Arquivo da tag: Coletivo Grão Comum

É urgente ouvir Paulo Freire

Daniel Barros e Júnior Aguiar atuam em Paideia

Daniel Barros e Júnior Aguiar atuam em pa(IDEIA) – Pedagogia da Libertação

A pedagogia de Paulo Freire para alfabetizar adultos com consciência foi recebida como uma arma mortífera pela ditadura militar brasileira. Seu método defende que “não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho”.

E foi com esse intuito que, em 1963, 300 trabalhadores foram alfabetizados em 40 horas, no município de Angicos (RN). Uma ação revolucionária que ficou conhecida como “Método Paulo Freire” e passou a inspirar o pensamento pedagógico em outros países. Mas no Brasil o programa não durou muito. Menos de três meses depois, já sob o regime militar, a iniciativa foi extinta. A proposta foi considerada subversiva pelos militares e Paulo Freire ficou encarcerado no 14º Regimento de Infantaria, no Recife.

Foram 72 dias na prisão. Certa vez, um capitão do presídio lhe fez o pedido de aplicar o método para os recrutas, pois disse que havia muitos analfabetos entre eles. Ao que o educador respondeu que era exatamente por conta do método que estava ali.
paideia22a

pa(IDEIA) – Pedagogia da Libertação trata da prisão do educador no Recife, seu exílio por 16 anos pela América Latina, Europa e África e narra suas experiências na volta ao Brasil. É o segundo espetáculo da Trilogia Vermelha, do Coletivo Grão Comum / produtora Gota Serena. A primeira é h(EU)stória – o tempo em transe, com foco em Glauber Rocha; e a terceira – pro(FÉ)ta – O bispo do povo – vai visitar a trajetória de Dom Helder Camara.

Os atores Daniel Barros e Júnior Aguiar protagonizam esse espetáculo político, que defende a educação como canal de mudança da humanidade. O espetáculo faz uma sessão hoje (22), no Espaço O Poste, às 20h.

A peça parte de uma longa declaração prestada por Paulo Freire em 01/07/1964 e registrada no inquérito. O pedagogo narra sua trajetória acadêmica e, principalmente, sua posição no mundo como ser crítico, reflexivo e atuante. No espetáculo, a plateia integra uma grande sala de aula. A montagem também utiliza áudios de depoimentos como o do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes.

A prática dialética defendida por Paulo Freire nos mais de 40 livros salvou milhões da alienação.
A atual situação da educação brasileira, com os constantes retrocessos promovidos pelo presidente catapultado por um golpe e seus asseclas – como a reforma do ensino médio feita sem consulta à sociedade – mostram a necessidade urgente de ouvir a voz de Paulo Freire. Ele que tanto lutou pelo diálogo, pelo caráter democrático da educação.

Em 2009, a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça considerou o educador pernambucano como anistiado político, com pedido de desculpas oficiais pelos erros cometidos pelo Estado contra ele. No ano passado, o governo golpista de Temer tentou manchar o nome do educador com algumas manobras na biografia de Paulo Freire. Ficamos com uma frase do pedagogo: “Num país como o Brasil, manter a esperança viva é em si um ato revolucionário.”

 Ficha Técnica

pa(IDEIA) – pedagogia da libertação

Atores: Daniel Barros e Júnior Aguiar
Pesquisa, Roteiro, Encenação e Iluminação: Júnior Aguiar
Música Original: Juliano Muta, Leonardo Vila Nova e Tiago West. Com participações de Glauco César II, Aline Borba, Otiba, Geraldo Maia, Paulo Marcondes, Rodrigo Samico, Publius, Hugo Linnis e Amarelo
Operação de áudio e luz: Roger Bravo
Identidade Visual do cartaz: Arthur Canavarro
Terapeuta Corporal: Mônica Maria
Maquiadora: Luanna Barbosa
Vídeo: Ricardo Maciel
Teaser: Nilton Cavalcanti
Fotografias:  Rogério Alves, Amanda Pietra e Diego di Niglio
Idealização e Produção Geral: Coletivo Grão Comum e Gota Serena
Parceiros e Colaboradores: Márcio Fecher (Gota Serena), Asaías Lira (Zaza), Ingrid Farias, Alexandra Jarocki, Amanda Cristal, Isabelle Santos, Daniel Fialho, Charles Firmino, Jeferson Silva, Quiercles Santana, Rafael Amâncio, Espaço Cênicas, Centro Apolo-Hermilo, Teatro Arraial Ariano Suassuna, Galeria MauMau – Sala Monstro.

Serviço

PA(IDEIA) – PEDAGOGIA DA LIBERTAÇÃO

Quando: 22 de abril (sábado), às 20h
Onde: Espaço O Poste (Rua da Aurora, 529, Boa Vista)
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Informações: (81) 9 8484-8421

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

MARéMUNDO tem pré-estreia no Espaço Muda

Foto: Juan Guimarães

Com a pré-estreia da peça MARéMUNDO escrita e interpretada por Arthur Canavarro, o coletivo Grão Comum encerra a mostra do seu repertório e a participação especial no Janeiro de Grandes Espetáculos. O trabalho será exibido hoje, às 22h, no Espaço Muda. Trata da história de Beira-mar, um pescador anônimo que se mete numa viagem e atravessa o oceano, por acreditar que existe uma ilha encantada e que ele precisa chegar lá. Para ele, o mar é povoado por seres fantásticos, monstros e divindades. E ele necessita quebrar um feitiço.

Beira-mar segue os versos do poeta português Fernando Pessoa quando diz que “navegar é preciso” porque se somos surpreendidos com algo inesperado ou imprevisível, quando o significado habitual das coisas, das ações, dos valores ou das pessoas perde sentido, mudamos ou deveríamos mudar de rumo para entender as motivações e essência dos acontecimentos. Após a apresentação, haverá uma conversa sobre o processo de criação.

O coletivo exibiu nas terças-feiras anteriores: Delicado (Daniel Barros), Abanoi – desse lado onde estás (Júnior Aguiar) e Mucurana – de mundo afora e história adentro (Asaías Lira). A mostra do coletivo Grão Comum é completada por uma exposição de fotos Sobregrãos realizadas por Juan Guimarães.

Serviço
MARéMUNDO
Quando: Nesta terça-feira, 1° de fevereiro, às 22h
Onde: Espaço MUDA (Galeria.Artes cênicas.Moda.Bistrô) – Rua do Lima, 280, Santo Amaro – Recife, PE
Fone: (81) 3032 1347
Ingresso: R$ 10

Postado com as tags: , , ,

A graça de Mucurana

Foto: Ivana Moura

Mucurana – de mundo afora e história adentro é um experimento desenvolvido pelo ator Asaías Lira – o Zaza, que encontrou esse personagem de Hermilo Borba Filho há cinco anos e nunca mais o largou. Lá atrás, ele protagonizou a peça Mucurana, o peixe, adaptada e dirigida por Carlos Carvalho do conto O Peixe, que estreou em 2006. Nessa montagem, que trazia no elenco Gilberto Brito (Coronel Teodósio Guedes Farias de Azeredo), Flávio Renovatto (Fogo Pagô e narrador), Azaias Zazá (Mucurana), Soraya Silva (narradora e vigia do Coronel), Olga Torres e Patrícia Moreira (narradoras), Mucurana é punido pelo Major 44 Espada d’Água Teodósio Guedes Farias de Azeredo, por ter subtraído do seu viveiro um camorim dos roliços. O castigo foi andar com o peixe pendurado no pescoço. O espetáculo acabou e Zazá encontrou outra vida para o personagem.

Agora ele está sozinho, com seu pandeiro, seus apetrechos. As histórias de suas andanças pelo mundo afora aproximam Mucurana de outros artistas populares. Uma ingenuidade que está mais perto da pureza do coração e uma esperteza de quem precisa sobreviver em condições adversas são traços desse personagem. Ele lembra Mateus do bumba-meu-boi e do cavalo-marinho. Mas o ator também dialoga com outros personagens da dramaturgia e até com os doidos de rua, com sua teatralidade genuína.

Zaza está em constante busca do gesto perfeito, da graça certeira, do domínio do espaço, da alegria que contamine. Em Mucurana, ele entra e sai na história do Brasil oficial, criticando-a e apresentando outras versões. E as evoluções parecem sambada de cavalo-marinho, com o ator olhando nos olhos da plateia. Termina dizendo que os sapatos que usa foram do escritor Ariano Suassuna.

Mucurana foi apresentado na terça-feira, dentro do projeto do Coletivo Grão Comum, no Espaço Muda (este lugar onde todo dia tem uma atração, na Rua do Lima) e depois houve uma longa e sincera conversa com o público por mais de uma hora. O ator contou de suas experiências com esse personagem, de sua luta nos sinais da cidade para garantir alguns trocados, e muitas vezes da incompreensão de sua arte por parte de quem o assiste. O encenador João Denys estava lá e falou das teatralidades e da arte do ator. Outras pessoas, como o cineasta Pablo Polo, comentaram sobre suas impressões. Sobre o encantamento que o ator desperta na plateia.

Foto: Ivana Moura

Postado com as tags: , , , , ,