Arquivo da tag: Coletivo Angu de Teatro

Ossos articula discurso bruto e libertador *

Elenco de Ossos

Elenco de Ossos: Daniel Barros, Arilson Lopes, Marcondes Lima, André Brasileiro, Ivo Barreto, Robério Lucado

                                                                                                        Sidney Rocha *
                                                                                                        Especial para o Satisfeita, Yolanda?

 

ATO I

Querida Yolanda:

Grosso modo, literatura que se parece com teatro não é literatura.

Dizem que a prosa de Marcelino Freire parece teatro. Lamento dizer: não parece. Não parece porque é literatura. Literatura e teatro têm linguagem distinta. Necessariamente. O discurso cênico tem outra função. Há certa natureza ética, que transcende a natureza estética, de modo que teatro não é diversão pura e simples, não está ali para entreter, mas para dizer certa verdade: a condição precária do homem no universo. Nisso o teatro se aparenta mais à filosofia que à literatura. Mas à filosofia que não se rende ao poder, nem ao exagero das interpretações, violência contra a qual Susana Sontag lutou violentamente naquele ensaio: Contra a interpretação.

A busca dessa verdade: tem sido assim desde a Grécia, quando sequer havia distinção entre arte e técnica. É assim na arte dramática de Brecht, de Camus, ou de Beckett e Ionesco, todos interessados somente em expor o homem em sua condição miserável e absurda perante a vida.

Marcelino Freire adaptou seu romance (Nossos ossos, 2013) para entregar ao coletivo Angu de Teatro um texto vigoroso. Um texto, repito. Logo no começo, à direita da cena, o ator, na pele do autor sob a pele de Heleno de Gusmão – ali numa litania à capella, durante todo o espetáculo – ali na primeira das mil ossaturas, expõe a transconfissão do metaescritor:
“O que eu poderia fazer mais, se já escrevi o romance?”
É verdade, Marcelino, mas verdade-só-literariamente.

O discurso cênico termina mostrando a verdade-verdade: o autor se esgota, brocha, acata porque, no teatro, o coito é só dos atores. Só eles podem. Com ph.

Marcelino descobriu cedo que as palavras em estado-de-literatura são uma coisa. Outra coisa são as palavras em estado-de-teatro. A palavra de fato. A palavra-ato.

Em Ossos, reina sobretudo a linguagem não-literária, mas teatral. A metáfora literária enfim perde para discurso do teatro que busca a linguagem ordinária, para suplantá-la. Ossos era para ser um tipo de “teatro de texto” que faz falta ao teatro contemporâneo no Brasil, e isso já bastaria – embora o textocentrismo seja outro tipo de exagero. Mas no teatro as teorias são uma tolice e se perdem no momento exato em que um ator pise o palco. É o que ocorre nessa adaptação. Os atores de Ossos sabem bem as margens miméticas do que vem a ser a encenaçãoatuação. Mas isso seria outro papo.

Eu dizia, Yolanda: uma coisa é texto. Outra, é fala. E outra coisa é voz. Essa pressupõe corpo e sangue. Porque o teatro, diferente do cinema, da literatura, da pintura, nos dá um corpo, de verdade: o do ator. Essa diferença é a essência da mímese do texto dramático. Ossos é também sobre esse corpo, que se tenta conduzir, enterrar, carregar, livrá-lo de uma alma e dá-lo a outra. Por isso o texto é pouco – e a fala não diz tudo. É a voz do ator que transmite o que não está no texto. É massa viva controlável somente pela técnica, no palco. É a única voz que interessa.

Ah, pobre literatura que não pode com essa força.

André Brasileiro e Daniel Barros numa cena de Ossos. Foto: Divulgação

André Brasileiro e Daniel Barros interpretam o escritor Heleno de Gusmão e o michê. Foto: Divulgação

ATO II

“Não sou dramaturgo”, diz o o autor no personagem central de Ossos, vivido com exatidão por André Brasileiro, quando se abre uma das camadas da adaptação – que são como atos dentro de atos, insight ou intuições de Marcondes Lima na busca de uma dicção ou linguagem ou lugar que realizasse o autor-adaptador, mas que contemplasse sua fala [repito: fala] como criador experiente que é.

A direção é conduzida de modo a todos dividirem a cena, a luz, o figurino, deixando clara a voz já reconhecível do coletivo, mas com o pensamento, fala e ação rigorosos do diretor de Ossos. Uma direção não-natural, porque o teatro é mesmo contra a natureza, e nisso consiste a arte – supor certo domínio, e controle, e direção sobre os atos, e omissões.

Por isso, querida Yolanda, não há personagem mais carne-e-osso do que aquele na pele de um ator, todo feito de intuição, e técnica, e erro. Sobretudo erros, Yolanda, porque não existe maria-concebida-[sem-erro]-sem-pecado, no teatro. Ao somar tudo, Marcondes Lima criou a fantasmagoria necessária para transformar Ossos em discurso bruto e libertador. Ossos é carnavalização, riso e grito. O paraíso do baixo-corporal, do prazer e da dor que se assume. A ridicularia da morte sobre a vida. E da vida sobre si mesma.

Taí a verdade desse teatro angular, coletivo.

 

13475046_1353057958042362_8737234060067690956_o

Marcondes Lima no papel de Estrela. Foto Divulgação

ATO III

O que realmente importa: André Brasileiro trocou a paixão daquela vez da estreia, naquele 11 junho do ano passado, pela exatidão que vi ontem, no mesmo Teatro Apolo, e compôs um Heleno de Gusmão que se põe em pé, sem pedir favor ou pacto de compreensão à plateia.
Marcondes Lima desaparece e faz surgir algumas vênus singulares: Estrela, Carmen Miranda, Fafá de Belém, todas com cor e coração também exatos.

Arilson Lopes faz o motorista do rabecão. Foto Divulgação

Arilson Lopes faz o motorista do rabecão. Foto Divulgação

O Caronte mais real que já vi, o motorista Lourenço – o personagem trágico por excelência em Ossos: vale mesmo vê-lo saltando de dentro de Arilson Lopes, que faz também o interesseiro Carlos.

A trilha sonora de Juliano Holanda. A trilha sonora de Juliano Holanda. A trilha sonora de Juliano Holanda.

Ceronha Pontes preparou urubus, travestis e michês para o banquete claro-escuro e multicor de cada cena.
Ossos é como a vida. E como a morte: Funciona.
Convenhamos, querida: no teatro, isso não é pouco.

Então ficamos assim, Yolanda: Ossos: texto de Marcelino Freire. Fala de Marcondes Lima. Mas a voz é do Angu de Teatro.
E que beleza.
Não perca.

*  Sidney Rocha  é escritor. Escreveu Matriuska (contos, 2009), Fernanflor (romance, 2015) e Guerra de ninguém (contos, 2016). Com O destino das metáforas venceu o Prêmio Jabuti, em 2012, na categoria contos e crônicas e com o romance Sofia, o Prêmio Osman Lins; todos pela Iluminuras.

Daniel Barros e Robério Lucado interpretam garotos de programa em Ossos. Foto: Ivana Moura

Daniel Barros e Robério Lucado interpretam garotos de programa em Ossos. Foto: Ivana Moura

FICHA TÉCNICA

Texto: Marcelino Freire
Direção: Marcondes Lima
Direção de arte, cenários e figurinos: Marcondes Lima
Assistência de direção: Ceronha Pontes
Elenco: André Brasileiro, Arilson Lopes, Daniel Barros, Ivo Barreto, Marcondes Lima, Ryan Leivas (Ator stand in) e Robério Lucado
Trilha sonora original – composição, arranjos e produção: Juliano Holanda
Criação de plano de luz: Jathyles Miranda
Operação de Som: Sávio Uchôa
Preparação corporal: Arilson Lopes
Preparação de elenco: Ceronha Pontes, Arilson Lopes
Coreografia: Lilli Rocha e Paulo Henrique Ferreira
Coordenação de produção: Tadeu Gondim
Produção executiva: André Brasileiro, Fausto Paiva, Arquimedes Amaro, Gheuza Sena e Nínive Caldas
Designer gráfico: Dani Borel
Fotos divulgação: Joanna Sultanum
Visagismo: Jades Sales
Assessoria de imprensa: Rabixco Assessoria
Técnico de som Muzak – André Oliveira
Confecção de figurinos: Maria Lima
Confecção de cenário e elementos de cena: Flávio Santos, Jorge Batista de Oliveira.
Operador de som e luz: Fausto Paiva / Tadeu Gondim
Camareira: Irani Galdino

Postado com as tags: , , , , , , , , ,

Dramaturgia espanhola no Janeiro

Os corpos perdidos trata do extermínio de mulheres. Com o Angu de Teatro e convidados

Os corpos perdidos trata do extermínio de mulheres. Com o Angu de Teatro e convidados

janeiro-de-grandes-espetáculos-SSSS Ciudad Juárez é um dos lugares mais violentos do México na década de 1990. A obra dramática Os corpos perdidos, de José Manuel Mora com tradução de Cibele Forjaz, trata da torrente de assassinatos de mulheres. Impera a impunidade para os criminosos e a negligência do governo. A peça mergulha nessa pungente memória de mais de 300 mulheres executadas.

O texto integra a Coleção Dramaturgia Espanhola, da Editora Cobogó, que tem lançamento hoje e amanhã (ao preço de R$ 30 cada). O lançamento ocorre junto com leituras dramatizadas, com entrada franca.

A leitura de Os corpos perdidos conta com a participação do o elenco do Coletivo Angu de Teatro e convidados (Marcondes Lima, Arilson Lopes, André Brasileiro,Gheuza Sena, Nínive Caldas, Ivo Barreto, Daniel Barros, Hermínia Mendes,Márcio Antônio Fecher Junior, Paulo De Pontes e Lúcia Machado). E tem direção de  Cibele Forjaz. Nesta quarta, às 20h, no Teatro Arraial Ariano Suassuna.

O programa reserva para quinta-feira a leitura dramatizada da obra A Paz Perpétua, de Juan Mayorga, dirigida pelo gaúcho Fernando Philbert. A intriga que envolve violência, poder e autoridade é defendida pelos atores do Grupo Magiluth (Giordano Castro, Mário Sergio Cabral, Erivaldo Oliveira, Lucas Torres Magiluth e Bruno Parmera). Às 20h de amanhã, no palco do Teatro de Santa Isabel (entrada pela administração).

O Projeto de Internacionalização da Dramaturgia Espanhola promovida pela Acción Cultural Española – AC/E, conta com o envolvimento do TEMPO_FESTIVAL (Rio de Janeiro), Editora Cobogó, Porto Alegre em Cena – Festival Internacional de Artes Cênicas; Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília; Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – FIAC; e Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco.

 

Leitura Dramatizada e Lançamento de Livros

Dia 20 de janeiro de 2016 (quarta), 20h, gratuito
Teatro Arraial Ariano Suassuna
Leitura dramatizada do texto Os Corpos Perdidos, de José Manuel Mora, pela encenadora Cibele Forjaz e participação do Coletivo Angu de Teatro e atores convidados.

Lançamento dos livros A Paz Perpétua, de Juan Mayorga, com tradução de Aderbal Freire-Filho, e Os Corpos Perdidos, de José Manuel Mora, com tradução de Cibele Forjaz e colaboração de Kako Arancibia.

 

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Segundo Bazar para Copi

Angu promove segundo encontro para levantar O Homossexual ou a dificuldade de expressar-se

Angu de Teatro promove segundo encontro para levantar O Homossexual ou a dificuldade de expressar-se

A batalha para arrecadar fundos para a encenação O Homossexual ou a dificuldade de expressar-se continua neste sábado. A peça do dramaturgo, performer e artista gráfico franco-argentino Raul Damonte Botana, mais conhecido como Copi (1939-1987) é um dos projetos do Coletivo Angu de Teatro. A primeira edição do Bazar Copi Pop da Madame Garbo ocorreu em junho, na Casa da Encruzilhada, e neste sábado é realizada a segunda edição, das 11 às 20h.

Desta vez as atrações são um pocket show com cantor Gonzaga Leal e participação de Ceronha Pontes. Os DJs Cláude Marmottáge e Marcondes Lima assinam a playlist musical durante o evento. E o bazar disponibiliza novas peças de roupas, sapatos, acessórios, CDs, DVDs.

Serviço
Bazar Copi Pop da Madame Garbo
Quando: Sábado(03/10) das 11h às 20h
Onde: Casa da Encruzilhada (Rua Dr. José de Sá Carneiro, 60, Encruzilhada. Rua da concessionária Renaut Regence)
Entrada gratuita
Informações: 99735.4241

Postado com as tags: , , ,

Angu chama para dia festivo com Copi

Coletivo Angu de Teatro promove o Bazar Copi Pop da Madame Garbo. Arte de Bruno Parmer

Grupo cênico realiza o Bazar Copi Pop da Madame Garbo. Arte de Bruno Parmer

O Coletivo Angu de Teatro promove a primeira ação para arrecadar recursos para a nova montagem do grupo, O Homossexual ou a dificuldade de expressar-se, do dramaturgo, performer e artista gráfico franco-argentino Raul Damonte Botana, mais conhecido como Copi (1939-1987). Trata-se do Bazar Copi Pop da Madame Garbo, na Casa da Encruzilhada, no próximo sábado, das 10 às 20h. Vai ser um encontro festivo do povo de teatro do Recife e admiradores do trabalho da trupe, com a comercialização de roupas, sapatos, acessórios, livros, CDs e DVDs. A feira cênica será regada a comidinhas, bebidinhas, música e performances.

Copi  (pronuncia-se Copí),  é da mesma turma de Fernando Arrabal Terán – escritor, dramaturgo e cineasta espanhol, que vive na França desde 1955, e autor dentro outras, das peças Fando et Lis , O cemitério de automóveis e O Arquiteto e o Imperador da Assíria – e do dramaturgo e cineasta chileno Alejandro Jodorowsky -, que escreveu As três velhas, montada no Brasil por Maria Alice Vergueiro. Eles são legatários do Teatro do Absurdo e nos anos 1960 fundaram em Paris o Grupo Pânico.

Copi por Léon Herschtritt / Reprodução da internet

Copi por Léon Herschtritt / Reprodução da internet

O multicriador transgride em sua obra os limites de rotulações de identidades e seus textos escancaram o preconceito contra transexuais. Copi esquadrinha a figura do travesti, que nesse caso abarca as complexas relações de gênero. Seus personagens exploram o não-lugar dos transexuais. Expulsos em ditaduras políticas e políticas comportamentais que vigiam e punem seus corpos insatisfeitos, esses personagens provocam e abalam qualquer posição fundamentalista.

Em O homossexual ou a dificuldade de se expressar, a mudança de sexo é crime punido com o exílio. Duas mulheres foram enviadas para a Sibéria, e estão sob a ameaça do regime ditatorial, rodeadas por lobos e ameaçadas por um vírus não identificado e pelo frio que chega a 40ºC negativos.

A bizarra história da jovem Irina (numa alusão à peça As três irmãs, de Tchekhov) e da Senhora Simpson se passa num fim de mundo, onde homens se transformam em mulheres e procriam. A garota faz o curso de piano com a Madame Garbo.  Mas ela não frequenta as aulas há seis meses. Irina confessa para a Senhora Simpsom que tem passado as tardes fora de casa envolvida em aventuras sexuais com estranhos. Está grávida e não sabe quem é o pai.

A peça também evoca as situações desumanas dos campos de concentração, os Gulags, onde mais de 50 mil homossexuais (considerados criminosos pela lei soviética), presos políticos do regime comunista russo, foram mortos entre 1934 a 1980.

O dramaturgo explorou temáticas difíceis como solidão, violência, sexo e morte de forma visionária, e seus textos se assemelham a um granada contra o discurso conservador.  As questões polêmicas foram enfrentados com humor e originalidade por Copi, que teve sua obra proibida durante muitos anos na Argentina e que ganha fôlego com recentes montagens no Brasil.

Até semana passada, o Espaço Sesc Copacabana abrigava a Ocupação Copi, com dois espetáculos além debates e oficinas. A montagem O Homossexual ou a Dificuldade de se Expressar foi apresentada pelo Teatro de Extremos, dirigido diretor e ator Fabiano de Freitas. E A Geladeira, encenada pelo francês Thomas Quillardet, mostra o conflito do protagonista que decide se suicidar dentro do eletrodoméstico, por não suportar sucessivos ataques e espoliações de figuras que atravessaram seu caminho.

Escritora Renata Pimentel

Escritora Renata Pimentel

A montagem de O Homossexual ou a Dificuldade de se Expressar, do Coletivo Angu de Teatro vai contar com a tradução da poeta e professora Renata Pimentel. Ela é autora do livro Copi – Transgressão e Escrita Transformista (2011) e também traduziu para o português três peças do dramaturgo: As Quatro GêmeasUma Visita Inoportuna e O Homossexual ou A Dificuldade de se Expressar. Renata desenvolve consultoria dramatúrgica do espetáculo.

Bazar Copi Pop da Madame Garbo
Quando: 11 de julho (sábado), das 10h às 20h
Onde: Casa da Encruzilhada (Rua Dr. José de Sá Carneiro, 60, Encruzilhada. Rua da concessionária Renaut Regence)
Entrada gratuita

Postado com as tags: , , , , ,

No Janeiro // Todas do Angu

Coletivo Angu de Teatro apresenta repertório no Janeiro de Grandes Espetáculos 2014

Os quatro espetáculos do coletivo Angu de Teatro estão na programação do Janeiro de Grandes Espetáculos. De hoje até domingo é possível conferir as encenações Essa febre que não passa, Ópera, Rasif – Mar que arrebenta e Angu de sangue. Oportunidade de conhecer ou rever o repertório de um dos grupos mais atuantes de Pernambuco nos últimos dez anos.

“Essa febre que não passa” é um verso da música Via Láctea, da banda Legião Urbana, que a jornalista e escritora Luce Pereira tomou de empréstimo para dar título ao seu primeiro livro de ficção.

Com cinco contos de Essa febre que não passa, a montagem teatral mergulha na delicadeza do universo feminino na contemporaneidade, com humor, perspicácia, crítica e doses de realidade, a partir da história das atrizes envolvidas na peça. São elas: Ceronha Pontes, Hermila Guedes, Hilda Torres, Quitéria Kelly, Mayra Waquim, Nínive Caldas e Lilli Rocha (stand in). A direção é assinada por André Brasileiro e Marcondes Lima.

Serviço:
Essa Febre Que Não Passa (Recife/PE)
Quando: Hoje,
16 de janeiro, 21h
Onde: Teatro Apolo
Ingresso: R$ 20 e R$ 10
Indicação: a partir de 16 anos

Ceronha Pontes e Hermila Guedes em Essa febre que não passa. Foto: Ivana Moura

Ficha técnica
Texto: Luce Pereira.
Direção: André Brasileiro e Marcondes Lima.
Assistência de direção: Maria do Céu Cezar.
Direção de arte: Marcondes Lima.
Direção musical e trilha sonora original: Henrique Macedo
Coordenação de produção: Tadeu Gondim
Produção executiva: Dani Varjal, Ivo Barreto e Nínive Caldas
Iluminação: Luciana Raposo
Vídeos: Tuca Siqueira e Cabra Quente Filmes
Musicista: Josi Guimarães
Elenco: Ceronha Pontes, Hermila Guedes, Hilda Torres, Quitéria Kelly, Mayra Waquim, Nínive Caldas e Lilli Rocha (stand in)

Essa febre que não passa. Foto: Ivana Moura

Sobre Essa febre que não passa eu escrevi para o caderno Viver, do Diario de Pernambuco, publicado em 9 de maio de 2011:

Das feridas sociais de Angu de sangue e Rasif – mar que arrebenta, passando pela temática gay de Ópera, o grupo chega às dores pessoais à partir do olhar feminino da escritora Luce Pereira e das seis atrizes – Ceronha Pontes, Hermila Guedes, Hilda Torres, Márcia Cruz, Mayra Waquim e Nínive Caldas e da violoncelista Josi Guimarães. A beleza, a urgência, o ritmo, as tiradas engraçadas, o humor das situações mais incríveis dos contos de Luce Pereira já eram conhecidos de alguns de nós, desde 2006, quando o livro foi lançado. O desafio era dar corpo a essas personagens feitas das palavras da escritora. O resultado superou as expectativas. É tocante. E tem um pouco de suavidade e delicadeza, de ironia e corte seco, de graça e elegância, e de uma simplicidade arrebatadora.

Essas criaturas febris apresentam suas situações-limite, carentes ou transbordantes de afeto.

Essa febre que não passa tem uma comunicação fácil e contagiante, que vem do texto. Ela encontra a beleza no prosaico e insiste que é preciso prestar atenção nas pequenas coisas. Esse material textual foi respeitado e valorizado na peça dirigida por André Brasileiro e Marcondes Lima.

A montagem do coletivo Angu insiste em algumas características investigativas do coletivo, com o ator-narrador. Mas traz algumas variações.

A peça fala do fim de relacionamento entre duas mulheres; na adoração de uma figura por nomes bonitos com uma pontinha de crítica social; nas dívidas de afeto com uma velha tia; no acerto de contas entre duas irmãs e no desespero da dor da perda.

O cenário é formado por camadas de cortinas, que remetem a outras camadas. Isso cria um ambiente etéreo, ora revelando, ora escondendo.

A trilha sonora e direção musical são de Henrique Macedo que ajudam a expandir ou comprimir os tempos e dar as atmosferas dos contos.

O elenco é o grande trunfo dessa montagem. Ceronha Pontes e Hermila Guedes protagonizam o casal de Clóvis. Nesse quadro, a promessa de felicidade já desmoronou quando o bichano é convidado. Mayra Waquim faz a artista plástica que errou no nome desde o nascimento e prossegue nas suas escolhas erradas.

Marcia Cruz incorpora não apenas uma velha, mas toda a velhice do mundo. Hilda Torres faz a sobrinha que narra a história de Bernarda e de sua inabilidade com os afagos. Em Um tango com Frida Kahlo Ceronha Pontes volta à cena para se digladiar com Mayra Waquim, esta no papel de Sofia. E o conto que encerra o espetáculo, protagonizado por Hermila Guedes, atesta que uma dor de amor pode ser fatal. É um espetáculo para quem não tem medo das emoções.

Ópera tem texto de Newton Moreno

Sobre Ópera:

Uma das características do Angu de Teatro é levar ao palco textos da literatura contemporânea, por sinal de autores pernambucanos. A escritura de Ópera é de Newton Moreno e debruça-se sobre a temática homoerótica.

São quatro contos que questionam identidades com um humor cáustico, às vezes cruel, e as reações sociais perante posturas homoafetivas. É muito contundente para falar desses tempos que correm, nos quadros O Cão, O Troféu, Culpa e Ópera. A direção é de Marcondes Lima. No palco estão Arilson Lopes, Carlos Ferrera, Fábio Caio, Ivo Barreto, Tatto Medinni, Dirceu Siqueira e Ellen Roche.

SERVIÇO
Ópera, do Coletivo Angu de Teatro e Atos Produções Artísticas (Recife/PE)
Quando: Amanhã, 17 de janeiro (sexta), 21h
Onde: Teatro Apolo
Ingresso: R$ 20 e R$ 10
Indicação: a partir de 18 anos

Foto da estreia de Ópera, em 2007, com Tatto Medinni e Arilson Lopes

Ficha técnica
Texto: Newton Moreno
Encenação e direção de arte: Marcondes Lima
Direção musical e trilha sonora original: Henrique Macedo
Preparação corporal e assistência de direção: Vavá Schön-Paulino
Plano de Luz: Játhyles Miranda
Direção de produção: Tadeu Gondim
Produção executiva: Lilli Rocha e Nínive Caldas
Elenco: Arilson Lopes, Carlos Ferrera, Fábio Caio, Ivo Barreto, Tatto Medinni, Dirceu Siqueira e Ellen Roche

Rasif – Mar que arrebenta, sábado, no Teatro Hermilo Borba Filho

Sobre Rasif – Mar que arrebenta:

Marcelino Freire tem uma prosa lírica, mas não é afago, é porrada. Seus personagens passam por humilhações, mas um dia explodem ou se vingam. Eles estão nas bordas, seja lá onde fique isso. Suas palavras são punhais cortantes, lâminas afiadas que manifestam a revolta de figuras que correm contra um destino ruim.

Em estado de miséria existencial ou econômica, esses farrapos humanos lutam no dia-a-dia contra o que estamos cansados de saber. Além da arrogância do patrão (quando existe um) e as tramóias dos poderosos (qualquer mísero poder). E eles no anonimato.

Marcelino Freire coloca um lupa sobre esses seres cansados da crueldade da vida em Rasif– Mar que arrebenta. As histórias sao episódicas e o tratamento do autor é virulento numa resposta à altura da violência da sociedade.

SERVIÇO
Rasif – Mar Que Arrebenta / Coletivo Angu de Teatro e Atos Produções Artísticas (Recife/PE)
Quando: 18 de janeiro (sábado), 21h
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho
Indicação: a partir de 14 anos

Ficha técnica
Texto: Marcelino Freire
Encenação e direção de arte: Marcondes Lima
Direção musical e trilha sonora original: Henrique Macedo
Preparação corporal: Vavá Schön-Paulino
Iluminação: Játhyles Miranda
Vídeos: Oscar Malta e Tuca Siqueira
Direção de produção: André Brasileiro
Produção executiva: Tadeu Gondim, Gheuza Sena, Ivo Barreto, Fábio Caio, Marcondes Lima e Maria Helena Carvalho
Músicos: Marcondes Lima, Tarcísio Resende, Luziano André e Eugênio Gomes
Elenco: André Brasileiro, Arilson Lopes, Fábio Caio, Ivo Barreto, Márcia Cruz, Vavá Schön-Paulino e Tatto Medinni (stand in)

Espetáculo Angu de sangue, que deu origem ao coletivo foto: Tuca Siqueira

Sobre Angu de sangue:

Não tem mocinho em cena na peça Angu de Sangue, primeira montagem do coletivo a partir do livro de Marcelino Freire. Em dez quadros o autor e os atores expõem o lado mais mais desumano de figuras que lutam para sobreviver, muitas vezes matando o sentimento do outro. São seres cruéis, egoístas ou vítimas de doenças sociais. Entre eles, uma mídia que explora a miséria e ganha a vida com a dor alheia.

SERVIÇO
Angu de Sangue / Coletivo Angu de Teatro e Atos Produções Artísticas (Recife/PE)
Quando: 19 de janeiro (domingo), 20h,
Quanto: R$ 20 e R$ 10
Onde: Teatro Apolo
Indicação: a partir de 16 anos

Ficha técnica
Texto: Marcelino Freire
Encenação e direção de arte: Marcondes Lima
Direção musical e trilha sonora original: Henrique Macedo
Preparação corporal: Peter Dietz
Plano de luz: Játhyles Miranda
Criação e edição de vídeos: Oscar Malta e Tuca Siqueira
Direção de produção: André Brasileiro
Produção executiva: Tadeu Gondim. Elenco: Arilson Lopes, Fábio Caio, Ivo Barreto, Gheuza Sena e Hermila Guedes

Postado com as tags: , , , , , , , , , , ,