Arquivo da tag: Newton Moreno

Construir a arte do efêmero em grupo

Outra vez, era uma vez, foi a primeira montagem da Fiandeiros. Foto: Val Lima/Divulgação

Outra vez, era uma vez, foi a primeira montagem da Fiandeiros. Foto: Val Lima/Divulgação

Na primeira edição do Jornal Aldeia Yapoatan, que circulou durante a mostra realizada pelo Sesc Piedade no mês de setembro, fizemos uma pequena matéria sobre teatro de grupo. Uma das companhias entrevistadas foi a Fiandeiros de Teatro, que está comemorando dez anos de atuação. Como a conversa com o diretor André Filho rendeu muito mais do que o espaço no papel permitia, aproveitamos o início do projeto Dramaturgia pernambucana, empreendido pelo grupo, para publicar a entrevista. O diretor fala não só sobre a realidade específica da companhia, mas toca em questões pertinentes ao teatro de grupo em todo o país, como a dificuldade em manter uma sede e a falta de políticas públicas.

Sobre o projeto Dramaturgia pernambucana, nas sextas-feiras deste mês serão realizadas leituras dramáticas e depois debates com os autores. Começando sempre às 19h30, no Espaço Fiandeiros, que fica na Rua da Matriz, 46, primeiro andar, na Boa Vista. Hoje (11) o texto será Jeremias e as caraminholas, de Alexsandro Souto Maior. O coletivo Sinergia de Teatro, sob direção de Emanuella de Jesus, fará a leitura. Semana que vem (18) é a vez de Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues. O debatedor será Rodrigo Dourado e a direção de André Filho. Já no dia 25 o texto é Lunik, de Luciana Lyra, que ganha direção de Rodrigo Cunha.

O projeto terá ainda uma oficina de dramaturgia com Newton Moreno entre os dias 19 e 22 de novembro e encenações de contos de Nelson Rodrigues no mês de janeiro.

André Filho

ENTREVISTA // André Filho, diretor da Cia Fiandeiros

Como os artistas da Fiandeiros se reuniram?
Nós nos reunimos em 2003. Nosso começo não foi muito diferente de outros coletivos: artistas que se juntam querendo se expressar coletivamente através de sua arte. Tínhamos origens distintas – éramos músicos, palhaços, professores, arte-educadores, alguns já com experiência em trabalho de grupo, outros não. Eu havia sido convidado pelo SESC para dirigir uma leitura dramatizada da peça A tempestade, de William Shakespeare. Convidei alguns atores para participar e o resultado é que, depois da leitura, o grupo quis continuar se encontrando para ler outros textos e conversar sobre teatro. Então decidimos seguir em frente com o processo de estudo e, daí, surgiu a Fiandeiros.

Quando vocês perceberam que eram um grupo?
É sempre muito delicada essa questão de se definir como um grupo de teatro. Há dez anos que a gente vive se questionando sobre esse modelo e é impossível encontrar um conceito estável que sirva a todos os coletivos. Na verdade, acho que é justamente esse perguntar-se continuamente “o que nós somos?”, a busca por essa resposta, que nos faz ser enquanto grupo. Mas é possível pontuar algumas questões específicas que diferenciam o trabalho de um grupo daquele de uma produção convencional, como a manutenção de um núcleo de criação permanente e o processo continuado, que não se limita ao tempo de vida de um espetáculo. As ações do grupo não são apenas no sentido de uma criação artística, mas também na formação de uma identidade de coletivo.

Os objetivos iniciais da companhia foram mudando ao longo desses dez anos?
Na verdade, os objetivos mudam de acordo com cada projeto, mas existe algo que não pode mudar: a identidade do trabalho. Um grupo tem a sua identidade, que é quase como a sua digital, a sua marca, o seu formato de trabalho. Essa identidade não surge assim do nada, não dizemos “vamos criar uma identidade de grupo”. Ela surge com o tempo, como fruto de todo o processo de criação. Não é palpável, mas é sentida por todos. E guarda em si o compromisso com o todo. Sabe aquela música, “se falo em mim e não em ti é que, neste momento, já me despedi”? Quando em um processo de grupo alguém pensa assim é porque não faz mais parte dessa identidade e está na hora de partir em busca de outras lições.

Qual a principal dificuldade em manter um grupo?
Existem dificuldades de vários vieses. Mas creio que as mais importantes são conciliar os sonhos com a dura realidade do dia a dia, com a falta de um projeto cultural público eficaz para o teatro, com a desmobilização política de nós artistas de grupo. Essa última, por sinal, é de suma importância. Ou nos conscientizamos de que precisamos nos organizar politicamente, ou não daremos o passo qualitativo nunca. As artes visuais já fizeram isso, a dança já fez isso, mas o teatro não consegue dar esse passo. O tempo médio de vida útil de um grupo produzindo é de, no máximo, dois a três anos. Quem consegue ultrapassar isso já pode se considerar um vitorioso. Existem alguns coletivos na cidade que conseguiram isso. A Fiandeiros é um deles, mas ninguém imagina o preço que pagamos por isso. Olho para trás e vejo a quantidade de artistas e grupos de teatro que ficaram pelo caminho, que poderiam ter dado uma contribuição tão bacana para a cena local e não o fizeram porque não foram estimulados. Falta vontade política para isso. Ainda estamos engatinhando no processo de consolidação do teatro de grupo no Recife. Quando ficaremos de pé? Não sei.

Qual a importância e o desafio de manter uma sede?
Uma sede é extremamente importante para um grupo, não apenas por ser uma base, um apoio para suas atividades, mas também por contribuir para a sua discussão estética, na medida em que estabelece parâmetros novos para o pensamento de uma dramaturgia específica, um olhar sobre o entorno e a relação dos artistas com este. Isso possibilita um olhar diferenciado sobre um processo. Mas manter uma sede não é fácil. Nesse ponto, acho que todas as políticas públicas até agora são falhas. Recife ainda está engatinhando em políticas de fomento a grupos de pesquisa continuada. São Paulo e Rio de Janeiro já saíram na frente com ações públicas que possibilitam aos grupos fazerem residências continuadas em teatros, prédios e casarios públicos. Aqui sequer conseguimos abrir um diálogo a respeito. Há prédios públicos completamente abandonados e há grupos que ensaiam em garagens, nas praças, nas ruas. Acho profundamente lamentável e triste. A Fiandeiros consegue manter a sua sede com recursos próprios; vez por outra aprovamos um projeto que nos dá uma folga de alguns meses, mas é muito pouco. Cada ano que se inicia, não sabemos como vai ser, de onde tiraremos o dinheiro para manter vivo o nosso espaço. Desenvolvemos algumas ações como os cursos regulares de teatro que ministramos, para adultos, adolescentes e crianças, o que tem nos garantido uma sobrevida. Entramos também no circuito de produções nacionais que viajam através dos prêmios de circulação nacional. Em 2012 se apresentaram no nosso espaço, A Companhia Braziliense de Teatro e o Grupo Trama de Teatro (Minas Gerais). Além disso, fomos um dos pólos de apresentações do Festival Recife do Teatro Nacional, além de produções locais que também se apresentaram no nosso espaço.

O que une vocês artisticamente hoje?
O que nos une é a mesma coisa que nos unia há dez anos: a vontade de continuar caminhando em busca do invisível, de algo que talvez nunca encontremos. Somos artistas e isso por si só já seria suficiente para nos manter unidos, mas nem sempre é assim. Temos nossas diferenças, nossos pontos de vista divergentes, que nos fazem morrer e renascer renovados a cada dia. Sempre foi assim – o que nos une nem sempre é o concreto, o projeto pronto e acabado, mas o vazio das imperfeições, o medo das tentativas que nos aproxima e nos fortalece.

Quais as preocupações estéticas de vocês?
A Fiandeiros tem um traço, uma identidade musical bastante forte em seus trabalhos, não apenas instrumentalmente falando, mas também na melodia textual. Isso sempre foi alvo de nossas pesquisas. Em nosso último trabalho, Noturnos, nos experimentamos em outro viés, o da dura realidade das ruas. É um trabalho onde a musicalidade incomoda, são acordes dissonantes do que até então nós tínhamos feito. Falar sobre violência, medo, agressividade, abandono, asco, invisibilidade social, exigiu de nós um esforço enorme e um desprendimento de nossas vaidades pessoais muito além do que já havíamos ido em outros trabalhos. Sinto que agora é hora de voltar, de proceder o caminho de volta à nossa harmonia original, o que não significa que é menos densa. Penso em Picasso que, ao tentar retornar às origens do cubismo, acabou por recriar a realidade contida nele. Lógico que sem qualquer pretensão de nos compararmos, mas é um processo semelhante de busca interna em nossa estética. O legal é que não sabemos onde vamos acabar, as tentativas existem e são múltiplas, tudo vai depender das nossas escolhas. Mas o mais importante é não ficar parado, porque até mesmo quando o artista imita a si mesmo ele se recria.

Espetáculo Norturnos. Foto: Rodrigo Moreira/Divulgação

Espetáculo Norturnos. Foto: Rodrigo Moreira/Divulgação

Quais os próximos projetos?
Temos vários projetos para o futuro. Entre eles, montar um texto para crianças, intitulado Vento forte para água e sabão, de autoria de um ator pernambucano e pessoa muito querida nossa, Giordano Castro, do Magiluth. Estamos aguardando para ver se sai no máximo até o início do próximo ano. Mas tem pelo menos mais uns três ou quatro projetos viáveis para um futuro próximo. Vamos aguardar e ver o que acontece. O processo é este: viver o efêmero e mergulhar no transitório. Só.

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

Ópera contra o preconceito

Ópera, segunda montagem do Coletivo Angu de Teatro, faz duas apresentações no Santa Isabel

Montagem do Coletivo Angu de Teatro faz apresentações no Teatro de Santa Isabel

Ópera é um dos mais queridos espetáculos da recente cena teatral pernambucana. E querido quer dizer aplaudido, com casa lotada e espectador que já viu até mais de seis sessões. Foi sucesso em janeiro no Teatro Glauce Rocha, dentro do projeto Visões Coletivas – Nordeste Contemporâneo. Depois dessa temporada no Rio de Janeiro, Ópera tem duas apresentações marcadas, nos dias 20 e 21 de abril, às 20h, no Teatro de Santa Isabel.

Mas o que é mesmo que essa montagem tem de especial? Bem, são algumas conjugações, como a criatividade do diretor Marcondes Lima, o talento do Coletivo Angu de Teatro, a verve cômica puxado para ácida do autor Newton Moreno e a temática gay, nem vilanizada nem vitimizada. É assim. E os recortes que o dramaturgo utiliza em seus contos para narrar as quatro histórias são divertidos, com criticidade aguda e até com doses de crueldade para todos os lados.

As quatro histórias são trabalhadas de forma diferente, como radionovela dos anos 1950, fotonovela, telenovela e, por último, uma ópera.  A primeira é O cão, que mostra as consequências no seio da família após a descoberta da condição gay de Surpresa, o cachorrinho da casa.

Em O troféu, episódio em forma de uma fotonovela dos anos 1960, expõe o drama de Pedro (ou Petra), que não se sente adequado em seu corpo masculino. Já em Culpa, inspirado nas telenovelas da década de 1980, o personagem soropositivo tenta encontrar um novo parceiro para o namorado. O último quadro trata da submissão de um barítono apaixonado por michê. Nesta temporada, desde janeiro, Carlos Ferrera substitui André Brasileiro como o cantor. A peça também tem a participação da transex carioca Jakellyne Ushôa.

SERVIÇO

Ópera

Quando: sábado e domingo, às 20h
Onde: Teatro de Santa Isabel, Praça da República, s/n
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)
Informações: 3355-3322

Ópera – Ficha Técnica
Realização: Atos Produções Artísticas / Coletivo Angu de Teatro
Texto: Newton Moreno
Encenação e direção de arte: Marcondes Lima
Direção musical e trilha sonora original: Henrique Macedo
Preparação Corporal e assistência de Direção: Vavá Schön Paulino
Plano de Luz: Jathyles Miranda
Elenco: Arilson Lopes, Andre Brasileiro (Carlos Ferrera), Dirceu Siqueira, Fábio Caio, Ivo Barreto, Tatto Medinni e Jakellyne Ushôa
Direção de Produção: Tadeu Gondim
Produção Executiva: André Brasileiro / Luciana Bispo / Nínive Caldas
Identidade Visual / Operador de Luz: Sávio Uchôa
Operador de Som: Tadeu Gondim
Camareiras: Irani Galdino e Nine Brasil
Confecção de Figurinos: Maria Lima e Helena Beltrão
Gravação, mixagem e masterização: Henrique Macedo
Fotografias: Tuca Siqueira
Contra-regras: Vavá Schön Paulino e Gustavo Teixeira

O espetáculo fez sua estreia em 2007 e sempre volta à cena com casa lotada

O espetáculo fez sua estreia em 2007 e sempre volta à cena com casa lotada

A seguir, duas matérias que escrevi para o Diario de Pernambuco na época da estreia de Ópera, em 2007

Espetáculo sobre homoerotismo desafia limites da sociedade

ESTRÉIA // Peça Ópera, com textos inéditos de Newton Moreno, discute contradições da realidade brasileira, a partir de hoje, no Teatro Apolo

Apesar da intolerância e de fundamentalismos multiplicados, o mundo contemporâneo é povoado pela diversidade. Nas pulsações das identidades todos querem, cada um a seu modo, ser feliz. Mas não é bem de felicidade que trata a dramaturgia do pernambucano Newton Moreno, mas da perseguição por coisas como sobrevivência digna e um pouco de prazer, o que gera inquietações em várias modalidades, inclusive estéticas. O espetáculo Ópera, que estréia hoje no Teatro Apolo e fica em cartaz aos sábados e domingos, às 20h, até o final do mês, é uma adaptação de contos inéditos do autor, feita pelo Coletivo Angu de Teatro (o mesmo da peça Angu de Sangue, transposição de textos de Marcelino Freire), com direção geral de Marcondes Lima.

O homoerotismo é o grande tema da encenação, que se abre para discutir as contradições da realidade brasileira. Também a partir da poética marginal que caracteriza a queer culture e estética kitsch, a encenação busca uma crítica social à hipócrita visão de valores hegemônicos.A temática é assumidamente gay e o tratamento da encenação reforça essa escolha. Desde que dirigiu Angu de Sangue, há dois anos, o encenador Marcondes Lima desejava fazer uma homenagem a Pernalonga (artista transformista de Olinda, morto barbaramente em 2000) e investigar mais sobre a estética gay. “Não dava para não passar pelo Vivencial”, adverte Marcondes Lima. O Vivencial Diversiones foi um espaço experimental que funcionou em Olinda, sob forte influência do Tropicalismo.

Mais do que temática, a montagem Ópera busca ousar na definição de uma linguagem teatral, na problematização dos limites estéticos e éticos e o entrecruzamento de posturas. A condução dos temas ou ações é provocativa e alguns diálogos avançam por posições inusitadas. O primeiro dos quatro quadros, Cão, utiliza a metalinguagem de uma novela radiofônica, em que atores interpretam os conflitos de família de um cachorro gay, quando a história do animal vem a público. O pastor alemão e seu companheiro vira-lata terminam o quadro assassinados por envenenamento.

O Troféu, segundo dos quadros, trabalha com o formato de fotonovela em preto-e-branco da década de 1960, com poucos diálogos apresentados em molduras. Leva ao palco as angústias de Pedro, que sentindo-se inadequado com seu corpo masculino, comporta-se como Petra. O cúmulo dessa confusão psíquica ocorre quando o rapaz, diagnosticado com câncer de mama, comemora por acreditar que essa é a prova irrefutável do que sempre pensou, que é uma verdadeira mulher.

Dividido em três unidades, o quadro Culpa expõe três momentos de um encontro amoroso. O primeiro, em off; o segundo quando eles se encontram e o terceiro, da despedida. Soropositivo, Augusto sabe que vai morrer e anda consumido pelo remorso em saber que vai abandonar o companheiro mais jovem e tenta encontrar um novo companheiro para seu namorado, antes de morrer. O tom melodramático está afinado com o estilo predominante das novelas brasileiras da década de 1980.

O último quadro, que dá nome ao espetáculo, Ópera explora o comportamento submisso de um cantor de ópera apaixonado por um garoto de programa. O melodrama ganha o tratamento de uma micro-ópera pós-moderna. Como ligação entre os quadros, dublagens de figuras femininas que têm uma interferência no universo gay. Dalida, cantora meio francesa meio egípcia que suicidou-se, Rita Pavone e Rosana. O cenário, também assinado por Marcondes, condensa em portas e gavetas os símbolos de transposições, de saídas de armários.

Para o diretor o grande desafio da montagem para o elenco foi o de brincar com as referências. Os atores André Brasileiro, Arilson Lopes, Fábio Caio, Ivo Barreto, Tatto Medinni encararam a dificuldade de andar de salto alto e assumir gestos mais lânguidos. Ópera conta com a participação especial de Andréa Close. Na assistência de direção do espetáculo está Vavá Paulino e a produção executiva é de Gheuza Sena.

*Esta matéria foi publicada na capa do Caderno Viver, do Diario de Pernambuco, no dia 13 de janeiro de 2007

Tatto Medinni, Andrea Closet e Fábio Caio

Tatto Medinni, Andrea Closet e Fábio Caio

Estréia de Ópera revela sua vocação para se tornar um cult
Coletivo Angu de Teatro imprime ousadia e humor na adaptação dos contos de Newton Moreno, em sintonia com questões contemporâneas e exercitando várias linguagens cênicas

Por volta das 22h30 do sábado, no pátio dos teatros Apolo e Hermilo Borba Filho, num coquetel abarrotado de gente, para comemorar a estréia do espetáculo Ópera, a cantora Elza Show anunciava com seu vozeirão: “O mundo é gay!”. Nem tanto, darling! Mas a euforia faz sentido. Vamos recuar três horas nesse tempo. 19h30. Rua do Apolo, nas imediações do teatro homônimo, o público já fazia fila e começava a disputa por ingressos para a primeira sessão da temporada da peça Ópera, adaptação de contos inéditos do dramaturgo pernambucano Newton Moreno, com direção de Marcondes Lima e produção do Coletivo Angu de Teatro. Os 290 lugares da casa não foram suficientes para atender a demanda da primeira noite. Muitos terão que voltar outro dia.

Na plateia desse teatro superlotado como há muito tempo não se via em estreia de produção pernambucana, muitas figuras do meio artístico, o secretário de Cultura do Recife, João Roberto Peixe, o cantor Silvério Pessoa. Artistas experientes, como a atriz Diva Pacheco ou a mais nova estrela do cinema nacional, Hermila Guedes (que por sinal faz parte do coletivo e integrou o elenco da montagem Angu de Sangue). Pessoas que alimentaram o Vivencial Diversions (que deu o norte estético à peça Ópera), como o escritor, cineasta e agitador cultural Jommard Muniz de Brito ou a atriz Ivonete Melo, estrela do Vivencial na década de 1970. A expectativa era grande. E o público acolheu calorosamente a estreia de Ópera. Palmas em cena aberta para vários atores. Indícios de que vai virar um espetáculo cult.

Ópera está dividida em quatro quadros, O Cão, O Troféu, Culpa e Ópera que dá título à peça além de intermezzo de dublagem. O diretor Marcondes Lima, uma dos mais festejados da cidade e também dos mais solicitados tanto para encenação quanto para direção de arte (cenários e figurinos), ousou ao dividir o espetáculo em formato de radionovela, fotonovela e uma novela televisiva, nos três primeiros quadros. O Cão é uma historieta de um cachorro de raça que a família descobre gay. Ele acaba assassinado pela tia intolerante, que está preocupada com a opinião pública (o ti-ti-ti maldoso dos vizinhos, principalmente) passa-se num estúdio de rádio. São expostos os bastidores da gravação de uma radionovela, num tom supra melodramático, onde o grande trunfo é o texto inteligente, irônico, ácido até. No intervalo dessa triste história de amor canino entre Surpresa e Benvindo, o comercial do produto Penetrol “lubrificante da família brasileira”.

Se o primeiro quadro é para os ouvidos, o segundo é para os olhos. O Troféu é focado na estética das fotonovelas em preto-e-branco de 1900 e lá vai trem, a cena apresenta Pedro, que sempre quis ser Petra. Sem falas e utilizando o recurso das legendas apresentadas em tabuletas (que por sinal muitas não dá leitura para quem estiver mais distante do palco) a ação mostra a versatilidade do ator Fábio Caio, poses exageradas e engraçadíssimas. Pedro, que desde criança sonha em ser mulher, sente-se feliz quando o médico diagnostica um câncer de mama. O quadro ainda precisa de alguns ajustes, principalmente nos enquadramentos das molduras.

O quadro Culpa trabalha com uma questão delicada, a história de um homem soropositivo, em momento terminal, que tenta arranjar um namorado para o amante. O tom, exageradamente melodramático dá sinais de cansaço. Os atores Arilson Lopes, Ivo Barreto, executam bem essa linha, mas o tratamento do tema ganha um tom quase cruel. O grande lance é participação de Fábio Caio nesta cena, como a maquiadora.

Entre esses três primeiros quadros, as dublagens alinhavam as cenas. E são verdadeiramente hilariantes. O gestual de Arilson Lopes, como Rita Pavone é impagável, vestidinho de bolinhas e uma capa de bolinhas. O ator Ivo Barreto dubla Tina Turner que sai em embate com a Caio Fábio, que dupla Rosana (Let’s stay together versus Vício fatal, numa luta que quem sai ganhando é o público, de tanto rir. Coube a André Brasileiro a dublagem mais difícil: fazer simultaneamente a cantora Dalida e o cantor Serge Lama. Resultado interessante.

O último quadro, Ópera, revela sem piedade o amor doentio de um cantor de ópera pelo michê Paulo (que faz do tenor gato e sapato), numa crítica virulenta à dependência amorosa. Com um coral de anjos, vestindo sungas brancas e bundinhas de fora, os atores contam a história de subserviência do cantor lírico, com música original composta por Henrique Macedo, numa mistura de rap ópera e levada nordestina. Ópera é o quadro mais explícito, beijo na boca ente o michê e o cantor. O quadro mete o dedo na ferida dos valores desse homem pós-moderno, perdido em sua identidade fragmentada, que chega ao ponto de comprar o amor. Numa sociedade em que tudo está à venda, o amor passa a ser mais uma mercadoria. Caso para se refletir.

O espetáculo Ópera tem muitos pequenos problemas (e isso não escaparia a uma estreia), mas tem muito mais qualidades. A sonoplastia de André Brasileiro e Marcondes Lima funciona bem dando os climas da peça, a iluminação Játhyles Miranda também é boa. Os figurinos no geral estão de acordo com a proposta, mas a do cantor lírico está em descompasso com o resto. O elenco (os atores André Brasileiro, Arilson Lopes, Dirceu Siqueira, Fabio Caio, Ivo Barreto, Tatto Medinni, e a participação especial de Andrea Closet, com muita garra e elegância) têm garra e talento. Vale ressaltar a ousadia do coletivo em tratar desse universo homoerótico com um humor sagaz, de estar em sintonia com pulsações contemporâneas e acima de tudo exercitar várias formas de fazer teatral.

* Esta matéria foi publicada originalmente na edição de segunda-feira, 15 de janeiro de 2007, do Caderno Viver, do Diario de Pernambuco

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

Dois anos de Satisfeita, Yolanda?

Muito felizes com os dois anos do Yolanda! Foto do querido Nando Chiappetta

Muito felizes com os dois anos do Yolanda! Foto do querido Nando Chiappetta

Estamos em festa! O Satisfeita, Yolanda? está completando dois anos e, para comemorar, nada melhor do que um baile! Será neste sábado (26), a partir das 21h, no Espaço Coletivo, no Bairro do Recife. A festa integra a programação paralela do 19º Janeiro de Grandes Espetáculos e conta com o apoio do próprio festival e ainda do Coletivo Angu de Teatro.

Entre as atrações da noite de celebração estão a Trupe Ensaia Aqui e Acolá, com um trechinho da montagem O amor de Clotilde por um certo Leandro Dantas, melodrama com direção de Jorge de Paula, baseado no folhetim A emparedada da Rua Nova, de Carneiro Vilela. Ano passado a montagem circulou o Brasil inteiro através do projeto Palco Giratório, do Sesc.

Já o Coletivo Angu de Teatro encena uma dublagem que está em Ópera, espetáculo com texto de Newton Moreno e direção de Marcondes Lima, que estreou em 2007 e não é apresentado no Recife desde março de 2009. A montagem acabou de fazer uma curta temporada de sucesso no Teatro Glauce Rocha, no Rio de Janeiro, dentro do projeto Visões coletivas.

Duas divas da música se apresentam hoje na festa!  Ópera, do parceiro de sempre, o Coletivo Angu de Teatro. Foto: Sávio Uchôa

Ópera, do parceiro de sempre, o Coletivo Angu de Teatro. Foto: Sávio Uchôa

O dramaturgo, diretor e bonequeiro Fernando Limoeiro, pernambucano nascido em Limoeiro e radicado em Minas Gerais, também participa, com a leitura dramática de Satisfeita. Limoeiro escreveu o texto especialmente pra festa!

E, para completar, o ator Paulo de Pontes faz uma cena de Deus sabia de tudo, peça da companhia paulista Os Fofos Encenam, que estreou em 2001 em São Paulo. A montagem tem texto e direção de Newton Moreno e trata de temas como homofobia e homoerotismo. A cena ainda contará com a participação de Tay Lopez, do grupo XPTO.

Depois das cenas e performances, a festa continua ao som dos DJ’s Palla e Pepe Jordão. A entrada na festa é gratuita, mas é limitada à capacidade do espaço.

Satisfeita, Yolanda? – O baile
Quando: Sábado (26), a partir das 21h
Onde: Espaço Coletivo (Rua Tomazina, 199, Bairro do Recife)
Quanto: Gratuito (limitado à capacidade do espaço)

Paulo de Pontes faz uma cena de Deus sabia de tudo com a participação de Tay Lopez

Paulo de Pontes faz uma cena de Deus sabia de tudo com a participação de Tay Lopez

"Cala-te, Clotilde...!" Virou piada interna! Uma alegria tê-los na nossa festa! Foto: Priscila Buhr

“Cala-te, Clotilde…!” Virou piada interna! Uma alegria tê-los na nossa festa! Foto: Priscila Buhr

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ópera homoerótica!

Ópera, do Coletivo Angu de Teatro, está em cartaz no Rio

Ópera, do Coletivo Angu de Teatro, está em cartaz no Rio. Fotos: Sávio Uchôa

Parte do elenco do Coletivo Angu de Teatro, que este ano comemora dez anos, está no Rio de Janeiro para a apresentação de Ópera, texto de Newton Moreno. Quem ainda não viu: corra, Lola, corra! Esta é a última semana em cartaz. O espetáculo estreou em janeiro de 2007 e não é apresentado no Recife desde março de 2009.

São cinco contos que discutem homoerotismo e sexualidade e, claro, teatro. O cão, por exemplo, narra as desventuras de um cachorro gay e os reflexos sobre a família do seu dono quando isso chega a ‘domínio’ público. É uma novela radiofônica. E tem ainda fotonovela (no conto O troféu), telenovela (Culpa) e ópera (pós-moderna, diga-se de passagem, em Ópera). A direção é de Marcondes Lima. No elenco estão Arilson Lopes, Carlos Ferrera, Dirceu Siqueira, Fábio Caio, Ivo Barreto e Tatto Medinni.

Temporada segue até o dia 20 de janeiro

Temporada segue até o dia 20 de janeiro

Ainda não há previsão de temporada no Recife, mas já podemos adiantar que um trechinho do espetáculo será apresentado na festa de comemoração de dois anos do blog! Dia 26 de janeiro, às 21h, no Espaço Coletivo (Rua Tomazina, 199, Bairro do Recife).

Ópera
Quando: Teatro Glauce Rocha (Av. Rio Branco, 179, Centro, Rio de Janeiro)
Quando: quinta a domingo, às 19h (até o dia 20)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Trecho de Ópera será apresentado na festa de dois anos do Satisfeita, Yolanda?, no dia 26 de janeiro

Trecho de Ópera será apresentado na festa de dois anos do Satisfeita, Yolanda?

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

Santos Fofos*

* POR TAY LOPEZ

Terra de Santo, novo espetáculo dos Fofos Encenam, estreia hoje no Sesc Belenzinho. Foto: João Caldas

A querida Yolanda Pollyanna Diniz me deu uma tarefa: escrever algo sobre a estreia do espetáculo Terra de Santo aqui em São Paulo. A primeira resposta foi negativa, pois não sou jornalista, não sou crítico e tenho um afeto muito grande pelos integrantes do grupo Os Fofos Encenam. Portanto, não gostaria de ser leviano com artistas que tanto admiro. Resultado: assisti ao espetáculo, e cá estou eu escrevendo algumas singelas palavras a respeito das emoções que a peça me provocou.

“Nos teus olhos eu vi o mundo inteiro Jesuíno.” É através desta frase que noto estar completamente mergulhado nas palavras de Newton Moreno e percebo-me num local onde só a arte é capaz de nos colocar. Aquele espaço de encantamento e poesia onde nos encontramos com nós mesmos. Logo no começo do espetáculo, somos convidados a entrar no alojamento de um grupo de cortadores de cana e, aos poucos, vamos percebendo o entorno: um radinho sintonizado numa transmissora local, mesas, uma pequena cozinha, um telefone público, um beliche, um grande telhado sobre nossas cabeças e objetos pessoais dispostos como num set de cinema, onde os personagens vão surgindo e fazendo valer toda aquela cenografia detalhista.

O público continua apenas como observador e assim vamos acompanhando a história contada como se estivéssemos mortos num espaço cheio de vida pulsante. Sinto-me assim, pois não existe uma relação direta de interação. Apesar de estarmos muito próximos dos atores, somos invisíveis.

A personagem responsável por nos colocar em contato com um fio de história, que começa a fisgar o espectador através de um anzol bastante carismático é Mariene (Kátia Daher). Com um humor sutil de figuras populares que habitam o universo dos canaviais nos envolvemos no enredo.

Dramaturgia é de Newton Moreno

De acordo com a sinopse, um grupo de mulheres ocupa terras de uma usina canavieira, alegando que é uma propriedade dada em cartório a um santo, espaço sagrado, onde rituais são realizados. A essas terras destinadas à cana elas nomeiam como ‘terra de santo’. As máquinas aproximam-se, mas elas, guardiães do lugar, não deixam as terras. Esse é o eixo principal da peça, e a partir dele se dá uma viagem poética e uma conversa com ‘mortos da sociedade da cana’, outras famílias e etnias e suas histórias de resistência ou rompimentos com espaços sagrados, tradições e fé.

Atravessamos uma porta e vamos para um “quintal”, onde a partir de agora, não me sinto mais como um morto que passa desapercebido. Somos olhados diretamente nos olhos e nos sentimos cheios de bençãos pelas figuras que nos recebem na cena. São quatro Santeiras (Carol Brada, Cris Rocha, Erica Montanheiro e Simone Evaristo). Pegam em nossas mãos e nos conduzem para a acomodação em torno do tablado que se apresenta em nossa frente. A Terra de Santo. Fica para trás a ambiência de um espaço coloquial e agora nos encontramos num cenário com cheiros, cânticos místicos, penumbras e luz de velas, típicas de um templo sagrado. Nesse templo, as Santeiras vão, ora representando, ora incorporando, ora apenas nos apresentando a história de seus antepassados a partir dos mortos que fazem, solenemente, ressurgir no espaço. Um passeio, através dos séculos, pela brasilidade que hoje conhecemos, apresentadas como um panorama sacro/social das histórias contadas por índios, judeus, cristãos e negros. História que nos chega aos olhos pela bela proposição de encenação dos diretores Newton Moreno e Fernando Neves.

São essas mães, as Santeiras, responsáveis por nos nos colocar diretamente em contato com nossa própria ancestralidade, formação social, econômica e religiosa. Um espetacular retrato histórico e filosófico do Brasil muito bem alinhavado por um dramaturgo que dispensa elogios. Surgem então metáforas que nos obrigam a ver o mundo através de nossos próprios olhos e que também nos fazem percorrer os labirintos de nosso pensamento em forma de sinapses constantes que trazem à tona as nossas memórias pessoais e despertam um confronto direto com o que hoje chamamos de homem contemporâneo.

Se me percebo um morto invisível no primeiro movimento do espetáculo, me percebo um morto com voz no segundo e ao blackout final resta a pergunta: onde está a minha terra sagrada e o que fazer para que ela não seja destruída? Sim. As reflexões políticas propostas pelo poético espetáculo do grupo de teatro Os Fofos Encenam me põem em contato com algo mais amplo do que a contemplação de uma trajetória épica/trágica de um personagem em busca de sua completude. Terra de Santo nos provoca um dilatar da pupila.

Um elenco, sem dúvidas talentoso, nos presenteia com uma obra que transcende o ato teatral. A pesquisa e processo colaborativo deste grupo inquieto de artistas é bastante perceptível, dando extrema propriedade à toda equipe a respeito daquilo que está sendo dito no sagrado espaço do fazer teatral. Se em Assombrações do Recife Velho, me sinto como uma criança perante o medo das almas que nos assombram e em Memória da Cana, num diálogo bastante intenso com o Pai; em Terra de Santo, me vejo tendo uma sincera e silenciosa conversa com a grande Mãe que nos gerou. Colocando-me num embate direto com a maturidade e com o reconhecimento de uma fertilidade espiritual que nos habita e nos faz caminhar. Colocando-me frente aquilo que nos constrói ou nos destrói.

* texto do ator Tay Lopez. Ele viu ontem uma apresentação só para convidados da peça Terra de santo, do grupo Os fofos encenam. A montagem entra em cartaz hoje, no Sesc Belenzinho.

Serviço:
Terra de santo, da Cia Os Fofos Encenam
Quando: hoje, às 19h. Amanhã (14), às 16h30.
Temporada: terças e quartas-feiras, às 20h30. Sábados, às 21h. Domingos, às 17h. (Exceto dia 28/10 – Unidade fechada ) até 11/11.
Onde: Sesc Belenzinho, São Paulo
Quanto: R$ 24 e R$ 12

Montagem fica em cartaz no Sesc Belenzinho até novembro

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , ,