Arquivo da tag: Janeiro de Grandes Espetáculos

Premiação do Janeiro 2018

Carlos Lira recebe o afeto e o troféu do coordenador do Janeiro de Grandes Espetáculo, por seus 40 anos de carreira

Carlos Lira recebe o afeto e o troféu especial do coordenador do JGE, Paulo de Castro. Foto: Pedro Portugal

Iara Campos e Flávio Renovatto, da peça Mucurana, o Peixe. Foto: Pedro Portugal

Iris Campos e Flávio Renovatto, da peça Mucurana, o Peixe. Foto: Pedro Portugal

Célia Regina, com um dos apresentadores da noite, Tiago Gondim. Foto: Pedro Portugal

Célia Regina, com um dos apresentadores da noite, Tiago Gondim. Foto: Pedro Portugal

O prêmio de Melhor Atriz para Célia Regina parecia o único dado como certo no 24º Janeiro de Grandes Espetáculos. Sua atuação na peça Um minuto para dizer que te amo é deveras  comovente, como a velha mulher que tem lapsos de memória, pois sofre de Alzheimer. Ela fez jus ao troféu. Um minuto para dizer que te amo, do Matraca Grupo de Teatro, faturou mais cinco estatuetas, das 13 indicadas: Melhor Diretor para Rudimar Constâncio,  Atriz Coadjuvante para Vanise Souza, Sonoplastia/Trilha Sonora para Samuel Lira, Iluminação para João Guilherme de Paula e Maquiagem para Vinicius Vieira.

Mucurana, o peixe, do Coletivo Construtores de Histórias, levou o mais cobiçado Prêmio Apacepe de Teatro e Dança 2018, o de Melhor Espetáculo. Ele concorreu com Dinamarca e Um minuto para dizer que te amo. Mucurana também ficou com os troféus de Melhor Ator para Flávio Renovatto e Figurino.

Carlos Reis foi condecorado com o prêmio especial Hors Concours de Melhor Ator. Reis, 81 anos, é diretor da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém há mais de 20 anos. Veterano, ele participou do lendário Teatro Popular do Nordeste. Não pisava num palco recifense desde 2008, quando participou de uma adaptação de O crime do Padre Amaro, de Eça de Queiroz, com direção de Lúcio Lombardi. É admirável sua interpretação em A Ceia dos Cardeais, apresentada no JGE e mesmo que o texto seja datado, vale ver a montagem por seus atores (além de Carlos Reis, Rogério Costa e Paulo de Pontes).

O ator Carlos Lira, que está no elenco de Um minuto para dizer que te amo, também recebeu um troféu especial em homenagem aos 40 anos de teatro.

Nínive Caldas faturou o troféu de atriz revelação por sua atuação escrachada em Eu Gosto Mesmo do Pezinho de Galinha Porque Eu Como a Carninha e Limpo o Dente com a Unhinha, da Alô Produções. Ela já esteve no elenco das montagens Essa Febre que não passa, do Coletivo Angu de Teatro, de 2011 e A Mandrágora, produção de Taveira Júnior, ambas dirigidas por Marcondes Lima. Mas os jurados concluíram que agora a intérprete se destacou no papel. Raphael Gustavo, da Cia Experimental de Teatro, de Vitória de Santo Antão/PE, conquistou o prêmio de ator revelação. Ele também já participou de outras montagens, como Bruta Flor.

Dinamarca, a mais recente encenação do Grupo Magiluth, foi indicada apenas para melhor espetáculo. A releitura contemporânea de Hamlet , a partir da recriação textual de Giordano Castro, não levou nada nesta premiação.

Hamlet? Fragmentado foi indicado para Melhor Diretor, Melhor ator,  Melhor Atriz revelação, melhor iluminação, melhor figurino, melhor maquiagem. Também não foi premiado.

Mas como sabemos, tudo são interpretações. A composição das equipes de seleção e premiação são determinantes para o resultado. Aqui em Pernambuco, em Nova York, no Japão, em todas as linguagens.  A decisão possivelmente seria diferente com uma outra banca. E isso também vale para as outras comissões. O júri para teatro adulto foi formado pelo encenador e professor Antonio Edson Cadengue, pelo diretor e mamulengueiro do Só-Riso Fernando Augusto Gonçalves e pelo ator, cantor e compositor Walmir Chagas. Os atores Paulo de Pontes, José Maciel e Lilian Ferreira, com coordenação de José Manoel Sobrinho, integraram a equipe de análise do teatro para infância e juventude. E os bailarinos e coreógrafos Emerson Dias, Íris Campos e Raimundo Branco julgaram os trabalhos de dança.

27500720_2020277478229150_9192759363602788913_o

André Filho, Daniela Travassos,  João Denys e Manuel Carlos. Foto Pedro Portugal

Os integrantes da Cia Fiandeiros de Teatro saíram felizes da vida com o resultado da peça Histórias por um fio na categoria Teatro para Infância e Juventude. Levou sete troféus: Melhor Espetáculo, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante, Cenário, Iluminação e Sonoplastia/Trilha Sonora.

Retomada, do Totem, Zoe, de Francini Barros dividiram o prêmio de Melhor Espetáculo de dança. Pareceu-me justo. Também foi dividido o laurel entre os admiráveis bailarinos Orun Santana (Meia-Noite) e Jorge Kildere (Zoe). 

Ainda na dança, Beth Gaudêncio, da Cia Sopro-de-Zéfiro de Cecilia Brennand ganhou os troféus de Melhor cenário e melhor figurino com a encenação de O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos.

A premiação ocorreu na noite de terça terça-feira (30/01), na Torre Malakoff, em uma festa à fantasia muito agradável. Clima animado, afetuoso, programação artística legal. Foi um bom fechamento.

Sandra Possini, Rudimar Constâncio e Carla Valença. Foto: Pedro Portugal

Sandra Possani, Rudimar Constâncio e Carla Valença. Foto: Pedro Portugal

Fred Nascimento, de Retomada, recebe prêmio de Antonio Cadengue. Foto: Pedro Portugal

Fred Nascimento, de Retomada, recebe prêmio de Antonio Cadengue. Foto: Pedro Portugal

Samuel Santos e Naná, um dos coletivos homenageados. Foto: Pedro Portugal

Samuel Santos e Naná, um dos coletivos homenageados. Foto: Pedro Portugal

Fantasia. Foto: Pedro Portugal

Fantasia. Foto: Pedro Portugal

Vinicius, Samuel, Cláudio Lira e João Guilherme

Vinicius, Samuel, Cláudio Lira e João Guilherme

Barros, e Vanise de Souza. Foto: Pedro Portugal

Daniel Barros, Flávio Renovatto e Vanise de Souza. Foto: Pedro Portugal 

Bloco da Saudade. Foto: Pedro Portugal

Bloco da Saudade. Foto: Pedro Portugal

Paula de Renor. Foto: Pedro Portugal

Paula de Renor. Foto: Pedro Portugal

Apresentadores Tiago, Naná e Arilson. Foto: Pedro Portugal

Apresentadores Tiago Gondim, Naná Sodré e Arilson Lopes. Foto: Pedro Portugal

Almérico. Foto: Pedro Portugal

Almério. Foto: Pedro Portugal

TEATRO ADULTO

Prêmio Especial Hors Concours de Melhor Ator 
Carlos Reis (A ceia dos cardeais)

Prêmio Especial pelos 40 anos de carreira
Carlos Lira

Melhor Espetáculo
Mucurana, o peixe (Coletivo Construtores de Histórias)

Melhor Diretor
Rudimar Constâncio (Um minuto para dizer que te amo)

Melhor Ator
Flávio Renovatto (Mucurana, o peixe)

Melhor Atriz
Célia Regina Rodrigues Siqueira (Um minuto para dizer que te amo“)

Melhor Ator Coadjuvante
Daniel Barros (Pro(fé)ta – O bispo do povo)

Melhor Atriz Coadjuvante
Vanise Souza (Um minuto para dizer que te amo)

Ator Revelação
Raphael Gustavo (A última cólera no corpo de meu negro)

Atriz Revelação
Nínive Caldas (Eu gosto mesmo do pezinho de galinha porque eu como a carninha e limpo o dente com a unhinha)

Melhor Sonoplastia ou Trilha Sonora
Samuel Lira (Um minuto para dizer que te amo)

Melhor Iluminação
João Guilherme de Paula (Um minuto para dizer que te amo)
Melhor Cenário
Claudio Lira (A ópera do sol)

Melhor Figurino
O grupo (Mucurana, o peixe)

Melhor Maquiagem
Vinicius Vieira (Um minuto para dizer que te amo)

Comissão Julgadora:Antonio Edson Cadengue, Fernando Augusto Gonçalves Santos, Walmir Chagas.


TEATRO PARA INFÂNCIA E JUVENTUDE

Melhor Espetáculo
Histórias por um Fio (Cia. Fiandeiros de Teatro)

Melhor Diretor
João Dennys (Histórias por um fio)

Melhor Ator
André Filho (Histórias por um fio)

Melhor Atriz
Paula de Tássia (“Do vestido ao nariz”)

Melhor Ator Coadjuvante
Manuel Carlos (Histórias por um fio)

Melhor Atriz Coadjuvante
Gerlane Silva (Do vestido ao nariz

Ator Revelação
Não houve indicações

Atriz Revelação
Thais Silva (Do vestido ao nariz)

Melhor Maquiagem

Cia 2 em Cena (Do vestido ao nariz)

Melhor Figurino

Anderson Gomes (Era uma vez na Terra)

Melhor Cenário

Manuel Carlos (Histórias por um fio)

Melhor Iluminação

Yuri Vilarim (A Bela & a Fera) e André Filho (Histórias por um fio)

Melhor Sonoplastia ou Trilha Sonora
André Filho (pela Sonoplastia e Trilha Sonora de Histórias por um fio)

Comissão Julgadora: Paulo de Pontes, José Maciel e Lilian Ferreira, com coordenação de José Manoel Sobrinho.

DANÇA
Melhor Espetáculo
Zoe (de Francini Barros) e Retomada (de Totem)

Melhor Bailarino
Orun Santana (Meia-Noite) e Jorge Kildere (Zoe)

Melhor Bailarina
Maria Agreli (Zoe) e Julyane Rocha (O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos)

Bailarino Revelação
Anderson Dimas (Aluga-se)

Bailarina Revelação
Isabela Loepert (O Diário das Frutas)

Melhor Iluminação
Natalie Revorêdo (Retomada)

Melhor Figurino
Beth Gaudêncio (O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos)

Melhor Cenário
Beth Gaudêncio (O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos)

Melhor Sonoplastia ou Trilha Sonora
Cauê Nascimento, Gustavo Vilar e Fred Nascimento (Retomada)

Comissão Julgadora: Emerson Dias, Íris Campos e Raimundo Branco.

Postado com as tags: , , , ,

Abertura do JGE: Política no segundo ato

Foto: fotos de wellington dantas

Leda Alves, Marcelino Granja, Márcia Souto, Paulo de Castro e Astrogildo Santos . Foto: Wellington Dantas

180110_jge_046

O coordenador-geral do festival e a secretária de Cultura do Recife. Foto: Wellington Dantas

A noite de 14 de março de 2017 ficou na minha memória como uma experiência poética e política incrível e inesquecível. Com o Theatro Municipal de São Paulo lotado, os gestores representantes dos secretários municipal e estadual de cultura de São Paulo, e do então ministro da cultura foram silenciados por ensurdecedoras vaias, um festival de apupos, na abertura da 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp). Um momento histórico no teatro brasileiro. O produtor da MITsp já havia demarcado a posição do evento contra a precarização da cultura, o congelamento do orçamento e a ameaça de destruição das políticas culturais significativas.

No Recife dos casarões coloniais e estruturas de pensamento conservadoras da elite e classe média que ocupavam as cadeiras do Teatro de Santa Isabel, na quarta-feira, na abertura do Janeiro de Grandes Espetáculos, as reações foram amenas e acanhadas. O coordenador-geral do JGE, Paulo de Castro, falou rapidamente dos desafios desta edição e da alegria em sua realização. Depois foram convidados ao palco o secretário de cultura de Pernambuco, Marcelino Granja; a presidenta da Fundarpe, Márcia Souto; a secretária de Cultura do Recife, Leda Alves e o diretor de Cultura da Fundação Joaquim Nabuco, Astrogildo Santos.

A fala de Marcelino Granja surpreendeu e provocou uma tensão cognitiva. Ele se posicionou a favor de Luís Inácio Lula da Silva e contra o golpe. Fez um discurso em defesa da democracia, do estado de direito e do ex-presidente Lula. E foi enfático de que a ameaça de condenação de Lula é uma infâmia, que pode se alastrar por todos setores.

A preleção parece boa, para quem se posiciona contra o golpe midiático, parlamentar e jurídico que afastou a presidenta Dilma Rousseff. A não ser por alguns pequenos “detalhes”, que motivaram discretos protestos de “Fora Temer” e ensaios de vaias, que sobraram para outro representante.

Granja é filiado ao PC do B (partido que é contra o golpe), mas é secretário de Cultura do Governo Paulo Câmara, declaradamente a favor do golpe. Então existe aí , pelo menos, uma esquizofrenia política.

Estamos em tempos em que as narrativas são construídas e desconstruídas ao bel-prazer de hábeis oradores. Granja portanto, lembrou dos editais do Funcultura (principal fonte de financiamento da produção cultural pernambucana – audiovisual, música e geral) para enaltecer o governo e e dizer que está do lado dos artistas. Numa estranha passividade, a plateia baixou a cabeça e alguns até aplaudiram o discurso.

Depois dele, a presidenta a Fundarpe, Márcia Souto também do PC do B falou pouco e destacou que a atriz e produtora Paula de Renor (que ficou por 15 anos na coordenação do JGE, junto com Paulo de Castro e Paula Valença), e que estava sentada na plateia, é a nova presidenta do Conselho de Cultura. Uma função merecida para Paula de Renor que luta há anos por políticas públicas mais justas em Pernambuco. Mas o anúncio pareceu uma cortina de fumaça em meio ao fogo cruzado.

A secretária de Cultura do Recife, Leda Alves, reafirmou que é um soldado na política do PSB e que luta pela cultura pernambucana. Ela tem um histórico, inclusive como artista e gestora que impõe respeito, e é muito querida no setor. Mas a realidade da política cultural recifense não é um palco iluminado e todos nós sabemos disso.

Dessa etapa protocolar, o produtor Astrogildo Santos, que atua como diretor na Fundaj, iniciou sua fala dizendo que estreou como ator no Teatro de Santa Isabel e outros feitos, para depois defender que o Ministro da Educação, Mendonça Filho, está fazendo grandes ações pela educação e cultura. Vaia na certa. Fora Temer! e Golpistas! foram as palavras de ordem gritadas por uma parte da plateia.

Coube a Paulo de Castro arrematar com as palavras de que este ano tem eleição e teremos condições de eleger os nossos representantes. Será? Há muitos meses da campanha política já há apostas de quem será o próximo deputado federal mais votado. Então, será que já saímos da era das capitanias hereditárias?

HOMENAGEADOS

Nesse clima tenso foram convidados os homenageados desta edição Vanda e Renato Phalante, dois queridos atores pernambucanos, com uma trajetória ligada ao Teatro de Amadores de Pernambuco e que ostentam 40 anos de profissão. Eles receberam os aplausos e carinho do público, muitos de seus pares de palco. Palavras de afetos foram transmitidas em vídeo, inclusive as de Geninha da Rosa Borges. E também foram presenteados com um quadro pintado por Cleusson Vieira .

Vanda Phaelante. Foto: Wellington Dantas

Vanda Phaelante. Fotos: Wellington Dantas

Homenageados desta edição ganham quadro pintado por Cleusson Viana

Homenageados desta edição ganham quadro pintado por Cleusson Vieira

Postado com as tags: , , , , , , ,

Abertura do JGE: Livro no primeiro ato

Cleodon Coelho e o biografado José Pimentel. Foto Pedro Portugal

Cleodon Coelho e o biografado José Pimentel. Foto Pedro Portugal / Divulgação

Hermila Guedes e José Pimentel. Foto Pedro Portugal

José Pimentel e a atriz Hermila Guedes. Foto Pedro Portugal

Escritora e jornalista Crla Denise, encenador Marcondes Lima e Cleodon Coelho. Foto Pedro Portugal

Escritora e jornalista Carla Denise, encenador Marcondes Lima e Cleodon Coelho. Foto Pedro Portugal 

A abertura do 24º Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas e Música de Pernambuco, na noite da quarta-feira (10/01), pode ser dividida em atos. O primeiro, o lançamento do livro no foyer do Teatro de Santa Isabel. O segundo composto por discursos e homenagens. E o terceiro, a exibição do musical Dorinha Meu Amor. No conjunto, sucesso de público, com a casa lotada.

Em clima festivo, o jornalista Cleodon Coelho lançou José Pimentel – Para Além das Paixões, em que desenha a trajetória do ator, diretor e jornalista pernambucano de Garanhuns, muito conhecido por suas atuações na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém e na Paixão de Cristo do Recife. Autor e biografado passaram mais de duas horas dando autógrafos e entrevistas, tirando fotografias com os fãs.

De cabelos longos, mesmo depois de ter passado o bastão do papel de Cristo para Hemerson Moura, Pimentel parecia abatido, com uma alegria contida, mas cansado. Cleodon Coelho se mostrava jubiloso com a missão cumprida.

Essa é a terceira publicação assinada por Cleodon Coelho. A primeira foi Nossa Senhora das Oito (Mauad editora, 2003), sobre a novelista Janete Clair, em parceria com o crítico carioca Mauro Ferreira. A segunda foi Lilian Lemmertz – Sem Rede de Proteção (imprensa oficial, 2010).

 Para Além das Paixões está dividida em capítulos curtos e envolventes, que são flashes da vida do filho de Virgínio Albino Pimentel e dona Florentina nascido em 11 de agosto de 1934.

O rumo desse leonino que carregou a cruz de Jesus, na Paixão, por 40 anos, é curioso e marcado por ousadias e insistências

Algumas figuras foram fundamentais na escolha de caminhos desse artista. Entre elas, seu amigo de toda a vida que o encaminhou às artes, o diretor Octávio Catanho, o Tibi e o escritor Ariano Suassuna (1927-2014). “Sempre estive ao lado dele em todos os momentos de sua vida. Já fiz de tudo nos projetos que ele inventa. Trabalhei como ator, cenógrafo, produtor…”, conta Catanho no livro.  Foi com Tibi, no Grupo Dramático Paroquial de Água Fria, que Pimentel assumiu o primeiro personagem, o de Pôncio Pilatos, na montagem O Drama do Calvário.

Já seu début num palco italiano ocorreu com a peça Lampeão, em cinco atos de Raquel de Queiroz, sob a direção de Octávio Catanho, no papel de Ezequiel, cangaceiro conhecido como Ponto  Fino.

Cleodon registra que de uma maneira nada cordial, o crítico Isaac Gondim filho anunciou a novidade no Diário de Pernambuco “o Grupo Paroquial de Amadores (conjunto que não conhecemos e do qual nunca ouvimos falar) vai apresentar no Teatro de Santa Isabel representando a peça Lampeão, de Rachel de Queiroz…” Depois da estreia, apesar de apontar as falhas, Gondim Filho foi mais generoso: “Por isso, quando o GTA se apresenta pela primeira vez no teatro de Santa Isabel, só lhe podemos ter palavras de estímulo e de incentivo, sobretudo pelos valores positivos de sua realização …”

