Arquivo da tag: Filipe Enndrio

Cinderela pra lá de escrachada

, com lenço na cabeça, interpreta a Burralheira. Foto: Ivana Moura

Filipe Enndrio, com lenço na cabeça, interpreta a Burralheira. Foto: Ivana Moura

A Cinderela suburbana criada por Henrique Celibi mostra suas garras e truques na despedida da temporada de A Bicha Burralheira, a estória que sua mãe não contou, hoje e amanhã, no Teatro Apolo, às 19h30. A protagonista que carrega os cacoetes da gente de povo, da periferia do Recife pobre, é desbocada, órfã, gay e luta contra as micro opressões cotidianas dentro da sua própria casa. Suas maiores inimigas são “sua” família: a madrasta e as irmãs postiças, que fazem de tudo para prejudicá-la.

Mas isso não é fácil não, queridinha. Porque além de calejada com as maldades fraternas ela ainda conta com a ajuda de uma fada madrinha para realizar seus desejos. E ela vai à luta pelo bofe magia (nem tão bofe assim).

Essa Burralheira leva ao palco uma autocritica da discussão de gênero ao zombar da sua condição. Não faltam gírias e palavras obscenas. O elenco é muito bom e tira o máximo de comicidade das gags e da esculhambação. Filipe Enndrio como a Burralheira desafia o espectador mais carrancudo a ficar sério. O jogo do grupo é muito interessante e divertido com Carlos Mallcom (Madrasta), Flavio Andrade (Príncipe), Renê Ribeiro e Robério Lucado (as irmãs), Henrique Celibi (Bicha Madrinha) e Ítalo Lima (vassalo do rei).

O improviso ganha corpo e voz, show de esquisitices, com direito a demonstrações de fetiche e gozação. De sobras e material reciclável o grupo cria cenário, figurinos, adereços imprimindo um aspecto de precariedade muito apropriada com a proposta.

Egresso do Grupo Vivencial, trupe que exerceu resistência cultural com muito deboche e purpurina nas décadas de 1970/1980, Celibi ainda parece preso às tiradas da época. Que embora vivamos épocas que convergem em alguns aspectos da burrice política atual, novas investidas de desacato contra o que está posto poderiam ser mais agressivas, provocantes, certeiras e cortantes na dramaturgia.

Mas com certeza, A Bicha Burralheira é diversão garantida.

Elenco e diretor Henrique Celibi. Foto: Ivana Moura

Elenco e diretor Henrique Celibi. Foto: Ivana Moura

A Bicha Burralheira, a estória que sua mãe não contou
Ficha técnica:
Texto, direção, produção: Henrique Celibi
Elenco: Carlos Mallcom (Madrasta), Filipe Enndrio (Burralheira), Flavio Andrade (Príncipe), Renê Ribeiro e Robério Lucado (as irmãs), Henrique Celibi (Bicha Madrinha), Ítalo Lima (vassalo do rei)
SERVIÇO
A Bicha Burralheira, a estória que sua mãe não contou,
Onde: Teatro Apolo (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Quando: 29 e 30 de junho, às 19h30
Preço único: R$ 20

Postado com as tags: , , , , , , , ,

Humor zombeteiro da Burralheira

Espetáculo é dirigido por Henrique Celibi.

Flavio Andrade (Príncipe) e Filipe Enndrio (Burralheira) no espetáculo dirigido por Henrique Celibi

A “gréia” pernambucana brota de farrapos de orgulho e de deboche crítico. O povo das terras João Cabral e de Chico Science tem a mania de achar defeito. E aponta, mete o dedo na ferida. Mas com humor. Um humor zombeteiro, é verdade. Essa galhofa, que chega a níveis extremos e imprevisíveis, é muito apreciada nas artes. No cinema faz o maior sucesso. E no teatro é defendida por alguns. Entre eles o autor, diretor e ator Henrique Celibi, que criou uma Cinderela suburbana, da periferia do Recife, gay e que vai à luta pelo bofe magia. Ela aprendeu “a dar o truque” na família exploradora, com a ajuda da fada-madrinha.

Há muitas versões da história da Gata Borralheira. Dizem que são mais de 700 e tem até apontamentos para 850 a.C. Não fui tão a fundo.

A bicha borralheira, a variante de Celibi foi erguida em 1985, para ocupar os intervalos dos habituais shows de dublagem que ocorriam na extinta boate Misty, na rua das Ninfas, no bairro da Boa Vista. Depois ganhou os palcos com a Trupe do Barulho, já com o título de Cinderela, a estória que sua mãe não contou. E se transformou no maior sucesso recifense de bilheteria da década de 1990.

Para celebrar 31 anos do texto original, Celibi e seu grupo fizeram uma meteórica temporada de A Bicha Burralheira, a estória que sua mãe não contou, em abril, no Teatro Hermilo Borba Filho. Ficou pouco tempo por escassez de pauta nos teatros municipais.

A Bicha Burralheira ganha mais duas sessões, hoje e amanhã, no Teatro Apolo, às 19h30.

Elenco

O espetáculo ressalta a ideia de que todos trapaceiam. Alguns para o seu próprio bem, outros em proveito próprio associado à ação de prejudicar, humilhar ou arruinar o outro. Ninguém é totalmente bonzinho, como nas historietas para crianças.

A protagonista é maltratada pela meias-irmãs e pela madrasta. Sofre Bullying por ser gorda. Mas responde à altura. Tem autoestima robusta. Essa Burralheira tem andar desengonçado, gestual largo com direito a gestos licenciosos, e um vocabulário e pronúncia do subúrbio recifense, pleno de gírias e palavras obscenas. E um “baile” na ponta da língua.

Essa paródia de humor escrachado marca discussões de gênero, de quem está à margem sob vários quesitos. Os personagens são gays ou trans e sabe que não pode contar muito com a comunidade. É cada um por si.

Mas a Cinderela arranja uma fada-macumba, interpretada por Celibi, que tem por missão viabilizar um cartão do sistema VEM para que a Gata possa ir ao baile encontrar seu Príncipe, em algum ponto do centro do Recife.

Há espaço para improviso, show de bizarrices. Manifestações de fetiche, arriação e gozação. As interpretações estão coladas ao que o Grupo Vivencial desenvolvia em Olinda nas décadas de 1970/1980, brilho e purpurina. Irreverência e uma devoção tão grande em fazer teatro que transforma o lixo em cenário, figurinos, adereços.

É tudo meio precário. Mas o grupo dá um truque da pobreza; um tapa na falta de politicas públicas.

Prima pela estética da sujeira na cena. Em todos os elementos, inclusive nas interpretações. E dela tira a vivacidade das gags, a força das palavras toscas, de expedientes vulgares, a comunicação imediata e rasteira com o público. É para rir. Mas um teatro mesmo com toda gozação, político. De um lugar da periferia que não se deixa calar.

Elenco

Elenco

Ficha técnica:
Texto, direção, produção: Henrique Celibi
Elenco: Carlos Mallcom (Madrasta), Filipe Enndrio (Burralheira), Flavio Andrade (Príncipe), Renê Ribeiro e Robério Lucado (as irmãs), Henrique Celibi (Bicha Madrinha), Ítalo Lima (vassalo do rei)

SERVIÇO
A Bicha Burralheira, a estória que sua mãe não contou,
Onde: Teatro Apolo (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Quando: 15 e 16 de junho, às 19h30
Preço único: R$ 20

Postado com as tags: , , , , , , , ,

A volta da Borralheira

A Bicha Borralheira 31 anos depois. Fotos: Ítalo Lima

A Bicha Borralheira, a estória que sua mãe não contou, performance de Henrique Celibi que deu início ao megassucesso Cinderela, a estória que sua mãe não contou, inicia nesta quinta-feira (13) uma pequena temporada, no Teatro Hermilo Borba Filho, às 20h, onde fica em cartaz amanhã e na próxima semana, dias 20 e 21 de abril.

Na releitura do conto dos irmãos Grimm, a periferia recifense é representada pelo humor potente do dramaturgo, que pinta personagens que driblam a escassez financeira e os preconceitos sexuais.

Celibi corre atrás de sua própria história. No ano passado, ele que já foi o mascote do grupo Vivencial – trupe irreverente que marcou o teatro pernambucano dos anos 1970/1980 – montou espetáculo Cabaré Diversiones. Além dele, outra viveca veterana participou da peça, Sharlene Esse. E um bando jovens atores, que em parte compõe o elenco de A Bicha Borralheira.

A estreia original ocorreu na antiga Misty, da Rua das Ninfas, em 12 de abril de 1985. Há 31 anos, portanto. Na boate, a micropeça preenchia o intervalo dos números de dublagens. Celibi inclusive era famoso por sua Maria Bethânia.

Do lado de fora, o Brasil vivia um clima de desconfiança, de esperanças frustradas, depois da euforia de uma campanha pelas Diretas Já e de uma vitória parcial, quando foi escolhido o presidente pelo Colégio Eleitoral. Tancredo Neves, o primeiro presidente civil eleito, depois do período de regime militar no Brasil, em eleição indireta pelo Congresso Nacional, não tomaria posse. O mineiro foi considerado clinicamente morto no dia 12, mas o óbito só foi anunciado no dia 21 de abril.  “Após 38 dias de agonia, e sete cirurgias, o primeiro presidente civil eleito desde o Golpe Militar, morre.”

O vice da chapa, José Sarney, do PFL, assume a presidência. Durante o período de comoção nacional alimentado pelas emissoras de TV, e, principalmente depois, especulou-se sobre um plano arquitetado pelas mãos do regime autoritário para que o poder permanecesse com quem já estava.

Essa discussão não vem ao caso. Mas é interessante notar como Celibi, com as antenas de artista, capta em seu título algo que merece reflexão ontem e hoje. A história que sua mãe não contou. A História subtraída e que ganha narrativas estranhas novamente pelos agentes da plutocracia.

Elenco

Elenco

Em meados da década de 1980, falar dos excluídos e de sua força de subverter lugares era um ato político muito mais arriscado. Com um humor explosivo, Henrique Celibi investia nisso. Atualmente as questões de gênero ganham outras conotações e requerem outros avanços.

Celibi, além de dirigir e produzir, atua como a fada-macumba, que tem por missão viabilizar um cartão do sistema VEM para que Cinderela vá ao baile encontrar seu Príncipe, na Rua da Concórdia, durante o Galo da Madrugada.

Henrique Celibi. Foto: Facebook

Henrique Celibi. Foto: Facebook

ENTREVISTA // HENRIQUE CELIBI

Pelas minhas contas, a Bicha Borralheira teria 31 anos. Lembro que foi na época em que Tancredo Neves agonizava e causava uma comoção nacional. O que você lembra dessa época que você escreveu?
São 31 anos mesmo. A estreia na Misty aconteceu no dia 12 de Abril de 1985. Da época, como você bem disse; eu me lembro da euforia que tomava o país e nos enchia de esperança com uma República Nova, ao contrário da insegurança que as especulações políticas de hoje, que nos assustam.

Eu escrevi alguns releases para enviar aos jornais – Valdi Coutinho, Enéas Alvarez e outros – para lhe ajudar. Estávamos juntos porque ensaiávamos uma peça de Joaquim Cardozo, acho.
Sim você ajudou muito fazendo os releases que precisei para o jornal, pois, estávamos juntos na montagem do Casamento de Catirina, da obra do Joaquim Cardozo, adaptada por Vivi Pádua pelo Haja Teatro e Grupo Bumba, com direção de Paulinho Mafe e Carlos Varela; morávamos juntos praticamente. Você faz parte desta “estória” bem no inicio…

Bem, acho que no começo era uma performance e depois você foi acrescentando outras coisas, engrossando a peça. Você recorda qual a intenção ao escrever a Bicha Borralheira?
Fui convidado por Fefé e José Carlos (donos da Misty) para dirigir um show e como eu achava muito repetitiva a fórmula, que já era muito usada nas boates, decidi fazer algo mais pras revistas com quadros de humor. Fiz primeiro o Ensaios espontâneos que contava a história de um teste para a montagem de um musical, meio que “máfia” das amigas. Deu certo e em seguida fiz a Bicha Borralheira que era pra ficar duas semanas e ficamos três meses. Depois fiz A Batalha na Guararapes e Um, dois, direita, esquerda, vou ver… E o propósito sempre foi o mesmo: trabalhar pra sobreviver!

Você esperava a repercussão que teve com a montagem da Trupe do Barulho? A que você atribui esse sucesso?
Quando Jeison Wallace (Cinderela dos palcos e midiática) pediu os direitos de montagem em 1991, nem ele mesmo imaginava o que aconteceria. E o que aconteceu, o fenômeno, eu atribuo em grande parte ao querido José Mario Austregésilo, por ter dado a oportunidade para aqueles personagens entrarem nas casas das pessoas através da cobertura do carnaval da TV Jornal, conquistando logo a simpatia de todos que lotaram o Teatro Valdemar de Oliveira durante quase uma década. Sem a projeção da mídia talvez a história fosse outra, apesar do talento dos protagonistas.

Por que montar o “marco zero” da Bicha Borralheira? O que mudou para a Bicha e para a cidade do Recife?
A montagem é uma grande celebração ao teatro. A esse “teatro” específico que é tão mal visto por muitos que fazem teatro nesta cidade. E porque eu acredito ser o teatro a arte mais agregadora, apesar de alguns, que insistem em excluir e ou classificar o teatro por “tipos”. E porque já foi mais que provado que santo de casa faz milagres sim! Na época em que o “fenômeno” aconteceu, as salas de teatros andavam vazias, como estão hoje. E por ser também o homossexualismo um assunto tão velho que ainda é para muitos, um motivo de piadas de mau gosto.
Claro que a montagem não tem a pretensão de repetir o feito, mas, será bom para o teatro as diferentes visões e versões de uma mesma “estória”…
Quando me refiro ao santo de casa fazer milagres quero dizer que a Trupe do Barulho, mesmo nunca tendo incentivos de leis, estão produzindo com investimentos próprios há vinte e cinco anos. Assim como eu agora e muitos tantos que acreditam no que de maior existe no teatro, além do dinheiro que com ele se possa ganhar. Pra mim há muitas outras satisfações.

Ficha técnica:
Texto, direção, produção: Henrique Celibi
Elenco: Carlos Mallcom (Madrasta), Filipe Enndrio (Burralheira), Flavio Andrade (Príncipe), Renê Ribeiro e Robério Lucado (as irmãs), Henrique Celibi (Bicha Madrinha), Ítalo Lima (vassalo do rei)

SERVIÇO
A Bicha Borralheira, a estória que sua mãe não contou,
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Quando: 13,14, 20 e 21 de abril, às 20h
Preço único: R$ 20

Postado com as tags: , , , , , , ,

Julgamento de Hamlet, Cabaré e A Visita

Espetáculo Por favor, Continue (Hamlet) conta com a participação de não atores. Foto: Divulgação

Espetáculo Por favor, Continue (Hamlet) conta com a participação de não atores. Foto: Divulgação

janeiro-de-grandes-espetáculos-SSSS Hamlet, de William Shakespeare é uma mina inesgotável de enigmas sobre o homem e a justiça. Ao fingir-se de louco e refletir profundamento sobre o pedido de vingança pelo espectro do pai, Hamlet avança num labirinto complexo e surpreendente. Os encenadores Roger Bernat e Yan Duvyendak recorrem ao personagem mais famoso do bardo inglês em Por favor, Continue (Hamlet). Na montagem espanhola, a irrepetibilidade do teatro ganha força. Um experimento que reúne atores e profissionais da justiça, do local em que é encenado. A advogada e professora Liana Cirne Lins é uma das pessoas que vai fazer parte do júri, entre outros profissionais da área jurídica. A apresentação ocorre hoje e amanhã, no Salão Nobre da Faculdade de Direito do Recife. Liana será a advogada de Hamlet na apresentação de amanhã. A entrada é gratuita, os ingressos serão distribuídos com uma hora de antecedência, e a peça tem duração prevista de duas horas e meia.

Fazer a realidade julgar a ficção, utilizando o procedimento criminal em vigor no país da exibição é um procedimento contundente. A fábula expõe um jovem que mata o pai de sua namorada, durante uma festa de casamento em um subúrbio. A única testemunha do ato é a mãe do jovem. Os nomes reais foram substituídos por nomes de ficção: o acusado é Hamlet; Polônio a vítima; a ex-namorada do acusado, Ofélia é a autora da denúncia; a mãe, Gertrudes. Hamlet assegura que o homicídio foi um acidente. Ofélia quer a pena máxima para o assassino de seu pai.

Se Hamlet é culpado; se foi premeditado é o que o júri vai decidir. Ao recrutar esses espectadores emancipados Roger Bernat e Yan Duyvendak transformam esse espaço cênico em ágora, em que os habitantes de uma cidade podem dar sentido a polis, aos destinos da polis. Por outro lado, a dupla de encenadores também reforça que, mesmo diante de regras previamente estabelecidas, o resultado de um julgamento também é uma combinação de subjetividades, pois as leis se abrem a variadas interpretações. Os excessos e absurdos do sistema capitalista estão na mira da dupla. E eles questionam como os valores de algumas subjetividades, a partir de quem tem o poder de julgar – e condenar – impõe suas decisões ao coletivo em detrimento da pluralidade.

Please,  Continue  (Hamlet)  /  Por  Favor,  Continue  (Hamlet)  (Roger  Bernat  –  Espanha)Quando: Dias  12  e  13  de  janeiro  de  2016  (terça  e  quarta),  19h30,
Onde: Salão Nobre da Faculdade de Direito do Recife
Quanto: gratuito  (distribuição  de  senhas a partir de 1h antes)
Duração: 2h30
Classificação etária: a partir de 14 anos

 Autoria e direção cênica: Roger Bernat e Yan Duvyendak
Direção técnica: Txalo Toloza
Produção executiva: Helena Febrés Fraylich

Cabaré Diversiones. Foto: Sulamita Ferreira.

Cabaré Diversiones. Foto: Sulamita Ferreira.

O Vivencial foi um grupo de subversão e desbunde dos anos 1970. Na época, Henrique Celibi era o caçula do grupo. Ele resgata esse clima irreverente e debochado, desbocado, malicioso e sensual na montagem.  Personagens e números musicais do passado combinam com novos textos, numa grande colagem. Um exercício de liberdade.

Cabaré Diversiones (Produção: Henrique Celibi – Olinda/PE)
Quando: Dia 12 de janeiro de 2016 (terça), 20h,
Onde: Teatro Apolo
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Duração: 1h40
Classificação etária: a partir de 16 anos

Textos: Carlos Eduardo Novaes, Glauco Matoso, Fernando Pessoa, Luiz Fernando Veríssimo, Guilherme Coelho e Henrique Celibi
Cenário, coreografia, figurino, roteiro, trilha sonora e direção: Henrique Celibi
Iluminação: Beto Trindade
Preparação vocal: Cindy Fragoso
Operação de som e luz: Renato Parentes
Elenco: Carlos Mallcom, Cindy Fragoso, Filipe Enndrio, Flávio Andrade, Henrique Celibi, Ítalo Lima, Robério Lucado, Sharlene Esse e Valeska Nascimento, com participação especial de Ághata Simões

A Visita, com o ator Severino Florêncio (PE). Foto: Marcos Nascimento

A Visita, com o ator Severino Florêncio (PE). Foto: Marcos Nascimento

Antônio retorna ao lugar da sua infância e encontra tudo mudado. Um deserto de pessoa e de animal. Os homens viraram uma mistura de gente, barro e bicho. O personagem busca na memória o sentido da vida para povoar de afetos o vazio do lugar e do seu coração.

A Visita (Grupo de Teatro Arte­Em­Cena – Caruaru/PE)
Quando: Dias 12 e 13 de janeiro de 2016 (terça e quarta), 20h
Onde: Teatro Capiba (SESC Casa Amarela)
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Duração: 1h
Classificação etária: a partir de 12 anos

Texto: Moncho Rodriguez
Direção, figurino, adereços e maquiagem: Nildo Garbo
Iluminação: Edu de Oliveira
Execução de adereços: Naldo Fernandes
Execução de figurino: Iva Araújo
Cenotécnico: Arnaldo Honorato
Produção e atuação: Severino Florêncio

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,