Arquivo do autor:Pollyanna Diniz

Nós, do Grupo Galpão

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Nós - Grupo Galpão - Foto Blenda Souto Maior

Fotos do espetáculo Nós, do Grupo Galpão, feitas no dia 2 de abril, durante sessão no Itaú Cultural, em São Paulo, por Blenda Souto Maior.

*Blenda Souto Maior é pernambucana, mas atualmente moradora de São Paulo. Fotógrafa freelancer, também se dedica à arte-educação. No Recife, atuou como fotojornalista, integrando a equipe do jornal Diario de Pernambuco.

Ficha técnica do espetáculo:

NÓS
Elenco: Antonio Edson, Chico Pelúcio (substituído por Roberto Branco nesta apresentação), Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André e Teuda Bara
Direção: Marcio Abreu
Dramaturgia: Marcio Abreu e Eduardo Moreira
Cenografia: Play Arquitetura – Marcelo Alvarenga
Iluminação: Nadja Naira
Trilha e efeitos sonoros: Felipe Storino
Assistência de direção: Martim Diniz e Simone Ordones
Preparação musical e arranjos vocais / instrumentais: Ernanni Maletta
Preparação vocal e direção de texto: Babaya
Colaboração artística: Nadja Naira e João Santos
Assistência de figurino: Gilma Oliveira
Assistência de cenografia: Thays Canuto
Cenotécnica e construção de objetos: Joaquim Pereira e Helvécio Izabel
Operação e assistência de luz: Rodrigo Marçal
Desenho de som e programação de efeitos: Fábio Santos
Assistente técnico: William Teles
Assistente de produção: Cleo Magalhães
Confecção de figurino: Brenda Vaz
Técnica de pilates: Waneska Torres
Direção de produção: Gilma Oliveira
Produção executiva: Beatriz Radicchi
Produção: Grupo Galpão

Postado com as tags: , , ,

Teatro de reflexão e resistência. Vem aí a MITsp!

Espetáculo belga abre a 4ª MITsp. Foto: Phile Deprez

Espetáculo belga abre a 4ª MITsp. Foto: Phile Deprez

Que estamos vivendo uma crise econômica, política, social, não há nisso novidade. Um golpe arquitetado por homens brancos, ricos, corruptos e vestindo ternos tirou do poder a presidenta Dilma Rouseff. Depois disso, diariamente, nos deparamos com notícias e declarações que nos fazem quase perder a fé de que ainda há alguma possibilidade neste país. Mas qual o papel dos artistas diante disso? E de um festival de teatro? A quarta edição da MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que começa na próxima terça-feira (14) e dura uma semana (21), decidiu ao menos (um grande intento) tentar refletir sobre o momento que estamos atravessando. O texto curatorial, praticamente um manifesto, assinado por Antônio Araújo, diretor artístico da MITsp, e Guilherme Marques, diretor geral de produção, fala sobre resistência. “Não apenas resistência de sobrevida para um festival ainda novo, mas de fortalecimento da imaginação, de recusa ao cinismo, de superação da apatia e, principalmente, de continuar acreditando na nossa capacidade de ação e de transformação. Recusamos, em igual medida, tanto o estado de coisas a que chegou este país, quanto o estado de ‘coisa’ que insistem em nos imputar”.

Desde a primeira edição da MITsp, não só a curadoria dos espetáculos faz com que a mostra tenha se tornado a mais significativa do país para o teatro de pesquisa, mas a ideia fundamental de que teatro e reflexão andam juntos. Se os espetáculos conseguem, em sua grande maioria, nos tirar do eixo pela experimentação artística, pelas temáticas, pelas abordagens, pelo hibridismo de linguagem, a discussão criada em torno desses espetáculos e do próprio teatro sempre foi um dos pilares da mostra. Este ano, a curadoria do eixo denominado Olhares Críticos, responsável por pensar todas essas conexões em torno da reflexão que a mostra pode gerar, foi assinada pelos jornalistas e críticos Kil Abreu e Luciana Romagnolli. As ações pedagógicas continuam sob a responsabilidade da jornalista Maria Fernanda Vomero. Há ainda o seminário internacional Discursos sobre o Não Dito: racismo e a descolonização do pensamento, cuja curadoria é de Eugênio Lima e Majoí Gongora.

A mostra começa oficialmente (algumas atividades pedagógicas já iniciaram) no Theatro Municipal de São Paulo, dia 14, com o espetáculo belga Avante, Marche!, direção de Alain Platel, Frank Van Laecke e Steven Prengels. Uma banda de música, que pode servir como retrato da nossa sociedade, e a situação de saúde de um músico nos colocam diante da resistência e da finitude. O espetáculo vai contar com músicos brasileiros, sob a regência do maestro Carlos Eduardo Moreno. Para quem for na segunda sessão, no dia 15, um presente: Tom Zé vai comentar o espetáculo ao final da apresentação, na ação intitulada Diálogos Transversais.

Artista libanês Rabih Mroué apresenta três trabalhos. Foto: Houssam Mchiemech

Artista libanês Rabih Mroué apresenta três trabalhos. Foto: Houssam Mchiemech

Ainda no dia 14, começam as sessões da Mostra Rabih Mroué. O artista visual, dramaturgo, diretor e performer libanês apresenta três espetáculos: Tão Pouco Tempo, Revolução em Pixels e Cavalgando Nuvens. Na coletiva de imprensa da mostra, Antônio Araújo revelou que tenta trazer o artista à MITsp há alguns anos. O trabalho de Rabih Mroué condiz com um dos principais eixos da mostra este ano: o teatro documentário, produções que utilizam fatos reais, documentos, história. No caso do libanês, o contexto de guerra do seu país é levado ao palco, como em Revolução em Pixels, quando ele discute como os sírios estavam documentando a guerra e a própria morte; ou em Cavalgando Nuvens, que tem como performer seu irmão, vítima de um tiro durante a guerra civil libanesa. A ação Pensamento-em-processo, uma conversa com Rabih Mroué, sua esposa (que também é performer em Tão Pouco Tempo) Lina Majdalanie, e seu irmão Yasser, será mediada no dia 16, às 10h, no Itaú Cultural, por Pollyanna Diniz, uma das editoras do Satisfeita, Yolanda?.

Por que o Sr. R, Enlouqueceu? Foto: Ju Ostkreuz

Por que o Sr. R, Enlouqueceu? Foto: Ju Ostkreuz

Outros três espetáculos internacionais compõem a MITsp: o alemão Por que o Sr. R. Enlouqueceu?, com direção de Susanne Kennedy para a Münchner Kammerspiele, uma montagem que faz a adaptação do filme homônimo de Rainer Werner Fassbinder; Mateluna, continuação de Escola, vista na primeira MITsp, do chileno Guillermo Calderón; e Black Off, de Ntando Cele, diretora e performer da África do Sul. Esse último trabalho compõe outro eixo significativo na MITsp: a discussão sobre racismo, empoderamento negro, branquitude e opressão. Tanto que dois dos três espetáculos brasileiros que integram a mostra, A Missão em Fragmentos: 12 cenas de descolonização em legítima defesa, com direção de Eugênio Lima, e Branco: o cheiro do lírio e do formol, de Alexandre Dal Farra e Janaina Leite, enveredam por esse caminho, mas por diferentes vias. O terceiro espetáculo brasileiro da mostra é Para que o céu não caia, da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Os ingressos já estão esgotados, mas quem teve a sorte de comprar para a sessão do dia 18 de Para que o céu não caia, no Sesc Belenzinho, vai ter a chance de ouvir o xamã yanomami Davi Kopenawa, cujo livro inspirou o espetáculo, ao fim da apresentação, nos Diálogos Transversais.

Branco: o cheiro do lírio e do formol. Foto: André Cherri

Branco: o cheiro do lírio e do formol. Foto: André Cherri

Dentro dos Olhares Críticos, alguns destaques: o seminário Dimensões públicas da crise e formas de resistência, que contará com quatro mesas e convidados como Heloisa Buarque de Hollanda, Marcio Abreu, Vladimir Safatle, Suely Rolnik e Marcelo Freixo; uma discussão sobre teatro na Palestina, com o diretor Ihab Zahdeh, a atriz Andrea Giadach e Maria Fernanda Vomero; uma entrevista pública com Guillermo Calderón; o lançamento da nona edição da Trema! Revista de Teatro, do Recife; e a mesa Crítica e engajamento, uma proposta da DocumentaCena – Plataforma de Crítica (que reúne Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Horizonte da Cena), que será mediada por Ivana Moura, editora do Satisfeita, Yolanda?.

O Satisfeita, Yolanda?, aliás, acompanha a MITsp desde a sua primeira edição. Este ano, participamos novamente da mostra escrevendo críticas que serão distribuídas nos teatros e publicadas aqui no blog e no site da MITsp.

Confira a programação completa da MITsp no site da mostra.

Mateluna. Foto: Felipe Fredes

Mateluna. Foto: Felipe Fredes

Para Que o Céu Não Caia. Foto: Sammi Landweer

Para Que o Céu Não Caia. Foto: Sammi Landweer

Postado com as tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Camille Claudel em São Paulo

Ceronha Pontes, atriz cearense radicada no Recife, interpreta Camille Claudel. Foto: Marcio Resende

Ceronha Pontes, atriz cearense radicada no Recife, interpreta Camille Claudel. Foto: Marcio Resende

A atriz Ceronha Pontes traz sua Camille Claudel para curtíssima temporada em São Paulo, de hoje (18) a sexta-feira (21), às 21h, no Espaço Viga, em Pinheiros. Internada em um manicômio por três décadas, onde morreu em 1943, aos 79 anos, Camille viu sua genialidade aprisionada. Um espírito livre e revolucionário, abafado pela relação abusiva com Rodin, por uma sociedade hipócrita, pelo tolhimento das suas potencialidades. O trabalho, que toca diretamente em questões como arte e loucura, também trata do preconceito de gênero, do qual a artista foi vítima em várias escalas.

O espetáculo, estreado em 2006, já rendeu à atriz, cearense radicada no Recife, os prêmios de melhor atriz, iluminação e prêmio especial pelo texto no Festival de Guaramiranga. Assinando dramaturgia, direção e atuação, Ceronha Pontes assimila no próprio corpo muitas das obras da escultora, o seu tormento, a sua paixão. “O que nos mobiliza é o clamor de Camille ecoando há mais de um século: ‘exijo em altos brados a minha liberdade’. E são muitas vozes fazendo coro. Porque Camille e sua tragédia pessoal iluminam outras tantas e tantos igualmente impedidos de exercerem a própria natureza”, assinala Ceronha Pontes.

Embora a dramaturgia não seja cronológica, a história passeia por cenários como Villeneuve, território da infância, seu ateliê, o de Rodin, o manicômio. Esquecida pela família, inclusive por seu irmão Paul Claudel, Camille foi vítima de uma sociedade que não conseguia lidar com a obra e o gênio dessa mulher. O barro é um elemento de cena fundamental na construção da trajetória dessa personagem, acusada de reproduzir as obras do seu professor e amante, o escultor Auguste Rodin. Na realidade, Rodin tinha medo do talento de Camille, receio de ser superado por sua amante. A obra de Camille só foi reconhecida de fato depois da sua morte.

Camille Claudel está em circulação pelo prêmio Myriam Muniz.

Serviço:
Camille Claudel, com Ceronha Pontes
Quando: de terça (18) a sexta-feira (21), às 21h
Onde: Espaço Viga (Rua Capote Valente, 1323, Pinheiros, São Paulo)
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: (11) 3801-1843

Camille foi vítima de uma sociedade que não aceitava a genialidade de uma mulher

Camille foi vítima de uma sociedade que não aceitava a genialidade de uma mulher

A escultora francesa resistiu por 30 anos dentro de um manicômio

A escultora francesa resistiu por 30 anos dentro de um manicômio

Postado com as tags: ,

DocumentaCena ministra oficina na Mostra Capiba

Entre os dias 17 e 21 de outubro, a DocumentaCena – Plataforma de Crítica realiza a primeira ação na capital pernambucana: uma oficina de crítica teatral. Formada pelo site Horizonte da Cena (Belo Horizonte/MG), pelo blog Satisfeita, Yolanda? (Recife/PE) e pela revista eletrônica Questão de Crítica (Rio de Janeiro/RJ), a DocumentaCena é uma iniciativa de intercâmbio entre críticos, jornalistas e pesquisadores de teatro de diferentes estados do Brasil. Juntos, os profissionais dos três veículos já fizeram coberturas críticas, oficinas e debates em eventos como a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp, em 2014, 2015 e 2016), a II Bienal de Teatro da USP (2015) e o Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto (2013), em Belo Horizonte.

O Ateliê de Crítica e Reflexão Teatral, que integra a programação formativa da Mostra Capiba de Teatro, realizada pelo Sesc Casa Amarela, será ministrado por Ivana Moura, do Satisfeita, Yolanda?, e Luciana Romagnolli, crítica, pesquisadora e jornalista, uma das idealizadoras e editoras do site Horizonte da Cena. A oficina é uma realização do Cena em Questão, da programação sistemáticas dos Núcleos de Pesquisa e Memória das Artes Cênicas do Sesc Nacional.

Ivana Moura ministra Ateliê de crítica ao lado de Luciana Romagnolli. Foto: Guto Muniz

Ivana Moura ministra Ateliê de crítica ao lado de Luciana Romagnolli. Foto: Guto Muniz

Especialista em Literatura Dramática e Teatro (UTFPR), mestre em Artes (EBA-UFMG) e doutoranda em Artes Cênicas (ECA-USP), Luciana Romagnolli foi repórter nos jornais O Tempo (MG) e Gazeta do Povo (PR). Já Ivana Moura possui mestrado em Teoria da Literatura (Letras – UFPE) e especialização em Jornalismo e Crítica Cultural (UFPE). No Diario de Pernambuco, foi repórter e editora do caderno de Cultura entre os anos de 1989 e 2013.

Luciana Romagnolli é uma das idealizadoras e editoras do site Horizonte da Cena. Foto: Guto Muniz

Luciana Romagnolli é uma das idealizadoras e editoras do site Horizonte da Cena. Foto: Guto Muniz

As discussões no Ateliê pretendem contemplar apontamentos sobre a história da crítica de teatro no Brasil, a função da crítica, os problemas dos juízos de valor, a produção de subjetividade, além de questões bastante em voga no teatro contemporâneo, como o lugar do espectador. O lugar da crítica de teatro e o jornalismo cultural também devem ser abordados durante as aulas, que acontecem sempre das 14h às 18h, no Cineclube Coliseu, no Sesc Casa Amarela.

Os participantes da oficina terão a chance de discutir a produção cênica pernambucana e experimentar a prática da crítica, a partir da programação da Mostra Capiba, que vai de 14 a 22 de outubro. As inscrições para a oficina terminam nesta sexta-feira (14).

Confira também a matéria sobre a programação da Mostra Capiba.

Serviço:
Ateliê de Crítica e Reflexão Teatral, com Ivana Moura e Luciana Romagnolli
Quando: De 17 a 21 de outubro, das 14h às 18h
Onde: Cineclube Coliseu (Sesc Casa Amarela)
Quanto: Gratuito
Inscrições: Podem ser feitas até o dia 14, através do link: https://docs.google.com/forms/d/1383c1symrs2ByZrCFvMJdTqBVuBv6zxmEOxPEZAYnms/viewform?edit_requested=true

Postado com as tags: , , , , , , ,

Peça baiana sobre amizade faz sessões no Apolo

Para o Menino-Bolha faz duas sessões para o público em geral. Foto: João Milet Meirelles

Para o Menino-Bolha faz duas sessões para o público em geral. Foto: João Milet Meirelles

Nesta semana de dia das crianças, o Teatro Apolo, no Bairro do Recife, recebe o espetáculo baiano Para o Menino-Bolha. A montagem faz três apresentações, sendo uma delas destinada a escolas públicas e instituições (sexta-feira, 14, às 16h) e as outras duas (sábado, 15, às 11h e às 16h) abertas ao público em geral. A circulação está sendo financiada pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2015.

Com texto e direção de Paula Lice, a peça conta o encontro entre Maria da Graça e Pedro, possível por conta de uma história. De acordo com a sinopse: “Maria vive com a mãe, Alice, e junto com o tio, Ulisses, está tentando convencer as animadas tias Odisséia e Ilíada, que decidiram ir morar em um asilo que vive em festa, a voltarem para casa. Pedro também mora com sua mãe, Neusa. Não toma sol, não sabe andar de bicicleta e tem medo de sair de casa. Ele adora sonhos e tem uma vizinha, Dona Quel, que fala grave e cuida dele quando sua mãe demora de chegar em casa. Maria da Graça tem uma Girafa, com quem ela conversa e brinca. E é ela que sabe quem é, afinal, o menino-bolha”.

No elenco do espetáculo estão os atores Lia Lordelo, Jarbas Oliver, Felipe Benevides, Igor Epifânio, Saulo Moreira e Yoshi Aguiar. A trilha sonora original foi composta por Ronei Jorge e João Milet Meirelles, do projeto Tropical Selvagem. A direção de arte é de Mayra Lins, figurinos de Rino Carvalho e o desenho de luz é assinado por Márcio Nonato.

“Chego aqui com todas as histórias que li, ouvi, vi e vivi. Mas, principalmente, com uma: a crônica Para Maria da Graça, de Paulo Mendes Campos. Nela, o narrador apresenta o livro Alice no país nas maravilhas a sua afilhada, por ocasião de seu aniversário de quinze anos. É dele uma grande dica de cabeceira: ‘Este livro é doido, Maria. Isto é: o sentido dele está em ti’”, explica Paula Lice.

Oficina de dramaturgia para infância – Ainda há vagas para a oficina intitulada “O pode ou não pode do teatro infantil: criação, crítica e práticas”, que será ministrada por Paula Lice nesta sexta-feira (14), das 9h às 12h, no Teatro Apolo. A oficina é destinada a artistas que tenham interesse em produção de textos para crianças. As inscrições podem ser feitas até momentos antes da oficina. Outras informações pelo e-mail contato@giroproducoesculturais.com .

FICHA TÉCNICA
Texto/Direção: Paula Lice
Elenco: Felipe Benevides (Pedro), Igor Epifânio (Girafa/ Tia Ilíada), Jarbas Oliver (Ulisses/ Tia Odisséia), Lia Lordelo (Alice/ Neusa), Saulo Moreira (Dona Quel) e Yoshi Aguiar (Maria da Graça)
Produção: Giro Produções Culturais
Direção Musical/Trilha Sonora: Ronei Jorge e João
Meirelles/ Tropical Selvagem
Direção de Arte: Mayra Lins
Iluminação: Márcio Nonato
Figurino/Maquiagem: Rino Carvalho
Assessoria de imprensa local: Moinho Conteúdos Criativos/André Brasileiro
Produção e Administração financeira: Giro Produções Culturais
Produção Local: Tadeu Gondim/Atos Produções Artísticas
Criação: Pequena Sala de Ideias
Realização: Pequena Sala de Ideias e Giro Produções Culturais

Serviço:
Para o Menino Bolha
Quando: sábado (15), às 11h e às 16h
Onde: Teatro Apolo (Rua do Apolo, 121, Recife Antigo)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355.332
Classificação indicativa: Livre
Duração: 60 minutos

Postado com as tags: , , , ,