Já na crítica assinada por Ariano Suassuna, publicada no Diario de Pernambuco, em 16 de setembro 1956, sobre a peça A compadecida, depois chamada o Auto da Compadecida o escritor é só elogios a Pimentel: “José Pimentel viveu, no espetáculo do Teatro Adolescente, a figura do rico fazendeiro Antônio Moraes, e, posteriormente, o Encourado (o diabo). Saiu-se muito bem em ambas, tendo sido mesmo uma revelação de ator, com muito senso de ritmo nos gestos e nas falas, comedido e presunçoso como fazendeiro, odiento e perigoso como o diabo”.

Essa foi a primeira encenação do texto do escritor paraibano, montado por Clênio Wanderley com Teatro Adolescente do Recife. O livro revela detalhes deliciosos sobre a estreia na capital pernambucana, após alguns adiamentos, até a consagração no primeiro Festival de Amadores Nacionais no Rio de Janeiro. “Deu uma vontade danada de esfregar a medalha de ouro na cara de quem nos criticou na nossa própria terra”, comenta Pimentel na obra.  

As polêmicas da sua saída da montagem de Nova Jerusalém são bem conhecidas e estão retratadas. Mas uma outra faceta de Pimentel como colunista do jJornal da cidade dá uma apimentada na publicação.

O jornalista Cleodon Coelho selecionou algumas edições da Coluna Sinal Fechado, dentre elas estão alfinetadas em outros encenadores e grupos do Recife:

“Uma clara alusão aos espetáculos O Calvário de Frei Caneca e Batalha dos Guararapes, o pretensioso e pedante Toninho Candonga (nunca sei direito o nome desse cara) disse que ia resgatar, através de Shakespeare, a alegria e o barroquismo da Cidade Maurícia, no que ela tem de mais vivo e menos a arqueológico. Num ato falho, fala da Maurícia do século XVII”.

“A companhia teatral Fundação de Cultura Cidade do Recife Ltda. enviou-me dois convites para a estreia de Sonho de uma noite de verão, by (sic) Shakespeare. Na fila U, lateral, do Teatro do Parque. Levei luneta e amplificador. Na entrada, uma surpresa: a bolsa da minha mulher foi revistada.  Que será que os caras pensavam encontrar? Bombas, ovos podres, revólver? Máquina fotográfica? Pois é, os espiões teatrais, como os industriais, estão à cata de novidades e bem que poderiam documentar cenários, figurinos, peitos etc. Para utilizar em futuras montagens. … Sentei-me estiquei o pescoço e juro que vi. Gostei. Como sou leigo em teatro e não sou crítico de, deixo os comentários para Valdir Coutinho e Enéas Alvarez. Apenas, como espectador, devo dizer que gostei mais da revista Tal e qual – nada igual. Bom, pelo menos fui ver. Pior fazem eles que picham meus espetáculos sem vê-los.”

O encenador Antonio Cadengue comenta no livro que “Relendo o texto depois de muitos anos, eu dei boas risadas. Mas me chamar de Candonga não era um erro. Era provocação mesmo”.

Histórias do teatro pernambucano.

Postado com as tags: , , ,

Paula de Renor e Carla Valença deixam Janeiro de Grandes Espetáculos

Produtores do Janeiro trabalhavam juntos há 15 anos. Foto: Pollyanna Diniz

Produtores do Janeiro trabalhavam juntos há 15 anos. Foto: Pollyanna Diniz

O trio de produtores responsável pelo Janeiro de Grandes Espetáculos se desfez. Paula de Renor, que estava no festival há 16 anos, e Carla Valença, integrada à equipe em 2003, decidiram deixar a produção da mostra. Paulo de Castro, presidente da Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe), assume a tarefa de encabeçar o festival na edição 2018. “Há desgastes normais de trabalho, mas nunca da amizade, da confiança, da identidade. A confiança principalmente. Esse legado independe de estarmos juntos. Posso dizer que nos amamos, mas o momento era de afastar”, explica o produtor.

O Janeiro de Grandes Espetáculos foi criado pela Prefeitura do Recife em 1995. Nessa primeira edição, os ingressos custaram R$ 2 e a propaganda circulou em carro de som. A ideia consistia em movimentar o mercado de trabalho das artes cênicas no mês de férias, apostando prioritariamente na produção local. Tradicionalmente, era um período em que os teatros da cidade estavam fechados. Dois anos depois, a gestão municipal decidiu criar o Festival Recife do Teatro Nacional, com foco na produção nacional, e engavetar o Janeiro. Foi aí que a Apacepe assumiu o comando do festival.

Para Paulo de Castro, mesmo que o festival também tenha uma programação nacional e faça parte, desde 2011, do Núcleo de Festivais Internacionais do Brasil, os esforços do evento continuam sendo para incrementar o mercado de trabalho para a produção pernambucana. “O teatro da Argentina, da Bolívia, circula pelos festivais do mundo todo. A função do Janeiro é mercado de trabalho. Não adianta você ganhar o prêmio de melhor ator no Recife e não ir a Caruaru, por exemplo”, ponderar. Um dos objetivos do produtor é voltar a trazer ao festival curadores nacionais e internacionais. “Não sei se conseguiremos neste ano, porque financeiramente estamos vivendo o pior ano do festival. Até agora, só temos a garantia de R$ 120 mil para fazer um programa da importância do Janeiro. Mas é uma intenção”, afirma.

As inscrições para o próximo Janeiro já estão abertas. Podem participar espetáculos inéditos de teatro e dança de Pernambuco que estrearem até 12 de agosto deste ano ou espetáculos que pretendem estrear no festival. As inscrições terminam no dia 15 de agosto. As escolhas serão feitas por comissões formadas, cada uma, por três pessoas da classe artística. Para os grupos de outros locais do país e internacionais, a escolha será curatorial, mas feitas pelo próprio Paulo de Castro. Não há inscrições.

Algumas ideias para a edição estão sendo encaminhadas, como trabalhar em parceria com os grupos O Poste Soluções Luminosas, tomando o recorte da negritude, e Fiandeiros, valorizando os esforços do grupo na área de educação. Os homenageados do festival serão o casal Renato e Vanda Phaelante. Nos espetáculos de música, Expedito Baracho, que morreu no último mês de maio, deve ser lembrado. “Um Janeiro nunca será igual ao outro. Sempre crescemos, fazemos melhor. Já fizemos com R$ 1.600.000 e já fizemos com R$ 250 mil, mas sempre melhoramos. Vou batalhar para que tenhamos mais um Janeiro de sucesso”, finaliza Paulo de Castro.

Novos projetos

A saída de Paula de Renor e de Carla Valença da produção do festival não aconteceu de uma hora para outra. Mesmo que amigos e parceiros, algo que os três produtores enfatizaram, com o passar dos anos, as discordâncias do trio em relação aos rumos do Janeiro se acentuaram. Paula de Renor, por exemplo, acreditava que o festival precisava seguir um caminho curatorial mais definido. Muito por esforço dela e de Carla Valença, das articulações realizadas ao longo dos anos, o festival ganhou importância entre os festivais do país e também no circuito internacional. Discussões nacionais importantes saíram de reuniões realizadas no Recife. “Tivemos grandes avanços. Saímos na frente, trazendo curadores do país para assistir aos nossos espetáculos. Por um tempo, conseguimos uma parceria com a Prefeitura do Recife, o projeto Recife Palco Brasil, para que os grupos daqui circulassem por outros estados. Também discutíamos a qualidade da produção, tínhamos um espaço para debater os espetáculos. Infelizmente, perdemos alguns desses avanços. Mas continuo acreditando na vocação do Janeiro, na importância dele para as artes cênicas no nosso estado”, afirma.

A produtora, que circulou por vários festivais do mundo, já está dedicada a um novo projeto: o Cambio FIT/PE – Festival Internacional de Teatro de Pernambuco, previsto para acontecer em setembro de 2018. “É um festival que foca na difusão, mas também na formação e na reflexão, realizando não só apresentações, mas residências, oficinas, encontros. Queremos estreitar esses laços de convivência entre diferentes grupos, discutir processos criativos”, afirma.

Carla Valença produz Baile do Menino Deus, em parceria com Ronaldo Correia de Brito. Foto: Gianny Melo

Carla Valença produz Baile do Menino Deus, em parceria com Ronaldo Correia de Brito. Foto: Gianny Melo

Carla Valença, produtora também do Baile do Menino Deus, em parceria com Ronaldo Correia de Brito, explica que precisou pesar e fazer escolhas. “Estamos com o Baile há 14 anos e, há uns quatro ou cinco, percebemos que esse projeto cresceu e tem muito potencial ainda. O Baile acontece em dezembro. Então, de outubro ao final de fevereiro, todos os anos, a minha rotina era enlouquecedora”, avalia. A produtora também deve lançar um projeto que vem sendo desenhado há cinco anos, de e-commerce. Um site (mercadocultural.pe.com.br) para comercializar produtos culturais pernambucanos, discos, livros, audiovisual, artesanato, obras de arte, que deve ser lançado em setembro.

Na perspectiva de Carla Valença, o Janeiro trilha o desafio de continuar ampliando a formação de plateia e agregar programação que, de fato, façam diferença para o repertório da cidade. “São 15 anos de uma parceria. Os três ajudaram a construir e amadurecer esse festival. Um legado que está aí, estabelecido. Tenho certeza que tanto eu quanto Paula estaremos sempre próximas, prontas para dar qualquer suporte. O grande prêmio disso tudo é a amizade. Aprendi muito com eles dois. Tenho certeza que pude contribuir, com a minha paixão e vontade de acertar”, finaliza.

Postado com as tags: , , , , ,

Guerrilha e amor, uma mistura explosiva

Hilda Torres no espetáculo Soledad

Hilda Torres no espetáculo Soledad

janeiro-de-grandes-espetáculos-SSSS Muitos morreram pela liberdade. E cada vez que um personagem desses ganha os holofotes é uma justiça para a história. A  guerrilheira paraguaia Soledad Barrett Viedma (1945-1973) teve sua voz sufocada pela opressão das ditaduras por 42 anos. Até o ano passado, quando a atriz Hilda Torres, a diretora argentina Malú Bazán e a própria filha da militante, Ñasaindy Barrett, se juntaram para montar o espetáculo Soledad – A terra é fogo sob nossos pés.

O drama de “Sol” expõe as veias abertas da América Latina numa época de grande opressão política. Um trajeto de vida e poesia. Soledad foi mais uma vítima das barbaridades da ditadura militar do Brasil (1964-1985).

Ela morou na Argentina, no Uruguai, em Cuba e no Brasil, fugindo das repressões. Ao ser sequestrada por um bando de neonazistas em Montevidéu, ela adotou a guerrilha. Ao se recusar dizer a frase “viva Hitler!”, ela foi marcada nas coxas com a suástica nazista. Em Cuba, onde aprendeu a luta armada, conheceu Zé Maria, pai de sua filha Ñasaindy.

No Brasil se apaixonou por José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, companheiro que a entregaria à polícia, às garras do delegado Sérgio Fleury. O Massacre de São Bento matou Soledad grávida e outros cinco militantes na Chácara São Bento, em Abreu e Lima.

É um espetáculo emocionante.

SERVIÇO

Espetáculos de Hoje no Janeiro de Grandes Espetáculos

Soledad – A Terra é Fogo Sob Nossos Pés (Cria do Palco – Recife/PE)
Quando: Dia 18 de janeiro de 2016 (segunda), 20h
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho
Quanto: R$ 20 e R$ 10

Luas de Há Muito Sóis (Papelão Produções e Fafe Cidade das Artes – Recife/Brasil/  Fafe/ Portugal)
Quando: Dias 18 e 19 de janeiro de 2016 (segunda e terça), 20h
Onde: Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Quanto: R$ 20 e R$ 10

Postado com as tags: , , , ,