Arquivo da tag: Camila Nhary

As sensações da Armazém

Armazém apresenta Antes da coisa toda começar. Fotos: Pollyanna Diniz

As canções do Cazuza não fazem parte da trilha sonora de Antes da coisa toda começar, nova peça da Armazém Companhia de Teatro, grupo do Rio de Janeiro. Mas depois da apresentação da montagem no Festival de Curitiba, foi a música Vida louca vida (de Lobão/Bernardo Vilhena, mas mais conhecida na voz de Cazuza) que pareceu ecoar nas paredes daquele galpão onde foi montada a estrutura para o espetáculo, e bem depois – quando todos já tinham ido embora. Sim, porque essa montagem definitivamente não é algo do qual nos “libertamos” facilmente. “Vida louca vida / Vida breve / Já que eu não posso te levar / Quero que você me leve”.

Você já se pensou imortal como o Cazuza? Já achou que poderia tudo o que quisesse? Já passou pela dor? Pela inveja? Pela frustração de não ter o que você mais quer? A peça é sobre tudo isso. E embora o teatro seja mesmo uma arte de sensações, é difícil que um grupo consiga fazer com que a plateia chegue ao menos perto de sentir o que aquele outro, lá no palco, está vivenciando, seja com um bom texto, com o trabalho de interpretação, com uma música. E esse é o mérito dessa companhia que já tem 22 anos de trajetória. A última vez em que o grupo esteve no Recife foi para apresentar a peça A inveja dos anjos, no Teatro de Santa Isabel, ano passado.

Dramaturgia é de Paulo de Moraes e Maurício Arruda Mendonça

 

Thales Coutinho interpreta ator"mentado"

Neste novo projeto, que vinha sendo idealizado desde o início do ano passado e já fez temporada no Rio de Janeiro e em São Paulo, o grupo vem com um diferencial percebido logo no início da apresentação. A música do espetáculo, dirigida por Ricco Vianna, que também está em cena, parece ser parte muito mais visceral da montagem. Alguns dos atores (o elenco é composto por Patrícia Selonk, Thales Coutinho, Rosana Stavis, Ricardo Martins, Marcelo Guerra, Simone Vianna, Camila Nhary e Ricco Vianna) cantam e também compõem uma banda, que faz a música do espetáculo ao vivo.

Rico Vianna, também em cena, é o diretor musical

O diretor Paulo de Moraes já havia contado em entrevista coletiva que essa mudança vinha a partir da influência do grupo Galpão, de Minas Gerais, que tem uma musicalidade muito forte. “Os atores fizeram intercâmbio com o Galpão e voltaram dizendo que queriam tomar conta da música, mas eu tinha que achar algo que se encaixasse ao meu trabalho”. A banda fica nas laterais do palco, mas no alto, como que em plataformas. Alguns atores, em alguns momentos, também sobem em estruturas montadas na parede, como que para delimitar o risco que corremos ao viver. A montagem também usa de projeções, que dão a impressão de videoclipes e ajudam no ar onírico da peça.

Na peça, o fantasma de um ator que interpretou Hamlet (ele traz consigo sempre um crânio) encontra três personagens – Zoé, uma garota apaixonada pelo irmão; Téo, um ator; e Léa, uma cantora doente. E a partir deles, das situações vivenciadas por eles pouco antes da suas mortes, esse fantasma revive as suas próprias emoções. O texto escrito em parceria por Paulo de Moraes e Maurício Arruda Mendonça tem poesia, força, ironia, humor, drama. E o trabalho dos atores, inclusive alguns bem jovens, consegue segurar essa dramaturgia. Patrícia Selonk interpretando a jovem louca pelo irmão, e Rosana Stavis, que está substituindo Simone Mazzer, e faz a cantora, têm atuações vibrantes e, ao mesmo tempo, tocantes.

Rosana Stavis canta muito no espetáculo!

É na figura do ator Téo (Thales Coutinho) que a companhia discute mais o próprio ato de fazer teatro. Afinal, como disse Paulo de Moraes, “foi no palco que a maioria de nós se sentiu imortal”, assim como o ator “mentado” da história. E há sempre a necessidade que o colega de profissão de Téo insistia: a de contar uma história. A Armazém Companhia de Teatro sabe bem disso.

Zoé é apaixonada pelo irmão

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , ,