Arquivo da tag: João Denys

Mundo povoado de seres e narrativas

Manoel Carlos e Andre Filho no elenco de Histórias por um Fio. Foto: Rogério Alves

Manuel Carlos e Andre Filho no elenco de Histórias por um Fio. Foto: Rogério Alves / Divulgação

A concepção do mundo e a invenção dos universos subjetivos, trançados e narrativas conduzem o espetáculo Histórias por um fio, da Cia. Fiandeiros de Teatro. A dramaturgia da peça foi inspirada nos contos da tradição oral ibérica, indígena e africana.  A tarefa do personagem Mavutsinim, o deus indígena, é povoar a Terra de seres e histórias.

A montagem tem direção de João Denys, produção de Daniela Travassos, dramaturgia de André Filho e direção de arte de Manuel Carlos. Histórias por um fio faz apresentações nos dias 17 e 18 de junho, no Espaço Fiandeiros, na Boa Vista.

A peça faz parte do projeto Dramaturgia – Teatro Para Infância e Juventude e conta com incentivo do Funcultura. Histórias por um fio tem marcada uma exibição especial para escolas convidadas no dia 16, em sessão com tradução para Libras (Linguagem Brasileira de Sinais).

FICHA TÉCNICA
Dramaturgia: André Filho
Direção: João Denys
Direção de Arte: Manuel Carlos
Direção de Produção: Daniela Travassos
Direção Musical: Samuel Lira
Elenco: André Filho, Charly Jadson, Daniela Travassos, Manuel Carlos
Músicas: André Filho
Desenho de Luz: André Filho
Operação de Luz: Rodrigo Oliveira
Execução de Sonoplastia: Marcelo Dias
Percussão: Charly Jadson
Registros de imagens: Sobrado 423
Costureira: Irani Galdino
Equipe de Cenotécnica e pintura: Manuel Carlos, Jerônimo Barbosa, Charly Jadson, Robério Oliveira e Júlio Richardson
Produção Executiva: Renata Teles e Jefferson Figueirêdo
Realização: Companhia Fiandeiros de Teatro
Incentivo: Funcultura

SERVIÇO
Histórias por um fio
Quando: Dias 17 (sábado) e 18 (domingo) de junho, às 16h
Onde: Espaço Cultural Fiandeiros: Rua da Matriz, 46, 1º andar, Boa Vista, Recife
Ingressos: R$ 5, à venda na bilheteria do Espaço
Informações: (81) 4141.2431

Postado com as tags: , , , , , ,

Everybody é culpado?

A Deus, Todomundo: Uma imoralidade do nosso tempo. Foto: Hans von Manteuffel

A Deus, Todomundo: Uma imoralidade do nosso tempo. Foto: Hans von Manteuffel

image

Pós teatro, enquanto esparramada no sofá comendo um sanduíche, assisto ao Fantástico. Uma matéria explica quase didaticamente quais são e como agem os grupos extremistas que deturpam a religião islâmica e fazem milhares de vítimas. Imagens mostram execuções em série; uma das informações que me chocam é a de que o Estado Islâmico possui um aparato de 200 mil homens. Logo adiante, a reportagem fala do Boko Haram e lembra que eles sequestraram em abril do ano passado 276 meninas numa escola.

Faço mentalmente uma breve retrospectiva das notícias dos últimos dias. Lembro do traficante brasileiro executado na Indonésia. Do ataque ao Charlie Hebdo. Da imagem destruidora do terrorista atirando no policial. Das imagens de como ficou o jornal depois do atentado. A mobilização na França. A intervenção do Théâtre du Soleil, a boneca sendo atacada por corvos, mas resistindo (Fernando Yamamoto, obrigada por compartilhar esse momento e nos permitir estar lá, através de você).

Volto a pensar no espetáculo que vi – pela segunda vez – enquanto coloco roupas na máquina de lavar. A Deus, Todomundo: Uma imoralidade do nosso tempo, trabalho de conclusão da turma 2012 do Curso de Interpretação para Teatro do Sesc Piedade. Texto, direção, cenário, figurino e maquiagem são assinados pelo professor João Denys.

A montagem é uma versão de Everyman, peça de moralidades, escrita em fins do século XV, não se sabe ao certo a autoria. O objetivo é didático e está a serviço da religião. A moralidade se constitui no meio para alcançar a salvação.

O enredo é simples. Todomundo recebe a inesperada visita da Morte; ela quer levá-lo para prestar contas a Deus. Mas a vida que Todomundo teve até então não demonstra nenhuma relação próxima com o divino. Apavorado, Todomundo pede que a Morte deixe que ele leve alguém, para ajudá-lo nessa tarefa de repassar os feitos com Deus. Pedido aceito, Todomundo vai, em vão, tentar a ajuda das Amizades, dos Parentes, da Riqueza. Até que encontra a Caridade – e essa não tem forças nem pra se levantar – a Sabedoria, a penitência, a remissão e, enfim, o sagrado.

Diante de um mundo de conflitos intensos com a moralidade como o nosso, no século XXI, me pergunto os motivos de uma turma de concluintes ter tido tesão em voltar a Everyman. Remontá-lo. Nenhum texto teórico – do programa ou não – conseguiu me responder.

Ok, pensar no modelo da moralidade, nas consequências dele até hoje, no cristianismo, nas culpas carregadas na cruz do corpo, na exploração disso nos dias atuais. Precisa de muito não. Liga a televisão e vê por três minutinhos os programas evangélicos. Assiste a uma procissão católica, com milhares de pessoas se arrastando de joelhos para receber a graça, a remissão, a salvação.

Ao invés de tudo isso, o enredo de Everyman é reproduzido em cena tal e qual. E toma uma dimensão muito maior do que todas as discussões que poderia suscitar. Ao mesmo tempo, a encenação também não consegue nos levar para outros lugares. Estamos presos ao modelo pronto. Ao que era na Idade Medieval – e pelo jeito é até hoje.

João Denys, falando sobre os alunos e o processo, no programa, a certa altura explica e questiona: “Como resposta ao que eles e elas queriam dizer com o teatro, apontavam os caminhos do expressionismo e eu perscrutava o erotismo na superfície de seus corpos e de suas ações adolescentes. Impressionava-me com a relação que todos mantinham com a religião e mais: a mistura indiscriminada de devoção religiosa e profana. O desejo de ofertar seus corpos nus no altar do teatro e o desejo de ocultarem-se nos seus relicários individuais e narcísicos. (…) Devassos ou místicos? Ambos impuros e exagerados”.

Esses questionamentos todos do mestre na sala de aula se refletiam realmente nos alunos, jovens atores, com pouquíssima ou quase nenhuma experiência? De que forma essa inquietação de Denys – barroca – fazia sentido para eles? Havia pertinência – para eles – em serem devassos ou místicos?

A encenação é apoiada em grande parte no cenário, móbiles que são deslocados pelos próprios atores em cena, pequenos palcos elevados, onde a vida desregrada principalmente pelo sexo assume lugar elevado, a Riqueza, assim como a Caridade, por exemplo, estão num nível superior ao personagem Todomundo.

Atores se esforçaram para cumprir proposta da encenação

Atores se esforçaram para cumprir proposta da encenação

Se há algo para se admirar nessa montagem, trata-se do empenho dos atores na execução de uma tarefa. É difícil encontrar eco no que está sendo dito e, mesmo assim, estão todos lá, os corpos desnudos e, mais do que isso, expostos, entregues à paixão pelo teatro. O esforço e a superação são nítidos principalmente em Bruna Bastos e Moisés Ferreira Júnior, que interpretam juntos o personagem título da peça. Há uma potência para ser desbravada em Luciana Lemos, que faz personagens como a Morte e a Riqueza. Ela consegue passear melhor pela ironia, fazer sentir a palavra, arrancar uma risada. Mas todos – o grupo inclui ainda Gabriel Albuquerque, Patrick Nogueira, Sheila Mendonça, Marco Antonio Lins, merecem os parabéns. Pela dedicação, pela coragem. Ouvi de um diretor meses atrás algo do tipo: “uma peça é só uma peça. Vamos adiante, fazer a próxima”. Já foi a primeira – só a primeira, espero, do restante da vida de vocês.

03:15. A máquina de lavar já parou faz tempo. Porque nem tudo é tão sagrado, nem tudo é tão profano. Vou lá estender a roupa no varal.

Ficha técnica:
Texto, direção, cenário, figurino e maquiagem: João Denys
Elenco: Bruna Bastos, Gabriel Albuquerque, Luciana Lemos, Marco Antonio Lins, Moisés Ferreira Jr., Patrick Nogueira, Sheila Mendonça
Assistente de direção: Durval Cristovão
Direção geral de cenografia: Manuel Carlos
Adereços: Manuel Carlos e João Denys
Iluminação: Eron Villar
Sonoplastia ao vivo: Adriana Milet
Direção de produção: Ana Júlia da Silva
Assistência de produção: Almir Martins, Daniela Travassos, Gabriela Fernandes, Diogo Barbosa e Ivana Motta

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A cena de Nelson Rodrigues, repensando a obra

Seminário pernambucano discute obra e sopro criativo do escritor

Seminário pernambucano discute obra e sopro criativo do escritor

Nelson Rodrigues jamais imaginou o que viria a ser. Um nome de interesse nacional. Com projeção intergalática. Depois do período de rejeição pela intelligentzia, de ser tachado de pornográfico (quando isso dizia alguma coisa), passou a ser exaltado. E cada frase sua, e até palavra, chega como um mantra. “Os idiotas da objetividade” o respeitam. O povo do futebol o trata como um craque, ou melhor como um craque que desmantela o adversário e como um observador de fina sensibilidade e cultura que vê naquelas coreografias um balé para as massas.

Como todos sabem o centenário do dramaturgo, nascido em Pernambuco e formado no Rio de Janeiro, foi festejado com pompa durante todo o ano de 2012. Mas diante da grandeza do homenageado, os estudos sobre sua obra prosseguem e se multiplicam. Muitos outros querem decifrá-lo, chegar mais perto do sopro de criação e ressignificar sua obra.

O Seminário Pernambuco Nelson Rodrigues: Texto e Cena traz mais investigação sobre a obra do dramaturgo. Começa neste domingo (14) e vai até o dia 21, no Teatro Marco Camarotti. Idealizado por Rudimar Constâncio, o programa está dividido em três ciclos: as Conferências Nelson Rodrigues: Texto e Cena, com uma série de estudiosos abordando um aspecto da obra do autor. O segundo momento está reservado para o curso Nelson Rodrigues: Teatro, Cena e Crítica, ministrado por Fátima Saadi, de 17 a 21 de abril. E no terceiro bloco estão as peças montadas recentemente por grupos pernambucanos: Valsa nº 6, Beijo no Asfalto e Viúva, Porém Honesta. Elas serão apresentadas domingo, segunda e terça, respectivamente.

Para assistir aos espetáculos, o interessado deve retirar o convite duas horas antes da apresentação, na pela bilheteria do Teatro Marco Camarotti. É o que orienta a produção. Já não há mais vagas para o curso com Fátima Saadi. E para participar das conferências, a criatura deve preencher uma ficha de inscrição no Setor de Cultura do Sesc Santo Amaro.

O projeto foi contemplado com o Funcultura 2012, da Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco, Fundarpe e Governo do Estado de Pernambuco.

Encenação de 'Senhora dos Afogados', de 1993, dirigida por Antonio Cadengue. Acervo pessoal

Encenação de ‘Senhora dos Afogados’, de 1993, dirigida por Antonio Cadengue. Acervo pessoal

Confira a programação completa:

Conferências, de 17 a 21 de abril, das 19h às 22h

17/04 – Nelson Rodrigues: a modernidade de um clássico” com a conferencista Ângela Leite Lopes

18/04 – Álbum de Família: crise dos desejos inconfessos com o conferencista Érico José

19/04 – Senhora dos Afogados: obsessões da sombra e da luz com o conferencista Antonio Cadengue

20/04 – Vestido de Noiva: expressão trágica do dizível e do indizível com o conferencista João Denys

21/04 – Nelson Rodrigues: a recepção crítica com a conferencista Fátima Saadi

Curso Nelson Rodrigues: Teatro, Cena e Crítica, ministrado por Fátima Saadi, de 17 a 21 de abril.
Não há mais vagas.

Espetáculos, às 19h30:

14/04 – Valsa nº6, direção de Carlos Sales.

15/04 – Beijo no Asfalto, direção de Claudio Lira.

16/04 – Viúva Porém Honesta, direção de Pedro Vilela.

SERVIÇO
Seminário Pernambuco Nelson Rodrigues: Texto e Cena
Quando: De 14 a 21 de abril, das 19h às 22h.
Onde: Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro), Praça do Campo Santo, s/n, Santo Amaro, Recife
Informações: (81) 3216.1728

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Inscrições abertas para curso de iluminação

João Denys orienta curso de iluminação cênica

Iluminação cênica também é criação. E como somos deficientes nesta área em Pernambuco – não só de profissionais, mas de diretores e companhias que entendam o papel da iluminação na montagem. Cansei de ouvir reclamações do tipo: “quando o espetáculo está praticamente pronto, aí eles lembram da iluminação”. É nesse cenário que Cleison Ramos, iluminador há sete anos, vai ministrar o curso Iluminação cênica 1.0. Terá ainda a monitoria de César Jeansen, graduando do curso de Licenciatura em Teatro da UFPE, e a orientação do encenador João Denys, também professor da UFPE.

As inscrições vão até o dia 15 de janeiro e o curso será no Teatro Joaquim Cardozo, no Centro Cultural Benfica (com apoio da Pró-Reitoria de Extensão da UFPE, através de edital), segundas e quartas-feiras dos meses de janeiro, fevereiro e março, das 19h às 22h. O curso deve começar no dia 21 de janeiro. Há 25 vagas. O investimento é de R$ 100. As inscrições podem ser feitas pelo link.

—–

Um edital recente do Sesc-PE para a área de iluminação cênica provocou questionamentos na internet. A vaga era para o cargo de Assistente II – Iluminação e exigia Ensino Médio completo mais registro na DRT nas profissões de Iluminador, Eletricista de Espetáculos, Técnico de luz ou Operador de luz para teatro. O salário oferecido foi de R$ 1.137 por 44 horas semanais e R$ 1.033 por 40 horas. “Se houve assessoria nesse edital, nos cargos técnicos em teatro, consultaram as pessoas erradas”, afirmou Cleison Ramos. “Um funcionário 4 em 1: iluminador cênico + técnico de luz + operador de luz + eletricista? Pagando apenas um piso de Assistente II – iluminação, ainda assim, abaixo (tabela do SATED-PE) do menor cargo relacionado à iluminação pela tabela do sindicato para funcionários em equipamentos culturais?”. Segundo Cleison, o piso para operador de luz seria R$ 1.618,14.

Postado com as tags: , , , ,

Ao sabor das palavras

“Não que eu tenha adivinhado o que você deseja, e nem tenho pressa de saber; pois o desejo de um comprador é algo muito melancólico, algo que contemplamos como um segredinho pedindo para ser descoberto e que fazemos hora para descobrir”

“Já que não existe injustiça verdadeira nesta terra, além da injustiça da própria terra, que é estéril pelo frio e estéril pelo calor e raramente fértil pela doce mistura do calor e do frio, não existe injustiça para quem anda sobre a mesma porção de terra submetida ao mesmo frio ou ao mesmo calor ou à mesma doce mistura, e qualquer homem ou animal que pode olhar outro homem ou animal nos olhos é seu igual, pois eles andam sobre a mesma linha plana e reta de latitude, escravos dos mesmos frios e dos mesmos calores, ricos ambos e ambos pobres”

“O olhar passeia e pousa e pensa estar em terreno neutro e livre, assim como a abelha num campo de flores, como o focinho de uma vaca no espaço fechado de um pasto. Mas o que fazer com o próprio olhar? Olhar para o céu me torna nostálgico e fixar o solo me entristece, lamentar alguma coisa e lembrar que não a temos são motivos de desolação. Então, precisamos olhar na nossa frente, à nossa altura, qualquer que seja o nível onde o pé está provisoriamente colocado; foi por isso que, ao andar por onde andei ainda há pouco e onde estou parado agora, meu olhar tinha que esbarrar, mais cedo ou mais tarde, em qualquer coisa parada ou andando na mesma altura do que eu; ora, pela distância e as leis da perspectiva, todo homem ou todo animal está provisoriamente e aproximadamente à mesma altura do que eu”

Na Solidão dos Campos de Algodão

Texto: Bernard Marié Koltès
Tradução: Jackeline Laurence
Encenação: Antonio Guedes
Elenco: Edjama Freitas (Cliente)
                Tay Lopez (Dealer)
Cenografia: Doris Rollemberg
Execução de cenografia: Saulo Uchoa
Cenotécnica: Katia Virgínea, Júlio Cerza, Gaguinho e David Guerra
Figurino: Luciano Pontes
Iluminação: João Denys
Operação e montagem de luz: Dado Sodi
Assistente de Montagem: João Pedro Leite
Trilha Sonora: Marcelo Sena
Vídeo: Alan Oliveira e Rafael Malta
Assistente de Encenação: Alexsandro Souto Maior
Preparação de Elenco (corpo/voz): Érico José
Direção de movimento: Míriam Asfora
Produção Executiva: Luciana Barbosa
Realização: Companhia do Ator Nu

Na solidão dos campos de algodão
Quando: Estreia dia 8 de agosto, às 20h; temporada: quartas, quintas e sextas-feiras, até 24 de agosto, às 20h
Onde: Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro)
Quanto: R$ 20 e R$ 1o (meia-entrada)

Na próxima segunda-feira (6), o diretor Antonio Guedes vai receber alguns alunos de teatro e interessados no Sesc Santo Amaro para conversar sobre teatro contemporâneo. Será a partir das 20h. Entrada gratuita.

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , ,