária que envolve essa questão. É incrível.

Atores ousam ao traçar conexões teóricas e processo criativo. Foto: Renata Pires

Em O ano em que sonhamos perigosamente, as crises política, social e econômica daqui e dali, e do todo mundo e a existencial, deles e nossa, ganham corpo por provocações teóricas vindas do cinema, da crítica, da arte. De maneira rizomática, esse grupo de jovens traça as linhas de resistência ético-estético-político, onde elementos e conceitos se tocam, fazem conexões, explodem em todas as direções. Deleuze e Gattari presentes com seus agenciamentos das máquinas desejantes.

E como corporificar tantos conceitos, tantas referências? Fluxos… Cinco rapazes ensaiam, ou melhor treinam na elaboração de um momento belo. Os urdimentos do palco estão expostos. Com umas frases e movimentos em várias direções, saltos, esforços, o grupo convoca pensamento sobre a beleza em Sócrates e Platão, a beleza da natureza de Kant e a beleza da arte em Hegel. É denso.

Thiago Liberdade deita no chão, baixa a calça e deixa a bunda à mostra e desliza num movimento ondulatório que parece uma cobra, um boto. Giordano Castro admira e comenta: “Isso é lindo!”.

Cinco atores do grupo estão em cena

Os movimentos contestatórios estão no espetáculo

A expressão persa war nam nihadan – “matar uma pessoa, enterrar o corpo e plantar flores sobre a cova para escondê-la”, usada pelo filósofo esloveno Slavoj Žižek, um dos mais provocativos teóricos da contemporaneidade, é dita várias vezes no espetáculo. O titulo da peça, por sinal, é emprestado do seu livro O ano em que sonhamos perigosamente no qual o filósofo traça uma análise corajosa sobre o que chama de “sonhos emancipatórios” (Primavera Árabe, Occupy Wall Street, manifestações em Londres e Atenas) como também dos “sonhos destrutivos”, como a chacina de Anders Breivik, na Noruega, e outros movimentos racistas e ufanistas pelo mundo. Žižek usa a frase para descrever o processo de abafar as mobilizações populares.

O elenco simula resistência: atira pedras ou bombas imaginárias. Há um grito abafado desses homens, que vez por outra eclode. Stela em explosão emocional!!!

O palco vira um campo de forças onde o capitalismo está em xeque com protestos, acampamentos, reivindicações e barricadas desenhadas pelos cinco homens. A revolução continua. Ocupações ganharam o espaço público, o espaço midiático e as redes sociais.

O grego Yorgos Lanthimos – cineasta,que realiza “gênero de filmes em que não se compreende tudo” e ganhou fama internacional com Dente Canino (Prêmio Un Certain Regard, Cannes em 2009) entra no jogo com sua influência de falar do micro para atingir o macro.

O grupo encara os riscos. É muito interessante a exposição dos conflitos da cidade no corpo do ator, essa máquina desejante. Mário Sergio Cabral mostra os pontos de tensões, os lados esquerdo e direito, as nervuras.

Cinco atores no palco. Pedro Wagner, que também dirige a peça, está vestido de tenista. Os outros de camiseta e calça/short. Com a ajuda de caixas de som eles remixam frases e idéias. Dançam em ritmos sincopados. Fazem pequenas intervenções. Contaminam uns aos outros. Mostram os perigos de desejar. Questionam se existem caminhos possíveis e alternativos ao capitalismo neoliberal.

Os sonhadores acordaram do pesadelo. Somos losers/ perdedores? Esse teatro aguça a lucidez nesses tempos da ultra-globalização. Hora de reavaliar o papel da política e dos intelectuais. E também da criação e do teatro.

Na cena, eles usam um pó branco, que produz vários efeitos ao ser lançado para o alto, sobre ventiladores, passado na cara dos atores. A luz de Pedro Vilela ressalta o mecanismo do ser teatro, suas entranhas e processos de construção.

A peça provoca. Desde uma música romântica para descansar a incitações criativas mais duras uns com os outros. A parte da peça em que o grupo articula o gozo teórico me pareceu muito explicativa, o que desestabiliza a força e a fúria de outros momentos.

O elenco está inteiro, entregue ao trabalho com todos os riscos de problematização da mímesis. Com seus corpos como máquinas de guerra, seus jogos a desafiar os limites. A fragmentação, as repetições estilísticas, a gramática de cada ator contribuem para a potência do espetáculo.

E isso é teatro contemporâneo dos bons.

Serviço:
O ano em que sonhamos perigosamente
Quando: Dias 11, 12, 18, 19, 25 e 26 de Junho de 2015, às 20h
Onde: Teatro Apolo (R. do Apolo, 121 – Bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-3320

Mário Sergio Cabral e Pedro Wagner ensinam a beijar

Mário Sergio Cabral e Pedro Wagner ensinam a beijar


Ficha Técnica:
Direção: Pedro Wagner
Dramaturgia: Giordano Castro e Pedro Wagner
Atores:  Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Mário Sergio Cabral, Pedro Wagner, Thiago Liberdade
Preparação corporal: Flávia Pinheiro
Desenho De Som: Leandro Oliván
Desenho De Luz: Pedro Vilela
Direção De Arte: Flávia Pinheiro
Fotografia: Renata Pires
Design Gráfico: Thiago Liberdade
Caixas De Som: Emanuel Rangel, Jeffeson Mandu e Leandro Oliván
Técnico: Lucas Torres
Realização: Grupo Magiluth

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , ,

Magiluth para doer no osso

Magiltuh estreia O ano em que sonhamos perigosamente. Foto: Renata Pires

“Vocês tão muito ‘fudidos’, né?”. A pergunta, quase cúmplice, aos atores do Magiluth, veio do vigilante do Centro Apolo-Hermilo, no Bairro do Recife, onde foi ensaiado o novo espetáculo do grupo: O ano em que sonhamos perigosamente. A estreia é nesta quinta-feira (11), às 20h, no Teatro Apolo. O mesmo vigilante – que também fez outros comentários igualmente afetivos, sempre terminados por um ‘né?’, do tipo “a peça de vocês é muito cabeçuda, né?” – foi um dos funcionários do Centro que acompanhou a intensa rotina de trabalho.

Desde o segundo semestre do ano passado, com as apresentações pelo país por conta do Palco Giratório e o aumento do preço das locações de imóveis, o Magiluth entregou a sede que ocupava no Recife Antigo. Como não houve inscrições para o Programa Espaço de Criação, do Centro Apolo-Hermilo, o grupo foi convidado a ocupar o local.

Em entrevista no Bar Central, em Santo Amaro, onde os atores de 30 e poucos anos circulam bastante, eles deixam claro, no entanto, a postura política adotada pelo grupo: “a gente continua sendo oposição a essa Prefeitura e a esse Governo, principalmente pela atuação deles na Cultura, mas não podemos perder espaços. Não é um favor. O Centro Apolo-Hermilo é um espaço nosso. Se a gente não se utiliza disso, eles vão fechar. Não é uma oposição cega. Estamos ocupando porque é da cidade. Não é da Prefeitura. É público”, explica o ator e dramaturgo Giordano Castro. As críticas à gestão não se ampliam aos funcionários do Centro, todos citados nos agradecimentos do programa do espetáculo. “As pessoas que administram o Centro também são artistas. Eles estão lá defendendo aquele local e aquele fazer. Os técnicos, por exemplo, são muito disponíveis”, complementa Giordano.

Erivaldo Oliveira

Erivaldo Oliveira

Cena 2 – O ano em que sonhamos perigosamente, título emprestado do livro do filósofo esloveno Slavoj Žižek (a peça não é baseada na obra), é o trabalho mais político da trajetória de 11 anos do Magiltuh. Em Aquilo que o meu olhar guardou para você a cidade era um pano de fundo, mas vista de maneira bastante afetiva e simbólica; nas performances realizadas em vários pontos no projeto Intervenções urbanas com mídias locativas, a postura era bem mais crítica. Foram detidos, por exemplo, quando resolveram mudar os nomes das ruas do Bairro do Recife: adesivaram todas as placas com o nome do então governador Eduardo Campos.

Em O ano em que sonhamos perigosamente, no entanto, a crise política, social, econômica e existencial é detonadora do espetáculo. As provocações teóricas que ajudaram a construir o espetáculo começaram quando Pedro Wagner, que assina direção e dramaturgia, essa última em parceria com Giordano, apresentou ao grupo a filmografia do grego Yorgos Lanthimos, especialmente o filme Dente canino (Dogtooth). “No filme, o pai tranca a família dentro de uma casa. Ele faz as próprias regras, até vocabulário novo. E a premissa é que eles só poderiam sair de casa quando o dente canino caísse. Yorgos usa o microcosmo de uma família para falar da Grécia e da situação que o país vivencia”, pontua o ator Erivaldo Oliveira.

Passaram por outros filmes gregos como Miss Violence (Alexandros Avranas) e Attenberg (Athina Rachel Tsangari), chegaram a Žižek, intelectual que consegue analisar, quase que concomitantemente, movimentos como a Primeira Árabe o Ocuppy Wall Street. Também leram Adorno. Revisitaram a Ditadura no Brasil, na América Latina. E se agarraram à Deleuze, com suas “máquinas desejantes” e à noção de estrutura rizomática, onde elementos e conceitos entrecruzam-se, apresentam incidências uns sobre os outros, se alteram.

Cinco atores do grupo estão em cena

Cinco atores do grupo estão em cena

Cena 3 – Mas o espetáculo, mesmo cabeçudo (o vigilante deve mesmo estar certo), traz uma fábula? Com começo, meio e fim, não. O espetáculo, tentam explicar os atores, é divido mais ou menos em três etapas: na primeira, cinco homens estão buscando construir um momento belo. Ensaiam e treinam pra isso; na segunda, eles encenam trechos de Tchékov (A Gaivota, O jardim das cerejeiras e As três irmãs); e a terceira…bom, nosso texto não podia ter spoiler.

Mas eles já avisam que estão jogando no nível hard. “Antes de chegar ao espetáculo que temos hoje, tínhamos outro. Todo montadinho. Foi quando paramos e nos questionamos. A gente ‘tava falando em Deleuze, em rizoma, mas ainda estávamos presos a Aristóteles. Peraí: vamos sair do nível 4 e vamos para o nível 6. Bagunçar tudo!”, anuncia Giordano.

Assim como para outros grupos da cena contemporânea, o Magiltuh está mais preocupado com a presentificação do ator do que com a construção tradicional de um personagem. Criaram um jogo próprio, que vem se desenvolvendo ao longo dos trabalhos do grupo. “Não é improviso. É um trabalho de composição, mas que está aberto. É um risco. Todas as noites poderemos ter espetáculos diferentes”, opina o ator Thiago Liberdade.

Cena Ad infinitum com ou sem hiatos – Se você é daqueles que detesta ser chamado ao palco, a possibilidade de ter que participar com uma frase que seja no espetáculo já te deixa tenso ou cansado, nem se preocupe. “Aqui a maneira de afetar foi exatamente não tentar aproximação com o público. Não vamos te tocar, não vamos te olhar, não vamos fazer nada. Estamos aqui e vocês aí”, adianta Castro.

“Mas não vá assistir com expectativas”, é o que diz Erivaldo Oliveira. “Talvez algumas pessoas não entendam. Talvez não seja pra entender tudo. É duro. Não tem como lidar com esse tema de forma delicada, fazendo graça ou de maneira superficial”, complementa. Incensados como grupo cult-pop-queridinho da cena contemporânea, o Magiluth tem um público cativo – de artistas, mas principalmente de não artistas. Mas, se chegaram até aqui, é porque não se furtaram ao risco, pautado naquela máxima tão conservadora da labuta diária. “Rapaz, a gente se problematiza, enfrenta as crises de todas as formas num processo desse. Mas, no final, a percebemos que só sabemos fazer isso: só sabemos fazer teatro. E queremos estar juntos, ali, no palco”.

Serviço:
O ano em que sonhamos perigosamente
Quando: Dias 11, 12, 18, 19, 25 e 26 de Junho de 2015, às 20h
Onde: Teatro Apolo (R. do Apolo, 121 – Bairro do Recife)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-3320

Ficha Técnica:
Direção: Pedro Wagner
Dramaturgia: Giordano Castro e Pedro Wagner
Atores:  Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Mário Sergio Cabral, Pedro Wagner, Thiago Liberdade
Preparação corporal: Flávia Pinheiro
Desenho De Som:Leandro Oliván
Desenho De Luz: Pedro Vilela
Direção De Arte: Flávia Pinheiro
Fotografia: Renata Pires
Design Gráfico: Thiago Liberdade
Caixas De Som: Emanuel Rangel, Jeffeson Mandu e Leandro Oliván
Técnico: Lucas Torres
Realização: Grupo Magiluth

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , ,

Quase uma década de Magiluth

Magiluth comemora nove anos. Foto: Pollyanna Diniz

Coletivo pernambucano comemora nove anos. Foto: Pollyanna Diniz

A comemoração será do jeito que eles mais gostam: no palco. O Magiluth celebra nove anos neste fim de semana com duas apresentações. Neste sábado, às 16h, encenam o espetáculo mais recente, Luiz Lua Gonzaga, no Parque Dona Lindu, dentro do projeto Aldeia Yapoatan. Já no domingo fazem a festa no Teatro de Santa Isabel com Viúva, porém honesta, texto de Nelson Rodrigues.

A vida anda bastante movimentada para o grupo e só deve piorar, ainda bem, já que eles aprovaram três projetos no Funcultura. É a certeza da circulação dos espetáculos do repertório e da manutenção da pesquisa do coletivo que, entre outras características, gosta de investir em criação de dramaturgia e experimentação de linguagens.

Dia desses, voltando do Festival Internacional de Londrina (Filo), o diretor Pedro Vilela respondeu uma entrevista por e-mail. Usamos um trechinho na primeira edição do Jornal Aldeia Yapoatan e aproveito para publicar aqui no blog na íntegra.

Luiz Lua Gonzaga é o espetáculo mais recente do grupo. Foto: Ivana Moura

Luiz Lua Gonzaga é o espetáculo mais recente do grupo. Foto: Ivana Moura

Entrevista // Pedro Vilela

Como os objetivos iniciais do Magiluth foram mudando ao longo dos anos?
Interessante falarmos sobre nossos objetivos iniciais, pois o norte principal do grupo permanece. Quando nos reunimos há quase dez anos, tínhamos como foco principal de ação a manutenção de um coletivo de atores que pudesse desenvolver atividade de pesquisa continuada, sendo o grupo um único mecanismo de sobrevivência e trabalho. Hoje é gratificante poder ver que estamos conseguindo atingi-lo e, para isso ao longo de nossa trajetória, precisamos colocar em prova a todo momento escolhas e caminhos. Outro ponto de atenção diz respeito ao aprofundamento e consolidação de uma linguagem que acreditamos, fruto de horas de trabalho em sala de ensaio. Talvez o maior exercício deste período tenha sido compreender nossas necessidades e alinharmos o caminho para atendê-las.

Qual a maior dificuldade em manter um grupo?
Estar em grupo significa risco e crise cotidianos, exercitando diariamente a convivência e a sobrevivência. É compreender o exercício de pensamento coletivo e, ao mesmo tempo, lutar para se solidificar economicamente, uma vez que somos uma empresa. Vivemos numa cidade com políticas culturais inexistentes e os grupos teatrais, por suas especificidades de criação, não conseguem ter autosustentação, necessitando de parcerias. Poderia descrever páginas e páginas sobre a palavra dificuldade, mas hoje pensamos prioritariamente nas estratégias para enfrentá-la!

Qual a importância e desafio de manter uma sede?
Ter uma sede modifica drasticamente de maneira positiva o trabalho do grupo. É a representação física da possibilidade de pesquisar diariamente, de congregar ideias e, inclusive, de discutir a geografia da cidade, uma vez que estamos inseridos no coração do Recife. Entretanto, viemos numa cidade em que não existe nenhuma política de ocupação de espaço e os grupos ficam expostos à especulação imobiliária. Vivemos num local onde vemos diversos imóveis sendo sucumbidos pelo tempo, desabando, virando ponto de drogas e não temos nenhuma ação por parte do poder público para que coletivos artísticos ocupem, reformem e desenvolvam ações. E com os valores de locação subindo a cada dia, não podemos afirmar por quanto tempo teremos espaço.

O que une o grupo artisticamente hoje? Esteticamente o que preocupa vocês? Sobre o que vocês querem falar?
Acho que o que mais nos une é o amor que temos pelo nosso ofício. Antes de tudo, somos um grupo de pessoas que não conseguem viver sem ver, discutir, refletir sobre o teatro e seus rumos. E temos no Magiluth a concretização dum trabalho investido durante anos. Pensar o rumo do teatro contemporâneo brasileiro, reconhecer-se como cidadãos que possuem através da arte o desejo de modificar nossa realidade, isso nos move. Um teatro que seja um respirar do seu tempo e que possa tratar e modificá-lo nos interessa.

Quais as metas para o próximo ano?
Temos espetáculos ainda muito vivos em relação à possibilidades de circulação e apresentações. Acredito que nossa comemoração dos 10 anos será através do que temos interesse, o encontro com nosso público. Então iremos circular durante todo o ano com espetáculos e iniciar o processo de nosso novo trabalho, que ainda não temos um tema fechado, mas muitos “desejos” em relação à linguagem.

Serviço:

Luiz Lua Gonzaga
Quando: sábado (14), às 16h, no Parque Dona Lindu
Quanto: Gratuito

Viúva, porém honesta
Quando: domingo (15), às 19h
Quanto: R$ 30 E R$ 15 (meia-entrada)

Viúva, Porém Honesta – 9 anos Grupo Magiluth – 15/09/13 from Grupo Magiluth on Vimeo.

Postado com as tags: , , , ,

Carnavalizando a filosofia

O canto de Gregório estreou em 2011. Foto: Pollyanna Diniz

O canto de Gregório, que estreou em 2011, está novamente em cartaz. Foto: Pollyanna Diniz

Filosofia, esquemas lógicos, racionalidade. O canto de Gregório, escrito por Paulo Santoro, é denso, cheio de retórica, réplicas e tréplicas argumentativas. Se fosse para apostar no resultado final, a palavra levada ao palco, talvez arriscássemos dizer que seria um espetáculo ao menos cansativo – embora sim, o texto seja muito interessante (e tenha sido montado por Antunes Filho). Mas, vamos lá, o palpite até poderia ser correto, se o grupo que tivesse decidido montar esse texto não fosse o Magiluth, coletivo pernambucano que comemora dez anos em 2014.

Repassando mentalmente a história do grupo é impossível não observar a sua coerência estética. A cada novo espetáculo eles amadurecem escolhas, desenvolvem soluções que antes tinham sido sutis, embarcam no desconhecido, mas com um background tão sólido – de horas de ensaio, de trabalho continuado, de criação compartilhada, que as coisas parecem se suceder de modo muito natural.

Em O canto de Gregório, que estreou em 2011, Pedro Vilela já deixava claro o seu arrojamento na direção – que estaria ainda mais pungente em Viúva, porém honesta (2013). Nada de marcações estanques ou coreografadas, mas ao mesmo tempo um rigor refinado, que nos dá a impressão de uma brincadeira, um jogo, que vai ao limiar do caótico, mas está completamente sob controle. Além disso consegue ser ácido, sarcástico, de soluções que, de tão simples, podem ser desconcertantes – a chuva de batatas em Viúva para comprovar.

Giordano Castro, Erivaldo Oliveira e Lucas Torres interpretam vários personagens nessa montagem em que aparecem figuras como Jesus, Buda e Sócrates (três Sócrates, aliás). Depois de um ano bastante intenso, de três estreias: Aquilo que o meu olhar guardou para você, Viúva e Luiz Lua Gonzaga, o elenco está mais homogêneo para voltar a encenar O canto de Gregório. As discrepâncias ficam cada vez mais suaves e cada um dos atores traz elementos, características e poéticas muito especiais para a cena.

Além disso, o espetáculo está muito mais leve e próximo do público – quando estreou, a ideia é que ele fosse encenado dentro de um cubo branco – parecia um ambiente hospitalar; numa temporada em Curitiba, depois de muita discussão, o grupo decidiu abolir aquelas paredes brancas, o que fez mesmo muito bem à peça.

Pedro Wagner defende o personagem-título

Pedro Wagner (foto) defende o personagem-título

O papel título do espetáculo é de Pedro Wagner, um ator que transborda talento; é um sujeito magrelo, doce, mas de opiniões fortes; e que, no palco, toma uma proporção que nos arrebata, com a consciência do seu corpo, da voz, das nuances do texto, das viagens a que pode levar o espectador “só” dizendo algumas palavras.

Apesar do jogo com os personagens, do humor do grupo – afinal, quem diria, Jesus adora carnaval -, a principal característica de O canto de Gregório é o respeito ao texto e a palavra. É nele que o espetáculo está calcado, numa encenação em que, claro, os outros elementos também têm muita importância. Isso talvez também se repita em Viúva, mas não com tanto destaque, por conta da natureza do texto mesmo. É porque em O canto de Gregório o que importa é o jogo retórico, os esquemas lógicos que são construídos, a possibilidade da vitória, ou não, só pela argumentação.

Giordano Castro e Pedro Wagner

Giordano Castro e Pedro Wagner

—-

Projeto Pague quanto puder

O Magiluth voltou a encenar O canto de Gregório dentro do projeto Pague quanto puder, que tem o apoio do Funcultura. O espetáculo está em cartaz terças, quartas e quintas-feiras, às 20h, no Teatro Marco Camarotti, no Sesc Santo Amaro. Antes dele, às 19h, Giordano Castro apresenta o solo 1 torto, com direção de Pedro Wagner. Já nas sextas (19h) e sábados (em duas sessões, às 18h e 20h), o grupo ocupa o Teatro Arraial, na Rua da Aurora, com o espetáculo Aquilo que meu olhar guardou para você. Não há um preço pré-estabelecido do ingresso; é o espectador quem define quanto pagará para assistir aos espetáculos.

Erivaldo Oliveira e Lucas Torres

Erivaldo Oliveira e Lucas Torres

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , ,