Arquivo da tag: Leda Alves

Uma semana para Hermilo Borba Filho

Espetáculo problematiza e amplia a catástrofe natural. Foto:Danilo Galvão/ Divulgação

Enchente, com direção de Flávia Pinheiro, participa da programação. Foto:Danilo Galvão/ Divulgação

Congregar espetáculos e ações que dialoguem com a obra e a estética de Hermilo Borba Filho. A Semana Hermilo, que começa nesta terça-feira (5) e vai até o dia 10 deste mês, é a principal ação visível, ao lado do projeto O Solo do Outro, do Centro de Formação e Pesquisa em Artes Cênicas Apolo-Hermilo, mantido pela Prefeitura do Recife. A secretária de Cultura do Recife e viúva de Hermilo, Leda Alves, deve participar da abertura oficial da programação.

Hoje, o público pode conferir o Núcleo de Formação de Rabequeiros de Pernambuco. Logo depois, as bailarinas/performers Gardênia Coleto, Marcela Aragão e Marcela Filipe apresentam o trabalho Enchente, resultado do projeto O Solo do Outro. Com direção de Flávia Pinheiro, o espetáculo é inspirado em conto homônimo de Hermilo Borba Filho.

Confira a crítica do espetáculo Enchente.

Amanhã, a semana continua com o Cavalo Marinho Estrela de Ouro, do Mestre Biu Alexandre; na quinta-feira (7), o Magiluth revisita seu repertório, encenando o espetáculo Luiz Lua Gonzaga; de sexta (8) a domingo (10), fica em cartaz a peça A gloriosa vida e o triste fim de Zumba sem dente, com direção de Carlos Carvalho, baseada em O traidor, de Hermilo Borba Filho.

As apresentações são gratuitas e acontecem sempre às 19h30, no Teatro Hermilo Borba Filho, no Bairro do Recife

Luiz Lua Gonzaga, do Magiluth. Foto: Ivana Moura

Luiz Lua Gonzaga, do Magiluth. Foto: Ivana Moura

Serviço:

Semana Hermilo
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Horário: 19h30
Quanto: Gratuito. Os ingressos serão liberados com uma hora de antecedência

Terça-feira (5)
Núcleo de Formaçaõ de Rabequeiros de Pernambuco + Enchente

Quarta-feira (6)
Cavalo Marinho Estrela de Ouro

Quinta-feira (7)
Luiz Lua Gonzaga

Sexta (8) a domingo (10)
A gloriosa vida e o triste fim de Zumba sem dente

Postado com as tags: , , ,

Para lembrar Hermilo Borba Filho

Exposição Olhonu em Cena traz traz imagens de espetáculos feitas por Marcelo Lyra

Exposição Olhonu em Cena traz traz imagens de espetáculos feitas por Marcelo Lyra

O fotógrafo pernambucano Marcelo Lyra foi um versátil captador de imagens poéticas. Fez belos registros da cena artística pernambucana. Deixou fotos incríveis de muitas coisas, inclusive dos espetáculos de teatro e dança do Recife. O lançamento da exposição fotográfica OlhONu em Cena, com trabalhos de Lyra, a partir das 20h desta quarta-feira marca a abertura da Semana Hermilo, no Centro Apolo-Hermilo. Um dos fundadores da agência Olhonu, Lyra morreu em agosto do ano passado em um acidente de avião que transportava o ex-governador de Pernambuco, e então candidato Eduardo Campos e pessoas de sua equipe de comunicação, em Santos.

Hermilo Borba Filho

Hermilo Borba Filho

A Semana Hermilo, realizada anualmente pela Prefeitura da cidade, busca homenagear e divulgar a obra do dramaturgo, tradutor, ensaísta e encenador pernambucano Hermilo Borba Filho, nascido em Pernambuco em 8 de julho de 1917, e morto em 2 de junho de 1976, no Recife. O autor é uma referência nacional e sua obra é estudada em universidades brasileiras e estrangeiras. Hermilo é um dos criadores de dois importantes grupos: o Teatro de Estudantes de Pernambuco e o Teatro Popular do Nordeste.

Além da abertura da exposição, a programação desta quarta reserva para o público a performance Rabequeiros, sim senhor!, com integrantes do curso de rabeca do professor Cláudio Rabeca, realizado todo sábado no Apolo-Hermilo. A turma vai apresentar cinco composições.

Gilberto Brito interpreta o Palhaço Jurema

Gilberto Brito interpreta o Palhaço Jurema

Em seguida, a Cia. Construtores de História apresenta o espetáculo O Palhaço Jurema e os peixinhos dourados, com Gilberto Brito. Inspirado no conto O palhaço, de Borba Filho. O protagonista da história é um artista decadente de circo mambembe, que se encanta pela jovialidade de uma menina.

Uma conversa sobre a vida e obra do autor de Agá está marcada para encerrar a noite, com a participação da secretária de Cultura Leda Alves e do secretário executivo de Gestão Cultural Williams Sant’anna.

Mais programação da Semana Hermilo
Dia 9 (quinta), às 20h
Performance Mucurana – de mundo afora e história adentro, com Azaias Rodrigues;
Leitura dramática de A Donzela Joana, com os alunos do Instituto de Cultura Técnica;
Bate-papo com Carlos Carvalho, gerente geral do Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo-Hermilo

Dia 10 (sexta), às 20h
Leitura dramática de O General Está Pintando, de O Poste Soluções Luminosas;
Bate-papo com o autor, diretor, professor e ensaísta João Denys de Araújo Leite

Dia 11 (sábado), às 20h
Leitura dramática de As Meninas do Sobrado, da Cia. Fiandeiras de Teatro;
Bate-papo com gerente de Artes Cênicas do Recife, Romildo Moreira

Mais uma chance de assisitir Sebastiana e Severina

Mais uma chance de assisitir à peça Sebastiana e Severina

Dia 12 (domingo), às 16h
Sebastiana e Severina, produção de Cláudio Lira e Teatro Kamikaze.

Serviço
Semana Hermilo
Quando: De 8 a 12 de julho, de quarta a sábado, às 20h. Domingo, 16h
Onde: Centro Apolo Hermilo, Rua do Apolo, 101, Bairro do Recife
Informações: 3355.3318/3319

Postado com as tags: , ,

Entidades discutem crise na cultura

Desde que a Prefeitura do Recife divulgou oficialmente, no dia 29 de outubro, a notícia de que o Festival Recife do Teatro Nacional (FRTN) não seria realizado em 2014 e passaria a acontecer em edições bienais, sendo alternado com o Festival Internacional de Dança, muita coisa já se passou. A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2015, por exemplo, foi aprovada na Câmara de Vereadores com uma redução de 16% nos recursos conjuntos da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife (FCCR), o que significa R$ 17 milhões a menos para a cultura. Por outro lado, finalmente o prefeito Geraldo Júlio assinou a autorização para o início das obras no Teatro do Parque, fechado desde 2010.

Mas antes que a LOA fosse assinada e o anúncio com relação ao Teatro do Parque realizado, a equipe de Cultura da Prefeitura do Recife precisou apagar um incêndio. A secretária de Cultura, Leda Alves, e o presidente da FCCR, Diego Rocha, além de Carlos Carvalho, responsável pelo Apolo-Hermilo e, consequentemente, pela realização do FRTN, e Romildo Moreira, gestor de artes cênicas, se reuniram, no dia 10 de novembro, com as entidades representantes do setor de Artes Cênicas. Queriam atenuar a crise gerada pelo anúncio da não realização do festival sem que a classe artística fosse, ao menos, ouvida.

Foi depois dessa reunião que o Satisfeita, Yolanda? conversou com os representantes oficiais da classe. Participaram dessa conversa Paulo de Castro, presidente da Associação de Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe), Ivonete Melo, presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão no Estado de Pernambuco (Sated-PE), Feliciano Félix, presidente da Associação de Realizadores de Teatro de Pernambuco (Artepe), e Roberto Xavier, presidente da Federação de Teatro de Pernambuco (Feteape). Na entrevista, eles falaram não só sobre o atual momento na cultura do Recife, mas também se posicionaram com relação à questões polêmicas, como a crise na representatividade das entidades perante os artistas.

Nesta terça-feira (9), as associações e sindicatos vão novamente se reunir com Leda Alves e com Diego Rocha. Garantiram que, depois da conversa, vão convocar a classe artística.

Entidades e associações da classe artística vão conversar com Leda Alves nesta terça-feira. Foto: Ivana Moura

Entidades e associações da classe artística vão conversar com Leda Alves nesta terça-feira. Foto: Ivana Moura

Entrevista // Entidades representativas das Artes Cênicas em Pernambuco

Qual foi o caminho para que essa primeira reunião com a secretária de Cultura e o presidente da Fundação de Cultura tenha acontecido?

Feliciano Félix – Depois que saiu a notícia de que não haveria o festival de teatro do Recife, toda a classe artística começou a se movimentar; começaram a acontecer reuniões em vários segmentos. As próprias entidades se juntaram e fizeram uma nota de repúdio. Foi feita uma reunião no Espaço Caramiolas, com vários artistas de várias linguagens, onde foi tirado um documento contundente. Tudo isso chegou, obviamente, ao conhecimento da secretária. Ela convocou as entidades para conversar. Recebemos ofício por escrito assinado pela própria secretária para todas as entidades de artes cênicas. Na verdade, ela chamou a gente depois que o mal estar e a movimentação estavam instalados na cidade.

Como foi essa reunião?

Feliciano Félix – Na reunião, a secretária, o presidente da Fundação de Cultura do Recife e Carlos Carvalho tentaram explicar, justificar. Mas era para ter feito isso antes de ter dito que o festival seria cancelado. As entidades puderam falar e todas foram contundentes no sentido de que não concordam que os festivais de teatro e de dança sejam bienais.

Houve um pedido de desculpas formal para a classe? A secretária se desculpou por não ter ouvido a classe antes de tomar uma decisão dessas?

Ivonete Melo – Ela se desculpou, dizendo que era uma pessoa democrática, que antes de tudo era atriz, portanto não sabe como isso aconteceu e nem o porquê, já que ela é da área.

Ela disse que vai acatar o pensamento da classe?

Ivonete Melo – Não. Ela marcou uma reunião para o dia 9.

Paulo de Castro – O festival tem que voltar ano que vem. Agora a gente vê que é absurdamente ilógico fazer um festival. A gente compreende. Pela incompetência deles, mas compreendemos. A discussão é que, no próximo ano, as coisas sejam normalizadas. Mas acho que precisamos sair das questões culturais e ir para as questões políticas. Não temos que estar discutindo se é Carvalho (Carlos), se é Leda (Alves), se é aquele presidente que eu não sei nem o nome. A gente tem que focar no prefeito. Está claro que a ideia do prefeito é que ele não tem nada a ver com a cultura. Todas as situações culturais da cidade, e eu não falo só da dança e do teatro, falo da cultura pernambucana, ele cortou tudo, em todos os âmbitos. Até os ciclos! Se era um gasto x, está menos x. Porque isso? Porque a gente não fala, não grita, não chama o prefeito para uma ação mais contundente. O prefeito tem que entender o que é cultura, porque eu sei que ele não entende, e também não é obrigado a entender não. Mas ele é obrigado a compreender. E a gente não pode continuar como na prefeitura anterior. Perdemos quatro anos. Mas também já perdemos dois agora. São seis anos perdidos. É a hora de chegar para o prefeito e dizer: “prefeito, a gente precisa falar com você”. Ainda mais nessa época?! Era bom que ele viesse vestido de Papai Noel, para falar com a gente. Talvez surtisse algum efeito, ele entendesse do quê a cultura precisa. Já que o Natal é uma época tão boa e o Papai Noel um personagem importantíssimo. Eu acho, prefeito, que você deveria convocar os artistas da cidade para uma conversa, até para você entender o processo. Porque você tem uma mulher na secretaria que sabe tudo, mas não tem poder. Aí não adianta, prefeito. Você tem um cara que você colocou na Fundação que é uma pessoa sua, mas não entende do métier. É necessário que você respalde essas pessoas, para que elas tenham um convívio decente com a classe. Principalmente em se tratando de uma mulher como Leda Alves, uma mulher que sabe exatamente o que pode fazer. A questão hoje está centralizada no senhor prefeito. Ele tem que dizer alguma coisa. A gente não pode viver de bicicletas. É preciso ter algo mais do que bicicletas.

Beto Xavier – Teve uma questão colocada na reunião do Conselho Municipal de Cultura que é bem interessante. Essa questão do Festival foi só a cereja do bolo. Porque vem acontecendo várias coisas, teatros fechados, reformas que não tem data nem para começar e nem para terminar, os editais dos ciclos culturais, que não incluem teatro. E nós, enquanto Feteape, temos uma preocupação mais geral. Esse festival sendo transformado em bienal, pode causar o esfriamento e a descontinuidade disso. A Feteape tem como exemplo o projeto Todos Verão Teatro, que sempre aconteceu em janeiro. Depois houve um acordo para que ele fosse para março e, quando chegou março, a prefeitura disse que não tinha dinheiro por causa do carnaval. E deu-se esse esfriamento. Temo que isso aconteça agora.

Qual a posição de vocês na próxima reunião? Já que é uma questão muito mais ampla e não estamos discutindo pessoas?

Feliciano Félix – O posicionamento das entidades é dizer que não concorda que esses festivais sejam bienais. A outra questão que temos que ficar atentos é que existe um Plano Municipal de Cultura para a cidade do Recife, que foi aprovado em 2009. É um plano para dez anos, válido até 2019, e está sendo descumprido pela Prefeitura do Recife. Se você tem um Plano Municipal de Cultura que diz quais são as políticas estruturadoras que devem ser implementadas e lá fala que os festivais não anuais, fora os outros eventos que foram cancelados… Na hora que a Prefeitura não cumpre um plano que é lei, ela corre, inclusive, o risco de ser enquadrada por improbidade administrativa.

Essa é uma questão complicada. Esse plano realmente foi aprovado e sancionado por João da Costa em 2009, mas não há nenhum decreto regulamentando esse plano. Então, juridicamente, esse plano não teria valor. Diante disso, o que vocês pretendem fazer?

Feliciano Félix – Juridicamente é uma questão para ver com quem entende. Mas politicamente é muito ruim descumprir um documento que é fruto da luta, da batalha. Foram muitas reuniões, incansáveis, escutas com o movimento cultural, finais de semana inteiros discutindo, com todas as entidades, não só de artes cênicas. Politicamente, independente dessa questão jurídica, tem uma importância muito grande na construção da política pública de cultura, na democratização do acesso, do fomento, da formação. Isso tem que ser levado em consideração.

Paulo de Castro – E será levado, Félix. Se a gente admitir que nos quatro anos do outro prefeito, ele conseguiu fazer, como é que esse que veio com toda força política, o homem que veio abrir todas as portas do crescimento…eu não acredito! Quando ele for comunicado e entender o que está acontecendo, ele não vai fazer uma besteira desses. O festival de teatro, por exemplo, é insignificante financeiramente, inclusive. Um projeto de R$ 1 milhão, que é nacional, que abre mercado de trabalho. Mas a gente também não disse ao prefeito o mercado de trabalho que a gente abre. O prefeito pode achar que abriu centenas de vagas com as bicicletas. Eu diria a ele que nós abrimos milhares com nossos processos culturais. Muito mais que a Fiat, por exemplo! Quantos empregados tem a Fiat? Quantas pessoas nós empregamos por ano? Então essas coisas, numa discussão aberta, tranquila, sem nenhuma violência, sem nenhum sentido de direita e esquerda, de A ou B. A gente discute cultura. Não quero discutir teatro, quero discutir a cultura como um todo, puxando do Estado o dever que é dele e que está no Plano.

Feliciano Félix – Se existir uma decisão política, vontade política, não precisa Plano nenhum. É só fazer. Outra coisa que a gente observa é que os recursos para a cultura estão diminuindo ano a ano. A gente está até com um documento: Carta ao povo do Recife pela retomada e fortalecimento das políticas públicas de cultura na cidade do Recife. Esse foi o documento escrito a partir da reunião de artistas de várias linguagens no Caramiolas. Foi feito um levantamento e a cultura tem sofrido cortes. E há uma projeção de redução de 16% em relação a esse ano.

Essa situação, já que o próprio Feliciano está dizendo que os valores destinados à cultura foram diminuindo ao longo do tempo, e pensando que essa prefeitura está aí há dois anos, chegamos a essa situação por quê?

Paulo de Castro – Pela fragilidade da própria classe, claro. O governador e o prefeito eles não têm culpa de nada. Porque o foco deles é outro. Até porque eles não entendem de cultura e nem acham que política cultural dá voto. Quem tem que mostrar isso a ele somos nós. Nunca vou dizer que fulano de tal, que é o governador, o prefeito, é culpado das coisas. Eu posso até dizer coisas piores a eles, mas jamais isso. Porque isso é uma questão de discussão própria da categoria e é uma exigência. Afinal de contas, pagamos os tributos normais e somos as pessoas que criamos a cultura desse país. Não é qualquer coisa não. Nós temos um valor que deve ser mensurado, pensado e repensado, e respeitado, antes de tudo.

Feliciano Félix – Concordo, mas há falta de sensibilidade por falta do governo e atenção para a cultura. Porque se eles tivessem atenção, por mais que houvesse a fragilidade da classe…a coisa não estaria como está. Porque a ausência deles na reunião do Conselho Municipal de Cultura?

Paulo de Castro – Porque não interessa! Eles não vêem aí nenhuma motivação. E outra coisa, os secretários vão tomar conta das suas secretarias para criar e deixar as marcas deles, como se as marcas deles fossem uma coisa importante para a cidade, quando muito mais importante seria eles verem o que a população quer e fazer os projetos que a população necessita, seja em qualquer setor, no esgoto ou na cultura, no que for. Mas aí vem um secretário, cria uma história, é eleito com não sei quantos milhões de votos; e a sociedade se abestalha e não diz: não é isso que a gente quer não, pelo amor de Deus, a gente quer outras coisas. Agora a gente tem que dizer, porque senão eles não vão ouvir, não vão saber.

Quero fazer uma pergunta nesse sentido. Vocês esperaram que a Prefeitura divulgasse, e muito mais motivada pela imprensa, quase em novembro, que não haveria festival. Quando todo mundo já falava sobre isso, já havia um burburinho na cidade, isso corria à boca miúda. Porque vocês esperaram ver que o festival não ia acontecer para tomar uma atitude?

Ivonete Melo – Eu mesma só vim saber depois que saiu na imprensa. Até então, nem boca miúda eu tinha escutado.

Então as associações não estão acompanhando o que está acontecendo na cidade…. Porque um festival nacional gera articulações…

Feliciano Félix – A gente não acreditava que houvesse esse descaso.

Paulo de Castro – A questão não é essa. A questão é articulação. As entidades elas não podem estar desarticuladas entre si e elas estão. E não tem problema de dizer isso.

Ivonete Melo – E você sabia que não ia ter o festival através de quem?

Paulo de Castro – Através do jornal, dos amigos.

Se você está em novembro e nada aconteceu…

Paulo de Castro – Se a gente está articulado, a gente sabe disso antes. Quando eles falassem no festival, a gente pediria uma reunião. O que vai ter? A gente tem que estar cobrando. É uma surpresa e o milagre acaba sendo dela, porque foi Leda quem convocou a gente. A gente ia meter o pau no jornal e ia ficar por isso mesmo e não ia ter. Então, nesse ponto, tenho que argumentar que Leda foi a salvação da história, porque ela viu, é uma mulher democrática, uma mulher que respira cultura, da classe, viu: “pô, como é que se faz isso sem nem convocar, para saber o que se pensa?”. O erro é nosso, porque temos que voltar a ter articulação como tínhamos há 20 anos. Nada acontecia nessa cidade sem a gente saber. Quando Jarbas (Vasconcelos) tentou, imaginou, que ia pegar os teatros da cidade para vender, não deu 24 horas, a gente deu uma pressão nele, parou tudo. Agora não adianta se mobilizar só quando tiver o crime. Quer dizer, só depois que uma pessoa morre, nós chegamos? É preciso também que a gente chame a categoria que não está participando, que é a maioria, até porque desacredita, mas se desacredita é um problema deles, eles têm que ver e abrir os horizontes, porque a gente precisa estar junto, presidente de entidade não resolve nada sozinho não.

Os artistas não se vêem representados pelas entidades – tanto é que surgiram vários movimentos, diferentes reuniões aconteceram desde o anúncio que não haveria festival. Como é que vocês vão lidar com essa falta de representatividade?

Ivonete Melo – O sindicato não é só os presidentes não. Paulo tem razão. Porque a classe falar é uma coisa e chegar até as entidades e dizer o que quer, como quer e vamos agir, é outra coisa, entendeu? Os presidentes sozinhos não resolvem nada não. Resolvem com a classe. Por exemplo: se a classe sabia disso há muito tempo, porque não foi lá? A classe não falou lá, na avaliação, quando terminou o festival ano passado?

Mas quem deveria ter permanecido cobrando isso não eram as entidades? Como pessoas jurídicas?

Paulo de Castro – Também. Mas a classe também tem todo o direito, assim como temos de tirar um governante, a classe tem direito de tirar um Paulo de Castro, por exemplo. Mas há também de se dizer que, de uns quinze anos para cá, a classe só pensa no umbigo. O que é que eu tenho? O que é que eu posso? Até porque a situação financeira está ruim. Quero só fazer um parêntese de que a situação financeira do Brasil é realmente muito ruim e ficará pior e quem pensa que é brincadeira vai se dar mal. Voltando à categoria, tenho todas as culpas do mundo, mas estou aberto a discussões. Mas não pode querer só abraçar teatro. Não se resolve política cultural abraçando teatro.

Ivonete Melo – E sozinho, fazendo as coisas sozinho.

Paulo de Castro – E discutindo as questões em mesa de bar. Tem que fazer uma assembleia e chamar quem você acha que está errado. Convoque uma assembléia da Apacepe, do Sindicato, pra ver se nós não fazemos?

Ivonete Melo – Nunca nos negamos.

Paulo de Castro – Mas o mundo hoje é outro. Há 30 anos, não tinha nem o celular. E a gente combinava uma reunião em 24 horas. Hoje a gente tem isso aqui e não consegue juntar cinco pessoas, porque cinco pessoas têm duzentas coisas pra fazer. O mundo virou. Essa tecnologia afastou as pessoas.

Voltando à questão: o que vocês pretendem na próxima reunião na Prefeitura do Recife?

Paulo de Castro A gente vai lá provar por A+B que não há o menor problema da Fundação ou da Secretaria fazer o festival anualmente, porque o problema financeiro não é verdade. O problema é a gestão entender que é importante e colocar a grana na Loa, entendeu? Como quando eles querem, colocam. Quando o governo quer fazer uma ação, o dinheiro chega antes. Quando o governo, seja Prefeitura, Governo do Estado ou Federal, ele quer fazer uma ação que precisa pagar antes as pessoas, ele arruma o dinheiro e paga. Agora, quando não quer, só pode pagar com 60 dias, com 90 dias. Ai vira essa brincadeira. Porque a coisa mais fácil do mundo é dizer que o órgão é emperrado. Claro que o órgão é emperrado. Mas quando a pessoa quer decidir politicamente, desemperra tudo em 24 horas.

Mas e para além dos festivais, as outras questões, como o SIC, o Fomento?

Paulo de Castro Essa é a próxima reunião. A gente não vai discutir só festival não. A gente tem que discutir: “olhe, essa grana que estava aqui e faz tanto tempo que não entra. E agora vocês dizem que vai ser R$ 33 mil?” Não pode ser dessa forma. Então a gente tem que discutir isso. Mas não é só isso não. Tem uma série de coisas que não são mais feitas. Não se faz mais nada, acabou tudo.

Ivonete Melo – O Hermilo mesmo tinha. O Aprendiz Encena, O solo do outro, que isso tudo é formação, oficina. Tem uma série de coisas que nada mais acontece.

Paulo de Castro – Mas veja bem. Lá no Hermilo, tem várias oficinas. Podem não ser as que já estavam na cabeça da gente. Mas está lá. O problema é de quem está no Hermilo e que olhar ele quer pro Hermilo. Isso passa também por quem está dirigindo. E se ele está só e não tem nenhuma cobrança, se a gente não vai atrás, ele vai fazendo, é natural. Dizer: “olha, a gente precisa fazer um curso com os técnicos. Os técnicos estão morrendo aí e não estão repassando para os jovens”. Só que essa coisa toda requer muito tempo da gente e a gente não ganha um tostão pra isso. E chega um momento que, por exemplo, “hoje eu não posso, porque vou fazer um palhaço na casa de alguém pra ganhar 300 contos”. E você na mesma hora dissipa a discussão. Isso acontece direto. Se você colocar uma reunião agora à noite e conseguir juntar 20 pessoas, você sobe aos céus.

Diante dessa falta de mobilização, o que vocês vão fazer? Vocês pretendem acionar o Ministério Público?

Feliciano Félix – O cancelamento dos festivais foi apenas a gota d´água. Tem uma série de problemas que vem há muito tempo. O Teatro do Parque fechado há tanto tempo; o Barreto Júnior não recebe espetáculos por causa do ar condicionado. A gente não tem casas de espetáculo pra fazer nossos espetáculos. Na minha opinião falta planejamento, falta previsão orçamentária para cobrir essas ações. Acho que falta clareza da política pública pensada por essa gestão para que a gente possa entender e acompanhar.

Paulo de Castro – Não tem. O cara está no teatro, faz a política para o lugar. Mas não é um pensamento, uma ideia que seja jogada para a sociedade, esse é o pensamento geral.

Esse não seria um problema da secretária, não seria ela a responsável por pensar ou chamar as pessoas, os estudiosos, a academia, e traçar esse plano para a sociedade discutir?

Feliciano Félix – E não precisa começar do zero, porque já existe o Plano Municipal de Cultura.

Paulo de Castro Porque esse pensamento, do maior grau que é a secretária, ele não é verdade. O pensamento tem que ser o da categoria. O que é que nós queremos que a secretária faça? Eu vejo que é diferente. Não é o que a secretária vai fazer para a gente e sim o que nós queremos que ela faça. Se ela traz uma coisa boa e que nos interessa, claro que a gente vai , mas a gente não tem que ouvir a secretária. Ela é que tem que nos ouvir. Ela é paga para ouvir e fazer o trabalho. Outra coisa: ela não é paga para executar o trabalho não. Ela tem que contratar as pessoas certas da cidade para produzir determinado evento ou espetáculo, porque a qualificação deles lá não é essa.

Vocês pretendem acionar o Ministério Público?

Paulo de Castro – No momento, na minha opinião, de jeito nenhum. O Ministério Público é para pessoa física. Como entidade, tem que pensar, discutir, pra ver quais são as possibilidades. Se for para partir para a briga depois, nós partimos.

Paulo de Castro, Roberto Xavier, Ivonete Meo e Feliciano Félix

Paulo de Castro, Beto Xavier, Ivonete Meo e Feliciano Félix

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Prefeitura discute festivais de teatro e dança

*Atualizada às 17h29

Errata:
A assessoria de imprensa da Secretaria de Cultura do Recife entrou em contato para esclarecer que a Prefeitura do Recife ainda não voltou atrás na decisão de tornar os festivais bienais. Segundo a assessoria, a reunião foi de escuta; e isso será decidido entre as representações de classe, a Secretaria de Cultura do Recife e a Fundação de Cultura Cidade do Recife. Uma nova reunião está marcada para o dia 9 de dezembro, às 10h. De acordo com algumas pessoas entrevistas pelo blog, o recuo da Prefeitura ficou subentendido pelo decorrer da reunião.

Confira a nota publicada pelo blog:

A Prefeitura do Recife resolveu recuar. Depois de anunciar que o Festival Recife do Teatro Nacional e o Festival Internacional de Dança do Recife seriam bienais, realizados de forma intercalada, sem que a sociedade civil e a classe artística fossem ouvidas, a decisão foi revista.

Leda Alves, secretária de Cultura do Recife, e o presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Diego Rocha, tiveram uma reunião na manhã de ontem (10), no gabinete da secretária, no prédio da Prefeitura, com representantes da Associação de Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe), da Federação de Teatro de Pernambuco (Feteape), do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão no Estado de Pernambuco (Sated), da Associação de Realizadores de Teatro de Pernambuco (Artepe) e do Movimento Dança Recife.

De acordo com informações, Leda Alves teria pedido desculpas à classe artística por anunciar que os festivais seriam bineais sem nenhuma discussão pública prévia. Mesmo com o recuo, não haveria recursos e tempo hábil para realizar a edição 2014 do Festival Nacional. A promessa é de que novas reuniões devem ser realizadas mensalmente entre os sindicatos e a Prefeitura do Recife.

Leda Alves pediu desculpas à classe artística. Foto: Ivana Moura

Leda Alves pediu desculpas à classe artística. Foto: Ivana Moura

Postado com as tags: , , , , , , , , , ,

O tempo ainda é de faxina no Centro Apolo-Hermilo

No restante da entrevista que concedeu ao blog, Carlos Carvalho fala sobre o Centro Apolo-Hermilo e sobre gestão cultural. Foto: Pollyanna Diniz

No restante da entrevista que concedeu ao blog, Carlos Carvalho fala sobre o Centro Apolo-Hermilo e sobre gestão cultural. Foto: Pollyanna Diniz

Mesmo que a gestão Geraldo Júlio tenha assumido a Prefeitura do Recife há quase dois anos, a impressão que se tem é que, na cultura, a fase ainda é de arrumação da casa. Os passos são lentos e miúdos, quando não há retrocesso, haja vista o cancelamento da edição 2014 do Festival Recife do Teatro Nacional (FRTN), confirmada pelo diretor do Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo-Hermilo, Carlos Carvalho, em entrevista ao Satisfeita, Yolanda?, na semana passada.

No Apolo-Hermilo, aliás, a faxina assume o sentido literal do termo. Durante a conversa concedida a Ivana Moura e a Pollyanna Diniz (e já publicada parcialmente, com as questões que diziam respeito ao FRTN), Carlos Carvalho fala do barulho da arquibancada, do mofo dos camarins, do entulho no porão do teatro, e ainda da reestruturação técnica e de pessoal. O Teatro Hermilo Borba Filho deve, inclusive, fechar para reforma em 2015. Ainda não há, no entanto, um projeto pedagógico para o Centro. A única ação de “formação” que saiu do papel foi a abertura do espaço para que artistas da cidade (três produções no total) pudessem ensaiar nas dependências do Apolo-Hermilo.

Na entrevista, Carlos Carvalho trata das suas ações à frente do Centro de Formação, revela que não há orçamento definido para ações específicas, confessa que é bastante solicitado pela secretária de Cultura, Leda Alves, para assumir outras atividades na gestão, e cobra participação na discussão da política cultural da cidade por parte das entidades de artes cênicas e da sociedade civil.

Nesta segunda-feira (3), aliás, artistas ligados ao teatro vão se reunir no Espaço Cênicas Cia de Repertório (Rua Marquês de Olinda, 199, Bairro do Recife), para decidir como vão proceder diante do cancelamento do Festival Recife do Teatro Nacional.

ENTREVISTA // CARLOS CARVALHO

O que você planejava quando entrou aqui como gestor e o que você tem conseguido fazer?
Vir para cá não é só vir para o trabalho. É o encontro de um sonho. Vi o Centro Apolo-Hermilo nascer, desde quando aqui era um armazém. Quando Leda me chamou, eu estava na Fundarpe. E ela me disse: “Carlos, estou te chamando, quero você na minha equipe, para ir para o Centro Apolo-Hermilo, para fazer do Centro Apolo-Hermilo, de fato, um centro de formação e pesquisa”. Na hora, eu nem pestanejei. Na primeira semana, reuni todos os servidores da casa e a palavra que chamei atenção foi companheirismo, compartilhar. Não vou dizer reengenharia, mas vou dizer que a gente está tentando fazer um novo modelo de gestão, compartilhado, propositivo, fraterno. Nesse encontro com os servidores, fizemos um pacto de que não falaríamos nem Teatro Apolo, nem Teatro Hermilo, falaríamos Centro Apolo-Hermilo. Quase sempre quando você se reporta ao Teatro Apolo ou ao Hermilo, você se reporta à difusão e não à pesquisa. O Teatro sempre foi pensado e é pensado pela grande maioria dos que fazem as artes cênicas no Recife, como um lugar de difusão. E não está errado. Porque tudo que foi feito aqui pensando a formação e a pesquisa, foi pontual, mesmo que até anualizado, mas não era um programa de desenvolvimento pedagógico. A segunda coisa foi atacar o que tinha de problemas emergenciais. Vamos para a parte física. Exemplo: a arquibancada daqui, do Hermilo, todo mundo que já frequentou esse teatro sabe, quando a gente subia, estralava. Com R$ 600, conseguimos consertar. O mofo nos camarins do Teatro Hermilo. Era uma coisa recorrente, você chegava para trabalhar nos camarins e estava com cheiro de mofo. E não era por falta de zelo. Era porque estava fechado, se não estava em uso, ficava fechado. O que nós fizemos? Fizemos uma grade nas janelas, abrimos a porta. Coisas desse tipo: recuperação dos refletores, limpeza do urdimento, limpeza do porão. Nós tiramos dois caminhões de material imprestável que estava no porão do teatro. Pintamos esses dois teatros duas vezes já em um ano e meio. Não fizemos a fachada do Apolo porque precisa do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), mas o Hermilo, acabamos de pintar a fachada. Desde a inauguração do Hermilo, uma coisa simples, o letreiro do teatro não tinha luz, agora tem. Então fomos trabalhando nisso: pinturas, recuperação de equipamentos, de eletricidade. Tinham coisas que estavam a ponto de provocar um acidente. Enfim…e tivemos a sorte de ir para o monitoramento do prefeito; ele utiliza do mesmo monitoramento que o ex-governador Eduardo Campos. Leda me chamou uma vez. Falei um pouco ao prefeito da importância do Centro para Recife, para Pernambuco e para o Nordeste. Falei das dificuldades físicas. Na mesma hora, ele autorizou a Urb (Empresa de Urbanização do Recife) a começar um trabalho de visitas aqui para levantar quais eram os problemas. Foram feitas várias visitas de arquitetos e engenheiros aos dois teatros, ao Centro como um todo, e se deu preferência a começar os trabalhos pelo Teatro Hermilo. Foi feito um levantamento, que está em torno de onze grandes intervenções, desde telhado até infiltração. Fizeram uma licitação, já tem uma empresa que ganhou agora a licitação há pouco tempo, um mês, dois, para fazer os projetos. Depois tem a licitação para a execução dos projetos. De fato, o que se projeta é: em 2015, acho que lá para meados de 2015, junho, julho, a gente deve estar fechando o Hermilo para reforma. O que está acordado é tempo para fechar e tempo para abrir. Eu não sei precisar neste momento, porque os projetos de intervenção não foram feitos ainda, por quanto tempo vão se dar essas obras, mas o que está acordado, entre nós, a Secretaria, Leda e a Urb, é que a gente tenha tempo para fechar e para abrir. No processo de execução da obra do Hermilo, começa o processo de criação dos projetos de intervenção para o Teatro Apolo.

Durante esse período que o Hermilo fica fechado, vocês pensaram em alguma alternativa, algum espaço que pudesse ser um espaço alternativo?
Não. Isso não entrou no planejamento. O que estamos pensando é: o mais rápido possível termos uma resposta mais precisa de quando as obras começam; porque preciso dialogar com todos os produtores que ainda esperam que seus produtos, que seus resultados criativos, venham para cá. Esse é um problema. O segundo semestre aqui é um semestre impossível ainda – e não será no futuro, espero que a gente tenha esse diálogo bem profícuo com os fazedores daqui da cidade – porque de junho até dezembro são oito, nove festivais que acontecem. E aí você tem o tempo da montagem, da desmontagem, do espetáculo, mesmo com as outras salas que já abri, como no mezanino, mas quando acontecem esses festivais, até iniciativas nossas de formação, ficamos sem espaço. Portanto, neste momento, o Centro Apolo-Hermilo só pode funcionar com projetos próprios de formação e pesquisa no primeiro semestre; no segundo semestre não tem. Esse é um diálogo que não consegui fazer, digo eu, puxando pra mim enquanto gerente aqui do Centro. Mas é uma discussão urgente. Para pensar como encontrar alternativas do Centro ser ocupado na difusão, mas tendo como prioridade máxima a formação e a pesquisa.

Quanto vai custar essa reforma do Centro?
Não sei. Não sei quanto foi destinado. Sei que o processo está sendo puxando pela Urb. Não tenho conhecimento do valor dos recursos que estão destinados. Mas, como houve autorização do prefeito, e a Urb atendeu e já fez licitação, e já tem empresa que ganhou para fazer os projetos… Agora não sei precisar, até porque os projetos não estão prontos.

Imagem de arquivo do Teatro Apolo. Foto: Pollyanna Diniz

Imagem de arquivo do Teatro Apolo. Foto: Pollyanna Diniz

Você falou de reestruturação física da casa, mas você teve tempo para pensar os projetos de formação? Eles estão acontecendo? Quais são?
A gente está num processo, digamos assim, de planejar por etapas. Sendo bem lógico: o que a gente pode avançar antes dos diálogos estarem acordados? Já tenho pedido aqui para 2015, de vários festivais. Ou seja: que bom, que os caras estão planejando com um ano de antecedência. Isso é ótimo para a produção da cidade. Mas é preciso que eu tenha também responsabilidade para dizer a ele, se não em 2015, em 2016, se é que eu estarei aqui, “olha, em 2016 a gente só pode disponibilizar tantos meses, porque a gente já acordou, todos nós, na mesa, nós teremos um curso intensivo disso, daquilo’. Tem uma parceria que está conversada, nada no papel, com Cascais, com Sorbonne, tem umas coisas que já comecei a conversar. Mas tudo isso precisa de um ano, um ano e meio, dois anos de antecedência. Não posso celebrar nenhuma parceria com entidades de fora sem pelo menos dois anos de antecedência. A gente está pensando. Estamos criando um projeto de desenvolvimento da formação e da pesquisa das artes cênicas. Esse programa vai atingir as quatro expressões das artes cênicas, teatro, dança, circo e ópera. Isso tudo ainda está muito embrionário, mas estamos trabalhando. A gente teve uma experiência muito exitosa que estamos tentando fazer em 2015 novamente. Estamos na fase de planejamento para 2015. Até novembro, espero que a gente tenha o orçamento daqui votado, acertado. Queremos continuar o projeto espaço de criação. Não tem nada de novo, de fabuloso, mas ele conseguiu atingir seus objetivos de forma muito satisfatória: que é ter espaço para as pessoas ensaiarem ou pesquisarem. Fizemos um edital, espaço de criação, para montagens ou pesquisa, com ou sem resultados. O que nos interessava era o processo; então todos vão deixar relatórios dos três meses que ficaram aqui, quatro horas por dia, de segunda a quinta. Paula de Renor ensaiou Rei Lear; Anamaria Sobral repensou Palavras da sombra; e Raimundo Branco, com a Compassos Cia de Dança, já vai com seis meses de residência, ele está montando e estreia aqui na casa em novembro. Outra luta, que nós capitaneamos, mas conquistada por todos os outros gerentes, de todos os outros teatros da cidade, foi a vinda de técnicos terceirizados. Agora a gente tem uma equipe pela manhã, uma equipe à tarde e uma equipe à noite até 0h. Isso quer dizer que qualquer pessoa pode montar e desmontar o que quiser aqui sem pagar a mais.

Rei Lear, que estreou no Rio de Janeiro e fará temporada no Apolo este mês, ganhou edital de residência artística para ensaiar no Centro Apolo-Hermilo. Foto: Guga Melgar

Rei Lear, que estreou no Rio de Janeiro e fará temporada no Apolo este mês, ganhou edital de residência artística para ensaiar no Centro Apolo-Hermilo. Foto: Guga Melgar

Você é gerente do Centro Apolo-Hermilo, mas ao mesmo tempo, assume outras funções na gestão, até pela sua relação de confiança com Leda Alves. Como é isso?
Tenho assessorado Leda em muitas coisas e fico muito honrado pela confiança que ela coloca nos meus ombros. Não só eu tenho assessorado, mas outras pessoas também, noutras atividades. Tenho assessorado ela em várias questões: nos ciclos, carnaval, São João e Natal. Tenho uma ligação histórica com a cultura popular e, sem falsa modéstia, conheço razoavelmente bem o estado de Pernambuco, inclusive por conta do meu tempo na Fundarpe. Conheço muito do carnaval, do São João e do Natal, no estado e no Recife também. E outras demandas da secretaria que ela vai me chamando, né?

Você não fica assoberbado de coisas?
Fico. Mas era antes mais. O que acontecia? Planejamento. Sou virginiano, minha ascendência é virgem. Então, aparentemente, sou desorganizado, mas não sou. Agora sei que as minhas reuniões com Leda, neste momento, são à tarde. Então passo tudo para o período da manhã. Não é problema não. E agora estou mais tranquilo porque tem Ivo (Barreto) aqui e Eron (Villar) na técnica. São pessoas que conheço há muito tempo, que são parceiros meus de muito tempo, além da casa, então saio daqui com muita tranquilidade, além da equipe mesmo do teatro, que faz isso há muito tempo e sabe fazer.

A questão técnica dos teatros é antiga. Qual a situação atual? Os produtores ainda precisam alugar equipamentos para fazer temporada aqui?
A gente está recuperando, refletores que tinham problemas de toda sorte. Mas ainda há necessidade. Então o que está acontecendo agora? Está em curso um processo de licitação para compra de lâmpadas. O problema é que fornecedor de grande porte é difícil, para competir numa licitação dessas. Não é tão fácil, aqui no Recife. A maioria das empresas que fornece lâmpadas é de São Paulo. A mesma coisa é equipamento, mesa e tal. Mas a ideia é que, em dezembro, janeiro, nós estejamos com todas as lâmpadas, do que está em operação, colocadas; e mais, pra cada refletor, uma lâmpada reserva. Isso seria o ideal.

O Janeiro de Grandes Espetáculos vai precisar alugar equipamentos para acontecer aqui?
Acho que sim. Mas não tanto quanto o ano passado. E os gastos do Janeiro provavelmente serão menores com horas extras, pagamentos de técnicos, porque agora a gente tem equipe. Isso tudo vai baratear o custo operacional de quem está ocupando o teatro.

Qual o orçamento do Centro Apolo-Hermilo?
A gente tem pequenos recursos mensais que variam muito. Esses pequenos recursos, R$ 2 mil, R$ 3 mil, R$ 5 mil, R$ 6 mil, isso depende muito. Quando vem, a gente está aplicando nessas pequenas intervenções.

Mas quanto custa a manutenção do Centro?
A manutenção completa não tenho como te dizer. Porque, por exemplo, pagamento de eletricidade, pagamento de água, isso não vem pra cá, já vai para outros setores. Agora que é muito, é. Porque são dois ar-condicionados antigos, que precisam ser comprados novos, o conserto deles é caro, a manutenção, quebram com muita facilidade; são dois equipamentos desses, com 40, 50 refletores funcionando.

Mas vocês não recebem uma verba para trabalhar os projetos do Centro?
Ainda não. Está no orçamento de 2015. Nós teremos um recurso básico para cada equipamento.

Já sabe qual é o valor?
Não sei ainda.

Está circulando por aí que dona Leda vai sair da secretaria. Você sabe de alguma coisa?
Não sei. Espero que não. Ela tem muito a contribuir ainda. E, ao mesmo tempo, não posso negar, enquanto amigo, e gosto muito de Leda, que suponho que é muito puxado para ela. Apesar que Leda é mais dinâmica do que eu. Ela chega pela manhã e vai direto, almoça trabalhando. Agora…é uma pessoa que tem 80 e poucos anos, ninguém pode dizer que não. Mas acho que ela é de um dinamismo muito grande. Não gostaria que ela saísse. E não é porque sou cargo de confiança dela e ela saindo eu poderia perder esse cargo. Eu gosto muito de gestão, tenho aprendido a ser um gestor. Mas, na verdade, sou feliz é fazendo teatro. Posso dizer a vocês que, todo dia que eu chego aqui, agradeço, porque é muito bom quando você faz as coisas e você vê elas acontecendo. É um refletor, abaixar essas varas e tudo limpinho, tudo pintado, cortina. É muito bom, você ver as coisas funcionando, as pessoas agradecendo. Mas, de fato, o que eu gosto de fazer mesmo é teatro. E eu estou preparando.

Carlos Carvalho acredita que Leda Alves ainda tem muito a contribuir à frente da Secretaria de Cultura do Recife. Foto: Ivana Moura

Carlos Carvalho acredita que Leda Alves ainda tem muito a contribuir à frente da Secretaria de Cultura do Recife. Foto: Ivana Moura

Como você avalia essa participação dos artistas, tirando por você, Leda, Ariano, os artistas que ocupam cargos nas várias gestões? As reclamações são sempre muito grandes, porque há muito por se fazer e o processo é muito lento. Fico até contagiada com o seu entusiasmo. Só que isso não é algo que se projete, nem para o grande público e nem para a classe, porque esse trabalho parece um trabalho miudinho, que é feito dentro de uma estrutura. Mas, ao mesmo tempo, precisaria de outro tipo de trabalho, outras ações, que dão sustentação…
Você falou do miudinho. Acho que precisamos ser parceiros. Mas parceiros, não é como diz: os mineiros só são solidários no câncer. Acho que política pública não é só feita por quem está fazendo a gestão. Política pública é uma parceria. Se você não discute política, mas não é a política da roupa suja, não é política do meu umbigo, não é falar do meu projeto. E a gente vê muito isso. Estou dizendo porque também já fiz isso. Não estou apontando o dedo para ninguém, aponto para mim. Penso que essa é uma discussão que precisa ser feita com estofo, com vontade. Não fazendo passeata. Passeata é bom. Mas e depois da passeata? Por que a gente não senta e discute? Estou muito tranquilo para dizer assim: ‘gente, vamos conversar?’. Por que a gente não senta para conversar? Cadê as entidades? Onde é que está a democracia dentro das próprias entidades? Não tem. Ou, se tem, é tão falha, quanto o que se acusa dos outros que não têm. Penso que está chegando o momento de sentar, como gente grande, discutir coisas como gente grande. Pernambuco tem coisas muito boas, que foram referência. A gente tem uma Lei Pública da Cultura, um antiprojeto de Lei, a gente tem um plano de gestão, da primeira gestão de Eduardo (Campos), que está pronto, que precisa ser discutido. Tive oportunidade inclusive de conversar com, eu só não, muita gente, falei coisas que acredito para Paulo Câmara. Acho que é chegado o momento. É preciso que a gente corte a carne. É preciso que a gente vá para a Feteape (Federação de Teatro de Pernambuco) e se corte a carne da Feteape. É preciso que se corte a carne da Apacepe (Associação de Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco). É preciso que se corte a carne do Sated (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão no Estado de Pernambuco). É preciso que a gente discuta isso dentro das nossas entidades. E fórum de cidadãos. Por que não? O Centro está aqui. Estou me preparando. É como: eu estou na minha casa, vou convidar você para almoçar na minha casa se eu não tenho comida? Não, não vou. O que é que eu estou fazendo? Estou preparando esse miudinho aqui, deixando a casa confortável para as pessoas, para que elas percebam que estamos trabalhando, fazendo, que a gente acredita, e que está disposto a discutir. Discutir coisas que sejam tanto de funcionamento da casa quanto formação, formação do cidadão artista.

Já que estamos falando em discussão, sabemos que o Centro Apolo-Hermilo é ligado à Secretaria de Cultura, e a Gerência de Artes Cênicas (hoje chamada Divisão de Artes Cênicas) é vinculada à Fundação de Cultura Cidade do Recife. Mas a Gerência promoveu uma discussão sobre artes cênicas. Embora essas decisões tenham sido tomadas para a Gerência, mas como tudo é Prefeitura do Recife, uma gestão só, gostaria de saber o reflexo dessas decisões aqui. E porque as pessoas não viram você lá? Todas as entidades estavam representadas…
Não fui. Estava de cama. Tive diverticulite, quase fui operado. Fui hospitalizado de urgência e tive que ficar 15 dias em casa tomando antibiótico, com regime especial, mas acompanhei. Nós estamos agora em pleno seminário para discutir uma estratégia de gestão para a Secretaria, conjuntamente com a Fundação, sem apartheids. Fundação e Secretaria são duas coisas que se completam. A superação dos contraditórios vai se dar agora. A gente está criando um ambiente para se discutir tanto a Secretaria, quanto a Fundação. Isso é muito bom para o governo Geraldo Júlio, que abre a oportunidade para essa discussão no seu seio, internamente; é bom para a sociedade civil, porque provavelmente isso vai influir na relação com a sociedade civil. Falta também essa sociedade civil fazer coisas, discutir coisas.

Você acredita que a cultura é prioridade para a gestão Geraldo Júlio?
Acho. Acho que a cultura é prioridade. Mas quando a gente fala prioridades, há muitas prioridades. Não sei te dizer se há uma escala. Acho que a gestão está trabalhando.

Não tenho dados, mas soube que houve um corte grande de recursos na Secretaria de Cultura…
De todas as secretarias. Não foi só Cultura. Todas as secretarias receberam cortes, por questões orçamentárias mesmo. Porque a peça orçamentária é uma peça de ficção. Se você diz assim: ‘vou gastar em 2015, R$ 1 milhão para tirar isso aqui do lugar’ e você não arrecada para isso…você está projetando para o futuro algo que você não tem. Então isso ocorre.

Postado com as tags: , , ,