Arquivo da tag: Festival de Inverno de Garanhuns 2013

Sobre os fantasmas do teatro e o estilo hippie chic

Os gigantes da montanha. Foto: Pollyanna Diniz

Os gigantes da montanha . Foto: Pollyanna Diniz


Yolandas no FIG. Arte: Bosco

Já fazia um bom tempo que o Galpão não vinha a Pernambuco. Não vimos por aqui, por exemplo, os trabalhos do grupo baseados em textos de Anton Tchékhov: Tio Vânia (aos que vierem depois de nós) e Eclipse, que estrearam em 2011 e são bem soturnos, contidos, pesados. Bem diferentes do espetáculo Os gigantes da montanha, apresentado no último sábado no Festival de Inverno de Garanhuns, na Praça do Mosteiro de São Bento. Não que o texto de Luigi Pirandello (1867-1936) seja solar, leve, muito pelo contrário, mas o diretor Gabriel Villela, que reencontrou o Galpão depois de ter assinado para a trupe Romeu e Julieta (1992) e A rua da amargura (1994), deu o seu tratamento à encenação. Desde a atuação até, claro, cenários e figurino. E já são 30 anos de Galpão – eles sabem fazer teatro de rua, levar a música ao palco, encantar e seduzir o público.

No espetáculo, uma trupe de atores decadentes chega a uma vila habitada por fantasmas. É uma montagem que questiona o tempo inteiro a noção de realidade e fantasia. O que realmente acontece? Aqueles atores da trupe estão mesmo vivos o tempo inteiro? O que é só imaginação? Há várias camadas sobrepostas dentro da encenação – realidade, sonho, ilusão, interpretação dentro da interpretação – quando eles começam a encenar A fábula do filho trocado dentro da peça. E há ainda o fato, sim, claro, de que é teatro. E o grupo faz questão de parar a montagem ao final do segundo ato para contar ao público que, quando morreu em 1936, Pirandello não tinha terminado Os gigantes da montanha. No leito de morte, ele teria contado ao filho Stefano como seria o final. Uma das cenas mais bonitas da montagem, aliás. Com uma solução super simples, forte e poética.

Cenários e figurinos são traços marcantes da montagem, com a “grife” incontestável de Gabriel Villela. Os figurinos foram idealizados por Villela, Schicó do Mamulengo e José Rosa e a cenografia, por Villela, Helvécio Izabel e Amanda Gomes. É uma mistura de estilos folk-boho-hippie chic-étnico levada ao palco. Visualmente é incrível, executado de forma impecável, mas é, de verdade, uma “grife” Gabriel Villela: então lembra Sua Incelença, Ricardo III, do Clowns de Shakespeare, Hécuba, com Walderez de Barros, Macbeth, com Marcello Antony, só para citar algumas montagens que passaram pelo Recife há não muito tempo.

Espetáculo deve vir ao Recife

Espetáculo deve vir ao Recife

O cenário é dividido em planos e funciona extremamente bem na intenção de contrapor os núcleos: são muitas vezes os fantasmas versus os atores da trupe, por exemplo, os atores dispostos como coro. E a própria citação ao teatro, com uma cortina que abre e fecha, trazendo novas cenas.

Outro destaque da encenação é, sem dúvida, a musicalidade. Os atores tocam e cantam em cena, com um detalhe que faz toda a diferença: optaram majoritariamente por músicas italianas. A direção e preparação musical, os arranjos e a composição são assinados por Ernani Maletta, parceiro antigo do grupo. Numa matéria do portal Uai, a repórter cita algumas das músicas da encenação: La arrabiatta, de Nino Rota; Il mondo, de Jimmy Fontana; Jesus bambino, de Lucio Dalla; Ciao amore ciao, de Luigi Tenco; Io che amo solo te, de Sergio Endrigo; Bella ciao e Nana, nana tidoletto, canções populares da resistência italiana; La golondrina, de Narciso Serradell Sevilla; Les pêcheurs de perles, de Georges Bizet.

Todo o primor – visual e musical – é coroado por atuações competentes. Inês Peixoto está muito bem como a Condessa Ilse: a loucura, o medo, a obstinação. São atuações expandidas, gestos largos e a construção de muitas imagens. O texto do espetáculo, com várias cenas paralelas à história principal, permite a participação efetiva de vários atores. A cena do suicídio, por exemplo, com o ator Júlio Maciel, encanta o público. Teuda Baura, como a Sonâmbula, merecia um papel maior, sempre tão bom é vê-la em cena.

Em Os gigantes da montanha, o Galpão está falando do que mais sabe: teatro. É, inclusive, um espetáculo bastante crítico e irônico, com relação ao exercício teatral e à cultura do país em muitos momentos. Como uma citação a um teatro sempre fechado, servindo somente aos ratos, ou à burocracia dos projetos, captações, prestações de conta e contrapartidas sociais. É uma peça que nos faz lembrar dos nossos próprios fantasmas, da ilusão, do sonho, da arte. Precisamos mesmo dos artistas para dar coerência – não só aos sonhos – mas principalmente à realidade.

Boa notícia! – Para quem perdeu a montagem em Garanhuns, há a promessa de que o espetáculo participe do Festival Recife do Teatro Nacional. Leda Alves, secretária de Cultura do Recife, estava na plateia e teria feito a promessa a um dos atores do grupo. Espero que seja cumprida! E que o grupo possa, quem sabe, vir com repertório.

Confira uma entrevista com a atriz Inês Peixoto ao final do espetáculo:

Ficha Técnica

ELENCO:
Antonio Edson – Cromo
Arildo de Barros – Conde
Beto Franco – Duccio Doccia / Anjo 101
Eduardo Moreira – Cotrone
Inês Peixoto – Condessa Ilse
Júlio Maciel – Spizzi / Soldado
Luiz Rocha (ator convidado) – Quaquèo
Lydia Del Picchia – Mara-Mara
Paulo André – Batalha
Regina Souza (atriz convidada) – Diamante / Madalena
Simone Ordones – A Sgriccia
Teuda Bara – Sonâmbula

Confira um trechinho do espetáculo: o elenco interpretando Il Mondo, de Jimmy Fontana. Lindo momento!

EQUIPE DE CRIAÇÃO:

Direção: Gabriel Villela
Texto: Luigi Pirandello
Tradução: Beti Rabetti
Dramaturgia: Eduardo Moreira e Gabriel Villela
Assistência de direção: Ivan Andrade e Marcelo Cordeiro
Assistência e Planejamento de ensaios: Lydia Del Picchia
Antropologia da Voz, direção e análise do texto: Francesca Della Monica
Direção e preparação musical e arranjos e composição: Ernani Maletta
Preparação vocal e texto: Babaya
Iluminação: Chico Pelúcio e Wladimir Medeiros
Figurino: Gabriel Villela, Shicó do Mamulengo e José Rosa
Coordenação Artística do Ateliê Arte e Magia: José Rosa
Cenografia: Gabriel Villela, Helvécio Izabel e Amanda Gomes
Assistência de Cenário: Amanda Gomes
Pintura do cenário: Daniel Ducato e Shicó do Mamulengo
Adereços: Shicó do Mamulengo
Bordados: Giovanna Vilela
Costureiras: Taires Scatolin e Idaléia Dias
Luthier: Carlos Del Picchia
Fotos: Guto Muniz
Registro e cobertura audiovisual: Alicate
Design sonoro: Vinícius Alves
Programação Visual: Dib Carneiro Neto, Jussara Guedes, Suely Andreazzi
Tratamento de Imagens do Programa: Alexandre Godinho e Maurício Braga
Logo do espetáculo: Carlinhos Müller
Direção de Produção: Gilma Oliveira

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,

Atriz e Condessa

Yolandas no FIG. Arte: Bosco

No último sábado, o Grupo Galpão apresentou o espetáculo Os gigantes da montanha, na Praça do Mosteiro de São Bento, no Festival de Inverno de Garanhuns. Foi uma noite linda. Logo no início da peça, parecia que ia cair um dilúvio. Mas foi uma garoa fininha só para coroar a primeira cena; e aí, logo que o público aplaudiu ao final, a chuva tomou lugar!

Então fomos ao camarim do grupo e gravamos uma entrevista – bem caseira, hein?! – com a atriz Inês Peixoto, que interpreta a Condessa Ilse. Ela fala sobre a direção de Gabriel Villela, as dificuldades em fazer a peça e a sua personagem.

Postado com as tags: , , , , , ,

Por Elise bate docemente e encanta Garanhuns

Primeiro espetáculo do grupo Espanca! Fotos: Ivana Moura

Primeiro espetáculo do grupo Espanca! Fotos: Ivana Moura

Yolandas no FIG. Arte: Bosco

Por Elise, do Grupo Espanca!, de Belo Horizonte, provocou um susto, uma alegria, no Festival de Teatro de Curitiba de 2005. Apresentado no Fringe, a mostra paralela da programação, a montagem foi a grande revelação daquele ano. Ainda em 2005, a encenação participou da programação do Festival Recife do Teatro Nacional.

Mais amadurecido e com substituições no elenco, o espetáculo Por Elise foi exibido no 23º Festival de Inverno de Garanhuns, com o Teatro Luiz Souto Dourado lotado.

A montagem ganhou experiência, mas não perdeu o frescor. As imagens poéticas surgem de situações cotidianas prosaicas. Com sua estrutura extremamente fragmentada, a partir do texto de Grace Passô, Por Elise prossegue a nos intrigar, entre cachorro que aposta que os humanos têm sentimentos e abacates que podem atingir qualquer passante. E que insiste em lembrar que viver é arriscar-se e os envolvimentos são inevitáveis.

Cachorro lembra que humanos têm sentimentos

Cachorro lembra que humanos têm sentimentos

***

Abaixo dois textos sobre o espetáculo, escritos em 2005 e publicados originalmente no Diario de Pernambuco

Edição de Segunda-Feira, 28 de Março de 2005

Fringe oxigena Festival de Curitiba

Mostra paralela continua com a função de revelar os talentos
Ivana Moura

Participar da mostra paralela do Festival de Teatro de Curitiba, o Fringe, é uma aventura. O prêmio para quem consegue ultrapassar as barreiras pode ser o reconhecimento, digamos nacional. Em meio a 187 espetáculos, alguns se destacam pela qualidade. Desta vez, o grupo Espanca!, de Belo Horizonte, conseguiu emocionar plateias e crítica com uma história delicada, tocante e simples. Por Elise, com texto e direção de Grace Passô, vai desfiando e entrecruzado os conflitos e anseios de cinco personagens. A diretora é a contadora de história, uma negra de olhos grandes e muito carisma, que plantou um pé de abacates no quintal e vive sob ameaça de que um desses frutos caia na cabeça. Ela lembra ao espectador que “é preciso ter cuidado com o que se planta”. Do humor inicial, o tom vai ganhando verticalidade, nos pequenos dramas das personagens. Uma moça está triste, pois terá que sacrificar seu cachorro que está doente. Ela se apaixona pelo lixeiro, que chega à vizinhança à procura do pai, que um dia saiu para comprar cigarros e nunca mais voltou. O homem, que tem por função levar o cão, sonha com o Japão.

As histórias das dores repentinas que invadem o cotidiano daqueles vizinhos emocionam. As personagens se encontram, mas não se salvam. A vida tem que seguir seu rumo, nem sempre com sonhos realizados. O percurso de cada um deixa marcas profundas. Como na cena em que o domador/caçador de cachorros participa de uma dança de sedução com o cão que sabe que vai morrer.

Personagens correm atrás de sonhos

Personagens correm atrás de sonhos

*******

Edição de Segunda-Feira, 21 de Novembro de 2005

Espetáculo mineiro explora fragilidade humana

FESTIVAL – Na montagem Por Elise, companhia Espanca! ensina a transpor muros da relação com o mundo para sobreviver

Ivana Moura
Da equipe do DIARIO

Uma cena nonsense e um recado existencial. Uma mulher com medo que abacates caiam sobre sua cabeça e o aviso imediato “Cuidado com o que você planta”, num misto de advertência e constatação que pode ser entendido como “cuidado com os desejos, porque eles podem vingar”. O espetáculo Por Elise, da companhia mineira Espanca! – cartaz de sábado e domingo da 8ª versão do Festival Recife do Teatro Nacional-, traz esse misto de ingenuidade e profundidade no seu discurso. O palco nu dialoga com os lugares (tanto objetivos quanto subjetivos) que temos possibilidade de ocupar na vida contemporânea. No diário virtual da montagem, o grupo cita Tarkovski: “O teatro joga com os possíveis deslocamentos das posições dos desejos”, atestando que a beleza delicada da encenação é resultado de uma trabalho árduo de equipe.

Construída com delicadeza e pitadas generosas de humor, a montagem, com texto e direção de Grace Passô submete os nossos individualismos cotidianos, quando cruza a vida de várias pessoas, vizinho e prestadores de serviço, de uma cidade de médio porte, a uma necessidade de relacionamento, de amizades, de sentimentos. Na economia de recursos cênicos, de aparatos visuais ou tecnológicos, Por Elise investe na palavra poética para dizer muitas coisas ao público.

A dona-de-casa que plantou os abacates conhece os dramas dos outros vizinhos da rua, marcados pela solidão, pela perda, pelo abandono e pela esperança. Ela é a contadora de histórias baixinha e de olhos grandes, interpretada pela própria Grace. A moça de vermelho (Samira Ávila) está triste e desorientada, porque seu cão está condenado e, em breve, chegará o rapaz da carrocinha para sacrificar o animal. Ela é pura emoção, cuja síntese é mimetizada pelo ato de cair. A garota se apaixona pelo lixeiro (Gustavo Bonés), que está à procura do pai, que saiu de casa para comprar cigarros e nunca mais voltou. Os dois correm pelo palco, encontram-se, perdem-se, deixam frases soltas pelo meio do caminho.

O funcionário (Paulo Azevedo) que chega para sacrificar o cão da moça desorientada é um inadequado para a profissão. Ele sonha deixar aquela vida e ir para o Japão. É um personagem difícil, contraditório (e por isso mesmo, cheio de humanidade), defendido com muita elegância pelo ator, que equilibra seu porte com o medo e a insociabilidade do tal funcionário. A figura do cão é interpretada por Marcelo Castro, que aos poucos vai conquistando a plateia com sua composição poética e contagiante, ao fugir de uma possível caricatura dos que preferem o caminho fácil quando fazem papel de animal.

Por Elise é uma fábula de efeito moral, numa narrativa elipsada, marcada por vazios, saltos e silêncios profundos. O título da peça remete à peça de Beethoven, Pour Elise, que em algumas cidades é utilizada em anúncio de caminhão de gás. Por Elise foi eleito informalmente por críticos, jornalistas e público como um dos melhores espetáculos do Fringe (programação paralela do Festival de Teatro de Curitiba) deste ano, em meio a mais de 150 montagens.

“Cuidado com o que toca; com a capacidade que gente tem de se envolver com as coisas”, adverte a verborrágica dona-de-casa da peça, incentivando a plateia a se arriscar nos envolvimentos, mesmo que isso gere “uma pancada doce”, aquela dor repentina, mas que faz com que cada um acredite que vale a pena transpor os muros para o encontro, a conversa de amigos, que no fundo é sempre muito bom.

*******

Grace Passô no papel da dona de casa de Por Elise

Grace Passô no papel da dona de casa de Por Elise

Confira entrevista com Grace Passô, concedida após a apresentação do espetáculo Por Elise, no Teatro Luiz Souto Dourado, de Garanhuns, durante o 23º Festival de Inverno. Ela fala sobre o Grupo Espanca!, o seu amadurecimento profissional e os novos projetos, agora que deixou o grupo (mas continua envolvida com as montagens do repertório).

Postado com as tags: , , ,

Artes cênicas no FIG

Os gigantes da montanha. Foto: Guto Muniz

Os gigantes da montanha. Foto: Guto Muniz

Com algum atraso, mas sempre importante registrar, publicamos aqui a programação completa (ou quase, porque há algumas apresentações de artes cênicas em outros polos, como o Polo Castainho, que terá, por exemplo, Eu vim da ilha, da Cia de Dança do Sesc Petrolina) do Festival de Inverno de Garanhuns deste ano.

Como já havíamos adiantado, para quem acompanha o circuito de artes cênicas, a maior expectativa deve ser mesmo Os gigantes da montanha, do Grupo Galpão, porque é um espetáculo que estreou muito recentemente, em maio, e ainda não circulou fora de Minas Gerais. Além disso, é mais uma parceria do Galpão com Gabriel Villela.

Há ainda Por Elise, primeira montagem do Grupo Espanca!, de Minas Gerais, e O filho eterno, da Cia Atores de Laura, monólogo que já foi apresentado no Recife em pelo menos duas ocasiões. Nos eventos especiais, show de Cida Moreira, sempre imperdível.

Entre os grupos pernambucanos, como tínhamos dito, duas montagens do Magiluth, inclusive Luiz Lua Gonzaga, que ainda foi pouco apresentada; e A filha do teatro, da Cênicas Cia de Repertório. Na programação infantil, vale a pena conferir Pindorama, caravela e malungo, do Quadro de Cena.

Um dos alvos de reclamação dos artistas, mais uma vez, é o apoio aos grupos locais de Garanhuns. “Garanhuns não tem nenhum espetáculo adulto na programação. Foi porque não houve inscrição? Não, porque a Troupe Azimute inscreveu espetáculo adulto e nem a segunda-feira, que era o dia oficial dos espetáculos de Garanhuns, nossa cidade conseguiu. Pra não dizer que não inseriram alguma coisa da Troupe Azimute no FIG 2013, colocaram o espetáculo de teatro de rua Tudo vira tudo no Palco de Cultura Popular, às 19h, ou seja, um belíssimo cala-a-boca”, escreveu a atriz Duvennie Pessôa.

E vocês? O que acharam da programação??? Comentem!

ARTES CÊNICAS

TEATRO ADULTO
Local: Teatro Luiz Souto Dourado
Horário: 19h

Sexta-feira, 19/07
Por Elise / Grupo Espanca! | Belo Horizonte-MG

Domingo, 21/07
Na Comédia de Edgar, Alan põe o Bico / Associação Teatral Cia. P’Atuá | Belo Horizonte-MG

Segunda-feira, 22/07
Uma de Duas – A Vida Comum de LucyLady / Christiane de Lavor e Ricardo Tabosa | Fortaleza-CE

O filho eterno. Foto: Pollyanna Diniz

O filho eterno. Foto: Pollyanna Diniz

Terça-feira, 23/07
O Filho Eterno / Cia. Atores de Laura | Rio de Janeiro-RJ

Quarta-feira, 24/07
A Filha do Teatro / Cênicas Cia. de Repertório | Recife-PE

A filha do teatro. Foto: Ivana Moura

A filha do teatro. Foto: Ivana Moura

Quinta-feira, 25/07
De Malas Prontas / Cia. Pé de Vento Teatro | Florianópolis-SC

Sexta-feira, 26/07
Como Nasce um Cabra da Peste / Agitada Gang – Trupe de Atores e Palhaços da Paraíba | João Pessoa-PB

Sábado, 27/07
Viúva, Porém Honesta / Grupo Magiluth | Recife-PE

Viúva, porém honesta. Foto: Pollyanna Diniz

Viúva, porém honesta. Foto: Pollyanna Diniz

EVENTO ESPECIAL
Local: Teatro Luiz Souto Dourado
Horário: 17h30

Sábado, 20/07
Cida Moreira – Show Dama Indigna | São Paulo-SP

TEATRO DE RUA

Sábado, 20/07
Os Gigantes da Montanha / Grupo Galpão | Belo Horizonte-MG
Local: Praça do Mosteiro de São Bento
Horário: 10h

Quinta-feira, 25/07
Tudo vira Tudo / Troupe Azimute | Garanhuns-PE
Local: Av. Santo Antônio (Espaço de Cultura Popular)
Horário: 19h

Sexta-feira, 26/07
Luiz Lua Gonzaga / Grupo Magiluth | Recife-PE
Local: Av. Santo Antônio (Espaço de Cultura Popular)
Horário: 19h

TEATRO PARA INFÂNCIA
Local: Pavilhão da Dança e do Teatro para Infância (Parque Euclides Dourado)
Horário: 16h30

Sábado, 20/07
Tá Namorando! Tá Namorando! / Grupo Bagaceira de Teatro | Fortaleza-CE

Segunda-feira, 22/07
Em Busca do Ingrediente Secreto / Cia. Chica e Olga Ateliê de Criações | São Paulo-SP

Quarta-feira, 24/07
Pindorama, Caravela e Malungo / Grupo Teatral Quadro de Cena | Recife-PE

Pindorama, caravela e malungo. Foto: Pollyanna Diniz

Pindorama, caravela e malungo. Foto: Pollyanna Diniz

DANÇA
Local: Pavilhão da Dança e do Teatro para Infância (Parque Euclides Dourado)
Horário: 16h30

Sexta-feira, 19/07
A Barca / Grupo Grial | Recife-PE

Domingo, 21/07
Amazônia / Espaço Bailarte | Garanhuns-PE

Trupecada / Geração Salu | Olinda-PE

Terça-feira, 23/07
Lady Jan e João / Rogério Alves | Recife-PE

Tu Sois de Onde? / Lineu Gabriel | Recife-PE

Quinta-feira, 25/07
Sonhos / Mangue Boys | Recife-PE

Sobre um Paroquiano / Compassos Cia. de Danças | Recife-PE

Sexta-feira, 26/07
As Canções que Você Dançou pra Mim /Focus Cia. de Dança | Rio de Janeiro-RJ

Sábado, 27/07
Compartilhados / Grupo Experimental | Recife-PE

PERFORMANCES DE DANÇA
Local: Galeria das Artes (Av. Dantas Barreto, 44 – Santo Antônio)

Domingo, 21/07 | 18h
Âmbar: Três Bailarinas de Degas / Gardência Coleto (PE)
Saída / Denilce Freitas (PB)
Ela sobre o silêncio / Helijane Rocha (PE)

Ela sobre o silêncio. Foto: Ivana Moura

Ela sobre o silêncio. Foto: Ivana Moura

CIRCO
Local: Av. Caruaru – Heliópolis (área próxima ao Terminal Rodoviário)

Sexta-feira, 19/07
16h – Acrobatas Aéreos / Circo Bambolê | PE

Sábado, 20/07
16h – Circo Arlequin / Trupe Arlequin | João Pessoa-PB

Domingo, 21/07
14h e 16h30 – O Mundo Mágico de Entretenimento do Circo Alakazam /Circo Mágico Alakazam | PE

Segunda-feira, 22/07
16h – A Tradição Centenária da Família Alves / Circo Itinerante Alves | PE

Terça-feira, 23/07
16h – Sonho de Circo / Trupe Circus | Recife-PE

Quarta-feira, 24/07
16h – Disney Circo – A Tradição da Família Vidal / Disney Circo | PE

Quinta-feira, 25/07
14h e 16h30 – No Pocket – Um Espetáculo para Todos os Bolsos / Coletivo Nopok | Rio de Janeiro-RJ

Sexta-feira, 26/07
14h e 16h30 – Um Concerto em Ri Maior / Cia. dos Palhaços | Curitiba-PR

Sábado, 27/07
14h e 16h30 – Picadeiro Pernambuco – A Tradição Milenar / Centro Carcará | Cabo de Santo Agostinho-PE

AÇÕES ESPECIAIS

Teatro
Papo de Bar
Teatro Lambe Lambe | Jaraguá do Sul-SC
Domingo, 21/07 | 15h | Parque Euclides Dourado
Segunda-feira, 22/07 | 15h | Castainho
Terça-feira, 23/07 | 10h | Av. Santo Antônio (Espaço de Cultura Popular)

Circo
Palhaços na Feira, Saltimbancos em Brincadeira – Uma Intervenção de Palhaçaria
Cia. 2 em Cena de Teatro, Circo e Dança | Recife-PE
Sexta-feira, 26/07 | manhã | Mercado Público
Sábado, 27/07 | manhã | Feira Livre

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,