Arquivos da categoria: Agenda

A Visita da Velha Senhora reacende debate entre ética e sobrevivência

Denise Fraga protagoniza espetáculo de Friedrich Dürrenmatt e divide a cena com mais doze atores, incluindo o pernambucano Tuca Andrada. Foto: Cacá Bernardes

Denise Fraga protagoniza espetáculo de Friedrich Dürrenmatt e divide a cena com mais doze atores, incluindo o pernambucano Tuca Andrada. Foto: Cacá Bernardes

Ao chegar ao Recife em 2016 com a peça Galileu Galilei, de Bertolt Brecht, Denise Fraga disse, em mais de uma entrevista, que encenou o espetáculo para refletir sobre o incômodo que sentia ao ver pessoas justificando o injustificável e fazendo cara de paisagem para os mais diversos absurdos. É com o mesmo espírito que ela vem novamente ao Recife com o espetáculo A Visita da Velha Senhora, peça de Friedrich Dürrenmatt que se tornou um clássico instantâneo do teatro contemporâneo. A peça terá quatro sessões no Teatro de Santa Isabel, desta quinta (24) até o domingo (27). Junto com A alma boa de Setsuan, que a atriz protagonizou em 2008, Denise diz ter encenado uma trilogia que põe no palco o dilema entre ser ético e sobreviver em um mundo que incentiva a injustiça.

Quem conta essa história é um elenco de 13 pessoas, incluindo, além de Denise, o pernambucano Tuca Andrada. A bilionária Claire Zahanassian chega a Güllen, cidade onde viveu os primeiros anos de sua vida, e a encontra falida. Seu objetivo é colocar a localidade inteira a serviço de seu plano de vingança, propondo doar um bilhão aos seus habitantes se eles matarem Alfred Krank, uma antiga paixão que a abandonou grávida para se casar com outra por interesse. De início, todos acham a oferta um absurdo, mas a ricaça desarma, aos poucos, a resistência da cidade com a frase “eu posso esperar”, instalando-se no hotel da cidade com seu séquito. Previsivelmente, a morte de Krank passa de algo absurdo a necessário.

Como poucas coisas no mundo, o humor pode servir, ao mesmo tempo, como instrumento de cumplicidade e reflexão. É o que parece ser a opinião de Denise, mais uma vez mergulhando no teatro épico. “A peça não só é atual como dá a impressão de ser quase encomendada para os dias de hoje. Dürrenmatt escreve uma série de cenas que demonstram como nossos valores morais vão se adequando ao poder econômico. Ele é genial porque escreveu uma tragédia em timing cômico. A Claire é a encarnação do capital na figura de uma mulher que foi massacrada. O autor não a concebeu como uma vilã absoluta. Ela é simpática, espirituosa, muito carismática e, além disso, a dor dela está em cena. Luiz Vilaça [diretor do espetáculo] inclui a plateia como cidadãos dessa cidade. Quem vê a peça fica dividido, pois fica com raiva mas diz entender o lado dela”.

O pernambucano Tuca Andrada, que interpreta Alfred Krank, volta à cidade com A visita da velha senhora após mais de dez anos longe dos palcos locais. De acordo com o ator, o caráter duvidoso do personagem vai sofrer uma transformação profunda ao longo do espetáculo. “Krank é o único personagem verdadeiramente trágico da peça. Os outros são o que são. Ele percebe a amplitude de seu crime e começa a refletir quando não encontra mais saída. É preciso ter muita atenção ao fazer um personagem como esse, pois ele não é vilão e nem mocinho. Todos nós cometemos erros, todos nós somos vítimas. A situação dele é uma metáfora da sociedade, pois o texto traz uma discussão muito inteligente sobre o que é justiça e a quem ela serve. No Brasil, por exemplo, quem rouba milhões não vai preso, mas um pobre que rouba um pão morre dentro da cadeia. São muitas discussões e recusei outros trabalhos para vivenciar isso, especialmente com um elenco tão bom de 13 pessoas. Não sei quando vou ter essa chance de novo”.

Denise também diz ser questionada pelas pessoas sobre o porquê de ser vista muito mais em trabalhos cômicos. Embora, em A visita da velha senhora, o tema tenha um quê trágico, a atriz afirma que o humor é uma escolha ética, além de estética, para sua carreira. “Acredito no humor e na ironia como trilha para o pensamento. A peça diverte e, ao mesmo tempo, dá voz à nossa angústia. Talvez essa seja uma das maiores funções do teatro hoje: dar a palavra às pessoas. A arte funciona como um espelho para a gente se ver”.

Serviço:
A Visita da Velha Senhora, de Friedrich Dürrenmatt
Quando: Dias 24, 25, 26 e 27 de maio – quinta a sábado, às 20h; domingo, às 18h
Onde: Teatro de Santa Isabel (Praça da República, s/n, Santo Antônio)
Classificação indicativa: 14 anos
Duração: 120 min
Gênero: Comédia Trágica
Ingressos: R$ 70 e R$ 35 (meia) para a plateia e R$ 50 e R$ 25 (meia) para o terceiro piso
Informações: (81) 3355-3323

Ficha Técnica: 
Autor: Friedrich Dürrenmatt
Stage rights by Diogenes Verlag AG Zürich
Tradução: Christine Röhrig
Adaptação: Christine Röhrig, Denise Fraga e Maristela Chelala
Direção Geral: Luiz Villaça
Direção de Produção: José Maria
Elenco: Denise Fraga, Tuca Andrada, Fábio Herford, Romis Ferreira, Eduardo Estrela, Maristela Chelala, Renato Caldas, Beto Matos, David Taiyu, Luiz Ramalho, Fernando Neves, Fábio Nassar e Rafael Faustino
Direção de Arte: Ronaldo Fraga
Direção Musical: Dimi Kireeff
Trilha Sonora Original: Dimi Kireeff e Rafael Faustino
Desenho de Luz: Nadja Naira
Produção Executiva: Marita Prado
Preparação Corporal e Coreografias: Keila Bueno
Direção Vocal: Lucia Gayotto
Preparação Vocal: Andrea Drigo
Visagismo: Simone Batata
Assistente de Direção: André Dib
Assistente de Produção Musical: Nara Guimarães
Engenheiro de Mixagem: Fernando Gressler
Camareira: Cristiane Ferreira
Assistente de Iluminação e Operador de Luz: Robson Lima
Operador de Som: Janice Rodrigues
Cenotécnicos: Jeferson Batista de Santana, Edmilson Ferreira da Silva
Assessoria Financeira: Cristiane Souza
Fotografia: Cacá Bernardes
Making Of: Pedro Villaça e Flávio Torres
Redes Sociais: Nino Villaça
Programação visual: Gustavo Xella
Assessoria de Imprensa BH: Personal Press
Projeto realizado através da Lei Federal de Incentivo à Cultura
Produção Original: SESI São Paulo
Patrocínio Exclusivo: Bradesco
Realização: NIA Teatro, Ministério da Cultura e Governo Federal

Postado com as tags: , , , , , ,

Teatro de Fronteira encena Ligações Perigosas para falar da sociedade de hoje

Rodrigo Dourado (à esq.) e Rafael Almeida voltam a trabalhar como atores após anos afastados a partir do texto clássico de Choderlos de Laclos, com direção de João Denys. Foto: Ricardo Maciel

Rodrigo Dourado (à esq.) e Rafael Almeida voltam a trabalhar como atores após anos afastados a partir do texto clássico de Choderlos de Laclos, com direção de João Denys. Foto: Ricardo Maciel

O livro As ligações perigosas, clássico de Choderlos de Laclos, já seduziu muitos artistas no cinema e no teatro. Basta lembrar da versão levada ao cinema por Stephen Frears em 1988, que tomou um lugar cativo na cultura pop. A marquesa de Mertreuil e o conde de Valmont são mais do que personagens, mas arquétipos de uma elite insensível e libertina, que destrói vidas por pura diversão. O Teatro de Fronteira, que sempre apostou em uma linguagem mais documental, baseada no biodrama, usa o mesmo material para dar um ponto de inflexão em sua trajetória.

Em Ligações perigosas, que estreia nesta sexta (18) e fica em temporada até o próximo dia 29, no Teatro Hermilo Borba Filho, no Bairro do Recife, o vazio barroco da aristocracia pré-Revolução Francesa é mostrado em uma encenação mais próxima das origens do livro, um romance epistolar, focado na troca de cartas entre os aristocratas. Para quem não leu o livro nem viu as várias adaptações para o cinema, os ex-amantes competem entre si para ver quem corrompe garotas ou jovens mulheres, fazendo-as trair suas convicções de castidade e fidelidade.

Mais do que falar sobre intrigas amorosas, o texto é uma crítica social afiada de uma sociedade à beira do colapso, nada muito diferente de hoje, segundo o Teatro de Fronteira. Além de apontar o dedo para uma elite cuja insensibilidade parece ser eterna, o grupo também coloca em xeque um certo tipo de fazer teatral por meio da paródia. A decadência da elite francesa da época, alheia ao sofrimento do povo e entretida em seus jogos de sedução é posta em cena a partir da contracena dos dois atores ao redor de uma mesa, como se estivessem em um banquete.

A dissonância desse grupo social com a realidade, segundo Rodrigo, é sublinhada pelos elementos visuais do espetáculo. “A mesa é acionada como um local do encontro e também do enfrentamento. Ao mesmo tempo, o figurino e a maquiagem nos deixam com aspecto de usados, gastos, em referência a uma elite que insiste em permanecer fazendo um teatro enquanto o resto do mundo está se explodindo. Alguém pode pensar que estamos fazendo um ‘teatrão’ de fato, mas esse é o risco de fazermos uma paródia”.

A peça também traz de volta ao palco dois artistas que não pisavam nele havia alguns anos: Rodrigo Dourado, há dez anos sem atuar, e Rafael Almeida, há seis anos fora de cena. A dupla convidou, então, o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) João Denys Araújo Leite para dirigi-los em um processo que leva a teatralidade às últimas consequências. “Queríamos esse exagero. Acho que um bom texto é atemporal. Ele sempre vai falar a quem quiser ouvi-lo. Choderlos de Laclos põe as vísceras de uma sociedade sobre a mesa. Ligações perigosas fala muito das relações sociais e podemos usar a obra como metáfora para entender também o Brasil”, reflete Rafael.

O processo da montagem foi iniciado com a vontade de Rodrigo, também professor da Universidade Federal de Pernambuco, de voltar a trabalhar como ator, após consolidar uma carreira no Recife como diretor. Rafael, por sua vez, faz doutorado na Universidade Federal da Bahia (UFBA), já foi da Trupe do Barulho e trabalhou no teatro em várias frentes, seja como diretor ou como cenógrafo. O que liga ambos a João Denys é a ligação dos três com a palavra. “Sempre me interessei pelos clássicos e começamos uma pesquisa para um texto para dois atores e nos deparamos com esse texto. Minha formação é a da dramaturgia e minha escola de atuação é ‘old school’. Eu, Rafael e Denys temos em comum essa conexão com a literatura e enxergamos em As ligações perigosas uma potência teatral muito grande. Mertreuil e Valmont encenam os jogos de conquista deles. Eles brincam de interpretar”, detalha Rodrigo.

Embora o Teatro de Fronteira tenha trabalhado, em seus espetáculos, um material dramatúrgico vindo diretamente da experiência de vida dos atores ou recorrido a uma dramaturgia costurada a partir de acontecimentos reais, Rodrigo não considera uma contradição montar Ligações perigosas. “Esta adaptação é bastante literária, metafórica e até um pouco barroca. Talvez o público estranhe essa opção por uma linguagem cheia de licenças poéticas em relação ao que ele tem visto como obra do nosso coletivo, mas, no fim das contas, acho isso bom. Teatro é conflito, e o grupo está vivendo esse paradoxo”, reflete Rodrigo.

Serviço:

Ligações Perigosas, do Teatro de Fronteira
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho (Cais do Apolo, s/n, Bairro do Recife)
Quando: 18 a 27 de maio de 2018 (sextas e sábados às 20h; domingos, às 19h)
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)
Classificação Indicativa: 16 anos
Duração: 70 minutos
Informações: 3355-3320 / 3355-3321

Ficha Técnica:

Elenco: Rafael Almeida e Rodrigo Dourado
Direção: João Denys Araújo Leite
Adaptação dramatúrgica: Teatro de Fronteira
Direção de produção: Rodrigo Cavalcanti
Figurinos, adereços e maquiagem: Marcondes Lima
Confecção de adereços: Álcio Lins e Rafael Almeida
Cenografia: João Denys Araújo Leite
Assistentes de cenografia: Manuel Carlos e Rafael Almeida
Cenotecnia: Israel Marinho, Manuel Carlos e Rafael Almeida
Design e execução de luz: João Guilherme de Paula
Sonoplastia: João Denys Araújo Leite
Assistente de sonoplastia: Rafael Almeida
Execução de sonoplastia: Marconi Bispo
Identidade visual: Michel Souza
Fotos e vídeo: Ricardo Maciel
Assessoria de Imprensa: Cleyton Cabral
Realização: Teatro de Fronteira

 

Postado com as tags: , , , , , ,

Nostradamus quer ser superprodução pernambucana

Médico chamou a atenção do clero da sua época com profecias. Foto: Leandro Lima

Médico chamou a atenção do clero da sua época com profecias. Foto: Leandro Lima

O espetáculo Nostradamus, da Delfos Produções, estreia no dia 16 de maio, esta quarta-feira, com o desejo de ser uma superprodução pernambucana. Com 13 atores e um custo divulgado de R$ 150 mil, o carro-chefe do espetáculo é a dramaturgia de Doc Comparato, roteirista famoso por seus trabalhos no cinema e na TV, mas pouco visto nos palcos. O texto é uma visão pessoal de Doc sobre a figura controversa de Michel de Nostradame (1503-1566), médico francês que ficou famoso por suas profecias.

Para divulgar o espetáculo para a imprensa, a produção do espetáculo agendou uma entrevista coletiva num lugar inusitado: a Assembleia Legislativa de Pernambuco. Quem intermediou o uso do espaço foi o deputado estadual Waldemar Borges (PSB), por quem a equipe da peça e jornalistas tiveram de esperar durante uma hora para que ele começasse o evento com um breve discurso. O ambiente formal da Alepe também levou várias pessoas da equipe do espetáculo a usarem roupas sociais e maquiagem. Já o criador do texto, Doc Comparato, chegou na capital pernambucana na semana passada e foi tratado como convidado de honra. Ele estará na plateia durante a estreia e toda a sua estadia está sendo bancada pela Delfos.

Metido em terno e gravata e com uma maleta inseparável ao seu lado, Doc disse ter começado a comemoração de seus 40 anos de carreira no Recife e descreveu como esta montagem de Nostradamus passou a ganhar forma. “Vim ao Recife em 2016 para dar um curso de roteiro e acabei cedendo os direitos de duas peças da minha autoria: Jamais, Calabar, com direção de Jorge Farjalla, e esta. Criei Nostradamus em 1982, em Nova Friburgo. Estava de férias no sítio do meu pai e escrevia uma ou duas cenas por dia. Li muito sobre a época na qual ele viveu, mas depois de estar embebido daquilo, joguei fora”.

O potencial da vida de Nostradamus como material dramático, segundo Doc, foi explorado a partir da incompreensão das pessoas de sua época e do fascínio provocado por sua figura. “Imagine aquele homem falando do terceiro milênio, da 2ª Guerra Mundial no século 16. Aquilo ali não dizia respeito às pessoas daquele tempo. Também achava aquilo uma besteira e, recentemente, reli algumas profecias de Nostradamus e levei um choque. Peguei o que me chamou mais atenção, o que era mais vibrante, e o que ele falou realmente aconteceu. A grande pergunta da peça é a seguinte: nós temos destino ou cada um de nós tem poder sobre o livre-arbítrio? Ele era um visionário, um sonhador e Shakespeare diz que somos feitos da mesma matéria dos sonhos”.

A primeira montagem de Nostradamus, encenada em 1986, teve Antônio Fagundes como carro-chefe e Antonio Abujamra como diretor. A peça faz parte do que o autor chama de Trilogia do Tempo, que contém também os textos Michelangelo e O círculo das luzes. “Ninguém me encomenda peças para teatro. Eu é que sento para escrever. Sai da minha alma. É como se fosse um vestido de alta costura, dá um trabalho enorme. Já a televisão é um prêt-à-porter”, reflete Doc.

Mas um texto como esse tem relevância para os dias de hoje? O diretor da peça, Anderson Leite, acredita que sim. O encenador é, originalmente, do grupo São Gens de Teatro e foi chamado pela Delfos Produções para tocar o projeto e ajudar a escolher o elenco. “Nostradamus é visto sobre a ótica do tempo, em um triângulo entre passado, presente e futuro. Os três são uma coisa só. O texto tira o Nostradamus do endeusamento e o coloca como humano”. Em complemento à dramaturgia, ele diz ter tomado algumas liberdades. Uma dramaturgia paralela e não-verbal foi criada com a participação do multiartista Messias Black, que encarna um personagem misterioso. “Ele é um prisioneiro do tempo, um personagem que aparece em momentos de transição”.

A montagem, por sua vez, é a culminância de um processo que já dura dois anos, tempo necessário para montar o elenco, fazer a troca de alguns atores e levantar recursos financeiros, no caso dessa peça específica bastante volumosos para uma produção local – especialmente em tempos de crise. “Usamos recursos próprios e muita coisa não foi orçada em dinheiro, mas em serviços”, justifica Ana Patrícia Vaz Manso, produtora da peça junto com Matheus Vaz. Ela foi a responsável por comprar os direitos do texto após participar do curso de roteiro que Doc ministrou no Recife em 2016.

Os planos para a produção são ambiciosos. Os produtores dizem estar em negociações para levar o espetáculo a todas as capitais do Nordeste até janeiro de 2019, em 22 apresentações, quatro delas no Recife. A dupla também afirma estar em captação de recursos para circular pela Região Norte e colocaram outra meta que parece ainda mais difícil de realizar: levar a montagem até o Festival de Avignon, na França, um dos mais importantes do mundo, no ano que vem. “Nostradamus viveu na cidade, então tem tudo a ver. Já faz quatro anos que nenhuma peça brasileira se apresenta lá. Se não conseguirmos entrar na programação oficial, queremos encenar Nostradamus em alguma produção paralela”, sonha Ana Patrícia.

Serviço:
Nostradamus, da Delfos Produções
Quando: 16 de maio (quarta), às 20h
Onde: Teatro de Santa Isabel – Praça da República, s/n, Santo Antônio
Quanto: R$ 60 e R$ 30 (meia)
Informações: (81) 3355-3323 ou espetaculonostradamus@gmail.com

Ficha técnica: 
Dramaturgia: Doc Comparato
Direção: Anderson Leite
Produção executiva: Ana Patrícia Manso e Matheus Vaz
Elenco: Alberto Oliveira, Anaýra Bandeira, Cristiano Primo, Halberys Morais, Hannah Minervino, Isabela Leão, Mário Coelho, Messias Black, Patrícia Manso, Paulo César Freire, Thiago Leal, Ulisses Nascimento e Vanessa Sueidy
Trilha sonora: Raphael Souto
Cenografia: Anderson Leite
Cenotécnico: Paulo Régis
Iluminação: João Guilherme de Paula
Figurino: Deivison Maciel e Patrícia Manso
Preparação de elenco: Manoel Constantino
Programação visual: Matheus Vaz
Maquiagem: Ana Paula Oliveira
Adereços: Lourdes Alves e Paulo Régis
Assistentes de produção: Halberys Morais, Ivaldo Cunha Filho, Paulo César Freire Ulisses Nascimento
Sonoplastia: Paulo César Freire
Assistente administrativo: Magno Holanda
Música tema “Sabina”: Vanessa Sueidy
Assessoria de Imprensa: Deva Mendes
Fotografia: Leandro Lima e Matheus Vaz
Realização: Delfos Produções

Postado com as tags: , , , ,

Vamos fugir? Do Recife a Portugal

foto: Maíra Arrais

Alguém pra fugir comigo. Foto: Maíra Arrais / Divulgação

O título é sugestivo. Alguém pra fugir comigo. E nesses tempos de barbárie chega a ser um alento contar com pessoas. Mesmo que seja só uma. Para confiar. Para partilhar. Para sonhar. Com a sensação de que estamos cada vez mais vulneráveis diante das políticas públicas (e da falta delas), frente à impunidade com os verdadeiros poderosos deste país (o espetáculo rasga o manto: desde sempre), com a constatação de que somos presas fáceis quando lutamos por direitos ou criticamos, é bom ir ao teatro.

Ficar junto, conectar forças talvez seja uma saída. Sempre o talvez. Alguém para fugir comigo é a primeira montagem profissional do Coletivo Resta 1 de Teatro, grupo recifense egresso de um Curso de Formação do Sesc e que segue adiante. Esses verbos são importantes: caminhar, insistir, tentar. A peça dirigida por Analice Croccia e Quiercles Santana trabalha no campo da incerteza e isso cria potências.

A história brasileira é uma história de violências. O espetáculo investiga isso também, essa (de)formação econômica e social. A encenação combina cenas justapostas e intercambiáveis. Em comum, a opressão; dos séculos retrasado e passado e dos tempos atuais. De descaramento e cinismo. Entre quadros, os atores exercitam o grito de dor, rebentação.

Canções, provérbios, imagens, quadros isolados, literatura, cinema, história inspiram essa narrativa não-linear. Há frestas de fatos reais contemporâneos e históricos, do Brasil e da Europa. A corrupção, o trabalho escravo, recortes das metrópoles, a solidão em sua porta, os preconceitos de todas as ordens irrompem como temática, carne e movimento.

Corrupções, chantagens, traições estão na base de enriquecimentos, manutenção do status quo. Às custas de vidas silenciadas de fato e metaforicamente.

Mesmo com o gosto amargo de que nada, absolutamente nada sucede após alguns crimes. Sigamos. Mesmo que o sentimento de impotência diante da impunidade por práticas de assassinato e tortura, de que o Estado dentro do Estado mudou quase nada.

Essa montagem trabalha numa perspectiva utópica, para dizer chega de tanta brutalidade, de tanta arbitrariedade, de tanta injustiça. É um espetáculo sobre urgências.

É certo que os quadros têm estaturas diferentes e efeitos variados. Há cenas suaves e outras que rasgam o nervo e fere o osso. Em uma dessas molduras aparece Liberdade, uma negra, escrava, presa, acorrentada. A construção de camadas remete para o racismo declarado e implícito e para tantas questões imprescindíveis de identidades, espaços e pertencimentos. Em outra situação, uma mulher é humilhada até a morte por autoridades policiais. É uma cena dura, por tudo que representa e suscita.

Entre as malas do cenário os atores convidam para essa viagem. Um percurso pela trajetória de dores brasileiras e de subjetividades do elenco. Na década de 1980, Cazuza convidava “Vem comigo, no caminho eu explico”. Não sei se hoje há muito o que detalhar. Talvez sim. Mas é tempo de limpar nossas lentes para as panorâmicas e zoom. E principalmente é premente  fortalecer nossos melhores afetos, com o respeito que o ser humano merece.

Alguém para fugir comigo. Foto: Kleber Santana/Divulgação

Em frente, provoca a peça. Foto: Kleber Santana/Divulgação

Alguém pra fugir comigo
Duração: 1h30min
Classificação indicativa: 14 anos

Encenação: Analice Croccia e Quiercles Santana
Assistência dramatúrgica: Ana Paula Sá
Desenho de luz: Elias Mouret
Direção musical: Katarina Menezes e Kleber Santana
Desenho de som: Kleber Santana
Preparação de corpo e movimento: Patrícia Costa
Cenografia: Flávio Freitas
Adereços: Gorett Cabral
Narração: Zoraide Coleto
Artes digitais e gráficas: Analice Croccia
Direção artística e produção: Resta 1 Coletivo de Teatro
Elenco: Analice Croccia, Ane Lima, Caíque Ferraz, Claudiane Barros, Luís Bringel, Pollyanna Cabral, Wilamys Rosendo

SERVIÇO
Alguém Pra Fugir Comigo – Rumo À Portugal
Onde: Teatro Marco Camarotti – Recife, PE
Quando: 18 de março de 2018, 17h
Ingressos: R$ 40,00 (+ R$ 4,00 taxa) / R$ 20,00 (+ R$ 2,00 taxa) / R$ 25,00 (+ R$ 2,50 taxa)
Vendas até às 15h no site sympla
https://www.sympla.com.br/alguem-pra-fugir-comigo—rumo-a-portugal__256723
ou no teatro.

Postado com as tags: ,

As pulsações da 5ª MITsp

", Dirigida pelo polonês Krystian Lupa a peça Árvores abatidas é inspirada no romance de Thomas Bernhard. Foto: Natalia Kabanow / Divulgação

Dirigida pelo polonês Krystian Lupa, a peça Árvores Abatidas é inspirada no romance de Thomas Bernhard. Foto: Natalia Kabanow / Divulgação

Desde a primeira edição, a MITsp assumiu impotentes papéis de conectar o Brasil com o teatro contemporâneo do mundo, incentivar o exercício do pensamento no borramento de fronteiras artísticas e de levar para o centro da cena questões urgentes sobre humanidade e a luta contra desumanidades. Neste ano, na sua quinta versão, a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo além da vocação inicial também investe na projeção internacional de produções brasileiras, com o eixo da MITbr.

A MITsp começa nesta quinta-feira, no Auditório do Ibirapuera, com a apresentação para convidados do espetáculo Suíte n°2, do diretor francês Joris Lacoste, artista em foco dessa temporada. O espetáculo integra o projeto Enciclopédia da Palavra, iniciado em 2007. A dramaturgia é costurada a partir de uma série de textos, que vão de pesquisas médicas a cartas de amor, passando por discursos de políticos, coletados pelo autor nos últimos 11 anos.

São dez montagens com a participação de artistas de diversos países como Alemanha, Argentina, França, Polônia, Reino Unido, Suíça e Uruguai. A programação prossegue até o dia 11, que fecha com a performance A gente se vê por aqui, do brasileiro Nuno Ramos, com duração de 24 horas no Teatro Galpão do Folias

As peças são inéditas no país; todas com a ideia de chacoalhar as certezas sobre arte e vida.

O festival, que tem como diretor artístico Antônio Araújo e diretor de produção Guilherme Marques, conta neste ano com o menor orçamento desde a primeira edição. Em 2018 a MITsp foi erguida com R$ 2,1 milhões — foram R$ 2,9 milhões em 2017, R$ 3,4 milhões em 2016, e R$ 3,2 milhões em 2015.

Campo Minado. Foto Tristam Kenton / Divulgação

Campo Minado. Foto Tristam Kenton / Divulgação

A guerra das Malvinas (1982) deixou suas marcas insuperáveis. E é isso que a dramaturga argentina Lola Arias investiga no espetáculo Campo Minado, ao contrapor posições e lembranças de ex-combatentes argentinos e ingleses. Outra encenação que também investe nas relações entre arte, política e história é País Clandestino, que junta autores-atores-diretores de cinco países diferentes – Florencia Lindner (Uruguai), Jorge Eiro (Argentina), Lucía Miranda (Espanha), Maëlle Poesy (França) e Pedro Granato (Brasil).

A cidade síria de Palmira, saqueada e destruída pelo Estado Islâmico em 2015, é inspiração de Palmira, que embaralha realidade e ficção no espetáculo do francês Bertrand Lesca e do grego Nasi Voutsas, para discutir vingança e barbárie.

O solo Sal, da atriz e dramaturgo inglesa Selina Thompson prossegue com o debate sobre sobre racismo, colonialismo e pós-colonialismo, presente em outras edições da MITsp. A intérprete reconstrói no espetáculo a viagem que fez em um navio cargueiro em 2016, por uma das antigas rotas de comercialização de escravos, que passava por Inglaterra, Gana e Jamaica, para questionar: “Como a história e as relações coloniais permanecem em nosso cotidiano?”.

O Hamlet do dramaturgo e diretor suíço Boris Nikitin está revoltado com a plateia e com o mundo. E para traduzir sua indignação, ele conta com o suporte de um quarteto barroco para transitar entre a performance, os teatros documentário e musical.

King size, a montagem do suíço Christoph Marthaler envereda por novas possibilidades criativas do gênero musical. Com um repertório eclético, que vai desde composições de Schumann até músicas do Jackson 5, a encenação aposta na comicidade de experimentos vocais e corporais inusitados.

Árvores Abatidas, do veterano diretor polonês Krystian Lupa, é uma peças das mais aguardadas. A violência com que a realidade se imiscui no teatro ganha potência em suas obras, salientando a falta de sintonia entre o mundo da arte e o da política, com a crescente intolerância da parte mais poderosa para impor suas decisões.

Inspirada no romance homônimo do austríaco Thomas Bernhard, Árvores Abatidas ressalta a dificuldade de diálogo, o jogo de força, a precarização das condições de trabalho para o artista, e que função é essa que a arte desenvolve no século 21. Na peça, 13 atores interpretam artistas que outrora quiseram fazer a revolução do mundo. Mas as pessoas da sala de jantar, os velhos amigos, domesticaram seus ímpetos utópicos em troca de conforto, contratos e poder. Ah, o capitalismo! é muito convincente.

Para além dos espetáculos da Mostra principal e da MITbr, outros dois eixos reforçam a robustez da MITsp. São as Ações Pedagógicas, com curadoria de Maria Fernanda Vomero, com workshops e oficinas. E os Olhares Críticos, com curadoria de Luciana Romagnolli e Daniele Ávila Small, trazem potentes debates sobre censura, violência e arte no Brasil e muitas outras questões..

O Satisfeita, Yolanda? acompanha essa jornada da MITsp. Mais sobre a MITsp no blog: 

http://www.satisfeitayolanda.com.br/blog/2018/03/01/o-brasil-na-mitsp/

PROGRAMAÇÃO

1º de Março

CAMPO MINADO (da Argentina, com direção de Lola Arias)
20h – Teatro Sesi SP

Cerimônia de Abertura MITsp
20h30 – Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer
* para convidados

SUÍTE Nº2 (da França, com direção de Joris Lacoste)
21h – Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer
*para convidados

2 de Março

Pensamento-em-Processo: AUDIOREFLEX
11h-12h – Museu da Imigração

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
12h-14h – Museu da Imigração

PONTOS DE VISTA – Performance Pública
14h30-18h – Praça da República

ÁRVORES ABATIDAS (da Polônia, com direção de Krystian Lupa)
18h – Sesc Pinheiros

CAMPO MINADO (da Argentina, com direção de Lola Arias)
20h – Teatro Sesi SP
*Pensamento-em-Processo

SUÍTE Nº2 (da França, com direção de Joris Lacoste)
21h – Auditório Ibirapuera- Oscar Niemeyer
*Diálogos Transversais com Luz Ribeiro

3 de Março

PONTOS DE VISTA – Performance Pública
10h-13h – Praça da Sé

Pensamento-em-Processo: SUÍTE Nº2
11h – Itaú Cultural

Roda de Conversa – Des-normatividade: Possibilidades Criativas de Expressão
13h-15h – Oficina Cultural Oswald de Andrade

ÁRVORES ABATIDAS (da Polônia, com direção de Krystian Lupa)
18h – Sesc Pinheiros

CAMPO MINADO (da Argentina, com direção de Lola Arias)
20h – Teatro Sesi SP
*Diálogos Transversais com Márcio Seligmann-Silva

KING SIZE (da Suíça, com direção de Christoph Marthaler)
21h – Sesc Vila Mariana

SUÍTE Nº2 (da França, com direção de Joris Lacoste)
21h – Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer

4 de Março

VOCÊ TEM UM MINUTO PARA OUVIR A PALAVRA? – Performance Pública
10h-15h30 – Av. Paulista (esquina com a Rua Teixeira da Silva) /se estiver chovendo, a atividade será realizada na Casa das Rosas

Apresentação de Experimento Cênico, resultado da Residência Textos Cotidianos em Cena, realizada por Susanne Kennedy
11h-11h30 – Goethe-Institut São Paulo

Intervenção e Mediação no Espaço Público – Conversa com Nayse López e Ana Luisa Santos
15h30-16h30 – Avenida Paulista (esquina com a Rua Teixeira da Silva) /se estiver chovendo, a atividade será realizada na Casa das Rosas

ÁRVORES ABATIDAS (da Polônia, com direção de Krystian Lupa)
17h – Sesc Pinheiros

CAMPO MINADO (da Argentina, com direção de Lola Arias)
18h – Teatro Sesi SP

KING SIZE (da Suíça, com direção de Christoph Marthaler)
18h – Sesc Vila Mariana
*Diálogos Transversais com Charles Gavin

5 de Março

Abertura Comemorativa: Daqui a 10 anos…
Prática da Crítica
14h-16h – Goethe-Institut SP

Conversa entre Joris Lacoste e Nuno Ramos
19h-21h – Itaú Cultural

PALMIRA (com texto, direção e performance de Bertrand Lesca (França) e Nasi Voutsas (Grécia)
21h – Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

6 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
9h-17h – Museu da Imigração

Pensamento-em-Processo: KING SIZE
11h – Itaú Cultural

Masterclass com Victoria Pérez Royo
14h-16h – Itaú Cultural

CARANGUEJO OVERDRIVE – MITbr (do Brasil, Rio de Janeiro, com Aquela Cia. de Teatro. Direção: Marco André Nunes)
16h e 18h30 – Teatro Sesi SP

LEITE DERRAMADO – MITbr (do Brasil, São Paulo, com Cia. Club Noir. Direção: Roberto Alvim)
18h – Teatro João Caetano

NÓS, OS OUTROS ILESOS – MITbr (do Brasil, Direção: Carolina Mendonça)
19h e 21h – Casa do Povo

VAGA CARNE – MITbr (do Brasil. Concepção, atuação e texto: Grace Passô)
21h e 23h – Galpão do Folias

HAMLET (da Suíça, com direção de Boris Nikitin e performance de Julian Meding)
21h – Teatro FAAP

PALMIRA (com texto, direção e performance de Bertrand Lesca (França) e Nasi Voutsas (Grécia)
21h – Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno
*Diálogos Transversais com Christian Dunker

KING SIZE (da Suíça, com direção de Christoph Marthaler)
21h – Sesc Vila Mariana

7 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
9h-17h – Museu da Imigração

Pensamento-em-Processo: HAMLET
10h – Itaú Cultural

Pensamento-em-Processo: PALMIRA
11h – Itaú Cultural

Debate + Lançamento de Livros
14h-16h30 – Itaú Cultural

Mesa Redonda – O Devir Negro do Mundo + Lançamentos N-1
16h30-18h30 – Itaú Cultural

LEITE DERRAMADO – MITbr (do Brasil, São Paulo, com Cia. Club Noir. Direção: Roberto Alvim
18h – Teatro João Caetano

A EMPAREDADA DA RUA NOVA – MITbr (do Brasil, E² Cia de Teatro e Dança. Direção Geral e interpretação: Eliana de Santana)
20h e 22h – Sesc Ipiranga

HOTEL MARIANA – MITbr (do Brasil. Idealização e pesquisa: Muniz Pedrosa. Direção: Herbert Bianchi
20h – Complexo Cultural Funarte SP

HAMLET (da Suíça, com direção de Boris Nikitin e performance de Julian Meding)
21h – Teatro FAAP
*Diálogos Transversais com Marcelo Caetano

PALMIRA (com texto, direção e performance de Bertrand Lesca (França) e Nasi Voutsas (Grécia)
21h – Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno

sal. (do Reino Unido, com direção de Dawn Walton e texto e performance de Selina Thompson)
21h30 – Itaú Cultural

8 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
9h-17h – Museu da Imigração

Seminário Artes Cênicas: Desafios para Internacionalização
9h-12h – Itaú Cultural

Assembleia Geral – Democracia e Representação no Mundo Contemporâneo
10h-12h – Goethe-Institut São Paulo

Mesa-Redonda – O Mal-Estar das Mediações e o Isolamento da Arte
14h-17h – Itaú Cultural

Estreia do Filme Tribunal Congo
20h-22h – Espaço Itaú de Cinema Anexo

IMPREVISÍVEL – Ensaio aberto – MITbr (do Brasil, São Paulo, com o Núcleo de Improvisação. Concepção, Direção Artística e Preparação Corporal: Zélia Monteiro)
14h – Sede do Teatro da Vertigem

RISO – Ensaio aberto – MITbr (do Brasil, São Paulo, com o núcleo de dança key zetta e cia. Direção: Key Sawao e Ricardo Iazzetta.
15h – Sede do Teatro da Vertigem

CANTO PARA RINOCERONTES E HOMENS – MITbr (do Brasil, São Paulo. Com o Teatro do Osso. Direção de Rogério Tarifa (Cia do Tijolo e Cia São Jorge de Variedades)
17h – Galpão do Folias

HOTEL MARIANA – MITbr (do Brasil. Idealização e pesquisa: Muniz Pedrosa. Direção: Herbert Bianchi
20h – Complexo Cultural Funarte SP

DINAMARCA – MITbr (do Brasil, Pernambuco, com o Grupo Magiluth. Direção: Pedro Wagner)
21h – Centro Compartilhado de Criação

HAMLET (da Suíça, com direção de Boris Nikitin e performance de Julian Meding)
21h – Teatro FAAP

sal. (do Reino Unido, com direção de Dawn Walton e texto e performance de Selina Thompson)
21h30 – Itaú Cultural

9 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
9h-17h – Museu da Imigração

Seminário Artes Cênicas: Desafios para Internacionalização
9h-12h – Itaú Cultural

Pensamento-em-Processo: sal.
11h – Itaú Cultural

Roda de Conversa – Intersecções entre Poéticas Não Verbais
12h30-14h – Memorial da Resistência

Mesa-Redonda – Crítica Não é Censura: De Quem é a Arte que Pode Tudo?
13h30-18h – Itaú Cultural

PROCEDIMENTO 2 PARA LUGAR NENHUM – MITbr (do Brasil, São Paulo. Concepção e direção geral: Vera Sala)
15h – Oficina Cultural Oswald de Andrade

CANTO PARA RINOCERONTES E HOMENS – MITbr (do Brasil, São Paulo. Com o Teatro do Osso. Direção de Rogério Tarifa (Cia do Tijolo e Cia São Jorge de Variedades)
17h – Galpão do Folias

DE CARNE E CONCRETO Uma Instalação Coreográfica – MITbr (do Brasil, Brasília [DF], com Anti Status Quo Companhia de Dança. Direção Artística, Dramaturgia e Conceito: Luciana Lara)
20h – Tendal da Lapa

sal. (do Reino Unido, com direção de Dawn Walton e texto e performance de Selina Thompson)
20h – Itaú Cultural

PAÍS CLANDESTINO (com direção, texto e performance de Maëlle Poesy (França), Jorge Eiro (Argentina), Lucía Miranda (Espanha), Pedro Granato (Brasil) e Florencia Lindner (Uruguai)
21h – Teatro Cacilda Becker

DNA DE DAN – MITbr (do Brasil, Curitiba. Concepção e Performance: Maikon K)
21h – Sesc Ipiranga

DINAMARCA – MITbr (do Brasil, Pernambuco, com o Grupo Magiluth. Direção: Pedro Wagner)
21h – Centro Compartilhado de Criação

10 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
9h-17h – Museu da Imigração

Pensamento-em-Processo: PAÍS CLANDESTINO
11h – Itaú Cultural

Cena Contemporânea: Panoramas Críticos
14h-18h – Itaú Cultural

PROCEDIMENTO 2 PARA LUGAR NENHUM – MITbr (do Brasil, São Paulo. Concepção e direção geral: Vera Sala)
15h – Oficina Cultural Oswald de Andrade

DNA DE DAN – MITbr (do Brasil, Curitiba. Concepção e Performance: Maikon K)
18h – Galeria Vermelho

DE CARNE E CONCRETO Uma Instalação Coreográfica – MITbr (do Brasil, Brasília [DF], com Anti Status Quo Companhia de Dança. Direção Artística, Dramaturgia e Conceito: Luciana Lara)
20h – Tendal da Lapa

Entrevista Pública com Krystian Lupa
20h-22h – Sesc Pinheiros

sal. (do Reino Unido, com direção de Dawn Walton e texto e performance de Selina Thompson)
20h – Itaú Cultural
*Diálogos Transversais com Ana Maria Gonçalves

PAÍS CLANDESTINO (com direção, texto e performance de Maëlle Poesy (França), Jorge Eiro (Argentina), Lucía Miranda (Espanha), Pedro Granato (Brasil) e Florencia Lindner (Uruguai)
21h – Teatro Cacilda Becker

11 de Março

AUDIOREFLEX (com texto e direção de José Fernando de Azevedo (Brasil), Alejandro Ahmed (Brasil), Ariel Efraiam Ashbel (Israel), Rita Natálio (Portugal) e Claudia Bosse Alemanha).
10h-17h – Museu da Imigração

Roda de Conversa – Através das Fronteiras: Imigração, Refúgio e Arte
11h-13h30 – Oficina Cultural Oswald de Andrade

Mesa-Redonda – Amor e Ódio ao Corpo no Brasil
14h-16h30 – Avenida Paulista (esquina com a Rua Teixeira da Silva)/se chover, a atividade será realizada na Sede do Teatro da Vertigem

PAÍS CLANDESTINO (com direção, texto e performance de Maëlle Poesy (França), Jorge Eiro (Argentina), Lucía Miranda (Espanha), Pedro Granato (Brasil) e Florencia Lindner (Uruguai)
18h – Teatro Cacilda Becker
*Diálogos Transversais com André Dahmer

A GENTE SE VÊ POR AQUI (do Brasil, com direção de Nuno Ramos)
de 21h do dia 11/3 às 21h do dia 12/3 – Galpão do Folias

Postado com as tags: ,