Teatro do Parque – Um memorial afetivo

Teatro do Parque. Foto: Ivana Moura

Teatro do Parque. Foto: Ivana Moura

“Fui de um tempo em que não havia ar-condicionado por lá e isso não impedia a ida dos espectadores para ver, numa ante-sala do inferno, shows inesquecíveis como o de Itamar Assunção; ou de Marlene cantando Brecht; ou de Egberto Gismonti (com gente gritando lá fora, a plateia mais que lotada e ele pedindo para que os portões fossem abertos para que o povo entrasse), numa apresentação que durou até quase meia-noite.

Fui de um tempo em que chovia tanto sobre a plateia quanto sobre o palco. Quando isso acontecia, ficava difícil escutar o que falava a pessoa ao lado. E nem mesmo as intempéries deixavam a casa fechada por tanto tempo. E aconteciam shows, espetáculos e exibição de filmes.

Vi cenas de cinema sem ser exibido filme algum: a queda de uma vara de cenário (ou luz, já não me lembro) ao fundo de uma cena da montagem de Zé Manoel para As Filhas do Sol; a curra não ensaiada do público para a leitura de A Pedra do Reino; o passamento de Beatriz Segall por conta do calor; um bailarino da Quasar Cia de Dança salvar a plateia de uma barata voadora; balés de morcegos no ar e passeios felinos em cenas que não lhe pertenciam.

Subi uma única vez naquele palco como ator em Olinda Olanda Olindamente Linda, que marcou a reabertura do Parque após a última reforma feita. Lembro da alegria e do orgulho ao me deparar com as pinturas descobertas e restauradas, das cadeiras das frisas cobertas de veludo vinho, da cortina novinha, do madeiramento do chão sem farpas ou pregos… A última vez que estive trabalhando lá foi como cenógrafo, numa curta temporada de O Fogo da Vida, de Sônia Bierbard.

Vi bons filmes, a preço simbólico, com plateias lotadas: mostras de Hitchcock e Bergman… Foi para lá que levamos nossa Muriel (com dois anos), para ver o seu primeiro – Les Triplettes de Belleville. Também tínhamos que levar repelente para não sermos sugado por nenhum Nosferatu em forma de mosquito.

Como sobre todos os teatros dessa triste cidade, sempre pairou sobre ele a ameaça do descuido institucional. Triste mesmo. Rogo aos céus que essa realidade seja modificada…”

Marcondes Lima, professor, diretor, ator, cenógrafo, figurinista

“A primeira vez que pisei profissionalmente em um palco de Teatro foi no Teatro do Parque, em 1998, na estreia de Sobrados e Mocambos, da Cia. Teatro de Seraphim, dentro do Festival Recife do Teatro Nacional. De lá pra cá, foram muitas alegrias, histórias, encontros, experiências vividas naquele espaço que hoje amarga o centenário triste de uma das mais belas arquiteturas teatrais que já vi. O abandono e o descaso da gestão pública calaram há cinco anos o Teatro do Parque, acostumado a receber a população recifense em festa para apreciar teatro, dança, exposições, cinema, música, festivais e projetos de todo o tipo.

Não há como lamentar qualquer tentativa de política cultural que não priorize a história, o lugar. O primeiro sentido da palavra “cultura” está em “cultivo”. Não se cultiva sem terra. Não se faz cultura sem território. E o território do artista é o palco. Em resposta à isso, diversos espaços nascidos das inciativas particulares de artistas e grupos estão tomando força na cidade, como um grito, um respiro dos artistas e da cultura recifense que tanto têm a dizer de sua estética para a cidade.

O Espaço Fiandeiros, que é o território do nosso Grupo, tinha pouco tempo de nascido quanto o nosso vizinho, o Teatro do Parque, fechou os seus portões. Ainda não tivemos o prazer de dialogar artisticamente com o nosso vizinho centenário. Em 2012, pesquisei para minha monografia o Plano Municipal de Cultura da Cidade do Recife em um paralelo com a gestão dos espaços cênicos que estavam crescentes na cidade. Pude perceber diversos pontos de interseção na ideia de política do plano e nas ações dos grupos que poderiam estar hoje atuando em rede, juntamente com os equipamentos culturais do nosso município, a exemplo do que já está acontecendo com o diálogo entre esse espaços e ações de festivais, projetos, intercâmbios entre os grupos, os artistas e a inciativa privada. Mas, infelizmente, as ideias até hoje não foram transformadas em ações. Enquanto trabalhamos todos os dias no nosso Espaço, olhamos vizinhos ilustres: a praça Maciel Pinheiro, a casa de Clarice Lispector, o Teatro do Parque… que poderiam estar formando junto conosco, com a sede do Grupo João Teimoso e agora com a sede do Magiluth (recém chegados na vizinhança), um efervescente corredor cultural na cidade. Ao contrário disso, sofrem juntos o amargo gosto da falta de vontade política.

Daniela Travassos, atriz e diretora de produção da Companhia Fiandeiros

“Ao contrário de muitos dos meus amigos, a minha relação com o Teatro do Parque é mais musical que teatral. Todas as vezes que passo na Rua do Hospício, sinto um aperto no peito, porque tem coisas na vida que não podemos mudar, mas nesse caso, podemos mudar sim. Se o poder público tivesse o mínimo de respeito à cultura, aos artistas, aos produtores e ao povo, tudo poderia ser diferente. Ver um dos nossos patrimônios culturais mais importantes fechados e no estado em que ele se encontra, é de partir o coração. Eu, particularmente, evito passar na frente, por que dói mesmo, no fundo.

Tive o prazer de trabalhar naquele Teatro no início de minha jornada como produtor, no projeto Seis e Meia, com a banda Malakaii e Max de Castro. Também presenciei shows memoráveis como o de Paulinho da Viola, Chico César, Edson Cordeiro e Xangai. Cada vez temos menos espaços e os espaços que temos estão mal tratados. O Teatro de Santa Isabel, Teatro Apolo, Teatro Hermilo, Teatro Barreto Júnior seguem sua trajetória sofrendo com problemas de iluminação, manutenção, ar-condicionado, sonorização. Precisamos não só do Teatro do Parque de volta, precisamos de políticas públicas que protejam os nossos espaços culturais.

Maurício Spinelli, produtor e assessor de comunicação

“O nome Parque não é por acaso.
Não… Ia ao teatro ver espetáculos, shows, filmes e, antes de entrar, ficava no Parque batendo papo com os amigos sobre teatro e afins. O Teatro do Parque era um espaço para troca, aprendizados, emoções. Foi em seu jardim que assisti pela primeira vez a atriz Augusta Ferraz – e quis ainda mais ser atriz. Lá apresentei um dos espetáculos mais inesquecíveis para mim, Poemas Esparadrápicos, e lá, muitas vezes, tive certeza que nasci para o meu ofício. Esperando ansiosa que os anjos que ali habitavam, os duendes e as fadas, espalhem amor na cabeça dos governantes, para que eles reconheçam a grandiosidade da história na vida de todos nós.”

Enne Marx, atriz, palhaça e produtora da Cia Animée e dos Doutores da Alegria

Postado com as tags: , ,

Uma ideia sobre “Teatro do Parque – Um memorial afetivo

  1. Rômulo Ramos

    A nostalgia surge quando as pessoas perdem a coragem de enfrentar a realidade. Nestes momentos de crise, esquecimento e abandono, procuro encontrar um pouco de consolo nos momentos felizes que passei no palco do TEATRO DO PARQUE. Uma casa de espetáculos que uniu artistas de diversas classes, levando ao publico o riso, o choro, o sentimento da arte e do personagem. Procuro ressuscitar o teatro na minha memoria, na minha alegria, no meu passado e fotografias. Por que a esperança é a última que morre. O teatro para muitos morreu, mas para mim ele se encontra em coma, em breve ele saíra para abraçar os artistas. O teatro nunca morre, sempre ressurgi das cinzas.

    Rômulo Ramos, Ator, poeta e arte educador. Tem formação em Rádio e TV.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *